Navigation – Plan du site
Eau et gestion de l'eau dans les Amériques
L'eau : regards urbains

Eventos e episódios pluviais extremos: a configuração de riscos hidrometeorológicos em Curitiba (Paraná - Brasil)

Extreme rain events and episodes: the configuration of hydrometeorological risks in Curitiba (Paraná - Brazil)
Événements et épisodes de pluie extrême : la configuration des risques hydrométéorologiques à Curitiba (Paraná - Brésil)
Eventos y episodios de lluvia extrema: la configuración de los riesgos hidrometeorológicos en Curitiba (Paraná - Brasil)
Gabriela Goudard et Francisco de Assis Mendonça

Résumés

Cet article analyse les risques hydrométéorologiques à Curitiba, en mettant en évidence les conditions climatiques liées à la survenue d'événements et d'épisodes extrêmes, de zones inondables et de zones vulnérables. Pour cela, il utilise les données pluviométriques, les zones inondées et les variables sociales de manière intégrée. Les résultats trouvés contribuent à la gestion des risques climatiques liés aux précipitations en milieu urbain.

Haut de page

Texte intégral

Agradecimentos

Á CAPES/Ministério da Educação do Brasil pelo suporte financeiro desta pesquisa.

Introdução

1Os riscos climáticos encontram-se presentes na pauta dos temas da ciência desde longa data, configurando-se como componentes onipresentes e inerentes da sociedade moderna (Beck U., 2008; Almeida L., 2010). Contudo, na atualidade, estes processos vêm se destacando, sobretudo, mediante a concentração humana nas cidades e a severa insegurança em face dos cenários de possíveis mudanças climáticas globais e seus impactos nas diversas regiões do mundo.

2A compreensão dos riscos reveste-se de grande importância em face dos prognósticos de mudanças do clima –unânimes que são na crença de intensificação das temperaturas do planeta e dos impactos de extremos climáticos-, quer seja pela necessidade de entendimento das complexidades inerentes ao sistema atmosférico (habitualidades e excepcionalidades), quer seja pela análise conjugada destes processos às dinâmicas de ocupação do espaço e de exposição das populações aos riscos (condições de vulnerabilidade) (IPCC, 2007; 2013; Mendonça F., 2010).

3No Sul do Brasil, região na qual se insere a cidade de Curitiba (Figura 1), os principais desastres naturais configuram-se como sendo aqueles de origem pluvial (Monteiro C., 1991; EM-DAT, 2015; Silveira W et al., 2009), com destaque para as inundações urbanas. Dessa forma, modificações nos padrões de variabilidade pluvial e de extremos climáticos, em decorrência de possíveis mudanças climáticas globais, potencializam condições de perigo e riscos associados a estas dinâmicas.

4Partido destas premissas, faz-se necessário compreender a variabilidade dos eventos extremos (condições discrepantes de um padrão habitual do clima), os episódios pluviais extremos (impactos atrelados às inundações, enchentes e alagamentos) e a configuração dos riscos hidrometeorológicos (Armond N., 2014; Goudard G., 2015; 2019).

5Ressalta-se que no contexto deste artigo, os riscos são compreendidos como resultantes de uma construção social, na qual as condições físicas da natureza não se configuram como determinantes, de maneira isolada, mas interagem com as ações humanas (Dauphiné A., 2001; Dubois-Maury J., 2004; Veyret Y., 2007). Além disso, são abordados em sua dimensão hidrometeorológica (Goudard G., 2019), partindo-se dos pressupostos das interações entre as dinâmicas atmosféricas (meteorologia dos extremos pluviais – tempestades, chuvas concentradas), suas repercussões em processos hidrológicos (episódios pluviais extremos – inundações, enchentes e alagamentos) e os impactos na sociedade (exposições das populações perante as condições de riscos). A suscetibilidade é considerada como as condições físico-naturais que favorecem o acúmulo de água, potencializando a ocorrência de inundações, ao passo que a vulnerabilidade se refere ao grau de exposição das populações às condições de risco (Goudard G., 2019).

Figura 1 Localização do município de Curitiba.

Figura 1 Localização do município de Curitiba.

