Skip to navigation – Site map

HomeNuméros9Contribuições ao estudo da famíli...

Contribuições ao estudo da família judaica Tahuell (Valência, ss. XIII–XIV)

José Hinojosa Montalvo

Abstracts

As part of our objective of recovering the memory of the most prominent Jewish families in the kingdom of Valencia, which I undertook a few years ago (Suxén, Toledano), I focus this work on the Tahuell family. The destruction of the Jewish quarter of Valencia in 1391 led to the conversion of most of its members, who adopted the surname Artés. The Tahuells were one of the notable lineages of the Valencia aljama, holding positions in it, which they reconciled with their professions as doctors, brokers, moneylenders, or artisans, that of all of them were in the lineage.

Top of page

Full text

1. Introdução

  • 1 R. I. Burns. Colonialisme medieval; R. I Burns,. Els fonaments…; E. Belenguer Cebrià, Jaime I…; J. (...)

1A conquista de Sharq al-Andalus (1232–1245) por Jaime I, rei de Aragão, conduziu à incorporação destes territórios no cristianismo ocidental e às novas formas socioeconómicas feudais, bem como à criação do novo reino de Valência, inserido no quadro político da Coroa de Aragão.1 A elas também se acomodaram os judeus, tanto os que continuaram residindo desde a fase anterior quanto os que chegaram com os colonos cristãos.

  • 2 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…; J. Hinojosa Montalvo, Judíos y juderías…
  • 3 Y. Tov Assis, The Golden Age…

2A ampla gama de privilégios e privilégios oferecidos por Jaime I atraiu numerosos imigrantes judeus da Catalunha e de Aragão, que se instalaram nas principais vilas do reino, num total de 27 vilas, onde a função estratégica ou comercial era importante, embora algumas das pequenas comunidades desaparecessem com o tempo.2 Jaime I e seus sucessores concederam aos judeus valencianos em 1239 e 1244 os mesmos direitos que os das aljamas de Zaragoza e Barcelona, o que foi um sinal inequívoco do desejo de criar uma comunidade judaica forte e desenvolvida. A Coroa, os nobres e até a própria Igreja precisavam de homens capazes, habilidosos, num território ainda povoado por uma maioria muçulmana. E os judeus eram-no em muitas áreas, razão pela qual os reis solicitaram que lhes prestassem os mais variados serviços. Houve quem atuasse como intérprete graças ao seu conhecimento da língua árabe, como tradutor de documentos escritos em árabe para oficiais régios, ou como médico para reis e eclesiásticos. Mas foi na administração pública onde os judeus mais se destacaram como bailes (administrador do património real) e arrendatários de rendas e direitos reais. Foi o "século de ouro" dos judeus da Coroa de Aragão.3

  • 4 J. Hinojosa Montalvo, "From Suxén to Salvador:…”, pp. 17–33; J. Hinojosa Montalvo, “Las familias To (...)

3É neste quadro que devemos situar a presença da linhagem Tahuell em terras valencianas cuja memória pretendo resgatar neste trabalho, continuando a tarefa empreendida há alguns anos de resgatar a memória histórica de algumas das famílias mais destacadas da reino de Valência, tanto da capital como de outras aljamas, das quais nada se sabia ou apenas havia notícias esparsas. Foi o caso dos Suxén, dos Toledano, dos Abnayub e dos Coffe, a quem dediquei os correspondentes estudos,4 aos quais se junta este dos Tahuell, dedicado à Professora Filomena Barros, tão querida por todos os que tivemos a prazer de colaborar com ela e alma mater de estudos sobre minorias em Portugal.

  • 5 J. Régné, History of the Jews…
  • 6 J. Hinojosa Montalvo, “Sederos conversos…”, pp. 187–224.
  • 7 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…

4Não há muitas referências aos Tahuell nos repertórios documentais, se excluirmos notícias esparsas em Jean Regné.5 No campo bibliográfico, constam referências no meu estudo sobre os médicos e os tecelões der seda valencianos no século XV,6 bem como na monografia que dediquei à aljama judaica de Valência, na qual incluo muitas referências esparsas a personagens desta linhagem, que agora eu apresento de maneira ordenada.7

5A documentação utilizada provém do Arquivo da Coroa de Aragão e do Arquivo do Reino de Valência, nomeadamente das secções da Chancelaria Real, do Meirinho (“Bailía”) Geral do Reino, do Mestre Racional, do Tribunal (“Cort”) de Justiça e ainda dos ricos acervos da secção de protocolos notariais, o que contribui para enriquecer a nossa visão da família em relação aos aspectos da vida privada.

2. A trajetória da família

  • 8 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…

6Como apontei, a linhagem Tahuell foi uma das mais proeminentes no bairro judeu de Valência, como é refletido pelas posições ocupadas ao longo de um século na aljama, enquanto em Sagunto (o Morvedre medieval) é mais difícil rastreá-la. É impossível datar com exatidão a sua presença em terras valencianas, mas deveria situar-se na segunda metade do século XIII, e é possível que tenham vindo de Barcelona para Valência. Um documento registado por J. Regné e dado em Barcelona a 30 de junho de 1285 menciona um certo Isaac Tahuell, como um dos secretários da aljama de Barcelona que deveria pagar a sua parte correspondente na contribuição de 20 000 soldos (“sueldos”) feita pelo rei de Aragão aos judeus da Catalunha.8 A sua qualidade de funcionário da aljama indica que fazia parte da oligarquia judaica local, o que sem dúvida facilitaria a integração da família na comunidade judaica de Valência, caso a linhagem ou algum dos seus membros fosse transferido para esta cidade vindo de Barcelona. O período que estudamos vai até os inícios do século XV, quando eles se converteram ao cristianismo com o sobrenome d'Artés, a fim de tentar aproximarmo-nos aos seus gestos vitais como de membros de uma nova religião.

  • 9 ACA, C., reg. 215, f. 254v e reg. 229, f. 175r. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 90

7O motim contra a judiaria da cidade de Valência e outras judiarias do reino em 1391 resultou numa conversão massiva de judeus ao cristianismo após o assalto de 9 de julho, mesmo contra as provisões régias; desde 16 de julho, dias após a assalto, o rei de Aragão, Juan I, preocupado em salvaguardar o seu património, ordenou que alguns refugiados judeus em casas cristãs não fossem forçados à conversão e que fosse impedida a transformação da sinagoga em igreja, como alguns pretendiam. Mas esse desejo ficou pela intenção, pois até os judeus que se refugiaram na casa de seus amigos cristãos foram convertidos à força. Este é o caso do proeminente médico Umer Tahuell, que estava na casa de Pere d'Artés e foi ruidosamente reclamado pelos manifestantes, levado de sua casa e batizado à força. Os jurados, tentando esquivar-se da responsabilidade pela agressão, rejeitaram esta versão da conversão e disseram que Tahuell foi batizado dias após a agressão, com toda a família, episódio registrado nas atas municipais do Conselho (“Consell”) de Valência.9 Essa proteção dos Artés a Tahuell explica que, após a conversão, eles aceitassem o sobrenome da já mencionada nobre linhagem dos Artés.

  • 10 ACA, C., reg. 289, f. 78r.

8Embora a maior parte da linhagem residisse no bairro judeu de Valência, também documentei alguns Tahuell no de Sagunto, como Musa Tahuell, a quem um burro foi roubado em 1308. Musa denunciou Tahuell perante o baile (administrador) geral do reino e foi condenado a corte de orelha, mas a rainha Blanca em 20 de julho de 1308 comutou essa punição por uma multa de 300 soldos.10

  • 11 ACA, C., reg. 708 f. 186v. 16-3-1362.
  • 12 ARV, Maestre racional, 9826, ff. 104r–106r; J. Hinojosa Montalvo, "Apuntes para la demografía…”, pp (...)

9Outro personagem desta família de Sagunto foi Isaac Tahuell, que durante a Guerra da União (1347–48) mudou a sua casa de Sagunto para Valência, onde viveu algum tempo. Em 1362 estava novamente em Sagunto, apesar de os “adelantados” (altos funcionários régios, algo como “corregedor”) de Valência insistirem em taxá-lo para o pagamento dos tributos (“pechas”) da aljama, confiscando-lhe alguns bens. Tahuell queixou-se ao monarca, que em março de 1362 ordenou aos corregedores de Valência que parassem de incomodá-lo com os referidos impostos.11 Isaac aparece inscrito nas listas de contribuintes do “imposto do morabatino” de 1379.12

10Nos anos posteriores à conversão de 1391, os Tahuell/Artés continuaram a comportar-se como membros da nova coletividade judaica nos seus aspectos vitais: no casamento, na morte, até mesmo nas atividades económicas, mas agora sob a designação de "cristãos novos".

  • 13 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905.
  • 14 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905.

11A partir de então, os Tahuell/Artés passaram a ser parentes dos Coffe/Bellpuig, outra família notável da oligarquia conversa, em 1400. Assim, em 2 de janeiro, Gilabert d'Artés, filho do saudoso mestre Pere d'Artés, com o consentimento de parentes e amigos e especialmente María Jiménez, esposa de Pere, e de Martí d'Artés, ele preparou-se para casar Blanquina, filha de Astruch Tahuell, médico e seu irmão, e irmã de Martí, com Gabriel de Bellpuig, filho de Rafael de Bellpuig, intermediário comercial. Para isso, deu a Gabriel como dote de Blanquina a quantia de 800 florins, dos quais 500 correspondiam ao censo que a aljama mudéjar de Elda lhe pagava todos os anos. Bellpuig aumentou o dote com outros 400 florins.13 É evidente que o casamento tentava acabar com os confrontos entre ambas as famílias, já que em 14 de abril deste ano Gilabert d'Artés e Rosselló de Bellpuig, eles e seus familiares e simpatizantes, assinaram uma paz perpétua e foi igualmente acordado celebrar o casamento acima mencionado no próximo dia de São Miguel, apesar de qualquer outra disposição.14

2.1. Residência e ativos imobiliários

  • 15 AMV, Notal de Jaume Dezplá, n.° 8, sin f. 3-1-1394, Valencia. O melhor preço foi 3600 sueldos e a c (...)

