Navigation – Plan du site

AccueilNuméros21Le théâtre du XXIème siècle dans ...Teatro brasileiro e censura no go...

Le théâtre du XXIème siècle dans les Amériques : de l'intime au politique

Teatro brasileiro e censura no governo Bolsonaro

Théâtre brésilien et censure dans le gouvernement Bolsonaro
Brazilian theater and censorship in Bolsonaro government
Gabriela Lirio

Résumés

L’objectif est de faire une recherche sur la scène brésilienne contemporaine au XXIe siècle à partir des changements politiques dans le pays, surtout après le coup d’État parlementaire de 2016 qui a destitué la présidente Dilma Rousseff. Je pars de l’hypothèse que la deuxième décennie de ce millénaire a accentué la création scénique de spectacles d’autofiction et/ou documentaires, dont les thèmes portent sur les rapports entre mémoire et politique, comme une tentative d’affronter et de dénoncer la censure, l’absence de financement et la politique génocide du gouvernement en place. Le Brésil, seul pays d’Amérique Latine à avoir amnistié des tortionnaires après le coup militaire (1964-1984), se trouve dans une situation limite, où les droits et la liberté sont constamment menacés. Dans ce sens, le théâtre propose de revisiter l’histoire de thèmes liés à la dictature militaire, à la suppression des droits et à des questions de race et de genre qui sont analysées dans des œuvres théâtrales d’auteurs comme Grace Passô, Renata Carvalho et Pedro Kosovski.

Haut de page

Texte intégral

Introdução

O Brasil tem um imenso passado pela frente
(Millôr F., 2014: 11)

  • 1 Nem mesmo a imprensa brasileira, com raras exceções, nomeou, em 2016, como golpe a destituição pelo (...)

1A história do Brasil sofreu um revés inesperado com a eleição do governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro. Com o golpe parlamentar de 2016, que destituiu a Presidente Dilma Rousseff e a prisão arbitrária do ex-Presidente Lula, elegemos, em 2018, um governo cujo retrocesso atingiu duramente a economia, a educação, a saúde, a cultura e, sobretudo, as populações mais vulneráveis: LGBTQIA+, indígenas, negros, ribeirinhos, quilombolas, moradores de rua. Assistimos à ascensão de "formas ultrajantes de racismo, sexismo e homofobia [...] verbalizadas sem constrangimentos por agentes no centro da política brasileira" (Miguel L.F., 2019: 11). Incrédulos nos perguntamos de onde saíram tantos cidadãos brasileiros de extrema-direita reproduzindo falas fascistas e legitimando um discurso impensável em um país que se orgulhava de ser democrático. A transição democrática, após o fim do regime militar (1964-1985), não apontou, como muitos acreditavam, para um crescente amadurecimento e desenvolvimento do sistema político brasileiro. Ao contrário, tornou-se evidente, pelo simples fato de nem ao menos se admitir o golpe1 a uma presidente eleita, que a elite não se conformou com a tentativa de se adotar uma política menos desigual, envolvendo ações afirmativas, como o sistema de cotas nas universidades públicas, o aumento da renda das classes trabalhadoras e dos mais pobres, e o acesso a bens culturais e sócio-econômicos. Marilena Chauí, ao comparar os dois golpes – de 1964 e o de 2016 – afirma que, no segundo, a classe média, empurrada pelo ressentimento, pelos meios de comunicação de massa e inflada por partidos políticos de direita, "[...] o fez com uma violência, um ressentimento e um desejo sombrio de vingança não encontrado nem mesmo nas Marchas pela Família que encabeçaram o golpe de 1964" (Chauí M., 2016: 22).

2Utilizando-se de argumentos, como o receio de forças comunistas infiltrarem-se na sociedade e, ainda, o de uma doutrinação marxista a crianças e jovens, o governo atual passou a perseguir intelectuais, ativistas, artistas, religiosos de matriz africana, censurando obras, ameaçando e cortando recursos nas mais diversas áreas do conhecimento, assim como fomentos a projetos pioneiros nas áreas da saúde (Weiller J., 2019), da educação (Brasil de Fato, 2022), da cultura (Caldas A.C., 2021) e da preservação ambiental (Ciclo Vivo, 2022). Há muitos fatores que contribuem para a deriva brasileira que podem ser analisados à luz de nossa história escravocrata, elitista, patriarcal. O racismo estrutural, a corrupção, a desigualdade sócio-econômica, a violência do Estado ecoam como um passado que se projeta como futuro em movimento recorrente. Ao contrário dos demais países latino-americanos que preservam a memória como forma de luta contra as ditaduras que assolaram o continente nos anos 1960/1970, o Brasil foi o único país a anistiar torturadores. Até hoje, militares não admitem que houve tortura em uma tentativa de reescrever outra história da "pátria amada", idílica, na contramão da realidade brasileira. Não à toa membros da CNV (Comissão Nacional da Verdade), que trabalharam intensamente na busca por arquivos, muitos dos quais destruídos, em prol da justiça aos familiares de desaparecidos e assassinados ao longo da Ditadura Militar, sofreram todo tipo de pressão e boicote até o encerramento da Comissão (Rede TVT, 2019).

  • 2 No momento de revisão final deste artigo, redigido ainda no ano de 2022, em 8 de janeiro de 2023, u (...)

3O nosso passado, em pleno século XXI, nos assola porque assistimos a ameaça de um novo golpe militar, anunciado pelo Presidente Jair Bolsonaro que temia não se reeleger no final de 2022, o que de fato ocorreu2 (Folha de S. Paulo, 2021).

Paradoxalmente, os fantasmas que insistiam em retornar eram os que mais se pareciam com os elementos da vida cotidiana. Na verdade, vivos e mortos compartilhavam o mesmo plano de existência. Nós, brasileiros, andamos atualmente perseguidos pelo nosso passado e ainda nos dedicando à tarefa de expulsar fantasmas que, teimosos, continuam a assombrar (Schwarcz L., 2019: 40).