Organização: Goudard (2019)

6Partindo-se destes pressupostos e levando-se em consideração a relevância da temática, o presente artigo propõe-se a colocar em evidência um estudo de caso na cidade de Curitiba, destacando as condicionantes climáticas atreladas à ocorrência de eventos e episódios extremos, as zonas de inundação e as áreas de vulnerabilidade perante a estes processos. Além disso, o estudo permite evidenciar os desafios da abordagem dos riscos em ambientes urbanos, bem como as suas potenciais aplicações do ponto de vista da gestão.

7Para tanto, as análises desenvolvidas sustentam-se nos pressupostos da Climatologia Geográfica, especificamente o Sistema Clima Urbano – S.C.U. (Monteiro C., 1976) e Sistema Ambiental Urbano – S.A.U. (Mendonça F., 2004), os quais, em conjunto, possibilitam realizar abordagens integradas das excepcionalidades climáticas (natural) e seus impactos no ambiente urbano (social e construído).

Métodos e técnicas empregados na pesquisa

8No intuito de evidenciar as condições de riscos ligados às chuvas na cidade de Curitiba, os seguintes procedimentos foram executados:

Caracterização dos eventos pluviais extremos

9Os eventos extremos de chuva foram identificados a partir de dados pluviais diários da estação meteorológica de Curitiba (2549006 – Figura 1) no período de 1980 a 2015, sendo estes provenientes do banco de dados Hidroweb – Sistemas de Informações Hidrológicas da Agência Nacional de Águas (ANA).

10O limiar correspondente aos extremos pluviais foi determinado a partir do parâmetro percentil 99, sendo este corresponde a 48,6 mm/24h para a temporalidade supracitada e representando 1% das precipitações mais expressivas da série histórica de dados. A escolha deste limiar pautou-se em recomendações do ETCCDMI - Expert Team on Climate Change Detection and Indices, bem como em estudos de Pinheiro G. (2016) e Goudard G. (2015; 2019), que demonstraram boas aplicações deste parâmetro para a compreensão de eventos extremos e seus impactos na cidade de Curitiba.

11Posteriormente à identificação, estes eventos foram caracterizados quanto à frequência, relativa ao número de dias de chuva iguais ou superiores ao percentil 99 e em relação as condições sinóticas, através de Cartas Sinóticas da Marinha do Brasil e imagens de satélite do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), visando identificar a gênese climática associada as excepcionalidades pluviais na área de estudo.

Identificação dos impactos de episódios pluviais extremos e das zonas de inundação

12A caracterização dos episódios pluviais extremos (impactos ligados às inundações, enchentes e alagamentos) pautou-se em dados secundários referentes aos seguintes aspectos: manchas históricas de inundações mapeadas para tempos de retorno de 10 e 25 anos através do modelo Mike11, pelo Instituto das Águas do Paraná (2002 – antiga SUDERHSA); dados do Jornal Gazeta do Povo e relatórios de ocorrência do Sistema Informatizado de Defesa Civil (SISDC) no período de 1980 a 2015, bem como registros pontuais na temporalidade de 2005 a 2015 do Sistema de Gerenciamento da Guarda Municipal – SISGESGUARDA (SMDS, 2018).

13Os eventos extremos e seus respectivos episódios foram validados por meio de consultas ao Jornal Gazeta do Povo, as quais foram realizadas tendo como base o limiar 48,6 mm/24h, pautando-se no dia anterior ao evento, dia do evento e posterior ao evento extremo. A espacialização das ocorrências de impactos foi realizada a nível de bairros, permitindo identificar porções da cidade com maiores frequências de episódios extremos.

14De modo conjugado, os dados pontuais de impactos, disponibilizados pela SISGESGUARDA, possibilitaram realizar mapeamentos através do estimador de Kernel no software ArcGIS 10.3, permitindo a identificação de densidades de ocorrências de episódios pluviais extremos no município.

Mapeamento do cenário de vulnerabilidade

15Para a construção de um cenário de vulnerabilidade foram coletados dados relativos às condições de renda, educação e saneamento por setores censitários, segundo censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010). De modo a complementar a análise, levantamentos de invasões e ocupações irregulares (Silva M., 2012) também foram utilizados (Quadro 1). Para Almeida L. (2010) estas variáveis permitem identificar condições de vulnerabilidades das populações perante a problemas socioambientais, tais como as inundações urbanas.

