Navegação – Mapa do site

InícioNuméros29ArtigosO fantasma do cárcere: percepção ...

Artigos

O fantasma do cárcere: percepção ambiental da Enseada de Dois Rios, Ilha Grande (RJ)

The phantom of the cárcere: environmental perception in Dois Rios, Ilha Grande (RJ)
El fantasma del cárcere: percepción ambiental de la enseada de Dos Rios, Ilha Grande (RJ)
Ana Beatriz Costa Farias e Sonia Vidal Gomes da Gama

Resumos

O presente trabalho tem como tema a percepção ambiental, articulada com os conceitos de paisagem cultural e o históri­co de uso e ocupação do solo. Dentro do território insular da Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ), destacam-se as unidades prisionais, as unidades de conservação e a atividade turísti­ca que resultam em uma morfodinâmica dos acontecimentos de forma singular, e são expressadas em diversos imaginários sobre o espaço. O objetivo é analisar as relações deste imag­inário, quando veiculado aos usos das agências de viagens, com as percepções dos visitantes na enseada de Dois Rios. A metodologia está sustentada em dois autores: Paulo César da Costa Gomes e Yi-Fu Tuan. O primeiro auxiliando na inven­tariação dos patrimônios – tratados como paisagens culturais e com funções de atrativos turísticos – a partir dos discursos utilizados pelas agências; e o segundo, no intuito de trazer para a Geografia o sentimento pelo lugar, na perspectiva fenome­nológica, exercendo a percepção do visitante, a partir de um questionário voltado para a sua capacidade de sentir e perceber o ambiente através dos seus sentidos, e reconhecer seu con­hecimento ambiental. Os resultados apresentam diferentes in­terpretações dos patrimônios, e relações entre o homem e os atrativos, apontando um contato que, na maioria das vezes, se distancia, e em casos pontuais, aproxima-se com as ideias já propagadas pelo turismo no território insular.

Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em:

26/06/2019

Artigo publicado em:

17/10/2019

Texto integral

Introdução

  • 1 Fan.tas.ma sm. 1. Imagem ilusória. – Dicionário Aurélio.
  • 2 Século XVI, mas precisa­mente em 1502, com a supos­ta descoberta do navegador Gonçalo Coelho.
  • 3 Os Tupinambás chamavam a Ilha Grande de Ipaum Guaçu. A primeira palavra significa “Ilha” enquanto G (...)

1Ilha Grande é perseguida por fantasmas1. Com um processo de ocupação interpretado sob uma névoa mística e de lendas, ela retoma a entrepostos comercias de piratas de séculos prévios a sua "descoberta"2; a resistência à colonização com a guerra de Tamoios, com os povos locais defendendo sua "Ipaum Guaçu"3; e ao tráfico ilegal de escravos. Também experimentou econo­mias que acompanharam o conti­nente, como a cana-de-açúcar, o café, e a criação de gado, além de ter sido área de quarentena para tripulações enfermas originárias de longas viagens e até, repositó­rio de presos políticos e comuns.

2Esses usos geraram uma his­tória carregada de lacunas, con­trovérsias e ambiguidades que serviram como potencialidades para o seu imaginário atual de lugar mágico. Os fantasmas são apresentados tanto em forma fi­gurada – com as ideias criadas de personagens como piratas, indí­genas, pescadores, escravizados, enfermos e prisioneiros, que de­turpam muito da realidade vivida no território – quanto em forma física – no resultado de ruínas das edificações coloniais, do la­zareto e das penitenciárias, além da degradação dos seus meios biótico e abióticos, derivados de uma exploração econômica e mau uso do solo. Estes fantasmas ainda resistem, mesmo que mui­to escondidos pelo mais recente assombro: o turismo. Esse que transforma e persegue a ilha tanto quanto os pretéritos, mas possui a máscara de atrativo e de benfeitor para o desenvolvimento insular. O turismo, até agora, é a mais fantasmagórica assombração da Ilha Grande.

  • 4 Formação calcária conheci­da como sambaqui, termo em tupi que significa “monte de conchas”.

3Esta ilha composta por fantas­mas, e com história firmada em um recorte de tempo de 517 anos - salvo os registros de sambaquis4 -, atualmente é propagada por mãos não calejadas de sua cons­trução, negligenciando as colo­cações de caiçaras, moradores e ex-prisioneiros, ou pessoas liga­das diretamente ao período carce­rário ainda presentes no território. Neste momento, quem propaga sua definida memória e principais funções de uso são agentes da in­dústria do turismo, vinculados a políticas de governo que acom­panham uma tendência nacional (CORRÊA, 2008). Há uma apro­priação dos mitos e histórias do território insular para reforçar o discurso do encantamento da na­tureza, formando-se assim, álibis de um turismo exploratório.

4O turismo é composto de es­quemas e redes que perpassam por dispositivos geográficos da ilha, atingindo conexões virtuais - redes sociais, sites. Os interesses que o permeiam são compostos por cargas diferentes de sentimen­tos, de história e desenvolvimen­to econômico. Interesses que se articulam ora de forma passiva, harmonizando a paisagem e valo­rizando seus diversos elementos, ora promovendo conflitos, prin­cipalmente com a necessidade de reafirmação da existência de outros agentes, como moradores e unidades de conservação. Por isso, o turismo é fantasmagórico; ele, ao mesmo tempo em que se intensificou a partir da negação dos fantasmas, coloca-se como potência para o desenvolvimento da Ilha Grande, transformando assombros em atrativos, ilusão, e memória. Assim, o turismo vem gerando impactos de ordem so­cial, cultural e ecológica, transfi­gurando paisagens pelo interesse do capital.

  • 5 “Quando imaginamos o que fica do outro lado da cadeia montanhosa ou do oceano, nos­sa imaginação co (...)
  • 6 Além de um investimento na mudança comportamental dos aprisionados, é necessária uma forma de livra (...)

5Dentre os fantasmas e as transformações ocorridas na Ilha Grande, o presente artigo faz re­corte na enseada de Dois Rios, lugar possuidor de três caracterís­ticas essenciais para compreender seu todo hoje: sua geografia; o cárcere; e a conservação. Atual­mente, a disposição atual de seus símbolos e suas representações colaboram moldando uma ilha de significados ambivalentes: como um lugar excludente e modelo ideal de aprisionamento; e como um lugar especial na imaginação do homem. Ela é o mais próximo de uma concretização do espaço mítico que oferece as realizações do imaginário do homem5, ao passo que ainda possui marcas de um passado baseado na lógica da reclusão e do trabalho do indiví­duo para a melhora de seu com­portamento6. A Ilha Grande, em concomitância com Dois Rios, quanto feição geográfica, per­mite uma leitura intrínseca dos isolamentos propostos em seu processo de ocupação: ela exclui, serve como refúgio e favorece a conservação.

6Este artigo apresenta um dos resultados da monografia intitulada As contradições do imaginário patrimonial: estudo de caso nas enseadas de Abraão, Lopes Mendes e Dois Rios – Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ), cujo objetivo é analisar a relação entre a percepção dos visitantes sobre a enseada de Dois Rios, com as concepções atuais da Ilha Gran­de, propagadas pelos meios de comunicação. Também são iden­tificados os pontos positivos e ne­gativos relacionados à infraestru­tura e equipamentos funcionais na recepção dos agentes turísticos no território insular.