12Os Tahuell de Valência sempre residiram dentro da estrutura espacial do bairro judeu da cidade. A casa era um elemento patrimonial que refletia a posição social e económica da personagem e, no caso de Umer Tahuell, é evidente a sua pertença ao grupo privilegiado da aljama, pois alguns documentos posteriores à sua morte permitem apontar para uma localização cêntrica da residência deste afamado médico, junto à que era a principal sinagoga da judiaria. Em 3 de janeiro de 1394, vemos o cambista Pere Dezpujol reconhecer a compra feita ao convertido Nicolau Marrades, (Samuel Mercadell) e sua esposa Beatriu (Sara), e Joan Jordi, um convertido (Vidal Mercadel) da casa do casal na judiaria perto do que fora o açougue judeu, chamado “Hospicio de la Palmera”. Estava na freguesia de Santo Tomás sob controle direto da fábrica da paróquia de San Nicolás com um censo de 70 soldos e um dos limites era a casa do mestre médico Pere d'Artés junto da Igreja de San Cristóbal (antigamente uma sinagoga) e com a rua.15

  • 16 ACA, C., reg. 853, f. 185v–186v. 9-11-1386, Barcelona.

13Este personagem também deu nome a uma das poucas ruas com nome conhecido no bairro judeu de Valência, e num documento de 9 de novembro de 1386 menciona-se o vico d'En Humer numas obras que foram realizadas em algumas casas que estavam sob os muros da judiaria, sobretudo na referida rua, sem que seja possível especificar mais.16

  • 17 ACA, C., reg. 708 f. 186v. 16-3-1362. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 209.

14Nesse mesmo ano houve um incêndio intencional na casa do filho do referido médico. Não era algo incomum, já que na Europa pré-industrial os incêndios nas cidades eram relativamente frequentes, embora não haja relatos de possíveis incêndios que possam ter ocorrido na judiaria. Neste caso, trata-se de fogo posto, em consequência das rivalidades e confrontos entre os grupos de poder da aljama. Os Tahuells tinham muitos inimigos, que não hesitaram em incendiar a propriedade. A Rainha de Aragão, Dona Sibila, senhora da judiaria, ficou extremamente incomodada ao saber do ocorrido, dada a gravidade do crime, pelo que em abril do mesmo ano ordenou a Miquel de Abellà, seu procurador na judiaria, para investigar o ocorrido e punir rigorosamente os culpados, usando a inquisição menor – que significava a expulsão da aljama – e obrigando os judeus que soubessem algo sobre o incêndio a dizer a verdade, o que não parecia tarefa fácil. Curiosamente, no referido incêndio foram queimadas muitas cartas de dívidas do referido judeu, num total de 29 devedores.17

  • 18 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1489, ff. 33v–35v. 16-6-1393, Valência. A casa ficava num beco sem (...)
  • 19 ARV, Protocolos de Bernat Flores. 28-6-1393, Valencia. A casa era contígua com os fundos da casa de (...)
  • 20 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905.

15Já como convertidos, vemo-los residir nas suas moradas tradicionais, naquela que foi a judiaria, e um documento de junho de 1393 referente à venda de alguns censos (“censales”) por Gilabert d'Artés (antes Isaac Tahuell) permite-nos localizar a sua morada na demarcação paroquial de Santo Tomás, uma das que se inseria na judiaria.18 Por sua vez, Martí d'Artés, antes Abrafim Tahuell, residia na paróquia de San Andrés em 1393.19 Outro membro da linhagem Tahuell/d'Artés que residia na mesma paróquia de San Andrés era Pere d'Artés, que em 22 de novembro de 1377, anulou a dívida que tinha Pere Feliu, presbítero, beneficiário na paróquia de San Juan, ao comprar-lhe uma casa na referida demarcação por 60 libras.20

2.2. O Tahuell e as tensões dentro da aljama

  • 21 ACA, C., reg. 1573, f. 85r–v. 31-10-1364, Lérida.

16No início da década de sessenta, deve ter havido fortes tensões sociais dentro da comunidade devido às lutas entre as diferentes fações da oligarquia, semelhantes às que assolavam a comunidade cristã, visto que embora a religião fizesse a diferença, ambas as sociedades participavam do mesmo problema: o controle do município/aljama por grupos oligárquicos. Assim o confirma a carta enviada pela Rainha Leonor, senhora da aljama, em 31 de outubro de 1364 ao seu procurador no reino de Valência, Guillem Colom, para que ele apurasse diligentemente tudo o que se relacionasse com a conspiração de Humer Tahuell e Jafudà Alatzar, e seus partidários, o que deu origem a vários escândalos – cujo tipo não se esclarece – enquanto Alatzar estava em Barcelona ao serviço do rei.21

  • 22 Jaume Riera i Sans, “Jafudà Alatzar…”, pp. 65–100.

17Um dos motivos do ódio contra Alatzar, o principal oligarca da judiaria, eram as isenções fiscais de que desfrutava, o que exasperava os seus correligionários.22 Em 1364, pela carta enviada em 20 de fevereiro pela rainha Leonor a Guillem Colom, seu procurador no reino de Valência e lugar-tenente da aljama judaica da cidade, sabemos – segundo a versão de Alatzar – que a aljama e seus altos funcionários (“adelantados”), instigados por Jafudà Abdolaziz, Umer Tahuell e Mossé Porpoller, juntamente com outros "emuli" (concorrentes, rivais) de Alatzar na aljama, taxaram-no a ele e à sua casa no valor de 2000 soldos, de aqueles 8000 que a aljama devia entregar os jurados de Valência. Alatzar argumentou que a taxação estava errada, pois ele, antes de perder o que perdera na guerra de Castela, nas taxações anteriores, bem como nas talhas e exações da aljama, só deveria pagar a décima parte desse valor total. Agora, porém, por instigação dos seus inimigos, teria de pagar um quarto dessa quantia, pelo que recorreu à rainha, que mandou que se lha aplicara a taxa segundo a fórmula anterior.

  • 23 ACA, C., reg. 1573, f. 7r–v. 20-2-1364, Suera. La carta fue expedida el 21 de febrero.
  • 24 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 170–171.

18Da mesma forma, Dona Leonor recebeu a notícia de que os rivais de Alatzar estavam instigando uma revolta contra o referido judeu e contra sua casa, o que ela considerava não deveria ser permitido. Os rumores que circulavam em torno da aljama também diziam que Alatzar guardara os 18 000 soldos que o rei havia ordenado para melhorar alguns indivíduos na aljama, em pagamento pela soma que recebera quando estivera com o seu exército em Burriana. A rainha respondeu dizendo que era verdade que Alatzar recebera a parte que lhe era devida no referido empréstimo, mas não mais, computando por soldo e por libra, e o restante fora recebido pelos mensageiros da aljama, que eram os únicos quem tinha que prestar contas. No final, a rainha ordenou que Alatzar não fosse caluniado por todas essas coisas.23 O favor de Dona Leonor para com o seu servidor não impediu que continuassem os boatos, as invejas e as tensões com a nossa personagem devido a estas isenções fiscais e às supostas apropriações de dinheiro. O chefe da conspiração era outra figura proeminente, o médico Umer Tahuell, e as coisas complicaram-se porque Alatzar acusou-os alguns meses depois de ter-se apropriado de duas coroas de prata que havia mandado fazer para duas Torás que os judeus tinham na sinagoga. Jafudà Alatzar contou sempre com o apoio dos monarcas, que em janeiro de 1366 o protegeram, sua família e seus bens de qualquer dano que seus inimigos lhe pudessem causar.24

  • 25 ACA, C., reg. 2044, f. 58r–v. 19-1-1387, Barcelona.
  • 26 ACA, C., reg. 1590, f. 111v–112r. 12-4-1386, Barcelona. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh (...)

19Nos anos oitenta há alguns indícios de que continuavam as fortes tensões internas na comunidade judaica, repetindo, como eu disse, o modelo das lutas de fações que dilaceravam a sociedade valenciana na época. E à frente de um desses bandos estava o proeminente físico Umer Tahuell. Há uma notícia de 30 de outubro de 1387 que interessa muito para conhecer essas lutas sociais na aljama de Valência. Trata-se da assinatura de um acordo de paz feito em Barcelona diante do tabelião Andreu Granell entre duas partes: de um lado Humer Tahuell, que vemos envolvido em inúmeros conflitos ao longo dos anos, Açán Marueç e Samuel Suxén, e do outro lado, Astruc Xucrán, acusado de delator. O proeminente judeu de Zaragoza, Alatzalluf, atuou como árbitro. O território escolhido era neutro: a cidade de Barcelona. Na outra paz assinada naquele dia, as partes eram Abraham Abnayub e Jafudà Abdalaziz, por um lado, e por outro os três primeiros personagens mencionados: Tahuell, Marueç e Suxén.25 Estas pazes fizeram-se para estancar as longas tensões entre as famílias mais proeminentes da nossa judiaria. Como exemplo da magnitude dessas lutas, basta dizer que na primavera de 1386 "alscunes male persones" incendiaram a casa do filho do médico Umer Tahuell, pelo que em 12 de abril a rainha ordenou que seu procurador Miquel d'Abellà descobrisse quem eram os culpados, lançando por isso a pena de excomunhão menor nas sinagogas. Uma vez recolhidos os testemunhos, estes ser-lhes-iam enviados, a fim de dar uma punição exemplar aos culpados.26 Não esqueçamos que Tahuell estava entre os familiares da rainha.