Censura no Brasil: repetição em espiral

Seu silêncio não vai proteger você
(Lorde A., 2019: 52)

  • 3 O conjunto de esculturas Bichos de Ligia Clark permitia a interação do público, uma vez que, a part (...)

4Nos três primeiros anos do governo Bolsonaro, o Brasil somou 211 casos de censura, segundo levantamento realizado pelo Movimento Brasileiro Integrado pela Liberdade de Expressão Artística (Mobile) (Valente R., 2022). Velasco (2018) aponta a segunda metade do ano de 2017 como um momento histórico a ser destacado, "marcado por uma série de ataques à arte por grupos ultraconservadores, que alcançaram uma dimensão inédita em protestos, atos violentos e campanhas na internet com fatos inventados" (Velasco S., 2018: 15). Três eventos foram disparadores da perseguição a que se submeteram os artistas brasileiros a partir de então: o primeiro, o fechamento da exposição "Queermuseu- Cartografias da Diferença na Arte Brasileira", no Santander Cultural, em Porto Alegre, interditada após protestos na Internet e no Congresso Nacional, por acusações infundadas a obras de artistas consagrados como Adriana Varejão, com o argumento de "incitação à pedofilia, zoofilia e blasfêmia" (Ibid.); o segundo, a performance "DNA de DAN", que já vinha sendo realizada desde 2013, em Brasília, na qual o performer Maikon K foi detido pela Polícia Federal por atentado ao pudor, porque estava nu; e o terceiro caso, a perseguição violenta ao também performer Wagner Schwartz, com ameaças de morte, após a divulgação de um trecho em vídeo da sua performance "La Bête" (Strecker M., 2019), realizada no 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte de São Paulo. A performance pretendia investigar a relação do corpo com o espectador, a partir da escultura "Bichos", de Lygia Clark, considerada pela artista uma obra-processo, aberta à transformação e à manipulação3. No trecho, uma criança, acompanhada de sua mãe, toca os pés e as mãos do performer que se apresentava nu. Foi o suficiente para que políticos ultradireitistas e religiosos o chamassem de psicopata, pedófilo, entre outros adjetivos. Luiz Camillo Osorio, curador do Panorama, foi convocado ao Senado Federal para prestar esclarecimentos e, a partir do que chamou de "trauma", refletiu sobre como a nudez do corpo de um artista ainda incomoda em pleno século XXI e o modo pelo qual a sociedade brasileira contemporânea tem dificuldade "em lidar com as diferenças e com o simbólico" (Osorio L.C., 2018: 41).

Não querer saber o que houve e não querer diferenciar formas de nudez e de participação, não perceber o espaço da arte e do museu como um espaço do ver além do sabido e onde outras formas de vida e visões de mundo podem ser imaginadas é querer fechar o campo simbólico de sua constante abertura para a diferença (Ibid., p. 44).

O teatro brasileiro contra a barbárie

O Brasil é um sonho!
Mundo tem. Só não tem o Brasil.
O Brasil não existe (Passô G., 2022)

5O teatro brasileiro contemporâneo apresenta uma revisitação histórica de temáticas ligadas à ditadura militar, à supressão de direitos e a questões de raça e gênero, que serão analisadas neste artigo, em espetáculos de autores como Grace Passô, Renata Carvalho e Pedro Kosovski. No curta-metragem "República" (2020), lançado na pandemia, Passô investiga os limites entre a ficção e a realidade, a partir do argumento de que o Brasil é um sonho de alguém que pode, a qualquer momento, acordar. Presa em seu apartamento em São Paulo, recebe a notícia de que o país é um sonho por telefone, o que desarticula a experiência do significado de estar viva. Ao olhar pela janela do apartamento, em um misto de assombro e procura de liberdade, se depara com um xamã, que poderia ser confundido com um morador de rua, revelando-se uma outra face dela mesma. Um duplo. No encontro entre ambos, o xamã, também representado por Passô, frente à personagem, berra: "O seu Brasil acabou e o meu nunca existiu!", frase que denuncia a expressiva desigualdade social e a tragédia que se abate sobre todos os brasileiros, independente da condição sócio-econômica. O duplo não é dicotômico, mas intrínseco à falta de sentido e de horizontes da população. Confinada na pandemia, a população sofre também nas mãos de um governo autoritário, que retira a capacidade dos brasileiros de sonhar com o futuro e, mesmo de viver, diante do trauma e do desamparo psíquico decorrente de mais de 600 mil mortes que, em grande parte, poderiam ter sido evitadas, caso houvesse política sanitária e campanhas de vacinação. Em um presente distópico, o Brasil é uma nação à deriva. Quais os limites entre realidade e ficção, ou melhor, entre o sonho-pesadelo e a realidade, entre a fábula e a farsa, em um país que acumula notícias cujo adjetivo pode ser "inacreditável", "surreal", "nonsense"? Passô traduziu o sentimento devastador de, na pandemia, em meio a milhões de mortos, termos escutado, por exemplo, o Presidente da República dizer que não era coveiro (UOL, 2020), e de negar-se a tomar vacina, já que poderia "virar jacaré" (UOL, 2020a). O que realizar artisticamente diante do inenarrável?

6A partir dos anos 2010, acompanhamos a explosão do número de espetáculos autoficcionais brasileiros, impulsionados, em parte, pelo interessante crescente nas "narrativas de si" e seus desdobramentos políticos no cotidiano, ao revelarem aspectos da vida comum em seu embate com a realidade. Ao tomarmos a definição de Serge Doubrovsky (2014), de que "a autoficção é como um sonho", em sua emergência, identifica-se o caráter de denúncia em produções teatrais brasileiras que versam sobre narrativas de demolição, nas quais o sujeito encontra-se destituído de um lugar político legitimado na sociedade. Volta-se à dificuldade de aceitação da diferença, a que se refere Osório, e nota-se que questões ligadas ao debate sobre gênero e raça, por exemplo, têm nas artes cênicas um papel preponderante.

Vaga Carne e o racismo estrutural

É claro que sou resultado, obviamente, de um feminismo negro, que se coloca na minha vida hoje como não existia antes. [...] A minha existência, o que significo na sociedade, isso é de uma tentativa de marginalização tão grande na nossa história social que não tem como eu não lidar diretamente, no meu trabalho, com questões como a minha negritude (Diegues I. et al., 2019: 108).