  • 7 Fernandes, R.; Souza, V.; Pelissari, V.; Fernandes, S. Da percepção ambiental como in­strumento de (...)

7A metodologia baseia-se na Análise da Percepção Am­biental desenvolvida a partir da perspectiva experiencial do am­biente (XAVIER, 2007; TUAN, 2012; TUAN, 2013; OLIVEI­RA, 2012). Foram aplicados 10 questionários com a intenção de reconhecer o perfil dos usuários da enseada, entendendo suas mo­tivações e interesses pelo lugar, além de identificar as denomi­nadas "lacunas de informação", bem como "informações distor­cidas" (mitos sem sustentação científica, mas generalizados no conhecimento da sociedade)7, a partir do exercício da percep­ção ambiental. Buscou trabalhar dentro do estudo geográfico o sentimento pelo lugar, a partir da perspectiva fenomenológica, exercitando no turista a sua ca­pacidade de perceber o ambiente através dos seus sentidos.

8Para compreender como se construiu a imagem atual da en­seada de Dois Rios, traçou-se seu histórico de uso e ocupação do solo, acompanhado da análise da abordagem adotada pelos meios de comunicação sobre esses pro­cessos de transformação do espa­ço. Somado a isso, foi realizado uma inventariação patrimonial dos principais atrativos turísticos dispostos hoje na enseada, com o auxílio da Geografia da Visi­bilidade, apresentada por Gomes (2013), junto com novas catego­rias de análise do espaço geográ­fico: exposição, composição e ponto de vista (Quadro 1). Elas colaboraram com a interpretação da espacialização desses patrimônios, e no seu grau de relevância e exposição pela atividade turística. Este processo de inventariação foi realizado a partir da observa­ção em campo de acordo com os dispositivos de análise, e da lei­tura de três sites representativos para a propagação do turismo na Ilha Grande: Ilha Grande <http://www.ilhagrande.com.br>; Ilha­Grande.org <http://www.ilha­grande.org>; TripAdvisor < http://www.tripadvisor.com>.

QUADRO 1 - Categorias de Análise do Espaço Geográfico

Categoria

Definição do Paulo Cesar da Costa Gomes

Apresentação neste estudo

Ponto de Vista

É um dispositivo espacial. No seu sentido concreto, é usado para designar lugares que oferecem uma visão panorâmica de onde se pode observar uma paisagem. Porém, tem o sentido metafórico de opinião, tal qual quando olhamos a paisagem, escolhemos a posição do nosso olhar, como olhar, e a partir disso o físico se adequa, onde será determinado o ângulo, a direção, a distância, entre outros atributos posicionais.

Busca-se compreender, a partir do histórico de uso e ocupação do solo, como a localidade de Dois Rios é moldada para apresentar os atrativos turísticos vistos hoje. Apresentar sua história, e como é imaginada e transmitida para o público é entender seu ponto de vista metafórico. Já o concreto, é buscado pelo link com as demais categorias, onde se concentram os aspectos físicos da sua paisagem e a ação de contemplação da mesma.

Composição

É o conjunto estruturado de cores, formas ou coisas, resultado de uma combinação que gera algo novo, formado pela junção de diversos elementos que possui um aspecto essencial: o jogo de posições.

Estudar essa categoria é compreender sua espacialidade, e o lugar dos elementos nesse conjunto. Ela é apresentada neste trabalho em dois momentos: em um descritivo item de geografia física e uso do solo; e nas percepções dos visitantes, trabalhadas em campo, a partir da aplicação de questionários, baseados nas suas experiências com os ambientes, e em questões voltadas para o conhecimento de forma geral da Ilha Grande.

Exposição

Lugares de exposição são lugares de grande e legítima visibilidade. O que ali se coloca tem um comprometimento fundamental com a ideia de que deve ser visto, olhado, observado, apreciado, julgado. Isso também significa dizer que, socialmente estabelecemos lugares onde essa visibilidade deve ser praticada, segundo complexas escalas de valores e significações.

Esta categoria é destacada neste estudo nos questionários de percepção ambiental, onde são colocados, a partir da visão do turista, os pontos de maior destaque, tanto de forma positiva quanto negativa, da paisagem. É também exercitada na estimulação de um olhar crítico do observador, para perceber se há, ou não, certos componentes que praticam interferências no ambiente.

9A ilha ainda é uma composi­ção de patrimônios, onde suas potencialidades e interesses ex­ternos regem o que deve ou não ser destacado, além da própria resistência de seus fantasmas. É nesse contexto que entram as contradições dos atores sociais, econômicos e políticos que hoje estão presente no território. De acordo com Oliveira (2012):

Quando se trata de percepção ambiental, trata-se, no fundo, de visão de mundo, de visão de meio ambiente físico, natural e humanizado, na maioria é sociocultural e parcialmente é individual; é experiên­cia em grupo ou particularizada; é uma atitude, uma posição, um valor, uma avaliação que se faz do nosso ambiente. (OLIVEIRA, 2012, p. 61).

A potencialidade do território insular:

10Ilha Grande é o terceiro Distrito Municipal de Angra dos Reis, pertencente à região administrativa da Baía de Ilha Grande, também conhecida como região da Costa Verde, litoral sul do estado do Rio de Janeiro. Com uma área de 187 km², estão localizadas 34 pon­tas, 07 enseadas e 106 praias, de acordo com a Prefeitura Mu­nicipal de Angra dos Reis.

11Reconhecida como “joia do tesouro” ambiental do Rio de Janeiro, principalmente por ser considerada um dos maiores remanescentes de Mata Atlân­tica do estado, a ilha assume o turismo como sua principal ati­vidade econômica, e reúne uma série de atrativos naturais e cul­turais descritas pelo Plano de Manejo do Parque Estadual da Ilha Grande (PEIG), como: ca­deia de montanhas que se eleva abruptamente a cerca de 1.000 m de altitude acima do nível do mar, recoberta de densa floresta atlântica; um dos maiores índi­ces de biodiversidade de todo o estado, onde se destaca o bugio, cuja vocalização inconfundível é conhecida como o “som da Ilha Grande”; sítios arqueoló­gicos, evidenciando os samba­quis; ruínas do presídio de Dois Rios, assim como de outras edificações, tais como o aque­duto e o lazareto; e, sobretudo, um cordão de praias arenosas, separadas entre si por costões rochosos, que a tornam um dos destinos turísticos mais impor­tantes de todo o Rio de Janeiro.

  • 8 SP-055 e somente após at­ravessar a área central de Uba­tuba passa a ser denominada BR-101.
  • 9 CORRÊA adc referência.

12As mudanças mais signifi­cativas na ilha são de meados da década de 1970 e da déca­da de 1980, com os incentivos da Convenção de Estocolmo, criando-se um plano de fundo internacional de proteção am­biental e da implantação das Unidades de Conservação em seu território: Parque Estadual da Ilha Grande (1978); Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul (1981); e Área de Proteção Ambiental Tamoios (1982). So­mado a isso, o turismo começa a se intensificar no território insular, e a transformar de for­ma mais empírica o seu espaço, com o desenvolvimento da re­gião da Costa Verde; a partir da construção da estrada Rio-San­tos8, em 1974, e sua pavimenta­ção (1980)9. Entretanto, mesmo se apresentando na forma de um turismo tímido e bem restri­to pelo uso principal da ilha na época (território de exclusão), já nessa época, via-se em jornais propagandas voltadas para seus aspectos naturais, e o que a Ilha Grande poderia oferecer além da penitenciária (Figura 1).