20Nas disputas familiares, o administrador geral (“baile”) tinha um meio para manter a paz, que era o acordo de paz e trégua (“pau i treva”), cuja duração prevista era de 101 anos, ou em perpetuidade, a paz final (“pau final”). Nas pazes se reflete a importância que a família tem nelas.

  • 27 ACA, C., reg. 2004, f. 53v–54r. 6-11-1387, Barcelona, e C., reg. 2044, f. 58r–v. 19-11-1387, Barcel (...)

21Por vezes, a assinatura da paz entre judeus valencianos desavindos ocorria fora de Valência perante o notário de Barcelona Andreu Granell, como em 19 de outubro de 1387, neste caso entre Humer Tahuell, médico, Açán Marueç e Samuel Xuxén, por um lado, e Astruc Xucran, por outro, ratificando a paz assinada em 30 de outubro. Neste caso, Alatzar Galluf, de Zaragoza, atuou como árbitro, e a multa fixada para o infrator também foi de 500 florins. O conteúdo do documento é idêntico e especifica o crime de dolo que estava a ser julgado em tribunal, do qual tinha sido acusado Astruc Xucran.27 Tudo indica que a causa da disputa residia nas acusações de dolo entre as duas fações, que chegaram ao tribunal, o qual teve que intervir, por meio de judeus proeminentes, para conseguir a paz. Não esqueçamos que este crime era um dos mais graves, senão o mais grave, que um judeu poderia cometer contra a sua comunidade, e estas acusações implicavam descrédito, infâmia e perda de honra para o arguido e sua família, mas também para o acusador caso a acusação fosse comprovadamente falsa. Da importância dos personagens, todos eles membros notáveis da oligarquia judaica valenciana, e da importância desses acordos, realizados na corte, na época em Barcelona, atesta o facto de terem sido ratificados pela rainha, que os rubricou com a sua própria assinatura, com a qual qualquer quebra da trégua adquiriria uma maior dimensão.

2.3. Os Tahuells e a sua presença nos tribunais

  • 28 ACA, C., reg. 449, f. 169r–v. 27-11-1331, Valencia. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p (...)

22Uma linhagem tão proeminente quanto a dos Tahuells deixou-nos poucos vestígios documentais da sua vida familiar, que se poderiam referir às linhagens da judiaria das quais eram parentes. Mas, por vezes, através de processos judiciais vislumbramos comportamentos e mentalidades, sobretudo quando se trata de reparar uma ofensa cometida. Foi o caso do médico judeu Abrafim Tahuell, que em 1327 casou sua filha, Ceti, com um judeu da cidade. Depois de o noivado ter acontecido, um certo Jonà Sibili começou a caluniar a judia – não sabemos se por inimizade com Tahuell ou por ciúmes, não conseguindo obter Ceti. A verdade é que Ceti se casou com Abrafim Benazrá, um judeu da casa da rainha D. Leonor, mas Jonà continuou a dar falsos testemunhos para impedir o casamento, o que era uma afronta à honra de Ceti, de seu pai e da linhagem. Tahuell não teve escolha a não ser pedir justiça ao monarca e, em novembro de 1331, Afonso IV ordenou ao baile geral do reino para descobrisse a verdade e, se houvesse falsos testemunhos, aplicasse uma punição exemplar a Joná.28

  • 29 ACA, C., reg. 1590, f. 17v. 20-8-1384, Monzón.

23Os atos de repúdio chegavam, por vezes, aos tribunais e em 1383 o litígio entre o professor Isaac Tahuell, um médico, e Samuel Mercadell, foi levado ao tribunal do governador geral do reino, devido ao libelo de repúdio que Samuel deu a sua esposa Sara, filha de Isaac. A rainha Sibila descobriu que o governador favorecia Samuel, atrasando Isaac, que não conseguia a justiça que tanto desejava e, então, em 20 de agosto, a rainha expressou o seu descontentamento perante o oficial do reino, já que Samuel era um seu servidor, e instou-o a resolver o caso o mais rapidamente possível, sem discriminação para com o seu protegido.29

24Outro incidente judicial em que os Tahuell estiveram envolvidos foi o que em 1377 envolveu Miram, filha do médico Umer Tahuell, que foi vítima de uma tentativa de sequestro, quando saía dos banhos, pelos parentes de Jucef Xaprut, a pedido de este. Miram era, então, viúva e Xaprut foi posteriormente detido pelo lugar-tenente do governador, mas fugiu do palácio episcopal, onde se encontrava em custódia, sendo condenado pelo baile da judiaria, Domingo Costa, à pena de mil morabitinos, a pedido do pai da raptada. A 12 de setembro deste ano, o rei perdoou-o por este crime, a pedido dos seus familiares, depois de estes terem recebido do arguido a quantia de 500 florins. Ressaltemos que, muitas vezes, por trás dessa violência contra a mulher, escondiam-se estratégias de lutas familiares, nas quais o objetivo era sempre desprestigiar a parte contrária, e o caminho mais fácil era manchar a sua honra, o que explica o papel desempenhado pela sequestro e estupro ou violação. Ambas as famílias, Tahuell e Xaprut, aparecem envolvidas em todos os conflitos que assolavam a aljama naquele momento, apoiadas e ajudadas por seus respetivos parentes.

  • 30 ACA, C., reg. 1101, ff. 124r–v.
  • 31 ACA, C., reg. 1101, f. 158r. 16-1381, Zaragoza.

25Anos depois, em 1381, Umer Tahuell teve problemas com o bispo de Valência que o acusou de heresia, de ir publicamente contra a lei hebraica / judaica e o Antigo Testamento, assunto que gerou intensa e longa disputa entre o vigário episcopal, que considerava a assunto da sua competência, e o monarca, que o remeteu para a corregedoria geral do reino, uma vez que os judeus não estavam incluídos na jurisdição eclesiástica e faziam parte do património régio, conforme disposição régia de D. Jaime II, dada em 26 de junho de 1292.30 O processo resultou da aversão que uma fação da Judiaria tinha para com este médico, continuando nos anos posteriores a haver acusações e ameaças de toda a índole, embora [o médico] tivesse sempre a proteção da Coroa. Pedro IV ordenou ao baile geral do reino que descobrisse quem eram os judeus que compareceram perante o bispo e acusaram Tahuell de heresia e procederam à sua prisão e punição como delatores.31

  • 32 ACA, C., reg. 1104, f. 28v. 22-8-1382, Valencia.

26Um ano depois o diferendo não tinha sido resolvido, pois em 22 de agosto de 1382 Pedro IV, alegando falta de tempo, encarregara seu filho, o infante Juan, filho mais velho e governador-geral do reino, de resolver a referida causa justamente.32 Essas acusações de heresia, de ir contra o Antigo Testamento, fazem parte daquele confronto a que aludi acima entre racionalistas e defensores ferrenhos das Escrituras no que diz respeito à ciência médica, ao qual o rabino Isaac ben Seset Perfet não era estranho nos últimos anos. O litígio deve ter sido resolvido em favor de Umer em data desconhecida e, de novo, em maio de 1383, vemo-lo destacado na aljama, desta vez como mensageiro da rainha Sibilla, sob cujo senhorio estava o judaria valenciana.

2.4. Os proprietários de Tahuell

  • 33 ARV, Protocolos de Antoni Tamarit, 2945. 3-10-1371, Torrent. O pomar confinava com as terras de Dom (...)

27Já vimos como os Tahuell possuíam bens imóveis no bairro judeu de Valência, mas, como membros pertencentes ao grupo social mais favorecido da comunidade judaica, também possuíam propriedades rústicas nos arredores da cidade, tendo-nos chegado a notícia da compra pelo médico Umer Tahuell, em outubro de 1371 a Martí Pérez, de Torrent, de um pomar no termo da referida cidade de l'Horta, pelo qual pagou 12 libras e que estava sob o controle da ordem militar de San Juan del Hospital, senhores da vila.33 A terra legitimava ao médico judeu a sua ascensão social.

  • 34 ARV, Bailía, apéndice 127, f. 123v. 23-10-1377, Valencia.

28Essas terras faziam parte dos dotes, das doações que os pais faziam aos futuros cônjuges e eram registradas nos contratos de casamento para evitar problemas futuros. Assim, em 23 de outubro de 1377, a bailía geral do reino, a pedido de Salomó Tahuell, interrogou Isaac Addarrá sob juramento sobre a data em que colocou as suas terras no ketubbah que Jucef Tahuell, pai de Salomó, fez para sua esposa. A resposta foi que o contrato de casamento fora feito havia seis anos, mas o terreno só tinha sido colocado em seu nome havia alguns dias.34 Tratava-se de pequenas propriedades rústicas, ainda que as comparemos com o restante da propriedade agrícola valenciana, onde a pequena propriedade familiar era a célula básica de reprodução do sistema social e económico.

29Um documento fiscal do ano de 1363, apesar de ser específico para este ano, também pode lançar alguma luz sobre quem eram as pessoas mais ricas da comunidade judaica de Valência. Segundo o mesmo, os bens de Jafudà Alatzar, seu neto e seus genros foram avaliados em 50 000 soldos e os de Umer Abnayub e sua filha em outros 16 000, cifra significativa, que nem todos alcançaram. Nesse mesmo pedido fiscal da Coroa havia uma dezena de personagens avaliados em mil ou mais soldos, entre eles Umer Tahuell, o médico, com 3000 soldos, o que nos serve de elemento de comparação com as famílias mais ricas da judiaria.

3. Dedicação profissional

3.1. Medicina, uma tradição familiar

  • 35 J. Hinojosa Montalvo, “Médicos judíos…”, pp. 415–436; J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, (...)