  • 4 Inicialmente, a artista não imaginava filmar o espetáculo, mas depois se interessou em compreender (...)

7Grace Passô, diretora, dramaturga e atriz, é inegavelmente um dos nomes mais representativos do teatro brasileiro contemporâneo. Escreveu diversas peças, muitas das quais premiadas, como Por Elise (2005/2012), Amores Surdos (2006/2012), Congresso Internacional do Medo (2008), Mata teu pai (2017), entre outras. Vaga carne (2016), objeto dessa análise, é um tríptico, criado pela artista: dramaturgia, publicada em 2016; espetáculo de 2018 e média-metragem de 20204. É voz que nasce das entranhas, ecoa desde a chegada dos navios negreiros em solo brasileiro. Rasga a cena e invade o rosto de cada espectador negro no filme-montagem. A carne não é frágil e nem silencia diante do passado que teima em se repetir. A voz não se faz de rogada. Invade corpos, arrebata movimentos, provoca angústia. Ecoa a violência de ser negro no Brasil. Personagem principal, a voz tenta descrever um corpo por dentro; como é habitar um corpo? O corpo como construção social, que acompanha o movimento de uma vida, as transformações, os embates com a própria identidade, com as relações e as visões internas e externas. Invade corpos e tecidos. Ao entrar dentro do olho de um corpo, passa a perceber os múltiplos olhares dos outros, refletidos, no filme, nos olhares de cada espectador negro na plateia. A perspectiva é assim adotada de modo a questionar os cânones e as impressões legitimadas por uma sociedade profundamente desigual, violenta e injusta. "Olhos são faróis ou são facas", afirma a voz.

8Em O genocídio do negro brasileiro, Abdias Nascimento realiza uma crítica contundente ao que se denominou chamar no Brasil de "democracia racial", narrativa difundida, ao longo da história brasileira, entre jornalistas, intelectuais e a própria elite, na defesa da ideia de um convívio harmonioso entre raças, presente no ideário da formação do país. A democracia racial inexiste se não são dadas condições econômicas, sociais, políticas e culturais paritárias entre raças. Em "uma democracia cuja artificiosidade se expõe para quem quiser ver; só um dos elementos que a constituíram detém todo o poder em todos os níveis político-econômico-sociais: o branco" (Nascimento A., 2016: 54). Nesta obra relevante ao debate, Nascimento traça os rumos de um racismo mascarado e de uma narrativa ilusória que corrobora para sustentar a tese da elite branca que se interessa apenas em perpetuar os benefícios do acesso e da manutenção do poder; este, aniquilador para aqueles que se opõem ao modelo hegemônico. Para Passô, ainda hoje, é um desafio à ruptura com a perspectiva elitista, presente em todas as instâncias de poder, inclusive na universidade pública, pouco aberta ainda a referenciais bibliográficos distintos do modelo colonizador europeu e que resiste ainda em debater a inserção de negros em seus quadros docentes.

O Brasil precisa sair da lógica de pensar as racialidades sob o ponto de vista da benevolência. Pensar sobre as raças não diz respeito só a negras e negros. Precisa sair disso: "não sou negra, estou lendo sobre negritude porque quero ouvir o outro". Tem que sair disso. Se você está lendo sobre negritude ou a formação desse país, você está lendo para se ouvir, para entender o que você significa (Passô G., 2020).

9Ser artista na sociedade brasileira contemporânea exige que o pensamento político se transforme em ação. O debate sobre representatividade negra é urgente e se dá também no campo artístico, contaminado, por exemplo, por processos de seleção de elenco voltados apenas a atores brancos, independente da proposta temática. Chama a atenção o reduzido número de espetáculos, performances, filmes e exposições com a participação de artistas negros. É preciso, portanto, rever as perspectivas de um olhar colonial e transformá-las em ação, incorporando no dia-a-dia questões legitimamente brasileiras que reflitam nossa diversidade racial e nossa História. Não podemos nos restringir apenas a uma espécie de mea culpa, a que se refere Passô. Enquanto mantivermos um discurso alienado e alienante, "varrendo para debaixo do tapete" nossa memória, daremos continuidade ao atraso econômico, político, social e cultural do país, como um movimento em marcha à ré, um eterno retorno diante do trauma reincidente. Ao habitar os corpos e se dirigir ao corpo negro, a voz, na sua imaterialidade, preenche espaços, reverbera discursos, se impõe em um ambiente opressor, ecoando a força e a coragem para mudar o rumo dos acontecimentos políticos. A voz é um clarão, uma fissura, no terreno arenoso que perpetua a impunidade, a inação e a injustiça.

10Ao final de Vaga Carne, a artista reedita discursos relevantes ao Brasil contemporâneo, dialogando com a história e a violência sofrida por mulheres, como a vereadora Marielle Franco, assassinada brutalmente, cujo crime permanece impune. Pouco tempo antes de seu assassinato, discursou na câmara de vereadores se impondo em um espaço corrompido, repleto de homens brancos, que não a deixavam falar. Marielle ergueu sua voz afirmando que não seria interrompida por aqueles que não respeitavam uma mulher eleita. Passô também incorpora o discurso da presidente Dilma Rousseff no momento de seu impeachment em 2016; a fala eloquente e ativista de Rosa Parks; assim como a de Lélia Gonzalez, em 1988, ao resgatar a memória de Zumbi dos Palmares. Vozes femininas negras, símbolos da resistência e da luta contra o racismo, o machismo, o abuso de poder, a violência que constitui o genocídio diário às comunidades e ao povo preto.

