Navegação – Mapa do site

InícioNuméros35TraduçãoFidel Castro e a Sierra Maestra. ...

Tradução

Fidel Castro e a Sierra Maestra. Um teatro de operações escolhido intencionalmente?

Fidel Castro and the Sierra Maestra. Is it a deliberately chosen theater of operations?
Fidel Castro y la Sierra Maestra. ¿Un teatro de operaciones elegido deliberadamente?
Fidel Castro et la Sierra Maestra. Un théâtre d’opérations volontairement choisi?
Yves Lacoste
Tradução de Víctor Daltoé dos Anjos

Resumos

Tradução do artigo « Fidel Castro et la Sierra Maestra. Un théâtre d’opérations volontairement choisi? », de Yves Lacoste, publicado na revista Hérodote em seu 5º número, relativo ao 1º trimestre de 1977, p. 7-33.

Topo da página

Notas da redacção

O presente texto é a tradução do artigo « Fidel Castro et la Sierra Maestra. Un théâtre d’opérations volontairement choisi? », de Yves Lacoste, publicado na revista Hérodote em seu 5º número, relativo ao 1º trimestre de 1977, p. 7-33. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5622667v/f8.image. Acesso em: 13 jul. 2022 [N.T: Nota do Tradutor].

Tradução recebida em: 28/10/2022
Tradução aprovada em: 07/11/2022
Tradução publicada em: 01/12/2022

Texto integral

1Em 1959, após a vitória dos revolucionários cubanos sobre o regime do ditador Batis­ta, a guerrilha da Sierra Maestra, que foi o foco dessa revolução, tornou-se uma espécie de mo­delo de referência para muitas ações armadas na América La­tina, desencadeadas por volta de 1960-1966: Argentina, Paraguai, Peru, Colômbia, Brasil, Vene­zuela, Guatemala, etc. Porém, enquanto os revolucionários, desembarcados do Gramna em dezembro de 1956, foram vi­toriosos em Cuba em cerca de 25 meses, ultrapassando – e tão largamente! – seus objetivos ini­ciais, essas novas guerrilhas, di­tas « castristas », não chegaram a se desenvolver, e a maior parte foi rapidamente esmagada. Essas tentativas desafortunadas logo provocaram um certo número de reflexões e polêmicas. É neces­sário, sobretudo, compreender o porquê dessas derrotas.

Compreender realmente o que aconteceu na Sierra Maestra

  • 1 O título original do livro inclui um ponto de interrogação: La révolution dans la révolution?, de R (...)

2Em janeiro de 1967, François Maspero publicou o livro que Régis Débray acabara de escre­ver depois de uma longa tempo­rada na América Latina, particu­larmente em Cuba. Este livro, A Revolução na Revolução1, como dizia seu autor, visava « ser útil » e « tornar possível um máximo de eficácia revolucionária ». De fato, foi um esforço de teorização da experiência dos revolucionários cubanos, dedicado a levar em conta que os meios dirigentes do imperialismo não se deixariam mais surpreender como foram em Cuba. O livro de Régis Débray teve uma grande repercussão, so­bretudo na América Latina.

3Com ou sem razão, foi con­siderado como a expressão das ideias e da experiência dos mais avisados dentre os chefes da re­volução cubana – em particular de Che Guevara, de quem se es­perava, desde sua famosa carta de despedida a Fidel (1º de abril de 1965), a entrada em ação em « qualquer parte ». Portanto, te­mos o direito de considerar que esse livro não exprimia somen­te as ideias pessoais de Régis Débray. Sabe-se que esse últi­mo veio, então, a « explorar », as regiões da Bolívia onde se con­siderava a possibilidade da im­plantação da guerrilha dirigida por Che. E por isso é útil exa­minar a obra, levando em con­sideração a derrota de diversos movimentos guerrilheiros que acreditaram extrair, por conve­niência, as lições da « experiên­cia cubana ».

4Débray, graças às opiniões mais experimentadas, se esforça em dissipar alguns mal-entendi­dos, cujas consequências foram funestas mais tarde. Ele cita Che:

Em primeiro lugar, nós reduzi­mos Cuba a uma lenda doura­da, aquela de doze homens que desembarcam e se multiplicam – não se sabe como – como um relâmpago. [...] Esse tour de ilu­sionismo simplesmente deixou escapar o essencial: a realidade complexa do processo insurre­cional cubano (p. 117).

5Certamente, numerosas ilu­sões foram dissipadas nesse li­vro, mas não todas, e, por isso, é necessário retornar a algumas de questões que não foram postas.

  • 2 Uma forma ligeiramente reduzida do mapa está incluída no terceiro tomo de Unidade e diversidade do (...)

Figura 1 - Itinerário de Fidel Castro e dos sobreviventes do Granma de dezembro de 1956 a janeiro de 1957, desde a Playa de los Colorados, onde encalhou o Granma, até La Loma de Caracas, pequeno platô coberto por florestas e limitado por encostas íngremes, onde Fidel instalou seu primeiro quartel-general2

Figura 1 - Itinerário de Fidel Castro e dos sobreviventes do Granma de dezembro de 1956 a janeiro de 1957, desde a Playa de los Colorados, onde encalhou o Granma, até La Loma de Caracas, pequeno platô coberto por florestas e limitado por encostas íngremes, onde Fidel instalou seu primeiro quartel-general2

Fonte: « Fidel Castro et la Sierra Maestra. Un théâtre d’opérations volontairement choisi? », de Yves Lacoste, publicado na revista Hérodote em seu 5º número, relativo ao 1º trimestre de 1977, p. 8-9. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​bpt6k5622667v/​f8.image

6Evidentemente, depois da publicação do livro, muitas coi­sas se passaram: a prisão, de Régis Débray, na Bolívia, em abril de 1967 – o que indicou a presença de Che na região –; o posterior esmagamento da guer­rilha e a morte desse último em outubro de 1967. Essa derrota provoca, evidentemente, uma torrente de críticas, sobretudo em função das posições doutri­nárias daqueles que recusavam a « via castrista » (trotskistas, mao­ístas, pró-soviéticos). A « via revolucionária », inspirada pelo exemplo da guerrilha da Sierra Maestra, pareceu irremediavel­mente obstruída. A « via chile­na », aberta por um movimento de massas que se exprimia em eleições regulares, logo pareceu a única possível e « razoável », e a única compatível com « uma análise marxista séria ».

  • 3 Régis Debray. La Critique des armes, t. I. Éditions du Seuil, 1974 (N.A.: Nota do Autor)

7Como se sabe, a « experiên­cia chilena » foi esmagada pelo general Pinochet em setembro de 1973. E não é sem razão que Régis Débray inicia sua análise dessa nova tragédia por um lon­go parágrafo intitulado como: « O retorno de Che: o fuzil na mão e a estrela no fronte, o es­pectro de Che novamente em marcha »3. A frase é bela e seu valor não é apenas de estilo. Hoje, importa refletir sobre to­das as causas da derrota de Che, sobretudo aquelas que continu­am nas sombras, para evitar que provoquem outras. De fato, na América, na Ásia, na África, as guerrilhas ainda existem e haverão outras.

  • 4 Ibdem (N.A.).