30Qualificados como metge, físich e alfaquim, vários membros da linhagem Tahuell exerceram a medicina, profissão que lhes conferia prestígio dentro e fora da comunidade judaica. Referi-me a eles nos meus estudos sobre os judeus de Valência, destacando como praticar a medicina em família era uma boa estratégia para obter prestígio.35 Vemos como em certas famílias judaicas o conhecimento e a profissão eram transmitidos de pai para filho. Este foi o caso dos Tahuells, senhores quase indiscutíveis da profissão médica na aljama de Valência. O primeiro Umer Tahuell (Omar Abentahuell) (I) – também com a grafia Omar, Umer, N'Umer, N'Uumar, etc. –, que localizei nesta profissão era filho de Umer Tahuell em fevereiro de 1298. Nessa altura Jaime II, a pedido dos franciscanos de Valência – onde o Umer Tahuell exercia diariamente a sua profissão –, beneficiou-o com o privilégio de proteção fiscal sobre a sua pessoa e bens, concedeu cartas de não solidariedade contra os seus correligionários insolventes. Também ficou isento de levar a capa que deveriam trazer os judeus para se diferenciarem dos cristãos.

  • 36 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 501.

31O facto de ter trabalhado como médico para os frades mostra, sem dúvida, o apreço que se tinha pelos seus conhecimentos. Sempre qualificado como mestre, foi tido em alta consideração científica. No privilégio alude-se ao facto de que tinha muita idade, pelo que deve ser considerado como pai do médico homônimo Umer Tahuell. Em 1314, por causa de seu trabalho intenso, o rei dispensou-o de ocupar cargos na aljama.36

  • 37 ARV, Protocolos de Bertomeu Tarragona, n.º 2709, f. 18v–19r. 25-7-1349, Valência.

32Haveria um segundo Umer Tahuell (II) que viveria em meados do século, que em 1349 vemos atuar como executor testamentário, juntamente com Salamó Aborrabe, de Abnayub, filho de Isaac Abnayub, cedendo a Arnau Egidi os direitos que tinha contra Guillem Muneret e Bertomeu Margaret pelos 75 soldos de capital e 15 juros que lhes eram devidos.37 Exerceu também a função de prestamista.

33É possível que tenha havido um terceiro Umer Tahuell (III), que viveu na segunda metade de trezentos e no início do século XV, a menos que admitamos que o mencionado acima é o mesmo que se converteu ao cristianismo em 1391. O problema é que é impossível estabelecer uma cronologia precisa e saber as datas de nascimento e morte, ou quem era o pai e quem era o filho. Também se dedicou ao préstamo e teve como filhos Abrafim e Astruch Tahuell, que também foram médicos e agiotas nos anos 80, e Miriam, que, em 1377, aparece casada pela segunda vez.

34Convertido ao cristianismo, assumiu o nome de Pere d'Artés. Umer casou-se com Bonadona, que após a conversão assumiu o nome de María Jiménez. Umer, já como Pere d'Artés, testemunhou perante o notário Guillem Roca em 20 de abril de 1394, enquanto María o fez em 13 de outubro de 1399 com Bartolomé de la Mata, tabelião que trabalhava para judeus e convertidos. Em janeiro de 1400, Pere d'Artés já era citado como falecido e Maria como tal em outubro de 1402.

  • 38 J. Hinojosa Montalvo, The Jews…; J. L. Luz Company, Evolución y estrategias…; J. Castillo Sanz. "De (...)

35Em 12 de outubro de 1402, os irmãos Martí e Gilabert d'Artés, filhos de Umer e herdeiros da mencionada Maria, ambos falecidos, escolheram sepultura para sua mãe na igreja de San Cristóbal, mantida pelo presbítero Joan Ximeno. María seria enterrada ao lado de seu marido e deixaram um censo de 5 soldos para o efeito e para obras da igreja. A igreja era a antiga sinagoga maior do bairro judeu de Valência, abandonada após o assalto de 9 de julho de 1391 e transformada em templo cristão, tornando-se a sede da irmandade de San Cristóbal, que reuniu os convertidos da cidade até ao seu desaparecimento, vítima da pressão da Inquisição dos Reis Católicos.38

  • 39 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21909.

36Alguns dias depois, em 16 de outubro, os referidos irmãos chegaram a um acordo sobre a divisão e herança dos bens móveis existentes na casa de sua mãe, incluindo Francesca, uma escrava moura negra. Martí reconheceu dever a seu irmão 14 libras pelo valor dos referidos bens e da escrava, enquanto Gilabert admitiu ter em mãos de Martín vários bens da herança de sua falecida mãe, especificamente vários censos que são especificados no documento.39

37Outros médicos da linhagem mencionada documentados foram:

  • Abrafim Tahuell (I). Filho de Umer Tahuell. Em março de 1318 foi dispensado por Jaime II por ter exercido cargos da aljama. Em agosto de 1326 Jaime II confirmou a isenção fiscal concedida pela Aljama de Valência, a pedido do Infante Alfonso. Em 1329, a aljama de Sagunto ofereceu-lhe as mesmas vantagens fiscais se viesse residir na referida judiaria e aí prestasse os seus serviços.

  • Abrafim Tahuell (II). Filho de Umer Tahuell. Em 1383, é documentado como prestamista. Morava na freguesia de Santo Tomás e em 1386 a sua casa foi incendiada por desconhecidos, reflexo das tensões sociais na judiaria em torno da família Tahuell naquela época. Convertido ao cristianismo, passou a chamar-se Martí d'Artés Gracia.

  • Astruch Tahuell. Filho de Umer Tahuell. Documentado como agiota/prestamista em 1383.

  • 40 ACA, C., reg. 434, f. 120v. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 501.

38Podia acontecer que a excelência profissional de um médico causasse rivalidade entre aljamas, que disputavam os seus serviços. Foi o que aconteceu com Abrafim Tahuell phisicus iudeus civitatis Valencia, o qual, na primavera de 1329, disse ao monarca que a aljama de Sagunto havia concordado que, se ele viesse residir no referido bairro judeu, estaria isento de pagar impostos por toda a vida. Mas a aljama de Valência, que não estava disposta a perder um médico da sua categoria, pediu-lhe que permanecesse na cidade, oferecendo-lhe a mesma franquia como remuneração e salário pelas curas que fizesse, conforme constava do acordo estipulado entre os duas partes. Alfonso IV ordenou ao baile geral do reino em 22 de maio que, como os judeus de Valência não respeitavam a referida franquia sob o pretexto de que ele havia revogado todas as franquias, deveria ser respeitada neste caso, pois não se tratava de uma franquia, em si, mas da remuneração de seu salário como médico.40

  • 41 ACA, C., reg. 1587, ff. 152v–153r.
  • 42 ACA, C., reg. 947, ff. 77v–78r.

39Outro filho de Umer Tahuell, também médico, foi Isaac Tahuell, que se casou com Mayiona e tiveram pelo menos Salamó Tahuell e Sara, casada com Samuel Mercadell, como filhos. A primeira notícia que tenho deste judeu é de 10 de outubro de 1382, ano em que a rainha Sibilia, em recompensa pelos serviços prestados, lhe concedeu, a ele e a sua família, a consideração de parentes e servidores dela, com todos os privilégios que tal situação implicava, do qual notificou as autoridades régias.41 Em 26 de abril de 1386, Pedro IV ratificou a concessão feita em 20 de julho de 1373, autorizando-o, a ele e a sua esposa, a vender 4000 soldos do censo a cristãos ou judeus.42 Como todos os membros da família, está documentado como exercendo o empréstimo de dinheiro em 1388, 1389 e 1390.

3.2. O trabalho de prata

  • 43 J. Hinojosa Montalvo, “Orfebres judíos…”, pp. 21–34.

40De entre as atividades artesanais exercidas pelos judeus, uma das mais tradicionais era a ourivesaria, o trabalho em prata, para a qual mostravam especial habilidade. Num estudo sobre os ourives judeus no reino de Valência, documentei 34 ourives de prata judeus (argenters) apenas para a cidade de Valência nestes últimos séculos medievais, especialmente o XIV, o que atesta a importância do ofício, profissão que mais tarde continuaram como convertidos.43

  • 44 ARV, Protocolos, 2810.
  • 45 ACA, C., reg. 1822, f. 161v.

41Na linhagem Tahuell encontramos dois personagens exercendo esse ofício. Assim, vemos Isaac Tahuell, um ourives de prata, filho do médico Umer Tahuell (Pere d'Artés) convocado como testemunha num empréstimo em 1377. Em 1381, era dono de uma oficina no souk (ou suq, mercado) judeu da cidade. Em 2 de maio de 1386, nomeou Miquel de Campos, um agricultor de Chiva, seu advogado para recuperar os 100 florins devidos por dois moradores locais.44 Em setembro de 1377, estava processando Jucef Coffe, menor de idade. Em 2 de maio de 1386, nomeou Miquel de Campos, um agricultor de Chiva, seu procurador para recuperar os 100 florins devidos por dois moradores locais.45 Mais tarde, em junho de 1389, processou Ester, esposa de Mossé Vinaig. Convertido ao cristianismo em julho de 1391, adotou o nome de Gilabert d'Artés e sua esposa Astruga o de Leonor.

  • 46 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 1487. 27-4-1392, Valência.
  • 47 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21909.

42Já convertido, vemo-lo em abril de 1392 atuando como tutor e procurador de Valença, esposa do mercador de seda Pere d'Artés.46 Em 1397 obteve o estatuto de cidadão valenciano. Em virtude da referida tutela / tutoria, em abril de 1402, ambos os cônjuges reconheceram que Gilabert d'Artés se comprometia a cumprir aquilo a que era obrigado pelo pacto tutelar e a prestar contas quando solicitado. Por seu lado, Valença reconhece que tem menos de vinte anos e que o seu marido recebeu os instrumentos de censo feitos pela aljama mudéjar de Aspe a 21 de agosto de 1388 na venda de um “censal” de 100 soldos a Jucef Xupió, mouro da mouraria de Valencia, que posteriormente vendeu a Pere d'Artés em 17 de novembro de 1388, que herdou Valença.47

  • 48 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1489, ff. 33v–35v. 16-6-1393, Valência.
  • 49 APRCCC, Protocolos de Miquel Arbucies, 978. 26-1-1397, Valência.