16O mapeamento da vulnerabilidade foi realizado por meio da análise multicritério e da técnica de cartografia de síntese, conforme procedimentos descritos por Martinelli M. (1991; 2003), Sampaio T. (2012), Buffon E. (2016) e Goudard G. (2019), através das etapas de normalização, padronização e ponderação de dados.

17A normalização refere-se à relação de divisão entre duas variáveis, ao passo que a padronização leva em consideração os valores máximos e mínimos da amostra de dados e a amplitude total do conjunto de dados (Sampaio. T, 2012).

18A atribuição de pesos às variáveis escolhidas foi feita com base em estudos de Almeida L. (2010), Nascimento E. (2013), Goudard G. (2015), Buffon E. (2016) e Goudard G. (2019), conforme expresso no Quadro 1. Estes estudos utilizaram-se de análises multicritério e ponderações para evidenciar vulnerabilidades sociais em diversas realidades espaciais.

Quadro 1 Variáveis e ponderações do cenário de vulnerabilidade

Categoria

Peso

Subcategoria

Peso

Variáveis

Características dos moradores

40%

Alfabetização

10 %

Total de responsáveis não alfabetizados

Renda

30 %

Total responsável com renda até 2 salários mínimos

Características dos domicílios

60%

Rede de esgoto ou fossa séptica

10 %

Domicílios particulares permanentes sem rede de esgoto ou fossa séptica

Moradia Irregular

30 %

Domicílios particulares permanentes em outra condição de ocupação (não são próprios, alugados e nem cedidos)

Coleta de lixo

20 %

Domicílios particulares permanentes sem coleta de lixo, com depósito na propriedade, em terreno baldio, logradouro, rio, lago ou mar, ou outro destino

Fonte: IBGE (2010)

Organização: Goudard (2019)

19Desse modo, por meio da cartografia de síntese e da álgebra de mapas entre as variáveis adotadas e ponderadas, fez-se possível evidenciar, espacialmente, as áreas de vulnerabilidades muito baixas a muito altas no município de Curitiba, bem como realizar análises integradas em relação às zonas mais afetadas por impactos ligados à pluviosidade, possibilitando a verificação das principais áreas de (e em) risco do município.

20Ressalta-se que a compreensão das condições de vulnerabilidade concomitantemente às porções do município mais afetadas pelos extremos pluviais, possibilita a adoção de medidas de gestão de riscos mais eficientes no ambiente urbano, uma vez que permite o reconhecimento das áreas mais críticas em relação aos impactos de inundações urbanas na área de estudo.

Curitiba: da “cidade modelo” à cidade permeada por condições de riscos e vulnerabilidades ligados às chuvas

21A cidade de Curitiba ainda que considerada planejada, ecológica e modelo de planejamento urbano, é marcada por diversos impactos de episódios pluviais extremos (inundações, enchentes e alagamentos) ao longo de sua história (Figura 2), em decorrência de quatro aspectos principais: 1) chuvas concentradas, 2) baixas declividades, 3) densa rede de drenagem, com modificações expressivas e 4) dinâmica de ocupação e expansão da cidade ao longo dos vales e confluências dos rios, desconsiderando o espraiamento das águas superficiais (Geissler H. e Loch R., 2004; Goudard G., 2015; 2019).

Figura 2 Caracterização da evolução histórica dos episódios pluviais extremos

Figura 2 Caracterização da evolução histórica dos episódios pluviais extremos

Organização: Goudard (2019)

22Mendonça F., et al. (2013) ao realizarem uma análise histórica e crítica das manifestações de inundações no município em face das mudanças climáticas globais, constataram que tratam-se de processos recorrentes presentes desde os primórdios da fundação da cidade no final do século XVIII, sendo estes diferenciados em dois momentos: I) da fundação até meados do século XX apenas a porção central da cidade (1 – Figura 2) era fortemente impactada, culminando na realização de diversas obras por parte do poder público, cujo marco histórico foi a construção do Passeio Público, em 1886, no intuito de minimizar as repercussões negativas atreladas a estas dinâmicas no ambiente urbano; II) dos anos 1950 em diante as periferias geográficas (2 e 3 – Figura 2) passaram a serem impactadas com maiores frequências, devido à “exportação” dos problemas das áreas centrais e mediante o crescimento urbano destas porções espaciais, sem planejamento adequado. Dessa forma, para além das condições do meio físico que favorecem a deflagração desses processos em Curitiba, os impactos de episódios pluviais extremos, em grande parte, acompanharam o crescimento urbano do município e de sua região metropolitana (Mendonça F. et al., 2013; Goudard G., 2015; 2019).

