Navegação – Mapa do site

InícioApresentaçõesPróximos NúmerosAntropologia da criança

Antropologia da criança

ano 27, n. 59, jan./abr. 2021

Número organizado por:
Patrice Schuch – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
Fernanda Rifiotis – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
Clarice Cohn – Universidade Federal de São Carlos, Brasil
Fernanda Ribeiro – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil

A antropologia da criança tem se desenvolvido nas últimas décadas, configurando-se hoje como um campo florescente e fecundo no qual pesquisas muito diversas têm sido desenvolvidas. Entendendo que pesquisar sobre e com crianças é fazer antropologia, mas que também suscita questões próprias, em uma inovação teórica, conceitual e metodológica da disciplina, este número temático propõe reunir estudos diversos que apontem para a diversidade mesmo do campo. Nestas últimas décadas, revelou-se que as crianças têm muito a revelar em pesquisas, e não só por elas mesmas, mas por dar luz a pontos importantes do campo de pesquisa que seriam obliterados ao não se levar em conta seus pontos de vista e suas atuações. Ademais, seu protagonismo, e seu papel de sujeito, tem sido um pano de fundo nos diversos esforços de reflexão antropológica com e sobre elas.
Este número temático propõe reunir trabalhos que tenham como foco os modos pelos quais as crianças se constroem enquanto sujeitos, a fim de mapear e problematizar os desafios teóricos e metodológicos no campo da Antropologia da Criança. Como forma de reunir em um número temático estudos que têm sido publicados de modo mais esparsos, mas que têm ganhado atenção em eventos acadêmicos em Grupos de Trabalho, Mesas e Simpósios dedicados ao tema, interessa-nos trazer para o primeiro plano das reflexões o potencial das crianças para revelarem o que nem sempre é objeto de atenção em estudos focados exclusivamente nos adultos. Gostaríamos de receber trabalhos sobre infâncias diferenciadas com seus temas relativos – crianças urbanas, campesinas, quilombolas, indígenas, ciganas, de populações “tradicionais”, sem-terra, assentadas, trabalhadoras, escolarizadas, de classe média e alta, e em situação de institucionalização – que suscitem questões de gênero, raça, direitos específicos e subjugo do Estado. Destacamos a importância de pensar sobre os direitos e a proteção desses sujeitos, assim como também sobre os “sujeitos desses direitos” e seu “protagonismo social”. Seguindo tal perspectiva, a proposta do número temático é congregar pesquisas etnográficas recentes que suscitem discussões teóricas, metodológicas e éticas em diferentes contextos nacionais e internacionais abarcando: estudos que exercitem reflexões teórico-metodológicas sobre a pesquisa com crianças, que pensem as experiências de construção das crianças enquanto sujeitos, que empreendam análises das políticas públicas voltadas a estes sujeitos, ou mesmo contextos em que o próprio Estado viole seus direitos, que discutam as concepções de infância, que problematizem a relação das crianças com as tecnologias de governo e que coloquem em perspectiva a questão da proteção e dos direitos desses sujeitos e seu protagonismo social.

Publicação prevista para janeiro de 2021

Submissão de artigos aberta até 31/01/2020:
http://seer.ufrgs.br/horizontesantropologicos

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search