Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35ArtigosYves Lacoste e a Sierra Maestra: ...

Artigos

Yves Lacoste e a Sierra Maestra: um geógrafo contra os geografismos

Yves Lacoste and the Sierra Maestra: a geographer against the geographisms
Yves Lacoste y la Sierra Maestra: un geógrafo contra los geografismos
Yves Lacoste et la Sierra Maestra: un géographe contre les géographismes
Víctor Daltoé dos Anjos

Resumos

O presente artigo examina a crítica de Yves Lacoste ao geografismo – discurso que trata o território como personagem político – da « Montanha revolucionária » em descrições sobre a guerrilha castrista da Sierra Maestra (1956-1958). Em primeiro lugar, é exposta a hipótese do geógrafo dos irmãos Fidel e Raúl Castro não premeditaram uma guerrilha prolongada na região. Em seguida, é verificada a análise multiescalar realizada por Lacoste sobre a Sierra Maestra, desde o conjunto espacial do oriente cubano ao alto vale do Rio Yara, tanto nas páginas da revista Hérodote como no livro Unidade e diversidade do terceiro mundo. A seguir, é destacada a importância da parceria intelectual entre Yves Lacoste e o geógrafo cubano Juan Perez De La Riva, que o acompanhou em suas viagens a Cuba (1963 e 1973). Por último, são relembrados os debates realizados na revista Hérodote na virada entre os anos 1970 e 1980 sobre o conceito de geografismo.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em: 28/10/2022
Artigo aprovado em: 07/11/2022
Artigo publicado em: 01/12/2022

Texto integral

1. Yves Lacoste e o geografismo da montanha revolucionária

1O presente artigo acompa­nha a tradução, que nós mesmos realizamos e que é publicada neste número da Revista Geo­grafares, do artigo Fidel Castro et la Sierra Maestra: un théâ­tre d’opérations volontairement choisi?, de Yves Lacoste, pu­blicado na revista Hérodote em seu 5º número, relativo ao 1º trimestre de 1977, p. 7-33.

  • 1 A primeira tradução do livro La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre para a língua portu (...)

2O livro mais célebre de Yves Lacoste poderia ser intitula­do O Príncipe e o Geógrafo. Era muito evidente a meta de destacar os liames entre a geo­grafia e a política, mas o título escolhido foi A geografia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra (1976)1. As críticas incisivas à geografia tradicio­nal presentes na obra eram uma extensão das ideias da revista Hérodote, fundada no início do mesmo ano. Naquele cenário de contestação intelectual, Yves Lacoste (1977a, b) realizou uma avaliação ácida ao que qualifi­cou como um geografismo, isto é, uma espécie de discurso que trata um território tal qual uma entidade política. O mito da Sierra Maestra, em Cuba, como a « Montanha revolucionária » era seu primeiro alvo, e logo de­pois, o geógrafo mirava na ideia de que a guerrilha prolongada na região, entre 1956 e 1958, foi premeditada pelos irmãos Fidel e Raúl Castro.

3Yves Lacoste posicionou-se pela primeira vez sobre a sobre­dita guerrilha cubana no artigo Fidel Castro e a Sierra Maes­tra: um teatro de operações escolhido intencionalmente? O texto está presente no número 5 da revista Hérodote, do início de 1977, traduzido e publicado na presente edição da revista Geo­grafares. Um aprofundamento da análise de Lacoste está pre­sente no terceiro tomo da obra Unidade e diversidade do ter­ceiro mundo (1980), adaptação de sua thèse d’État, defendida no ano anterior e analisada por Anjos (2022).

  • 2 Em suas referências ao sobredito livro de Régis Debray, Lacoste costuma não incluir o ponto de inte (...)

4A quinta edição da Hérodote (1977) era dedicada à efeméri­de de dez anos da morte de Er­nesto « Che » Guevara, na Bolí­via, enquanto montava um foco guerrilheiro. Desde o editorial, Yves Lacoste (1977a) questiona justamente a teoria do foquis­mo, sistematizada pelo filósofo francês Régis Debray em A Re­volução na revolução? (1967) e disseminada pelo regime cuba­no após 19592. O geógrafo afir­ma que a exportação do modelo para outras regiões da América Latina trouxe derrotas sucessi­vas, justamente pela ausência de análises sobre as particulari­dades geográficas da Sierra Maestra, em Cuba, e da sua guerri­lha vitoriosa.

  • 3 Tradução de «moyen classique de dissimuler les contradictions des rapports de classe existants entr (...)

5Desse modo, Lacoste (1977b, p. 12) questiona a representação da Montanha, com « M » mai­úsculo, como « o berço por ex­celência das guerrilhas », para evitar escolhas irresponsáveis de outros « teatros de operação » contra o imperialismo. Por­tanto, urgia adotar estratégias geograficamente embasadas, evitando o que chama de ge­ografismo, um « meio clássico de dissimular as contradições de classe existentes entre os homens que habitam o mesmo lugar » ao « considerar lugares e espaços como atores políticos ou econômicos » (LACOSTE, 1977b, p. 32)3.

6Thomas Varlin, antigo pseu­dônimo de Michel Foucher se­gundo Claval (2000, p. 246), afirmou no mesmo número da Hérodote que os géographismes são « espécies de evidên­cias espaciais mais ou menos justificadas » que, por serem tão repetidas, causam uma « certa confusão nas representações » (1977, p. 51). Posteriormente, Lacoste (1980a, p. 27) afirmou que o geografismo é uma ale­goria que trata um lugar, uma região ou um país, como se fos­se um personagem dotado de capacidade de ação, e ignora os verdadeiros atores, como o Es­tado e as classes sociais. Isso é, um artifício que cria a ilusão da ação unânime dos que habitam um território.

7De todo modo, Yves Lacos­te reconhecia virtudes na obra A Revolução na Revolução? (1967), de Régis Débray e não apenas o enaltecimento de um geografismo. Afinal, o livro não é apenas uma apologia da revolução cubana, deixando de lado o enaltecimento hagiográ­fico dos heróis guerrilheiros, por exemplo. Entretanto, o ge­ógrafo busca uma calibragem da análise de Débray, propon­do uma démarche geográfica, e um dos primeiros passos é diferenciar estratégia e tática como questões de escala (LA­COSTE, 1977, p. 10-11). Logo, seria necessário efetuar análises diferentes sobre as dimensões territoriais diversas da provín­cia do Oriente cubano, da hin­terlândia urbana das cidades de Manzanillo e Bayamo e dos próprios flancos diversos da Sierra Maestra.

8De início, Lacoste coloca uma questão de teor mais geral: por que os castristas escolheram um setor costeiro da província do Oriente – que tinha Santiago de Cuba como sua principal ci­dade e se estendia pelo leste da ilha caribenha – para desembar­car do barco Granma ao fim de 1956? O próprio geógrafo responde que as razões eram relativamente claras (Lacoste, 1977b, p. 14-15). Em primeiro lugar, o afastamento do Oriente em rela­ção à capital de Cuba, Havana, onde se concentravam as forças policiais e de segurança do re­gime de Fulgêncio Batista. Por outro lado, Fidel Castro enxer­gava a necessidade de marcar suas diferenças em relação ao movimento oposicionista vin­culado aos estudantes radicais da Universidade de Havana, como o Directorio Estudantil.

9Em seguida, Yves Lacoste modifica a escala de análise e estabelece a interrogação central de seu artigo: será mesmo que a Sierra Maestra, a zona mais montanhosa do Oriente cubano, já estava deliberadamente es­colhida por Fidel Castro como teatro de operações antes do de­sembarque? A tripulação partiu de Tuxpan, no México, com o intuito de uma guerrilha prolon­gada na floresta?