Autoficção e gênero

11Na última década, espetáculos autoficcionais destacam-se ao documentar a trágica realidade da comunidade LGBTQIA+ no Brasil, líder de homicídios no mundo, pelo décimo segundo ano consecutivo (Justo G., 2020). Apenas no ano de 2021, foram 316 assassinatos. Luiz Antonio Gabriela (2017), de Nelson Baskerville, encenado pela Cia. Mugunzá de Teatro, conta a história do irmão do diretor, Luiz Antonio, rejeitado pela família em decorrência de conflitos vivenciados pela não aceitação de sua homossexualidade em plena ditadura militar. A história de Baskerville, irmão caçula de Luiz Antonio, abusado por ele sexualmente na infância, é revelada em dramaturgia, na qual o perdão e a culpa entrelaçam-se, na busca de seu paradeiro. A travesti Gabriela é encontrada, por uma outra irmã na Espanha, trinta anos depois, já na meia-idade, muito doente. Utilizando-se de objetos, cartas, fotografias, diários, depoimento em vídeo, documentos pessoais, o espetáculo é um testemunho da violência e da exclusão em decorrência da transfobia e do horror à diferença. BR Trans (2015) de Silvero Pereira é um monólogo do ator, realizado após pesquisa sobre as travestis brasileiras. Pereira atravessou o país, do interior do Nordeste ao sul portoalegrense, com o objetivo de reunir narrativas traumáticas de "inúmeras travestis [...] humilhadas, discriminadas, violadas e assassinadas [...] renascidas em uma cena (auto)biográfica" (Lirio G., 2015). Para ele, não se trata apenas de um debate sobre gênero, mas de uma reflexão política da arte sobre a função do artista diante do abismo perverso e violento do cotidiano. Em cena, documentos da pesquisa, objetos, LP’s, livros se misturam à performatividade do corpo avesso a rótulos e estigmas e suas implicações ao ocupar cada vez mais espaço no teatro e na sociedade brasileira. O espaço político é conquistado se há representatividade em todos os setores da sociedade, o que não ocorre. A maior parte das travestis brasileiras, para sobreviver, torna-se prostituta porque tem sistematicamente acesso negado a empresas e instituições, independente de sua qualificação profissional. Mesmo no teatro brasileiro, avança-se na última década no questionamento de distribuição de papeis, antes restritos a atores homossexuais e/ou heterossexuais cisgêneros, o que vem sendo modificado a partir da luta da comunidade trans pela ocupação efetiva no mercado de trabalho nas artes.

Manifesto Transpofágico: luta pela vida e resistência política

Ele é mais forte. Fala por mim. Meu corpo veio antes de mim. Sem eu pedir. Ele é mais velho do que eu. Meu corpo é minha jaula, minha cela. [...] Este corpo é o de uma travesti. Eu sou uma travesti. Se esta informação te traz desconforto ou perigo e quiser se retirar do teatro de forma segura, com calma, esse é o momento [...] Aos que permaneceram, colocarei meu corpo travesti em primeira pessoa, em forma de um manifesto, uma escrevivência ou uma simplesmente uma "travaturgia" (Carvalho R., 2022).

  • 5 Renata Carvalho iniciou, em 2017, a pesquisa Transpologia, no momento em que se tornou Agente de Pr (...)
  • 6 "Nada do que eu fale ou faça surte efeito [...] Confesso que às vezes não apenas falo, mas também g (...)

12A representatividade travesti é também tema do espetáculo Manifesto Transpofágico, atuação e dramaturgia de Renata Carvalho5 e direção de Luiz Fernando Marques. O corpo travesti envolto em uma penumbra ganha luminosidade em seu contorno, destacando a experiência-limite daqueles que tem como média de vida apenas trinta e seis anos no Brasil. Renata, travesti, apresenta-se como testemunha da sua própria história e de 90% daqueles que precisaram viver na prostituição compulsória, sem outra alternativa de sobrevivência em um país que deseja vê-las mortas, sobretudo se o corpo travesti é negro. À homofobia une-se o racismo estrutural. O genocídio de travestis, como afirma Renata, tem cor. No Manifesto, a palavra ganha corporeidade e o corpo "grita"6. Carrega a dor e a diferença, o pênis e o peito de silicone, transpassado pela projeção de matérias de jornais, revistas, fotografias, imagens que revelam, por exemplo, a perseguição e o genocídio de travestis na ditadura militar, ou ainda, nos anos 1980, as "caçadas como se fossem bichos" pela Polícia Militar porque se acredita que o corpo-travesti é contaminado e contaminante, corpo-assassino, corpo-AIDS e, por isso, deve ser exterminado. Renata revela o "travesticídio" à época, o assassinato de milhares de travestis pelo Estado brasileiro, documentado pela imprensa e apoiado pela opinião pública, o que, infelizmente, continua a ocorrer (Benevides B., 2022).

Fotografia 1: Renata Carvalho em cena do Manifesto Transpofágico

Fotografia 1: Renata Carvalho em cena do Manifesto Transpofágico

Foto: Nereu Jr.

13A "travaturgia" de Renata relaciona-se diretamente ao outro, é construída, em um segundo momento do espetáculo, no diálogo com o espectador, em perguntas feitas diretamente ao público sobre corpo travesti, transfobia estrutural, violência, cidadania precarizada. O corpo antes no palco, destacado pela iluminação suave, passa a ser iluminado na plateia por uma luz de serviço, como um corte abrupto e proposital na autoficção. Renata afirma que há um impasse entre a artista e a pessoa física ao desejar a demarcação de um lugar político que atravessa a cena teatral, saindo do palco para a vida, uma ruptura de limites entre o corpo travesti e o corpo do mundo, corpus social, em um movimento de pertencimento, contrário à morte. Movimento de afirmação da vida e da diferença. O conceito de "travaturgia", criado por ela, uma dramaturgia travesti, autoficcional, adquire amplitude em sua dimensão histórico-performativa, ao resgatar a história do próprio país e projetá-la no corpo – testemunha e vítima da barbárie.