23Os impactos frequentes motivaram a realização de diversos estudos com o intuito de compreender a dinâmica e a espacialidade dos impactos em Curitiba, tais como o de Zanella M. (2006), no bairro Cajuru; Fortunato R. (2006) e Goudard G. e Mendonça F. (2018) na bacia do Rio Belém; Lohmann M. (2011) ao retratar os alagamentos no município no período de 2005 a 2010; Goudard G. (2015) ao analisar os eventos e episódios extremos em Curitiba de 1980 a 2010; Goudard G. (2019) ao evidenciar os riscos hidrometeorológicos híbridos na Bacia do Alto Iguaçu, englobando Curitiba e região metropolitana, entre outros.

24Entretanto, em sua grande maioria, as referidas análises consideraram apenas uma das dimensões das condições de riscos, a saber: as excepcionalidades do clima (eventos pluviais extremos), as suscetibilidades expressas pelos modelos de inundação (físicas), as vulnerabilidades (sociais) e a configuração espacial dos episódios pluviais extremos. Dessa forma, o presente artigo procura evidenciar o histórico de episódios pluviais extremos no município de Curitiba e as relações entre as dimensões supracitadas, visando contribuir com as discussões acerca dos riscos ligados ao clima e à pluviosidade nas áreas urbanas, de maneira integrada.

25Neste sentido, do ponto de vista dos condicionantes do clima, evidencia-se que Curitiba apresenta variações médias de 1250 a 2000 mm anuais, com chuvas bem distribuídas, ainda que mais concentradas no verão (cerca de 500 mm), em detrimento do inverno (280 mm, em média). Estes fatores são resultado do posicionamento geográfico em médias latitudes e das configurações do relevo associados aos centros de ação e massas de ar atuantes, os quais conferem à região uma condição de zona de transição climática e a tipologia Cfb (Clima Temperado), segundo a classificação de Köppen (Nimer E., 1979; Alvares C. et al., 2013).

26Os eventos pluviais extremos (precipitações iguais ou superiores ao percentil 99, com potencial de gerarem impactos) concentram-se, sobretudo, nos meses de verão (34%), seguidos do outono (24%), primavera (21%) e inverno (20%) na área de estudo. De acordo com análises de Goudard G. e Mendonça F. (2017) as concentrações espaciais destes eventos ocorrem na porção noroeste (acumulado e primavera), nordeste (outono) e leste (verão e inverno). Estas chuvas encontram-se associadas, ora às convecções intensas de verão, ora às oposições entre a Massa Tropical Atlântica (mTa) e Polar Atlântica (mPa), na forma de sistemas frontais (SF); e nas estações de transição, os Complexos Convectivos de Mesoescala (CCM’s) também se expressam como importantes moduladores da pluviosidade na área (Grimm A., 2009).

27Dessa forma, os riscos ligados aos episódios pluviais extremos no município são mais evidentes na temporada prolongada de verão e nas estações de transição, como corroboram as análises de Mendonça F. (2012), refletindo as condições temporais preferenciais associadas a estas ocorrências. Além disso, as chuvas desencadeadoras de impactos são bastante variadas, desde fortes e localizadas pancadas de chuva (30 mm, em poucos minutos/horas) até a ocorrência prolongada de precipitações (superiores a 30 mm/dia).