10Yves Lacoste segue incon­sistências na própria narrativa oficial cubana. Qual o motivo dos « caminhões » deixados à disposição dos que iriam de­sembarcar do Granma se a ideia era se direcionar à Sierra Maes­tra? Se Fidel queria mesmo che­gar à Sierra, por que utilizar ca­minhões, que seriam inúteis em terreno íngreme e florestado? Se o objetivo era alcançar a Sierra Maestra, por que não aportaram na região onde a montanha en­contra o mar, e sim a mais de 100 quilômetros a oeste, na re­gião entre Pilón e Niquero, pró­xima ao Cabo Cruz, e com um atraso de três dias? Se o objeti­vo era uma guerrilha prolonga­da nas florestas, por que o plano simultâneo de uma revolta em Santiago de Cuba liderada por Frank País que chegou a ser vi­toriosa por alguns dias?

2. Sierra Maestra: o discurso ideológico à base de geografismos

11Yves Lacoste aposta em uma hipótese que diverge com o discurso oficial de Havana, com base em seus estudos de campo em Cuba, realizados em 1967 e 1973, onde teve o geó­grafo cubano Juan Pérez de la Riva como seu principal guia. Diferente da lenda da Sierra Maestra, o geógrafo francês sugere que a estratégia inicial dos guerrilheiros era tomar pri­meiramente as cidades de Pilón e Niquero e depois alcançar a conquista de Manzanillo e Bayamo, berço de duas revolu­ções de independência cubanas (1868-1878 e 1895-1898), antes de marchar para Santiago (LA­COSTE, 1977b, p. 19-20). Era uma tentativa de ampliar em es­cala a estratégia do fracassado ataque ao quartel Moncada, em 26 de julho de 1953, tentando forçar um acontecimento espe­tacular que levasse à renúncia ou a queda de Batista.

12Contudo, a estratégia não ocorreu como o esperado. O plano da concentração de cami­nhões à espera dos revoltosos foi desbaratado pelas forças do regime de Batista. O desembar­que do Granma atrasou e ocor­reu apenas em 2 de dezembro de 1956 de forma malograda, quan­do a aviação do regime já estava em ação. Resultado: as forças castristas foram massacradas e dispersadas no desastre de Ale­gría de Pío. Os remanescentes se reuniram em Los Corrales, à beira da Sierra Maestra, em 13 de dezembro, onde passaram a se beneficiar da relação com Crescencio Pérez, importante influência política local, que os conduziu às montanhas. Ou seja, para Lacoste (id., p. 22- 23), a implantação de uma guer­rilha de longa duração na Sierra Maestra foi resultado do desas­tre da estratégia inicial, e não de um plano deliberado.

13Lacoste (1977a, p. 8-9) ilus­tra as desventuras dos rebeldes castristas cartograficamente (Figura 1), em um mapa par­cialmente reproduzido no relato sobre Cuba e a Sierra Maestra de Unidade e diversidade do terceiro mundo (1980c, p. 46- 47). Para além do mapa, o ge­ógrafo segue o rastro dos seus questionamentos anteriores: como os guerrilheiros conse­guiram apoio popular na Sier­ra Maestra dada a apatia que muitos camponeses ofereceram a diversos movimentos revolu­cionários ao longo da história? Lacoste responde acionando a geografia e modifica a sua es­cala de análise, enfocando no oeste da Sierra Maestra, onde os rebeldes conseguiram refú­gio e abastecimento, e não mais no conjunto montanhoso como um todo.

Figura 1 - Rota percorrida pelos sobreviventes do Granma de dezembro de 1956 a janeiro de 1957, desde a Playa de los Colorados, onde o barco encalhou, até La Loma de Caracas, onde Fidel instalou seu primeiro quartel-general

Figura 1 - Rota percorrida pelos sobreviventes do Granma de dezembro de 1956 a janeiro de 1957, desde a Playa de los Colorados, onde o barco encalhou, até La Loma de Caracas, onde Fidel instalou seu primeiro quartel-general

Fonte: LACOSTE, 1977b, p. 8-9. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​bpt6k5622667v/​f8.image

14Em primeiro lugar, o flanco ocidental da Sierra Maestra era palco de profundas tensões so­ciais entre precaristas, campo­neses com frágil acesso à terra, e proprietários que buscavam expandir seus domínios e expul­sá-los de seus cultivos de sub­sistência e pequenas plantações de café. Era comum a resistên­cia através de bandos armados, como o de Crescencio Pérez, que possuía forte influência política na região. Desse modo, segundo Lacoste (1977b, p. 24- 26), o cenário era bastante dife­rente da vertente leste da Sier­ra Maestra, mais próxima de Santiago, onde o controle das autoridades já estava mais con­solidado. Esse contexto local facilitou a acolhida ao grupo de guerrilheiros.

15Em segundo lugar, Lacoste (id., p. 27-28) destaca o profundo impacto ambiental causado pela migração constante dos precaristas vale acima no oeste da Sierra Maestra. O desmata­mento resultava na exposição excessiva do solo às intempé­ries, levando à menor fertilida­de, ao ravinamento progressi­vo e facilitando deslizamentos. Isso sem contar a ocorrência pe­riódica de ciclones. Resultado: uma insegurança ainda maior dos camponeses pobres no se­tor ocidental da Sierra Maestra e uma maior insatisfação social.

  • 4 Yves Lacoste também inclui o Journal de la révolution cubaine (1976), de Carlos Franqui, na bibliog (...)

16Por último, Lacoste (id. p. 29-30) destaca a importân­cia das cidades como mais um « trunfo estratégico » ligado à geografia do flanco ocidental da Sierra Maestra. O geógrafo ressalta que a implementação da guerrilha na região foi facili­tada pela intensidade dos laços com as cidades, tais quais Man­zanillo e Bayamo. Com base no Journal de la révolution cubaine (1976) obra de Carlos Franqui4, importante escritor que se encontrava cubano exi­lado desde 1964, Lacoste desta­ca os contatos entre Crescencio Pérez e os militantes urbanos do Movimento 26 de Julho, ligado à liderança de Castro.

17Ou seja, a dimensão urbana é colocada em evidência por Yves Lacoste, acompanhada de crítica direta à forma como Ré­gis Debray, em A Revolução na Revolução? (1967), havia su­bestimado as cidades como nú­cleos de « aburguesamento ». No número 5 da Hérodote, onde es­tão presentes os comentários de Lacoste sobre a Sierra Maestra, consta uma ilustração, assinada por « Jean-Hervé » ironizando o geografismo que contrapõe a cidade e a Sierra como entida­des dotadas de personalidade (Figura 2). Posteriormente, La­coste (1980c, p. 65) ressaltou que a forte influência urbana de Manzanillo e Bayamo sobre o ocidente da Sierra Maestra não condizia com as « descrições líricas da guerrilha », voltada à floresta e ao rural (Figura 1).

Figura 2 - Ilustração irônica do geografismo que atribui à Sierra Maestra e às cidades cubanas uma espécie de personalidade política

Figura 2 - Ilustração irônica do geografismo que atribui à Sierra Maestra e às cidades cubanas uma espécie de personalidade política

Fonte: HÉRODOTE, 1977, p. 36-37. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​bpt6k5622667v/​f46.item

18Desse modo, ao colocar em evidência as característi­cas muito particulares do caso cubano, Lacoste (id., p. 30) aponta a evocação da Sierra Maestra como a « Montanha ideal, um arquétipo de todas as montanhas » como um « discurso ideológico a base de geografis­mos ». Ou seja, uma espécie de mito que escamoteava a situa­ção específica dos camponeses pobres no oeste das montanhas sobreditas.