8Desde a morte de Che e o golpe de Estado no Chile, muito foi dito quanto às ideias principais reunidas em A Re­volução na Revolução. Régis Débray não só resumiu as di­versas críticas em uma espécie de quadro sintético, como fez sua autocrítica4. Em todos esses comentários, há um termo que retorna constantemente: estra­tégia. E o termo, na moda, aliás, é tomado em acepções bastan­te diferentes. Porém, em todos esses discursos, se esquece que a elaboração de uma estratégia implica uma outra parte essen­cial, sobretudo quando se trata de estratégia militar no sentido preciso do termo, e mais ainda das guerrilhas. Ou seja, o sen­tido de uma reflexão metódica quanto à escolha do terreno onde se decide abrigar-se, mo­vimentar-se e iniciar uma bata­lha: reflexão que corresponde fundamentalmente a uma abor­dagem geográfica.

Discurso sobre as vantagens táticas, mas silêncio quanto às razões das escolhas estratégicas

9Nos relatos mais autorizados feitos sobre as origens da guerri­lha da Sierra Maestra, a questão da escolha dessa parte do terri­tório cubano é completamente escamoteada e essa « lacuna » nas narrativas ou na abordagem historiográfica teve consequên­cias muito graves. Isto por que esse problema, essencial para a elaboração de uma estratégia, foi omitido na análise do mode­lo de guerrilha, e foi completa­mente esquecido na preparação das outras guerrilhas (a de Che, em particular) que se inspira­ram na da Sierra Maestra. Ain­da que a guerrilha dirigida por Fidel Castro seja classicamen­te designada pelo nome dessa montanha, fica implícito que a escolha dessa localização pro­cedeu por razões tão evidentes que é inútil precisá-las.

  • 5 O artigo «A propos de Clausewitz et d’une géographie» se encontra no número 3 da revista Hérodote, (...)

10A Montanha, com um « M » maiúsculo – não importando qual montanha –, é considerada a priori como o berço das guer­rilhas por excelência. Por quais razões? Ao analisar os numero­sos textos e testemunhos, se vê que seria, sobretudo, em razão da presença da floresta, que per­mite aos guerrilheiros se escon­der, montar emboscadas, esca­par às perseguições, isto é, por razões essencialmente táticas. Ora, essas últimas não devem ser confundidas com razões es­tratégicas, e não se trata somen­te de uma diferença de palavras, mesmo que certos discursos na moda tendam a transformar excessivamente os dois termos em sinônimos. De fato, há entre elas uma diferença de escala. No quadro de uma reflexão de tipo militar, os problemas táticos são aqueles que podem ser postos e resolvidos em grande escala, ou melhor, que levam em conside­ração, de maneira precisa, os espaços relativamente restritos (ou os tempos curtos). Enquan­to isso, os problemas de estra­tégia, para serem conveniente­mente colocados, necessitam da consideração do espaço (e do tempo) numa escala menor, isto é, sobre extensões muito mais consideráveis (confira o artigo sobre Clausewitz no número 3 da Hérodote)5.

11Em primeiro lugar, todas as montanhas, e todas as partes de um mesmo conjunto monta­nhoso, não são cobertas por flo­restas (e há florestas nas planí­cies). Entre as montanhas onde se pode operar, não é preciso escolher somente em função da presença ou da ausência de cobertura florestal. Também é necessário levar em conta que os guerrilheiros não têm ape­nas necessidade de se esconder: eles demandam ser abastecidos, estar em contato com as cidades e mesmo com o exterior. Face a essas necessidades, muitas ve­zes contraditórias, nem todas as montanhas apresentam vanta­gens comparáveis e podem ser avaliadas apenas levando em consideração vastos territórios, realizando um raciocínio de tipo estratégico.

12Ao retornar a uma das ques­tões táticas – a necessidade de se manter oculto –, percebe-se que um meio florestal e mon­tanhoso apresenta vantagens apenas na medida em que os guerrilheiros o conhecem bem. Portanto, é necessário distinguir dois tipos de guerrilhas. De um lado, as que podem ser chama­das de « espontâneas »: aquelas em que os guerrilheiros são habitantes da região – ou seja, conhecem bem a montanha e a floresta – e, em compensação, o exército se encontra preju­dicado por um mau conheci­mento do terreno. De outro, as guerrilhas inauguradas por ho­mens que não são da região, e que conhecem de início menos o terreno que os soldados que os perseguem. Esse é o caso da guerrilha da Sierra Maestra e de muitas outras, inclusive de Che na Bolívia. Uma das con­dições essenciais para a sua so­brevivência é, deste modo, que os guerrilheiros vindos do ex­terior sejam informados, guia­dos e apoiados pela população autóctone. Logo, é necessário que essa exista, e que tenha ra­zões precisas para fornecer esse apoio, que geralmente lhe cus­ta caro a partir do momento em que começa a repressão.

  • 6 O geógrafo Nunez Jiménez tinha feito excursões na Sierra, mas ele não fazia parte do grupo do Gramn (...)
  • 7 Juan Pérez de la Riva (1913-1976) acompanhou Yves Lacoste como guia e tradutor nas duas vezes em qu (...)

13Na maior parte dos movi­mentos guerrilheiros surgidos na América Latina, o apoio foi muito fraco, e, às vezes, a po­pulação foi hostil, como no caso de Che, na Bolívia. A esse respeito, a guerrilha da Sierra Maestra parece mais ainda uma exceção. Contudo, Fidel e seus companheiros6, desembarcados do Gramna, ignoravam quase totalmente a montanha onde eles teriam que lutar. Como eles fizeram isso? De início, eles nem sequer tinham mapas da Sierra, e, se os tivessem, seriam imprecisos demais para lhes se­rem úteis nos seus deslocamen­tos. É a partir dessa questão e dessas constatações que fiquei intrigado pelas origens dessa guerrilha: elas levantam proble­mas para a prática geográfica e a escolha estratégica que são pouco claros justamente porque não são colocados. Em 1973, em uma missão à Cuba, pude conduzir uma pesquisa sobre essas questões, não somente na Sierra Maestra, mas também nas cidades vizinhas (Bayamo e Manzanillo), graças à ajuda de meu amigo Juan Perez de la Riva, recentemente falecido7. Hoje, posso realizar o relato dessa pesquisa.

Em primeiro lugar, por que no oriente?

14A questão geográfica, a pri­meira vista inócua e até um pouco ingênua, que pode ser levantada é: como e por que Fidel Castro escolheu a Sierra Maestra como teatro de opera­ções? Por que aquela montanha e não outra? Por que não a da região de Mayarí, sua terra na­tal, que ele conhecia bem (tam­bém no Oriente, mas no seu li­toral norte). Antes de tudo, esse problema pode ser enunciado de forma menos precisa e em escala bem menor ao questio­nar o porquê que Fidel escolheu agir novamente na província do Oriente em 1956, assim como no famoso ataque ao quartel de Moncada, em Santiago, em 26 de julho de 1953. Esse ataque, e a abominável mortandade que se seguiu, evidentemen­te atingiu muito a população do Oriente e a de Santiago em particular. Três anos mais tar­de, Fidel contou ali com muitos partisans, em particular o grupo dirigido por Frank País, que de­veria cumprir um papel capital quando da chegada do Granma ao desencadear uma insurreição na capital do Oriente.

15Por outro lado, a escolha dessa província se explica pelo afastamento em relação a Ha­vana, onde o ditador Batista, exposto a numerosos atentados, complôs e sabotagens de diver­sas origens, havia concentrado a maior parte da sua polícia e do seu exército para tentar contro­lar aquela aglomeração de mais de dois milhões de habitantes. Os quase 800 quilômetros que separam Havana do Oriente le­vam muito tempo a percorrer pela estrada, e mais ainda por trem. Logo, os partisans de Fi­del, tanto os de Santiago como os desembarcados do Granma, poderiam dispor de algum tem­po antes da chegada de forças mais numerosas de Batista. Considerando os equipamentos da época, o seu transporte podia ocorrer apenas em efetivos re­lativamente pouco numerosos. Por sua vez, o apoio que Batista poderia encontrar na população era muito mais fraco em Santia­go que em Havana, onde muita gente tirava proveito do tráfico e da especulação.

