Navegação – Mapa do site

InícioNuméros31Notas de pesquisaA privatização da Petrobras

Notas de pesquisa

A privatização da Petrobras

Francismar Cunha Ferreira

Resumos

A presente nota de pesquisa busca evidenciar a dimensão do desmonte da Petrobras que vem sendo intensificada no atual contexto das políticas neoliberais no Brasil. Foi realizada identificação e localização de todos ativos que foram vendidos e/ou estão com anúncio de venda junto aos relatórios anuais e de sustentabilidade da Petrobras e aos teasers divulgados no site da companhia de todos os ativos que foram vendidos e/ou estão com anuncio de venda. Os resultados apontam que o processo de privatização se desenvolve em todos os segmentos da Petrobras e em todas as regiões/bacias em que ela atua bem como evidencia que a privatização se acentuou desde o golpe de 2015 quando as gestões da companhia deixaram de pensá-la como uma empresa de energia integrada e passaram simplesmente a fatiá-la em diversas ofertas ao setor privado.

Topo da página

Entradas no índice

Palabras claves:

Petrobras, Privatización, Petróleo, Gas

Palavras chaves:

Petrobras, Privatização, Petróleo, Gás
Topo da página

Texto integral

  • 1 Projeto Geopolítica, Geoeconomia e paisagens da infraestrutura do petróleo na região costeira do Su (...)

1A presente nota busca evidenciar a dimensão do desmonte da Petrobras que vem sendo intensificada no atual contexto das políticas neoliberais no Brasil. Ela se insere no âmbito da pesquisa de doutorado do autor sobre o circuito espacial de produção da indústria petrolífera no Espírito Santo e também no interior do Projeto Geopolítica, Geoeconomia e paisagens da infraestrutura do petróleo na região costeira do Sudeste do Brasil1 que se desenvolve no quadro de atividades do Laboratório de Estudos Urbano-regionais, das Paisagens e dos Territórios (Laburp).

  • 2 A ANP foi criada juntamente com a lei 9.478/1997.

2A privatização da Petrobras não se configura apenas como sendo um processo atual. Desde a década de 1990 têm-se movimentos que buscam levar à privatização do setor petrolífero no Brasil. Campos (2014) aponta a privatização de diversas subsidiárias da Petrobras, que na época não faziam parte do monopólio constitucional. Dentre essas subsidiárias destacam-se a Petrobras Mineração (Petromisa) e a Petrobras comércio Internacional (Interbrás), a Petroflex, a Nitriflex, a Fosfértil, a Goiasfértil, parte da Petroquisa, dentre outras (CAMPOS, 2014, p. 238, 239 e 240). A partir de 1997 foi aberta uma possibilidade para a privatização de parcelas de diferentes segmentos das atividades petrolíferas no Brasil, que até então eram proibidas, por meio da Lei 9.478 conhecida com a lei do petróleo. Essa lei instituiu, dentre outras coisas, a possibilidade de participação de outras empresas no segmento de exploração no Brasil. A partir de então grupos nacionais e internacionais passaram a adquirir concessões de blocos exploratórios ofertados e regulados por meio da então recém criada Agência Nacional do Petróleo (ANP)2. Além disso, a referida lei deixou em aberto a participação de setores privados no transporte de petróleo, gás e no refino.

3No que se refere à participação de outras empresas no setor de exploração e produção de petróleo vale destacar que ocorreu um significativo aumento da participação de empresas multinacionais no setor. Atualmente as multinacionais respondem por cerca de 25% da produção nacional de petróleo (ANP, 2020). Destaca-se nesse contexto o crescimento de empresas como a Shell (Reino Unido), Petrogal (Portugal), Equinor (Noruega), Repsol (Espanha) e Sinochem (China). No gráfico 01 a pode ser visualizada o aumento da participação das petroleiras multinacionais em paralelo a diminuição da participação da Petrobras.