19Yves Lacoste (1977b, p. 32-33) distingue a sua análise geográfica da Sierra Maestra, calibrada por diferentes esca­las e dimensões territoriais, da geografia imbuída no supraci­tado livre de Régis Debray em A Revolução na Revolução? (1967). Segundo Lacoste, o filósofo francês evoca a monta­nha « unicamente sob o ângulo da geografia física », buscando encaixá-la numa espécie de « ar­quétipo de todas as montanhas », resvalando em uma concepção tão topográfica como metafísi­ca. As condições particulares do oeste da Sierra Maestra, sob o ponto de vista da « geografia hu­mana » são deixadas de lado, ig­norando o quanto os problemas geográficos são « fundamental­mente estratégicos », e não ape­nas uma questão « superficial » e topográfica. Lacoste (1980c, p. 80) critica a Geografía de Cuba (1963), de Antonio Nuñez Ji­ménez, onde a Sierra Maestra é vista apenas do ponto de vista de sua geografia física e dos lo­cais de combate guerrilheiro, e não da localização do foco de onde se consolidou a base da rebelião.

20Por outro lado, no terceiro tomo de Unidade e diversida­de do terceiro mundo (1980c, p. 84), Lacoste inclui em sua análise um território ainda mais singular que o flanco ocidental da Sierra Maestra. Em posse de mais detalhes, o geógrafo de­fende que o verdadeiro núcleo que serviu de trampolim para o grupo guerrilheiro castrista foi o alto vale do Rio Yara, um dos cursos d’água que escorrem so­bre a vertente noroeste da Sierra Maestra, assim como o Jibacoa. Para Yves Lacoste, o Alto Yara foi o genuíno foco guerrilheiro entre 1956 e 1958, margina­lizando ainda mais a ideia de uma Montanha revolucionária abstrata.

21O olhar mais atento de Yves Lacoste (1980c) ao alto vale do Yara, articulando-o com outras escalas mais amplas, tem rela­ção com o aprimoramento de sua proposta metodológica de « níveis de análise espacial ». As origens do projeto podem ser encontradas no texto A Geogra­fia (1973), mas sua sistematiza­ção surgiu apenas em A geogra­fia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra (1976), e foi reproduzida em Unidade e diversidade do terceiro mundo (1980) (Figura 3). Afinal, o ge­ógrafo destaca o quanto o alto vale do Yara significava a « in­tersecção entre diversos conjun­tos espaciais », o que havia gera­do sua singularidade (Figura 4).

Figura 3 - Proposta de níveis de análise espacial, proposta por Yves Lacoste (1976c, p. 172-173)

Figura 3 - Proposta de níveis de análise espacial, proposta por Yves Lacoste (1976c, p. 172-173)

Figura 4 - Mapa das intersecções de conjuntos espaciais na Sierra Maestra (LACOSTE, 1980c, p. 82; 1984a, p. 440)

Figura 4 - Mapa das intersecções de conjuntos espaciais na Sierra Maestra (LACOSTE, 1980c, p. 82; 1984a, p. 440)

22Na obra Unidade e diversida­de do terceiro mundo (1980c), Lacoste não apenas enfoca nas particularidades do alto vale do Yara, no oriente cubano, como também lança luzes sobre as particularidades cubanas no seio da América Latina. Lu­gares comuns sobre a Cuba de Fulgêncio Batista e dos Castro são colocados em questão.

3. Terceiro Mundo: o lugar de Cuba na América Latina

  • 5 A obra Unidade e diversidade do terceiro mundo, analisada por Anjos (2022) foi lançada em três tomo (...)

23Em Unidade e diversidade do terceiro mundo (1980)5 Yves Lacoste reuniu quatro dos estu­dos de caso realizados em países subdesenvolvidos desde a déca­da de 1960, incluindo o delta do Rio Vermelho, no Vietnã, o Vale do Volta Branco, no antigo Alto Volta, a Grande Cabília, na Argélia e a Sierra Maestra, em Cuba. Em relação à maior ilha caribenha, há uma interrogação de fundo: por que os Estados Unidos não realizaram uma in­tervenção militar na ilha caribe­nha durante a década de 1960, mesmo que tivessem profun­dos interesses econômicos em Cuba? Por que a ofensiva mi­litar se deu no muito longe, no Vietnã? Para responder a essas questões, Yves Lacoste (1980c, p. 16) mergulha na « especifici­dade da evolução da formação social cubana no conjunto da América Latina » e afirma que a difusão do geografismo da Sier­ra Maestra como « montanha re­volucionária » teve uma função política que se verá a seguir.

24O intelectual francês Ray­mond Aron ([1983] 2018, p. XXXVI) afirma que a « zona do Caribe e a América Central foram historicamente uma zona imperial na medida em que os Estados Unidos, sem incluírem aqueles pequenos países em sua zona de soberania, deram-se o direito de empregar a força mi­litar para neles defenderem in­teresses econômicos ». Ou seja, o autor recusa a ideia de que os Estados Unidos tenham exerci­do uma dominação imperial so­bre toda a América Latina, esse « Extremo-Ocidente », nas pala­vras de Alain Rouquié ([1987] 1991). O olhar sobre as nuances geográficas também é adota­do por Yves Lacoste (1980c, p. 23), que destaca, em nota, que:

  • 6 Tradução de «Il est généralement passé sous silence dans les livres qui traitent de Cuba et qui ten (...)

É geralmente passado em silêncio nos livros que tratam de Cuba e que tendem a dar uma visão sem nuance nem contradição do imperialismo americano. Entretanto, como nós veremos, as contradições, ao menos no plano político, representaram um papel relativamente importante6.

25O geógrafo francês destaca o « New Deal » nas relações entre Estados Unidos e Cuba a partir de 1933. Naquele ano, a chega­da do democrata Franklin Dela­no Roosevelt ao poder fez com que os Estados Unidos aban­donassem o apoio ao ditador Gerardo Machado. Além disso, ocorreu a revogação da Emenda Platt, um dispositivo constitu­cional de 1902 que permitia a Washington intervir facilmente na política cubana. A base na Baía de Guantánamo foi a úni­ca concessão da qual Roosevelt não abriu mão (id., p. 22-24). Como destaca Arechavaleta ([2017] 2018), o líder militar Fulgêncio Batista manteve-se como o pivô da política do país a partir da queda de Machado.

26Sobre as décadas seguintes à Política da Boa Vizinhança e ao fim do regime machadista, Lacoste retrata uma ilha com índices socioeconômicos avan­çados em relação ao restante da América Latina e de nações europeias. Sem deixar de res­saltar a força da « dominação neoimperialista » (id., p. 28) dos Estados Unidos, Lacoste afirma que essa influência também se traduzia « pela importância do papel da imprensa e uma relati­va liberdade de expressão », en­quanto o cotidiano dos cubanos era preenchido por uma vida política « movimentada e com­plicada » (id., p. 30).

27Entretanto, para responder à questão do porque os Estados Unidos não interviram direta­mente em Cuba no pós 1959, Lacoste insiste nas figuras de Fulgêncio Batista e Fidel Cas­tro, e de suas relações nada ób­vias com Washington.

28Lacoste (id., p. 88) ressalta as oscilações na relação entre Fulgêncio Batista e os comu­nistas, inserindo os períodos de aproximação entre essas duas forças políticas no contexto da orientação reformista adotada pelo militar depois de eleito di­retamente em 1940. O molde para o estreitamento dos laços era o da « frente antifascista », enquanto o mundo era aturdido pela 2ª Guerra Mundial (1939- 1949). O geógrafo destaca tam­bém a própria constituição de 1940, que consolidou a redemo­cratização – iniciada com a re­volução de 1933. Para Lacoste (ib.), a nova carta magna havia atraído a desconfiança e des­contentamento da « oligarquia », com destaque para os temas da autonomia universitária e da le­gislação trabalhista progressista.