13A desativação do presídio, em 1994, impulsiona a ativi­dade econômica turística, tor­nando a ilha gradualmente um destino muito procurado, prin­cipalmente pela potencialidade dos seus recursos ambientais. Juntando esse imaginário, de um turismo voltado para os prazeres do homem em conta­to com a natureza, com os dis­cursos favoráveis a proteção ambiental, a economia da Ilha Grande viu a oportunidade de se refazer e buscar lucros em cima de suas características fí­sico-paisagísticas (Figura 2).

FIGURA 1 - Reportagem "A ilha-presídio também sonha ser um paraíso"- O Globo, 05 de Julho de 1971, Vespertina, Geral, página 5

FIGURA 1 - Reportagem "A ilha-presídio também sonha ser um paraíso"- O Globo, 05 de Julho de 1971, Vespertina, Geral, página 5

Fonte: Acervo O Globo.

FIGURA 2 - Reportagem “Ilha Grande é o mais novo Eldorado do turismo”- O Globo, 12 de Abril de 1998, Matutina, Rio, página 31.

FIGURA 2 - Reportagem “Ilha Grande é o mais novo Eldorado do turismo”- O Globo, 12 de Abril de 1998, Matutina, Rio, página 31.

Fonte: Acervo O Globo.

A potencialidade do território insular:

14A Enseada de Dois Rios é assombrada pelo fantasma do cárcere. De 1903 a 1932 abrigou a Colônia Correcional de Dois Rios, e em 1940 foi edificado o Instituto Penal Cândido Mendes. Com a desativação da penitenci­ária em 1994, e a paulatina apro­priação da ilha para o turismo, as mudanças de paradigmas dos moradores locais e do seu espaço eram proeminentes, tornando o assustador uso de exclusão e cas­tigo em um espectro presente na memória e história da enseada.

15O Instituto Penal chegou a ser considerado uma prisão de segurança máxima, graças aos obstáculos que impediam a fuga: distância do continente, floresta densa e fechada, relevo aciden­tado e o mar circundante. Os poucos que se aventuravam em se arriscar não obtinham êxi­to, porém, com a evolução dos meios de transmissão e transpor­te, e a maior comunicação entre os presos tornaram as fugas mais fáceis. Além do controle sobre os internos, a presença da instituição carcerária na vila exigia, também, forte domínio sobre a população local e os visitantes dos internos que desembarcavam na ilha. Esse controle era efetivado através da organização espacial da vila. Por­tanto, a rotina e fluxos de Dois Rios eram completamente volta­dos para o presídio.

16O Instituto Penal Cândido Mendes desempenhou papel cen­tral na dinâmica da comunidade de Dois Rios e da Ilha Grande. A importância do presídio era ta­manha que tornava a área desta enseada a mais dinâmica e consi­derada a mais importante para a ilha, até mais do que Abraão, que ainda é o seu o principal porto de entrada. Mesmo com todas as mais diversas belezas do lugar, a imprensa e a opinião pública no geral, incluindo-se os próprios detentos, referiam-se à Ilha Gran­de como o "Caldeirão do Diabo". O imaginário do cárcere, criado durante o período de quase um século na ilha, era baseado numa dinâmica de ocupação que ocor­reu em Dois Rios, e que resultou em um ordenamento territorial com características singulares, e relações socioeconômicas pró­prias. O funcionamento do presí­dio fazia do Governo do Estado o principal agente definidor do seu uso e ocupação, não apenas de designações sobre o território, mas também das relações da co­munidade da enseada e da ilha.

17Esse quadro foi alterado com a mudança da divulgação da Ilha Grande nos meios de comunica­ção, que começaram a apresentar a ilha como um local paradisíaco, isolado e com grandes belezas naturais. A desativação do presí­dio contribuiu para o aumento do fluxo de visitantes e que hoje vem crescendo significativamente. Porém, é a grande divulgação na mídia a possuidora de um papel fundamental na transição da ima­gem da ilha, mudando seu ima­ginário para um sentido conside­rado mais positivo e agradável: a ilha paradisíaca. O imaginário que se desdobra desde a década de 1970, e ganha ainda mais for­ça nos anos 1990, vem articulado com o suposto fim de um fantas­ma: o cárcere. A destruição física da instituição carcerária, Colônia Penal Cândido Mendes, em Dois Rios marca o início de projetos e atividades que geram o novo e mais atual uso da ilha. O turismo, já existente desde a época colo­nial, torna potencializado pelas ideias que buscavam apagar o passado sombrio de doenças, prá­ticas de usos não sustentáveis e condenados, adotando o discurso das práticas com a natureza e da preocupação com o paraíso.

18São nitidamente perceptíveis as mudanças dos teores das re­portagens nos principais veícu­los de informação da época: Até a década de 80, a maioria das manchetes denunciava o presídio ou relatava seus acontecimentos, como a indignação de moradores com certas posturas do sistema carcerário, a liberdade dos de­tentos, e até mesmo a criação de uma facção criminosa (Figura 3; Figura 4). Entretanto, o conteúdo divulgado muda a partir do pro­cesso de desativação do presídio, no início da década de 90, trazen­do matérias voltadas para os as­pectos físicos e as belas paisagens do território insular (Figura 5).

FIGURA 3 - Reportagem relatando relações da facção falange vermelha no presídio. - O Globo, de 07 de Julho de 1983, Matutina, Rio, página 15

FIGURA 3 - Reportagem relatando relações da facção falange vermelha no presídio. - O Globo, de 07 de Julho de 1983, Matutina, Rio, página 15

Fonte: Acervo O Globo.

FIGURA 4 - Reportagem relatando a insatisfação dos moradores com condutas do sistema carcerário. - O Globo, de 19 de Janeiro de 1987, Matutina, Rio, página 9

Fonte: Acervo O Globo.

FIGURA 5 - Reportagem tratando o fim do IPCM e os investimentos já voltados para o seu novo uso: o turismo. - O Globo, de 17 de Maio de 1992, Matutina, Jornais de Bairro, página 14

FIGURA 5 - Reportagem tratando o fim do IPCM e os investimentos já voltados para o seu novo uso: o turismo. - O Globo, de 17 de Maio de 1992, Matutina, Jornais de Bairro, página 14

Fonte: Acervo O Globo.

19Essa nova proposta fez com que um grande fluxo de turistas aportasse na Ilha Grande, des­pertando o interesse de grupos econômicos, que a partir desse momento, apropriaram-se de várias praias com objetivo de investimentos a curto e médio prazo. Segundo Ramuz (1997, p. 123 apud XAVIER, 2008, p. 90) o turismo na Ilha Grande pode ser dividido em três mo­mentos distintos: o primeiro pe­ríodo que vai de 1974 a 1984, chamado fase de implementa­ção; o segundo período de 1984 até 1994, fase de dinamização; e após 1994, fase de afirmação.