Gráfico 01: Produção das concessionárias que atuam na exploração de petróleo no Brasil de 2011 a 2019 em percentual

Gráfico 01: Produção das concessionárias que atuam na exploração de petróleo no Brasil de 2011 a 2019 em percentual

Fonte: ANP (2011 – 2020)

4Por outro lado, o crescimento da participação de empresas nacionais e internacionais nos segmentos de transporte e refino não teve aumentos significativos. No que se refere às refinarias, das 17 refinarias existentes no Brasil, 13 foram construídas e são, até o momento, operadas pela Petrobras e quatro são de empresas privadas: refinaria de Manguinhos no Rio de Janeiro, Univen em Itupeva-SP, Refinaria Riograndense em Uruguaiana-RS e a refinaria Dax Oil em Camaçari-BA. Juntas, elas têm a capacidade de refino em torno de 54 mil barris de petróleo por dia o que representa 2,9% da capacidade total de refino de petróleo diário no Brasil.

5A participação das empresas privadas, especialmente multinacionais no setor petrolífero brasileiro tende a crescer de modo significativo atualmente em função do acelerado processo de privatização da Petrobras associado ao seu desmonte interno.

6No que se refere ao seu desmonte interno nota-se nos últimos anos uma drástica redução do número de trabalhadores próprios e terceirizados bem como a redução dos investimentos da petroleira nos segmentos de exploração e produção, transporte, refino, etc. Nos gráficos 02, 03 e 04 podem ser visualizados esses aspectos.

Gráfico 02: Investimentos anuais da Petrobras nos diferentes segmentos

Gráfico 02: Investimentos anuais da Petrobras nos diferentes segmentos

Fonte: Petrobras 2006 – 2018.

Gráfico 03: Número de trabalhadores da Petrobras e de suas subsidiárias

Gráfico 03: Número de trabalhadores da Petrobras e de suas subsidiárias

Fonte: Petrobras 2001 – 2019.

Gráfico 04: Número de trabalhadores terceirizados da Petrobras

Gráfico 04: Número de trabalhadores terceirizados da Petrobras

Fonte: Petrobras 2004 – 2019.

7Observando os gráficos 02, 03 e 04 nota-se uma redução brusca dos investimentos e dos números de trabalhadores próprios e terceirizados a partir de 2013 e 2014. Somente para exemplificar de maneira mais precisa esses processos, internamente na Petrobras foi criado o Programa de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV) e, por meio desse programa, até o dia 31 de dezembro de 2018 houve o desligamento de 16,5 mil trabalhadores próprios da Petrobras (PETROBRAS, 2018). A diminuição dos investimentos da empresa gera efeitos que se propagam para outras atividades que direta ou indiretamente estão ligadas ao circuito do petróleo implicando assim na diminuição de trabalhadores de outros segmentos como aqueles ligados aos estaleiros de construção, manutenção e montagem de plataformas por exemplo.

8Além dessa reorganização interna da Petrobras que incide diretamente sobre a organização do trabalho, vale destacar ainda que a petroleira vem se desfazendo de diferentes ativos de diferentes segmentos no Brasil e no mundo.

9A Petrobras, entre 2016 e 2020 vendeu e colocou vários de seus ativos internacionais conforme aponta o quadro 01:

Quadro 01: Vendas das participações internacionais da Petrobras

Quadro 01: Vendas das participações internacionais da Petrobras

Fonte: Notícias de jornais e site da Petrobras entre 2016 e 2020.

10Observando o quadro 01 nota-se que a Petrobras vem se desfazendo de seus ativos na América, em especial nos segmentos de distribuição em países como Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e Colômbia bem como de ativos de refino como o caso da Refinaria de Pasadena nos Estados Unidos. Destaca-se ainda a venda dos ativos de exploração e produção na África, no Golfo do México e na Colômbia.

