Navegação – Mapa do site
Datário

8 de março - Dia Internacional das Mulheres

8 de marzo - Día Internacional de las Mujeres
8 mars - Journée Internationale de la Femme
March 8th - International Women’s Day
Simone Santos Oliveira e Lúcia Rotenberg
Tradução(ões):
8 de março - Dia Internacional das Mulheres [es]

Notas da redacção

Manuscrito recebido em: dezembro/2018
Aceite após peritagem:
fevereiro/2019

Texto integral

1O 8 de março como marco do movimento pela igualdade entre homens e mulheres

2O Dia Internacional das Mulheres, 8 de março, se consolidou como data comemorativa dos esforços da luta do movimento feminista. Não foi instituído a partir de uma única data ou evento – ele é resultado da necessidade de comunicar uma luta ampla que permeou vários setores das sociedades ao longo das últimas décadas. Ampliar o entendimento histórico dessa data contribui para reconhecer o contexto político expresso pela confluência da luta das trabalhadoras, do movimento socialista e da luta feminista, assim como sua importância na atualidade.

1. Acerca da data

3Recuperar a história do Dia Internacional das Mulheres possibilita evidenciar as difíceis discussões e embates da luta pela igualdade entre mulheres e homens, que se alinham às transformações estruturais da sociedade. Em geral, a origem da comemoração deste dia está́ associada ao incêndio da fábrica têxtil Triangle Shirtwaist Company, em 25 de março de 1911, no qual morreram 146 trabalhadores, sendo pelo menos 123 mulheres. Um incêndio que de fato existiu, marcando o movimento operário dos Estados Unidos, mas cuja história não se vincula à proposição de um dia de luta das mulheres e, tampouco, à definição da data de sua comemoração (González, 2010; Bay, 2001).

4Em 1910, durante a Segunda Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, realizada em Copenhague, Clara Zetkin, líder alemã do movimento, já havia proposto a criação de um dia internacional dedicado à luta das mulheres, sem definir uma data específica (Blay, 2001). O direito ao voto era a reivindicação central das mulheres em grande parte dos países no mundo e, em torno dele, a ideia da importância do dia se fortaleceu. No entanto, segundo alguns estudos, o que definiu essa data foram as manifestações das mulheres na Rússia, no dia 8 de março de 1917 (dia 23 de fevereiro, segundo o antigo calendário Juliano). A greve das operárias têxteis e a revolta das mulheres contra a escassez de alimentos foi o estopim da Revolução de Fevereiro de 1917 na Rússia.

5Para relembrar a ação das mulheres na história da Revolução Russa, o Dia Internacional das Mulheres passou a ser comemorado de forma unificada no dia 8 de março. A decisão de unificação da data foi tomada na Conferência de Mulheres Comunistas, coincidindo com o Congresso da Terceira Internacional, realizado em Moscou, em 1921. Parte dessa história, entretanto, ficou esquecida durante vários anos.

6Somente a partir da década de 1960, o Dia Internacional das Mulheres é retomado com destaque como data de luta do movimento. A existência de um dia comum tem um papel significativo de mobilização e a incorporação pela ONU, em 1975, do 8 de Março como data mundial contribui para isso (Bay, 2001). Portanto, quando novamente ganharam fôlego as comemorações, muitas versões são contadas, se confundem, se criam.

2. Produção e reprodução

7Com os desafios e limites de cada época, o movimento feminista ganha envergadura quando entende que o modo de produção capitalista isola produção e reprodução, reduzindo o conceito de trabalho ao trabalho produtivo remunerado, excluindo assim toda a contribuição do trabalho social constituído no âmbito doméstico (Sorj, 2003).

8Pode-se dizer também que a invisibilidade do trabalho social feminino se expressa em sua exclusão da contabilidade das riquezas de um país. O debate sobre o conceito de trabalho levou de fato à elaboração de um novo enfoque teórico das relações entre o trabalho feminino na esfera doméstica e a contabilidade nacional. Melo, Considera e Di Sabbato (2007), partindo da premissa de que o trabalho doméstico é essencial para o desenvolvimento da sociedade, propuseram aliás um exercício metodológico de cálculo do valor deste trabalho a partir de levantamentos estatísticos sobre o uso do tempo das populações.