16Por fim, a escolha de Fidel em operar na outra ponta da ilha e longe de Havana se explica também por sua preocupação em desvincular o « Movimento 26 de Julho », que ele dirigia, das ações terroristas e das orien­tações políticas do « Diretório Revolucionário », cujos parti­sans eram, sobretudo, estudan­tes da Universidade de Havana. Havia, certamente, relações en­tre os dois movimentos na sua luta contra Batista, mas Fidel não aprovava as posições do Di­retório. A distância entre os dois teatros de operação, Havana e o Oriente, deveria demarcar as diferenças entre ambos e evitar a confusão das estratégias e dos comandos.

A tripulação do Granma tinha realmente o plano de combater em um território difícil que não conhecia?

17Se as razões da escolha do Oriente como principal teatro de operações são claras, se o raciocínio de Fidel nessa escala relativamente pequena ‒ pois o Oriente é vasto ‒ pode ser re­constituído fácil o suficiente, não se pode dizer o mesmo so­bre a escolha precisa da Sierra Maestra. Por que lá e não em outro lugar? Por que naquela montanha que Fidel não conhe­cia? Por que ele não escolheu as montanhas que havia fre­quentado, seja pelos passeios da juventude, seja pelas excur­sões do « Grupo Humboldt », um grupo de geografia ao qual tinha pertencido como alguns de seus amigos? Em nenhum texto, seja de Fidel ou seus primeiros com­panheiros, as razões da escolha da Sierra Maestra aparecem cla­ramente. Certamente eles expli­cam como, uma vez na Sierra, tiveram que se adaptar ao ter­reno, porém não dizem por que foram para lá.

18No entanto, todos os comen­tários sobre a estratégia de Fi­del, sobre os planos que teria elaborado no México antes de embarcar no Granma com seus 82 companheiros, consideram como uma evidência que ele escolheu a montanha como tea­tro de operações. Régis Debray, em A Revolução na Revolu­ção, quando analisa o modelo da guerrilha, dá grande impor­tância à escolha estratégica da montanha, opondo-a ao terroris­mo urbano praticado então pelo Diretório Revolucionário. Por que o exército rebelde se tornou invencível apesar da despropor­ção de forças? Pergunta-se Ré­gis Debray: « É porque, desde o primeiro dia, Fidel impõe uma estratégia clara: mesmo com a clarividência de que as forças do 26 de Julho eram muito mais numerosas e melhor organiza­das nas cidades (Santiago, Ha­vana) do que na Sierra, é ela que deveria liquidar o regime definitivamente » (p. 166).

  • 8 Na tradução, optou-se pela manutenção do original em francês (montagnarde), pois o termo «montanhos (...)

19Porém foi mesmo « desde o primeiro dia » que Fidel consi­derou a possibilidade de em­pregar a estratégia da guerrilha montagnarde8? Não são os co­mentaristas, Debray em particu­lar, que lhe atribuem essa inten­ção? Fidel não tem nada escrito que justifique essa interpreta­ção, e sua famosa palavra de or­dem, « Tudo pela Sierra, todas as armas pela Sierra », não data dos primeiros dias da guerrilha, como diz Debray, mas do mês de agosto de 1957, isto é, mais de sete meses após o desembar­que do Granma.

Uma operação minuciosamente preparada, mas não para a Sierra

20O desembarque, cuidado­samente arquitetado, deveria fazer parte de uma série de operações combinadas, hoje suficientemente bem conheci­das. Ora, desde que é colocada a questão das razões da escolha da Sierra Maestra, é impressio­nante constatar que os planos de Fidel, aliás, muito precisos, mal tinham previsto preparativos nessa montanha. No entanto, ele a conhecia tão pouco quanto seus companheiros e, portanto, correu o risco de se perder ou, ao menos, de ter grandes dificul­dades para se deslocar e se rea­bastecer. E esse foi realmente o caso, pelo menos inicialmente. Em retrospecto, pode-se dizer, sem exagero, que é um mila­gre que tenham se saído bem. Entretanto, como acreditar que Fidel, cujos preparativos eram tão precisos sobre todos os ou­tros pontos – e que tinha apoio numeroso nas cidades da região –, pode ignorar tal deficiência e negligenciou disposições (con­tatos, estoques de abastecimen­to, etc.) que outras guerrilhas, tomaram logo de início, mesmo as menos preparadas. A de Che, na Bolívia, foi objeto de prepa­rativos importantes, inclusive nos lugares onde ela deveria se implantar.

21É possível dizer que a privação que Fidel e seus companheiros conheceram antes de mais nada na Sierra Maestra se explica pelo quase naufrágio do Granma e, sobretudo, pelo desastre de Alegría de Pío, alguns dias depois, no qual restaram apenas doze sobreviventes? Evidentemente não pela questão que nos ocupa, pois eles, uma vez na Sierra Maestra, deveriam ter encontrado os depósitos de alimentos e de munições se tivessem sido preparados. Porém, ao que parece, nada desse gênero foi previsto, assim como qualquer contato com a população e pontos de reencontro. E isso deve ser sublinhado dado que, dentre aqueles que esperavam o de­sembarque de Fidel no litoral, havia homens que conheciam bem a Sierra, particularmente Crescencio Pérez, que desem­penhou, mas somente algumas semanas mais tarde, um papel fundamental na sobrevivência e desenvolvimento da guerrilha. No momento do desembarque do Granma, parece que nenhum preparativo foi feito na Sierra.

  • 9 Referência à Guerra Civil Espanhola (1936-1939) (N. T.).

22Esse fato leva a questionar se Fidel, ao partir, tinha mes­mo a intenção de combater na Sierra. Para responder a essa questão, é necessário examinar o que se sabe sobre as disposi­ções tomadas antes da chegada do Granma. Que Fidel tenha se preparado para conduzir opera­ções militares, é evidente: não somente seus 82 companheiros dispunham, na pequena em­barcação, de um armamento relativamente importante, mas, sobretudo, haviam sido treina­dos no México por um militar, o coronel Bayo, oficial cubano saído da Academia Militar de Saragoça que havia desempe­nhado um papel importante na guerra da Espanha9, ao lado dos republicanos.

23O desembarque do Gran­ma, como é bem conhecido, foi combinado de modo a coincidir – em 1º de dezembro – com a eclosão de uma insurreição em Santiago por Frank País. O ata­que a diferentes pontos estraté­gicos da cidade – inclusive ao quartel Moncada – deveria ser apenas uma operação diversio­nista, destinada a provocar a concentração das forças poli­ciais sobre essa grande cidade do Oriente, permitindo, assim, a Fidel desembarcar, sem difi­culdades excessivas, 200 qui­lômetros mais a oeste e de ter tempo de se implantar na Sierra (o retorno de Fidel era previs­to, já que ele mesmo anunciou publicamente antes do final de 1956). Entretanto, certamente não foi esse o caso. Por um lado, a ação de Frank País e dos seus partisans em Santiago, nos dois primeiros dias de dezembro, foi muito mais que uma operação diversionista. Durante um dia, eles foram quase os comandan­tes da cidade e foram vencidos apenas pelas tropas de choque (300 homens) vindas de avião de Havana, enquanto Fidel ain­da não havia desembarcado em razão de um atraso imprevisto.

Os caminhões que esperavam o Granma

  • 10 Carlos FRANQUI, Journal de la révolution cubaine, Editions du Seuil, Paris, 1976. Cf., p. 145 et 14 (...)

