Skip to navigation – Site map

HomeNuméros9Filomena Barros, de boa memória

Filomena Barros, de boa memória

Fernando Branco Correia and Isabel Cristina F. Fernandes

Full text

1A gargalhada – estrondosa, contagiante. A inteligência – fina, perspicaz, fecunda. O humor – espontâneo, desconcertante.

2Se pretendemos desenhar o perfil de Filomena Barros, comecemos por aqui. É isso que, em primeiro lugar, está nas nossas cabeças quando a pensamos, quando sentimos aquele vazio que nos deixam as pessoas que contam.

3Muitos outros atributos se lhe podiam adicionar, como pessoa, como mulher, como amiga e colega, mas esses deixamo-los à guarda de cada um dos que com ela privaram e partilharam pedaços da sua vida, envolta em não poucas atribulações, só disfarçáveis pela capacidade de nos fazer crer que tudo estava bem.

4Maria Filomena Lopes de Barros, geralmente conhecida como Filomena Barros, nasceu em Lisboa em 23 de Maio de 1958. Lisboa foi a cidade da sua infância, da sua formação escolar e da fase inicial da sua formação académica.

5Frequentou, a partir de 1976, o curso de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, uma formação que então durava cinco anos. Nas conversas com os colegas já se revelava o seu interesse pelo estudo da comunidade de “mouros forros”, uma minoria étnico-religiosa do Portugal Medieval quase ignorada até então. Havia trabalhos académicos profundos sobre a comunidade judaica, mas o mesmo não se poderia dizer sobre os “mouros forros” ou mudéjares – para utilizar a designação mais habitual a nível internacional.

6Paralelamente, frequentou Língua Árabe, com Pedro Cunha Serra. Durante e após a sua formação universitária participou em escavações arqueológicas em sítios como Cerro da Vila (com José Luís de Matos) e Mértola (com Cláudio Torres), onde se escavavam contextos arqueológicos do al-Andalus, o que a aproximava, por via da cultura material, do conhecimento da presença de muçulmanos em solo peninsular.

7Nos anos oitenta, numa época em que não havia ainda mecanismos de mobilidade entre académicos, e conseguindo contornar a necessidade de cuidar de uma irmã com limitações profundas, Filomena Barros rumou a Madrid e inscreveu-se na Universidade Complutense, no Departamento de Estudos Árabes, para uma segunda formação. Foi aluna de grandes arabistas espanhóis, como María de Jesús Viguera, Fernando de la Granja y Pedro Chalmeta. Enquanto está em Espanha, estabelece contactos com o CSIC (Consejo Superior de Investigaciones Científicas), aproximando-se de investigadoras como Manuela Marín e Mercedes GarcíaArenal. Manteve, com todos eles, um relacionamento pessoal e científico muito estreito.

8Sem capacidade, ao nível da gestão da sua vida familiar, nem ajudas oficiais para se manter em Madrid, regressa a Lisboa, sobrevivendo como professora de História no ensino básico público. Porém, não abandona a esperança de trabalhar no que mais lhe interessa e inscreve-se no mestrado em História Medieval, na Universidade do Porto. Aplica todo o seu esforço financeiro nas repetidas viagens entre Lisboa e o Porto e defende, nesta cidade, em 1993, uma tese de mestrado que inaugura uma nova época: A Comuna Muçulmana de Lisboa nos séculos XIV-XV, publicada em 1998.

9Este trabalho académico e a publicação, pouco antes, de “As Comunas muçulmanas em Portugal (subsídios para o seu estudo)”, na Revista da Faculdade de Letras, no Porto, foram fundamentais para se afirmar no meio académico nacional e para a definição da sua principal linha de investigação.

10Pouco tempo depois, inicia investigação para doutoramento, sob orientação de A. H. de Oliveira Marques e Adel Sidarus, defendendo a sua dissertação em 2004, na Universidade de Évora, com o título Tempos e Espaços de Mouros. A Minoria Muçulmana no Reino Português (Séculos XII a XV), publicada em Lisboa, pelas FCG/ FCT, em 2007.

