Navegação – Mapa do site

InícioNuméros31ArtigosA Igreja Católica Como Agente Est...

Artigos

A Igreja Católica Como Agente Estruturador Da Cidade Do Salvador No Período Colonial

La Iglesia Católica Como Agente Estructurador De La Ciudad De Salvador En El Período Colonial
The Catholic Church As A Structuring Agent For The City Of Salvador In The Colonial Period
Pedro de Almeida Vasconcelos

Resumos

Salvador foi a capital da América Portuguesa de 1549 até 1763. Ela também foi a segunda cidade do Império português até o início do século XIX. A Igreja Católica junto com o Estado foram os principais agentes que estruturaram a cidade de Salvador durante todo o período colonial. A Igreja Secular vinculada ao Estado pelo regime do Padroado foi responsável pela implantação e manutenção da catedral da Sé, de igrejas e paróquias. As ordens religiosas com seus conventos foram importantes elementos para a estruturação do espaço urbano enquanto as ordens leigas eram proprietárias de igrejas e muitas terras e prédios urbanos e correspondiam à estruturação de uma sociedade escravista

Topo da página

Entradas no índice

Palabras claves:

Iglesia Católica, agentes, Salvador

Palavras chaves:

Igreja Católica, agentes, Salvador
Topo da página

Notas da redacção

Artigo recebido em: 28/07/2020
Artigo aprovado em: 28/09/2020

Texto integral

Introduçãoi

  • i A maior parte das informações estão baseadas em Vasconcelos, 2016.
  • ii De fato, o regime colonial termi­na em 1808, com a chegada da Corte Portuguesa fugindo das tro­pas (...)

1Para entender o impacto da instituição religiosa na formação e no desenvolvimento da capital da América Portuguesa, procuramos separar os papéis da Igreja Católica e da Coroa portuguesa durante o período colonial (1500-1822)ii, apesar de estarmos conscientes da imbricação entre a Igreja e o Estado, devido ao caráter oficial da religião católica, e, sobretudo, da existência do regime do Padroado. Por outro lado, deve ser considerada também a mentalidade religiosa do período, que resultava em doações importantes por particulares, durante a vida e após a morte, para as construções de prédios e para a sustentação das instituições religiosas.

  • iii Para uma discussão teórica sobre agentes ver Vasconcelos (2011). Quanto aos agentes no período colo (...)

2Destacamos neste texto, o papel da Igreja Secular, vinculada à Roma, em primeiro lugar; em segundo lugar, às ordens religiosas regulares, mais independentes e com vinculações com suas sedes específicas; e por último, as ordens leigas, que embora ligadas à religião católica, tinham vínculos ainda mais independentes e refletiam a organização hierárquica de uma sociedade colonial e escravistaiii.

A Igreja Secular

  • 1 BOXER, 1989, p. 65.
  • iv A Ordem de Cristo era herdeira do patrimônio da antiga Ordem dos Templários (AZZI, 2008, p. 162- 16 (...)
  • 2 LACOMBE, 1993; AZZI, 2008.
  • 3 BAZIN, 1955, II, p. 22.
  • v O bispado de Salvador foi o único na colônia de 1551 a 1676 (HOORNAERT, 1991, p. 75).

3A Igreja Católica no Brasil estava vinculada ao Estado através da instituição do Padroado, que foi estabelecido por várias bulas papais, que autorizavam “uma série de direitos, privilégios e deveres, concedidos pelo papado à Coroa portuguesa, como patrono das missões católicas1, através da Ordem de Cristoiv. Nas terras sob o regime do Padroado, a cobrança dos dízimos passou para a referida ordem, consequentemente para a Coroa portuguesa. Cabia, portanto ao Estado a responsabilidade de criar dioceses e paróquias, manter a Igreja nos seus domínios, inclusive construir e conservar os prédios religiosos, assim como sustentar o seu clero, através do pagamento das côngruas2, ou seja, a remuneração dos sacerdotes pela Coroa. A importância da Igreja Secular na estruturação do espaço em Salvador estava refletida na presença dos principais prédios religiosos na parte central da cidade colonial: a catedral e o palácio arquiepiscopal. As igrejas matrizes constituíam, em si, os principais prédios e núcleos originais das freguesias, que iam sendo implantadas em função do crescimento e da expansão da cidade. A divisão da cidade em paróquias e freguesias teve continuidade, até o recentemente, nas divisões distritais do município. O primeiro prédio ligado à Igreja Secular foi a capela da Ajuda, construída pelos jesuítas, em taipa e coberta de palha em 15493, na parte central da cidade inicial. Com a criação do bispado por Bula Papal em 1551, e a chegada do primeiro bispo no ano seguinte, ela foi cedida ao referido bispo, passando a ser a primeira Sé do Brasilv.

  • vi Para LEITE (2000, I, p. 23), Nóbrega, em correspondência de 1549, já fazia referência a igreja da S (...)
  • 4 SANTA MARIA, 1947, 32.
  • 5 PERES, 1974.
  • 6 SOUSA, 1987, p. 135.
  • 7 BAZIN, op. cit., p. 35.
  • 8 PITA, 1976, p. 210
  • 9 CALMON, in PITA, 1976, p. 72
  • 10 AMU 11820, p. 579
  • 11 SANTA MARIA, op. cit.
  • 12 12. PERES, op. cit. 13.

4A catedral da Sé, principal prédio da cidade, foi iniciada em 1552vi pelo bispo Dom Pedro Fernandes Sardinha4 e reconstruída em pedra em 15595, com a fachada voltada para a baía de Todos os Santos. Em 1587 a igreja tinha três naves, embora ainda não estivesse acabada6. Em 1674 ordem real autorizou a doação de um conto de réis cada ano para as obras da igreja7. A catedral foi concluída em 16948. Em 1770 o seu frontão foi demolido por ameaçar ruína9. Em 1785 o arcebispo informou que as duas torres também tinham sido derrubadas10. Várias irmandades funcionavam na catedral inclusive de negros e pardos11. A catedral foi totalmente demolida em 1933, para permitir a passagens dos trilhos dos bondes da Companhia Circular12, um dos maiores atentados ao patrimônio histórico brasileiro.

  • 13 VILHENA, 1969, p. 440

5As primeiras paróquias, correspondentes aos dois núcleos iniciais de povoamento (Sé e Vitória), foram criadas em 155213, embora a última fosse um núcleo separado no sul da cidade.

  • 14 BAZIN, op. cit., I, p. 11.

6Bazin informou que no século XVII as obras paroquiais eram geradas por um Conselho de Fábrica e no século seguinte a gestão dessas obras passou para as irmandades do Santíssimo Sacramento frequentemente em conjunto com a irmandade do orago, ou seja, o santo titular da igreja14.

  • 15 WILDBERGER, 1971, p. 36.
  • 16 SOUSA, 1987, p. 138.
  • 17 AMARAL, in VILHENA, 1969, p. 471.
  • 18 SILVA, 1937, p. 72.
  • 19 OTT, 1990, p. 52.
  • 20 SMITH, 1971, p. 93 e 118.
  • 21 BAZIN, op. cit., II, p. 23.
  • 22 AMARAL, 1921-1922, p. 543.
  • 23 BAZIN, op. cit., p. 142.
  • 24 SIC, op. cit., p. 50.

7A capela de N. Senhora da Conceição da Praia, na Cidade Baixa, foi construída pelo primeiro governador, Tomé de Souza, em 154915, sendo, portanto, o primeiro templo da cidade. Soares de Sousa, em livro de 1587, informou que a “fraca” ermida, era “a primeira casa de oração”16. Em 1623 ela foi transformada na primeira matriz da Cidade Baixa, com a criação da freguesia do mesmo nome17, quando foram instaladas as irmandades do Santíssimo Sacramento e a de N. Senhora da Conceição da Praia18. A referida capela foi demolida em 1736, sendo iniciada a construção da atual igreja da Conceição da Praia em 173919, com a importação de pedras de Portugal20. Carta Real em 1758 autorizou o pagamento de doze contos de reis a partir dos rendimentos dos dízimos para a continuidade das obras21. Em 1765 o prédio foi concluído22. Ele foi considerado por Bazin como um “edifício português23. Na mesma freguesia foi fundada em 1711 a capela de São Pedro Gonçalves do Corpo Santo, pelo marinheiro espanhol Pedro Gonçalves, como pagamento de uma promessa24. Nessa capela funcionou uma irmandade étnica africana.

  • 25 25. Ibid.
  • 26 MORAIS, Mello apud BAZIN (op. cit., p. 31).
  • 27 Ibid., p. 34.
  • 28 SILVA, op. cit.
  • 29 SIC, op. cit., p. 125-126.
  • 30 Ibid., p. 121-122.

8A capela da Vitória teria sido fundada pelo Capitão Francisco de Barros, antes de 1552 quando foi elevada a matriz25. Na freguesia da Vitória foi construída a igreja de Santo Antônio da Barra, que teria sido fundada entre 1593 e 160026. Posteriormente foi edificada a pequena capela de São Lázaro, que dataria da primeira metade do século XVIII27. Em frente a essa capela são realizadas cerimônias vinculadas ao candomblé. A freguesia de Santo Antônio, ao norte da Cidade Alta, só foi fundada em 164828. A capela original data de 1595. O prédio da matriz atual corresponde à terceira igreja, reconstruída em 181329. A pequena igreja de São Francisco de Paula, situada na mesma freguesia, teve sua construção iniciada no final do século XVIII pelo Padre Antonio Borges Medeiros. A referida igreja não foi concluída, não possuindo torres30.

  • 31 OTT, 1991, p. 245.
  • 32 CALMON apud PITA, 1976, p. 73.
  • 33 SIC, op. cit., p. 106.
  • 34 BAZIN, op. cit., p. 26.
  • 35 Ibid., p. 28.

9Em seguida foi implantada a freguesia de São Pedro em 1676, ao sul da Cidade Alta. A igreja matriz de São Pedro foi iniciada em 167531 e concluída em 173832. Ela contava com um magnífico portal. A igreja foi destruída no início do século XX para a abertura da avenida Sete de Setembro, juntamente com a igreja do Rosário da rua de João Pereira. Nessa freguesia foi construída a capela da Barroquinha. Sua edificação foi autorizada pelo Arcebispo em 1722 por solicitação da irmandade de N. S. da Barroquinha. A fachada foi concluída em 1723. O interior dessa igreja foi destruído por incêndio. Uma terceira, a igreja de Bom Jesus dos Aflitos, foi construída por um particular, Antonio Soares, sendo inaugurada em 174833.A freguesia de Santana, situada a leste da Cidade Alta, foi criada em 1679. A construção da igreja matriz foi iniciativa da irmandade do Santíssimo Sacramento em 1744. Em 1753 Ordem Real autorizou a doação de 12.000 cruzados para a sua construção34. A igreja de N. Senhora da Saúde e da Glória, na mesma paróquia, teve sua primeira pedra colocada em 1723 por iniciativa do Vice-Rei. A igreja referida foi concluída em 172635.

  • 36 SIC, op. cit., p. 112.

10A igreja matriz de N. Senhora de Brotas, no extremo leste da cidade, foi fundada em 171436, quatro anos após a criação da freguesia.

  • 37 BAZIN, op. cit., p. 26.
  • 38 SIC, op. cit., p. 40.
  • 39 VERGER, 1987, p. 96 e 117.
  • 40 BAZIN, op. cit., p. 36-37.

11A freguesia do Pilar, situada na Cidade Baixa, foi fundada em 1718, como desmembramento da de N. S. da Conceição da Praia. A sua matriz foi iniciada em apenas em 1739 e Ordem Real autorizou despesas no valor de 5.000 cruzados no período de três anos37. A igreja matriz do Santíssimo Sacramento da rua do Passo, que fica ao norte da freguesia da Sé, foi instituída após a criação da freguesia, em 1736, e recebeu subsídios reais no ano seguinte38. Na freguesia da Penha, criada em 1760 na península de Itapagipe, foi instituído em 1745 um santuário de peregrinos por Teodozio Rodrigues de Faria, proprietário de tumbeiros39. Posteriormente o santuário foi ampliado, resultando na famosa igreja do Senhor Bom Jesus do Bomfim. As torres só foram concluídas em 177240.

  • vii O Brasil contou com um único Arcebispado, sediado em Salvador, no período de 1676 a 1889, ou seja, (...)
  • 41 LACOMBE, op. cit., p. 60.
  • 42 RUY, 1949, p. 217.
  • viii Para o exame da difusão espacial da Diocese (1551) e da Arquidiocese de Salvador (1676) ver Rosenda (...)
  • 43 VARNHAGEN, 1962, III, p. 229; LACOMBE, op. cit., p. 73.
  • 44 ALMANACH, 1973, p. 92.

12O Arcebispadovii só foi implantado em 167641, e o Tribunal da Relação Eclesiástica foi estabelecido em 167842. Deve ser destacado que a abrangência do Arcebispado da Bahiaviii extrapolava o atual território brasileiro, pois os bispados de Angola e São Tomé, na África, estavam subordinados ao mesmo43, até, pelo menos, 181144.

  • ix Um dos objetivos do Concílio de Trento (1563-1564), além da realização da Contra Reforma da Igreja (...)
  • 45 VIDE, 2007, Livro III, Título 31, p. 579.
  • 46 Ibid., Livro IV, Título 27, p. 728.

13Em 1707, foi convocado o primeiro Sínodo Diocesano em Salvador, que estabeleceu as Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia e que, pela primeira vez, deram um ordenamento às regras a serem observadas pelo clero local, inclusive sobre a forma de implantar os prédios religiosos. Esse documento é interessante, na medida em que foi elaborado para trazer as normas tridentinas, e adaptá-las à realidade escravista da América Portuguesaix, como por exemplo, a “Breve instrucção dos mysterios da fé acommodada ao modo de fallar dos escravos do Brasil para serem cathequisados por ella45. Instruções específicas foram dadas aos senhores para dar exemplo aos “muitos neofitos, pretos, e buçaes, que cada dia se baptizam e convertem-se [...]”, pois eles aprenderiam mais “das exterioridades” do que das palavras46.

  • 47 Ibid., Livro I, Título 50, p. 213.
  • x Essas regras não foram seguidas no Império: um sacerdote negro, natural de Itaparica, foi ordenado (...)
  • 48 Ibid., Título 53, p. 224.
  • 49 Ibid., Livro III, Título 37, p. 609.
  • 50 Ibid., Livro I, Título 54, p. 228.