Memória histórica e esquecimento

14O Brasil vira as costas sistematicamente para seu passado, como se excluísse qualquer resquício do trauma de ditaduras, golpes, patriarcalismo, coronelismo, racismo estrutural, luta de classes, repressão, violência, corrupção, desigualdade social, racial e de gênero. É a tentativa de se apagar o passado, na impossibilidade de analisá-lo e enxergá-lo como "promessa de futuro" (Barrenechea M., 2008: 59), sendo o futuro aquele que nos permite "a possibilidade de re-fundar a cada instante o passado" é que reeditamos, tal qual Sísifo, as mesmas injustiças como se assistíssemos a um filme em looping. O imaginário do Brasil, como aponta Lilia Schwarcz, é sustentado por quatro pressupostos:

O primeiro deles leva a supor que este seja, unicamente, um país harmônico e sem conflitos. O segundo, que o brasileiro seria avesso a qualquer forma de hierarquia, respondendo às adversidades sempre com uma grande informalidade e igualdade. O terceiro que somos uma democracia plena, na qual inexistiriam ódios raciais, de religião e de gênero. O quarto, que nossa natureza seria tão especial, que nos asseguraria viver num paraíso. Por sinal, até segunda ordem, Deus (também) é brasileiro (Schwarcz L., 2019: 22).

  • 7 "A Comissão Nacional da Verdade (CNV) ao examinar o cenário de graves violações de direitos humanos (...)

15Não é difícil compreender como a arte brasileira incomoda – e, por isso, é censurada – ao questionar uma história mítica e idílica de um país que nada se assemelha à fotografia da coexistência pacífica. Última nação a abolir a escravidão nas Américas, permanece tendo sua estrutura escravocrata mantida, inclusive, anualmente, nos casos descobertos de escravidão nas casas da elite brasileira. Permanece também torturando e matando com sua polícia de Estado, o que confirma que a ditadura continua com outras feições e nada camuflada7. O passado se repete sem revisão histórica, sem memória, sem rastros.

16Caranguejo Overdrive, de Aquela Cia. De Teatro, dirigido por Marco André Nunes, com dramaturgia de Pedro Kosovski, expõe as vísceras da nossa história, traz à tona os "rastros e os restos", como o caranguejo que se alimenta deles no manguezal. Com a proposição de realizar uma revisão histórica, na contramão de forças colonizadoras, opressoras e ditatoriais, o espetáculo foi censurado e excluído da pauta do Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, o que gerou uma movimentação artística significativa, com manifestações na imprensa e em frente ao espaço. A luta contra o esquecimento, ou ainda, contra a eliminação de "lugares de memória" (Nora P., 1993) é papel da arte brasileira diante do ritornello de eventos traumáticos e tem uma "tarefa altamente política: lutar contra o esquecimento e a denegação é também lutar contra a repetição do horror (que, infelizmente, se reproduz constantemente)" (Gagnebin J.M., 2009: 47). A ficcionalização do passado a ponto de torná-lo estranho provoca, sobretudo naqueles que têm consciência histórica, o sentimento de não-pertencimento e de exclusão, de uma vida inócua, inoperante, sem sentido. O reconhecimento coletivo do que se viveu é necessário não apenas para evitar a repetição incessante de situações traumáticas, mas também para vislumbrar o futuro naquilo que ainda é desconhecido e, como novo, possui potencial revolucionário e transformador.

Fotografia 2: Fellipe Marques em cena do espetáculo Caranguejo Overdrive

Fotografia 2: Fellipe Marques em cena do espetáculo Caranguejo Overdrive

Foto: Elisa Mendes

  • 8 O Mangue foi aterrado e teve sua obra concluída ainda no século XIX. Em seu lugar, foi construído, (...)
  • 9 Beribéri, depois sabemos. Doença típica dos escravos no Brasil Colônia, que consiste em um déficit (...)
  • 10 O livro de Josué de Castro escrito em 1966 é, em parte, narrativa autobiográfica, inspirada na sua (...)
  • 11 O Movimento Manguebeat surge em Recife, em 1991, com uma cena musical que mistura referências da cu (...)

17A dramaturgia de Caranguejo Overdrive retoma parte significativa da história do Brasil ao criar o personagem Cosme, um catador de caranguejo, na região do Mangue8. Convocado pelo governo brasileiro a lutar na guerra do Paraguai, ao retornar à cidade do Rio de Janeiro, vê sua vida e seu corpo completamente transformados. Sobrevive a diversas doenças, pneumonia, difteria, cólera e, também à miséria e à ausência de condições sanitárias, levando-o a uma experiência-limite do corpo, a uma "explosão interna, uma síncope nervosa"9 (Kosovski P., 2016: 36). Utilizando-se de referências como a obra "Homens e Caranguejos", do geógrafo Josué de Castro10, o tropicalismo, a música de Chico Science11, além do conceito de antropofagia de Oswald de Andrade, o espetáculo é uma reflexão sobre a fome "que não é sentida no estômago, mas no espírito" (Kosovski P., 2016: 14). Em seu retorno, Cosme encontra-se com a puta paraguaia, raptada na guerra e trazida para o país, que se oferece para ser sua "guia turística". Ao adotar uma concepção polifônica na sala de ensaio, na qual corpo e memória são ativados, Marco André busca a criação de um corpo coletivo que reflita o que, de fato, esteve à margem da história oficial. Em uma das cenas mais importantes do espetáculo, a atriz Carolina Virgüez (a puta paraguaia) narra, em improviso com ritmo alucinante, um período brasileiro extenso – da guerra do Paraguai aos dias atuais – refletindo sobre o processo de alienação histórica, os sucessivos golpes que sofremos e, sobretudo, a ficcionalização de uma narrativa que não reconhecemos como sendo nossa.

Diante dessa paisagem lamacenta de galhos retorcidos onde confluem memórias dos rios da história brasileira e latino-americana, quais seriam as nossas estratégias poéticas e cênicas em um processo de criação experimental e colaborativo? Como entrelaçar territórios, texturas diversas, tempos e espaços? Como trazer para a cena a lama do Josué, a sonoridade do Manguebeat, a guerra e a fome? Nos lançamos ao vazio com sons, palavras, imagens, poesia e memórias. Memórias de um passado antigo e recente, fragmentos de casas demolidas, ruas invertidas, vidas abortadas, caranguejos, estilhaços de carne, pedaços de morte, raízes, memórias de hoje e do que virá. Corpos arrancados do seu lugar, deslocados, desterrados, exilados, estrangeiros no seu próprio país. Corpos sequestrados, roubados, raptados, enlameados, meio homens, meio bichos que mal conseguem se manter em pé, vomitando palavras que carregam restos de pele, ossos e músculos. Corpos aniquilados, esquartejados, em um ciclo onde os homens/caranguejos devoram lixo para depois serem devorados (Virgüez C., 2019: 97-98).