11Filomena Barros afirma-se, desde então, como referência obrigatória e incontornável num tema normalmente ignorado pela historiografia e participa de forma cada vez mais intensa em reuniões científicas sobre a Idade Média e, mais especificamente, sobre os muçulmanos enquanto minoria nos reinos hispânicos. Gradualmente, alargou os seus interesses a determinados aspectos das sociedades islamizadas, abordando questões relacionadas com mouriscos e dedicando-se igualmente ao estudo da minoria judaica.

12Entretanto, começara a leccionar na Universidade de Évora em 2004, conciliando o ensino universitário e a investigação. Colaborou activamente em várias propostas para renovar o curso de História, incluindo a proposta para criação de uma Variante em Estudos Árabes-Islâmicos. Deu início à leccionação de Islamologia, criando uma disciplina para o estudo de minorias étnico-religiosas no curriculum académico e leccionou Techniques du Monde Arabe num Master Mundus instalado na Universidade de Évora.

13As relações legais das minorias religiosas com a maioria cristã, seja a nível do poder régio ou dos poderes municipais cristãos, levaram-na a interessar-se e a estudar profundamente as posturas municipais e todo o ordenamento jurídico, sobretudo a legislação geral do reino, que enquadra a minoria mudéjar, interessando-se também pela comunidade judaica. Ao dedicar-se às dinâmicas sociais dessas minorias, acabou por ocupar-se igualmente do estudo da situação particular das mulheres dessas comunidades.

14Publicou, em colaboração, livros relevantes, onde se percebe como o seu interesse inicial pelo mudéjar a levou a abraçar outras temáticas próximas. Em 2008, editou, com J. Hinojosa Montalvo, Minorias étnico-religiosas na Península Ibérica; com H. Vilar, Categorias sociais e mobilidade urbana na Baixa Idade Média. (Évora, 2012). Co-editou, com J. Tavim e L. Mucznik, a obra In the Iberian Peninsula and Beyond: A History of Jews and Muslims (15th-17th Centuries), publicada pela Cambridge S. P. em 2015 (2 vols.). Filomena Barros tem várias contribuições em Christian-Muslim Relations. A Bibliographical History, onde estuda figuras como António Tenreiro, Álvaro Pais, bem como o Livro da Corte Imperial (Brill, 2012, 2013 e 2014), em 2018, em colaboração com L. Silva Santos, edita O Livro das Posturas Antigas da cidade de Évora e, postumamente, Forms of unfreedom in the Medieval Mediterranean com Clara Almagro Vidal (2021).