14No Livro I, além das limitações específicas para os candidatos ao sacerdócio da península ibérica, foram adicionadas aquelas relativas à presença dos escravos africanos e seus descendentes. Quando trata, por exemplo, da ordenação dos sacerdotes, informações secretas deveriam ser realizadas para o exame “da limpesa de sangue”47; com destaque dos impedimentos seguintes: ser filho ou neto de “Infiés, Hereges, Judeos ou Mouros”; “se tem parte de nação Hebrea, ou de outra qualquer infecta; ou de Negro, ou Mulato”x; ou “se é captivo [...] e sem licença do seu senhor se quer ordenar”48. Essa exigência era necessária até para empregar um simples sacristão: “que se tome informação se tem limpesa de sangue [...]49. Outra limitação para o sacerdócio era de ordem econômica: o candidato tinha de ter benefício eclesiástico, pensão ou patrimônio de pelo menos vinte e cinco mil réis, podendo ser patrimônio em “bens de raiz, fóros, ou censos perpetuos”50.

15O Livro IV é o mais importante, pois estabelece regras para fundar e edificar igrejas:

  • 51 Ibid., Livro IV, Título 17, p. 687.

“em lugares decentes e acommodados [...], (a) Igreja Parochial [...] se edifique em sitio alto, e lugar decente, livre da humidade, e desviado, [...] de lugares immundos, e sordidos, e de casas particulares, e de outras paredes, em distancia que possão andar as Procissões ao redor dellas, e que se faça em tal proporção que [...] seja capaz [de acomodar] dos freguezes todos, mas ainda de mais gente de fóra [...]”51.

16Define também à orientação da igreja:

“posto o Sacerdote no altar fique com o rosto no Oriente, e não podendo ser, fique para o Meio dia, mas nunca para o Norte, nem para o Occidente, [...] e haverá no ambito, e circunferência dellas adros, e cemiterios [...]”.

  • 52 Ibid., p. 689.
  • 53 Ibid., Título 29, p. 738.

17Informa também que as igrejas recebiam dotes de Sua Majestade no valor de seis mil reais cada52. Nas igrejas e respectivos adros não deveriam ser realizados nenhum tipo de comércio53.

  • 54 Ibid., Título 32, p. 747.
  • 55 Ibid., p. 755.
  • 56 Ibid., p. 758.

18Finalmente, outro aspecto importante, na época, é que os delinqüentes católicos poderiam gozar de imunidade nas igrejas, bastando que os mesmos “se peguem aos ferrolhos das portas [...], ou se encostem a ellas, ou às paredes ou se recolhão debaixo dos alpendres [...]”54, o que os protegeriam da justiça secular. Porém não gozavam de imunidade, o “Herege, Apostata, ou Seismático. Nem blasfemo, feiticeiro, benzedeiro, agoureiro, e sortilego [...], nem o ladrão publico salteador de estradas [...]”55, nem o “Judeu, Mouro ou qualquer infiel [...]56, e, diante da realidade americana :

  • 57 Ibid., p. 757.

“nem [...] o escravo (ainda que seja Christão) que fugir a seu senhor para se livrar do captiveiro”57.

19Numa sociedade escravista essa tradição não poderia ser mantida, o que explica a adaptação dos documentos da Igreja a uma sociedade diferente da Metrópole.

  • 58 OTT, op. cit., p. 27.
  • 59 SMITH, op. cit., p. 109.
  • 60 SALGUEIRO, 1982, p. 36.

20No mesmo ano do Sínodo (1707) foi iniciada a construção do Palácio Arquiepiscopal58, com três andares, contando com sete janelas na fachada nobre e nove de cada lado. Estava ligado à catedral da Sé por uma arcada e veio reforçar o papel da Igreja Secular na parte central da cidade. Em 1742 foi começada a construção da capela da Penha e da residência de verão do Arcebispo59, em Itapagipe, Cidade Baixa de Salvador. Apenas em 1815, foi inaugurado o primeiro seminário da Arquidiocese, o de São Dâmaso60, no atual bairro do Pelourinho, posterior, portanto, ao seminário dos jesuítas.

  • 61 NÓBREGA, 1988, p. 194.
  • 62 LEITE, 2000, 2 p. 510.
  • 63 AZZI, op. cit., p. 184.
  • 64 NOVINSKY, 1992.

21O clero secular inicial era problemático e foi criticado por Nóbrega, já em 1559, por “estarem clerigos e dignidades amancebados, com suas escravas [...]”61. Entretanto em 1584 já havia sacerdotes mestiços de índios62. Como as côngruas dos sacerdotes não eram elevadas alguns sacerdotes se dedicavam a outras atividades63. A Inquisição atuou três vezes em Salvador: entre 1591 e 1593 o primeiro inquisidor realizou a primeira visita. A segunda data de 1618. A “Grande Inquirição” foi realizada em 1646 quando foram denunciadas 118 pessoas64.

  • 65 AMU, 6477-8, p. 48.
  • 66 Ibid., 8522, p. 279.
  • 67 Ibid., 19050, p. 94.

22Em 1764, o Arcebispo informou da dificuldade de encontrar padres capelães para servir nos navios que viajavam para a Costa da Mina6565, ou seja, nos tumbeiros. Entretanto em 1774, o Arcebispado recenseou o elevado número de 251 clérigos na cidade e nos subúrbios66. No conjunto do Arcebispado, em 1795, o clero secular totalizava 505 membros, dos quais 204 estavam “inutilizados”, certamente idosos ou enfermos. A distribuição era a seguinte: 31 estavam lotados na catedral da Sé, 14 no Colegiado da Misericórdia, 12 no Colegiado de São Pedro, um no Hospital de São Lázaro, sete nos quatro conventos de religiosas e nos dois recolhimentos, quatro nas três ordens terceiras, dois em duas irmandades de pretos, e 192 nas 96 freguesias da Capitania, além de cinco capelães nos regimentos e fortalezas, dois capelães nas armações, e 31 sem colocação especial67, o que mostra a diversidade de papéis do clero secular, na época.

  • 68 MORENO, 1955, p. 154
  • 69 Ibid., p. 148.
  • 70 LACOMBE, op. cit., p. 69.

23Em 1612, os gastos com a Igreja eram de 5.443$64068, correspondentes a 29% do total das despesas da Capitania, volume importante, somente abaixo das despesas militares. O bispo recebia um ordenado de 1:100$000, inferior apenas ao do governador (1:200$000), enquanto o deão da Sé ganhava apenas 100$000 réis69. As relações entre a Igreja Secular e as ordens regulares não eram sempre harmoniosas. Houve várias divergências, como por exemplo, o conflito entre o primeiro bispo e os jesuítas, pois o bispo Dom Pedro Fernandes Sardinha só admitia a missão apostólica para os colonos europeus, enquanto os jesuítas tinham a intenção de converter os indígenas70. A Constituição do Arcebispado também tentava impor regras de obediência dos sacerdotes regulares às normas implantadas.

As Ordens regulares

24As ordens regulares tiveram um papel central na estruturação da cidade colonial: os conventos e mosteiros consolidaram a cidade inicial com suas construções intramuros, e foram fundamentais para a expansão da cidade nas direções norte e sul, e posteriormente, na direção leste da cidade, na medida em que Salvador passou a ter uma forma radio concêntrica. Os estabelecimentos principais construídos pelos jesuítas e franciscanos foram importantes para consolidar a primeira cidade “intramuros” de Salvador. Os jesuítas ficaram no lado oeste da Cidade Alta, enquanto os franciscanos se instalaram no outro extremo, no leste da cidade.

  • 71 LEITE, 1965, p. 174.

25A Companhia de Jesus, a principal ordem regular, desde o início contou com o apoio da Coroa. Os primeiros jesuítas vieram com o fundador da cidade, Tomé de Souza, que concedeu as primeiras sesmarias à ordem71.

  • 72 LACOMBE, op. cit., p. 71.
  • 73 LEITE, 1938, I, p. 126.
  • 74 Ibid., p. 185.

26Em 1553 a Província do Brasil foi instalada72. Em 1565 a Coroa assumiu a manutenção da companhia que, posteriormente, passou a ser paga por redízimos de açúcar73, isto é, a décima parte de todos os dízimos. Em 1598, a renda recebida de El-Rey era de 3.000 cruzados, complementada pelo arrendamento de prédios e terrenos, que alcançavam 2.000 cruzados74.

  • 75 Ibid., p. 182.

27Os jesuítas construíram as primeiras capelas, estabeleceram as primeiras missões junto aos ameríndios e fundaram as primeiras irmandades. Em 1601, começaram a plantar canaviais, com a utilização de trabalho escravo75.

28Em Salvador os jesuítas implantaram seus principais estabelecimentos na Cidade Alta, em frente à baía de Todos os Santos, ficando a igreja atual voltada para o Terreiro de Jesus, a principal praça da cidade. Essa implantação atraiu o crescimento da cidade inicial em sua direção.

  • 76 Idem, 2000, 5, p. 120-121.
  • xi Os restos mortais de Mem de Sá estão sepultados na antiga igreja dos jesuítas.
  • 77 ANCHIETA, 1988, p. 312.
  • 78 LEITE, op. cit., I, p. 26 e 28.
  • 79 Idem, 2000, 5, p. 121-123.
  • 80 SMITH, op. cit., p. 94.
  • 81 BAZIN, op. cit., p. 19.
  • 82 LEITE, op. cit., V, p. 128.

29A primeira igreja, da época de Nóbrega era de taipa, e durou até 1553. A segunda começou a ser construída nessa data, e já estava arruinada em 156476. Os jesuítas contaram com a ajuda do governador Mem de Sáxi, que construiu, em pedra, a terceira igreja aos seus custos77, entre 1561 e 1585, em frente ao Terreiro78. A igreja atual foi construída entre 1657 e 1672, em estilo renascentista79. As pedras da fachada foram importadas de Portugal80. Para a construção das capelas, os jesuítas receberam doações de fiéis. A capela mor foi custeada pelo Capitão Francisco Goes de Araujo81 e a capela de São Francisco de Borgia por Manoel Pereira Pinto e sua esposa Antonia de Gois, que para tanto doaram uma fazenda em Iguape, equivalente a 50 mil cruzados82.

  • 83 Ibid., p. 44.
  • 84 Ibid., p. 6.
  • 85 ANCHIETA, op. cit., p. 422.
  • 86 SOUSA, op. cit., p. 136.
  • 87 BAZIN, op. cit., p. 20.
  • 88 CALDAS, 1951, p. 13.

30O primeiro colégio para meninos foi iniciado em meados de 1550 e já estava concluído em 155183. Em 1556 foi sucedido pelo Colégio de Jesus que incluía o ensino secundário84. Em 1585, viviam 60 irmãos no colégio, além de 150 pessoas “de serviço, entre escravos e escravas de Guiné, e alguns Indios e Indias da terra, escravos e livres [...]”85. Soares de Sousa informou em 1587, que o colégio dos jesuítas, já contando com 80 religiosos, tinha cercas que iam até o mar (a baía) e umas terracenas (armazéns) para recolhimento dos embarques externos86. O pátio do Colégio e o pátio dos Estudos Gerais foram reconstruídos entre 1694 e 170187. Em 1759 os jesuítas possuíam um efetivo de 193 religiosos vivendo na cidade88.

  • 89 SIC., op. cit., p. 96.
  • 90 SOUZA, 1983, p. 161.
  • 91 BAZIN, op. cit., p. 28.
  • 92 Ibid., p. 14.
  • 93 LEITE, op. cit., V, p. 153.
  • 94 MATTOS, 1978, p. 101.
  • 95 BAZIN, op. cit., p. 18.

31Outros prédios da ordem estavam localizados em várias partes da cidade. Em 1572 os jesuítas receberam a capela de N. Senhora da Escada do construtor da mesma, Lázaro Arévolo89, situada em freguesia rural ao norte de Salvador. No final do século XVI os jesuítas construíram sua casa de repouso, a Quinta do Tanque90, reconstruída entre 1688 e 169191, na direção norte da cidade. Na Cidade Baixa, o Noviciado teve sua construção iniciada em 1704, custeada por Afonso Sertão, que deixou 39 fazendas de gado para a ordem. O prédio foi inaugurado em 1728 e a sua igreja em 173292. Os jesuítas construíram também edifícios para fins comerciais em 1714, conhecidos como “Cobertos Grandes”, na Cidade Baixa, junto ao guindaste próprio. Também estabeleceram um cais exclusivo, em 1737. O seu seminário foi fundado no Maciel, em 175693, em prédio construído entre 1690 e 170194. Em 1757 um benfeitor deu várias casas à ordem com a obrigação de iniciar os Exercícios a Santo Inácio, o que resultou na construção da Casa de Orações dos Jesuítas95 na Cidade Alta.

  • 96 BOXER, 1992, p. 317.

32Com a abolição da ordem, em 1759, seus bens foram confiscados. Em Salvador, a ordem possuía 186 edifícios96. Amaral listou 74 sobrados e 90 casas, sendo que a maioria estava localizada nas freguesias centrais: 61 na do Passo, 57 na da

  • 97 AMARAL, 1941, p. 180-181.
  • 98 SILVA, 1925, p. 207
  • 99 AMU, 4550, p. 396.
  • 100 LEITE, op. cit., v, p. 135.
  • 101 RUSSELL-WOOD, 1981, p. 213.
  • 102 BAZIN, op. cit., p. 21.
  • 103 RUY, 1949, p. 350.
  • 104 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 285.

33Sé, 40 na da Conceição da Praia e seis nas demais freguesias. Os prédios em Salvador foram avaliados em 190.886$000 réis, e davam um rendimento de 15.840$000 réis97. Os bens dos jesuítas na Bahia e em Sergipe foram arrematados por 547:896$005 réis98. A ordem teve 124 membros presos em Salvador e enviados a Portugal em 176099. A igreja dos jesuítas foi transformada em catedral, por Carta Régia de 1765100, tendo em vista o estado da antiga igreja da Sé. O colégio dos Jesuítas foi transformado em Hospital Militar em 1759101. Em 1801 foram demolidos os edifícios das escolas102. Em 1808 a Escola Médico-Cirúrgica, primeiro estabelecimento de ensino superior no Brasil, foi inaugurada no mesmo local103, transformada posteriormente na Faculdade de Medicina. A antiga Quinta dos Jesuítas foi transformada em Hospital dos Lázaros, inaugurado em 1787104.

