Navegação – Mapa do site

InícioNuméros24ResenhasPierre Dardot e Christian Laval. ...

Resenhas

Pierre Dardot e Christian Laval. Comum - Ensaios sobre a revolução no século XXI

Boitempo, 2017.
Claudio Luiz Zanotelli
Referência(s):

Pierre Dardot e Christian Laval. Comum - Ensaios sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2017, 647 p.

Texto integral

1Nesse livro de grande fôlego teórico são apresentadas a genealogia e a epistemologia do que é comum, o que é produzido politicamente por uma coletividade e que não é de maneira alguma algo espontâneo como desejam alguns ou estando desde sempre aqui; ao contrário, o comum para os autores é uma luta permanente por instaurar novos modos de relações sociais que desafiem a apropriação do mundo pelo capitalismo o que se traduz por uma coatividade como fundamento da ação política: o que é comum se instaura e se institui.

2Os autores fazem inicialmente uma arqueologia do comum e operam um debate crítico em relação à tradição do comunismo de Estado que capturou burocraticamente o comum e invocam uma necessária liberação do comum dessa captura.

3O momento atual do capitalismo é analisado como aquele da apropriação dos espaços comuns de vida, da despossessão, como o invocou David Harvey. O capitalismo como modo de acumulação específico do capitalismo, e isso ocorre de maneira importante e em primeiro plano nas próprias organizações da superexploração do trabalho dentro das empresas e nas administrações públicas. Os espaços comuns de cooperação e de trabalho são apropriados no interior mesmo das empresas e se torna exponencial a exploração já existente, portanto o comum não é somente defesa do que ainda não foi apropriado, mas uma luta cotidiana contra as relações de opressão dentro dessas organizações, o comum não é somente a luta contra os cercamentos graduais daquilo que resistiu ao capitalismo (comunidades originarias, comunidades de pescadores, indígenas etc), mas a luta contra os “cercamentos” e cerceamentos e exploração nas relações de trabalho.

4Os autores fazem uma crítica argumentada e genealógica do direito de propriedade e o confrontam com a ideia do que não pode ser apropriado, invocando o primado das práticas de criação de direito sobre o Estado, o direito é muito mais que e vai muito além do Estado, esse direito pode ser uma instauração do "ser--em-comum" e do "agir comum". Concluem conclamando para uma prática coletiva instituante que se alimente do imaginário social nos termos da Instituição Imaginária da Sociedade de Cornelius Castoriadis.

5No fim do livro Dardot e Laval elencam 9 proposições políticas que visam instituir o que é o comum, indo para além da partilha público-privado que aprisionou tanto os imaginários e práticas sociais nas lutas do socialismo.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Claudio Luiz Zanotelli, «Pierre Dardot e Christian Laval. Comum - Ensaios sobre a revolução no século XXI»Geografares [Online], 24 | 2017, posto online no dia 15 dezembro 2017, consultado o 20 maio 2024. URL: http://journals.openedition.org/geografares/8504

Topo da página

Autor

Claudio Luiz Zanotelli

Professor do Departamento de Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES
clzanotelli@yahoo.com.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search