43Em junho de 1393, Gilabert vendeu 100 soldos censitários pelo preço de 60 libras48 e em janeiro de 1397 outros 250 soldos, junto com seus irmãos, como herdeiros de seu pai, o médico Pere d'Artés.49

  • 50 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21910. 24-9-1398, Valência.
  • 51 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21910. 24-9-1398, Valência.

44Gilabert Artés também realizou algumas operações comerciais, como a venda em 1398 de três arrobas de linho a Ahí Durdus, mouro de Villamarchante, e Mahomat Agebela, de Ribarroja, por 6 florins.50 E em junho de 1400, junto com Joan de Riusech, que também era convertido, ele arrendou, a meias, o dízimo de Riba-Roja por um ano, desde a festa da Páscoa, por 111 libras.51

  • 52 APRCCC, Protocolos de Joan Aguilar, 1287.

45Outro ourives homónimo foi Isaac Tahuell, documentado em 1392 depois de se converter e se tornar Pelegrí de Montagut, mas não há certeza de que fosse esse personagem, já que naquela época no bairro judeu havia vários personagens com o mesmo nome. Este Isaac Tahuell que se converteu era casado com Altadona e tiveram filhos, pelo menos, Gabriel, Joan e Leonor, esposa de Galcerà de Montsoriu, ex-Cresques Sibili.52

3.3. Os Tahuells e o empréstimo de dinheiro

  • 53 J. V. García Marsilla, Vivir a crédito…; J. Hinojosa Montalvo, “El préstamo judío…”, pp. 315–339; J (...)
  • 54 L. Piles Ros, “Situación económica de Valencia…”, pp. 63–88.

46Muitos médicos combinavam o exercício da profissão com o empréstimo de dinheiro, proveniente de lucros acumulados, como faziam todos aqueles judeus cujo capital o permitia, independentemente das suas profissões reais.53 Entre esses credores /prestamista estão vários membros da linhagem Tahuell pelo menos desde 1331 e 1332, quando Jucef Tahuell emprestou 1930 e 1066 soldos, respetivamente. Através da lista de credores publicada por L. Piles para o ano de 1331, vemos como o crédito judeu está concentrado em algumas famílias, com clara predominância de Isaac Morcat, que realizou operações avaliadas em 36 354 soldos; Ismael Morcat, 8329 soldos; Jafudà Alatzar no valor de 6888 soldos; Isaac Abnayub, por 7956 soldos; Salamó Sibili, 7599 soldos; Abrafim Xamblell por 4450 soldos; Abrafim Tetnira no valor de 2807 soldos; Salamó Abnayub, 2130; Jucef Tahuell, 1930 soldos, etc.54

47Também nesse mercado financeiro vemos o proeminente médico, ligado à Coroa, Umer Tahuell, que exerceu a concessão de crédito na segunda metade do século XIV, assim como seus filhos Abraham, Isaac e Abrafim na década de oitenta (1381, 1388 e 1390).

  • 55 ARV, Protocolos de Ramón Bernat, 2789. 22-3-1362, Valência.
  • 56 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1008. Em 22-10-1383 Hamet Alamí, administrador da aljama dos mouro (...)
  • 57 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1008. 2-11-1383, Valência.

48Nos empréstimos feitos aos mudéjares existiam empréstimos individuais, mas também a título familiar ou coletivo, das aljamas, nos quais se reflete a solidariedade coletiva. No caso da cidade de Valência, encontramos credores muçulmanos de numerosos aljamas, a começar pelo da própria capital, onde alguns dos seus mercadores recorriam a empréstimos judaicos, como fizeram, em março de 1362, Mahomat Xupió e sua mãe Sobra, viúva de Jucef Xupió, além de Fat Albarramoni e Abrafim, ferreiro, a quem Umer Tahuell, médico, emprestou 36 libras.55 A aljama mudéjar de Chiva recebeu em 1383 um empréstimo do referido médico de 50 soldos,56 e em 1386 a aljama de Buñol procurou Astruc Tahuell, filho do conhecido médico Umer Tahuell, pedindo 42 florins, pagáveis em seis meses, com juros de 4 florins e 2 soldos. O reconhecimento da dívida feito em 2 de novembro de 1383 especificava que se destinava a pagar o subsídio reivindicado pelo rei para a armada da Sardenha, reparar casas e atender aos subsídios solicitados pelo duque de Montblanch, o infante Martin.57

  • 58 ARV, Protocolos, 2858. Em 2-11-1382, Jaume Apiora, cidadão valenciano, deu a Tahuell 60 libras, o r (...)
  • 59 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1008. Em 10-9-1383, Antoni Cargo e Vicent Argent, fazendeiros de R (...)

49Outros empréstimos foram feitos a cristãos em 1382 e 1386 no valor de várias centenas de soldos, aparecendo entre os devedores cambistas, cidadãos de Valência, agricultores das cidades de Picanya, Torrent, etc., nos arredores da capital, ou do notável ourives Pere Bernés, enquanto em 1373 ele emprestou 1200 soldos à Universidade de Torrent para a realização de vários trabalhos.58 Seus filhos Abrafim e Astruc também se dedicaram a emprestar, nos anos 80, a cristãos e mudéjares; neste último caso trata-se dos 42 florins emprestados em 1383 por Astruc à aljama mudéjar de Buñol para poder pagar o subsídio solicitado pelo monarca para a armada da Sardenha, para reparar casas e poder cumprir os subsídios exigido pelo Duque de Montblanch.59

50Um risco para o credor era a perda dos contratos devido a um acidente, o que causava inúmeros problemas na hora de tentar recuperar as dívidas pendentes, para o qual teria de recorrer às autoridades. Foi o que aconteceu em 1386 com Abrafim Tahuell, cuja casa se incendiou, perdendo todos os documentos. Podemos imaginar a angústia do hebreu e a alegria de seus devedores, mas Tahuell recorreu à justiça, que por meio de testemunhas confirmou a catástrofe, enviando cartas a convocar todos os devedores para comparecerem ao seu tribunal. Foram localizados 29 deles, oriundos das povoações de Torrent, Sollana, Almussafes, Alguacena, Trullas e Alginet, o que mostra o raio de ação do judeu, cerca de vinte e cinco quilômetros ao sul da capital. Os valores devidos, incluindo juros em alguns casos, eram de 3306 soldos e 12 florins.

  • 60 ACA, C., reg. 671, f. 8r–v. 8-2-1353, Barcelona.

51Não foi o primeiro incidente em que os Tahuell se envolveram, pois numa noite de 1351/1352 roubaram das casas de Jucef Tahuell e Umer Abnayub algumas joias e outros bens que estes judeus tinham em penhor de várias pessoas pelos valores emprestados. O problema foi que, quando os donos de tais objetos souberam do furto das ditas vestimentas, foram até a casa das vítimas e de fora levaram mercadorias pelo triplo do valor do que foi depositado. Os judeus assaltados pediram justiça ao monarca, que em 8 de fevereiro de 1352 ordenou a Rodrigo Diego, baile geral do reino, que apurasse o ocorrido e impusesse fiança a quem tivesse levado os referidos bens.60

  • 61 ACA, C., reg. 652, f. 85v. 1-6-1348, Valência.

52Os abusos no empréstimo de dinheiro provocaram reclamações perante as autoridades régias contra o prestamista, como foi o caso de Pascasia, viúva de Arnau Cardona, e seu filho Ramón, que denunciaram ao rei que foram coagidos por Umer Tahuell a dar- lhe uma certa quantia em dinheiro, em várias prestações, com juros usurários, estipulando que a usura ultrapassasse o terço do capital, pelo que exigiam justiça. Pedro IV, em primeiro de junho de 1348, ordenou que Francesc Cortell, advogado valenciano, que aplicasse a justiça após ouvir as partes.61

  • 62 ACA, C., reg. 853, f. 42r.

53Os laços de crédito com a nobreza local refletiam-se na penhora de alguns pertences e em agosto de 1386 Umer Tahuell tinha em sua posse duas bacias de prata dourada e esmaltadas, que o nobre Pere Boïl, senhor de Manises, havia deixado penhoradas.62

3.4. Participação em arrendamentos

54Um dos estereótipos que circulam no imaginário coletivo sobre os judeus é aquele segundo o qual os judeus controlavam as finanças da Coroa, algo que surge como uma verdade incontestável pelo papel que desempenhavam como financiadores, arrendatários de impostos ou arrecadadores dos mesmos. É uma realidade aplicável, sobretudo, à Coroa de Castela e aos grandes financiadores ligados à corte régia; mas na Coroa de Aragão e, sobretudo, no reino de Valência, embora existissem judeus arrendatários, nunca tiveram a relevância que alcançaram em Castela, sobretudo porque a partir de 1283, como veremos, a legislação proibiu tal atividade, pelo menos teoricamente.

  • 63 D. Romano, Judíos al servicio…
  • 64 R. I. Burns, Colonialisme medieval…, pp. 351–376; R. I. Burns. Societat i documentació…
  • 65 M. D. Meyerson, Jews in an Iberian Frontier.
  • 66 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 509–513; J. Hinojosa Montalvo, Judíos y juderías…(...)
  • 67 J. Hinojosa Montalvo, “Judíos arrendadores y recaudadores…”, pp. 211–240.

