Navegação – Mapa do site

InícioNuméros24EditorialEditorial « Mobilidade espacial d...

Editorial

Editorial « Mobilidade espacial da população: novidades e desafios »

Ednelson Mariano Dota e Luis Eduardo Aragón

Texto integral

1As transformações vivenciadas pela sociedade ao longo do século XX e nestes primeiros anos do século XXI colocou em evidencia fenômenos que tinham papel secundário para as dinâmicas sociais, econômicas e políticas da sociedade.

2A migração, enquanto fenômeno social com rebatimentos políticos e econômicos é um destes, com especial complexidade pelas inúmeras escalas espaciais que abrange suas modalidades, pelos desafios que gera nos locais de origem e destino dos fluxos, assim como pelas redes que constrói e fragiliza a partir dos deslocamentos.

3A explicação das causas e motivos da migração, dos volumes envolvidos e do direcionamento dos fluxos são variadas, reflexo tanto da interdisciplinaridade que marca os estudos de migração quanto da dinamicidade do fenômeno, que exige constantes releituras e questionamentos dos resultados verificados. Esta complexidade, associada às conjunturas pouco constantes e às estruturas sociais, políticas e econômicas fortemente desiguais em todas as escalas geográficas desafiam os estudiosos a acompanhar e compreender um fenômeno que reflete a própria sociedade em movimento.

4Neste contexto, os movimentos de curta, média ou longa distância no caso da migração interna, ou a migração internacional, são realidades inequívocas do mundo atual e da história econômica, política e social de cada parcela do território. Nas grandes cidades, por exemplo, ganha destaque as relações observadas entre os movimentos migratórios e processos de segregação socioespacial, mobilidade pendular e urbanização fragmentada. Nos fluxos internacionais, os fluxos sul-norte, fronteiriços e as ondas de refúgio estão em evidência.

5O presente dossiê, considerando as inúmeras perspectivas teóricas, metodológicas e (inter) disciplinares dos estudos de migração partiu de uma proposta ampla, chamando para a reflexão pesquisadores que se debruçam sobre as « novidades » e os « desafios » dos estudos migratórios. Os trabalhos poderiam retratar aspectos teóricos, metodológicos e empíricos dos estudos, tanto de migração interna quanto internacional.

6No artigo A mobilidade revisitada: capital, trabalho e subjetivação, Ana Carolina Gonçalves Leite, Daniel Manzione Giavarotti, Erick Jones Gabriel Kluck, Cássio Arruda Boechat e Carlos de Almeida Toledo apresentam um panorama dos debates sobre a questão migratória brasileira, focando na discussão dos limites dos troncos neoclássico e histórico-estrutural.

7No artigo Migração interestadual cearense: tendências e inflexões durante período de 1950 a 2010 Silvana Nunes de Queiroz e Rosana Baeninger analisam o panorama das migrações interestaduais cearenses pós-1950 e mostram que, somente a partir dos anos 2000, o Ceará diminui as suas perdas populacionais.

8Isac Alves Correia e Ricardo Ojima são os autores de Migração e seletividade no Estado do Espírito Santo e na Região Metropolitana da Grande Vitória: considerações a partir do Censo demográfico de 2010. Nele testam a hipótese de seleção positiva dos migrantes a partir dos dados do Censo Demográfico 2010, e verificam que a migração tem se constituído em elemento importante para o Espírito Santo com a chegada de trabalhadores mais qualificados e experientes.

9No artigo Transformações, permanências e desafios na mobilidade espacial metropolitana: movimentos pendulares na Região Metropolitana da Grande Vitória (RMGV), Pablo Lira, Aurélia Castiglioni, Pablo Jabor e Fábio Colatto analisam os movimentos pendulares para estudo e trabalho numa leitura espacial a partir dos dados do Censo Demográfico de 2010, buscando relacionar esses movimentos com o nível de integração dos municípios e a complementaridade existente entre eles.

10Dourine Pereira Aroeira Suce e Maria Cristina Dadalto publicam Desafios da mobilidade humana e espacial em Serra/ES na contemporaneidade. Nele debatem o fenômeno da mobilidade na história recente do município de Serra partindo do pressuposto de que o fenômeno migratório resulta de uma perspectiva laboral e se retroalimenta da rede de trocas e de circularidade de ideias entre os migrantes.

11No artigo Renovación urbana del centro histórico de Bogota D. C. (Colombia). Del barrio Santa Bárbara al Bronx, un legado de desplazamiento y gentrificación Guillermo Villegas Arenas e Juan Guillermo Villegas analisam historicamente a gentrificação urbana na Colômbia, com foco no acontecido em bairros do centro de Bogotá desde a renovação urbana em Santa Bárbara (1980) até as intervenções em Santa Inés -El Cartucho- (1998) e no Voto Nacional –El Bronx– (2016).

12Em relação à migração internacional, Jonatha Rodrigo de Oliveira Lira publica Mobilidade espacial na fronteira e a formação de espaços de vida na Amazônia: o caso das cidades gêmeas de Guajará-Mirim (Brasil) e Guayaramerín (Bolívia). Nele, o autor analisa a mobilidade espacial na fronteira e conclui que a migração internacional e a mobilidade na fronteira são processos complementares, que articulam diferentes escalas do fenômeno migratório.

13No artigo De ida y vuelta: Vulnerabilidad y Exclusión del Mercado de Trabajo a Migrantes en los Estados Unidos y Retornados en México en un Contexto Demográfico y Migratorio Dinámico, Andrea Bautista León analisa o cenário atual da migração entre o México e os Estados Unidos, numa perspectiva binacional e longitudinal através de uma base semi-painel. Verifica redução da emigração de mexicanos e aumento do retorno, que se dá para muitos associado a uma situação de vulnerabilidade.

14Fechando o dossiê, Hisakhana Corbin e Luis Eduardo Aragón publicam Diaspora Engagement for development: challenges and options for Guyana. Neste artigo os autores analisam a Guyana que, tendo sofrido intenso processo de emigração, apresentam desafios e empenham esforços diante deste contexto.

15Enfim, esperamos que os artigos do dossiê motivem novos pesquisadores a encarar esse emaranhado de desafios e possibilidades, além de servir como referência para outras pesquisas já em desenvolvimento. Boa leitura!

16Ednelson Mariano Dota
Luis Eduardo Aragón
Editores do dossiê

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Ednelson Mariano Dota e Luis Eduardo Aragón, «Editorial « Mobilidade espacial da população: novidades e desafios »»Geografares [Online], 24 | 2017, posto online no dia 15 dezembro 2017, consultado o 22 maio 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/8010

Topo da página

Autores

Ednelson Mariano Dota

Professor do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFES
ednelsondota@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Luis Eduardo Aragón

Professor titular da Universidade Federal do Pará (UFPA)
aragon_naea@ufpa.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search