11Entretanto, no território brasileiro o processo de venda da Petrobras vem ganhando enorme proporção em função do número de ativos que estão sendo vendidos e colocados à venda bem como a velocidade com que isso vem acontecendo. Têm-se vendas e anúncios de venda em todos os segmentos. No mapa 01 pode ser visualizada as infraestruturas e unidades industriais como refinarias, indústrias de bicombustível, usinas termoelétricas e eólicas, fábricas de asfalto e petroquímicas da Petrobras vendidas ou com anúncio de venda.

Image 107C4F6000008FEC0000897540342AA5BC2C1A5D.emf

12Observando o mapa 01 nota-se que a Petrobras vem vendendo ativos em todo o Brasil. São indústrias e infraestruturas tais que termoelétricas, fábricas de asfalto, fábricas de fertilizantes, petroquímicas, etc. Além disso, chama a atenção no mapa o fato da venda de importante parte da rede de dutos que possui importância fundamental para o transporte. Nesse sentido, vale destacar que duas subsidiárias do setor de transporte de gás foram privatizadas até o momento.

13São elas: a venda em 2016/2017 de 90% da Nova Transportadora Sudeste (NTS) e a venda em 2019 de 90% de participação na Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG). A primeira teve a venda de 90% das ações para a Nova Infraestrutura Fundo de Investimentos em Participações (FIP), gerido pela Brookfield Brasil Asset Management Investimentos Ltda., entidade afiliada ao fundo canadense Brookfield Asset Management. Na mesma data, o FIP realizou a venda de parte de suas ações na NTS para a Itaúsa Investimentos Itaú S.A. A NTS possui mais de 2.000 km de gasodutos com capacidade para distribuir 158,2 milhões m³ de gás por dia. Localiza-se na região sudeste, conforme aponta o mapa 01, que é a região onde se encontram as maiores reservas e os maiores volumes de produção de gás bem como se tem o maior consumo do produto (60% do gás consumido no Brasil encontra-se nessa região). O único cliente da NTS é a própria Petrobras. A venda dos gasodutos representou uma enorme irracionalidade para a Petrobras que agora paga para a NTS pela utilização dos gasodutos. De acordo com nota publicada pela AEPET3 (2018) a Petrobras divulgou no em seu Relatório ao Mercado Financeiro – RMF relativo ao segundo trimestre de 2017 que a empresa tinha um aumento com gastos logísticos, em função do pagamento de tarifas a terceiros pela utilização dos gasodutos, a partir da venda da NTS. Esse aumento era no valor de aproximadamente 1,010 bilhão por trimestre. Segundo a nota da AEPET, esse valor corresponde a aproximadamente 1/6 (um sexto) do efetivamente recebido pela venda da NTS que foi gasto com o aluguel dos próprios gasodutos em apenas um trimestre. Nesse sentido, desconsiderando qualquer correção monetária, todo o valor recebido pela venda da NTS terá sido pago em aluguéis em apenas 18 meses (AEPET, 2018).

14Por sua vez, tem-se a privatização da TAG em 2019. Ela foi vendida para a francesa Engie e o fundo Caisse de Dépôt et Placement du Québec (“CDPQ”) por R$ 8,72 bilhões, o que fez dessa transação a maior venda de ativos da Petrobras ao longo de seus 66 anos. A composição atual da TAG ficou com 10% pertencentes à Petrobras, 58,5% pertencente à Engie e 31,5% pertencente ao CDPQ. A TAG é formada por uma malha de gasodutos com cerca de 4.500 km de extensão em 10 estados das regiões Sudeste, nordeste e norte (cf. mapa 01). Assim como ocorreu com a NTS, chama a atenção o fato de que o que foi vendido é uma infraestrutura com instalações prontas e desenvolvidas pela estatal. Assim como ocorre com a NTS, a Petrobras é o principal cliente da TAG, logo, paga aluguel para usar os gasodutos que ela construiu e vendeu.