55D. Romano63 e R. I. Burns64 foram os que mais estiveram atentos ao papel que os judeus desempenharam como arrendatários e cobradores de impostos no reinado de Jaime I e Pedro III, para além de Meyerson que também se lhes referiu na sua monografia sobre Morvedre (atual Sagunto).65 A estes devem ser adicionados as referências publicadas que aparecem na secção que dediquei no meu estudo sobre a judiaria de Valência e as do reino,66 bem como um estudo que realizei recentemente sobre esses arrendatários e coletores judeus, destacando-se o seu papel secundário no conjunto da fiscalidade do reino, salvo no período (indicado) entre a conquista e 1283.67

  • 68 ARV, Bailía, apéndice 127, f. 99r.

56Entre os Tahuell que investiram o seu capital em atividades de arrendamento, podemos citar o médico Umer Tahuell que, em 1377, comprou a sisa do vinho judeu da judiaria de Valência, o que o levou a processar Mossé Abenrodich pela sisa de mil quarteiros de vinho.68

  • 69 ACA, C, reg. 2067, ff. 128r–v. 26-10-1378, Valência.

57Outro investimento do proeminente físico neste campo foi o arrendamento dos rendas do Infante Don Martín em Benaguasil e em La Pobla de Vallbona, empresa na qual também participavam outros judeus valencianos, e à qual em 1378 se associou Isaac Faraig, de Llíria, uma cidade cuja comunidade judaica estava intimamente ligada à de Valência por laços familiares e comerciais, formando parte da sua circunscrição (collecta). Temos notícias deste arrendamento como resultado do processo que surgiu entre os arrendatários e o despenseiro do Infante por causa de uma olaria ou telheira (rajolar) que foi construída após o arrendamento em Pobla de Vallbona, que os judeus consideravam incluída no arrendamento, ao mesmo tempo que a parte do Infante dizia que não tinha direito a isso. Em outubro desse ano, o Infante reconheceu que os judeus tinham razão e direito às rendas da telheira, razão pela qual ordenou que lhes fossem dados integralmente os direitos da mesma.69

3.5. O exercício de cargos e o gozo de privilégios

  • 70 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 348.

58Os Tahuell ocuparam vários cargos na aljama de Valência, datando do início do século XIV a notícia mais antiga. Especificamente, é uma isenção concedida pelo rei de Aragão, Jaime II, em 4 de dezembro de 1314 ao médico Umer Tahuell, que tinha tanto trabalho na sua profissão, que o rei ordenou que não fosse forçado pelos seus correligionários a praticar qualquer cargo na aljama, medida que também foi notificada baile geral do reino. A disposição foi ratificada em 17 de novembro de 1317 e de novo em 8 de março de 1318, sendo seu filho Abrafim Tahuell quem dela beneficiou.70

  • 71 ACA, C, reg. 1580, f. 68r. 3-9-1371, Valencia.

59Em 1371, o médico Umer Tahuell era um dos líderes da aljama de Valência. Sabemos disso pelas tensões desencadeadas pela eleição do rabino, que levou à intervenção real. A 3 de setembro de 1371, D. Leonor, senhora da judiaria, escrevia a Domingo Costa, baile da judiaria, lembrando-lhe que Ferrer Sayol, comissário por ela nomeado juntamente com Miquel Palau, escrivão da fazenda, e com o conselho de Pere Sacaln, doutor em direito, conselheiro do rei e auditor de sua corte, sentenciaram o processo pelo qual Umer Tahuell, médico, Vives Xaprut e Salomó Abenmarueç, adelantados, Abraham Abnayub, curador da aljama, Astruch Xucrán, Jucef Lectoix, menor, Jafudà Abdolaziz e outros da aljama, cujos nomes foram incluídos no processo, escolheram Jucef Abennuba como seu capelão e rabino, com a presença e intercessão do oficial do Bispo de Valência, tendo incorrido na pena de excomunhão menor. A rainha ordenou que os condenados cumprissem esta pena, sob pena de 500 morabatinos, e que nenhum deles pudesse ser eleito rabino sem a sua autorização, nem ser sepultado no cemitério judaico, nem que alguém os ajudasse ou ouvisse as suas orações, nem contraíssem matrimónio com eles ou sua descendência de acordo com o rito judaico.71

60Como clavarios da aljama de Valência encontramos Abrafim Tahuell e Abrafim Tetnira, que em novembro de 1387 foram nomeados pelo rei para esta função até que mudassem os 30 conselheiros do mesmo.

  • 72 AHPT, Protocolos de Tortosa, libro 1145, f. 101v.
  • 73 ACA, C., reg. 1590, f. 120v. 1-5-1386 e 18-5-1386, Barcelona.

61Vemos também Umer Tahuell, mencionado tantas vezes, agindo em 5 de maio de 1383, juntamente com Jafudá Abdolaziz, como procurador da aljama de Valência, reconhecendo dever a Pere Jordà, partidário do rei de Aragão, 100 florins que receberam emprestado.72 O procurador tinha a missão de representar a aljama perante o tribunal ou outras autoridades, reais ou municipais, quando se tratava de assuntos de interesse geral da aljama, fossem eles subsídios – os mais frequentes –, ou concessão de ordenações ou privilégios, etc. Assim fez em maio de 1386 a rainha Sibila, dona da judiaria de Valência, que para evitar os opróbrios, inconvenientes e ofensas que se pudessem fazer contra o doutor Umer Tahuell, Açán Abenmarueç e Samuel Suxén, mensageiros da aljama, na corte da rainha, colocou-os, juntamente com suas esposas, filhos, família e bens, sob sua proteção especial, ordenando que ninguém os atacasse, sob pena de mil morabatinos.73 Como podemos ver pelos nomes desses mensageiros, geralmente eram indivíduos pertencentes às famílias que detinham o poder na aljama: os Abenmarueç, Xuxén, Tahuell, etc.

  • 74 ACA, C., reg. 611, ff. 72v–73r.
  • 75 ARV, Justicia de 300 sueldos, n.º 17.

62Jucef Tahuell foi um dos seis judeus escolhidos, conforme disposição dada em 28-7-1338 pelo tenente do baile geral do reino para que recebessem as contas da administração dos secretários no ano de 1337.74 Após a assalto ao bairro judeu, converteu-se ao cristianismo e tomou o nome de Joan d'Artés. Em 27 de setembro de 1391, o converso Joan Escrivà (anteriormente Jucef Agi) reconheceu perante a justiça que, de devia 300 soldos de Valência, devia 9 soldos e 6 dinheiros por umas balanças que vendeu.75

  • 76 ACA, C., reg. 2050, f. 51r. 2-6-1391, Zaragoza.

63Não eram raras as ocasiões em que estes funcionários da aljama não desempenhavam corretamente as suas funções, e temos um exemplo disso em maio do ano de 1391, na véspera do assalto à judiaria, quando a rainha solicitou ao baile geral que lhe remetesse a ela os processos instaurados contra Açán Abenmarueç, Umer Tahuell, médico, seu filho Isaac Tahuell, Samuel Suxén e outros judeus da aljama, acusados de cometer fraudes e outros delitos em relação ao regimento da aljama, sem especificar mais o seu conteúdo.76

  • 77 ACA, C., reg. 196, f. 296r.
  • 78 ACA, C., reg. 204, f. 48r.

64Alguns membros da linhagem, em particular os que exerciam a medicina e estavam ligados ao poder régio, eram muitas vezes recompensados com a concessão de vários privilégios e isenções, principalmente de natureza fiscal. É o caso do citado Umer Tahuell, a quem em 1298 foi concedido por Jaime II que, por contribuir com seus bens em dereitos reales, tributos e extorsões, nenhum processo por razões fiscais seria feito contra a sua pessoa, nem suas casas seriam declaradas hostis ou os seus bens apreendidos, após o pagamento da parte correspondente aos referidos encargos tributários. Tampouco seus bens podiam ser constrangidos pelas aljamas do reino, os funcionários e porteiros reais, para depositar fianças e penhores sobre dívidas ou outros contratos feitos pela aljama de Valência.77 Novamente, em 2 de maio de 1307, o rei concedeu-lhe, a pedido desta vez de seu conselheiro Gonzalvo Garcés, que os seus fiéis não pudessem ser apreendidos nas pechas e tributos.78 Recordemos que estamos em anos de fortes tensões sociais na aljama valenciana devido à repartição de impostos, a que não eram alheias as frequentes concessões de franquias por parte do monarca.

  • 79 ACA, C., reg. 215, f. 254r.

65Da mesma forma, o seu filho Abrafim Tahuell beneficiou desses privilégios e em março de 1318 Jaime II ordenou ao baile (administrador) geral do reino para não permitir que o referido judeu fosse forçado a desempenhar as funções habituais da aljama, uma vez que havia sido oficialmente dispensado disso, enquanto em 27 de agosto confirmou a isenção pela qual, a pedido do infante Afonso, havia isentado Abrafim para sempre do pagamento de qualquer imposto exigido dos judeus, desde que mantivesse domicílio na judiaria valenciana.79

  • 80 ACA, C., reg. 200, f. 210r. 16-4-1303, Valência.

66Um ano depois, 1303, o referido monarca, tendo em conta a sua idade, concedeu a Umer Tahuell a dispensa de usar a capa e de não ser coresponsável pela insolvência dos outros judeus da aljama.80 Como o citado Tahuell vivia absorto no exercício de sua profissão, Jaime II em dezembro de 1314 garantiu-lhe que não seria forçado pelos seus correligionários a ocupar cargos na aljama. O privilégio foi-lhe ratificado em novembro de 1317.

  • 81 ACA, C., reg. 484, f. 88v–89r. 9-12-1331, Barcelona. Na concessão de 1324, foi ordenado ao Conde de (...)