A ideia de implodir o presídio era bem antiga. O presídio sempre representou um impasse à administração do governa­dor, que inúmeras vezes tentou destruí­-lo, mas sempre esbarrava em conflitos com os moradores, com a falta de espaço nas demais penitenciárias para onde os presos seriam enviados, dentre outros. A fim de resolver a questão, a estratégia lançada foi iniciar um processo de su­cateamento com diminuições de verbas e descaso com os problemas da prisão. Diversos diretores que eram nomeados elaboravam relatórios sobre o crescimen­to de facções organizadas dentro do pre­sídio, mas eram ignorados. Os conflitos cresciam e cada vez mais a organização interna dos presos dificultava a adminis­tração da cadeia. [...] Por trás dessa ação, o governo desejava criar um pólo turís­tico na área aproveitando os atributos naturais da Ilha Grande, além do temor que com a presença do presídio nenhuma empresa de turismo investisse na área. (XAVIER, 2008, p. 90)

20Com base nessas reporta­gens, é nítida a intensão de se criar uma nova realidade para Ilha Grande. O seu histórico do cárcere já estava fatigado, e gerando poucos rendimen­tos, tanto econômicos, quanto sociais para o território insular. Entretanto, suas belas paisa­gens, que eram pouco explo­radas, tornam-se os elementos mais visados e cotados para se­rem a sua grande salvação, ou futuro progresso. Assim, o uso de imagens pré-determinadas de suas diversas características físicas, com base no interesse turístico – envolvendo empre­sas privadas, e o próprio Estado – começam a se impor como a mais nova atração e elemento de destaque da ilha, criando um espaço que visa se sobrepuser aos anteriores, concretizando o seu discurso e sua ideologia de uma Ilha Grande paradisía­ca e pronta para o desfrute do homem.

Para a prefeitura o presídio era um prédio histórico de luta contra a ditadura; para os moradores era a segurança, a ordem (continha a especulação imobiliária e a invasão de terras). Já para o governo estadual representava um grande estor­vo contra as pretensões de tornar o local um grande pólo turístico. A implosão do presídio pôs fim à função carcerária da vila, depois de muitas décadas com a existência de presídios na Ilha Grande novas funções ganharam impulso, a pro­teção da natureza e o turismo, antes difi­cultados pela existência da penitenciária. (XAVIER, 2008, p.103)

Da conservação penal ao cárcere turístico:

21Tornar a Ilha Grande o para­íso para turistas, foi potencia­lizado a partir da desativação do maior empecilho de avanço desta atividade econômica; o presídio. Segundo Tuan (2012), as apresentações de ilhas pare­cem ter um lugar especial na imaginação do homem. A sua importância reside no reino da imaginação. “Além de tudo, ela simboliza um estado de ino­cência religiosa e de beatitude, isolado dos infortúnios do con­tinente pelo mar. [...] É na ima­ginação do mundo ocidental que a ilha adquiriu maior força” (TUAN, 2012, p. 168).

22Logo, a ilha deveria se des­pir do seu passado e do fantas­ma carcerário, para satisfazer os desejos dos turistas. Não ca­beria aos infortúnios da prisão estarem presentes no novo am­biente que ela almejaria apre­sentar. A ilha, desejo do homem de tranquilidade e fuga da rea­lidade, não poderia abrigar de forma tão viva o passado dos renegados. O labor que se tinha da Colônia Penal é contraditório à ilha idealizada, que se apro­ximava da descrição de "ilhas paradisíacas onde tudo era ale­gria e abundancia. [...] onde não medram tempestades, onde o perfume das flores do paraíso constitui o alimento as pessoas" (TUAN, 2012, p. 169).

23Esta transformação de uso e desativação do presídio impli­cou em uma evasão da popu­lação de Dois Rios, com uma quantidade significativa de funcionários do Instituto Pe­nal Candido Mendes (IPCM) voltando para seus locais de origem. Também desenvolveu profundas modificações em seu espaço, por conta da falta de conservação de suas estruturas e edificações vinculadas com as limitações impostas pela instauração do Parque Estadual da Ilha Grande (PEIG). Atual­mente, Dois Rios encontra-se em estado de degradação que não intimidou o desenvolvi­mento do estímulo da visitação pública, mas torna a realidade dos moradores presentes difi­cultosa por questões de infra­estrutura e acesso.

A comunidade da vila de Dois Rios era constituída de agentes penitenciários, policiais militares, esposas e filhos, alcançando um total de cento e vinte e sete pessoas ligadas de alguma forma ao presídio. Além dos quase setecentos internos e mais os colonos livres, que com suas famílias somavam em torno de quinhentos e quarenta pessoas vi­vendo em casas construídas pelos pró­prios presos ou invadidas, situadas nos acessos ao Saco da sardinha e a praia de Parnaioca Grande parte da população da Vila Dois Rios é ainda hoje composta de policiais e guardas penitenciários que foram funcionários do antigo Insti­tuto Penal Cândido Mendes. De modo geral, eles gostam de falar do passado, de contar histórias e narrar como era a vida no tempo da prisão. Para os poli­ciais e agentes penitenciários, o passado remete a lembranças saudosas de uma época de orgulho da carreira e das faça­nhas nas capturas dos presos fugitivos, além da tranqüilidade da vila estabe­lecida pelas rígidas regras do presídio. (XAVIER, 2008, p. 85)

24Com a desativação do pre­sídio, a população perdeu um ponto de referência que a es­truturava de forma cultural e econômica. Se por um lado, a existência do presídio exigia rígidas normas de controle e segurança impostos pelo esta­do ao uso do território – con­tribuindo para conter o cres­cimento da população local e da visitação – por outro, o presídio propiciava emprego, lazer, educação e assistência médica, sendo grande o auxí­lio prestado pelos agentes pe­nitenciários e policiais milita­res aos moradores da Vila de Dois Rios. Essas práticas fo­ram interrompidas com o Par­que Estadual da Ilha Grande e a instalação física do campus da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

25O Parque Estadual da Ilha Grande (PEIG) foi o terceiro Parque criado no Estado do Rio de Janeiro, através do De­creto Estadual nº 15.273/71 e depois revisado pelo Decreto n° 2.061 que implantou defi­nitivamente o PEIG. Tinha ini­cialmente cerca de 15 mil hec­tares que após o novo decreto estabelecido pelo governador Faria Lima, em 1979, passou a ter 5, 6 mil hectares, ou seja, área bem inferior ao primeiro. A área do PEIG abrangia as terras dos distritos de Abraão e Araçatiba excluindo os terre­nos do complexo presidiário, porém, em 1996, houve a ex­pansão do Parque para a área da comunidade de Dois Rios. No governo de Sérgio Cabral, em 2008, a área do parque foi duplicada, ficando com 12 mil hectares, o que corresponde a 65% da ilha. A defesa do meio ambiente colocou limites nas práticas anteriores, e causou ressentimento entre os mora­dores da vila. Outro exemplo dos limites impostos à comu­nidade pode ser descrito com a proibição do corte das árvores que crescem na área do antigo cemitério pelo INEA. Muitos moradores tiveram seus paren­tes enterrados naquele cemité­rio e não podem mais visitar o local, pois a mata tomou conta da área dificultando sua manu­tenção.