15Colaborou em numerosas obras de referência, sendo sua a autoria de capítulos importantes que, em muitos casos, resultam da participação em congressos internacionais. Entre os muitos que publicou, destacam-se: de 2005, o estudo “Mouros da Terra e Terra de Mouros”, em Muçulmanos e Cristãos entre o Tejo e o Douro (sécs. VIII a XIII), coord. M. J. Barroca e I. C. Fernandes, GEsOS–CMP / FLUP; "Las élites mudéjares del reino portugués", inserido nos Estudios onomástico-biográficos de al-Andalus XV), 101132, Madrid, CSIC, 2008; "La primera expulsión de los musulmanes de la Península Ibérica: el caso portugués", em Los Moriscos y su Legado – desde ésta y otras laderas, publicado em Casablanca, em 2010; em 2011, é de sua autoria o ensaio "Ethno-Religious Minorities", em The Historiography of Medieval Portugal (c.1950-2010), dirigido por José Mattoso; do mesmo ano, o estudo “Mudejaren in Portugal: Identität und Akkulturation”, em Integration, Segregation, Vertreibung: Religiöse Minderheiten und Randgruppenauf der Iberischen Halbinsel, coordenado por Klaus Herbers e Nikolas Jaspert, LIT, Berlim; o tema dos Mouriscos é abordado em "Passar as fronteiras religiosas: renegados e mouriscos na Lisboa do séc. XVI", em África, Portugal e Brasil. Trajetórias, memórias e identidades / L’Afrique, le Portugal et le Brésil. Trajectoires, mémoires et identités, publicado em Rabat, em 2013; no ano seguinte, publica "Les musulmans portugais: la justice entre la normativité chrétienne et la normativité islamique", em Religious cohabitation in European towns (10th-15th centuries)/ La cohabitation religieuse dans les villes Européennes, Xe  Xve siècles, ed. S. Boissellier e J. Tolan, por Brepols; em 2015 publica "Conviver na Cidade: muçulmanos na Mouraria de Lisboa nos séculos XV e XVI", em Formes de convivência a la Baixa Edat Mitjana, editado por F. Sabaté, em Lleida e, nesse mesmo ano, “Muslims in the Portuguese Kingdom: Between Permanence and Diaspora”, em The Iberia Peninsula and Beyond. A History of Jews and Muslims (15th-17th Centuries), coeditora, com J. Tavim e L. Mucznick, publicado por Cambridge Scholars Publishing; ainda em 2015, o seu estudo “Mouros e Guerra Santa na produção do Mosteiro de S. Vicente de Fora: o Indiculum e a Crónica da tomada desta cidade de Lisboa aos mouros e da fundação deste Mosteiro de S. Vicente” integra a obra Cristãos contra Muçulmanos na Idade Média Peninsular: bases ideológicas e doutrinais de um confronto (Sécs. X-XIV), coord. de C. de Ayala Martínez e I. C. Fernandes, Lisboa, Edições Colibri – Universidad Autónoma de Madrid; escreve sobre "Cultura tabeliónica e língua: a propósito de uma kettubá da Biblioteca Pública de Évora", que publica em Os Judeus na Península Ibérica durante a Idade Média: análise das suas fontes, editora em colaboração com José Tavim; L. Mucznick e Ana Ferreira, Coimbra, em 2018; no ano de 2019 publica "In the name of the minorities: Lisbon’s Muslims as emissaries from the King of Portugal to the Sultan of Egypt", na obra Mamluk Cairo, A Crossroads for Embassies: Studies on Diplomacy and Diplomatics, ed. F. Bauden e Malika Dekkiche, Brill e, em 2020, vêem a luz dois outros importantes trabalhos: "Muslims and Jews in Medieval Portugal: Interaction and Negotiation (Fourteenth – Fifteenth Centuries", publicado em Minorities in Contact in the Medieval Mediterranean, com edição de Clara Almagro, J. Tearney-Pearce e Luke Yarbrough, Brepols e "Living as Muslims Under Christian Rule", contribuição para The Routledge Handbook of Muslim Iberia, ed. Maribel Fierro, Routledge; com previsão de publicação no corrente ano (2023), o estudo “Oleiros muçulmanos depois da conquista de Lisboa”, correspondente a uma das suas derradeiras participações presenciais, as Jornadas Terra, Pedras e Cacos do Garb al-Andalus (organização Grupo CIGA e Município de Palmela), em Janeiro de 2020, pouco antes da eclosão da pandemia COVID-19.

16Publicou artigos em vários dicionários: Dicionário da História de Lisboa (1994), Dicionário de História Religiosa de Portugal (2001) e no Dicionário do Judaísmo Português (2009).

17Em estudos regionais, mas nem por isso menos relevantes, deu também o seu contributo, de que é exemplo o seu texto sobre o “Foral dos Mouros Forros de Lisboa, Almada, Palmela e Alcácer, de 1170”, no livro Os Forais de Palmela. Estudo Crítico, editado pelo Município de Palmela em 2005, com uma abordagem inovadora, incomum em trabalhos deste âmbito. Retomou o tema num dos últimos textos que redigiu e coordenou, com Maria Teresa Lopes Pereira, e que as Edições Almedina editaram em 2021: Um Olhar sobre Alcácer do Sal a partir dos três forais de 1170, 1218 e 1516 e breves apontamentos de uma história mais recente. Em 2016, no seguimento das Conferências da Guarda realizadas no ano precedente – Diálogos e Conflitos. Relações entre Cristãos e Judeus na Idade Média, é editado o seu texto “Judeus, Cristãos e Muçulmanos no Portugal Medieval”, na revista Praça Velha, n.º 36.

18Os artigos publicados em revistas são numerosos, como Olisipo 8 (1999), Olisipo 17(2002), Estudos Judaicos 6 (2002), Arqueologia Medieval 6 (1999); Arqueologia Medieval 7 (2001); Ler História 40 (2001): 7–42; Patrimonia 6 (2001); Cadernos Históricos III (1991); Revista da Faculdade de Letras, n.º 7 (Porto, 1990); Revista de Ciências Históricas, n.º 3 (1988). Tem aportações científicas em revistas acessíveis electronicamente, como a Portuguese Studies (2005), a eHumanista (2020) e o eJournal of Portuguese History (2015), além da revista Hamsa – de que se falará mais adiante.