29Antes ainda do retorno do regime constitucional, em 1940, Fulgêncio Batista perce­beu a necessidade de modificar a « concepción autoritaria repre­siva » que vinha sendo aplicada no sentido de uma « estructura populista corporativa », segun­do Arechavaleta (2018, p. 42). Gott (2006, p. 168) afirma que a Constituição cubana de 1940 possuía « um forte conteúdo so­cial-democrata »:

[...] os trabalhadores ganharam o direito constitucional à jornada de trabalho de 8 horas, à semana de 44 horas e a um mês de férias remuneradas, e ainda pensão, previdência social obrigatória e indenização por acidente; a li­berdade de associação e o direito de voto em eleições e referen­dos foram concedidos a todos os adultos com mais de 20 anos; e as mulheres ganharam pela primeira vez o direito de votar.

30Túlio Donghi (2006, p. 291- 292) afirma as eleições de 1944 colocaram no poder um oposi­tor a Fulgêncio Batista: Ramón Grau San Martín, do Partido Revolucionário Autêntico, ven­ceu o pleito, e ainda elegeu seu sucessor, Carlos Prío Socarras, em 1948. Escândalos de corrup­ção estimularam a oposição do Partido Ortodoxo, « cuja cam­panha moralizadora encontra vasto eco » no rumo das eleições de 1952. A campanha foi inter­rompida, entretanto, pelo golpe militar que inaugurou uma nova ditadura, comandada por Ful­gêncio Batista. De todo modo, os ortodoxos continuaram ex­pressando « a opinião das clas­ses elevadas e daquelas médias urbanas », ambiente do qual par­tiu a resistência de Fidel Cas­tro à nova ditadura de Batista, também influenciado pelo meio universitário.

31Lacoste estava atento ao gol­pe de Batista em 1952. O geó­grafo afirma que Fidel Castro denunciou a violação da cons­tituição, na época como « mem­bro do Partido ortodoxo, partido de direita violentamente antico­munista, sobretudo preocupado com a legalidade e a luta contra a corrupção » (LACOSTE, id., p. 89). Gott ([2004] 2006, p. 173) afirma que a maioria dos apoiadores de Fidel Castro no ataque ao quartel Moncada, em julho de 1953, « vinha da ala jo­vem do Partido Ortodoxo ».

32No que diz respeito ao cas­trismo, Lacoste (id., p. 86) defende a posição de que Wa­shington via com bons olhos a guerrilha de Fidel Castro, pelo menos nos primeiros anos. Em 24 de fevereiro de 1957, o New York Times publicou uma ma­téria simpática aos guerrilhei­ros castristas, após a estada do jornalista Herbert Matthews na Sierra Maestra, inclusive enal­tecendo que o grupo era hostil aos comunistas. Alguns meses mais tarde, Fidel Castro foi en­trevistado em uma reportagem emitida pela CBC. Além disso, a partir do verão de 1957, Earl Smith assume como embaixa­dor americano em Cuba, ex­pressando hostilidade em rela­ção a Fulgêncio Batista. Não é por menos que em 13 de março de 1958, os Estados Unidos de­claram um embargo na venda de armas à ilha (LACOSTE, id., p. 86), fato também destacado por Donghi (1975, p. 292).

33Logo, o geógrafo questio­na as representações comuns sobre o período que envolve a ascensão dos Castro, entre 1956 e 1958, e a queda de Batista, comumente apresentado apenas como um « fantoche neoimpe­rialista, instrumento das gran­des empresas estrangeiras e a da oligarquia autóctone ». A re­produção dessa versão, princi­palmente após 1959, se confor­mava ao « esquema clássico de análise do imperialismo » (id., p. 86), e é aqui que o geografismo destacado no texto mostra seu possível efeito político. Lacos­te (2010, p. 108) afirmou que a utilização da « metáfora geo­grafista da Montanha vitoriosa » teve um propósito bastante útil durante a tomada do poder pela guerrilha castrista no despertar de 1959. O objetivo era escon­der, por um lado, a relação de animosidade vigente entre o governo de Fulgêncio Batista e os Estados Unidos e, por ou­tro, a complacência do governo americano em relação à toma­da do poder por Fidel Castro, antes da ruptura no contexto da Guerra Fria.

4. Juan Perez De La Riva: o geógrafo cosmopolita

34A influência do geógrafo cubano Juan Pérez de la Riva é incontornável para compreender a abordagem de Yves Lacoste sobre a Sierra Maestra e a rea­lidade cubana. Pérez de la Riva foi o encarregado de servir como anfitrião, guia e tradutor do ge­ógrafo francês em sua primeira viagem a Cuba, em 1967, e tor­naram-se « profundamente ami­gos » (LACOSTE, 2010, p. 103).

35O geógrafo cubano acompa­nhou novamente Lacoste quan­do esse visitou a ilha em 1973, convidado por Havana após alcançar notoriedade interna­cional por seu relatório sobre o Vietnã. A trajetória de vida do « precioso e excelente ami­go » (LACOSTE, 2013, p. 225- 232) foi descrita pelo geógrafo francês em diversas ocasiões (LACOSTE, 1977, p. 138-143; 1980c, p. 38; 2010, p. 112; 2018, p. 151-152).

36Em Antes que anoiteça ([1992] 2009, p. 94), livro au­tobiográfico de Reinaldo Are­nas, escritor cubano dissidente, constam impressões do autor sobre Pérez De La Riva:

Tivemos um excelente professor de geografia econômica que fa­lava de tudo, menos da sua ma­téria. Contava-nos acerca de suas viagens pelo mundo, pela África, pelo deserto, como tentara mon­tar um camelo que se recusava a sair do lugar. Falava das suas experiências amorosas em Paris, das mulheres que o amaram, fa­lava de literatura, citava-nos os grandes escritores. Era um huma­nista, um homem com profundo senso artístico. Chamava-se Juan Pérez de la Riva [...].

37Juan Pérez de la Riva Pons nasceu em Biarritz, em 1913, na França, em uma família cosmo­polita, de origem cubana, fran­cesa e americana. Em Cuba, foi preso por protestar contra a ditadura de Gerardo Machado (1925-1933), exilando-se na França, onde graduou-se em geografia e história, em Greno­ble. de la Riva retornou à maior ilha caribenha na década de 1940, pois a brutalidade da 2ª Guerra Mundial (1939-1945) se expressou na prisão da esposa, uma professora escolar de ori­gem judaico-polonesa. A liber­tação dessa última levou o casal a fugir para o Caribe.

38O geógrafo Juan Perez de la Riva se tornou opositor à dita­dura de Batista, instalada em 1952, e ofereceu seu apoio ao regime instalado em 1959 sob a liderança dos Castro. Contudo, sua posição parece ter divergi­do gradualmente daquela ofi­cial. Sobre Pérez De La Riva, Reinaldo Arenas (2009, p. 94) continua:

Mais tarde caiu em desgraça e tentou o suicídio por várias ve­zes, sem sucesso. Procedia de uma família milionária e era um dos líderes da revolução. Foi um dos poucos da sua família que aceitou a mudança social e per­maneceu em Cuba. Podia ir a Pa­ris para visitar a família, mas, a cada vez que viajava, atirava-se de uma ponte com a esperança de se suicidar [...].