15Além dessas infraestruturas, se privatizou outras importantes subsidiárias como a BR distribuidora, a Gaspetro e a Liquigás.

16Inicialmente vale destacar o caso da BR distribuidora. Ela era a subsidiária mais lucrativa da Petrobras. Até 2017 a empresa detinha 100 % de seu capital. No mesmo ano a petroleira vendeu 28,75% de sua participação na bolsa de valores e em 2019 vendeu mais 33,75% da subsidiária também diretamente na bolsa de valores. Assim a composição acionária atual da BR Distribuidora é de 62,5% dos acionistas e 37,5% da Petrobras. Em síntese, a Petrobras vendeu no varejo sem considerar a importância estratégica da subsidiária e até mesmo o preço pelo controle acionário.

17No que se refere à Gaspetro, a atual gestão atual da Petrobras já sinalizou o desejo de vender seus 51% de participação na subsidiária para a Mitsui e encerrar suas participações na distribuição de gás4. Finalmente, a Petrobras alienou a Liquigás, que era uma subsidiária integral da Petrobras e atuava no engarrafamento, distribuição e comercialização de gás liquefeito de petróleo (GLP) no Brasil. A empresa tinha uma rede de aproximadamente 4,8 mil revendedores autorizados e cerca de 21,4% do mercado. de GLP por ano e é a quinta maior empresa de GLP do Brasil e é ligada à Itaúsa, holding de investimentos ligadas ao banco Itaú. A Nacional Gás Butano é a empresa de energia do Grupo Edson Queiroz que atua na distribuição de GLP em todo o Brasil.

18Finalmente, vale ressaltar o anúncio de venda das refinarias por parte da Petrobras. De suas 13 refinarias, 8 foram colocadas à venda (considerando Unidade de Industrialização do Xisto -SIX) (cf. mapa 01). Excluindo a SIX, as outras 7 refinarias representam 53,11% da capacidade de refino de petróleo diário das refinarias da Petrobras. No quadro 02 pode ser visualizada a capacidade de refino das refinarias da Petrobras, inclusive daquelas colocadas à venda.

Quadro 02: Refinarias da Petrobras e sua capacidade de refino de petróleo diário*

Quadro 02: Refinarias da Petrobras e sua capacidade de refino de petróleo diário*

19O que chama a atenção nesse processo é que a Petrobras vem fazendo um movimento contrário ao de muitas outras petroleiras. Ela que se caracterizou por ser uma empresa integrada, indo do poço ao posto, agora vem se fragmentando. Colocando à venda ativos de todos os setores, inclusive ativos estratégicos como gasodutos que já foram vendidos e também as refinarias que estão à venda.

20O setor de refino integrado à produção de petróleo é extremamente estratégico para o controle de caixa operacional das petroleiras. Isso porque tendencialmente o lucro das petroleiras provem em maior parte do refino em cenários onde se tem uma queda do preço do petróleo bruto. A Petrobras por sua vez, vem agindo de maneira exatamente contrária a isso, pois, segundo sua atual gestão, a empresa busca se especializar na produção de óleo cru, ficando assim vulnerável as variações do preço internacional do petróleo. No processo de privatização da Petrobras destaca-se ainda o grande feirão feito em todas as bacias sedimentares do Brasil dos campos de produção e blocos exploratórios conforme apontam os mapas entre 02 a 12.