  • 105 LACOMBE, op. cit., p. 72.
  • 106 CASIMIRO, 1996, p. 70.
  • 107 WILLEKE, 1978, p. 106

34Os franciscanos se estabeleceram primeiro em Pernambuco, em 1585105. Foi solicitado aos franciscanos, pelo bispo e pela Câmara de Salvador, que fundassem um convento na cidade106, tendo eles recebido autorização em 1587107. Os franciscanos transferiram a sede de sua Província de Olinda para Salvador em 1691.

  • 108 SCHWARTZ, 1979, p. 203.
  • 109 C. S., 1951, p. 100.
  • 110 WILLEKE, op. cit., p. 106.
  • 111 SILVA, 1937, p. 137.
  • 112 WILLEKE, op. cit., p. 108.
  • 113 O. R. 1729-1732, 1976, p. 84.
  • xii A Coroa portuguesa proibiu a implantação de conventos nas regiões mineiras para evitar o contraband (...)
  • 114 BAZIN, op. cit., I, p. 144.

35O bispo doou o terreno inicial em 1587 quando foi iniciada a obra108. Outros terrenos foram comprados pelos franciscanos em 1589, seguido pela compra de mais terrenos em 1622109. O convento inicial e sua primeira igreja foram construídos no extremo leste da cidade, tendo sido concluídos em 1596, no mesmo eixo da atual igreja dos jesuítas. Em 1630 os franciscanos instituíram cursos de filosofia e teologia110. O atual convento foi iniciado em 1686111. Ele corresponde a uma verdadeira fortaleza, contando com 41 janelas na sua parte de trás. A atual igreja de São Francisco foi construída entre 1708 e 1720, voltada para o poente. A magnífica decoração interior, em talha dourada, foi realizada entre 1730 a 1790112. Em 1731 os frades solicitaram autorização para pedir esmolas nas Minas113, o que, certamente, permitiu a magnífica decoração interna de sua igrejaxii. O especialista Germain Bazin considerou a fachada da igreja como “um dos mais grandiosos pedaços [morceaux] da Arquitetura no Brasil”114.

  • 115 Idem., II, p. 17; WILLEKE, op. cit., p. 106.
  • 116 AMARAL, in VILHENA, op. cit., I, p. 469.

36Em 1710 a capela de Boa Viagem, em Itapagipe, foi doada a essa ordem por D. Lourenço Maria115 e o hospício da Boa Viagem foi construído em 1712116.

  • 117 CALDAS, op. cit., p. 15.
  • 118 In COSTA, 1965, est. 4.
  • 119 AMU 1748, p. 455.
  • 120 JABOATÃO, 1979-1980, III, p. 291.
  • 121 AMU, 8698, p. 285.
  • 122 AMU 9119, p. 320.
  • 123 AMARAL, in SILVA, op. cit., p. 345.
  • 124 WILLEKE, op. cit., p. 120.

37Os franciscanos contavam com 45 religiosos em 1759117, passando para 67 em 1775118, caindo ainda para 56 em 1797119. Já em 1720 um homem pardo, filho de uma ex-escrava, conseguiu lançar hábito e cordão e ser donato do convento120. Embora tivessem feito voto de pobreza, em 1774 o arcebispo denunciou que franciscanos possuíam “cada hum seu escravo particular, e alguns dois [...]121” e, em 1776, que os franciscanos “eram os mais ricos e mais soberbos [...]”122. As instruções de Mello e Castro, Ministro da Marinha e Ultramar, em 1779, a partir de correspondência do arcebispo, informaram também que os franciscanos “trazem 10 até 12 frades por fóra a pedir [...] e o seu armazem he o do maior negociante [...]” e propôs “extinguir os armazens e desterrar o sordido commercio dos ditos Franciscanos[...] ”123. De fato, desde 1736 a ordem mendicante já tinha recebido fazendas e escravos em Parnamerim, no Recôncavo baiano124.

38Os beneditinos, os carmelitas descalços, os capuchinhos, as ursulinas e outras pequenas ordens foram responsáveis, em grande parte, pela expansão da cidade fora dos muros, em direção ao sul.

  • 125 PINHO, 1945, p. xvi.
  • 126 Ibid., p. xvii
  • 127 SAMPAIO, 1949, p. 275.
  • 128 AZZI, op. cit., p. 214.
  • 129 SOUSA, op. cit., p. 138.
  • 130 In LEÃO Filho, 1957.
  • 131 CEAB, 1980, I, p. 68
  • 132 PINTO, 1987, p. 101.
  • 133 ROCHA et al., 1982, p. 10.
  • 134 BAZIN, op. cit., II, p. 31.

39Em 1580 os beneditinos receberam terras de particulares para a construção de seu mosteiro125. Os membros da Câmara tentaram impedir a fundação do mosteiro de São Sebastião em 1581126, mas eles receberam autorização para a construção extramuros em 1584127, na expansão inicial para o sul da cidade. Foi o primeiro mosteiro beneditino fundado nas Américas128. Em 1587 o estabelecimento contava com 20 religiosos, com cerca e horta e era muito pobre segundo depoimento do contemporâneo Gabriel Soares de Sousa129. Em mapa de 1638 a igreja aparece voltada para a baía de Todos os Santos130. Os beneditinos deram início à construção do seu atual mosteiro em 1648131 e se separaram das suas autoridades portuguesas, em 1671132. A parte principal da atual igreja ficou pronta em 1690133, mas a capela-mor só foi concluída em 1804134.

  • 135 LIVRO Velho do Tombo [...], 1945, p. 395 e 399.
  • xiii No documento de doação está registrado que Catherina falava “na língua da terra”, ou seja, não domi (...)
  • 136 LOSE; PAIXÃO, op. cit., p. 89.
  • 137 BAZIN, op. cit., p. 18.
  • 138 Ibid., p. 25.
  • 139 LOSE; PAIXÃO, op. cit., p. 297; TEIXEIRA, 1978, p. 16.
  • xiv A igreja de São Gonçalo de Amarante já estava em ruínas no século XIX e não há mais vestígios da co (...)
  • 140 SCHWARTZ, 1988, p. 93.

40Os beneditinos começaram a receber importantes doações de terras na cidade: em 1584, as terras que vão da orla da baía até aos Barris (ao leste) e ao Campo Grande (ao sul) pelo referido Soares de Sousa135. Em 1586 Catherina Alvarez Caramuruxiii doou a capela da Graça e terrenos no seu entorno136. Um pequeno mosteiro foi construído no século XVII e a igreja foi reconstruída em 1770137. Em 1587 os beneditinos receberam mais terras no atual bairro dos Barris. A capela de Monte Serrat, em Itapagipe foi doada aos monges por Garcia d’Ávila em 1609. A igreja foi construída na segunda metade do século XVII. O pequeno mosteiro anexo foi construído a partir de 1679138. Também em 1609 parte das terras da fazenda São Francisco, na orla Atlântica, foram trocadas amigavelmente com a Misericórdia em 1614139. Os beneditinos receberam também fazendas no Recôncavo, com escravaria, como a que Soares de Sousa deixou em 1592. Os beneditinos ainda receberam a igreja de São Gonçalo do Amarantexiv, no Rio Vermelho, e instalaram dois engenhos no Recôncavo140. Essas terras foreiras ao mosteiro, junto com as propriedades urbanas, mantiveram os religiosos até o momento atual.

  • 141 CALDAS, op. cit., p. 15.
  • 142 In COSTA, op. cit., est. 4.
  • 143 AMU 17419, p. 455

41Os beneditinos tiveram seus efetivos diminuídos de 85 religiosos, em 1759141, para 35 em 1775142. Em 1797, passaram para 46. Eles viviam dos seguintes rendimentos em 1797: de 95 moradas de casa, rendendo 1:800$000 réis por ano; de terras que rendiam 2:030$000 de foros por ano; e dos dois engenhos de açúcar, rendendo 2:930$000 por ano. No total, tinham um rendimento de 8:127$600 réis143.

  • 144 BAZIN, op. cit., p. 30.
  • 145 CALDAS, op. cit., p. 16.
  • 146 AMU 17422, p. 457.

42Os carmelitas descalços da Reforma de Santa Teresa chegaram em 1665, e começaram a construir seu convento, no mesmo ano e o prédio foi concluído em 1670, tendo a igreja consagrada em 1697144. Esse convento, próximo ao mosteiro dos beneditinos, levou ao desenvolvimento da extensão sul da cidade, na proximidade da orla da baía. Os carmelitas descalços em 1759 contavam com um contingente de 24 frades145 e em 1797 passaram para 37. Eles viviam de empréstimos e do aluguel de imóveis: tinham um total 11:437$000 réis, e eram credores de 6:837$270 réis, recebendo 509$986 réis de juros anuais, além de 1:140$000 réis do rendimento das casas146. Sendo uma ordem eminentemente portuguesa, foram expulsos depois da guerra da independência na Bahia em 1823. O convento foi transformado em Museu de Arte Sacra em 1959.

  • 147 REGNI, 1988, p. 194 e 196.
  • 148 O. R. 1725-1727, 1952, p. 3.
  • 149 C. S. 1673-84, p. 77.
  • 150 LACOMBE, op. cit., p. 73.
  • 151 CALDAS, op. cit. p. 17.
  • 152 In COSTA, op. cit., est. 4.
  • 153 AMU 17424, p. :459.

43Os capuchinhos franceses vieram em seguida, em 1679. Receberam um terreno na Piedade, por ordem do príncipe regente ao governador, porém o número de frades foi limitado a oito, para dar apoio as missões na África147, onde construíram um pequeno hospício (casa de repouso), em 1680148. Em 1684, o Senado da Câmara enviou correspondência à sua Majestade, acautelando contra a vinda dos capuchinhos franceses, para que os “Indios não tenhão comonicação com Estrangeiros, eprincipalmente com setentrionaes”, que seriam “coriozamente Cosmogrephos e Geographos” [!], podendo enviar informações sobre a Colônia149. Os suspeitos capuchinhos franceses foram, em seguida, substituídos pelos italianos, em 1705. A Prefeitura da ordem na Bahia foi criada em 1712150. Os capuchinhos da Piedade passaram de 24 religiosos, em 1759151, para apenas sete, em 1775152e oito, em 1797, vivendo de esmolas153. O hospício dos capuchinhos servia também de adaptação aos trópicos para aqueles que seriam enviados como missionários na África.

  • 154 SILVA, op. cit., p. 241.
  • 155 CALDAS, 1951, p. 19.

44Os Hospitalares de Jerusalém fundaram seu pequeno hospício em 1724154, perto do atual Largo Dois de Julho, na freguesia de São Pedro, causando pequeno impacto na cidade. O seu efetivo era de apenas quatro religiosos em 1759155.

  • 156 DANTAS, s/d, 35 e 40.
  • 157 ALMEIDA, 1914a, p. 66-68.

45O convento das Mercês, das freiras ursulinas, foi resultado da iniciativa de Úrsula Luísa de Monserrate, herdeira do grande sertanista Coronel Pedro Barbosa Leal, que fundou o convento em 1735 para “mulheres nobres daquela Cidade”156, perto do forte de São Pedro. As Ursulinas eram 50 religiosas nas Mercês, em 1797, que dispunham de 35 celas. Elas viviam das côngruas anuais, num total de 2:200$000 réis, mais 1:061$310 réis dos rendimentos de 40 moradas de casa e de 923$420 réis de juros emprestados a 5% ao ano sobre um total de 18:469$310 réis157.

  • 158 Idem, 1913, doc. 1520, p. 101.
  • 159 CALDAS, op. cit., p. 12.
  • 160 Ibid., p. 19.

46Apesar de representação de dois vereadores em 1755 contra a autorização dada aos padres da Congregação de São Felipe Neri158, no ano seguinte a congregação foi fundada com sede na Preguiça159. Essa ordem que contava com apenas quatro sacerdotes160 instalou um imponente trapiche na Cidade Baixa, registrado por Caldas, em 1759.

  • 161 AMU 17423, p. 457.

47A Congregação, também conhecida como do Oratório, tinha apenas três religiosos e um leigo vivendo no hospício em 1797, e recebiam 600$000 réis do rendimento do trapiche e de algumas casas de aluguel161.

48O convento dos carmelitas seguido pelos de outras freiras ursulinas e pela abertura de recolhimentos, foram responsáveis pelo desenvolvimento inicial da parte norte da cidade, fora dos muros.

  • 162 LACOMBE, op. cit., p. 73.
  • 163 SILVA, op. cit., p. 198.
  • 164 OTT, 1989, p. 7.
  • 165 BAZIN, op. cit., p. 17.
  • 166 DANTAS, op. cit., p. 35.

49A Ordem do Carmo fundou seu primeiro convento em Pernambuco, em 1584162. Em Salvador os carmelitas instalaram seu convento em 1585163, nas terras doadas por particulares em 1580, no Monte Calvário164. Eles receberam doação de Luiza de Goes em 1635165 e de terras em Sergipe do Coronel Pedro Barbosa Leal e sua esposa em 1721166.

  • 167 OTT, 1991, p. 30 e 71.
  • 168 SANTA MARIA, op. cit., p. 42.

50Esse convento atraiu o desenvolvimento da cidade em direção norte. A atual igreja do convento foi construída entre 1709 e 1720167. Na sua conclusão, o convento tinha mais de 100 metros de envergadura e contava com dois claustros. Em 1722 funcionava no convento a irmandade de N. Senhora da Boa Morte, que elegia um Juiz entre as mulheres nobres168.

  • 169 AMARAL in SILVA, op. cit., p. 463.
  • 170 AMU, 311, p. 48-49.

51Em 1626 os Carmelitas solicitaram sesmarias na Cidade Baixa para instalar o seu guindaste169 e em 1701 também solicitaram autorização para implantar o seu hospício no Pilar170.

  • 171 CALDAS, op. cit., p. 14.
  • 172 AMU, 17421, p. 456.