26Os planos originais para o Parque, que desconheciam de início as comunidades ou imaginaram poder retirá-las da área, defrontaram com a si­tuação concreta de resistência e permanência da população, tendo que, por fim, se modifi­car. A presença de moradores em área de Parque e, sobretudo, a atividade turística que prati­cam, totalmente inaceitáveis perante a legislação vigente, são de certa forma toleradas, apesar das restrições impostas. Houve convocações para que as universidades interessadas na área se manifestassem. Três universidades mostraram in­teresse: Universidade Federal Fluminense (UFF), Universi­dade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade do Es­tado do Rio de Janeiro (UERJ). As duas primeiras exigiam que as populações residentes fos­sem retiradas, porém, como a proposta da Universidade de­veria incorporar a população e prestar assistência a ela, tanto a UFF como a UFRJ retiraram suas candidaturas e a UERJ ganhou o direito ao uso da área pelo período de 50 anos. A par­tir de então, a área do IPCM, incluindo suas benfeitorias, foi transferida de acordo com um Termo de Cessão de Uso à UERJ, possibilitando a utiliza­ção do espaço, incluindo parte do parque (cerca de 50ha) e áreas de restinga, manguezais e rios para fins de pesquisa científica. Assim, a UERJ ini­ciou suas atividades em 1995 com projetos de pesquisa nas áreas de Biologia e Ecologia, inaugurando em 1998, a sede do Centro de Estudos Ambien­tais e Desenvolvimento Sus­tentável – CEADS.

27As ruínas do IPCM e sua praia são bastante visitadas. Entretanto, não há meios de hospedagem, nem é permiti­do o pernoite de pessoas não autorizadas, por conta do par­que. Na implosão do prédio do IPCM, demandada pelo gover­no do estado, pode ser identifi­cada o desejo de "apagar" uma parte da história, interpretada como uma nódoa a apagar o brilho deslumbrante (patrimô­nio paisagístico) da Ilha Gran­de, que se queria turística. Entretanto, a UERJ, que veio ocupar o lugar do presídio, criou sobre os escombros da implosão o Museu do Cárce­re (o Ecomuseu), sinalizando que a história negada consti­tuía outro tipo de patrimônio a ser protegido. Outro museu encontrado é o Museu do Meio Ambiente, utilizando as edi­ficações mais antigas de Dois Rios, da fazenda do Holandês, para tratar assuntos relacio­nados ao biopatrimônio e uso sustentável.

28Além dessas estruturas, há na enseada apenas um restau­rante, um bar, duas igrejas, sen­do uma católica e outra evan­gélica, e casas de moradia, na qual muitas se encontram em estado de abandono (Figura 6). A vila em si destaca-se por sua aparência abandonada e deteriorada pelo tempo, e pela falta de preservação de suas estruturas – por conta da vitó­ria do discurso da conservação ambiental. Além dos escom­bros e ruínas, há a presença de equipamentos deixados e em estado de decomposição e su­cateamento, como o trator em frente ao Museu do Meio Am­biente (Figura 7). Entretanto, esses mesmos destroços têm em sua presença uma capaci­dade de produzir emanação e de guardar inexoravelmente as lembranças do fantasma do cárcere. Um sentimento de que toda a infraestrutura e vida da vila eram intimamente ligadas ao sistema penitenciário, e que junto com o fim do cárcere, Dois Rios deixou de ser, tam­bém.

FIGURA 6 - Edificação em ruínas

FIGURA 6 - Edificação em ruínas

Fonte: Autora, 2017

FIGURA 7 - Trator abandonado em frente ao Museu do Meio Ambiente

FIGURA 7 - Trator abandonado em frente ao Museu do Meio Ambiente

Fonte: Autora, 2017

29O nome "Dois Rios" advém de sua composição; cada pon­ta da praia há um rio. A água doce dos dois rios se une com a água salgada do mar e formam as conhecidas Barra Grande e Barra Pequena (Figura 8 e Fi­gura 9). Os rios banham um ex­tenso manguezal, que equilibra o ecossistema de toda a região. Eles são abastecidos por duas cachoeiras diferentes: as águas do rio da Barra Grande chegam de uma cachoeira que nasce pelo lado da enseada de Parnaioca; já as águas que abas­tecem o rio da Barra Pequena, vêm de uma cachoeira menor, suas águas partem da enseada do Abraão.

FIGURA 8 - Rio Barra Grande

FIGURA 8 - Rio Barra Grande

Fonte: Autora, 2017

FIGURA 9 - Rio Barra Pequena

FIGURA 9 - Rio Barra Pequena

Fonte: Autora, 2017

30A forma mais utilizada para se chegar a Dois Rios, além da trilha de 7 km, são os passeios marítimos cha­mados Super Sul ou meia volta na ilha. Entretanto, são na maioria das vezes uma vi­sitação contemplativa, pois não há como descer na praia, pela inexistência de um cais para atracação dos barcos. Há também as ações do mar, nem sempre ser calmo, e dos ven­tos do quadrante sul, que im­pedem qualquer aproximação na enseada, quando presentes.

O limiar entre o bucólico e o abandonado

31"O culto ao passado requer ilusão em vez de autencidade. [...] Uma função importante dos museus é produzir ilusões didá­ticas" (TUAN, 2013). Dentro desta proposta, os pontos poten­ciais de Dois Rios – Praia de Dois Rios; Rios Barra Grande e Barra Pequena; Ecomuseu Ilha Gran­de- Museu do Cárcere; Museu do Meio Ambiente – tem nos museus as funções de realizar alusões, ou ilusões, tanto ao passado, quanto a uma nova proposta de conser­vação do ambiente da enseada.

  • 10 Outros presídios, como o da Ilha do Diabo, na Guiana Francesa, o de Alcatraz, nos Es­tados Unidos e (...)

32Categorizados como ponto de vista, o Ecomuseu Ilha Grande- Museu do Cárcere tem a intenção de fazer permanente a existência do presídio, permitindo que ações no sentido de preservar suas ruí­nas e memória ainda possam ser desenvolvidas, afinal, removê-las acarretaria além de uma grande perda de identidade para os re­sistentes moradores, um incal­culável prejuízo para a memória histórica do Brasil, que não se faz apenas de belas construções10. O Museu do Cárcere reúne objetos da época do presídio (Figura 10) e narra as histórias que relacio­nam o território ao sistema carce­rário. Ele possui como um de seus principais objetivos, o desenvol­vimento de ações e atividades de pesquisas voltadas à preservação e difusão de conhecimentos re­lacionados ao meio ambiente, à história e à vida sociocultural da ilha. Destaca-se a mobilização feita para que seja efetiva a parti­cipação dos moradores locais, fa­zendo com o que todo o produto gerado, seja vendido no próprio museu (Figura 11).

FIGURA 10 - Interior do Ecomuseu Ilha Grande- Mu­seu do Cárcere

FIGURA 10 - Interior do Ecomuseu Ilha Grande- Mu­seu do Cárcere

Fonte: Autora, 2017

FIGURA 11 - Artesanato dos moradores dentro do Ecomuseu

FIGURA 11 - Artesanato dos moradores dentro do Ecomuseu

Fonte: Autora, 2017

33Nesta mesma categoria, ainda encontram-se o Museu do Meio Ambiente, e a Praia de Dois Rios. Estes trazem uma conotação mais atual do uso da enseada. O museu pos­sui um caráter de conscienti­zação e reaproveitamento de materiais, o que reforça ainda mais a venda de um imaginá­rio sustentável, uma heran­ça positiva do cárcere e sua conservação do ambiente. Já a praia da enseada, encontra­-se como ponto de vista no seu sentido concreto, de apre­ciação da paisagem e de uma simbologia do selvagem e in­tocável ambiente natural.