24Geralmente, ignora-se que outros preparativos haviam sido feitos, e até bem significativos. Os militantes do Movimento 26 de Julho, que esperavam o de­sembarque de Fidel na região do Cabo Cruz, bem a oeste da Sierra Maestra, haviam reunido um certo número de caminhões de modo a poder transportar ra­pidamente os homens desem­barcados, que se reuniriam com um certo número de partisans da região. « A questão dos cami­nhões » me foi relatada in loco por diferentes pessoas e se faz claramente alusão a ele em car­tas e mensagens então trocadas pelos membros do 26 de Julho, documentos reunidos por Car­los Franqui10 e recém-publica­dos: em novembro de 1957, é feita alusão a « todos os antigos, tanto aqueles do Granma como os dos caminhões ».

25Esses caminhões esperavam a chegada do Granma entre Ni­quero e Pilón. O ponto exato do desembarque não havia, ao que parece, sido fixado por incerte­za técnica e também por temor de novas « fugas »: agentes de Batista haviam sido descobertos dentre os guerrilheiros durante o treinamento no México. Onde deveriam chegar esses cami­nhões aproximadamente? Cer­tamente não por volta da parte alta e florestal da Sierra Maes­tra, pois não havia ainda estrada a partir de Pilón. Se Fidel dese­java se implantar na montanha, ao abrigo da cobertura florestal – isto é, de acordo com o esque­ma que se atribuir a ele habitu­almente–, ele não teria neces­sidade desses caminhões. Ele poderia desembarcar no litoral sul, perto de Pilón, por exem­plo, e chegar diretamente à Sierra por atalhos, e poderiam, assim, se abrigar muito mais rapidamente.

26O fato de que, segundo os planos, a chegada do Gran­ma deveria ser seguida de um transporte por caminhões le­vou Fidel a escolher um lugar de desembarque em um setor do litoral relativamente próxi­mo de uma estrada, ou seja, na parte mais ocidental da Sierra Maestra, entre Niquero e Pilón. Nesta região, a montanha não é mais que uma série de baixas colinas e a floresta já desapa­receu completamente, substi­tuída por grandes extensões de canaviais – Niquero e Pilón são grandes « centrais » açucareiras. Portanto, Fidel desembarcou relativamente longe (cinquen­ta quilômetros) da parte alta e florestal e da Sierra, enquanto poderia desembarcar ao pé da montanha, ao largo de qualquer estrada.

27O fato de ter escolhido de­sembarcar na costa de uma re­gião desmatada e atravessada por estradas teria, em seguida, graves consequências. A ausên­cia de floresta sobre vastas ex­tensões impede os guerrilheiros de se subtrair à aviação, e a es­trada permite a chegada rápida de soldados. A região era, então, particularmente perigosa para o início de uma guerrilha, e Fidel não poderia ignorar esses riscos. Sem dúvida, ele os levou em conta, pois a implementação de seu verdadeiro plano necessita­va dos caminhões e não poderia ser executado em outra região privada de estradas, mesmo que mais segura. Onde, esses cami­nhões deveriam chegar apro­ximadamente, permitindo que deixassem rapidamente a zona do desembarque? Certamente não próximo da Sierra, na falta de estradas (Veja o mapa ante­rior, p. 8-9).

Quais eram os planos iniciais de Fidel?

28É bastante verossímil que a estratégia de Fidel, reunido aos homens do Granma e os que lhes esperavam, era de atacar primeiramente Pilón; em seguida o pequeno quartel de Niquero e tomar as armas lá encontradas; e depois continuar rapidamente até Manzanillo para aí enfrentar as forças da polícia e do exército com que se deparassem. Posteriormente à tomada de Manzanillo, ele contava com o controle de Bayamo. Portanto, tratava-se de uma estratégia muito diferente daquela da implantação de uma guerrilha em uma montanha.

29No livro de Carlos Franqui (p. 145), encontra-se o teste­munho de Faustino Pérez, bem depois do desembarque do Granma: « Nossos planos ha­viam fracassado. Eu vi como Fidel estava contrariado. Nós havíamos previsto atacar Ni­quero em 30 de novembro, pela manhã. Crescencio Pérez, com uma centena de camaradas e de caminhões, nos esperava nesse setor. Após nos apoderarmos de Niquero, nós deveríamos subir com os caminhões para chegar a Manzanillo, e depois à Sierra, enquanto estourava a revolta em Santiago, que seria desen­cadeada através de um plano de agitação, sabotagens e greves ».

30Sem dúvida, estava previsto conquistar a Sierra, mas apenas após o desenrolar de muitas fa­ses da estratégia inicialmente calculada. E é provável que, nos planos iniciais, a etapa da « Sier­ra » deveria ser bem diferente de uma guerrilha de longa duração, já que nenhum preparativo pa­rece ter sido feito perto de Pi­lón prevendo tal operação. Pode ser que disposições tenham sido feitas em algum outro setor que não a Sierra Maestra ocidental, que poderia ser acessado por caminhões, mas não há menção em nenhum lugar. Sem dúvida se tratava de esperar por um tempo relativamente curto na Sierra Maestra – possivelmente após a reunião com os comba­tentes de Santiago – enquanto o regime de Batista desmoronava, depois de acontecimentos tão espetaculares.

31É de se notar que a escolha de conduzir essas operações revolucionárias nessa região de Manzanillo-Bayamo possuía um grande significado histórico e simbólico para os inúmeros cubanos: sabe-se bem que essa pequena parte do território é verdadeiramente o berço das duas revoluções de independência. Em primeiro lugar, a de Céspedes, em 1868, que partiu de Demajagua, perto de Manzanillo, e aquela de José Martí e de Máximo Gomez, em 1895, cujo primeiro foco foi um pouco mais a leste. (Não há espaço suficiente para mostrar que essa coincidência dos focos de início dos movimentos revolucionários não é fruto do acaso).

Retomar em maior escala a estratégia do Quartel Moncada?

32Então, pode-se pensar que a estratégia inicial de Fidel, an­tes do desembarque do Gran­ma, não era de se engajar em uma longa luta de guerrilha, e sim de atingir Santiago, Man­zanillo e Bayamo com golpes espetaculares destinados a mo­bilizar opiniões, em manobras que deveriam ser seguidas por um apelo à greve geral ime­diatamente. Pensava-se que isto deveria obrigar Batista a renunciar, dado que, para mui­tos cubanos, o seu retorno ile­gal ao poder, em 1952, teve por argumento o restabelecimento da ordem que havia se tornado muito agitada. No fundo, a es­tratégia que Fidel havia verda­deiramente elaborado em 1956 não era muito diferente daquela que ele quis empregar em 1953 com o ataque ao quartel Mon­cada, ação espetacular que de­veria ser seguida por um apelo à greve geral, destinada a fazer Batista partir.

33Pode-se considerar, ulterior­mente, que tais projetos eram « utópicos », o que faz com que não sejam mais tão menciona­dos. Porém, nas condições da época, não eram inverossímeis ou « ingênuos ». É necessário ter em conta que, em Havana, complôs de origens diversas se sucediam aos atentados espeta­culares e às sabotagens. Houve mesmo uma tentativa de putsch militar, o dos « tanquistas ». Ba­tista parecia encurralado. E Fi­del, no México, não havia publi­camente proposto a ele – em 19 de novembro de 1956 – renun­ciar à expedição do Granma se o ditador abandonasse o poder?

  • 11 Journal de la révolution cubaine, p. 214 (N. A.).