19Foi frequentemente solicitada a publicar textos em catálogos de exposições, de que se destacam: "Mouros e Mourarias", em Portugal Islâmico. Os Últimos Sinais do Mediterrâneo, catálogo de exposição organizada no Museu Nacional de Arqueologia, em 1998; “Os mouros de Santarém: a comuna e os espaços”, em Santarém e o Magreb: Encontro Secular (970-1578), publicado em 2004; "Migraciones y éxodos de población", no catálogo Ibn Jaldún. El Mediterráneo en el siglo XIV. Auge y decline de los Imperios, Sevilla, Fundación El Legado Andalusí – Fundación José Manuel Lara, 2006; “Ordenar o povoamento e a vizinhança: muçulmanos, cristãos e judeus”, no catálogo Loulé: Territórios, Memórias, Identidades, correspondente à exposição que teve lugar, em 2017, no Museu Nacional de Arqueologia; e o texto "Identificação de um país: A vivência muçulmana sob domínio cristão", integrado no catálogo Guerreiros e Mártires. A cristandade e o Islão na formação de Portugal, publicado pelo Museu Nacional de Arte Antiga, em 2020.

20Traduziu, em 2004, do francês, a obra de Ahmed Boucharb, Os Pseudo-Mouriscos de Portugal no Séc. XVI. A solo ou, por vezes, em conjunto com colegas, participou e coorganizou cursos livres na Universidade de Évora (com o primeiro autor destas linhas).

21Em Palmela, no âmbito de colaborações entre o CIDEHUS e o GEsOS-CMP (com a co-autora deste texto), coordenou uma acção de formação sobre Muçulmanos e Cristãos no Território Português entre os Séculos VIII e XIII, em maio de 2012, e foi responsável pela orientação científica do 15.º Curso sobre Ordens Militares - Judeus e Muçulmanos em Terras das Ordens Militares. Períodos Medieval e Moderno, que decorreu em Palmela, a 11 e 12 de Março de 2017 e que incluiu uma visita de estudo memorável à Mouraria de Lisboa.

22Os seus conhecimentos na área científica de eleição, a capacidade de expressão oral e o entusiasmo que incutia às intervenções, geravam solicitações constantes para contribuir em conferências nacionais e internacionais, que na maior parte dos casos se faziam através de comunicações, posteriormente publicadas.

23A participação em debates foi igualmente numerosa, tanto nos destinados a estudantes, como à sociedade civil, bem como a apresentação de obras sobre as temáticas que dominava e a coordenação de actividades científicas e culturais.

24Filomena Barros esteve envolvida em vários projectos de investigação, nos últimos anos. Além de Investigadora Principal no projecto Muslims and Jews in Portugal and the Diaspora: Identities and Memories (Sécs. XVI-XVII), sediado na Universidade de Évora, participava nos projectos RESISTANCE - Rebelion and resistance in the IberianEmpires, 16th-19th (através do CIDEHUS), TRANSCULTURA: História, Arqueologia e Antropo-biogeoquímica da população medieval em Portugal (sécs. X-XIV). Cultura, identidades e interculturalidade descodificadas pelo estudo da dieta e da mobilidade e no projectoMEDCRAFTS - Regulamentação dos mesteres em Portugal nos finais da Idade Média: séculos XIV e XV (Universidade do Minho).

25Coorganizou e participou no Mestrado História do Mediterrâneo Islâmico e Medieval, uma parceria da Universidade de Évora com o Campo Arqueológico de Mértola, a Universidade de Lisboa e a Universidade do Algarve. Leccionou, igualmente, na Universidade Lusófona de Lisboa, na área de Ciências das Religiões e no programa interuniversitário de Doutoramentos PIUDHist.

26Foi convidada para participar em inúmeros seminários e jornadas internacionais, em Portugal, Espanha, Reino Unido, Alemanha, Polónia, Itália, França, Países Baixos, Marrocos, Chile e Brasil.

27Esteve presente em numerosos júris de teses de mestrado e de doutoramento, em Portugal e Espanha. Orientou dissertações de mestrado e de doutoramento e participou na organização de diversos seminários e jornadas internacionais, sobretudo em Portugal, nos quais deu a conhecer a investigação em curso por colegas especialistas de outros países. Apoiou, desde a primeira hora, as iniciativas de ICYRMA - International Congress of Young Researchers in Middle Ages, de cujo comité científico fez parte.