  • 11 Maria Cristina Tenório. Povoamenteo pré-histórico da Ilha Grande. In. Ilha Grande: do sambaqui ao t (...)

34Na categoria composição, os museus também são bas­tante representativos por te­rem como base de suas estru­turas edificações do presídio Cândido Mendes, no caso do Ecomuseu, e da fazenda do Holandês, no caso do Museu do Meio Ambiente (Figura 12). Já no âmbito abiótico, a composição dos rios Barra Grande e Barra Pequena tam­bém são potencializadoras para sua atratividade e des­taque. Na margem do Barra Grande é possível encontrar os amoladores-polidores11 – conjuntos de rochas que apre­sentam sulcos resultantes da atividade de elaborar objetos polidos – que são vestígios de uma comunidade pretérita, o que traz para enseada um potencial valor arqueológico (Figura 13). A composição dos rios, que originam uma formação de manguezal, e o encontro com a água salgada, faz com o que dentro de um jogo de elementos tão distin­tos de Dois Rios, eles assu­mam certo destaque.

FIGURA 12 - Museu do Meio Ambiente

FIGURA 12 - Museu do Meio Ambiente

Fonte: Autora, 2017

FIGURA 13 - Amoladores de faca em rochas na margem do Barra Grande

FIGURA 13 - Amoladores de faca em rochas na margem do Barra Grande

Fonte: Autora, 2017

35Possuindo uma posição de exterioridade natural, a Praia de Dois Rios se encontra na categoria exposição. Sua ex­tensão de um pouco mais de 1 km, bordeada por rios, faz com que ela seja o principal destaque atual da enseada, voltado para uma ilha que vende o imaginário selvagem e natural. Assim como o Eco­museu (Figura 14), que pela sua estrutura ser a maior den­tre as demais construções na enseada, é logo o principal ponto potencial avistado.

FIGURA 14 - Ecomuseu Ilha Grande

FIGURA 14 - Ecomuseu Ilha Grande

Fonte: Autora, 2017

36Diante desta inventariação, foi possível realizar o exercício de percepção com os visitantes em Dois Rios, em novembro de 2017, onde apresentaram o se­guinte perfil (Gráfico 1): 100% do público feminino; a maioria brasileira, do Distrito Federal; com curso superior; em um gru­po de 2 a 4 pessoas, hospedadas em hostel; sendo a maioria pre­tendendo ficar na Ilha Grande entre 2 a 5 dias; e todas tendo conhecido o território insular a partir de indicações, e visitando pela primeira vez.

GRÁFICO 1 - Perfil de visitante de Dois Rios

GRÁFICO 1 - Perfil de visitante de Dois Rios

Fonte: Autora. Dados do Trabalho de Campo de 2017

37Este público não apontou os passeios de barco como uma atividade buscada, o que se era pretendido realizar tanto na ilha, quanto na enseada, eram práticas de trilha e museus. Destacaram como os princi­pais valores de Dois Rios o ge­ológico, o paisagístico e o his­tórico, sendo colocado como exemplificações destes atribu­tos: a praia deserta e sem lixo; a população sem muita inter­ferência na enseada; e o isola­mento, principalmente quando contrastado com a urbanização e o "desmatamento" de outros espaços da própria Ilha Gran­de, como Abraão.

  • 12 A delimitação do Parque Estadual da Ilha Grande para a área da comunidade de Dois Rios serviu como (...)
  • 13 Uma análise sobre o contexto atual da Vila de Dois Rios apon­ta para situações de grande com­plexid (...)

38Mesmo Dois Rios sen­do conhecida nacionalmente como um dos espaços na ilha mais utilizados pelo homem, o sentimento e propagação do imaginário desértico e edêni­co é altamente trabalhado e buscado12. O confronto com a população local é dado por um desprezo de ambos os la­dos: os visitantes que veem a comunidade como meros res­quícios do passado carcerário, ou como funcionários da uni­versidade, que pouco interfe­rem na satisfação de seus de­sejos de estarem em um lugar paradisíaco; e por outro lado, o próprio receio da chegada de pessoas completamente des­conhecidas em um lugar de importância afetiva para uma comunidade, que se vê cada vez mais esquecida e coloca­da em segundo plano, para que outros usufruam do espaço13.

39Entretanto, esta percepção não é apenas sentida in situ pelos visitantes. Dois Rios é a única enseada descrita nos sites como a mais conserva­da por ter sido, durante muito tempo, um lugar que inibiu a atividade turística por abrigar o presídio Candido Mendes. Porém, negligenciam a pre­sença de moradores relaciona­dos ao cárcere, colocando-os numa generalização de atuais funcionários da UERJ. O pre­sídio, mesmo reconhecido por inibir a prática turística, ainda é falado como um passado não mais presente, nem relevante, o que descaracteriza e tira o valor simbólico da enseada e de sua população.

40Dois Rios possui a sua "na­tureza selvagem" muito mais voltada para a superação de um uso intensivo como o pre­sídio, que ao mesmo tempo foi o principal fator para a manu­tenção de sua conservação. O "selvagem" retratado aqui é como algo que parou no tempo, uma "vila bucólica", que gera certa romantização de um ter­ritório, atualmente, em estágio de degradação. Mesmo dentro de Unidade de Conservação de Proteção Integral, sua preserva­ção ainda é algo questionável; principalmente por esta renegar toda história, memória e resis­tência da população local, em detrimento de um discurso de salvaguarda do patrimônio na­tural, considerável intocável.

41A enseada possui um dife­rencial em ser escolhida por ser pouco visitada, o que res­gata o sentimento de isola­mento e necessidade de estar distante por parte do visitante. Porém, o contato com as pes­soas que moram na vila cau­sam certa estranheza, princi­palmente pelos visitantes não entenderem o porquê daquelas pessoas viverem no estado de­preciável em que Dois Rios se encontra. Com isso, o bucóli­co se transforma em "cidade abandonada", "vila fantasma" e "pessoas abandonadas". A falta de informação do visi­tante, somado a toda insufici­ência e interesse de proteção desta parte do território, gera discursos preconceituosos. Há também a percepção de que a forma como se apresenta atu­almente é a representação da manutenção do passado, e que entrar em contato com isto, gera um sentimento de volta ao tempo, sendo o único fator negativo a falta de divulgação.

42Os pontos negativos tam­bém se contradizem, ao passo que almejam o isolamento, os visitantes questionam a falta de infraestrutura e recepção. Não ter carros que ofereçam o passeio, uma trilha sem si­nalização, nem mais opções para lanches e almoço foram uma das principais questões desfavoráveis. Outro ponto in­teressante é a crítica ao Museu do Meio Ambiente, e também para toda a ilha, quando indi­cado que a falta de uma coleta de lixo seletiva é a ação mais contraditória vista no territó­rio insular, que pauta o discur­so da conservação.