34A guerrilha prolongada que ocorreu mais tarde, provocando um formidável desenvolvimen­to de contradições, ocasionou uma considerável transforma­ção das condições políticas, mas é necessário levar em con­sideração o quanto a situação anterior à guerrilha era bastante diferente para compreender em qual estado de espírito Fidel havia pensado sua estratégia inicial. Sem dúvida, ele havia considerado a possibilidade de uma operação muito mais curta, muito mais centrada nas cidades e cujas consequências políticas seriam muito menos importan­tes que aquelas ocasionadas por dois anos de combates: o objeti­vo inicial era, essencialmente, o restabelecimento da legalidade pela partida de Batista. Em ju­nho de 1957, depois de seis me­ses de guerrilha, Fidel escreveu: « Hoje, me parece claramente que, se me dessem a escolha entre triunfar nas jornadas de 30 de novembro ou no nosso desembarque e triunfar um ano mais tarde, eu preferiria, sem hesitação, a vitória que se pre­para nesse momento através desse formidável despertar da nação cubana »11.

A fuga para a Sierra após a derrota total dos planos iniciais

35Se, nas obras consagradas a esse período da revolução, não se faz muita alusão à estraté­gia que era, sem dúvida, a de Fidel antes do desembarque do Granma, é porque ela não foi absolutamente implementada. De fato, sabe-se que, ao par­tir de Tuxpan, no México, em 25 de novembro, para poder chegar no dia 30 – momento no qual convinha desencadear uma insurreição em Santiago ‒, o Granma foi pego numa tem­pestade e depois atrasado pela queda de um homem ao mar e o necessário resgate. Chegou ape­nas em 2 de dezembro ao largo da costa cubana e, sem dúvida, já havia sido localizado pela aviação. O desembarque, ao in­vés de se fazer rapidamente (o que poderia ser o caso se o na­vio tivesse abordado à direita de uma ponta rochosa rodeada por profundidades suficientes), foi muito longo e difícil, pois a em­barcação encalhou a uma certa distância de um grande mangue (pântano costeiro onde cres­ce um emaranhado de árvores de raízes aéreas). « Ainda mais que não conhecíamos o terreno e não tínhamos guia », escreveu Fidel Castro.

  • 12 Relativo ao «Movimento 26 de Julho» (N.T.).

36Em efeito, esses militantes de 26 do Julho, que planejavam sua chegada por volta de 30 de novembro, conseguiram desem­barcar apenas na manhã de 3 de dezembro, mas os soldados já haviam sido informados. Che­gando através de um grande número de caminhões, eles im­pediram os partisans que aguar­davam para juntar-se a Fidel e os outros homens desembarca­dos do Granma. Esses últimos, sem guia, dirigiram-se ao leste, em uma zona descoberta, onde eles foram atacados pela avia­ção e cercados pelo exército. Foi o desastre de Alegría de Pío, que provocou a dispersão do grupo: setenta homens fo­ram feitos prisioneiros ou mor­tos em diferentes lugares nos dias que se seguiram. Os doze que escaparam, depois de vaga­rem isolados por longo tempo, puderam se reagrupar apenas em 13 de dezembro na casa de Mongo Pérez, em Los Corales, perto de Pilón. Ele era próximo do 26 de Julho12.

  • 13 Nuestro Tempo, 27 janvier 1959. (N. A.).

37É a partir daí que os sobreviventes do Granma puderam chegar às montanhas, não em virtude de uma estratégia decidida com antecedência, mas porque não tinham a possibilidade de agir de outro modo. Eles atravessaram um período difícil, isolados de tudo e sem abastecimento. Certo, Crescencio (o irmão de Mongo), quando pode juntar-se a eles, lhes trouxe uma ajuda preciosa e os conduziu mais a leste ainda, na região mais alta e mais florestada da Sierra. Contudo, apesar da influência que ele tinha entre a população da Sierra, a ausência de preparativos materiais e políticos nessa região – onde os guerrilheiros não haviam previsto agir ‒ fez com que Fidel e seus companheiros encontras­sem grandes dificuldades: nada de abastecimento, desconfiança dos camponeses. Recordando o período, Che declarou13, depois da vitória: « Nosso pequeno gru­po estava grudado à Sierra, mas não estava integrado; nós íamos de cabana em cabana; nós comí­amos apenas quando podíamos pagar, [...] nós éramos apenas tolerados ».

Um território já defendido pelos « bandos » de Crescencio Pérez

38A seguir se situa um episódio absolutamente decisivo para o desenvolvimento da guerrilha: os habitantes da Sierra se jun­taram em grande número ao pequeno grupo de Fidel. Em inúmeros comentários escritos sobre a guerrilha, o fenômeno é habitualmente considerado como a consequência de opera­ções de investigações e batidas dirigidas pelo exército nos ar­redores. De maneira ainda mais geral, pensa-se também que os camponeses pobres se reuni­ram espontaneamente àqueles que falavam de uma revolução. Infelizmente, numerosos exem­plos mostram que não era sem­pre o caso. Ao contrário, uma grande quantidade de guerrilhas na América Latina se manteve isolada em montanhas quase desertas, com terríveis proble­mas de aprovisionamento, e fre­quentemente foram denuncia­das pelos camponeses. Esse foi o caso de Che na Bolívia.

39A aproximação entre Fidel e um grande número de homens da Sierra Maestra não deve ser considerada como um fenôme­no político felizardo, mas « nor­mal ». É antes o resultado de uma situação local completa­mente particular, tanto no plano político como no ponto de vista geográfico. De um lado, Fidel foi conduzido à proximidade de altos vales fortemente po­voados, mas ainda muito pouco controlados pelas autoridades. Por outro, e é um fato essencial, a maior parte dos homens da Sierra Maestra que se uniram à guerrilha de Fidel já estava en­gajada, desde muito tempo, em toda uma série de ações mais ou menos armadas para impedir os grandes proprietários das planí­cies de colocar as mãos sobre os vales montanhosos. Isso explica o seu importante número e a ra­pidez com a qual se integraram na guerrilha. Certamente, Fidel os ofereceu objetivos mais vas­tos e colocou em prática outra forma de organização, mas a resistência armada era preexis­tente à sua chegada à Sierra. Se tivessem se implantado em ou­tra parte das montanhas, mais a leste, por exemplo, a situa­ção seria muito diferente: não existia resistência armada. Não teria se beneficiado do apoio que encontrou no oeste da Sier­ra Maestra, onde, há anos, os « bandos » se opunham à entrada, nas montanhas, dos capangas dos grandes proprietários ou da Guarda Rural.

40O encontro entre Fidel e um desses « bandos » não foi nada fortuito: esse último tinha Cres­cencio Pérez como chefe e ele mantinha contato com os mili­tantes de 26 do Julho das cida­des da região, particularmente Niquero e Manzanillo. Cres­cencio Pérez era um verdadeiro « líder » dessa parte da Sierra, em razão de sua numerosa família e de suas múltiplas relações: seu papel foi fundamental. Ainda falta explicar o fenômeno que ele influenciou tão fortemente, a saber, a resistência de uma população camponesa relativa­mente numerosa e ainda pouco controlada pelas autoridades.

Uma população recentemente reprimida, mas ainda não controlada

41A região montanhosa onde Fidel pode se refugiar e se be­neficiar da ajuda de Crescencio Pérez poderia ser definida no estágio de um processo comple­xo que, em termos da geografia acadêmica – preocupada em mascarar os problemas políti­cos – seria chamada de « proces­so de povoamento e valorização das montanhas cubanas ». Uma parte dessas montanhas cubanas efetivamente conheceu, desde o fim do século XIX, um proces­so comparável o suficiente ao que seria mais claro chamar de « processo de repulsão » de uma parte da população das planí­cies, que se direcionava para as montanhas. Primeiro pela am­pliação da extensão de grandes propriedades sobre as planícies e, depois, sobre as montanhas.