39Em suas memórias, Yves La­coste (2018, p. 155-156) deixa registrada a sua proximidade pessoal com Juan Pérez de la Riva e as vicissitudes pessoais desse último. Enquanto realiza­vam sua pesquisa de campo na Sierra Maestra em 1973, movi­mentando-se em um caminhão soviético e sob uma tempes­tade elétrica, o geógrafo cuba­no confidenciou a Lacoste que havia tentado o suicídio, mas as autoridades haviam feito de tudo para que o desígnio não se concretizasse. Questionado pelo francês sobre as causas de tal ato, Pérez de la Riva rodeou, mas reconheceu que o regime estava interditando a geografia humana, por conta da proscri­ção soviética a tudo que recor­dasse à geopolítica. No lugar da geografia sobrava o privilégio à história.

40Lacoste (2018, p. 155-156) afirma ter sido nessa ocasião que teve contato com o fato de que, depois do Pacto Hitler-Stá­lin, de agosto de 1939, e do iní­cio da guerra entre a Alemanha Nazista e a União Soviética, em junho de 1941, a geopolítica havia sido banida por Moscou, e a geografia desidratada em nome apenas dos conhecimen­tos físicos. O mesmo modelo havia sido transplantado para sua aliada caribenha. É possível supor que Lacoste questionou com veemência o geografismo da « Montanha Revolucionária » mirando a seguinte contradi­ção: o mesmo regime cubano que marginalizava a geografia sob os auspícios soviéticos era aquele em que um mito eminen­temente geográfico – Montanha Revolucionária versus Planície Tirana – era arquitetado como fato inquestionável.

  • 7 As viagens de Yves Lacoste ao Alto Volta (atual Burkina Faso) e ao Afeganistão resultaram na public (...)

41As posições heterodoxas de Pérez de la Riva em relação ao regime castrista podem explicar o fato de que Lacoste publicou suas impressões sobre Cuba e a Sierra Maestra apenas após a morte do geógrafo cubano, que faleceu em Havana ao fim de 1976, em decorrência de um câncer na garganta. O dado é curioso, pois nos casos dos es­tudos de campo no antigo Alto Volta (1966), no Afeganistão (1966) e no Vietnã (1972), ar­tigos de Lacoste com as suas análises foram publicados logo depois das viagens, fosse em re­vistas científicas ou em jornais de grande circulação, como o Le Monde7. No caso das expe­riências do geógrafo francês em Cuba (1967 e 1973), um tempo maior se passou antes que os resultados fossem impressos no quinto número da revista Héro­dote – 1º trimestre de 1977 –, que também inclui um texto de homenagem a Juan Pérez de la Riva.

42Para além da influência de Juan Pérez de la Riva, a crítica de Yves Lacoste ao geografismo da Sierra Maestra como « mon­tanha revolucionária » deve ser compreendida no bojo de sua desconfiança crescente em rela­ção ao terceiro-mundismo. Para Lacoste ([1993] 1995, p. 1.501- 5; 2003, p. 383; 2018, p. 230- 231), esse movimento político projetava esperanças revolucio­nárias sobre a « representação geopolítica » dos países subde­senvolvidos, cujos contornos são analisados pelo geógrafo em Unidade e diversidade do terceiro mundo (1980). Como ficou evidente em Contra os antiterceiro-mundistas e con­tra certos terceiro-mundistas (1985), o autor passou a atribuir as mazelas do subdesenvolvi­mento tanto aos agentes do im­perialismo como à própria irres­ponsabilidade dos governos de nações descolonizados.

43A crítica de Yves Lacoste ao terceiro-mundismo emergiu notadamente a partir de 1979, na ocasião das guerras entre o Vietnã e o Camboja de Pol Pot, que tinha a China como sua alia­da. Como analisado em Anjos (2021), o geógrafo afirma que a guerra entre três estados coman­dados por partidos comunistas levou ao ressurgimento do ter­mo « geopolítica » na imprensa francesa, proscrito no segundo pós-guerra (LACOSTE, 1990, p. II). A crítica aos geografis­mos estava acompanhada, deste modo, do questionamento do terceiro-mundismo e logo deu lugar à proposta de uma nova geopolítica forjada nas reuniões editoriais da revista Hérodote.

445. Hérodote: dos geografismos às representações geopolíticas

45A inclusão do termo geogra­fismo nos debates intelectuais ocorridos na revista Hérodote surgiu justamente com os co­mentários de Lacoste sobre Cuba (1977a,b), mas a utiliza­ção do conceito se restringiu a poucos artigos nos anos seguintes. No 13º número da revista Hérodote, relativo ao 1º trimes­tre de 1979, o corpo editorial anuncia que a edição seguinte do periódico seria sobre os « Eu­ro-geografismos », em busca de avaliar « os papéis políticos e ideológicos das representa­ções geográficas » relacionadas à Europa (HÉRODOTE, 1979, p. 3). A ideia se concretizou em um número duplo, cujo editorial estampa uma definição de geo­grafismo como « a metamorfose de um espaço geográfico em uma entidade, um indivíduo que atua ». A presença desse artifício seria particularmente frequente e variada nos discursos que tra­tavam da Europa, o alvo princi­pal de Béatrice Giblin (1977), assim como a Sierra Maestra havia sido o de Lacoste na tira­gem anterior da Hérodote.

46Béatrice Giblin (1977, p. 18) detecta geografismos quando ações, projetos e sentimentos são atribuídos a espaços e não a indivíduos. A autora diferen­cia dois tipos de atitudes nesse caso: geografismos ligados a nomes comuns, como a « monta­nha que luta »; e a denominações próprias, tendo como exemplos as regiões francesas, como o « Norte industrial », a « Lorena heroica », a « Borgonha truculen­ta ». A gravidade do uso desses termos estaria ligada ao bai­xo teor de precisão, ignorando qualquer convenção e procedi­mento cartográfico, e, principal­mente, à ilusão de simplicidade que se encontra embutida. Os atores desaparecem, enquanto o espaço se torna dotado de uma personalidade atuante e pensan­te (GIBLIN, id., p. 19).

47Giblin (id., p. 36) conclui que:

  • 8 Tradução de «Par ailleurs, ces géographismes sont aussi des idées malfaisantes dans la mesure où el (...)

Além disso, esses geografismos são também ideias perniciosas, na medida em que evitam no­mear os verdadeiros atores. Não são as regiões, as cidades ou os países que lutam, que decidem, que exploram, mas os grupos sociais, isto é, os homens e as mulheres que, mesmo habitando uma mesma cidade, uma mesma região, um mesmo país, não pos­suem os mesmos interesses. Ora, os geografismos os representam como se fossem absolutamente solidários, pelo simples fato de serem habitantes, o que oculta quem são os patrões ou os em­pregados, os que detêm o poder e aqueles que não têm. É neces­sário nomear claramente para lhes ajudar ou lhes combater (GIBLIN, 1977, p. 35)8.

48Yves Lacoste não utiliza o conceito de geografismo nas duas primeiras edições de A geografia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra, de 1976 e 1982, mesmo que faça referência a « argumentos de tipo geográfico que impregnam o discurso político » (1976, p. 9-10), « representações do es­paço » (id., p. 24) e « alegorias espaciais » (id., p. 98). O alvo preferencial do autor era a « re­gião-personagem », herança da tradição vidaliana, e a ideia de « pays », expressão que escondia o Estado e a política por trás do território. Foi esse mesmo tipo de crítica ácida que o autor di­recionou ao mito da Sierra Ma­estra, destrinchando suas inten­cionalidades políticas, e onde o conceito de geografismo se encaixou de forma adequada à tarefa de desmistificação.