67Os privilégios régios em matéria tributária concedidos a particulares poderiam referir-se à forma como esses indivíduos eram taxados, sempre com o objetivo de evitar possíveis abusos e, mais uma vez, os médicos figuravam entre os mais favorecidos por tais concessões. Em 16 de fevereiro de 1324, Jucef Tahuell, filho do professor de medicina Umer Tahuell, casado com Perla e pai de Salamó Tahuell, obteve do infante Alfonso um privilégio para que pudesse pagasse por soldo e por libra a parte correspondente nas pechas (tributos ou encargos) e contribuições reais ou da aljama, concessão que foi ratificada sendo já rei, em 9 de dezembro de 1331.81

Top of page

Bibliography

Fontes inéditas

Archivo de la Corona de Aragón (ACA):

  • C., reg. 196

  • C., reg. 200

  • C., reg. 204

  • C., reg. 215

  • C., reg. 229

  • C., reg. 289

  • C., reg. 434

  • C., reg. 449

  • C., reg. 484

  • C., reg. 611

  • C., reg. 652

  • C., reg. 671

  • C., reg. 708

  • C., reg. 853

  • C., reg. 947

  • C., reg. 1101

  • C., reg. 1104

  • C., reg. 1573

  • C., reg. 1580

  • C., reg. 1587

  • C., reg. 1590

  • C., reg. 1822

  • C., reg. 2004

  • C., reg. 2044

  • C., reg. 2050

  • C., reg. 2067

Archivo del Reino de Valencia (ARV):

  • Bailía, apéndice 127

  • Justicia de 300 sueldos, n.º 17

  • Maestre racional, 9826

  • Protocolos de Bernat Flores

  • Protocolos de Bernat Molner

  • Protocolos de Bertomeu Tarragona

  • Protocolos de Joan Parent

  • Protocolos de Ramón Bernat

  • Protocolos, 2810

  • Protocolos, 2858

Archivo de Protocolos del Real Colegio de Corpus Christi (APRCCC):

  • Protocolos de Antoni Tamarit, 2945

  • Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905

  • Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21909

  • Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21910

  • Protocolos de Joan Aguilar, 1287

  • Protocolos de Miquel Arbucies, 978

  • Protocolos de Pere Roca, 1008

  • Protocolos de Pere Roca, 1489

Archivo Municipal de Valencia (AMV):

  • Notal de Jaume Dezplá, n.° 8, sem data

Archivo Histórico de Protocolos de Tortosa (AHPT):

  • Protocolos de Tortosa, libro 1145

Bibliografía secundaria

AA.VV., Jaime I, legislador. El reino de Valencia, Valencia, Generalitat Valenciana, 2008.

BELENGUER CEBRIÀ, Ernest. Jaime I y su reinado, Lérida, Editorial Milenio, 2007.

BURNS, Robert Ignatius, Els fonaments del regne croat de València. Rebel·lió I recuperació. 1257-1263, València, Tres i Quatre, 1995.

BURNS, Robert Ignatius. Colonialisme medieval. Explotació postcroada de la València islámica. Valencia: Tres i Quatre, 1987.

BURNS, Robert Ignatius. Societat i documentació en el regne croat de València. Diplomatarium. I. Introducció I. Valencia, Tres i Quatre, 1988.

CASTILLO SANZ, Jaime, "De solidaritats jueves a confraries de conversos: entre la fosilització i la integració de una minoría religiosa", Revista d'Història Medieval, 4 (1994), pp. 183–296.

GARCÍA MARSILLA, Juan Vicente. Vivir a crédito en la Valencia bajomedieval. De los orígenes del censal al endeudamiento del municipio, Valencia, Universitat, 2002.

HINOJOSA MONTALVO, José, “La conquista de Valencia por Jaime I. Nace un nuevo reino”, Catálogo de la exposición tierras de frontera. Teruel y Albarracín, Zaragoza, Ibercaja-Gobierno de Aragón, 2007, pp. 83–100.

HINOJOSA MONTALVO, José. "Apuntes para la demografía de la aljama judía de Sagunto en los siglos bajomedievales", Sefarad, LV (1995), fasc. 2, pp. 273–284.

HINOJOSA MONTALVO, José. "From Suxén to Salvador: The Saga of a Valencian Lineage", Hispania Judaica Bulletin. Articles, reviews, Bibliography and Manuscripts on Sefarad, 2 (5759/1999), pp. 17–33.

HINOJOSA MONTALVO, José. "Los conversos de judío valencianos en el siglo XV: entre el desarraigo y la asimilación", en Congreso Internacional: la Península Ibérica en la Era de los Descubrimientos, 1391-1492. Actas de la III jornadas hispano-portuguesas de historia medieval, Sevilla, Junta de Andalucía, Consejería de Cultura, 1997, vol. 1, pp. 69–98.

HINOJOSA MONTALVO, José. “Abnayub. Una familia de la oligarquía judía de Valencia”, Publications of eHumanista/Conversos, Santa Barbara, University of California, vol. 9. 2021, pp. 227–252.

HINOJOSA MONTALVO, José. “El crédito judío en la Valencia medieval”, en Cristianos y judíos en contacto en la Edad Media: polémica, conversión, dinero y convivencia, Lérida, Editorial Milenio, 2009, pp. 205–264.

HINOJOSA MONTALVO, José. “El linaje de los Coffe/Bellpuig y su integración en la sociedad valenciana (1391-1450)”, La problemática conversa: Homenaje a D. Eloy Benito Ruano. Rica Amrán e Antonio Cortijo Ocaña (eds.), Publications of eHumanista/Conversos 10, (2022), pp. 22–39.

HINOJOSA MONTALVO, José. “El préstamo judío en la ciudad de Valencia en la segunda mitad del siglo XIV", Sefarad, XLV (1985), pp. 315–339.

HINOJOSA MONTALVO, José. “Judíos arrendadores y recaudadores en el reino de Valencia”, Publications of eHumanista/Conversos, University of California, Santa Barbara, 10, (2022), pp. 211–240.

HINOJOSA MONTALVO, José. “La hora de la muerte entre los conversos valencianos”, Cuadernos de Historia de España, LXXXIII (2009), pp. 81–105.

HINOJOSA MONTALVO, José. “Las familias Toledano en el reino de Valencia durante la Edad Media”, Revue d’Études Juives, 169 (3–4), juillet-décembre, 2010, pp. 439–460.

HINOJOSA MONTALVO, José. “Orfebres judíos en el reino de Valencia”, Hispania Judaica Bulletin, Studies in Memory of Yom Tov Assis, vol. 10 (2014), part 1, pp. 21–34.

HINOJOSA MONTALVO, José. “Sederos conversos en la Valencia bajomedieval”, Anales de la Universidad de Alicante. Historia Medieval, 18 (2012–2015), pp. 187–224.

HINOJOSA MONTALVO, José. En el nombre de Yaveh. La judería de Valencia en la Edad Media, Valencia, Ajuntament, 2007.

HINOJOSA MONTALVO, José. Judíos y juderías en el reino de Valencia, Valencia, Consell Valencià de Cultura, 2011.

LUZ COMPANY, José Luis, Evolución y estrategias de las familias judeo-conversas valencianas en el tránsito del siglo XV, Valencia, Facultad de Geografía i Història, 1993.

MEYERSON, Mark D. Jews in an Iberian Frontier Kingdom. Society, Economy and Politics in Morvedre, 1248-1391, Leiden-Boston, Brill, 2004.

MIRA JÓDAR, J. Antonio. “Els diners dels jueus. Activitats econòmiques d’una familia hebrea al món rural valencià”, Revista d’Història Medieval, 4 (1993), pp. 101–127.

MONTALVO, José. Judíos y juderías en el reino de Valencia, Valencia, Consell Valencià de Cultura, 2011.

NARBONA VIZCAÍNO, Rafael. (coord.), Jaume I i el seu temps 800 anys després, Valencia, Universitat de València, Fundació Jaume II El Just, 2012.

PILES ROS, Leopoldo. “Situación económica de Valencia a comienzos del siglo XIV a través de los préstamos judaicos”, XI Congreso de Historia della Corona d’Aragona, Palermo, Sozieta Napolitana de Storia Patria, 1984, T. IV, pp. 63–88.

RÉGNÉ, Jean. History of the Jews on Aragon. Regesta and Documents, 1213-1327, Edited and Annotated by Yom Tov Asis, Jerusalem, The Magnes Press. The Hebrew University, 1978.

RIERA I SANS, Jaume. “Jafudà Alatzar, jueu de Valéncia (segle XIV)”, Revista d’Història Medieval, 4 (1993), pp. 65–100.

ROMANO, David, Judíos al servicio de Pedro el Grande de Aragón (1276-1285), Barcelona, CSIC, 1983.

TOLOSA, Luisa, “Usureros judíos en la Valencia del siglo XIV”, en Ir Col·loqui d’Història dels Jueus de la Corona d’Aragó, Lleida, Institut d'Estudis Ilerdencs 1991, pp. 291–301.

TOV ASSIS, Yom, The Golden Age of Aragonese Jewry. Community and Society in the Crown of Aragon, 1213-1327, London-Portland, Or, The Littman Library of Jewish Civilization, 1997.

Top of page

Notes

1 R. I. Burns. Colonialisme medieval; R. I Burns,. Els fonaments…; E. Belenguer Cebrià, Jaime I…; J. Hinojosa Montalvo, “La conquista de Valencia…”, pp. 83–100; R. Narbona Vizcaíno. (coord.). Jaume I…; AA.VV., Jaime I, legislador

2 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…; J. Hinojosa Montalvo, Judíos y juderías…

3 Y. Tov Assis, The Golden Age…

4 J. Hinojosa Montalvo, "From Suxén to Salvador:…”, pp. 17–33; J. Hinojosa Montalvo, “Las familias Toledano…”, pp. 439–460; J. Hinojosa Montalvo, “Abnayub…”, pp. 227–252; J. Hinojosa Montalvo, “El linaje de los Coffe/Bellpuig…”, pp. 22–39.