28Era membro de diversas associações científicas, como a Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais (SPEM), a Associação Portuguesa de Estudos Judaicos, a Associação Portuguesa de História Económica e Social (APHES) e a Associação Portuguesa dos Professores de História (APH). Nos últimos anos era comum participar em actividades da Society for Sefardic Studies e da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos (APEJ).

29Participou em vários programas na rádio e na televisão por vezes com colegas – sobre questões que envolviam minorias em contexto europeu medieval, mas também sobre os desafios que se colocam no mundo contemporâneo e aindasobre a situação particular das mulheres das minorias étnico-religiosas.

30À revista Hamsa dedicou-se de corpo e alma nos últimos tempos, começando do zero, em parceria com José Tavim. No primeiro número, de 2014, Filomena Barros e José Tavim falam no seu objecto em criar um “virtual multidisciplinary space”. Filomena Barros, contando com o apoio total das direcções do CIDEHUS e o apoio técnico de M. Vaz Freire, aplicou grande parte das suas energias neste projecto, que atraiu importantes investigadores de todo o mundo, fazendo desta revista uma plataforma incontornável para o avanço do conhecimento e da ciência no campo dos estudos judaicos e islâmicos.

31Filomena Barros deixa muitos amigos, criados da facilidade com que estabelecia relações e as conservava, quando ajuizava do seu valor. Acarinhava-os e frequentemente lhes abria as portas de sua casa, seja para convívios pontuais, seja para estadias de investigação e lazer. Centrava-se no essencial da vida, naquilo que lhe dava maior felicidade: a constância do amor por esses outros (gatos incluídos), um amor descontraído, mas alimentado, a desvairada vontade de investigar e criar conhecimento, a transmissão aos mais jovens da paixão pelo saber, o desprezo pelo acessório trivial.

32Dela fica um legado humano e científico indelével, com marca própria, que não será esquecido.

Top of page

Bibliography

"O conflito entre o Mosteiro de Chelas e Mafamede Ratinho, o moço, mouro forro de Santarém (1463-1465)", Revista de Ciências Históricas, 3 (1988), pp. 239–244.

“As Comunas muçulmanas em Portugal (subsídios para o seu estudo)”, Revista da Faculdade de Letras, 7–1 (1990), pp. 85–100.

"As comunas muçulmanas em Portugal - subsídios para o seu estudo". Revista da Faculdade de Letras, 7 (1990), pp. 85–100.

"As mourarias portuguesas no período da expansão". Cadernos Históricos, III (1991), pp. 33–38.

"Mouraria (sécs. XII a XV)”, Dicionário da História de Lisboa, ed. Francisco Gingeira Santana e Eduardo Sucena, Lisboa, Carlos Quintas e Associados, 1994, pp. 590–592.

"Mouros e Mourarias", em Portugal Islâmico. Os Últimos Sinais do Mediterrâneo, Lisboa, Museu Nacional de Arqueologia, 1998; pp. 289–294.

A Comuna Muçulmana de Lisboa nos séculos XIV-XV, Portugal: Hugin. 1998.

A Rua de Benfica da Mouraria (actual Rua do Benformoso) – sécs. XIV-XVI”, Olisipo, II série, 8, (Maio de 1999), pp. 28–38.

“A comuna muçulmana de Lisboa: paradigma institucional”, Arqueologia medieval, 7 (2001), pp. 243–247.

“A mouraria medieval de Lisboa”, Patrimonia, 6 (Janeiro–Abril de 2001), pp. 22–26.

(com Filipe Themudo Barata, Fernando Branco Correia, Hermenegildo Fernandes, Manuela Santos Silva, Hermínia Vasconcelos Vilar) “Elites sociais e apropriação do espaço no além-tejo na idade média”, Ler história, 40 (2001), (Número Monográfico Terras do sul: etnografia e história social), pp. 7–42.

“Mouros”, Dicionário de História Religiosa de Portugal, [vol. III], Lisboa, Círculo de Leitores, 2001, pp. 279–284.