43Ao responderem o que seria Patrimônio, 100% das visitantes disseram algo re­lacionado à herança, e com valor para ciência, sendo 40% acrescentando o valor cultu­ral e algo pertencido, como resposta. Somando-se a isso, é possível entender porque 90% dos sentimentos relata­dos eram de, ao mesmo tem­po, tranquilidade e paz, com abandono, insignificância e necessidade de preservar me­lhor o ambiente. Os próprios sentidos que fazem almejar certos lugares, e desfrutar o ambiente, geram percepções críticas, muitas vezes contra­ditórias, em relação a ele.

Conclusão:

44As disputas de poder, ou de discursos, são raramente expres­sas como uma força física, e sim exercidas por meio do reconhe­cimento e aceitação de símbolos de legitimidade. Atualmente, as contradições existentes na Ilha Grande estão em torno da ativi­dade turística e de sua hegemo­nia quanto à propagação de um imaginário, e a determinação dos usos, explorações e práticas do território insular. A demanda turística da região esteve sem­pre associada à beleza das pai­sagens formadas pelo contraste da Mata Atlântica com o mar, tendo até a própria criação da primeira unidade de conserva­ção da região, o PEIG, vincu­lada ao turismo, na medida em que o primeiro órgão gestor da unidade foi a Companhia de Tu­rismo do Estado do Rio de Ja­neiro. Hoje, tendo diminuído a importância econômica da pes­ca, a inexistência do presídio, e de outras práticas, antes pre­sentes como fonte de renda para os moradores das enseadas, o turismo transformou-se na prin­cipal atividade econômica local, mobilizando um grande número de pessoas em sua produção e consumo, principalmente con­centrados nas pequenas vilas da ilha, como Dois Rios.

45Com base no exposto, este trabalho buscou compreender os simbolismos da Ilha Grande – ilha como “um lugar espe­cial na imaginação do homem” (TUAN, 2012) e uma ilha como um lugar excludente e modelo ideal de aprisionamento (XA­VIER, 2008) – utilizando-se da construção de um histórico de uso e ocupação da enseada de Dois Rios, e procurando iden­tificar como os discursos eram propagados a favor, ou não, de certas práticas e a sua interfe­rência nas mudanças de usos do território insular. Foi possí­vel a partir da inventariação dos patrimônios, das análises das divulgações feitas pelas agên­cias turísticas e observações no trabalho de campo, categorizar atualmente o estado de conser­vação, e a forma como estão disponíveis em uma Paisagem Cultural os elementos tratados como pontos potencializadores para as práticas turísticas.

46Também foi possível exerci­tar a percepção dos visitantes, destacando seu mundo vivido, para assim identificar as con­tradições e incongruências des­ses imaginários, e como a per­cepção, tratada aqui como um prolongamento do próprio cor­po, pode ser a proposta de uma ferramenta fundamental para detectar as precariedades, ou os principais conflitos sociais de um território – muitos ocasiona­dos por discursos que vendem propostas, da qual a sua prática não cabe toda a gama de agen­tes pertencentes aquele lugar.

47O fantasma carcerário está presente na enseada de Dois Rios de forma incongruente, ora se apresentando como a principal memória, saudade e resistência da população local, ora representando seu histórico negativo que deveria ser supe­rado por uma atividade mais potencializadora do espaço, o turismo. A apropriação dele pela atividade turística por ser o mais relevante diferencial des­ta enseada, também se vê com dias contados para uma expan­são de turismo em massa e mais pautado na experiência com a natureza in natura. A partir dis­so, é necessário começar a com­preender até que ponto essas contradições percebidas são de fato identificações de falta de infraestrutura, que merecem ser reconhecidas e melhor admi­nistradas e solucionadas pelos órgãos públicos, e a que passo ela está de ser mais um dos dis­cursos utilizados para a entrada e justificativa de iniciativas pri­vadas na Ilha Grande.

48Logo depois da instaura­ção do turismo, feita por uma motivação multidimensional de discursos, a necessidade de uma implementação de Parce­rias Públicos-Privadas (PPPs), seguindo uma ordem nacional de atividades, vem sendo umas das principais e mais perigosas políticas discutidas no território insular. Nas últimas décadas, a Ilha Grande vem sofrendo com os impactos do turismo desor­denado e da falta de infraestru­tura adequada, especialmente durante os meses de alta tem­porada. Com tais desafios cres­centes para a gestão pública, somados à escassez de recursos, o Estado do Rio de Janeiro co­meçou então a buscar alternati­vas para garantir a preservação das áreas legalmente protegidas da Ilha Grande. Assim, surgem as PPPs, como contratos de lon­go prazo entre o governo e um parceiro privado, que obrigam a parte privada a prestar servi­ços ou realizar investimentos na construção e manutenção de algum equipamento públi­co, colocando as PPPs como as principais viabilizadoras para a geração de benefícios públicos.

Topo da página

Bibliografia

AMORIM, N. M. Da pirataria ao turismo: múltiplas territorialidades, conflitos de gestão e planejamento ambiental na Ilha Grande (RJ). 2009. 69 páginas. Monografia, Graduação em Geografia – Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

GOMES, P. C. da C. O Lugar do Olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. 1º Edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013 .320 páginas.

PRADO, R. M. Ilha Grande: do sambaqui ao turismo. 1º Edição. Rio de Janeiro: Editora: Garamond; EDUERJ, 2006. 288 páginas.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil – Subsídios para Planejamento Ambiental. 1º Edição. São Paulo: Oficina de Textos, 2006. 208 páginas.

SANTOS, R. F. Planejamento Ambiental: teoria e prática. 1º Edição. São Paulo: Oficina de Textos, 2004. 184 páginas.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. 1º Edição. Tradução: Lívia de Oliveira. Londrina: Editora Eduel, 2013. 248 páginas.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução: Lívia de Oliveira. Londrina: Editora Eduel, 2012. 342 páginas.

XAVIER, H. A Percepção Geográfica do Turismo. 1º Edição. São Paulo: Editora Aleph, 2007. 107 páginas.

XAVIER, T. F. Do território do cárcere ao território da proteção da natureza: conflitos no Parque Estadual da Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ). 2008. 112 páginas. Dissertação e mestrado. Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

DUTRA, F. F. Ilha Grande (Angra dos Reios, RJ): Ensaio sobre os atores no contexto das políticas públicas ambientais: o exemplo da Ilha Grande no Estado do Rio de Janeiro. 2008. 228 páginas. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

FERREIRA, H. C. H. A. Turismo, Natureza e Cultura: Disputas por “Patrimônios” nos Debates “Participativos” na Ilha Grande – RJ. Ambiente & Sociedade. v. XVI, n. 4 p. 63-82. São Paulo, out.- dez. 2013.

OLIVEIRA, L. Percepção Ambiental. Revista Geografia e Pesquisa. p. 56- 72, v. 06, nº 2. Ourinhos, 2012.

Topo da página

Notas

1 Fan.tas.ma sm. 1. Imagem ilusória. – Dicionário Aurélio.

2 Século XVI, mas precisa­mente em 1502, com a supos­ta descoberta do navegador Gonçalo Coelho.

3 Os Tupinambás chamavam a Ilha Grande de Ipaum Guaçu. A primeira palavra significa “Ilha” enquanto Guaçu denota “Grande”.