42Numerosas montanhas cuba­nas conheceram, portanto, di­ferentes etapas desse processo: aquela da resistência ao aumen­to de poder dos grandes proprie­tários durou apenas um tempo, dando lugar ao estabelecimen­to de sua influência ao mesmo tempo opressiva e paternalista sobre os pequenos campone­ses. No começo do século XX, a maior parte das montanhas cubanas – quando elas não es­tavam ainda desertas – eram, então, já muito controladas por grandes proprietários. Esse foi, particularmente, o caso da parte oriental da Sierra Maestra, mais próxima de Santiago, onde ha­viam estabelecido, desde muito tempo, numerosas plantações de café.

43Em compensação, na parte ocidental da Sierra, esse proces­so começou apenas tardiamen­te e, nos anos 1930, esse setor das montanhas era ainda quase deserto e coberto de florestas. É verdade que ele é bordejado ao norte pela grande planície do Cauto, onde, durante muito tempo, grandes fazendas en­contraram muito espaço para se expandir, e é também a região mais afastada de Santiago. De todo modo, em 1956, o oeste da Sierra Maestra estava povoado desde quinze anos apenas, e não estava ainda subordinado às autoridades.

44Para compreender o que ocorreu nas montanhas a partir dos anos 1930-1940, é necessá­rio observar a evolução agrícola da planície. Ela tinha sido, há muito tempo, dividida em um certo número de propriedades, mas apenas uma parte delas foi efetivamente cultivada: no começo do século XX, as plan­tações de cana cobriam apenas uma pequena parte da planície, onde se estendiam, sobretudo, pastagens extensivas. Além dis­so, a mão de obra era relativa­mente rara, e, por conta desse fato, os grandes proprietários aceitavam de muito bom grado que novos camponeses viessem aos seus domínios e desbravas­sem um pequeno pedaço de ter­ra. Esses campesinos, que não eram proprietários dessa peque­na exploração, deveriam, quan­do dos grandes trabalhos (a za­fra, o corte da cana-de-açúcar), trabalhar para o grande proprie­tário, que, aliás, os remuneraria.

Expansão das grandes explorações e resistência dos « precaristas »

45A partir das décadas de 1920- 1930, essa relativa penúria de mão de obra desapareceu, por conta de um crescimento demo­gráfico fortalecido e ampliado pela imigração. O desemprego se elevou enquanto o mercado se alargou consideravelmente em razão das grandes possibi­lidades de venda de açúcar aos Estados Unidos e também pelo crescimento da população cuba­na e do inchaço das cidades. Ao lado das grandes extensões de canaviais, foram criados gran­des arrozais cultivados, em boa parte, de forma mecânica. Essa possibilidade de recorrer às má­quinas aumentou a produtivi­dade do trabalho, mas reduziu notadamente os efetivos neces­sários de mão de obra. O de­semprego cresceu, e mais ainda a extensão das grandes proprie­dades. Se, até aquele momento, a maior parte delas não havia sido cultivada, a nova dilatação das culturas fez desaparecer os pousios, os pastos extensivos, assim como as pequenas explo­rações toleradas anteriormente.

46Os camponeses que não tinham direito de proprieda­de foram expulsos, inclusive manu militari. Vários dentre eles partiram para as cidades, mas uma proporção significati­va se refugiou em espaços que se encontravam entre as gran­des propriedades: denominados realengos. Essas terras eram o que restou daquelas considera­das como « reais », cujo essencial havia sido atribuído a grandes proprietários desde o início da colonização espanhola. Poste­riormente, apesar de sua resis­tência, os camponeses foram repelidos da maior parte dos realengos, pois apenas os pro­prietários mais ilustres podiam apresentar títulos de proprieda­de – mais ou menos fabricados –, que lhes haviam sido conce­didos outrora, em uma época onde a terra não era escassa.

47Evidentemente, não era a primeira vez que os precaris­tas eram expulsos das terras onde estavam instalados nas planícies cubanas. Todavia, nessa parte do Oriente onde as expulsões se fizeram mais tar­diamente, os camponeses se defenderam em um ambiente político diferenciado, e foram apoiados por intelectuais das ci­dades, em particular pelos mili­tantes da cidade de Manzanillo. Essa última, com a presença de imigrantes vindos da Europa, se tornou um pouco o berço do partido comunista cubano. Nes­sa região, ao pé da Sierra Maes­tra, no contexto da luta contra o ditador Machado, em 1934, os camponeses, os trabalhadores de uma empresa canavieira e soldados constituíram, por um tempo, o que foi chamado de « soviete de Mabay ».

Ameaça nas montanhas: o apetite dos grandes proprietários e a erosão dos solos

48O dever de deixar as planí­cies era imposto aos precaris­tas, apesar da sua resistência: aqueles que não se dirigiam para as cidades iam para a montanha vizinha, que se encontrava ain­da deserta. Sobretudo a partir da década de 1940, os vales da Sierra Maestra começaram a ser povoados por camponeses escorraçados das planícies, que começaram a substituir a flores­ta por culturas de subsistência e, principalmente, por peque­nas plantações de café. Os pro­prietários os permitiram ir em frente, até o momento em que os cafezais se tornaram produ­tivos: passaram a argumentar, então, que um ou outro pedaço de papel havia concedido uma ou outra parte das montanhas aos seus ancestrais – que ali não haviam jamais colocado os pés –, pretendendo apropriar-se dos cafezais criados a todo cus­to pelos pequenos camponeses. Esses tinham a escolha de ir embora ou de conservar apenas um pequeno pedaço da colheita, e foi então que começaram a re­sistir e a receber com armas os soldados da Guarda Rural ou os capangas dos proprietários.

49Mas o ataque dos grandes proprietários não era o único perigo. De fato, os camponeses desbravaram extensões cada vez maiores, pois o povoamento dessas montanhas antes desertas aumentou rapidamente. As pes­soas expulsas da planície eram, sobretudo, adultos jovens, e, como resultado, o crescimen­to demográfico dessas peque­nas colônias nas montanhas foi muito ágil. A destruição das flo­restas pelo desmatamento oca­sionou rapidamente as mais gra­ves consequências, pois a mata protegia da erosão uma grande espessura de rochas profunda­mente alteradas pelos efeitos de um clima tropical quente e úmido. Uma vez a floresta des­truída, o ravinamento de verten­tes íngremes destruiu cada vez mais os campos e, de tempos em tempos, se produziram enor­mes deslizamentos de terra, que arrastavam casas e plantações e tragavam os vilarejos à jusante. Esses desmoronamentos eram particularmente graves durante os grandes ciclones, cujas chu­vas diluvianas se abatiam sobre as vertentes da Sierra.

50Quanto mais a população aumentava, mais urgia destruir a floresta, e mais a erosão se ampliava. Mesmo que conti­vessem, por algum tempo, as ambições dos grandes proprie­tários, esses camponeses dei­xavam eventualmente as mon­tanhas onde se refugiavam: a erosão desencadeada devorava os campos à medida que eram abertos em meio à floresta. Para aqueles que não queriam ir para as cidades, onde o desemprego e a corrupção esperavam seus filhos, era necessário deixar as montanhas e tentar retornar às planícies. Para isso, as embos­cadas contra os homens dos grandes proprietários não eram suficientes: era necessário que a sociedade se modificasse e que desaparecessem os grandes pro­prietários, também chamados de « comedores de terra ». Esses homens que conheciam bem as montanhas e que, desde alguns anos, resistiam pelas armas só poderiam estar mesmo interes­sados pelos projetos políticos de Fidel. Sem se referir então ao socialismo, ele falava de uma sociedade mais justa, e talvez até da reforma agrária.