“Moçárabes”, Dicionário de História Religiosa de Portugal, [vol. III], Lisboa, Círculo de Leitores, 2001, pp. 246–249.

“Exploração agrícola muçulmana no termo de Lisboa”, Olisipo, II série, 17 (Julho/Dezembro 2002), pp. 39–45.

"Idade Média: o tempo da coexistência", Estudos Judaicos, 6 (2002), pp. 611.

(tradução ao Português) Ahmed Boucharb, Os Pseudo-Mouriscos de Portugal no Séc. XVI. Estudo de uma especificidade a partir das fontes inquisitoriais, Lisboa: Hugin. 2004.

“Os mouros de Santarém: a comuna e os espaços”, Santarém e o Magreb: Encontro Secular (970-1578), Santarém, Câmara Municipal de Santarém, 2004, pp. 60–67.

“Mouros da Terra e Terra de Mouros”, em Muçulmanos e Cristãos entre o Tejo e o Douro (sécs. VIII a XIII), coord. M. J. Barroca e I. C. Fernandes, Porto, GEsOS–CMP / FLUP, 2005, pp. 167–172.

"Body, baths and cloth: Muslim and Christian perceptions in medieval Portugal". Portuguese Studies, 21–1 (2005), pp. 1–12.

“Foral dos Mouros Forros de Lisboa, Almada, Palmela e Alcácer”, Os Forais de Palmela, Estudo Crítico, Palmela, Câmara Municipal de Palmela, 2005, pp. 15–45.

"Migraciones y éxodos de población", catálogo Ibn Jaldún. El Mediterráneo en el siglo XIV. Auge y decline de los Imperios, Sevilla, Fundación El Legado Andalusí – Fundación José Manuel Lara, 2006, pp. 258–265.

Tempos e Espaços de Mouros. A Minoria Muçulmana no Reino Português (Séculos XII a XV), Lisboa, FCG/ FCT, 2007.

(com J. Hinojosa Montalvo), Minorias étnico-religiosas na Península Ibérica, falta lugar y año, Lisboa, Ed. Colibri CIDEHUS/EU – Universidad de Alicante, 2008.

"Las élites mudéjares del reino portugués", Biografías mudéjares o La experiencia de ser minoría: biografías islámicas en la España cristiana, coord. por Ana Echevarria Arsuaga (Estudios onomástico-biográficos de al-Andalus XV), Madrid, CSIC, 2008; pp. 101–132.

“Santarém”, Dicionário do Judaísmo Português, coord. Lúcia Liba Mucznik, José Alberto R. S. Tavim, Esther Mucznik e Elvira Azevedo Mea, Lisboa, Presença, 2009, p. 489.

"Al-Gharb Al-Andalus”, Dicionário do Judaísmo Português, ed. por Lúcia Liba Mucznik; José Alberto R. S. Tavim; Esther Mucznik e Elvira Azevedo Mea. Presença, 2009, pp. 34–35.

"Espanha”, Dicionário do Judaísmo Português, ed. por Lúcia Liba Mucznik; José Alberto R. S. Tavim; Esther Mucznik e Elvira Azevedo Mea. Presença, 2009, pp. 218–219.

"Corte, Judeus de”, Dicionário do Judaísmo Português, coord. Lúcia Liba Mucznik, José Alberto R. S. Tavim, Esther Mucznik e Elvira Azevedo Mea, Lisboa, Presença, 2009, pp. 179–180.

"Lisboa (Época Medieval e Moderna)”, Dicionário do Judaísmo Português, coord. Lúcia Liba Mucznik, José Alberto R. S. Tavim, Esther Mucznik e ElviraAzevedo Mea, Lisboa, Presença, 2009, pp. 314–317.

"Mouros Forros (Relações com Judeus)", Dicionário do Judaísmo Português, coord. Lúcia Liba Mucznik, José Alberto R. S. Tavim, Esther Mucznik e ElviraAzevedo Mea, Lisboa, Presença, 2009, pp. 374–337.

“La primera expulsión de los musulmanes de la Península Ibérica: el caso portugués”, Los Moriscos y su Legado desde ésta y otras laderas, coord. Fatiha Benlabbah e Achouak Chalka, Rabat, Instituto de Estudios Hispano-Luso, Facultad de Letras y Ciencias Humanas Ben Msik – Casablanca, 2010, pp. 54–67.