52Os Carmelitas eram 96 sacerdotes em 1759171 e 85 em 1764. A ordem tinha nesse ano residências nas Pedreiras, Santa Luzia (Cidade Baixa), São Brás (Subúrbios) e Itapuã. Para sua manutenção, o mosteiro era proprietário de 59 moradas de casa, que rendiam 1:731$600 réis, além de mais oito moradas de casa, que rendiam 223$600 réis à igreja do convento; assim como de terrenos nas freguesias da Sé, Conceição da Praia, Pilar, Santana, Santo Antônio (e Paramirim), rendendo 768$600 réis. Possuíam também 28 currais de gado no sertão; um engenho de açúcar, rendendo 12$000 réis; um alambique de aguardente, rendendo 260$000 réis; duas fazendas de cana; e mais 45$000 réis do “ordenado de Sua Majestade”, totalizando 8:595$120 réis, em 1797172.

  • 173 AMU 9119, p. 320.

53Desde 1776, o arcebispo também criticava os carmelitas, informando que eles tinham “suas fazendas próprias [...] são os mais relaxados, [...] vivem dispersos [...] e não no convento173

  • 174 SILVA, I, 1931, p. 287

54Durante a guerra da independência em 1821 o convento do Carmo foi transformado em quartel para Legião Lusitana174. Parte do convento foi transformado em pousada e atualmente em um hotel de luxo.

  • 175 AZZI, op. cit., p. 227.
  • 176 AMARAL, in VILHENA, 1969, p. 472.
  • 177 CALDAS, 1951, p. 22.
  • 178 SALGUEIRO, op. cit., p. 62.

55O Recolhimento do Senhor bom Jesus dos Perdões foi fundado em 1729, pela iniciativa dos irmãos Domingos do Rosário e Francisco das Chagas, para abrigar senhoras devotas, inclusive a irmã deles, Antônia de Jesus175. Foi administrado pelas beatas franciscanas176, na rua dos Perdões, freguesia de Santo Antônio. Em 1759 abrigava 35 mulheres177. O recolhimento tinha 28 prédios e terrenos em Brotas para seu sustento, que ficaram conhecidos como “Quinta das Beatas”178.

  • 179 AMARAL, in VILHENA, op. cit., p. 472.
  • 180 180. O. R. 1748-1754, 1954, p. 121.
  • 181 ALMEIDA, 1914a, p. 66-68.

56O recolhimento da Soledade, construído para abrigar “mulheres perdidas”, foi iniciado em 1739179. O convento da Soledade foi instalado nesse recolhimento, cuja posse foi tomada pelas freiras ursulinas em 1751180. O conjunto é formado por igreja, claustro e convento, com mirante de quatro andares, e correspondia ao final da área contínua da cidade, em direção ao norte. As ursulinas da Soledade, que totalizavam um efetivo de 39 freiras em 1797, viviam das côngruas num total de 1:600$000 réis, de 544$561 réis de juros de empréstimos a 5% ao ano sobre um total de 10:950$250 réis, assim como de 14 moradas de casa, que rendiam 637$960 réis, de cinco fazendas de gado e uma fazenda de mandioca, que rendiam 900$000 réis181.

57A parte leste da cidade, na segunda cumeada, teve seu desenvolvimento inicial a partir da ocupação da área pelas franciscanas clarissas, pelos agostinianos descalços e pelas franciscanas concepcionistas da Lapa.

  • 182 BAZIN, op. cit., p. 29.
  • 183 MATTOSO, 1992, p. 372.
  • 184 PITA, 1976, p. 185.
  • 185 BAZIN, op. cit., p. 29.
  • 186 BARROS, in AMARAL, 1922.

58Desde 1644 que os membros da Câmara de Salvador solicitavam a construção de um convento feminino na cidade182. De fato, o primeiro convento feminino do Brasil foi iniciado em 1665 no Desterro, leste da cidade, e foi fundado em 1677 pelas irmãs franciscanas clarissas portuguesas, com financiamento dos senhores de engenho, para hospedar suas filhas, que antes eram enviadas a Portugal183. A igreja do Desterro tinha sido iniciada em 1627, com esmolas dos fiéis184 e subvenções da Câmara185. Em 1681 o convento recebeu grande doação de uma particular. O convento, de grande porte, foi concluído em 1726, contendo um total de 132 celas186. Era a principal edificação de porte na primeira cumeada na parte leste da cidade.

  • 187 NASCIMENTO, 1994, p. 307.

59Os dotes das freiras de véu preto foram limitados a 600 mil réis em1669. Os dotes subiram para 1:000$000 réis em 1726 e chegaram a alcançar a elevada quantia de 2:000$000 réis187.

  • 188 CALDAS, 1951, p. 20.
  • 189 In COSTA, op. cit., est. 4.

60As franciscanas do Desterro passaram de 65 freiras em 1759188 a 81, em 1775. Viviam no convento 40 servas forras, oito escravos da comunidade e 290 escravas particulares das freiras189.

  • 190 AMU 6556, p. 68.

61Em Carta Pastoral de 1764, o Arcebispo proibiu o uso do ouro, prata e diamantes pelas religiosas desse convento, assim como a existência de lojas de vendas nas clausuras. Criticou o toucado “descomposto e indicente” das freiras, os cabelos tingidos das freiras mais velhas, o uso de meias de seda com fivelas de ouro cravadas de diamantes e a maneira de vestir e ornar as servas [pretas] que passeavam de cadeiras pelas ruas190.

  • 191 SCHWARTZ, op. cit., p. 180.

62Por outro lado, o convento do Desterro tinha elevados recursos: em 1756, já possuía 75 moradas de casa que rendiam anualmente 1:342$650 réis, assim como a enorme quantia de 127:819$407 réis, que, a juros de 5% ao ano, rendiam 6:390$970 réis. Na década de 1790, o convento tinha hipotecas sobre 20 engenhos191. Era, portanto, a ordem mais rica de Salvador, depois da expulsão dos jesuítas.

  • 192 BAZIN, op. cit., p. 25.
  • 193 PITA, 1976, p. 204.
  • 194 C. S. 1699-1710, p. 23.
  • 195 CALDAS, 1951, p. 18.
  • 196 AMU 17425, p. 459
  • 197 AMU 10067-8, p. 421.
  • 198 BAZIN, op. cit., p. 26.

63Os agostinianos descalços chegaram em 1693. A capela da Palma, situada na primeira cumeada a leste da cidade, foi construída por voto do Alferes Bernardino de Cruz Arraes em 1630 e foi concluído em 1670192. A capela foi doada a ordem em 1693, quando da fundação de seu hospício193. O hospício teve como objetivo original recolher os missionários em viagem para as ilhas africanas de São Tomé194. Os frades do Hospício da Palma eram seis em 1759195 e apenas cinco, em 1797 e viviam de esmolas196. Desde 1778, seu hospício tinha sido transformado em hospital militar197. Após essa data a igreja e o hospício foram reedificados198.

  • xv Azzi informou que o convento da Lapa foi fundado por ursulinas franciscanas embora elas fossem conh (...)
  • 199 Ibid., p. 24.
  • 200 CALDAS, 1951, p. 13.
  • 201 BAZIN, op. cit., p. 24
  • 202 AMU, 6555, p. 67

64O convento da Lapa, das franciscanas concepcionistasxv, foi fundado em 1733, constrído com recursos de João de Miranda Ribeiro e Manuel de Antunes Lirio199, entre 1734 e 1744200. Em 1753 Ordem Real autorizou as freiras a ocuparem o convento201. O referido convento contava com apenas 34 celas202, na atual avenida Joana Angélica. Com uma fachada de 170 metros e contando com um sólido mirante de quatro andares, veio consolidar a ocupação do leste da freguesia de São Pedro.

  • 203 ALMEIDA, op. cit., p. 66-68.

65As 21 religiosas do convento da Lapa viviam das côngruas vitalícias anuais, totalizando 2:100$000 réis, e de três moradas de casa. Elas estavam endividadas, em 1797, devido à construção de sua nova igreja, que custou 23:000$000 réis203.

  • 204 AZZI, op. cit., p. 228
  • 205 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 265.

66O Recolhimento de São Raimundo foi fundado por Raimundo Maciel Soares, que legou todos seus bens para essa instituição, destinada a recolher doze mulheres “arrependidas”204. Foi fundado em 1753205, na rua Direita da Piedade, na mesma freguesia.

  • 206 PINHO, op. cit., p. xvii.
  • 207 BOXER, 1965, p. 89.

67As críticas sobre o clero regular também foram numerosas: já em 1581 os membros da Câmara tentaram impedir a fundação do mosteiro beneditino206. Em 1657, os vereadores queixavam-se de que as ordens religiosas se recusavam a contribuir para as despesas da defesa da cidade207. Em 1673 os membros da Câmara escreviam a sua Alteza, incluindo também o clero secular:

  • 208 C. S., 1951, p. 116-117.

Sobre não pagarem. Frades e Clerigos a contribuição, Nesta Cidade da Bahia [...] possuem as Religioens da Companhia de Jesus Carmo e SamBento muitas Propriedades de Cazas Fazendas e Engenhos de Assucar e outras Sortes da mesma forma os Clérigos Ecclesiasticos [...] de maneira que por compra e herança elegados estejão as Religioes e Clerigos muita parte das Fazendas desta Cidade [...] por seus Previlegios e humanidades não pagam nem concorrem nas fintas e lançamentos que este povo paga todos os anos por Serviços de Vossa Alteza208.

  • 209 C. S. 1673-1684, p. 77.
  • 210 AMU, 1520, p. 101.
  • 211 AMARAL, in SILVA, 1937, p. 344.

68Em 1684, o Senado da Câmara enviou correspondência informando do andamento das obras dos conventos dos Carmelitas Descalços, das freiras de Santa Clara, do Hospício dos Capuchinhos e da Catedral, todas à “custa de esmollas209. Já foi informado que em 1755 dois vereadores elaboraram representação protestando contra a autorização dada aos padres da Congregação de São Felipe Nery para se instalarem, considerando que a cidade já tinha 12 comunidades religiosas e apenas quatro viviam de suas rendas, e concluíram que “toda essa multidão de gente conventual he não só inutil à cidade mas oneroza [...]210. As instruções de Martinho de Mello e Castro, de 1779, também criticavam o clero regular: “abunda em frades, vivendo em casas próprias ou alugadas”, no lugar de viver nos conventos211.

  • 212 CALDAS, op. cit., p. 10-13.
  • 213 In COSTA, op. cit., est. 4
  • 214 In VARNHAGEN, 1962, IV, p. 294.

69Caldas, em 1759, nos deu uma primeira visão quantitativa do clero regular de Salvador: era composto por 481 religiosos212, número que caiu para 228, em 1775. Os dados disponíveis para 1775 nos trazem um fato novo: o registro dos escravos e servas dos conventos. Esses dados nos mostram uma Igreja inserida no escravismo: aos 419 religiosos de Salvador, 83 recolhidas, 32 hóspedes (papel de hotel) correspondiam 102 servas livres, 342 escravos comunitários e 541 escravos de propriedade privada dos religiosos, e mesmo as ordens mendicantes, como a dos franciscanos, tinham escravos, porém não eram de propriedade particular dos religiosos. O caso mais grave era o do convento do Desterro, no qual as 81 religiosas dispunham de 40 servas forras, oito escravos da comunidade e 290 escravas particulares (!)213. Em 1779, as 75 religiosas também foram criticadas por M. Mello e Castro, por terem cerca de 400 escravas e criadas no referido convento214.

  • 215 VASCONCELOS, 2016, p. 180.
  • 216 WILLEKE, 1978, p. 107.

70As ordens regulares chegaram a contar com a propriedade de mais de 400 imóveis em meados do século XVIII em Salvador215, mas foram enfraquecidas pela expulsão dos jesuítas em 1759, e pelo fechamento dos noviciados, ordenado por Pombal, em 1764216, embora as demais ordens ainda contassem com importante patrimônio. Além do rendimento das propriedades as ordens religiosas tinham funções complementares de hospedagem, e, sobretudo, de crédito, conforme o registro, entre outros, de 20 engenhos endividados junto ao convento do Desterro.

Ordens leigas

71As principais ordens leigas, vinculadas à Igreja Católica, foram implantadas logo após a fundação da cidade e assumiram vários aspectos que, posteriormente, ficaram a cargo do Estado. Elas se tornaram espaços de sociabilidade, permitindo o agrupamento de indivíduos com os mesmos interesses, numa sociedade que já nascia bastante estratificada.

  • 217 AZZI, op. cit., p. 234
  • 218 Ibid., p. 235

72As irmandades constituíam segundo Azzi “uma forma de sobrevivência na esfera religiosa das antigas corporações de artes e ofícios. As ordens terceiras são associações que se vinculam às tradicionais ordens religiosas medievais217. A aprovação dos estatutos ou compromissos das irmandades no Brasil era de competência dos reis de Portugal218.

73A Misericórdia, as ordens terceiras de São Francisco e de São Domingos, e a irmandade de São Pedro dos Clérigos estavam situadas no coração da cidade colonial. As de maior prestígio eram exclusivas para brancos, com restrições à entrada de irmãos com antecedentes mouros, judeus ou africanos, e exigiam o pagamento de elevadas joias para entrada nas mesmas além das anuidades.

  • 219 RUSSELL-WOOD, op. cit.
  • 220 CAMPOS, 1941, p. 48.

74A irmandade da Santa Casa da Misericórdia foi fundada em 1550. Importante instituição de caridade leiga em todo o Império português, a irmandade implantou o primeiro hospital da cidade (1550), possuía recolhimento para mulheres, cuidava dos funerais (inclusive de escravos), dava assistência aos prisioneiros, abrigava as crianças abandonadas e ajudava nos dotes para casamentos de moças pobres219. Em 1618 a irmandade já realizava a Procissão de Fogaréus, na Quinta-Feira Santa220.

  • 221 BARBOSA, 1971, p. 392.
  • 222 DAMAZIO, 1862, p. 23-24.
  • 223 BAZIN, op. cit., p. 28.

75A primeira igreja foi construída entre 1550 e 1555 na rua da Misericórdia, que fazia a ligação da Praça do Palácio à igreja da Sé. Ela teria durado até 1567221. A igreja atual foi construída entre 1653 e 1659222. A torre só foi terminada em 1728223.

  • 224 AZZI, op. cit., p. 236.
  • 225 AMU, 377, p. 59; RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 149.
  • 226 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 257.
  • 227 CALDAS, op. cit., p. 23
  • 228 DAMAZIO, op. cit., p. 59-60
  • 229 AZZI, op. cit.; RUSSELL-WOOD, op. cit.