Mapa 02: Campos vendidos e infraestruturas vendidas e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Solimões

Mapa 02: Campos vendidos e infraestruturas vendidas e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Solimões

Mapa 03: Blocos exploratórios com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Pará-Maranhão

Mapa 03: Blocos exploratórios com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Pará-Maranhão

Mapa 05: Campos e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Ceará

Mapa 06: Campos e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Potiguar

Mapa 06: Campos e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Potiguar

Mapa 07: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Potiguar

Mapa 07: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Potiguar

Mapa 08: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras nas bacias Tucano do Sul, Recôncavo e Camanu-Almada

Mapa 08: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras nas bacias Tucano do Sul, Recôncavo e Camanu-Almada

Mapa 09: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Espírito Santo na porção terrestre

Mapa 09: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Espírito Santo na porção terrestre

Mapa 10: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Espírito Santo na porção marítima (offshore)

Mapa 10: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Espírito Santo na porção marítima (offshore)

Mapa 11: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras nas bacias de Campos e Santos

Mapa 11: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras nas bacias de Campos e Santos

Mapa 12: Blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia de Pelotas

21A leituras dos mapas (entre 02 e 12) possibilita identificar a localização de onde estão ocorrendo às vendas desses ativos de produção e exploração da Petrobras. O que mais chama a atenção é que essas vendas vêm representando a saída da Petrobras de muitas bacias como é o caso da Bacia de Pelotas e Pará-Maranhão onde todos os blocos foram colocados à venda. Praticamente todos os campos das Bacias do Ceará, Potiguar, Sergipe-Alagoas, Tucano do Sul, Espírito Santo e Camanu-Almada estão com anúncio de venda. Além disso, vale ressaltar que a grande maioria dos blocos exploratórios dessas bacias também está à venda. Até mesmo as bacias de Campos e Santos que concentram o maior volume de produção não escapam das alienações. Em Campos poços no pós-sal com alta produtividade como Marlim, Albacora, dentre outros, estão sendo vendidos. Em meio a isso, vale destacar que nas bacias Solimões, Potiguar, Espírito Santo, Campos e Santos já houve a concretização da venda de campos e blocos conforme apontam os mapas 02 a 12 e o quadro 03.

Quadro 03: Ativos de produção e exploração vendidos pela Petrobras entre 2018 e 2019

22A justificativa dada pela Petrobras para a venda da maior parte de seus campos nas bacias listadas acima consiste no fato de predominar nelas os chamados campos maduros que seriam campos onde a produção de petróleo já tenha começado a declinar. Entretanto chama a atenção o fato de que muitos dos campos já vendidos pela Petrobras são chamados de maduros e que existem petroleiras, inclusive multinacionais, que se interessam por esses campos, pois eles podem ter a vida útil prolongada em função de novos investimentos que possibilitariam assim a viabilidade produtiva deles. Entretanto, a Petrobras em sua gestão atual já sinalizou que irá priorizar a produção no pré-sal e que por causa disso não se interessa em investir na recuperação de campos maduros.

23Esse posicionamento da Petrobras pode ser identificado concretamente por dois aspectos. O primeiro em função da redução dos seus investimentos e o segundo pela redução da produção dos campos terrestres da empresa nas águas rasas (pós-sal) conforme aponta o gráfico 05.

Gráfico 05: Produção total de petróleo em terra, em águas rasas/pós-sal e pré-sal entre 2000 e 2019

Gráfico 05: Produção total de petróleo em terra, em águas rasas/pós-sal e pré-sal entre 2000 e 2019

Fonte: ANP (2000 2020).

  • 5 Mais informações sobre hibernação de ativos da Petrobras como estratégias de privatização podem ser (...)

24O gráfico 05 aponta a evolução da produção total de petróleo no Brasil onde a Petrobras é responsável por maior parte conforme demonstra o gráfico 01. De maneira geral, observando o gráfico 05 nota-se uma redução da produção terrestre e nos campos do pós-sal e águas rasas. Isso se deve dentre outras coisas, à redução dos volumes dos reservatórios dos campos, mas também pode estar associado à redução dos investimentos da Petrobras (principal operadora) nesses ativos, afinal, a queda mais acentuada dos campos de águas rasa e do pós-sal se inicia em 2010 e se intensifica após 2013 quando os investimentos da estatal são bruscamente reduzidos conforme aponta o gráfico 02. Vale ressaltar que muitos dos campos colocados à venda por parte da Petrobras estão com as atividades paralisadas em função do processo de hibernação dos ativos. A hibernação de acordo com a Petrobras se deve em parte à pandemia do COVID-19, entretanto, curiosamente todos os ativos hibernados foram colocados à venda5. Vale destacar que nesse movimento de privatização, principalmente dos campos, toda a infraestrutura (unidades de bombeiro, plataformas, estações coletoras, estações de compressão, dutos etc.) também é vendida.