9Assim, em oposição ao argumento de que são esferas regidas por diferentes princípios, o feminismo argumenta que o trabalho produtivo remunerado e o trabalho social realizado pelas mulheres se articulam profundamente e, frequentemente, em seu prejuízo, já que o espaço doméstico, não raras vezes, influencia negativamente as oportunidades nas carreiras, as atribuições dos postos de trabalho e os salários das mulheres (Sorj, 2003).

3. A divisão sexual do trabalho

10O conceito de divisão sexual do trabalho se refere não só à distribuição desigual de mulheres e homens no mercado de trabalho, mas remete a uma “diferenciação para hierarquizar as atividades e, portanto, os sexos, em suma, para criar um sistema de gênero” (Hirata & Kergoat, 2007, p. 596). O movimento feminista deu visibilidade à exploração capitalista baseada na divisão sexual do trabalho e permitiu compreender melhor as relações de poder e de opressão que mantêm a desigualdade entre mulheres e homens, que se perpetuaram mesmo em sociedades que tentaram romper com a desigualdade de classes. Helena Hirata defende por isso que classe, raça e sexo são categorias indissociáveis, assim como trabalho profissional e trabalho doméstico (Hirata, 2018). Neste sentido, Danièle Kergoat é conhecida por ter realçado a complexidade do processo emancipatório em jogo, passando este não só por uma tomada de consciência de gênero, de classe e de raça, mas ainda por um processo de luta contra a exploração, a opressão e a dominação (Kergoat, 2010).

11Um número significativo de estudos esteve particularmente atento aos efeitos diferenciados dessas dinâmicas sociais na saúde de homens e mulheres (Bercot, 2015). Diversas pesquisas, no âmbito da ergonomia e da sociologia, buscaram efetivamente romper com o modelo assexuado do trabalho, em que o masculino é apresentado como universal e as relações de gênero não são contempladas (Brito, 2005) - demonstrando a necessária indissociabilidade entre as análises das relações de trabalho e as de gênero, identificando os lugares que ocupam homens e mulheres na sociedade, e não naturalizando suas competências (Hirata & Kergoat, 2007).

4. As fases históricas do feminismo

12As diversas fases do feminismo, usualmente denominadas ondas, não constituem um processo linear, mas podem ser vistas como coexistentes (Narvaz & Koller, 2006). A primeira onda faz menção à luta das mulheres pela igualdade de direitos, em especial ao movimento sufragista na França, Inglaterra, Estados Unidos e Espanha. A segunda onda (1960-1970) se deu, particularmente, nos Estados Unidos, na busca de igualdade e denúncia à opressão masculina, e na França, com o argumento sobre a necessidade de dar visibilidade à especificidade da experiência das mulheres. A terceira onda (década de 1980) transita entre duas posições: a dos estudos que priorizam as mulheres, voltados para a teoria e política-militância feminista; e a dos estudos de gênero, nos quais a dimensão relacional é um pressuposto central (Scott, 1990).

13O feminismo contemporâneo abarca os diversos campos de atuação humana assumindo, neste sentido, uma dimensão plural (Negrão, 2002; Fougeyrollas-Schwebel, Lépinard & Varikas, 2005). Assim, a passagem do século 20 para o século 21 corresponde a diversas modalidades de feminismos, cuja nomenclatura varia segundo os autores e a corrente teórica, assumindo denominações como, por exemplo, pós-feminismo, feminismo jovem, feminismo de poder ou ciberfeminismo (Coleman, 2009). Ao chamar a atenção para o papel essencial da internet como espaço para as ativistas feministas, Munro (2013) questiona se estamos testemunhando a quarta onda feminista.

14Em paralelo às lutas feministas, a partir dos anos 1980, os meios de comunicação e empresas absorvem o Dia Internacional das Mulheres e acabam por transformá-lo em mais um evento de venda de produtos: dia de flores, de homenagens, de presentes, baseados no reforço da feminilidade tradicional. Há inclusive uma investida antifeminista: jornais e revistas publicam artigos questionando o feminismo e suas mais caras bandeiras, como a busca da igualdade (González, 2010).