  • 12 Francisco Pereira Passos (1836-1913) foi prefeito da cidade do Rio de Janeiro, entre os anos de 190 (...)

18Os homens que devoram lixo, assim como o caranguejo, são realidade constante nas ruas do Rio de Janeiro e do Brasil. Em 2014, quando o coletivo iniciou a investigação para a criação do espetáculo, assistimos à preparação para os Jogos Olímpicos e à desapropriação de inúmeros moradores de suas casas em uma política higienista, tal qual a adotada à época da Prefeitura de Pereira Passos12. Algumas comunidades, como a Vila Autódromo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, foram removidas, após mais de quarenta anos de existência no local, suas casas demolidas, para a construção de ginásios esportivos que se encontram hoje desativados e abandonados (Nitahara A., 2016). A demolição tem um duplo viés; concreto, com a retirada arbitrária e violenta, desprezando qualquer resquício de humanidade, contínuo na repetição histórica, e simbólico, como se lembrar do que um dia existiu? Como viver sem os rastros de um passado? A estratégia do apagamento é exposta, no espetáculo, no desejo de recomposição de fragmentos de lembranças, presentes na vida política e cultural brasileira.

19Lutar contra a fome, a miséria, transmudar-se em um corpo coletivo projetado na imagem de um caranguejo que se alimenta dos restos para sobreviver, para pertencer ao mangue, à terra, recobrar a vida. Talvez seja este o movimento político necessário ao país. Eletrificado, mergulhado na lama, corpo-vibrátil – imagem que pode ser tomada como a figuração da resiliência da população. No ato "Escolha Cultura", em 11/10/2019, contra a censura do espetáculo, que somou mais de 2.000 pessoas, em frente ao Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, artistas e intelectuais reuniram-se diante do corte inexplicável do espetáculo na programação da instituição (Gobbi N. e H. Aragão, 2019). O argumento utilizado foi o de que houve mudança na dramaturgia, ferindo uma cláusula do contrato, o que não ocorreu. Diante do filme da história, tantas vezes repetido, dos corpos de escravos enterrados na região vizinha portuária e de um imaginário de nação que, muitas vezes, contradiz a realidade, Caranguejo Overdrive, assim como as obras analisadas neste artigo, nos chama à difícil, porém necessária, tarefa de olhar para o passado, revirar nossos rastros e reinventar o presente.

Conclusão

  • 13 Número oficial de mortos por Covid-19 no país, atualizado em 23/02/2023, segundo dados do Conselho (...)

20A cena brasileira contemporânea é reflexo, ao longo do governo Bolsonaro (2018-2022), da censura às artes, da política genocida, responsável pela morte de 698.381mil13 brasileiros na pandemia, da implementação da cultura do medo, diante do terror das ideias fascistas, e da supressão dos direitos do povo preto, da comunidade LGBTQIA+, dos povos originários, dos intelectuais e dos artistas que foram sistematicamente perseguidos. As obras autoficcionais abordadas nesse artigo representam o desejo de ruptura com o sistema elitista, patriarcal, homofóbico, racista, ao adotar um movimento contrário, de denúncia à repetição histórica do passado traumático opressor, ligado à ditadura militar e à anistia de torturadores, exceção na América Latina.

21Nesse sentido, o teatro brasileiro revela a resiliência e a transparência, ao investigar o racismo, a luta pela igualdade de gênero em um movimento histórico e artístico no fortalecimento da democracia, em contraposição a modelos hegemônicos autoritários. As artes contemporâneas, em sua dimensão histórico-performativa, ao resgatar a história do país, dirigem-se à afirmação das diferenças e da vida.

Haut de page

Bibliographie

Barrenechea, Miguel (Org.), As dobras da memória, Rio de Janeiro, 7Letras, 2008.

Benevides, Bruna G., Assassinatos e violências contra travestis e transexuais brasileiras em 2021, da Associação Nacional de Travestis e Transexuais, Dossiê, 2022, https://antrabrasil.files.wordpress.com/2022/01/dossieantra2022-web.pdf, acesso em 13/06/2022.

Brasil de Fato, "Estudantes protestam em todo país contra cortes na educação", CartaCapital, 2022, https://www.cartacapital.com.br/educacao/estudantes-protestam-em-todo-o-pais-contra-cortes-na-educacao/, acesso em, 12/06/2022.

Caldas, Ana Carolina, "Gestão da cultura no governo Bolsonaro é considerada a pior das últimas décadas", Brasil de Fato, 2021, https://www.brasildefato.com.br/2021/09/30/gestao-da-cultura-do-governo-bolsonaro-e-considerada-a-pior-das-ultimas-decadas-dizem-artistas, acesso em 13/06/2021.

Carvalho, Renata, Manifesto Transpofágico, São Paulo, Editora Monstra, 2022.

Castro, Josué, Homens e Caranguejos, São Paulo, Editora Brasiliense, 1966.

Chauí, Marilena, "A nova classe trabalhadora brasileira e a ascensão do conservadorismo", in Jinkins, Ivana, Doria, Kim e Cleto, Murilo (org), Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil, São Paulo, Editora Boitempo, 2016.

Ciclovivo, "Abril traz novo recorde de desmatamento na Amazônia aponta INPE", #CicloVivo Por um mundo melhor, 2022, https://ciclovivo.com.br/planeta/meio-ambiente/abril-traz-novo-recorde-de-desmatamento-na-amazonia-aponta-inpe/, acesso em: 15/06/2022.

Comissão Nacional da Verdade, Relatório da Comissão Nacional da Verdade, 2014, http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/, acesso em 15 de maio de 2022.