28Em relação aos impactos destes eventos extremos, no recorte temporal do presente estudo (1980 a 2015) foram identificadas 51 ocorrências da Defesa Civil e 96.490 pessoas afetadas, de acordo com o relatório do Sistema Informatizado de Defesa Civil (SISDC). Em relação aos eventos extremos e seus retrospectos negativos no ambiente urbano, a partir dos registros combinados entre chuvas e as fontes documentais do Jornal Gazeta do Povo foram constatados 132 dias de chuvas extremas, das quais 84 deflagraram episódios pluviais extremos no município, com destaque para os meses de verão (DJF) e de transição, como setembro (Figura 3).

Figura 3 Eventos (chuvas extremas) e episódios pluviais extremos (chuvas extremas que geraram impactos) em Curitiba (1980 – 2015)

Figura 3 Eventos (chuvas extremas) e episódios pluviais extremos (chuvas extremas que geraram impactos) em Curitiba (1980 – 2015)

Organização: Goudard (2019)

29Os episódios mais expressivos em termos de afetados, tendo como base os dados de jornais e os relatórios de ocorrências de Defesa Civil, são evidenciados no Quadro 2, com destaque para o dia 21/02/1999, no qual foram registradas chuvas de 146,2 mm em 2 horas, culminando em impactos significativos em 13 bairros da cidade.

Quadro 2 Episódios pluviais extremos, tipos de tempo e pessoas afetadas (1980 – 2015)

Data

Pluviosidade

Sistema Atmosférico

Pessoas Afetadas

Manchete dos Jornais

(mm/evento)

(mm/ mês)

31/11/1981

52,4

136,9

SF

600

Enchente deixa 3 mil sem teto e muitos prejuízos

22 e 23/05/1988

88,7

-

SF

300

Desabrigados e prejuízos com o excesso de chuva

13/03/1991

52,8

156,5

SF

70

Famílias vivem um drama com o temporal

21/09/1993

103,3

357,2

SF

3.000

Chuvas desabrigam 3 mil em Curitiba

10/01/1997

74,6

403,3

ZCAS (mEc) e SF

2 mortes

Temporal provoca o caos em Curitiba/ Curitiba avalia prejuízos causados pela chuva

11 e 12/02/1997

132,9

232,9

SF

1.000

Chuvas voltam a causar inundações

21/02/1999

146,2

445,2

ZCAS (mEc) e SF

15.000

Chuva de duas horas traz o caos a Curitiba / Curitiba vive um domingo de inundação

12/09/2000

57,9

249,1

SF

2.000

Chuva causa estragos em Curitiba e RMC / Chuvas causam mais destruição e desalojados já passam de 2 mil

20 e 21/06/2013

137,9

319,0

SF

8.545

Chuvas deixam 2 mortos e 502 desalojados no Paraná

07/06/2014

95,2

210,4

SF

16.804

Prefeito de Curitiba decreta estado de alerta por conta de temporais

22/12/2014

47,6

155,6

SF

41.700

Chuva atinge 44 mil pessoas em todo o Paraná

04/02/2015

54,3

243,1

ZCAS (mEc) e SF

1.960

Chuva causa alagamentos e deixa 22 mil casas sem luz em Curitiba e região

27/05/2015

27,9

115,1

SF

7.188

Chuva provoca alagamentos em Curitiba

Fonte: Hidroweb, Defesa Civil, Jornal Gazeta do Povo, Cartas Sinóticas da Marinha do Brasil e CPTEC (2018).

Organização: Goudard (2019)

30A análise do Quadro 2 permite evidenciar que os Sistemas Frontais (SF), marcados pela oposição entre massas de características térmicas, de umidade e pressão distintas, configuram-se como os principais desencadeadores das excepcionalidades climáticas ligadas às chuvas na área. As incursões destes sistemas ocorrem durante o ano todo na região sul do país, com 30 a 45 passagens médias anuais, desestabilizando a atmosfera e gerando pluviosidade (Cavalcanti I. e Kousky V., 2009). Em alguns casos também se evidenciam contribuições dos sistemas de ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul), uma banda de nebulosidade entre a região Norte e Sudeste-Sul do país (Carvalho L. e Jones C., 2009).