76O governador geral Mem de Sá deixou um terço de seus bens para a irmandade224. Ela também recebeu vultosa herança deixada pelo financista João Mattos de Aguiar, em 1700, para a construção de seu recolhimento225, que foi construído entre 1705 e 1716226. Ele abrigava 50 mulheres em 1759227. Em 1726 a irmandade fundou a Roda de Expostos para receber crianças abandonadas228. Irmandade de muito prestígio, exclusivamente masculina, entre seus provedores contou, no período, com vários governadores, com um bispo, com grandes proprietários de terra e com um importante financista229.

  • 230 LOSE; PAIXÃO, p. 297; TEIXEIRA, 1978, p. 16
  • 231 SANTA MARIA, op. cit., p. 62-63
  • 232 RUY, 1971, p. 134
  • 233 SCHWARTZ, op. cit., p. 180
  • 234 VILHENA, op. cit., p. 125.
  • 235 ANDREA, 1845.

77Em 1609, a Misericórdia recebeu parte da fazenda São Francisco, de Garcia d´Avilla e de sua esposa, na orla atlântica. Em 1614 a irmandade trocou essas terras, por terrenos dos beneditinos na ponta de Itapagipe230. Em 1722 a Misericórdia era herdeira do Santuário de N. Senhora da Luz, na Pituba231. Após a expulsão dos jesuítas a Santa Casa arrematou os terrenos que pertenciam a ordem e que iam desde a atual rua Portugal até o local do prédio da atual Associação Comercial, na Cidade Baixa232. Era a instituição que mais emprestava dinheiro no período233. A Misericórdia, para a manutenção de suas atividades possuía, em 1799, 60 casas, além de 50 outras propriedades e oito fazendas234. Em 1845, após o período colonial, a irmandade tinha o elevado número de 193 casas em Salvador235.

  • xvi As ordens primeiras eram compostas pelos frades, as segundas pelas freiras e as terceiras pelos lei (...)
  • 236 CASIMIRO, 1996, p. 15.
  • 237 ALVES, 1948.
  • 238 MATTOS, op. cit., p. 87.
  • 239 SILVA, op. cit., p. 143.
  • 240 240. MATTOS, op. cit., p. 92.

78A primeira Ordem Terceiraxvi de Salvador, a de São Francisco, foi fundada em 1635, numa capela do convento de São Francisco236. A Ordem Terceira de São Francisco também era bem-conceituada: entre seus membros, no período, ela contou com os governadores, proprietários de terras, financista, assim como importantes comerciantes237, um dos quais deu início a construção da igreja238. A igreja da Ordem Terceira, com sua fachada trabalhada como uma talha na pedra, junto ao convento, foi edificada entre 1702 e 1703239. A ordem recebeu em 1744, a capela de São Miguel, situada nas suas proximidades, concluída em 1732 pelo irmão Francisco G. do Rego240.

  • 241 QUERINO, 1955, p. 11.
  • 242 JABOATÃO, op. cit., p. 306-309.
  • 243 CAMPOS, op. cit., p. 24.
  • 244 Ibid., p. 304.
  • 245 CALDAS, op. cit., p. 23.
  • 246 MARTINEZ, 1979.
  • 247 RUSSELL-WOOD, 1992, cap. V, p. 65.
  • 248 TOMBO, 1948.

79A partir de 1649 essa ordem deu início a importante procissão das cinzas241. Em 1758 a procissão contava com o elevado número de 20 andores, num gasto de quatro mil cruzados242, o que corresponderia a 1:600$000 réis243. O frade Jaboatão informou também que os irmãos pagavam um “anual” de 1$280 réis em 1758244. Em 1759 a ordem contava com cerca de 250 irmãos245 e entre 1761 e 1770, segundo Martinez, a ordem registrava 233 membros, dos quais 127 moravam na Cidade Baixa246. Russell-Wood, porém, contabilizou 611 irmãos no período de 1754 a 1768247. Seu patrimônio imobiliário era enorme. Em 1758 ele se elevava a 110 contos de réis. Em 1853, depois do período colonial a ordem possuía 104 propriedades, dos quais 59 estavam na freguesia da Sé248.

  • 249 MARTINEZ, 1979, p. 210.
  • 250 BAZIN, op. cit., p. 32.
  • xvii Mesmo sem contar com um convento dominicano os membros portugueses da ordem buscavam ter apoio da o (...)
  • 251 MATTOS, op. cit., p. 94.
  • 252 RUSSELL-WOOD, op. cit., cap.V., p. 158.
  • 253 CALDAS, op. cit., p. 23.
  • 254 CAMPOS, op. cit., p. 41.

80A Ordem Terceira de São Domingos implantou-se em 1723249, por iniciativa do frade Gabriel Batista250 apesar da inexistência de convento dominicano em Salvadorxvii. Inicialmente instalou-se no Mosteiro de São Bento e no Hospício da Lapa, tendo iniciada a construção da igreja própria em 1731251, no lado nascente do Terreiro de Jesus. Em 1737 a ordem tinha cerca de 500 membros252, porém Caldas mencionou apenas 150 membros em 1759253. Em 1781 a ordem gastou a elevada quantia de 2:317$861 réis para a realização da Procissão do Triunfo254, o que demonstra a importância das atividades religiosas no período.

  • 255 TOMBO, op. cit.

81Essa ordem também adquiriu nove sobrados, entre 1745 e 1761. Em 1853 ela tinha 12 sobrados, sendo 11 na freguesia da Sé255.

  • 256 SILVA, 1937, p. 104.
  • 257 257. BAZIN, op. cit., p. 34
  • 258 AMU 17437 p. 459.
  • 259 SIC, op. cit., p. 85-96.

82A irmandade de São Pedro dos Clérigos, do clero secular, teve a construção de sua igreja autorizada em 1708256, junto ao Palácio Arquiepiscopal. Ela recebeu subsídio real em 1741 para reconstruir a fachada e torres que estavam em ruinas257. Porém em 1797 ocorreu o desmoronamento dessa igreja258. O prédio atual foi construído junto ao Terreiro de Jesus, tendo sido concluído em 1887259.

  • 260 SILVA, op. cit., p. 210.
  • 261 OTT, 1998, p. 40.
  • 262 MARTINEZ, op. cit.
  • 263 BAZIN, op. cit., p. 18.
  • 264 OTT, 1989, p. 101.
  • 265 BAZIN, op. cit., p. 18.

83A Ordem Terceira do Carmo está localizada no eixo norte da cidade, ao lado do convento do Carmo. A ordem foi estabelecida em 1636 no referido convento. A construção da igreja da ordem foi iniciada em 1644260. O prédio da igreja foi ampliado entre 1709 e 1716261, porém sofreu incêndio em 1788262. Tendo recebido importante doação do prior da ordem, Coronel Innocêncio da Costa263, a igreja foi rapidamente reconstruída: estava inaugurada em 1803264, mas a fachada só foi concluída em 1860265.

  • 266 MARTINEZ, op. cit.
  • 267 CALDAS, op. cit., p. 23.
  • 268 RUSSEL-WOOD, op. cit., p. 158.
  • 269 Ibid., p. 163
  • 270 CAMPOS, op. cit., p. 174.
  • 271 OTT, 1998, p. 78.
  • 272 TOMBO, op. cit.

84Entre 1636 e 1647, essa ordem de grande prestígio, contava com 166 membros, dos quais 63 residiam na área rural266. Caldas, em 1759, informou que a ordem tinha cerca de 200 membros267. No período de 1768 e 1788, Russel-Wood registrou 594 membros, passando para 528 no período de 1788 a 1822268. Esta ordem elitista, porém, aceitou um pardo como membro em 1766 mediante uma doação de 10 mil réis269. A ordem era responsável pela procissão do Enterro do Senhor (ou do Senhor Morto) na Sexta-Feira Santa270. A Ordem Terceira do Carmo também adquiriu 31 propriedades, entre 1732 e 1762, 15 das quais pertenceram aos jesuítas. Em 1768 os terceiros mandaram construir 12 casas novas no bairro da Saúde271. Em 1853 a ordem tinha um total de 97 propriedades, dos quais 29 estavam na freguesia do Passo da qual ela fazia parte272.

85Na Cidade Baixa estavam localizadas a Ordem Terceira da Santíssima Trindade assim como a irmandade da Conceição da Praia, na matriz da referida freguesia.

  • 273 MARTINEZ, op. cit.
  • 274 BARROS, Borges apud MARTINEZ, op. cit., p. 33.

86A Ordem Terceira da Santíssima Trindade da Redenção dos Cativos, no Pilar, teve a construção de sua igreja iniciada em 1779273. Em 1807 ela contava com apenas 36 irmãos274. Essa ordem estava voltada a redenção dos cativos cristãos no norte da África, não interferindo no escravismo no Brasil.

  • 275 RUSSELL-WOOD, 1971, p. 164-166.
  • 276 OTT, 1990, p. 52.

87A irmandade de N. Senhora da Conceição da Praia também tinha grande prestígio, tendo tido entre seus juízes proprietários de terra e comerciantes275. A construção da atual igreja matriz foi iniciada em 1739276 conforme já comentado, sob a iniciativa dessa irmandade cujos membros em sua maioria eram portugueses.

  • 277 CALDAS, op. cit., p.16.
  • 278 AZZI, op. cit., p. 236-237.

88Além dos efetivos das ordens terceiras informados por Caldas, ele destacou as irmandades da Misericórdia, de São Pedro dos Clérigos, dos Passos e do Santíssimo Sacramento, e fez uma critica ao elevado número de irmandades e de suas despesas: “outraz muitas inumeraveis, em que se gasta todoz os anos infinito cabedal [...]277. As irmandades do Santíssimo existiam em quase todas as paróquias e era responsável pela procissão do Corpo de Deus, também designada como Triunfo Eucarístico. Ela congregava membros da elite colonial nas cidades278.

  • 279 LEITE, 1965, p. 134.
  • 280 A. C. 1641-1649.
  • 281 SANTA MARIA, op. cit., p. 45.
  • 282 RUSSELL-WOOD, 1981, p. 170.
  • 283 SIC, op. cit., p. 58

89Outras congregações foram organizadas por categorias sociais, como a dos oficiais mecânicos, fundada pelos jesuítas em 1614279; a dos sapateiros, a irmandade de São Crispim e Crispiniano; e a dos serralheiros, a irmandade de São Jorge280. Santa Maria informa que os soldados do Terço Velho construíram uma ermida em 1621 no distrito do Desterro, com devoção a N. Senhora do Rosário281. Em 1675 também existia a irmandade de Santa Cruz, formada pelos soldados dos dois regimentos282. Em 1724 foi colocada a primeira pedra da igreja de Santo Antônio da Mouraria pelo Governador. Em 1726 foi criada uma irmandade para cuidar da referida igreja. Em meados do século XIX foi instalada a irmandade de Santo Antônio dos Militares na mesma igreja283.

90Quanto às irmandades étnicas, elas estavam dispersas na cidade. Várias não possuíam igrejas próprias. Elas eram formadas por africanos de diversas origens étnicas, por crioulos e por pardos.

  • 284 OTT, 1968, p. 121.
  • 285 SMITH, op. cit., p. 92.
  • 286 RUSSELL-WOOD, 1992, cap. VI, Appendix, p. 10.
  • 287 Ibid., p. 12.
  • 288 REGINALDO, 2011, p. 347.
  • 289 OTT, 1991, p. 76.
  • 290 SIC, op. cit., p. 44.
  • 291 TOMBO, op. cit.

91A irmandade o Rosário do Carmo teria funcionado desde 1604 na igreja da Sé284. Ela teve seu Compromisso aprovado em 1686285 e reformado em 1820. Para entrar na mesma tanto o escravo como o liberto deveriam pagar 2.000 réis de esmola. As mesas eram compostas por angolas e crioulos, sendo que o procurador geral “hum anno será da serie dos Angolas, outro da serie dos Crioulos”286. Apenas os libertos podiam participar das mesas, pois eles “vivão livre d´algua infâmia a que está sugeita a condição servil”287. Entre os irmãos, entretanto, no período de 1719 a 1826 os jejes eram maioria, 324, superando todos os bantos, 156 (123 angola) e crioulos, 202288. A parte principal da igreja do Rosário dos Pretos do Pelourinho foi construída entre 1704 e 1710289. Sua fachada e torres só foram terminadas entre 1780 e 1781290. Em 1853 a irmandade possuía dois sobrados e 11 casas térreas291.

  • 292 RUSSELL-WOOD, op. cit., cap. VI, p. 108.

92Uma segunda irmandade do Rosário, a da Conceição da Praia teve seu compromisso aprovado em 1685. Os irmãos eram também angolas e crioulos. Para entrar na mesma era necessário doar uma esmola de apenas 400 réis e o pagamento anual era de um tostão292.

  • 293 AMU, 16926, p. 416.
  • 294 ALMEIDA, 1914b, p. 416.
  • 295 BOCCANERA Jr., 1928, p. 431.
  • 296 REIS, 1991, p. 56.

93A terceira irmandade do Rosário dos Pretos foi criada na igreja de São Pedro Velho, em 1689293, na parte sul da cidade. Os irmãos solicitaram a Câmara para construir sua capela em 1746 e ela ficou conhecida como Rosário da Rua de João Pereira294, mas só foram autorizados pela Câmara em 1768295. Em 1784 a Mesa Diretora da irmandade do Rosário de J. Pereira neste caso era formada por jejes e benguelas296, ou seja, por africanos de origem sudanesa e banto. A capela foi destruída e reconstruída junto a Praça da Piedade, nas reformas do início do século XX.

  • 297 SANTA MARIA, op. cit., p. 45.
  • 298 Ibid., p. 51 e 56.
  • 299 OLIVEIRA, 1988, p. 86.

94Em 1707 foi aprovada pelo Arcebispo a quarta irmandade do Rosário dos Pretos que funcionava na Igreja do Convento de N. Senhora do Desterro297, no leste da cidade. Em 1722 funcionava a quinta “Irmandade dos pretinhos” com a mesma devoção na igreja da Vitória, no extremo sul; outra irmandade, a sexta, estava implantada na matriz de Santo Antônio, ao norte da cidade298 e a sétima na matriz de Brotas, na periferia leste299.