49Yves Lacoste ([1985] 2012, p. 63-65) inclui o conceito de geografismo na 3ª edição de A geografia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra, de 1976 e 1982 – revisada e am­pliada, de 1985 – considerando -o como metáforas que transfor­ma porções do espaço em forças políticas. Essa espécie de ques­tionamento era uma das expres­sões do próprio projeto editorial da revista Hérodote, um dos pi­lares do movimento de renova­ção crítica da geografia, que se deu dos dois lados do Atlântico a partir da década de 1970.

50No Brasil, Antônio Carlos Robert Moraes ([1988] 2005, p. 11) defendeu uma postura mais atenta às « representações e dis­cursos referentes ao território », tratadas pelo autor como « ideo­logias geográficas ». Com base num arco de autores que vai de Antonio Gramsci a Yves Lacos­te, o geógrafo brasileiro coloca a questão central de « como as concepções do espaço atuam na construção material do es­paço num dado país, e como atuam na própria representação do país » (MORAES, id., p. 33), priorizando o corte nacional. As ideologias geográficas se­riam aquelas decorrentes das relações entre a « construção do espaço » e de suas « imagens co­letivas ».

51A constatação de que Mo­raes ([1988] 2005) prefere « ideologia geográfica », e não geografismo, pode ter relação com sua predileção por auto­res marxistas, como Antonio Gramsci e György Lukács, mas também por outra razão: o ter­mo se torna raro nas páginas da revista Hérodote nos anos e décadas seguintes, praticamente desaparecendo. Por outro lado, a ideia de representação geo­política emergiu como compo­nente teórico mais importante. A transformação deve ser com­preendida em meio ao processo de consolidação da proposta de uma nova geopolítica pelo peri­ódico, ensaiada no editorial de Yves Lacoste intitulado « D’au­tres géopolitiques », do 2º tri­mestre de 1982 e explicitado na mudança de seu subtítulo logo a seguir, de stratégies-géogra­phies-idéologies para revue de géographie et géopolitique.

52A revista Hérodote havia surgido em 1976 propondo uma espécie de « guerrilha episte­mológica » contra as posições da geografia tradicional, como expresso no seu primeiro editorial, intitulado « Attention, géo­graphie! » (HÉRODOTE, 1976, p. 3-7). Lacoste (1983, p. 3-5) afirma que essa foi a razão pela qual o subtítulo inicial não foi « revista de geografia », dado o teor de profunda crítica no qual estava imbuído o novo proje­to editorial. Contudo, a con­solidação do periódico levou à adequação da ideia de que o que se buscava era outra geo­grafia, que dessa vez poderia atrelar-se a um raciocínio geo­político progressista e diferente daquele proscrito pelo trauma da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Nesse contexto, o conceito de representação geo­política passa a ser central nas páginas da Hérodote, por des­tacar as imagens e argumentos desenhados pelos diferentes atores em suas manobras pelo poder e o território, enquanto o de geografismo é diminuído em seu uso.

53Em seu tratado sobre fron­teiras, Michel Foucher ([1988] 1991, p. 33), integrante do cor­po editorial da revista Hérodote até o início da década de 1990, oferece uma definição de repre­sentação geopolítica:

  • 9 Tradução de « J’entends par représentation géopolitique une combinaison sélective d’images emprunté (...)

Eu entendo por representação geopolítica uma combinação seletiva – própria ao grupo que a produz – de imagens empres­tadas a diversas categorias do campo sócio-histórico e que são recompostas de maneira a formar um conjunto espacial cuja deno­minação é, ao mesmo tempo, o símbolo e o slogan de um pro­jeto político cartografável. Ela tem valor de ícone e exprime um ‘grande desígnio’ (FOUCHER, id., p. 33)9.

54No Dicionário de Geopolíti­ca ([1993] 1995), com verbetes escritos por mais de quarenta pesquisadores e que consolida posições adotadas nas pági­nas da Hérodote, Yves Lacoste ([1993] 1995, p. 1278) ressalta que a análise das « situações ge­opolíticas » deveria ser acompa­nhada do olhar sobre as « ideias geopolíticas ». As « rivalidades de poder sobre o território », centro de suas preocupações, se expressariam em « represen­tações » antagonistas sobre o espaço, cuja disseminação fi­cava ainda mais em evidência com a ampliação da liberdade de expressão e imprensa. Nes­se contexto, os geografismos se tornam uma face específica das « representações geopolíticas », cujo exemplo principal seria o das nações.

55Na década de 1990, as pá­ginas da revista Hérodote pas­sam a estampar cada vez mais estudos sobre as nações, vistas por Lacoste (id., p. 1279-1280) como a representação geopolí­tica mais importante. O debate sobre o fenômeno nacional era fértil desde o decênio anterior, com obras de Eric Hobsbwam e Ernest Gellner, além de Be­nedict Anderson ([1983] 2008), com sua proposta das nações como « comunidades politica­mente imaginadas ». Nesse con­texto, o conceito de geografismo passa a ser cada vez menos comum na revista sobredita, as­sim como na obra de Yves La­coste, enquanto a complexidade das nações como « representa­ções geopolíticas » ganha cada vez mais destaque.

  • 10 Na conclusão de Unidade e diversidade do terceiro mundo, Yves Lacoste cita uma frase de Jean Dresch (...)

56Contudo, é possível que as reflexões sobre os geografismos tenham justamente se tornado um pressuposto embutido nas teorizações sobre as « represen­tações geopolíticas ». Para Yves Lacoste (id., p. 1279), as repre­sentações expressam dois prin­cipais sentidos. O primeiro é « te­atral », quando as ideias dizem respeito aos valores projetados sobre um grupo como em busca de mobilizá-los, demovê-los e suscitar emoções. É a « geogra­fia com drama », para fazer uma referência ao protesto de Jean Dresch10, focando nos dramas que se desenrolam ao longo da história das populações. O se­gundo sentido tem relação com o mapa, no momento em que as representações geopolíticas são acopladas a uma dimensão espacial, materializando reivin­dicações específicas. Segundo o geógrafo francês, a reunião entre essas « imagens, valores e dramas » resultaria num elemen­to tido como clássico no discur­so político: a transformação dos territórios em atores antagonis­tas na história, os chamados geografismos.

Conclusão

  • 11 O relato sobre a experiência de Yves Lacoste na Martinica está presente em suas memórias (Lacoste, (...)

57Yves Lacoste escreveu A geografia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra (1976) no Caribe, em viagem à Martinica. O geógrafo foi con­vidado por Alexandre Piqueras, arquiteto de origem peruana e seu antigo conhecido, a visitar esse departamento ultramarino francês. O intuito era auxiliar em um estudo na comuna de Le Lorrain, mas o assassinato do prefeito local trouxe refor­ço policial e dificultou as pes­quisas. Lacoste resolveu passar uns dias na antiga casa colonial que Piqueras possuía, a poucas dezenas de quilômetros de Fort-de-France, a capital da ilha. Às margens da Martinica, escreveu a sua obra mais famosa11.

58Contudo, não foi a Martinica e sim Cuba, a maior ilha caribe­nha, que levou Lacoste a incluir em seus comentários o termo geografismo, um comporta­mento que atribui ao território as intenções e ações que dizem respeito a atores políticos. É possível concluir que o geó­grafo nunca deixou de atribuir importância a esse termo. Em entrevista a Pascal Lorot, La­coste (2010, p. 104) afirma que o « papel dos geógrafos deve ser de advertir contra a ilusão dos geografismos ». Ao referir-se ao caso da Sierra Maestra, o geó­grafo afirma que um geografismo é uma « feição de estilo pela qual a evocação de um conjunto geográfico (montanha, ilha, região, etc.) permite não designar precisamente as forças políti­cas minoritárias ou majoritá­rias que, sobre certa porção de território, conduzem tal tipo de ação, deixando crer que toda a população participa » (ib.).