31As zonas de inundação (Figura 4c) expressam as condições de suscetibilidade, as quais referem-se à relação de atributos físicos que refletem a probabilidade espacial de ocorrência de um determinado fenômeno, tais como as baixas declividades e proximidades de rios no que tange aos riscos de inundações (Zêzere J. et al., 2005). Neste contexto, verifica-se que as bacias do Belém (compreendendo o centro da cidade), do Barigui, do Ribeirão dos Padilhas e Atuba são as mais suscetíveis ao acúmulo de água e aos potenciais impactos de episódios pluviais extremos (Figura 4c). Estes fatores, de ordem natural, são agravados ao se considerar as impermeabilizações e as modificações expressivas nas redes de drenagem que foram realizadas nestas bacias ao longo do tempo.

32A espacialização das manchas de inundação (Figura 4c), de modo conjugado aos registros de impactos provenientes dos jornais (1980 – 2015) – (Figura 4a) e à densidade das notificações pontuais da Defesa Civil (2005 – 2015) – Figura 4b, permitem constatar que algumas áreas da cidade, notadamente, as porções central, oeste e leste são recorrentemente afetadas por impactos ligados aos extremos de chuva. Dessa forma, os bairros do Centro, Cidade Industrial, Boqueirão, Uberaba, Cajuru e Hauer destacam-se como os mais impactados (Figura 4a), com variações de 16 a 29 casos no recorte temporal da presente análise.

Figura 4 Áreas afetadas por episódios pluviais extremos no município de Curitiba

Figura 4 Áreas afetadas por episódios pluviais extremos no município de Curitiba

Organização: Goudard (2019)

33Salienta-se ainda que os casos pontuais de impactos (Figura 4b) corroboram com este cenário, de maiores concentrações de densidade de episódios pluviais extremos no Centro, na porção leste do município (bairros Uberaba, Cajuru, Boqueirão) e na Cidade Industrial (oeste), evidenciando a recorrência destes processos no âmbito destas porções da cidade.

34Cabe ressaltar, que ainda que sob as mesmas condições de excepcionalidades climáticas (chuvas extremas) e suscetibilidades (baixas declividades e ocupações próximas aos rios, refletidas por meio do mapeamento de zonas de inundação), as populações não são atingidas de maneiras iguais por estes episódios, refletindo diferentes condições de vulnerabilidade. A vulnerabilidade é expressa por Pelling M. (2003) como a heterogeneidade dos impactos advindos dos riscos que se abatem sobre uma dada população, estando associada à exposição, resistência e resiliência; e refletindo a (in)capacidade de reação e dificuldade de adaptação diante da materialização do risco. De modo semelhante, Marandola Junior E. (2009) e Mendonça F. (2010) reiteram que se tratam de diferentes condições de exposição e de fragilidade de grupos sociais aos riscos.

35Neste sentido, do ponto de vista das condições de vulnerabilidade ao longo do município (Figura 5), notam-se em algumas áreas da cidade coincidências entre as zonas suscetíveis a impactos de episódios pluviais extremos (zonas de inundação e registros de impactos) e áreas de alta vulnerabilidade, com a concentração de ocupações irregulares. De um modo geral, conforme nota-se na Figura 5, a porção leste, na confluência com os municípios de Pinhais e São José dos Pinhais; e parcelas da bacia do Barigui se destacam, com condições de alta vulnerabilidade e sujeitas às inundações. Estes processos são decorrentes, sobretudo, do fato de que as populações com menores condições de vida se sujeitam a viver em áreas de risco nos ambientes urbanos (notadamente a porção leste da cidade, em partes da Bacia do Belém e em parcelas da bacia do Barigui, no bairro Cidade Industrial).

36Além disso, por meio da análise da figura 5, constata-se que as condições de moderada a muito alta vulnerabilidade ampliam-se à medida em que ocorrem distanciamentos da região centro-norte da cidade, em direção às periferias geográficas. Estas condições reiteram as afirmações de Deschamps M. (2004), Zanella M. (2006), Cunico C. (2013) e Goudard G. (2015) ao retratarem que os episódios extremos ocorrem e impactam de modo heterogêneo a cidade, verificando-se, em alguns bairros, coincidências entre as áreas de suscetibilidade natural (zonas inundáveis, próximas aos rios) e vulnerabilidade social (populações com menores condições de renda a acesso a serviços de saneamento), ampliando as condições de riscos em algumas regiões do município.