Diegues, Isabel et al., "Entrevista com Grace Passô", in Maratona de dramaturgia, Rio de Janeiro, Editora Cobogó; Edições SESC, São Paulo, 2019. p. 103-116.

Doubrovsky, Serge, "Entrevista [26 ago. 2014]", Télérama, 2014, entrevista concedida a Nathalie Crom, http://www.telerama.fr/livre/serge-doubrovsky-lautofiction-existait-avant-moi-simplement-je-lui-ai-donne-unnom,116115.php, acesso em 15/02/2015.

Folha de S. Paulo, "Bolsonaro ameaça o STF de golpe, exorta a desobediência à Justiça e diz que só sai morto. Presidente faz do 7 de setembro espécie de tudo ou nada diante de seu isolamento político", Folha de S. Paulo, 2021, https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/09/na-paulista-bolsonaro-repete-ameacas-golpistas-ao-stf-e-diz-que-canalhas-nunca-irao-prende-lo.shtml, acesso em 29/04/2022.

Gagnebin, Jeanne Marie, Lembrar escrever esquecer, São Paulo, Editora 34, 2009.

Gobbi, Nelson, Aagão, Helena, "Cancelamento de Caranguejo Overdrive é tema de protesto, e CCBB se manifesta sobre o caso", O globo, 2019, https://oglobo.globo.com/cultura/cancelamento-de-caranguejo-overdrive-tema-de-protesto-ccbb-se-manifesta-sobre-caso-24012698, acesso em 8/6/2022.

Justo, Gabriel, "Pelo 12º ano consecutivo o Brasil é o país que mais mata transexuais do mundo", Exame, 2020, https://exame.com/brasil/pelo-12o-ano-consecutivo-brasil-e-pais-que-mais-mata-transexuais-no-mundo/, acesso em 07/01/2021.

Kosovski, Pedro, Caranguejo Overdrive, Rio de Janeiro, Editora Cobogó, 2016.

Lírio Gabriela, "BR Trans e o corpo performativo", Questão de critica, vol. 8, n° 66, 2015, http://www.questaodecritica.com.br/2015/12/silvero-pereira/#more-5681, acesso em 20/04/2016.

Lorde, Audre, Irmã outsider, Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2019.

Lucena, Felipe, "História do Canal do Mangue", Diário do Rio, 2018, https://diariodorio.com/historia-do-canal-do-mangue/, acesso em 9/06/2022.

Miguel, Luis Felipe, O colapso da democracia no Brasil. Da Constituição ao golpe de 2016, São Paulo, Fundação Rosa Luxemburgo, Expressão Popular, 2019.

Millôr, Fernandes, Guia Millôr da história do Brasil: de Cabral a Lula, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2014.

Nascimento, Abdias, O genocídio do negro brasileiro. Processo de um racismo mascarado, São Paulo, Perspectiva, 2016.

Nitahara, Akemi, "Rio 2016: moradores de comunidades removidas dizem que não há clima de festa", Agência Brasil, 2016, https://agenciabrasil.ebc.com.br/rio-2016/noticia/2016-08/rio-2016-moradores-de-comunidades-removidas-dizem-que-nao-ha-clima-de-festa, acesso em 8/6/2022.

Nora, Pierre, Entre memória e História. A problemática dos lugares, Proj.História, São Paulo, 1993.

O Globo," Referência ao nazista Goebbels derruba secretário da Cultura de Bolsonaro", O Globo, 2020, https://www.youtube.com/watch?v=61-99HUGbAs, acesso em 17/01/2020.

Osorio, Luiz Camillo, "O que ainda pode um corpo? Da intolerância à diferença", Concinnitas, vol. 19, n° 33, 2018, p. 197-208.

Passô, Grace, Vaga carne, Belo Horizonte, Editora Javali, 2018.

Passô, Grace, República, direção, roteiro e atuação da artista, rodado na pandemia, 2022, https://ims.com.br/convida/grace-passo/, acesso em 10/05/2022.

Passô, Grace, "A consciência da sua própria identidade vem com muitos embates, entrevista com Grace Passô", Nexo Jornal, 2020, https://www.youtube.com/watch?v=SFuiDza9aa4.

Rede TVT, "Com mentiras e desinformação, Bolsonaro ataca Comissão da Verdade", Rede TVT, 2019, https://www.youtube.com/watch?v=zdjMD-Mmr5Y, acesso em 10/05/2022.

Schwarcz, Lilia Moritz, Sobre o autoritarismo brasileiro, Rio de Janeiro, Companhia das Letras, 2019.

Strecker, Marion, "O corpo de uma geração. Quem é, o que faz e o que pensa o criador de La Bête, Wagner Schwartz, performer e escritor que tantas ameaças recebeu", Select, 2019, https://www.select.art.br/o-corpo-de-uma-geracao/, acesso em 18/5/2022.

UOL, "Bolsonaro sobre número de mortos pela Covid-19: "não sou coveiro"", UOL, 2020, https://www.youtube.com/watch?v=aIpUbYjjdn0, acesso em 20/05/2022.

UOL, "Bolsonaro: "Se tomar vacina e virar jacaré não tenho nada a ver com isso"", UOL, 2020a, https://www.youtube.com/watch?v=lBCXkVOEH-8, acesso em 20/05/2022.

Valente, Rubens, "Brasil teve 211 casos de censura e ataques à cultura em 3 anos, diz relatório", UOL, 2022, https://noticias.uol.com.br/colunas/rubens-valente/2022/03/17/cultura-censura-ataques-governo-bolsonaro.htm?cmpid=copiaecola, acesso em 5/5/2022.

Velasco, Suzana, "Ameaças à criação artística e à democracia", Arte censura liberdade. Reflexões à luz do presente, Rio de Janeiro, Editora Cobogó, 2018.

Virgüez, Carolina, Inventário para o intangível: fuga para um fluxo improvisacional em Caranguejo Overdrive, Dissertação (Mestrado em Estudos Contemporâneos das Artes), Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

Weiller, José Alexandre Buso, "O desmonte do SUS em tempos de Bolsonaro", Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, 2019, https://cebes.org.br/o-desmonte-do-sus-em-tempos-de-bolsonaro/21052/, acesso em 12/06/2022.