5 J. Régné, History of the Jews…

6 J. Hinojosa Montalvo, “Sederos conversos…”, pp. 187–224.

7 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…

8 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…

9 ACA, C., reg. 215, f. 254v e reg. 229, f. 175r. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 90.

10 ACA, C., reg. 289, f. 78r.

11 ACA, C., reg. 708 f. 186v. 16-3-1362.

12 ARV, Maestre racional, 9826, ff. 104r–106r; J. Hinojosa Montalvo, "Apuntes para la demografía…”, pp. 273–284.

13 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905.

14 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905.

15 AMV, Notal de Jaume Dezplá, n.° 8, sin f. 3-1-1394, Valencia. O melhor preço foi 3600 sueldos e a compra foi feita no dia 2-7-1393.

16 ACA, C., reg. 853, f. 185v–186v. 9-11-1386, Barcelona.

17 ACA, C., reg. 708 f. 186v. 16-3-1362. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 209.

18 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1489, ff. 33v–35v. 16-6-1393, Valência. A casa ficava num beco sem saída, e a casa dos herdeiros de Astruch Xamblell e as casas de Jucef Coffe Albalbasi e as casas dos herdeiros de Benvenist Levi. Observe-se a envolvência judaica da casa dois anos após o ataque ao bairro judeu em julho de 1391.

19 ARV, Protocolos de Bernat Flores. 28-6-1393, Valencia. A casa era contígua com os fundos da casa de Martí d'Artés (Abrafim Tahuell), com a casa dos herdeiros de Isaac Abenvilla, falecido, e com a casa de Jucef Coffe, e com a rua.

20 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21905.

21 ACA, C., reg. 1573, f. 85r–v. 31-10-1364, Lérida.

22 Jaume Riera i Sans, “Jafudà Alatzar…”, pp. 65–100.

23 ACA, C., reg. 1573, f. 7r–v. 20-2-1364, Suera. La carta fue expedida el 21 de febrero.

24 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 170–171.

25 ACA, C., reg. 2044, f. 58r–v. 19-1-1387, Barcelona.

26 ACA, C., reg. 1590, f. 111v–112r. 12-4-1386, Barcelona. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 65–66.

27 ACA, C., reg. 2004, f. 53v–54r. 6-11-1387, Barcelona, e C., reg. 2044, f. 58r–v. 19-11-1387, Barcelona.

28 ACA, C., reg. 449, f. 169r–v. 27-11-1331, Valencia. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 174.

29 ACA, C., reg. 1590, f. 17v. 20-8-1384, Monzón.

30 ACA, C., reg. 1101, ff. 124r–v.

31 ACA, C., reg. 1101, f. 158r. 16-1381, Zaragoza.

32 ACA, C., reg. 1104, f. 28v. 22-8-1382, Valencia.

33 ARV, Protocolos de Antoni Tamarit, 2945. 3-10-1371, Torrent. O pomar confinava com as terras de Domingo Pascual, com as terras de Miquel Decosa e com uma via pública.

34 ARV, Bailía, apéndice 127, f. 123v. 23-10-1377, Valencia.

35 J. Hinojosa Montalvo, “Médicos judíos…”, pp. 415–436; J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 496–509.

36 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 501.

37 ARV, Protocolos de Bertomeu Tarragona, n.º 2709, f. 18v–19r. 25-7-1349, Valência.

38 J. Hinojosa Montalvo, The Jews…; J. L. Luz Company, Evolución y estrategias…; J. Castillo Sanz. "De solidaritats…”, pp. 183–296; J. Hinojosa Montalvo, "Los conversos de judío…”, pp. 69–98; J. Hinojosa Montalvo, “La hora de la muerte…”, pp. 81–105.

39 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21909.

40 ACA, C., reg. 434, f. 120v. J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 501.

41 ACA, C., reg. 1587, ff. 152v–153r.

42 ACA, C., reg. 947, ff. 77v–78r.

43 J. Hinojosa Montalvo, “Orfebres judíos…”, pp. 21–34.

44 ARV, Protocolos, 2810.

45 ACA, C., reg. 1822, f. 161v.

46 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 1487. 27-4-1392, Valência.

47 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21909.

48 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1489, ff. 33v–35v. 16-6-1393, Valência.

49 APRCCC, Protocolos de Miquel Arbucies, 978. 26-1-1397, Valência.

50 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21910. 24-9-1398, Valência.

51 APRCCC, Protocolos de Bartolomé de la Mata, 21910. 24-9-1398, Valência.

52 APRCCC, Protocolos de Joan Aguilar, 1287.

53 J. V. García Marsilla, Vivir a crédito…; J. Hinojosa Montalvo, “El préstamo judío…”, pp. 315–339; J. Hinojosa Montalvo, “El crédito judío…”, pp. 205–264; J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 543–588; J. MIRA JÓDAR, J. Antonio. “Els diners dels jueus…”, pp. 101–127; L. Piles Ros, “Situación económica de Valencia…”, pp. 63–88; L. Tolosa, “Usureros judíos…”, pp. 291–301.

54 L. Piles Ros, “Situación económica de Valencia…”, pp. 63–88.

55 ARV, Protocolos de Ramón Bernat, 2789. 22-3-1362, Valência.

56 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1008. Em 22-10-1383 Hamet Alamí, administrador da aljama dos mouros de Xiva, reconhece dever a Tahuell, em nome da aljama, a soma de 50 libras e 10 sueldos que lhes emprestou, que devolverão em três meses, mais 50 soldos e 6 dinheiros de juros.

57 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1008. 2-11-1383, Valência.

58 ARV, Protocolos, 2858. Em 2-11-1382, Jaume Apiora, cidadão valenciano, deu a Tahuell 60 libras, o resto do que lhe devia por um empréstimo que lhe fez, junto com juros. ARV, Protocolos, n.º 2810. Em 22-2-1386, Joan Spinalbo, agricultor da Picanya, reconheceu dever-lhe 6 florins que lhe emprestou. ARV, Protocolos de Joan Parent, 2823. Em 25-5-1357, Joan Gallego, um cambista, e Pere Bernés, um ourives de Valência, reconheceram que lhe deviam 50 libras, que pagariam em dois meses. ARV, Protocolos de Bernat Molner, n.º 2819. Em 25-5-1373 Guillem Doménech e Joan Sanxo, curadores daquele ano, e Egidi Terga e Alfons d'Alpont, jurados do Torrent, reconheceram ter recebido 1200 soldos de Tahuell que lhes emprestou.

59 APRCCC, Protocolos de Pere Roca, 1008. Em 10-9-1383, Antoni Cargo e Vicent Argent, fazendeiros de Ruzafa, deviam a Abrafim Tahuell, médico, 50 soldos por um empréstimo que ele lhes concedeu. Eles devolveriam em um ano, com 10 soldos de juros. APRCCC, Protocolos de Pere Roca, n.º 1008. A 11-2-1383, Mahomat Abencolom, mouro de Buñol, procurador da aljama, reconheceu dever a Astruch Tahuell, filho do mestre Humar Tahuell, 42 florins de ouro que lhes emprestou. Ele devolvê-los-ia em seis meses com juros de 4 florins e 2 soldos.

60 ACA, C., reg. 671, f. 8r–v. 8-2-1353, Barcelona.

61 ACA, C., reg. 652, f. 85v. 1-6-1348, Valência.

62 ACA, C., reg. 853, f. 42r.

63 D. Romano, Judíos al servicio…

64 R. I. Burns, Colonialisme medieval…, pp. 351–376; R. I. Burns. Societat i documentació…

65 M. D. Meyerson, Jews in an Iberian Frontier.

66 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, pp. 509–513; J. Hinojosa Montalvo, Judíos y juderías…, pp. 110–113.

67 J. Hinojosa Montalvo, “Judíos arrendadores y recaudadores…”, pp. 211–240.

68 ARV, Bailía, apéndice 127, f. 99r.

69 ACA, C, reg. 2067, ff. 128r–v. 26-10-1378, Valência.

70 J. Hinojosa Montalvo, En el nombre de Yaveh…, p. 348.

71 ACA, C, reg. 1580, f. 68r. 3-9-1371, Valencia.

72 AHPT, Protocolos de Tortosa, libro 1145, f. 101v.

73 ACA, C., reg. 1590, f. 120v. 1-5-1386 e 18-5-1386, Barcelona.

74 ACA, C., reg. 611, ff. 72v–73r.

75 ARV, Justicia de 300 sueldos, n.º 17.

76 ACA, C., reg. 2050, f. 51r. 2-6-1391, Zaragoza.

77 ACA, C., reg. 196, f. 296r.

78 ACA, C., reg. 204, f. 48r.

79 ACA, C., reg. 215, f. 254r.

80 ACA, C., reg. 200, f. 210r. 16-4-1303, Valência.

81 ACA, C., reg. 484, f. 88v–89r. 9-12-1331, Barcelona. Na concessão de 1324, foi ordenado ao Conde de Urgell, procurador real, não proceder contra Tahuell ou sua família, pessoalmente ou patrimonialmente, pelo que estivasse por pagar de ditas contribuições, dívidas, violações ou outras extorsões, nem que ele fosse proibido de entrar ou sair dos portais da judiaria por tal causa.

Top of page

References

Electronic reference

José Hinojosa Montalvo, Contribuições ao estudo da família judaica Tahuell (Valência, ss. XIII–XIV)Hamsa [Online], 9 | 2023, Online since 19 November 2023, connection on 19 June 2024. URL: http://journals.openedition.org/hamsa/4061; DOI: https://doi.org/10.4000/hamsa.4061

Top of page

About the author

José Hinojosa Montalvo

Universidade de Alicante
johimon@yahoo.es

Top of page

Copyright

CC-BY-NC-ND-4.0

The text only may be used under licence CC BY-NC-ND 4.0. All other elements (illustrations, imported files) are “All rights reserved”, unless otherwise stated.

Top of page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search