Figura 5 Condições de vulnerabilidade no município de Curitiba

Figura 5 Condições de vulnerabilidade no município de Curitiba

Organização: Goudard (2019)

37Para Deschamps M. (2004) estas dinâmicas são explicadas mediante ao fato de que a demanda por solo para a expansão da cidade provoca o aproveitamento de terras impróprias e expostas a riscos naturais, de modo que, as dificuldades enfrentadas pela população de mais baixa renda –em condições de maior vulnerabilidade social– as obriga a instalar-se em áreas de risco, potencializando ainda mais o seu grau de vulnerabilidade perante a estes processos.

38Dessa forma, partindo-se dos pressupostos destacados por Birkmann J. (2007) ao afirmar que uma abordagem integrada e holística dos riscos pressupõe o reconhecimento de três pontos norteadores, quais sejam: os mais vulneráveis, os espaços expostos a risco; e os fatores que influenciam e produzem vulnerabilidade/risco, ressalta-se que na cidade de Curitiba os impactos históricos e recorrentes ligados às chuvas não podem ser analisados de maneira dissociada. Assim, fazem-se necessárias análises integradas que considerem a variabilidade das condições climáticas e suas excepcionalidades (eventos pluviais extremos), as suscetibilidades atreladas a atributos físicos (zonas sujeitas às inundações) e às vulnerabilidades sociais, sendo estes processos articulados e eivados de complexidades.

Considerações finais: os desafios da abordagem dos riscos em áreas urbanas no Brasil

39A cidade de Curitiba apresenta um histórico significativo de impactos ligados às chuvas, estando estes associados às condicionantes do clima (eventos pluviais extremos), às condições de suscetibilidade (baixas declividades, alta densidade de ocupações às margens dos rios e modificações dos canais fluviais, zonas inundáveis) e vulnerabilidade (diferentes graus de exposição aos riscos). Ressalta-se que a análise destes processos e as medidas de gestão em relação aos riscos hidrometeorológicos vêm apresentando diversos avanços, contudo alguns desafios em relação às suas aplicações, sobretudo, em ambientes urbanos altamente modificados, ainda dificultam abordagens dos riscos em escalas refinadas e de maneiras integradas.

40Na atualidade, os avanços tecnológicos, sobretudo, no que se refere ao Sistema de Informações Geográficas (SIG) vêm proporcionando melhores compreensões das configurações espaço-temporais dos riscos, tanto em face da espacialização dos dados de cunho geográfico, como da multiplicidade de modelos que permitem evidenciar, no tempo e no espaço, os processos associados a estas dinâmicas.

41Contudo, alguns desafios ainda encontram-se presentes na abordagem integrada dos riscos climáticos em ambientes urbanos, entre os quais quatro principais merecem destaque, quais sejam:

1) escala temporal dos dados climáticos,

2) modelos para mapeamentos de suscetibilidade e espacialização de zonas inundáveis,

3) dados atrelados à vulnerabilidade e

4) metodologias para a compreensão dos riscos em contextos metropolitanos.

42No que se refere aos dados climáticos, notadamente pluviais, verifica-se uma carência de séries históricas com recortes temporais horários no Brasil. Este fato dificulta a compreensão das variabilidades espaço-temporais das chuvas desencadeadoras de impactos, uma vez que impactos decorrentes de precipitações concentradas em poucos minutos, acabam sendo mascarados em séries de dados diárias (amplamente utilizadas em estudos do clima). Em Curitiba, as séries horárias do CEMADEN (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) com boa espacialização são bastante recentes, datadas de 2013 até os dias atuais. Salienta-se que a utilização de dados horários possibilitaria melhores compreensões da relação de tempo de ocorrência dos impactos, permitindo medidas mais efetivas em relação à gestão de riscos de origem pluvial.