59Desse modo, o conceito de geografismo revela uma po­tencialidade de ser operacional nas análises sobre as relações entre território e poder, notada­mente ao servir para desvelar argumentos políticos embutidos de roupagens geográficas. A própria preocupação sobre as diferentes representações geopolíticas projetadas sobre o território pode ter como um de seus componentes a observação mais atenta sobre as « metáforas geografistas » polvilhadas nos discursos.

Topo da página

Bibliografia

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução de Denise Bottman. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 [1983], p. 336.

ANJOS, V. D. Atenção, política! Yves Lacoste na crítica ao terceiro-mundismo e aos estudos pós-coloniais. Terra Brasilis (Nova Série). Revista da Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica, n. 15, 2021. Disponível em: https://journals.openedition.org/terrabrasilis/8150. Acesso em: 19 jul. 2022.

ANJOS, V. D. Yves Lacoste: linhagens do Terceiro Mundo como representação geopolítica. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Ciência Política (CFH/UFSC), Florianópolis: 2022, p. 212. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/237229. Acesso em: 7 nov. 2022.

ARECHAVALETA, C. M. La democracia republicana en Cuba: actores, reglas y estrategias electorales,1940-1952. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, [2017] 2018, p. 482.

ARENAS, R. Antes que anoiteça. Tradução de Irène Cubric. Rio de Janeiro: BestBolso, [1992] 2009.

ARON, R. Paz e guerra entre as nações. Tradução de Sergio Bath. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, Editora Universidade de Brasília, [1962-1983] 2018.

CLAVAL, P. Géopolitique de gauche: Yves Lacoste, Hérodote and the French radical geopolitics. In: Geopolitical Traditions: a century of geopolitical thought. Klaus Dodds e David Atkinson (org.). Londres, Nova York: Routledge, 2000, p. 239-267.

DONGHI, T. H. História da América Latina. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1974] 1975, p. 391.

FOUCHER, M. L’Europe des professeurs. Hérodote, n. 14-15, 2º-3º trimestre, 1979, p. 212-240.

GIBLIN, B. Attention, géographismes! Litanies de l’‘Europe, terre promisse’. Hérodote, n. 14-15, 2º-3º trimestre, p. 17-36, 1979.

GOTT, R. Cuba: uma nova história. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, [2004] 2006, p. 428.

HÉRODOTE. Géographisme illustre: Ville et la Sierra. Hérodote, n. 5, 1º trimestre, p. 36-37, 1977.

HÉRODOTE. Attention, géographie! Hérodote, n. 1, 1º trimestre, p. 3-7, 1976. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5621035h/f8.image. Acesso em: 3 nov. 2022.

HÉRODOTE. Éditorial. Hérodote, n. 13, 1º trimestre, p. 3-4, 1979. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622734t/f6.image. Acesso em: 3 nov. 2022.

HÉRODOTE. Éditorial. Hérodote, n. 14-15, 2º-3º trimestre, p. 3-5, 1979. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k56227446/f1.image. Acesso em: 3 nov. 2022.

KORINMAN, M. Quand l’Allemagne pensait le monde: Grandeur et décadence d’une géopolitique. Paris: Fayard, 1990, p. 418.

LACOSTE, Y. Problèmes de développement agricole dans la région de Ouagadougou (Haute-Volta). Bulletin de l’Association de geographes français. n. 346-347, p. 4-18, jul-ago. 1966b. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/bagf_0004-5322_1966_num_43_346_5790. Acesso em: 17 jan. 2022.

LACOSTE, Y. Kaboul et quelques problèmes de l’Afghanistan. Bulletin de l'Association de Géographes Français, v. 355-356, p. 32-50, 1967a. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/bagf_0004-5322_1967_num_44_355_5832. Acesso em: 11 mai. 2022.

LACOSTE, Y. Les bombardements de digues sont délibérés. Le Monde, 16 ago. 1972. Disponível em: https://www.lemonde.fr/archives/article/1972/08/16/les-bombardements-de-digues-sont-deliberes_2398364_1819218.html. Acesso em: 31 out. 2022.

LACOSTE, Y. A Geografia. In: História da Filosofia. Ideias, Doutrinas: A Filosofia das Ciências Sociais (VII). CHATÊLET, François (org.). Rio de Janeiro: Zahar Editores, [1973] 1974, p. 221-274.

LACOSTE, Y. La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre. Paris: François Maspero/Petite Collection Maspero, 1976c, p. 192.

LACOSTE, Y. Éditorial. Hérodote, n. 5, p. 3-6, jan-mar. 1977a. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622667v/f8.image. Acesso em: 1 nov. 2022.

LACOSTE, Y. Fidel Castro et la Sierra Maestra: un théâtre d’opérations volontairement choisi? Hérodote, n. 5, p. 7-33, jan-mar. 1977b. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622667v/f8.image. Acesso em: 13 jul. 2022.

LACOSTE, Y. Cuba: Juan Perez de La Riva, 1913-1976. Hérodote, n. 5, p. 3-6, jan-mar. 1977c. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622667v/f8.image. Acesso em: 1 nov. 2022.

LACOSTE, Y. Les objets géographiques. In: Cartes et figures de la terre. Paris: Centre Georges Pompidou, 1980d, p. 16-23.

LACOSTE, Y. Unité et diversité du tiers monde: III - Foyers révolutionnaires dans les montagens, Amérique Latine & Afrique du Nord. Tomo III. Paris: François Maspero, Hérodote, 1980c, p. 208.

LACOSTE, Y. La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre (Postface 1982). Paris: François Maspero, Petite Collection Maspero, 1982 [1976], p. 237.

LACOSTE, Y. Éditorial. D’autres géopolitiques. Hérodote, n. 25, 2º trimestre, p. 3-9, 1982. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622772h/f3.image. Acesso em: 7 nov. 2022.

LACOSTE, Y. Éditorial. Hérodote, n. 28, 1º trimestre, p. 3-5, 1983. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5752644x/f8.image. Acesso em: 7 nov. 2022.

LACOSTE, Y. Contra os antiterceiro-mundistas e contra certos terceiro-mundistas. Tradução de Márcia Nogueira de Albuquerque. São Paulo: Editora Ática, 1991 [1985], p. 143.

LACOSTE, Y. A geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Tradução de Maria Cecília França. Campinas: Papirus, [1985] [1988] 2012.

LACOSTE, Y. Paysages politiques: Braudel, Gracq, Reclus... Paris: Librairie Générale Française, 1990a, p. 288.

LACOSTE, Y. Préface. In: Quand l’Allemagne pensait le monde: Grandeur et décadence d’une géopolitique. KORINMAN, Michael (org.). Paris: Fayard, 1990b, p. I-XIV.

LACOSTE, Y. Représentations géopolitiques. In: Dictionnaire de Géopolitique, LACOSTE, Yves (org.). Paris: Flammarion, 1995a [1993], p. 1278-1280.

LACOSTE, Y. Yves Lacoste: La Géopolitique et le Géographe. Entretiens avec Pascal Lorot. Paris: Choiseul, 2010, p. 270.

LACOSTE, Y. Aventures d’um géographe. Paris: Équateur, 2018, p. 336.

MORAES, A. C. Ideologias geográficas: espaço, cultura e política no Brasil. São Paulo: Annablume, 2005 [1988], p. 158.

ROUQUIÉ, A. O Extremo-Ocidente: introdução à América Latina. Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, [1987] 1991, p. 360.