5. Hoje

15Ao se tornar referência no mundo inteiro, o 8 de março tem um importante papel na visibilização do amplo movimento de mulheres e da luta por relações sociais igualitárias, tanto no mercado de trabalho quanto na família. Uma luta fundamental, tendo em vista a persistência das diferenças salariais, da violência doméstica e do feminicídio (entre outros graves problemas), e que deve ser travada também no campo do conhecimento. Como destaca Haraway (1995, p.16), “precisamos do poder das teorias críticas modernas sobre como significados e corpos são construídos, não para negar significados e corpos, mas para viver em significados e corpos que tenham a possibilidade de um futuro”.

16Com o 8 de março se afirma a autonomia e soberania das mulheres, chamando-se a atenção de que a igualdade entre os sexos é parte fundamental de todos os processos de transformação social. Portanto, o desenvolvimento da ótica de gênero nas pesquisas e intervenções – inclusive naquelas que tratam especificamente do trabalho – contribui para pensarmos novos modos de viver, mais solidários e equânimes.

Topo da página

Bibliografia

Bercot, R. (2015). Gênero e mal-estar no trabalho. Revista Ciências do Trabalho, 4, 111-124.Blay, E. (2001). 8 de Março: Conquistas e Controvérsias. Estudos Feministas, 9 (2), 601-609. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200016.

Brito, J. (2005). Trabalho e Saúde Coletiva: o ponto de vista da atividade e das relações de gênero. Ciência & Saúde Coletiva, 10(4), 879-890. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000400012.

Coleman, J. (2009). An introduction to feminisms in a postfeminist age. Women’s Studies Journal, 23(2), 3-13.

Fougeyrollas-Schwebel, D., Lépinard, E., & Varikas, E. (Dirs.) (2005). Féminisme(s) Penser la pluralité. Cahiers du Genre, 39. Paris: L’Harmattan. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2006000300018

González, A. (2010). As Origens e a Comemoração do Dia Internacional da Mulheres. São Paulo: Expressão Popular, SOF – Sempre Viva Organização Feminina.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 5, 07- 41.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37 (132), set./dez., 595-609.

Hirata, H. (2018). Gênero, patriarcado, trabalho e classe. Trabalho Necessário, 16(29),14-27.

Kergoat, D. (2010). Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estud. - CEBRAP [online]. 86, 93-103.. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002010000100005

Melo H., Considera, C., & Di Sabbato, A. (2007). Os afazeres domésticos contam. Economia e Sociedade, 16(3), 435-454. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-06182007000300006.

Munro, E (2013). Feminism: A Fourth Wave?. Political Insight, 4(2), 22-25. https://doi.org/10.1111/2041-9066.12021.

Narvaz, M., & Koller, S. (2006). Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, 11(3), 647-654. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722006000300021.

Negrão, T. (2002). Feminismo no plural. In M. Tiburi, M. Menezes, & E. Eggert (Dirs.). As mulheres e a filosofia (pp. 271-280). São Leopoldo: UNISINOS.

Scott, J (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 16(2), 5-22.

Sorj, B. (2003). Trabalho, gênero e família: quais políticas sociais? In T. Godinho, & M.L. Silveira (Dirs.). Políticas públicas e igualdade de gênero (pp. 143-148). São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Simone Santos Oliveira e Lúcia Rotenberg, « 8 de março - Dia Internacional das Mulheres », Laboreal [Online], Volume 15 Nº1 | 2019, posto online no dia 01 julho 2019, consultado o 16 julho 2019. URL : http://journals.openedition.org/laboreal/1612

Topo da página

Autores

Simone Santos Oliveira

Fundação Oswaldo Cruz - Rua Leopoldo Bulhões 1480, Manguinhos, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 21.041-210
simone@ensp.fiocruz.br

Lúcia Rotenberg

Fundação Oswaldo Cruz - Av. Brasil 4365, Manguinhos, Pavilhão Lauro Travassos, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 21.045-900
rotenber@ioc.fiocruz.br

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Laboreal está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • OpenEdition Journals