Haut de page

Notes

1 Nem mesmo a imprensa brasileira, com raras exceções, nomeou, em 2016, como golpe a destituição pelo Congresso Nacional da presidente Dilma Rousseff. A palavra foi substituída por impeachment. Após quatro anos, a ex-Presidente foi inocentada e absolvida pela justiça brasileira.

2 No momento de revisão final deste artigo, redigido ainda no ano de 2022, em 8 de janeiro de 2023, uma semana após a posse do Presidente Luis Inácio Lula da Silva, vivenciamos uma tentativa de golpe de Estado nunca antes vista no país, com a destruição por apoiadores bolsonaristas do patrimônio público brasileiro, em um ataque às instituições democráticas, com a depredação do Palácio do Planalto, Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal, tendo como objetivo instalar o caos enquanto clamavam por intervenção militar.

3 O conjunto de esculturas Bichos de Ligia Clark permitia a interação do público, uma vez que, a partir de sua manipulação, havia a possibilidade de modificar a forma original, permitindo a recriação do objeto.

4 Inicialmente, a artista não imaginava filmar o espetáculo, mas depois se interessou em compreender como a peça poderia ser apresentada em uma forma cinematográfica.

5 Renata Carvalho iniciou, em 2017, a pesquisa Transpologia, no momento em que se tornou Agente de Prevenção Voluntária de ISTs, Hepatites e Tuberculose. A atriz trabalhou como prostituta, durante 11 anos, com outras travestis e mulheres trans na cidade de Santos, São Paulo. A partir dessa experiência, em 2012, encena o monólogo Dentro de Mim Mora Outra, também autoficcional. Em seguida, realizou o espetáculo O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu, de Jo Clifford, traduzido, adaptado e dirigido por Natalia Mallo. Por este trabalho, Renata sofreu perseguição e ameaças de morte. A polêmica se estendeu ao Congresso Nacional e mobilizou a opinião pública, por meio do repúdio de deputados e senadores que debateram o tema com o objetivo de censurá-lo e interditar a peça no Brasil.

6 "Nada do que eu fale ou faça surte efeito [...] Confesso que às vezes não apenas falo, mas também grito, grito, grito, grito, grito, grito até cansar". Trecho da dramaturgia de Manifesto Transpofágico.

7 "A Comissão Nacional da Verdade (CNV) ao examinar o cenário de graves violações de direitos humanos correspondente ao período militar, pôde constatar que ele persiste nos dias atuais. Embora não ocorra mais em um contexto de repressão política – como ocorreu na ditadura militar –, a prática de detenções ilegais e arbitrárias, tortura, execuções, desaparecimentos forçados e mesmo ocultação de cadáveres não é estranha à realidade brasileira contemporânea. Relativamente à atuação dos órgãos de segurança pública, multiplicam-se, por exemplo, as denúncias de tortura, o que levou à recente aprovação da Lei n° 12.847/2013, destinada justamente à implementação de medidas para prevenção e combate a esse tipo de crime. É entendimento da CNV que esse quadro resulta em grande parte do fato de que o cometimento de graves violações de direitos humanos verificado no passado não foi adequadamente denunciado, nem seus autores responsabilizados, criando-se as condições para sua perpetuação" (CNV, 2014, p. 964).

8 O Mangue foi aterrado e teve sua obra concluída ainda no século XIX. Em seu lugar, foi construído, na atual Praça 11, o Canal do Mangue (Lucena F., 2018).

9 Beribéri, depois sabemos. Doença típica dos escravos no Brasil Colônia, que consiste em um déficit nutricional causado pela falta de vitamina B1 no organismo, provocando sintomas como dificuldades respiratórias, fraqueza muscular e problemas gastrointestinais.

10 O livro de Josué de Castro escrito em 1966 é, em parte, narrativa autobiográfica, inspirada na sua infância em Recife, na qual enxergou a fome ao conviver com os catadores de caranguejos nos mangues do Rio Capibaribe.

11 O Movimento Manguebeat surge em Recife, em 1991, com uma cena musical que mistura referências da cultura regional nordestina (maracatu, forró e coco), do rock, da musica pop e do hip hop. O artista Chico Science é considerado um dos seus idealizadores. O caranguejo é um dos símbolos do movimento.

12 Francisco Pereira Passos (1836-1913) foi prefeito da cidade do Rio de Janeiro, entre os anos de 1902 e 1906, e responsável pela reforma urbana da cidade, ou como ficou conhecida – "bota-baixo" – a desapropriação de mais de 1.600 prédios antigos.

13 Número oficial de mortos por Covid-19 no país, atualizado em 23/02/2023, segundo dados do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fotografia 1: Renata Carvalho em cena do Manifesto Transpofágico
Crédits Foto: Nereu Jr.
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/15504/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 86k
Titre Fotografia 2: Fellipe Marques em cena do espetáculo Caranguejo Overdrive
Crédits Foto: Elisa Mendes
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/15504/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 33k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Gabriela Lirio, « Teatro brasileiro e censura no governo Bolsonaro »IdeAs [En ligne], 21 | 2023, mis en ligne le 01 mars 2023, consulté le 17 juin 2024. URL : http://journals.openedition.org/ideas/15504 ; DOI : https://doi.org/10.4000/ideas.15504

Haut de page

Auteur

Gabriela Lirio

Gabriela Lirio est Professeure de Théâtre à l’Universidade Federal de Rio de Janeiro (UFRJ). Elle a fondé et dirigé (2013-2015) un cursus de Master en Arts de la Scène ECO-UFRJ de Rio et est Directrice des Écoles Doctorales de l’École de Communication à la UFRJ. Elle est diplômée de la Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/PUC- Rio (doctorat) et a suivi en 2016 un programme postdoctoral à l’Université Sorbonne Nouvelle. Elle a également publié dans différentes revues (Urdimento, Sala Preta, Opercevejo, Art&Cultura, Moringa, entre autres).
gabriela.lirio[at]eco.ufrj.br

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-ND-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search