VARLIN, T. [FOUCHER, Michel]. La mort de Che Guevara: les problèmes du choix d’un théâtre d’opération en Bolivie. Hérodote, n. 5, p. 39-81, jan-mar. 1977. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622667v/f8.image. Acesso em: 13 jul. 2022.

Topo da página

Notas

1 A primeira tradução do livro La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre para a língua portuguesa se deu em 1977 pela Iniciativas Editoriais, de Lisboa, intitulada como A geografia serve antes de mais nada para fazer a guerra. No presente artigo, assim como em Anjos (2022), as referências ao título da obra se darão com base na tradução publicada em Lisboa, apenas inserindo vírgulas ao redor do termo «antes de mais nada», mesma posição da expressão «d’abord» no título original em francês, publicada pela editora de François Maspero em outubro de 1976. Yves Lacoste afirma que aventou a possibilidade de utilizar o título de O Príncipe e o Geógrafo no texto Elisée Reclus: géographicité et géopolitique, presente no livro Paysages Politiques (1990, p. 238), mas que já havia sido publicado no número 22 da revista Hérodote, do 3º trimestre de 1981, dedicado ao geógrafo anarquista Elisée Reclus (LACOSTE, 1981c, p. 14-55).

2 Em suas referências ao sobredito livro de Régis Debray, Lacoste costuma não incluir o ponto de interrogação que acompanha o título original. Na segunda orelha do livro original, La révolution dans la révolution? Lutte armée et lutte politique en Amérique Latine (1967), afirma-se que o livro foi escrito em Havana, «redigido depois de longas discussões com Fidel Castro».

3 Tradução de «moyen classique de dissimuler les contradictions des rapports de classe existants entre les hommes qui habitent un même lieu» e de «considérer des lieux, des espaces comme des acteurs politiques ou des agents économiques» (LACOSTE, 1977b, p. 32).

4 Yves Lacoste também inclui o Journal de la révolution cubaine (1976), de Carlos Franqui, na bibliografia de Unidade e diversidade do terceiro mundo (1980). Como fonte de informações sobre a guerrilha da Sierra Maestra, Lacoste (1977, p. 18, 20, 29) cita diversas vezes o sobredito livro de Carlos Franqui, que havia deixado a ilha em 1964, um ano antes do escritor Guillermo Cabrera Infante. Em março de 1971, foi a vez do poeta Heberto Padilla ser preso pelo regime (GOTT, p. 278).

5 A obra Unidade e diversidade do terceiro mundo, analisada por Anjos (2022) foi lançada em três tomos em 1980 como um número da Coleção Hérodote, uma extensão do projeto editorial da revista homônima, no bojo da editora de François Maspero. O primeiro possui como subtítulo «Das representações planetárias às estratégias sobre o terreno», com uma espécie de genealogia do conceito de Terceiro Mundo e uma análise multiescalar sobre os limites geográficos subdesenvolvimento. No segundo tomo estão presentes estudos de caso sobre o «vale deserto» do Volta Branco, no antigo Alto Volta, e o «delta superpovoado» do Rio Vermelho, no Norte do Vietnã, e o terceiro tomo discorre sobre a Grande Cabília, na Argélia, e a Sierra Maestra, em Cuba, dois «focos revolucionários nas montanhas» ao longo da história. A obra Unidade e diversidade do terceiro mundo foi relançada em 1984, em um tomo único e sem modificações de conteúdo, pela editora La Découverte, de François Gèze, que adquiriu os direitos de François Maspero.

6 Tradução de «Il est généralement passé sous silence dans les livres qui traitent de Cuba et qui tendente à donner une vision sans nuance ni contradiction de l’impérialisme américain. Comme nous le verrons, les contradictions, au moins sur le plan politique, ont cependant joué un rôle relativement important» (LACOSTE, 1980c, p. 23).

7 As viagens de Yves Lacoste ao Alto Volta (atual Burkina Faso) e ao Afeganistão resultaram na publicação de artigos no Bulletin de l’Association de Géographes Français (Lacoste, 1966; 1967) e sua passagem pelo Vietnã, no verão de 1972, ficou registrada no célebre artigo do Le Monde, em 16 de agosto, intitulado como «Les bombardements de digues sont délibérés». Yves Lacoste denunciou em diversas ocasiões a proscrição da geopolítica pelos soviéticos. Vide LACOSTE (1990, p. XIV), seu prefácio à obra Quand l’Allemagne pensait le monde: Grandeur et décadence d’une géopolitique, de Michel Korinman.

8 Tradução de «Par ailleurs, ces géographismes sont aussi des idées malfaisantes dans la mesure où elles évitent de nommer les vrais acteurs. Ce ne sont pas les régions, les villes ou les pays qui luttent, qui décident, qui exploitent, mais des groupes sociaux, c’est-à-dire des hommes et des femmes qui, même s’ils habitent une même ville, une même région, un même pays, n’ont pas les mêmes intérêts. Or les géographismes les représentent comme s’ils étaient absolument solidaires, simplement en habitants, ce qui masque les patrons et les ouvriers, ceux qui ont du pouvoir et ceux qui n’en ont guère. Il faut les nommer clairement pour les aider ou les combattre» (GIBLIN, 1977, p. 35).

9 Tradução de « J’entends par représentation géopolitique une combinaison sélective d’images empruntées à diverses catégories du champ socio-historique propre au groupe qui la produit, et qui sont recomposées de manière à former um ensemble spatial dont la dénomination est à la fois le symbole et le slogan d’um projet politique en principe cartographiable. Il a valeur d’icône et exprime um ‘grand dessein’ » (FOUCHER, [1988] 1991, p. 33).

10 Na conclusão de Unidade e diversidade do terceiro mundo, Yves Lacoste cita uma frase de Jean Dresch que serve como brado contra a antiga geografia descritiva e tradicional: «Chega de geografia sem drama!» (1980c, p. 194).

11 O relato sobre a experiência de Yves Lacoste na Martinica está presente em suas memórias (Lacoste, 2018, p. 211-212), mas referências também estavam presentes na segunda edição de A geografia serve, antes de mais nada, para fazer a guerra, na qual Lacoste (1982, p. VI) reafirma que a obra foi escrita em um «período de isolamento», na Martinica.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 - Rota percorrida pelos sobreviventes do Granma de dezembro de 1956 a janeiro de 1957, desde a Playa de los Colorados, onde o barco encalhou, até La Loma de Caracas, onde Fidel instalou seu primeiro quartel-general
Créditos Fonte: LACOSTE, 1977b, p. 8-9. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​bpt6k5622667v/​f8.image
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/6041/img-1.png
Ficheiro image/png, 540k
Título Figura 2 - Ilustração irônica do geografismo que atribui à Sierra Maestra e às cidades cubanas uma espécie de personalidade política
Créditos Fonte: HÉRODOTE, 1977, p. 36-37. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​bpt6k5622667v/​f46.item
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/6041/img-2.png
Ficheiro image/png, 725k
Título Figura 3 - Proposta de níveis de análise espacial, proposta por Yves Lacoste (1976c, p. 172-173)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/6041/img-3.png
Ficheiro image/png, 297k
Título Figura 4 - Mapa das intersecções de conjuntos espaciais na Sierra Maestra (LACOSTE, 1980c, p. 82; 1984a, p. 440)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/6041/img-4.png
Ficheiro image/png, 1,8M
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Víctor Daltoé dos Anjos, «Yves Lacoste e a Sierra Maestra: um geógrafo contra os geografismos »Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 22 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/6041

Topo da página

Autor

Víctor Daltoé dos Anjos

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
victordaltoe@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search