25Em meio a esse “feirão da Petrobras”, a atual gestão da companhia vem se vangloriando dos lucros das empresas. Em 2019, por exemplo, o lucro líquido foi o maior já registrado na história da companhia, atingindo os 40,1 bilhões de reais. Entretanto, esse valor foi fortemente impulsionado pela venda de ativos.

26Por outro lado, vale destacar alterações também no controle acionário da Petrobras. Em 2018 os bancos estatais possuíam cerca de 13% das ações ordinárias da Petrobras (o BNDES possui 10% das ações ordinárias da Petrobras e a Caixa Econômica Federal possuía 3%) e a União possuía 51%. Agora em 2020, o BNDES e a Caixa abriram venderam suas participações e o controle acionário por parte da União se restringe a 50,26% das ações ordinárias.

  • 6 Ver mais em: https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2020/10/01/stf-decid (...)

27Em resumo, assiste-se atualmente à venda da Petrobras que se intensificou desde o golpe de 2015 quando as gestões da companhia deixaram de pensá-la como uma empresa de energia integrada e passaram simplesmente a fatiá-la em diversas ofertas ao setor privado. Esse golpe na Petrobras não é dado somente pelas suas gestões, mas também pelas mudanças das modalidades de leilões organizados pela Agência Nacional do Petróleo, pelas deliberações do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e até mesmo por julgamentos do Supremo Tribunal Federal6. Esse movimento tem ignorado toda história, toda tecnologia e todo o papel estratégico de uma empresa integrada de energia como a Petrobras para o desenvolvimento econômico e social do país.

Topo da página

Bibliografia

AEPET. NTS: Tragédia anunciada e responsabilidade. Disponível em: https://aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/2126nts-tragedia-anunciada-e-responsabilidade. 2018. Acesso em: 30 nov. 2020.

ANP. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Disponível em: Acesso em: 12 jan. 2019.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2002.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2003.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2004.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2005.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2006.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2007.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2008.

ANP. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2009.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2010.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2011.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2012.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2013.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2014.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2015.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2016.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2017.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2018.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2019.

ANP.Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo e do Gás Natural. Rio de Janeiro: ANP, 2020.

CAMPOS, Adriana Fiorotti. Indústria do petróleo: desdobramentos e novos rumos da reestruturação Sul-Americana dos anos 90. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Interciência, 2014.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2002.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2003.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2004.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2005.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2006.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2007.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2008.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2009.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2010.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2010.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2011.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2012.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2013.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2014.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2015.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2016.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2017.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2018.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2019.

PETROBRAS. Relatório anual de atividades. Rio de Janeiro, Petrobras, 2020.

PETROBRAS. Relações com Investidores: TEASERS. Disponível em: https://www.investidorpetrobras.com.br/resultados-e- comunicados/teasers/. Acesso em: 30 nov. 2020.

Topo da página

Notas

1 Projeto Geopolítica, Geoeconomia e paisagens da infraestrutura do petróleo na região costeira do Sudeste do Brasil aprovado para o EDITAL CNPq/FAPES Nº 06/2019 PROGRAMA DE APOIO A NÚCLEOS EMERGENTES – PRONEM para o período 20202023. Coordenador Cláudio Luiz Zanotelli.

2 A ANP foi criada juntamente com a lei 9.478/1997.

3 Disponível em: https://aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/2126-nts-tragedia-anunciada-e-responsabilidade Acesso em 30/11/2020.