Uma « situação » geográfica local e regional que determina uma combinação de trunfos estratégicos

51As condições geográficas (isto é, « físicas » e « humanas ») dessa parte da Sierra onde Fi­del Castro teve de se refugiar depois do desastre de Alegría de Pío era, portanto, particu­larmente muito favorável ao desenvolvimento de um movi­mento guerrilheiro. Mais a leste, as condições eram muito menos promissoras, pois essa região da Sierra havia sido povoada mais antigamente e já estava bastante controlada pela administração e pelos grandes proprietários, não existindo resistência. Por outro lado, a parte ocidental da Sierra Maestra tinha uma população relativamente numerosa como resultado da importância das desapropriações, mas não era ainda controlada pelo poder e resistia ativamente aos grandes proprietários impiedosos.

52Enfim, a guerrilha dispôs de outro trunfo muito importante: esse campesinato recentemente expulso da planície conservava laços estreitos com as cidades que lá se encontravam, princi­palmente Manzanillo e Baya­mo. É nas pequenas cidades, ao sopé das montanhas, que procu­ravam um médico, que faziam compras e vendiam a colheita do café da própria montanha. Os camponeses tinham também parte de sua família na planí­cie e nas cidades. Portanto, os laços entre os centros urbanos e a Sierra eram particularmen­te importantes e essa foi uma condição muito favorável para o desenvolvimento da guerri­lha. De fato, os intelectuais e os trabalhadores militantes que haviam apoiado a resistência dos precaristas na planície con­servaram os contatos com esses camponeses quando foram des­bravar os altos vales montanho­sos, que se encontravam apenas a cerca de vinte quilômetros das planícies.

53Numerosas passagens, reu­nidas por Carlos Franqui no Journal de la révolution cubai­ne, mostram as ligações entre os militantes urbanos de 26 de Julho e homens como Crescen­cio Pérez, que veio aguardar Fi­del para participar da estratégia urbana inicialmente levada em consideração. O livro de Car­los Franqui mostra, sobretudo, a importância do papel das ci­dades no desenvolvimento da guerrilha. É a partir de Man­zanillo e de Bayamo que par­tiam os pequenos grupos que conduziam novos camponeses na direção de Fidel e que forne­ciam armas e munições. Após os camponeses de Crescencio Pérez, cidadãos de Manzanillo e de Bayamo foram os primei­ros a se juntar à guerrilha. Ali­ás, em sua maior parte eram militantes do 26 de Julho que foram impedidos de se reunir a Fidel logo após o desembarque do Granma. É pela rede de cida­des que Fidel pode ter contato com o resto do país. Os desem­barques, em particular de supri­mentos, ocorreram na costa sul da Sierra, bem próxima do foco, mas os contatos com o exterior eram, aliás, menos importantes que os contatos e os reforços que passavam pelas cidades ao pé da vertente norte.

54Esse papel dos movimentos urbanos no desenvolvimento da guerrilha da Sierra é gran­demente subestimado no livro de Régis Débray. Além disso, Révolution dans la révolution é cheia de vituperações morais em relação à « Cidade » « que pode aburguesar até os proletá­rios ». É necessário ter em conta esses julgamentos de valor so­bre a atmosfera de corrupção e depravação que reinava então em Havana, mas não em todas as cidades, e sobre as diferenças que opunham Fidel aos chefes de certos movimentos urbanos que desejavam fazer prevalecer soluções políticas após a queda de Batista.

Nada de análises geográficas e estratégicas, mas um discurso ideológico à base de « geografismos »

55A palavra de ordem lançada por Fidel Castro em agosto de 1957, « Tudo pela Sierra! », bem depois do início difícil da guer­rilha, se explica pela preocupa­ção em se opor àquelas diversas manobras políticas, em manter os ativistas do 26 de Julho o mais longe possível e reunir o maior número possível de opo­sitores de Batista ao redor do seu movimento, que era não so­mente o mais radical, mas, so­bretudo, o único a ter adquirido uma base camponesa.

56Após o triunfo da revolução e a entrada dos guerrilheiros da Sierra Maestra em Havana, era inútil e inoportuno, sem dúvi­da, evocar os planos iniciais de Fidel e a que se limitavam seus objetivos antes do desembarque do Granma. A palavra de ordem « Tudo pela Sierra! » foi então considerada como a expressão de uma escolha estratégica per­feitamente deliberada, anterior ao desenrolar de toda a opera­ção. Parece-me muito veros­símil que esse não foi o caso e que Fidel não tinha decidido o avanço dos combates na Sierra, mas as circunstâncias decidiram nesse sentido. O gênio político e militar de Fidel – que não é estreito – foi de ter em conta que, no momento em que teve de se refugiar naquela parte da Sierra, era necessário permane­cer, combater, e não procurar ganhar as cidades antes que a situação política no conjunto da ilha se transformasse pela pró­pria existência da guerrilha.

57Se o ataque ao quartel Mon­cada, em 1953, deveria ter sido o ato espetacular destinado a agitar a opinião cubana; se a to­mada de Manzanillo e Bayamo deveria ter sido o símbolo de uma nova revolução nos mes­mos lugares de onde partiram Céspedes e Martí; é a guerrilha da Sierra Maestra que, pela sua duração e pelo seu sucesso lo­cal, provocou a simplificação de uma situação política geral até então muito embrulhada por múltiplas complicações. Essa simplificação pelo aparecimen­to de duas forças claramente distintas – Batista em Havana e Fidel na Sierra – ocasionou um levante popular. Nada de es­pantoso que a palavra de ordem « Tudo pela Sierra! », depois da vitória, tenha feito da Sierra um tema extremamente poderoso nos discursos e um símbolo de enorme significado.

58Porém, quando revolucioná­rios de outros países da Améri­ca Latina, inspirados no sucesso da guerrilha da Sierra Maestra, foram derrotados um a um, tor­nou-se necessário fazer uma análise metódica de todas as condições que haviam permi­tido o triunfo de Fidel. O livro de Régis Debray correspondeu a essa necessidade de esclare­cimento: a revolução cubana não deveria parecer uma « lenda dourada ». Graças a melhores testemunhos, ele pode fazer a análise das condições econômi­cas, sociais e políticas ao nível do conjunto da sociedade cuba­na, das táticas militares e das orientações políticas decididas por Fidel. Contudo, restaram na sombra as condições geo­gráficas, sobretudo « humanas », muito particulares do oeste da Sierra Maestra. Ou seja, as con­dições estratégicas que haviam permitido a Fidel superar sua derrota inicial. Por conta disso, mesmo que a chegada de Fidel na Sierra Maestra não tenha re­sultado de um raciocínio ou de uma escolha estratégica deli­berada, tudo que evocou poste­riormente a Sierra adquiriu um valor simbólico considerável.

  • 14 Confira a seguir, na página 34, os trechos selecionados do texto de Régis Debray (N.A.).
  • 15 Na nota anterior, Lacoste se refere ao fato de que, no quinto número da revista Hérodote, onde cons (...)