  • 300 SALGUEIRO, op. cit., p. 65.
  • 301 MONTEIRO, 1987, p. 33-34.

95Em 1811, foi criada a Confraria de N. Senhora do Rosário dos 15 Mistérios dos Homens Pretos300, com igreja própria, inacabada, na freguesia do Passo. Nessa igreja os africanos malês teriam se reunido secretamente para organizar o levante de 1835301.

  • 302 AMU 23172-3, p. 443.
  • 303 Ibid., p. 206, 207 e 209.
  • 304 CAMPOS, op. cit., p. 207
  • 305 PARÉS,. 2006, p. 86.
  • 306 OLIVEIRA, op. cit., p. 86.

96Em 1800, foi aprovado o Compromisso da irmandade de São Benedito, de crioulos e pretos (africanos), na capela de N. Senhora da Penha302, em Itapagipe. Em 1812, foi autorizado o funcionamento de outra irmandade de São Benedito, de crioulos e angolas, na igreja do Rosário do Pelourinho. Na procissão de São Benedito, de 1877 ela saiu com o elevado número de 28 andores. Nessas procissões, as negras usavam “uma profusão de jóias custosas”303. Uma terceira irmandade de São Benedito tinha capela na igreja do convento de São Francisco304. Nessa igreja ainda hoje há um altar com a imagem de São Benedito. Uma quarta funcionava na matriz de Santo Antônio Além do Carmo305, ao norte da cidade. A quinta irmandade do mesmo orago, era formada por crioulos, e tinha sua capela na matriz da Conceição na Praia, na Cidade Baixa306.

  • xviii Seria o Santo Antônio de Categeró, originário do Norte da África e que foi escravizado.
  • 307 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 108.

97A irmandade de Santo Antônio de Catageronaxviii foi estabelecida em 1699, por crioulos e angolas como a Rosário do Carmo e funcionava também na igreja de São Pedro Velho307.

  • 308 CAMPOS, op. cit., p. 168-169.
  • 309 REGINALDO, op. cit., p. 156.
  • 310 Ibid., p. 123 e 156.

98A irmandade de Nosso Senhor das Necessidades e Redenção estava sediada na capela do Corpo Santo308. Teria sido fundada por jejes segundo Campos e Verger. Porém, segundo o seu compromisso ela era reservada aos “pretos nacionais de fora da cidade, como são os da Costa da Mina ou Luanda, e por nenhum princípio [seriam] admitidos toda qualidade de pretos crioulos309, outro exemplo de união de africanos de diferentes “nações” e exclusão de crioulos. Outra irmandade, a do Senhor Bom Jesus da Ressureição dos Pretos Naturais de Barra fora, foi instalada na igreja dos Jesuítas, em 1783, também associando africanos da Costa da Mina e Angola310.

  • 311 CAMPOS, op. cit., p. 79.
  • 312 Ibid., p. 79 e 240.
  • 313 REGINALDO, op. cit., p. 158.
  • xix Parés informou que Mãe Aninha, dirigente do Axé Opó Afonjá, foi provedora e juíza dessa irmandade n (...)

99Em 1788, foi aprovado o Compromisso da irmandade do Bom Jesus dos Martírios, formada por crioulos, na igreja da Barroquinha311, e promovia as procissões de Nossa Senhora da Boa Morte312. Nesse caso ela “costumava impedir a entrada de pretos de ‘Ultramar’313, ou seja, excluía os africanos. Nas proximidades dessa igreja teria sido fundado o importante candomblé da Casa Brancaxix.

  • 314 Ibid., p. 123 e 136.
  • 315 OLIVEIRA, op. cit., p. 86.

100No convento de São Francisco funcionavam ainda as irmandades de Santa Efigênia; a de São Vicente Ferrer e a do Cordão de São Francisco314 . No convento do Carmo tinham instaladas a do Senhor Bom Jesus da Cruz e a irmandade de Jesus Maria José315.

  • 316 REGINALDO, op. cit., p. 123 e 136.
  • 317 OLIVEIRA, op. cit., p. 86.

101Outras irmandades menores de negros eram as seguintes: na Matriz de São Pedro, ao sul, a do Glorioso Santo Rei Baltazar, de homens e mulheres pretos316; a do Bom Jesus da Redenção e das Almas; e a de Nossa Senhora da Soledade. Na Matriz de Santo Antônio, ao norte, a irmandade do Coração de Jesus e de Santa Ana e na capela do Rio Vermelho a irmandade de Nossa Senhora da Graça e Livramento317.

  • 318 BRAGA, 1987, p. 23, 30-31.

102Finalmente, a irmandade de Nossa Senhora da Soledade e Amparo dos Desvalidos, fundada em 1832 e era abrigada na capela de Quinze Mistérios. No seu compromisso estava registado que os sócios deveriam ser “exclusivamente de cor preta”. Em 1851 foi transformada em uma sociedade civil318, que ainda funciona perto da igreja de São Francisco na área central da cidade.

  • 319 MATTOS, 1971, p. 237.
  • 320 SIC, op. cit., p. 100.
  • 321 MARTINEZ, op. cit., p. 120
  • 322 Ibid., p. 125.
  • 323 Ibid., p. 160.
  • 324 Ibid., p. 35-36.
  • 325 LIVRO do Tombo, op. cit.

103Quanto aos pardos, a mais importante irmandade era a da Conceição do Boqueirão. Ela iniciou a construção da sua capela em 1726319. Antes funcionava na matriz de Santo Antônio além do Carmo320. A irmandade não admitia nem escravos321 nem negros322 e de um total de 207 irmãos entre 1789 e 1807, 97 estavam na milícia, sendo dois coronéis e 61 capitães323, o que revela a importância dos mestiços no período. Sua igreja fica na freguesia do Passo, eixo norte da cidade. No século XIX ela foi elevada à categoria de Confraria Confessa e em seguida em Ordem Terceira324. Em 1853 ela possuía sete casas e dois terrenos325.

  • 326 SANTA MARIA, op. cit., p. 38-40.
  • 327 TOMBO, op. cit.
  • 328 SANTA MARIA, op. cit., p. 61 e79.

104Outra irmandade dos “pardos livres” era a de N. Senhora do Amparo, com capela na antiga igreja da Sé desde 1604326. Em 1853 está registrado que ela possuía capela na freguesia da Penha e possuía apenas uma casa e um terreno327. Outra irmandade dos pardos era a N. Senhora do Terço, que foi confirmada em 1690 na capela do Corpo Santo na Cidade Baixa328.

  • 329 Ibid., p. 35-36 e 39-40.
  • 330 Ibid., p. 31; AMARAL, op. cit., p. 480.
  • 331 SALGUEIRO, op. cit., p. 31.

105Os “pardos cativos” da irmandade de N. Senhora de Guadalupe possuíam capela na mesma igreja da Sé em 1722329. Em 1776 os irmãos construíram capela própria na atual Baixa dos Sapateiros330. Ela passou a funcionar na Catedral em 1856 após a demolição de sua capela331.

  • 332 Ibid., p. 42.
  • 333 CAMPOS, op. cit., p. 86 e 88.

106Em 1718 foi instalada a devoção do Senhor da Cruz, na igreja da Ajuda. Ela tomou posse da igreja da Palma em 1751, quando foi confirmada332. Em 1764 a Confraria do Senhor Bom Jesus da Cruz teve seu compromisso aprovado333.

  • 334 SANTA MARIA, op. cit., p. 59-61.

107Em 1722 os pardos tinham uma irmandade de N. Senhora dos Remédios na capela de Monte Serrat334.

  • 335 SALGUEIRO, op. cit., p. 47.
  • 336 VERGER, 1981, p. 65-66.

108A do Senhor dos Passos dos Humildes, foi criada em 1783 em capela privada na rua do Tingui, tornada capela pública em 1849335. A do Nosso Senhor Bom Jesus da Paciência tinha sua capela na matriz de São Pedro336 e teve seu compromisso aprovado em 1844.

  • 337 OTT, 1982, p.332.
  • 338 CAMPOS, op. cit., p. 142.
  • 339 NASCIMENTO, op. cit., p. 210 e 479.

109A do Senhor Bom Jesus dos Passos e Vera Cruz, esteve instalada orginalmente no convento do Carmo e foi transferida para a capela da Ajuda em 1823337, tendo recebido a mesma, por Decreto Imperial em 1827338. Finalmente a irmandade e de São Gonçalo “existente na clausura” do convento do Desterro, era administrada por uma freira, a partir de 1815339, certamente composta pelas servas pardas do convento.

110A reunião de membros das irmandades, por etnia, foi um dos fatores que permitiu a sobrevivência dos cultos africanos em Salvador.

Conclusões

111A Igreja Católica, juntamente com o Estado, foram os principais agentes estruturadores da cidade de Salvador durante o período colonial. A Igreja implantou edifícios que estruturaram a cidade com destaque para os conventos e mosteiros pelo seu grande porte, seguidos pelas igrejas e capelas. As propriedades urbanas (imóveis e terrenos) também foram fatores de desenvolvimento da cidade. A Igreja foi responsável pela primeira divisão territorial da cidade através da formação das freguesias, que teve continuidade nos distritos urbanos.

112Por outro lado, o Estado financiava a igreja secular, tendo em vista a instituição do Padroado, sobretudo através de subvenções às igrejas matrizes, mas também financiava e ajudava as ordens religiosas, sobretudo com os redízimos para a ordem dos jesuítas.

113Além disso, tendo em vista a mentalidade religiosa da época, as ordens religiosas e ordens leigas receberam dos fiéis doações em recursos financeiros, terras e imóveis urbanos, engenhos e fazendas com escravos e gado. Muitas das capelas e ermidas foram construídas por iniciativa de particulares e, que, em seguida foram ampliadas em igrejas.

114O papel da Igreja refletiu as características da sociedade escravista: tanto pela posse de engenhos e fazendas, baseados no trabalho escravo, como a propriedade particular de escravos pelos sacerdotes seculares, frades e freiras. As normas da Igreja Secular também foram adaptadas a um contexto escravista diferente do da Metrópole, onde o trabalho escravo não era dominante.

115As irmandades leigas tiveram um papel complementar, porém importante na medida em que respondiam as divisões da sociedade escravista: irmandades exclusivas para brancos, que tiveram seu contraponto em irmandades para pardos, negros e mesmo algumas para grupos étnicos africanos, o que permitiu a manutenção de seus cultos originais, adaptados ao novo contexto.

Topo da página

Bibliografia

ALMANACH para a cidade da Bahia, anno 1812. Salvador: C. E. C.; S. E. C., 1973 [1811].

ALMEIDA, Eduardo de Castro e (Org.) Inventário dos documentos relativos ao Brasil existentes no Archivo de Marinha do Ultramar. Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. V. 31, 1913; v. 32, 1914a; v. 34, 1914b.

ALVES, Marieta. História da Venerável Ordem Terceira da Penitência do Seráfico Pe. São Francisco da Congregação da Bahia. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1948.

AMARAL, Braz do. Resenha Histórica da Bahia. Salvador: Tip. Naval, 1941.

AMARAL, José Alvares do. Resumo Chronologico e Noticioso da Provincia da Bahia, desde o seu descobrimento em 1.500. Anotador Teixeira Barros. Revista do Instituto Geographico e Historico da Bahia, 47 (1921-1922), p.71-559 [1881].

ANCHIETA, José de. Cartas. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988 [1554-1594].

AZZI, Riolando. Consciência da Igreja de si mesma no tempo colonial. In HORNAERT, E. et al. História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo: primeira época Período colonial. Petrópolis: Vozes, 2008 [1977], p. 153-242.

BAHIA/S.I.C./C.F.T. Inventário de Proteção ao Acervo Cultural. Vol. I - Monumentos do Município de Salvador - Bahia. Salvador, 1975 [SIC].

BARBOSA, Mons. Manoel. Nossa Senhora da Conceição na história da Bahia, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p. 375-435.

BAZIN, Germain. L´architecture religieuse baroque au Brésil. São Paulo: Museu de Arte; Paris: Plan, 1955 [1945].

BOCCANERA Jr., Silio. Bahia epigraphica e iconográphica. Salvador: Ministério da Justiça, 1928

BOXER, Charles R. Portuguese Society in the Tropics. Madison: Wisconsin Press, 1965.

BOXER, Charles R. O Império Marítimo Português 1415-1825. Lisboa: Ed. 70, 1992 [1969].

BOXER, Charles R. A Igreja e a Expansão Ibérica (1440-1770). Lisboa: Ed. 70, 1989 [1978].

BRAGA, Julio Santana. Sociedade Protetora dos Desvalidos. Uma irmandade de cor. Salvador: Ianamá, 1987.

CALDAS, José Antonio. Notícia Geral de toda esta Capitania da Bahia desde o seu descobrimento até o presente ano de 1759. Salvador: Beneditina, 1951 [1759].

CAMPOS, J. da Silva. Procissões Tradicionais da Bahia. Salvador: Secretaria de Educação e Saúde, 1941.

CASIMIRO, Ana P. B. Mentalidade e Estética na Bahia Colonial: a Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Assis. Salvador: F.C.E.B., 1996.

COSTA, P. Avelino de J. da. População da Cidade da Baía em 1775. V Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros. Coimbra, 1965, p. 5-88.

COSTA E SILVA, Cândido da. Os Segadores e a Messe. O clero oitocentista na Bahia. Salvador: Edufba, 2000.

DAMAZIO, Antonio J. Tombamento dos bens imóveis da Santa Casa da Misericordia da Bahia em 1862. Salvador: Typographia Camillo de Lellis Masson, 1862.

DANTAS, Irmã Maria Teresa Costa Pinto. História das Ursulinas no Brasil. 1. O Convento de Nossa Senhora das Mercês. Rio de Janeiro: U. S. U., s/d.

FALLA, recitada na abertura da Assembléia Legislativa: 1845 e 1846 (Francisco José de Sousa Soares D’Andrea).

HOORNAERT, Eduardo. Formação do Catolicismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1991 [1974].

Inventário dos documentos relativos ao Brasil existentes no Archivo de Marinha do Ultramar - AMU (Organizado por Eduardo de Castro e Almeida). Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro. Vols. XXXI (1913), XXXIV (1914) e XXXVI (1916) [AMU].