4 Ver mais em: https://www.seudinheiro.com/2019/petrobras/petrobras-conversa-com-mitsuisobre-venda-de-participacao-na-gaspetro/. Acesso em 30/11/2020.

5 Mais informações sobre hibernação de ativos da Petrobras como estratégias de privatização podem ser visualizadas em: https://www.robertomoraes.com.br/search?q=hiberna%C3%A7%C3%A3o

6 Ver mais em: https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2020/10/01/stf-decide-liberar-privatizao-de-refinarias-da-petrobras.ghtml. Acesso em30/11/2020.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Gráfico 01: Produção das concessionárias que atuam na exploração de petróleo no Brasil de 2011 a 2019 em percentual
Créditos Fonte: ANP (2011 – 2020)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-1.png
Ficheiro image/png, 8,3k
Título Gráfico 02: Investimentos anuais da Petrobras nos diferentes segmentos
Créditos Fonte: Petrobras 2006 – 2018.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-2.png
Ficheiro image/png, 6,4k
Título Gráfico 03: Número de trabalhadores da Petrobras e de suas subsidiárias
Créditos Fonte: Petrobras 2001 – 2019.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-3.png
Ficheiro image/png, 10k
Título Gráfico 04: Número de trabalhadores terceirizados da Petrobras
Créditos Fonte: Petrobras 2004 – 2019.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-4.png
Ficheiro image/png, 10,0k
Título Quadro 01: Vendas das participações internacionais da Petrobras
Créditos Fonte: Notícias de jornais e site da Petrobras entre 2016 e 2020.
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 171k
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-7.png
Ficheiro image/png, 302k
Título Quadro 02: Refinarias da Petrobras e sua capacidade de refino de petróleo diário*
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-8.jpg
Ficheiro image/jpeg, 97k
Título Mapa 02: Campos vendidos e infraestruturas vendidas e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Solimões
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-9.jpg
Ficheiro image/jpeg, 183k
Título Mapa 03: Blocos exploratórios com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Pará-Maranhão
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-10.jpg
Ficheiro image/jpeg, 210k
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-12.png
Ficheiro image/png, 242k
Título Mapa 06: Campos e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Potiguar
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-13.jpg
Ficheiro image/jpeg, 249k
Título Mapa 07: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia Potiguar
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-14.jpg
Ficheiro image/jpeg, 263k
Título Mapa 08: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras nas bacias Tucano do Sul, Recôncavo e Camanu-Almada
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-15.jpg
Ficheiro image/jpeg, 311k
Título Mapa 09: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Espírito Santo na porção terrestre
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-16.jpg
Ficheiro image/jpeg, 250k
Título Mapa 10: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras na bacia do Espírito Santo na porção marítima (offshore)
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-17.jpg
Ficheiro image/jpeg, 240k
Título Mapa 11: Campos, blocos exploratórios e infraestruturas vendidos e com anúncio de venda pela Petrobras nas bacias de Campos e Santos
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-18.jpg
Ficheiro image/jpeg, 346k
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-20.png
Ficheiro image/png, 257k
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-22.png
Ficheiro image/png, 519k
Título Gráfico 05: Produção total de petróleo em terra, em águas rasas/pós-sal e pré-sal entre 2000 e 2019
Créditos Fonte: ANP (2000 2020).
URL http://journals.openedition.org/geografares/docannexe/image/886/img-23.png
Ficheiro image/png, 21k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Francismar Cunha Ferreira, «A privatização da Petrobras»Geografares [Online], 31 | 2020, posto online no dia 17 dezembro 2020, consultado o 28 outubro 2021. URL: http://journals.openedition.org/geografares/886

Topo da página

Autor

Francismar Cunha Ferreira

Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFES Laboratório de Estudos Urbano-regionais, das Paisagens e dos Territórios
francismar.cunha@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Geografares est mise à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale 4.0 International.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search