43Os mapeamentos de suscetibilidade e os modelos de zonas de inundação também se configuram como desafios em face destas temáticas, visto que são produzidos, em geral, com base nas dinâmicas fluviais e em atributos físicos (hipsometria, declividade, solos, entre outros). No contexto dos ambientes urbanos, muitos impactos são decorrentes de alagamentos, ligados à impermeabilização excessiva, de modo que muitos destes mapeamentos não possibilitam detalhamentos das áreas potenciais de impacto, mas apenas aproximações em relação às zonas preferenciais de acúmulo de água, com base na dinâmica fluvial. Dessa forma, modelos adaptados às condições urbanas, levando em consideração atributos para além dos físico-naturais, possibilitariam melhores respostas em relação às áreas potencialmente inundadas nas cidades.

44No que se refere à vulnerabilidade, no Brasil, em grande parte, os dados sociais são provenientes dos censos do IBGE, com atualizações de 10 em 10 anos. Este fato dificulta análises mais detalhadas das alterações de variáveis sociais ao longo do tempo, sobretudo, em áreas urbanas com modificações bastante rápidas.

45Além disso, em realidades de metropolização, tais como a de Curitiba e região metropolitana, as análises dos riscos são realizadas de maneira isolada, em escalas municipais, inviabilizando medidas integradas entre os municípios, conforme destacam Buffon E. et al. (2017). Assim, em muitos casos medidas adotadas em algumas áreas, acabam por transferir os impactos para zonas e municípios a jusante. Neste sentido, reitera-se a necessidade de estudos integrados em contextos metropolitanos, visto que os riscos climáticos e hidrometeorológicos não respeitam os limites municipais.

46Partindo-se destas premissas, no que se refere à análise de riscos climáticos em contextos urbanos, como o apresentado neste estudo de caso para a cidade de Curitiba, faz-se necessário considerar as condições sinóticas deflagradoras de chuvas extremas, os processos de suscetibilidade do meio físico (zonas sujeitas às inundações, incorporando aspectos de modificação urbana, tais como impermeabilizações e modificações nas redes de drenagem) e as diferentes condições de vulnerabilidade das populações atingidas por esses processos. Estas dinâmicas, de maneira integrada, possibilitam contribuições à gestão de riscos de ordem climática nos ambientes urbanos, visto que permitem identificar as áreas críticas em relação aos impactos e aos impactados no âmbito das cidades, contribuindo para o planejamento urbano.

Haut de page

Bibliographie

File not found.
Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Localização do município de Curitiba.
Crédits Organização: Goudard (2019)
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/8082/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 191k
Titre Figura 2 Caracterização da evolução histórica dos episódios pluviais extremos
Crédits Organização: Goudard (2019)
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/8082/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 223k
Titre Figura 3 Eventos (chuvas extremas) e episódios pluviais extremos (chuvas extremas que geraram impactos) em Curitiba (1980 – 2015)
Crédits Organização: Goudard (2019)
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/8082/img-3.png
Fichier image/png, 38k
Titre Figura 4 Áreas afetadas por episódios pluviais extremos no município de Curitiba
Crédits Organização: Goudard (2019)
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/8082/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 198k
Titre Figura 5 Condições de vulnerabilidade no município de Curitiba
Crédits Organização: Goudard (2019)
URL http://journals.openedition.org/ideas/docannexe/image/8082/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Gabriela Goudard et Francisco de Assis Mendonça, « Eventos e episódios pluviais extremos: a configuração de riscos hidrometeorológicos em Curitiba (Paraná - Brasil) »IdeAs [En ligne], 15 | 2020, mis en ligne le 01 mars 2020, consulté le 14 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/ideas/8082; DOI: https://doi.org/10.4000/ideas.8082

Haut de page

Auteurs

Gabriela Goudard

Gabriela Goudard é doutoranda em Geografia pelo programa de pós-graduação da Universidade Federal do Paraná (UFPR – Brasil). Pesquisadora no Laboratório de Climatologia (LABOCLIMA/ UFPR) - Centro Politécnico – Ed. João José Bigarella, sala 210, Curitiba, Brasil.gabigoudard.ufpr@gmail.com

Francisco de Assis Mendonça

Francisco de Assis Mendonça é Professor Titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná. Laboratório de Climatologia (LABOCLIMA/UFPR) - Centro Politécnico – Ed. João José Bigarella, sala 210, Curitiba, Brasil. chico@ufpr.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
IdeAs – Idées d’Amériques est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Institut des Amériques
  • Logo DOAJ
  • OpenEdition Journals