JABOATÃO, Antônio de S. M. Novo orbe seráfico brasílico, ou Chronica dos frades menores da província do Brasil. Recife: A. L. E. P., 1979-1980, 3 v. [1761].

LACOMBE, Américo J. A Igreja no Brasil Colonial, in Holanda, S. B. (Dir.) História Geral da Civilização Brasileira. 1. A Época Colonial. Vol. 2. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993, p. 51-75.

LEÃO Filho, Joaquim de Souza. Salvador da Bahia de Todos os Santos: iconografia seiscentista desconhecida. Rio de Janeiro: Kosmos, 1957.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Portugália, Tomos. 1 e 2, 1938.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, Tomos 1 e 5, 2000 [1938 e 1945].

LEITE, Serafim. Suma Histórica da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1965.

LIVRO Velho do Tombo do Mosteiro de São Bento da Cidade do

Salvador. Salvador: Tip. Beneditina, 1945

LOSE, Alícia D.; PAIXÃO, D. Gregório, OSB (org.) Livro do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia: Editando 430 anos de história. Salvador; Memória&Arte, 2016, vol. II.

MARTINEZ, Socorro T. Ordens Terceiras: Ideologia e Arquitetura, Salvador: FFCH / UFBA, 1979.

MARX, Murillo. Nosso Chão, do sagrado ao profano. São Paulo: Edusp, 2003 [1987].

MATTOS, Waldemar. Os Carmelitas Descalços na Bahia. Salvador: Manu, 1964.

MATTOS, Waldemar. Arcebispos da Bahia e N. Senhora da Conceição no século XIII, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p. 223-242.

MATTOS, Waldemar. Evolução Histórica e Cultural do Pelourinho. Rio de Janeiro: Senac, 1978.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Bahia Século XIX. Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

MONTEIRO, Antonio. Notas sobre Negros Malês na Bahia. Salvador: Ianamá, 1987.

MORENO, Diogo de C. Livro que dá razão do Estado do Brasil - 1612. Recife: Arquivo Público Municipal, 1955 [1612].

NASCIMENTO, Anna A. V. Patriarcado e religião: as enclausuradas clarissas do Convento do Desterro da Bahia, 1677-1890. Salvador: Secretaria de Educação e Cultura, 1994.

NÓBREGA, Manuel da. Cartas do Brasil 1549-1560. B. Horizonte: Itatiaia; São Paulo, Edusp, 1988 [1549/1560].

NOVINSKY, Anita. Cristãos novos na Bahia: a inquisição. São Paulo: Perspectiva, 1992.

OLIVEIRA Maria Inês C. de. O liberto: o seu mundo e os outros. São Paulo: Corrupio, 1988.

ORDENS RÉGIAS: 1725-1727; 1729-1732; 1748-1754. Anais do Arquivo Público do Estado da Bahia - APEB, vols. 32 (1952); 42 (1976); 46 (1982) [OR].

OTT, Carlos. O Carmo e a Ordem 3a do Carmo na cidade do Salvador. Salvador: Alfa, 1989.

OTT, Carlos. Guia Artístico da Cidade do Salvador. Salvador: Alfa, 1990.

OTT, Carlos. História das Artes Plásticas na Bahia (1550-1900). Salvador: Alfa, 1991.

PARÉS, Luis Nicolau. A Formação do Candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Ed. da Unicamp, 2006.

PERES, Fernando da Rocha. Memória da Sé. Salvador: Macunaíma; Egba, 1974.

PINHO, Wanderley. (Prefácio) Livro Velho do Tombo do Mosteiro de São Bento da Cidade do Salvador. Salvador: Tip. Beneditina, 1945.

PINTO, Orlando da Rocha. Cronologia da Construção do Brasil. 1500-1889. Lisboa: Horizonte, 1987.

PITA, Sebastião da Rocha. História da América Portuguesa, 15001724. B. Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1976 [1724].

QUERINO, Manuel. A Bahia de outrora. Salvador: Progresso, 1955 [1916].

REGNI, Pietro Vittorino. Os capuchinhos na Bahia: uma contribuição para a história da Igreja no Brasil. Salvador: Casa Provincial dos Capuchinhos, 1988.

REGINALDO, Lucilene. Os Rosários dos Angolas: irmandades de africanos e crioulos na Bahia setecentista. São Paulo: Alameda, 2011.

REIS, João José. A Morte é uma Festa. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.

ROCHA, D. P.; AMOROSO, D. T.; VALLADARES, C.; REGO, W. 400 Anos do Mosteiro de São Bento da Bahia. Salvador: M. S. B. B. / C. N. O., 1982.

ROSENDAHL, Zeny. Primeiro a obrigação, depois a devoção: estratégias espaciais da Igreja Católica no Brasil de 1500 a 2005. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e Filantropos. A Santa Casa da Misericórdia da Bahia 1550-1755. Brasília: Eunb, 1981 [1968].

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Aspectos da vida social das irmandades leigas da Bahia no sec. XVIII, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p.143-168.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. The Black Man in Slavery and Freedom in Colonial Brazil. New York: St. Martin’s Press, 1982.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Society and government in colonial Brazil, 1500-1822. Aldershot: Variorum, 1992.

RUY (de Souza), Affonso. História Política e Administrativa da Cidade do Salvador. Salvador: Beneditina, 1949.

RUY (de Souza), Affonso. A importância do bairro da Conceição da Praia no Século XVIII, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina: 1971, p.129-142.

SALGUEIRO, Francisco S. M. Notícia das igrejas da capital da Bahia, Anais do Arquivo do Estado da Bahia, 46 (1982), p. 5-78 [1887].

SALVADOR. P.M.S. - Prefeitura Municipal de Salvador. Atas da Câmara 1641-1649, 2º vol., 1949; 1751-1765, 10º vol., 1996. Salvador [A.C.].

SALVADOR. P.M.S. – Prefeitura Municipal de Salvador. Cartas ao Senado 1638-1673, 1º vol., Salvador, 1951; 1673-1684, 2º vol., 1952; 1699-1710, 5º vol., 1960 [C.S.].

SAMPAIO, Teodoro. História da Fundação da Cidade de Salvador. Salvador: Beneditina, 1949.

SANTA MARIA, Fr. Agostinho de. Seminário Mariano e História das Imagens Milagrosas de Nossa Senhora [...]. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 74, 1947 [1722], p. 1-181.

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979 [1973].

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos. São Paulo: Cia. das Letras, 1988 [1985].

SMITH, Robert. Aspectos da Arquitetura da Basílica da Conceição da Praia, in O Bi-Centenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p. 87-128.

SILVA, Ignácio A. de C. Memórias Históricas e Políticas da Província da Bahia. Anotador Braz do Amaral. Salvador: Imprensa Oficial, 1925 (vol.2 [1836]); 1937 (vol. 5 [1843]).

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado Descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Nacional, 1987 [1587].

SOUZA, Alcídio Mafra de. (Coord.) Guia dos Bens Tombados: Bahia. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1983.

TEIXEIRA, Cid. As grandes doações do 1o governador. In Cedurb: A Grande Salvador. Salvador, 1978, p. III-1-39.

TOMBO dos Bens das Ordens Terceiras, Confrarias e Irmandades da Cidade do Salvador instituído em 1853. Publicações do Arquivo do Estado da Bahia, Vol. VI. Salvador: Imprensa Oficial, 1948.

UFBA/FAU/CEAB. Evolução Física de Salvador. Salvador, 1980 (2 vols.).

VARNHAGEN, Francisco A. História Geral do Brasil. São Paulo: Melhoramentos, 1962 (5 vols.) [1857].

VASCONCELOS, Pedro de A. Os agentes modeladores das cidades brasileiras no período colonial, in CASTRO, I., GOMES, P.; CORRÊA, R. (org.) Explorações Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand, 1997,

p.247-278.

VASCONCELOS, Pedro de A. Les agentes de la formation des villes coloniales brésiliennes. In DIAS, L. C.; RAUD, C. (dir.) Villes et régions au Brésil. Paris: L´Harmattan, 2000, p.79-92.

VASCONCELOS, Pedro de A. Salvador: transformações e permanências (1549-1999). Ilhéus: Editus, 2002; Salvador, Edufba, 2016 [2ª ed. revista e ampliada].

VASCONCELOS, Pedro de A. Salvador de Bahia (Brésil). Transformations et permanences (1549-2004). Paris: L´Harmattan, 2005.

VASCONCELOS, Pedro de A. A utilização dos agentes sociais nos estudos de Geografia Urbana: avanço ou recuo? In CARLOS, A. F. A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, M. E. B. (Org.) A Produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011, p. 75-96.

VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo de Benin e a Baía de Todos os Santos. São Paulo: Corrupio, 1987 [1968].

VERGER, Pierre. Notícias da Bahia de 1850. Salvador: Corrupio; FCEB, 1981.

VIDE, D. Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. Brasília: Senado Federal, 2007 [1710; 1853].

VILHENA, Luís dos Santos. A Bahia no Século XVIII. Salvador: Itapuã, 1969 (3 vols.) [1802].

WILDBERGER, Arnold. Tomé de Souza, fundador da Igreja de N.

S. da Conceição da Praia e da Cidade do Salvador em 1549, in O BiCentenário de um Monumento Bahiano. Salvador: Beneditina, 1971, p.11-61.

WILLEKE, F. Venâncio (Org.) Livro dos Guardiães do Convento de São Francisco da Bahia (1587-1862). Rio de Janeiro: MEC / IPHAN, 1978.

Topo da página

Notas

1 BOXER, 1989, p. 65.

2 LACOMBE, 1993; AZZI, 2008.

3 BAZIN, 1955, II, p. 22.

4 SANTA MARIA, 1947, 32.

5 PERES, 1974.

6 SOUSA, 1987, p. 135.

7 BAZIN, op. cit., p. 35.

8 PITA, 1976, p. 210

9 CALMON, in PITA, 1976, p. 72

10 AMU 11820, p. 579

11 SANTA MARIA, op. cit.

12 12. PERES, op. cit. 13.

13 VILHENA, 1969, p. 440

14 BAZIN, op. cit., I, p. 11.

15 WILDBERGER, 1971, p. 36.

16 SOUSA, 1987, p. 138.

17 AMARAL, in VILHENA, 1969, p. 471.

18 SILVA, 1937, p. 72.

19 OTT, 1990, p. 52.

20 SMITH, 1971, p. 93 e 118.

21 BAZIN, op. cit., II, p. 23.

22 AMARAL, 1921-1922, p. 543.

23 BAZIN, op. cit., p. 142.

24 SIC, op. cit., p. 50.

25 25. Ibid.

26 MORAIS, Mello apud BAZIN (op. cit., p. 31).

27 Ibid., p. 34.

28 SILVA, op. cit.

29 SIC, op. cit., p. 125-126.

30 Ibid., p. 121-122.

31 OTT, 1991, p. 245.

32 CALMON apud PITA, 1976, p. 73.

33 SIC, op. cit., p. 106.

34 BAZIN, op. cit., p. 26.

35 Ibid., p. 28.

36 SIC, op. cit., p. 112.

37 BAZIN, op. cit., p. 26.

38 SIC, op. cit., p. 40.

39 VERGER, 1987, p. 96 e 117.

40 BAZIN, op. cit., p. 36-37.

41 LACOMBE, op. cit., p. 60.

42 RUY, 1949, p. 217.

43 VARNHAGEN, 1962, III, p. 229; LACOMBE, op. cit., p. 73.

44 ALMANACH, 1973, p. 92.

45 VIDE, 2007, Livro III, Título 31, p. 579.

46 Ibid., Livro IV, Título 27, p. 728.

47 Ibid., Livro I, Título 50, p. 213.

48 Ibid., Título 53, p. 224.

49 Ibid., Livro III, Título 37, p. 609.

50 Ibid., Livro I, Título 54, p. 228.

51 Ibid., Livro IV, Título 17, p. 687.

52 Ibid., p. 689.

53 Ibid., Título 29, p. 738.

54 Ibid., Título 32, p. 747.

55 Ibid., p. 755.

56 Ibid., p. 758.

57 Ibid., p. 757.

58 OTT, op. cit., p. 27.

59 SMITH, op. cit., p. 109.

60 SALGUEIRO, 1982, p. 36.

61 NÓBREGA, 1988, p. 194.

62 LEITE, 2000, 2 p. 510.

63 AZZI, op. cit., p. 184.

64 NOVINSKY, 1992.

65 AMU, 6477-8, p. 48.

66 Ibid., 8522, p. 279.

67 Ibid., 19050, p. 94.

68 MORENO, 1955, p. 154

69 Ibid., p. 148.

70 LACOMBE, op. cit., p. 69.

71 LEITE, 1965, p. 174.

72 LACOMBE, op. cit., p. 71.

73 LEITE, 1938, I, p. 126.

74 Ibid., p. 185.

75 Ibid., p. 182.

76 Idem, 2000, 5, p. 120-121.

77 ANCHIETA, 1988, p. 312.

78 LEITE, op. cit., I, p. 26 e 28.

79 Idem, 2000, 5, p. 121-123.

80 SMITH, op. cit., p. 94.

81 BAZIN, op. cit., p. 19.

82 LEITE, op. cit., V, p. 128.

83 Ibid., p. 44.

84 Ibid., p. 6.

85 ANCHIETA, op. cit., p. 422.

86 SOUSA, op. cit., p. 136.

87 BAZIN, op. cit., p. 20.

88 CALDAS, 1951, p. 13.

89 SIC., op. cit., p. 96.

90 SOUZA, 1983, p. 161.

91 BAZIN, op. cit., p. 28.

92 Ibid., p. 14.

93 LEITE, op. cit., V, p. 153.

94 MATTOS, 1978, p. 101.

95 BAZIN, op. cit., p. 18.

96 BOXER, 1992, p. 317.

97 AMARAL, 1941, p. 180-181.

98 SILVA, 1925, p. 207

99 AMU, 4550, p. 396.

100 LEITE, op. cit., v, p. 135.

101 RUSSELL-WOOD, 1981, p. 213.

102 BAZIN, op. cit., p. 21.

103 RUY, 1949, p. 350.

104 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 285.