"Ethno-Religious Minorities", The Historiography of Medieval Portugal (c.1950-2010), dirigido por José Mattoso, Lisboa, Portugal: Instituto de Estudos Medievais, 2011, pp. 571–590.

“Mudejaren in Portugal: Identität und Akkulturation”, Integration, Segregation, Vertreibung: Religiöse Minderheiten und Randgruppenauf der Iberischen Halbinsel, coord. de Klaus Herbers e Nikolas Jaspert, Berlim, LIT, 2011, pp. 213–230.

(com H. Vilar), Categorias sociais e mobilidade urbana na Baixa Idade Média. Évora, Universidade de Évora, 2012.

"Les musulmans portugais: la justice entre la normativité chrétienne et la normativité islamique", Religious cohabitation in European towns (10th-15th centuries) / La cohabitation religieuse dans les villes Européennes, Xe – Xve siècles, ed. S. Boissellier & J. Tolan, Turnhout, Brepols, 2012, pp. 207–222.

“Álvaro Pais", Christian-Muslim Relations. A Bibliographical History, ed. by David Thomas e Alex Mallet. Leiden, Brill, 2012.

"Corte Imperial”/ “O Livro da Corte Imperial”/ “The book of ‘Imperial Court”, Christian-Muslim Relations. A Bibliographical History, Volume 5 (1300-1500), ed. David Thomas and Alex Mallet, with Juan Pedro Monferrer Sala et alii, Leiden Brill, 2013, pp. 263–267.

"Passar as fronteiras religiosas: renegados e mouriscos na Lisboa do séc. XVI", África, Portugal e Brasil. Trajetórias, memórias e identidades / L’Afrique, le Portugal et le Brésil. Trajectoires, mémoires et identités, Rabat, Université Mohammed V – Institut des Etudes Hispano-Lusophones, 2013, pp. 235–238.

“Francisca Lopes, uma mourisca no Portugal do século XVI: sociabilidade, solidariedades e identidade”, Lusitania Sacra: revista do Centro de Estudos de Historia Religiosa, 27 (2013), pp. 35–58.

“António Tenreiro”, in Christian-Muslim Relations. A Bibliographical History, Volume 6 (1500–1600), ed. David Thomas and John Chesworth, with John Azumah et alii, Leiden, Brill, 2014, pp. 339–345.

(com José Alberto Rodrigues da Silva Tavim), “Editorial”, Hamsa: Journal of Judaic and Islamic Studies 1 (2014), https://journals.openedition.org/hamsa/862

“From the history of Muslims to Muslims in History: Some critical notes on “Arab-Islamic Studies” in Portugal”, Hamsa: Journal of Judaic and Islamic Studies 1 (2014), http://journals.openedition.org/hamsa/876

(com J. Tavim e L. Mucznik) In the Iberian Peninsula and Beyond: A History of Jews and Muslims (15th-17th Centuries), Cambridge: Cambridge University Press, 2015 (2 vols.).

“Muslims in the Portuguese Kingdom: Between Permanence and Diaspora”, The Iberian Peninsula and Beyond. A History of Jews and Muslims (15th-17th Centuries), ed. de F. Barros, J. Tavim e L. Mucznick, Cambridge, Cambridge Scholars Publishing, 2015, Vol. 1, pp. 64–85.

“Mouros e Guerra Santa na produção do Mosteiro de S. Vicente de Fora: o Indiculum e a Crónica da tomada desta cidade de Lisboa aos mouros e da fundação deste Mosteiro de S. Vicente”, Cristãos contra Muçulmanos na Idade Média Peninsular: bases ideológicas e doutrinais de um confronto (Sécs. X-XIV), coord. de Carlos de Ayala Martínez e Isabel Cristina Fernandes, Lisboa, Edições Colibri – Universidad Autónoma de Madrid, 2015, pp. 397–413.

"Conviver na Cidade: muçulmanos na Mouraria de Lisboa nos séculos XV e XVI", Formes de convivência a la Baixa Edat Mitjana, ed. por F. Sabaté, Lleida, Pagès Editors, 2015, pp. 127–142.