4 Formação calcária conheci­da como sambaqui, termo em tupi que significa “monte de conchas”.

5 “Quando imaginamos o que fica do outro lado da cadeia montanhosa ou do oceano, nos­sa imaginação constrói geogra­fias míticas que podem ter pou­ca ou nenhuma relação com a realidade.” (TUAN, 2013, p. 110).

6 Além de um investimento na mudança comportamental dos aprisionados, é necessária uma forma de livrar a popu­lação dos perigos que era ter em sua cidade as circulações de um público associado ao cárcere. Esses pressupostos levaram a instalação de penitenciárias em Ilhas em todo o Brasil, cri­avam-se territórios do cárcere, geralmente, em ilhas ou lugares afastados do convívio social, como por exemplo, as institu­ições carcerárias que existiram durante muitas décadas na Ilha Grande.

7 Fernandes, R.; Souza, V.; Pelissari, V.; Fernandes, S. Da percepção ambiental como in­strumento de gestão em apli­cações ligadas às áreas educa­cional, social e ambiental. Rede CEAs – USP, disponível em: www.redeceas.esalq.usp.br/noticias/Percepcao_Ambiental.pdf

8 SP-055 e somente após at­ravessar a área central de Uba­tuba passa a ser denominada BR-101.

9 CORRÊA adc referência.

10 Outros presídios, como o da Ilha do Diabo, na Guiana Francesa, o de Alcatraz, nos Es­tados Unidos e o da Ilha de An­chieta, no Brasil, hoje configur­am grandes atrativos turísticos. Toda a simbologia envolven­do a existência de uma peni­tenciária em uma ilha torna a mística da visitação muito mais pronunciada. O cárcere exerce fascínio por si só, assim como o isolamento de uma ilha. Mas o primeiro gera uma mística que pode variar do asco à excitação (Xavier, 2008).

11 Maria Cristina Tenório. Povoamenteo pré-histórico da Ilha Grande. In. Ilha Grande: do sambaqui ao turismo. EDU­ERJ, Rio de Janeiro. 2006

12 A delimitação do Parque Estadual da Ilha Grande para a área da comunidade de Dois Rios serviu como limite de atuação do poder territorial da população local da vila e, também, como um diferenciador do que e de quem está dentro e do que e de quem está fora. Enquanto havia proibições à população local (os de dentro) a suas práticas, um novo grupo ganhava um espaço para uso, os visitantes, turistas e pesquisadores (os de fora). A criação do território da proteção da natureza ao mesmo tempo em que foi usado para excluir a pop­ulação da vila, foi também usado para conquistar grupos diferentes (turistas e pesquisadores), que passaram a controlar e coordenar o território e, também, os grupos nele inseridos. A população de Dois Rios, hoje, vive em função desses novos atores estranhos ao antigo território do cárcere.- XAVIER, T. F. Do território do cárcere ao território da proteção da natureza: conflitos no Parque Estadual da Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ). 2008. 112 f. Dis­sertação. Programa de Pós-grad­uação em Geografia, Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

13 Uma análise sobre o contexto atual da Vila de Dois Rios apon­ta para situações de grande com­plexidade estrutural. A criação do território da natureza buscou apa­gar os símbolos do território do cárcere e reconstruir a paisagem natural original da área, porém, não obteve êxito. Os símbolos do território do cárcere como as rígidas relações sociais (exaltação da ordem, o medo a estranhos), as constantes frases saudosistas dos moradores e a lembrança do IPCM ainda permanecem no imaginário da população da vila e enchem de curiosidade os vis­itantes que desembarcam na Ilha. Independente da importância da proteção da área, não há como al­terar ou voltar atrás na paisagem criada. O seu uso histórico como território do cárcere, a resistência das populações na manutenção do território pretérito e os con­flitos na implementação e con­strução do território da natureza evidenciam as relações diacrôni­cas e a dificuldade no estabelec­imento de políticas territoriais ambientais eficazes para a vila. O passado persiste. Trata-se como intitulou Oliveira (2002) de uma “paisagem-museu”. - XAVIER, T. F. Do território do cárcere ao território da proteção da nature­za: conflitos no Parque Estadual da Ilha Grande, Angra dos Reis (RJ). 2008. 112 f. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Geografia, Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título FIGURA 1 - Reportagem "A ilha-presídio também sonha ser um paraíso"- O Globo, 05 de Julho de 1971, Vespertina, Geral, página 5
Créditos Fonte: Acervo O Globo.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-1.png
Ficheiro image/png, 191k
Título FIGURA 2 - Reportagem “Ilha Grande é o mais novo Eldorado do turismo”- O Globo, 12 de Abril de 1998, Matutina, Rio, página 31.
Créditos Fonte: Acervo O Globo.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 49k
Título FIGURA 3 - Reportagem relatando relações da facção falange vermelha no presídio. - O Globo, de 07 de Julho de 1983, Matutina, Rio, página 15
Créditos Fonte: Acervo O Globo.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-3.png
Ficheiro image/png, 155k
Créditos Fonte: Acervo O Globo.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-5.png
Ficheiro image/png, 82k
Título FIGURA 5 - Reportagem tratando o fim do IPCM e os investimentos já voltados para o seu novo uso: o turismo. - O Globo, de 17 de Maio de 1992, Matutina, Jornais de Bairro, página 14
Créditos Fonte: Acervo O Globo.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-6.png
Ficheiro image/png, 209k
Título FIGURA 6 - Edificação em ruínas
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 177k
Título FIGURA 7 - Trator abandonado em frente ao Museu do Meio Ambiente
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-8.png
Ficheiro image/png, 1,3M
Título FIGURA 8 - Rio Barra Grande
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-9.jpg
Ficheiro image/jpeg, 87k
Título FIGURA 9 - Rio Barra Pequena
Legenda Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-10.jpg
Ficheiro image/jpeg, 191k
Título FIGURA 10 - Interior do Ecomuseu Ilha Grande- Mu­seu do Cárcere
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-11.jpg
Ficheiro image/jpeg, 97k
Título FIGURA 11 - Artesanato dos moradores dentro do Ecomuseu
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-12.jpg
Ficheiro image/jpeg, 240k
Título FIGURA 12 - Museu do Meio Ambiente
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-13.jpg
Ficheiro image/jpeg, 227k
Título FIGURA 13 - Amoladores de faca em rochas na margem do Barra Grande
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-14.jpg
Ficheiro image/jpeg, 154k
Título FIGURA 14 - Ecomuseu Ilha Grande
Créditos Fonte: Autora, 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-15.jpg
Ficheiro image/jpeg, 115k
Título GRÁFICO 1 - Perfil de visitante de Dois Rios
Créditos Fonte: Autora. Dados do Trabalho de Campo de 2017
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/609/img-16.png
Ficheiro image/png, 161k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ana Beatriz Costa Farias e Sonia Vidal Gomes da Gama, «O fantasma do cárcere: percepção ambiental da Enseada de Dois Rios, Ilha Grande (RJ)»Geografares [Online], 29 | 2019, posto online no dia 17 outubro 2019, consultado o 08 dezembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/geografares/609

Topo da página

Autores

Ana Beatriz Costa Farias

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGEO- UERJ)
anabeatrizcfarias@gmail.com

Sonia Vidal Gomes da Gama

Professora Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Instituto de Geografia
sgama.neppt@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Geografares est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale 4.0 International.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search