59Desse modo, a importân­cia dos fatores geográficos não provocou uma análise precisa, e sim a dilatação de argumen­tos « geografistas » como base de um discurso muito ideológico14,15. Fazer um geografismo consiste em considerar lugares e espaços como atores políticos ou econômicos: não se designa com precisão os homens que habitam esses lugares e que são, evidentemente, os verdadeiros atores; eles são evocados in­diretamente e de forma muito vaga, são designados apenas os lugares onde se encontram. Cer­to, pode-se dizer que são apenas expressões de estilo. De fato, eles têm, frequentemente, con­sequências bastante desagradá­veis: é o meio clássico de dissi­mular as contradições de classe existentes entre os homens que habitam o mesmo lugar. Evi­dentemente, esse não foi o caso da Sierra Maestra.

  • 16 Op. cit., p. 73 (N.A.).

60Mas a evocação de uma Sierra Maestra que combate e se opõe à Planície, salvando a revolução, fez desaparecer as características particulares do oeste da Sierra Maestra, subs­tituindo-lhe por uma Montanha ideal, um arquétipo para todas as montanhas. A rigor, em ní­vel dos detalhes concretos, das narrativas de combate, a monta­nha é evocada – aparentemen­te – com seus cumes, ravinas e florestas: ou seja, unicamente sob o ângulo da geografia fí­sica, e essas descrições, topo­gráficas em essencial, parecem amplamente aplicáveis a todas as montanhas. Régis Debray, mesmo tendo tido a missão de explorar os locais onde Che po­deria instalar sua guerrilha na Bolívia, limita-se a essa con­cepção totalmente metafísica e topográfica: « Impressão super­ficial, geográfica », escreve16.

61Mas e as condições de geo­grafia humana tão particulares do oeste da Sierra Maestra? Por exemplo, o povoamento recen­te, decorrente das expulsões nas planícies, o apetite dos grandes proprietários sobre as planta­ções de café, a resistência dos camponeses, a erosão dos solos, as relações com as cidades. Ou seja, o conjunto de condições estratégicas do qual Fidel tirou partido. Nenhuma dessas con­dições foi seriamente evocada, mesmo que essas não formem uma combinação absolutamen­te única. Afinal, outros setores montanhosos apresentaram e, indubitavelmente, apresen­tam condições muito compa­ráveis, senão idênticas. Ainda é necessário prestar atenção a esse gênero de problemas e ser consciente de que os proble­mas geográficos não são nem « superficiais » nem somente to­pográficos: eles são fundamen­talmente estratégicos. Também urge pensar que todas as mon­tanhas não são iguais, mesmo que lá encontremos as mesmas vantagens táticas. É substancial conhecer o terreno ou, sobretu­do, ter o apoio das pessoas que o conhecem e que têm razões específicas para ali lutar.

62Se Révolution dans la révolution foi um esforço útil para esclarecer certos problemas históricos e políticos, as ques­tões geográficas permanece­ram infelizmente na sombra ou no nível da ilusão das fórmu­las eloquentes. É nesse estado de espírito que foi preparada a guerrilha de Che e várias outras que fracassaram. Um raciocínio estratégico melhor, pois geo­gráfico, os teria permitido ao menos resistir por mais tempo e, talvez, quem sabe, alcançar a vitória?

63Yves Lacoste

64P.S.: No momento desta pu­blicação, recebemos o núme­ro especial da revista Bohemia (Havana, 03/12/1976) consa­grado ao 20º aniversário do de­sembarque do Granma: 97 páginas e 17 mapas relatam com precisão o destino e o itinerário dos diferentes membros da ex­pedição. Poucas informações novas quanto aos problemas es­tratégicos colocados pelo artigo acima, a não ser o fato de que o encalhe na Playa de los Co­lorados se explica pelo fato de que o Granma não possuía mais combustível.

Topo da página

Notas

1 O título original do livro inclui um ponto de interrogação: La révolution dans la révolution?, de Régis Debray, lançado pela editora de François Maspero, em 1967, com o subtítulo de lutte armée et lutte politique en Amérique Latine, como o número 98 da coleção Cahiers Libres. Ao longo do artigo aqui traduzido, Yves Lacoste não insere o ponto de interrogação original ao título da obra de Debray [N.T: Nota do Tradutor].

2 Uma forma ligeiramente reduzida do mapa está incluída no terceiro tomo de Unidade e diversidade do terceiro mundo (1980c, p. 46-47), adaptação da tese de Yves Lacoste – defendida no ano anterior – cujo todo inclui relatos sobre seus estudos de caso no Vietnã, no antigo Alto Volta, na Argélia e em Cuba (ANJOS, 2022) (N.T.).

3 Régis Debray. La Critique des armes, t. I. Éditions du Seuil, 1974 (N.A.: Nota do Autor)

4 Ibdem (N.A.).

5 O artigo «A propos de Clausewitz et d’une géographie» se encontra no número 3 da revista Hérodote, relativo ao 3º trimestre de 1976. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5621210c?rk=42918;4. Acesso em: 12 mai. 2022 [N.T.].

6 O geógrafo Nunez Jiménez tinha feito excursões na Sierra, mas ele não fazia parte do grupo do Gramna, apenas se juntaria à guerrilha tardiamente (Confira Geografía de Cuba, Editora Pedagogica Letterari.) [N.A].

7 Juan Pérez de la Riva (1913-1976) acompanhou Yves Lacoste como guia e tradutor nas duas vezes em que o geógrafo francês esteve em Cuba, em 1967 e 1973. As impressões do geógrafo cubano foram essenciais para formatar a visão de Yves Lacoste sobre o «geografismo» da Sierra Maestra como «montanha revolucionária» (N.T.).

8 Na tradução, optou-se pela manutenção do original em francês (montagnarde), pois o termo «montanhosa» poderia não qualificar adequadamente o impacto do escrito do autor (N. T.).

9 Referência à Guerra Civil Espanhola (1936-1939) (N. T.).

10 Carlos FRANQUI, Journal de la révolution cubaine, Editions du Seuil, Paris, 1976. Cf., p. 145 et 149, les déclarations de Faustino Perez, et p. 266 (N.A.).

11 Journal de la révolution cubaine, p. 214 (N. A.).

12 Relativo ao «Movimento 26 de Julho» (N.T.).

13 Nuestro Tempo, 27 janvier 1959. (N. A.).

14 Confira a seguir, na página 34, os trechos selecionados do texto de Régis Debray (N.A.).

15 Na nota anterior, Lacoste se refere ao fato de que, no quinto número da revista Hérodote, onde consta o presente artigo, também está presente uma seção com alguns trechos do livro A revolução na revolução? (1967), de Régis Debray (N.T.).

16 Op. cit., p. 73 (N.A.).

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 - Itinerário de Fidel Castro e dos sobreviventes do Granma de dezembro de 1956 a janeiro de 1957, desde a Playa de los Colorados, onde encalhou o Granma, até La Loma de Caracas, pequeno platô coberto por florestas e limitado por encostas íngremes, onde Fidel instalou seu primeiro quartel-general2
Créditos Fonte: « Fidel Castro et la Sierra Maestra. Un théâtre d’opérations volontairement choisi? », de Yves Lacoste, publicado na revista Hérodote em seu 5º número, relativo ao 1º trimestre de 1977, p. 8-9. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/​ark:/12148/​bpt6k5622667v/​f8.image
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/6094/img-1.png
Ficheiro image/png, 540k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Yves Lacoste, «Fidel Castro e a Sierra Maestra. Um teatro de operações escolhido intencionalmente?»Geografares [Online], 35 | 2022, posto online no dia 01 dezembro 2022, consultado o 25 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/6094

Topo da página

Autor

Yves Lacoste

Institut Français de Géopolitique - Universidade Paris
lacoste@yahoo.com.fr

Topo da página

Tradutor

Víctor Daltoé dos Anjos

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
victordaltoe@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search