105 LACOMBE, op. cit., p. 72.

106 CASIMIRO, 1996, p. 70.

107 WILLEKE, 1978, p. 106

108 SCHWARTZ, 1979, p. 203.

109 C. S., 1951, p. 100.

110 WILLEKE, op. cit., p. 106.

111 SILVA, 1937, p. 137.

112 WILLEKE, op. cit., p. 108.

113 O. R. 1729-1732, 1976, p. 84.

114 BAZIN, op. cit., I, p. 144.

115 Idem., II, p. 17; WILLEKE, op. cit., p. 106.

116 AMARAL, in VILHENA, op. cit., I, p. 469.

117 CALDAS, op. cit., p. 15.

118 In COSTA, 1965, est. 4.

119 AMU 1748, p. 455.

120 JABOATÃO, 1979-1980, III, p. 291.

121 AMU, 8698, p. 285.

122 AMU 9119, p. 320.

123 AMARAL, in SILVA, op. cit., p. 345.

124 WILLEKE, op. cit., p. 120.

125 PINHO, 1945, p. xvi.

126 Ibid., p. xvii

127 SAMPAIO, 1949, p. 275.

128 AZZI, op. cit., p. 214.

129 SOUSA, op. cit., p. 138.

130 In LEÃO Filho, 1957.

131 CEAB, 1980, I, p. 68

132 PINTO, 1987, p. 101.

133 ROCHA et al., 1982, p. 10.

134 BAZIN, op. cit., II, p. 31.

135 LIVRO Velho do Tombo [...], 1945, p. 395 e 399.

136 LOSE; PAIXÃO, op. cit., p. 89.

137 BAZIN, op. cit., p. 18.

138 Ibid., p. 25.

139 LOSE; PAIXÃO, op. cit., p. 297; TEIXEIRA, 1978, p. 16.

140 SCHWARTZ, 1988, p. 93.

141 CALDAS, op. cit., p. 15.

142 In COSTA, op. cit., est. 4.

143 AMU 17419, p. 455

144 BAZIN, op. cit., p. 30.

145 CALDAS, op. cit., p. 16.

146 AMU 17422, p. 457.

147 REGNI, 1988, p. 194 e 196.

148 O. R. 1725-1727, 1952, p. 3.

149 C. S. 1673-84, p. 77.

150 LACOMBE, op. cit., p. 73.

151 CALDAS, op. cit. p. 17.

152 In COSTA, op. cit., est. 4.

153 AMU 17424, p. :459.

154 SILVA, op. cit., p. 241.

155 CALDAS, 1951, p. 19.

156 DANTAS, s/d, 35 e 40.

157 ALMEIDA, 1914a, p. 66-68.

158 Idem, 1913, doc. 1520, p. 101.

159 CALDAS, op. cit., p. 12.

160 Ibid., p. 19.

161 AMU 17423, p. 457.

162 LACOMBE, op. cit., p. 73.

163 SILVA, op. cit., p. 198.

164 OTT, 1989, p. 7.

165 BAZIN, op. cit., p. 17.

166 DANTAS, op. cit., p. 35.

167 OTT, 1991, p. 30 e 71.

168 SANTA MARIA, op. cit., p. 42.

169 AMARAL in SILVA, op. cit., p. 463.

170 AMU, 311, p. 48-49.

171 CALDAS, op. cit., p. 14.

172 AMU, 17421, p. 456.

173 AMU 9119, p. 320.

174 SILVA, I, 1931, p. 287

175 AZZI, op. cit., p. 227.

176 AMARAL, in VILHENA, 1969, p. 472.

177 CALDAS, 1951, p. 22.

178 SALGUEIRO, op. cit., p. 62.

179 AMARAL, in VILHENA, op. cit., p. 472.

180 180. O. R. 1748-1754, 1954, p. 121.

181 ALMEIDA, 1914a, p. 66-68.

182 BAZIN, op. cit., p. 29.

183 MATTOSO, 1992, p. 372.

184 PITA, 1976, p. 185.

185 BAZIN, op. cit., p. 29.

186 BARROS, in AMARAL, 1922.

187 NASCIMENTO, 1994, p. 307.

188 CALDAS, 1951, p. 20.

189 In COSTA, op. cit., est. 4.

190 AMU 6556, p. 68.

191 SCHWARTZ, op. cit., p. 180.

192 BAZIN, op. cit., p. 25.

193 PITA, 1976, p. 204.

194 C. S. 1699-1710, p. 23.

195 CALDAS, 1951, p. 18.

196 AMU 17425, p. 459

197 AMU 10067-8, p. 421.

198 BAZIN, op. cit., p. 26.

199 Ibid., p. 24.

200 CALDAS, 1951, p. 13.

201 BAZIN, op. cit., p. 24

202 AMU, 6555, p. 67

203 ALMEIDA, op. cit., p. 66-68.

204 AZZI, op. cit., p. 228

205 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 265.

206 PINHO, op. cit., p. xvii.

207 BOXER, 1965, p. 89.

208 C. S., 1951, p. 116-117.

209 C. S. 1673-1684, p. 77.

210 AMU, 1520, p. 101.

211 AMARAL, in SILVA, 1937, p. 344.

212 CALDAS, op. cit., p. 10-13.

213 In COSTA, op. cit., est. 4

214 In VARNHAGEN, 1962, IV, p. 294.

215 VASCONCELOS, 2016, p. 180.

216 WILLEKE, 1978, p. 107.

217 AZZI, op. cit., p. 234

218 Ibid., p. 235

219 RUSSELL-WOOD, op. cit.

220 CAMPOS, 1941, p. 48.

221 BARBOSA, 1971, p. 392.

222 DAMAZIO, 1862, p. 23-24.

223 BAZIN, op. cit., p. 28.

224 AZZI, op. cit., p. 236.

225 AMU, 377, p. 59; RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 149.

226 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 257.

227 CALDAS, op. cit., p. 23

228 DAMAZIO, op. cit., p. 59-60

229 AZZI, op. cit.; RUSSELL-WOOD, op. cit.

230 LOSE; PAIXÃO, p. 297; TEIXEIRA, 1978, p. 16

231 SANTA MARIA, op. cit., p. 62-63

232 RUY, 1971, p. 134

233 SCHWARTZ, op. cit., p. 180

234 VILHENA, op. cit., p. 125.

235 ANDREA, 1845.

236 CASIMIRO, 1996, p. 15.

237 ALVES, 1948.

238 MATTOS, op. cit., p. 87.

239 SILVA, op. cit., p. 143.

240 240. MATTOS, op. cit., p. 92.

241 QUERINO, 1955, p. 11.

242 JABOATÃO, op. cit., p. 306-309.

243 CAMPOS, op. cit., p. 24.

244 Ibid., p. 304.

245 CALDAS, op. cit., p. 23.

246 MARTINEZ, 1979.

247 RUSSELL-WOOD, 1992, cap. V, p. 65.

248 TOMBO, 1948.

249 MARTINEZ, 1979, p. 210.

250 BAZIN, op. cit., p. 32.

251 MATTOS, op. cit., p. 94.

252 RUSSELL-WOOD, op. cit., cap.V., p. 158.

253 CALDAS, op. cit., p. 23.

254 CAMPOS, op. cit., p. 41.

255 TOMBO, op. cit.

256 SILVA, 1937, p. 104.

257 257. BAZIN, op. cit., p. 34

258 AMU 17437 p. 459.

259 SIC, op. cit., p. 85-96.

260 SILVA, op. cit., p. 210.

261 OTT, 1998, p. 40.

262 MARTINEZ, op. cit.

263 BAZIN, op. cit., p. 18.

264 OTT, 1989, p. 101.

265 BAZIN, op. cit., p. 18.

266 MARTINEZ, op. cit.

267 CALDAS, op. cit., p. 23.

268 RUSSEL-WOOD, op. cit., p. 158.

269 Ibid., p. 163

270 CAMPOS, op. cit., p. 174.

271 OTT, 1998, p. 78.

272 TOMBO, op. cit.

273 MARTINEZ, op. cit.

274 BARROS, Borges apud MARTINEZ, op. cit., p. 33.

275 RUSSELL-WOOD, 1971, p. 164-166.

276 OTT, 1990, p. 52.

277 CALDAS, op. cit., p.16.

278 AZZI, op. cit., p. 236-237.

279 LEITE, 1965, p. 134.

280 A. C. 1641-1649.

281 SANTA MARIA, op. cit., p. 45.

282 RUSSELL-WOOD, 1981, p. 170.

283 SIC, op. cit., p. 58

284 OTT, 1968, p. 121.

285 SMITH, op. cit., p. 92.

286 RUSSELL-WOOD, 1992, cap. VI, Appendix, p. 10.

287 Ibid., p. 12.

288 REGINALDO, 2011, p. 347.

289 OTT, 1991, p. 76.

290 SIC, op. cit., p. 44.

291 TOMBO, op. cit.

292 RUSSELL-WOOD, op. cit., cap. VI, p. 108.

293 AMU, 16926, p. 416.

294 ALMEIDA, 1914b, p. 416.

295 BOCCANERA Jr., 1928, p. 431.

296 REIS, 1991, p. 56.

297 SANTA MARIA, op. cit., p. 45.

298 Ibid., p. 51 e 56.

299 OLIVEIRA, 1988, p. 86.

300 SALGUEIRO, op. cit., p. 65.

301 MONTEIRO, 1987, p. 33-34.

302 AMU 23172-3, p. 443.

303 Ibid., p. 206, 207 e 209.

304 CAMPOS, op. cit., p. 207

305 PARÉS,. 2006, p. 86.

306 OLIVEIRA, op. cit., p. 86.

307 RUSSELL-WOOD, op. cit., p. 108.

308 CAMPOS, op. cit., p. 168-169.

309 REGINALDO, op. cit., p. 156.

310 Ibid., p. 123 e 156.

311 CAMPOS, op. cit., p. 79.

312 Ibid., p. 79 e 240.

313 REGINALDO, op. cit., p. 158.

314 Ibid., p. 123 e 136.

315 OLIVEIRA, op. cit., p. 86.

316 REGINALDO, op. cit., p. 123 e 136.

317 OLIVEIRA, op. cit., p. 86.

318 BRAGA, 1987, p. 23, 30-31.

319 MATTOS, 1971, p. 237.

320 SIC, op. cit., p. 100.

321 MARTINEZ, op. cit., p. 120

322 Ibid., p. 125.

323 Ibid., p. 160.

324 Ibid., p. 35-36.

325 LIVRO do Tombo, op. cit.

326 SANTA MARIA, op. cit., p. 38-40.

327 TOMBO, op. cit.

328 SANTA MARIA, op. cit., p. 61 e79.

329 Ibid., p. 35-36 e 39-40.

330 Ibid., p. 31; AMARAL, op. cit., p. 480.

331 SALGUEIRO, op. cit., p. 31.

332 Ibid., p. 42.

333 CAMPOS, op. cit., p. 86 e 88.

334 SANTA MARIA, op. cit., p. 59-61.

335 SALGUEIRO, op. cit., p. 47.

336 VERGER, 1981, p. 65-66.

337 OTT, 1982, p.332.

338 CAMPOS, op. cit., p. 142.

339 NASCIMENTO, op. cit., p. 210 e 479.

Topo da página

Nota de fim

i A maior parte das informações estão baseadas em Vasconcelos, 2016.

ii De fato, o regime colonial termi­na em 1808, com a chegada da Corte Portuguesa fugindo das tro­pas napoleônicas, embora a inde­pendência formal tenha se dado em 1822.

iii Para uma discussão teórica sobre agentes ver Vasconcelos (2011). Quanto aos agentes no período colonial ver Vasconcelos (1997 e 2000).

iv A Ordem de Cristo era herdeira do patrimônio da antiga Ordem dos Templários (AZZI, 2008, p. 162- 163).

v O bispado de Salvador foi o único na colônia de 1551 a 1676 (HOORNAERT, 1991, p. 75).

vi Para LEITE (2000, I, p. 23), Nóbrega, em correspondência de 1549, já fazia referência a igreja da Sé.

vii O Brasil contou com um único Arcebispado, sediado em Salvador, no período de 1676 a 1889, ou seja, durante 213 anos (HOORNAERT,op. cit., p. 75)

viii Para o exame da difusão espacial da Diocese (1551) e da Arquidiocese de Salvador (1676) ver Rosendahl (2012).

ix Um dos objetivos do Concílio de Trento (1563-1564), além da realização da Contra Reforma da Igreja diante do avanço da Reforma protestante, foi o aumento da autoridade dos bispos (BOXER, op. cit., p. 86).

x Essas regras não foram seguidas no Império: um sacerdote negro, natural de Itaparica, foi ordenado em 1825, e um filho de uma parda foi ordenado em 1835 e chegou a Vigário da Conceição da Praia e Desembargador da Relação Eclesiástica (COSTA E SILVA, 2000, p. 476 e 356).

xi Os restos mortais de Mem de Sá estão sepultados na antiga igreja dos jesuítas.

xii A Coroa portuguesa proibiu a implantação de conventos nas regiões mineiras para evitar o contrabando de ouro.

xiii No documento de doação está registrado que Catherina falava “na língua da terra”, ou seja, não dominava o português (In LOSE; PAIXÃO, 2016, p. 89).

xiv A igreja de São Gonçalo de Amarante já estava em ruínas no século XIX e não há mais vestígios da construção atualmente.

xv Azzi informou que o convento da Lapa foi fundado por ursulinas franciscanas embora elas fossem conhecidas como “franciscanas concepcionistas” (op. cit., p. 226-227).

xvi As ordens primeiras eram compostas pelos frades, as segundas pelas freiras e as terceiras pelos leigos.

xvii Mesmo sem contar com um convento dominicano os membros portugueses da ordem buscavam ter apoio da ordem nas cidades coloniais brasileiras.

xviii Seria o Santo Antônio de Categeró, originário do Norte da África e que foi escravizado.

xix Parés informou que Mãe Aninha, dirigente do Axé Opó Afonjá, foi provedora e juíza dessa irmandade no início do século XX (2006, p. 99).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Pedro de Almeida Vasconcelos, «A Igreja Católica Como Agente Estruturador Da Cidade Do Salvador No Período Colonial»Geografares [Online], 31 | 2020, posto online no dia 17 dezembro 2020, consultado o 29 novembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/geografares/651

Topo da página

Autor

Pedro de Almeida Vasconcelos

Ph.D Universidade Católica de Salvador / Universidade Federal da Bahia Pesquisador CNPq 1-A
pavascon@uol.com.br

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Geografares est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale 4.0 International.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search