“The Muslim Minority in the Portuguese Kingdom (1170-1496): Identity and Writing”, e-Journal of Portuguese History 13 (2015), https://www.brown.edu/Departments/Portuguese_Brazilian_Studies/ejph/html/issue26/html/v13n2a02.html

“Judeus, Cristãos e Muçulmanos no Portugal Medieval”, Praça Velha. Revista Cultural da Cidade da Guarda, 36 (2016): 37–54.

“Ordenar o povoamento e a vizinhança: muçulmanos, cristãos e judeus”, catálogo Loulé: Territórios, Memórias, Identidades, Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia, 2017, pp. 590–597.

“Ordenar o povoamento e a vizinhança: muçulmanos, cristãos e judeus”, catálogo Loulé: Territórios, Memórias, Identidades, Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia, 2017, pp. 590–597.

“A ketubbá, in Portuguese, from the Jews of Lisbon (15th century)”, Hamsa: Journal of Judaic and Islamic Studies 4 (2018), http://journals.openedition.org/hamsa/514

(ed. com L. Silva Santos), O Livro das Posturas Antigas da cidade de Évora, Évora, Universidade de Évora, 2018.

(com José Tavim; L. Mucznick e Ana Ferreira) Os Judeus na Península Ibérica durante a Idade Média: análise das suas fontes, Coimbra, Almedina, 2018.

"Cultura tabeliónica e língua: a propósito de uma kettubá da Biblioteca Pública de Évora”, Os Judeus na Península Ibérica durante a Idade Média: análise das suas fontes, ed. Filomena Barros, José Tavim; L. Mucznick e Ana Ferreira, Coimbra, Almedina, 2018, pp. 161–178.

(com Maria de Castro e José Alberto Tavim), “Muçulmanos e árabes num espaço plural – uma perspetiva multidisciplinar”, Hamsa: Journal of Judaic and Islamic Studies 5 (2019) http://journals.openedition.org/hamsa/337

"In the name of the minorities: Lisbon’s Muslims as emissaries from the King of Portugal to the Sultan of Egypt", na obra Mamluk Cairo, A Crossroads for Embassies: Studies on Diplomacy and Diplomatics, ed. de F. Bauden e Malika Dekkiche, Leiden, Brill, 2019, pp. 711–724.

“Muslims and Jews in Medieval Portugal: Interaction and Negotiation (Fourteenth – Fifteenth Centuries", Minorities in Contact in the Medieval Mediterranean, ed. de Clara Almagro, Jessica Tearney-Pearce e Luke Yarbrough, Turnhout: Brepols, 2020, pp. 351–369.

"Living as Muslims Under Christian Rule", The Routledge Handbook of Muslim Iberia, ed. Maribel Fierro, London: Routledge, 2020, pp. 535–551.

“Muçulmanos e judeus: as comunas no Sul de Portugal". eHumanista/Conversos 8 (2020), pp. 1–21.

"Identificação de um país: A vivência muçulmana sob domínio cristão", catálogo Guerreiros e Mártires. A cristandade e o Islão na formação de Portugal, ed. de Joaquim Oliveira Caetano e Santiago Macias, Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga-Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2020, pp. 124–131.

(com Maria Teresa Lopes Pereira) Um Olhar sobre Alcácer do Sal a partir dos três forais de 1170, 1218 e 1516 e breves apontamentos de uma história mais recente, Coimbra, Almedina, 2021.

(com José Alberto Tavim) “Mobilities and Communities between North Africa and Portugal: Muslims and Jews in the Medieval and Early Modern Ages”, Ler história, 78 (2021), pp. 17–38.

(com Clara Almagro Vidal) Forms of unfreedom in the Medieval Mediterranean, Évora: CIDEHUS-UE, 2021.

Oleiros muçulmanos depois da conquista de Lisboa”, Jornadas Terra, Pedras e Cacos do Garb al-Andalus (em prelo).

Top of page

References

Electronic reference

Fernando Branco Correia and Isabel Cristina F. Fernandes, Filomena Barros, de boa memóriaHamsa [Online], 9 | 2023, Online since 19 November 2023, connection on 12 June 2024. URL: http://journals.openedition.org/hamsa/3909; DOI: https://doi.org/10.4000/hamsa.3909

Top of page

Copyright

CC-BY-NC-ND-4.0

The text only may be used under licence CC BY-NC-ND 4.0. All other elements (illustrations, imported files) are “All rights reserved”, unless otherwise stated.

Top of page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search