Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVolume 18 Nº1Editorial

Editorial

Editorial
Editorial
Editorial
Patricio Nusshold e Marianne Lacomblez
Tradução(ões):
Editorial [es]

Texto integral

1. Um dossier sobre o trabalho animal

1É com enorme satisfação que apresentamos um novo número da revista Laboreal. Um número cujo dossier convida a explorar a temática do trabalho animal, uma questão original que vem questionar algumas fronteiras da análise do trabalho real. Queremos assim, mais uma vez, proporcionar, aos nossos leitores de língua espanhola e portuguesa, a descoberta de um tema novo que suscita debates no seio da comunidade científica das ciências do trabalho.

2O trabalho humano associado aos animais já foi objeto de vários textos publicados pela nossa revista (Chatigny, 2006 ; Ouvrier-Bonnaz, 2010 ; Porcher, 2012 ; Vatin, 2018). Mas, desta vez, apresentamos um dossier sobre o trabalho animal, dando voz a uma linha de investigação recente, desenvolvida nos últimos 15 anos, especialmente, por uma equipa de investigadores do Institut national de recherche pour l’agriculture, l’alimentation et l’environnement (INRAE ; Instituto nacional de investigação agronómica e ecológica), em França, sob a direção de Jocelyne Porcher, uma pesquisadora que, antes de se dedicar à investigação, foi criadora de ovelhas.

3Estamos conscientes que este tema irá gerar inúmeras interrogações entre os leitores da revista interessados no trabalho humano. Surgirão, com certeza, perguntas, nomeadamente de cariz metodológico (por exemplo, em que medida é possível utilizar técnicas semelhantes para recolher os dados ?), ou sobre a relação entre o trabalho animal e o trabalho humano (por exemplo, podemos pensar o trabalho animal independentemente do trabalho humano ?), ou ainda acerca das relações de dominação (por exemplo, todo o trabalho animal é da ordem dos maus tratos ?).

4Ainda que, certos leitores, ao descobrir esta área de estudo, possam ficar fascinados, não podemos ignorar que outros poderão sentir-se incomodados pelas interrogações aqui suscitadas. De qualquer modo, esperamos que este dossier contribua para dissipar dúvidas, abrir e aprofundar debates e enriquecer os nossos conhecimentos sobre o trabalho real de e com animais. Mas, sobretudo, desejamos que os nossos leitores possam descobrir - tal como nós - trabalhos de terreno interessantíssimos onde a distância entre o prescrito e o real não só diz respeito aos seres humanos, mas também aos animais.

5A introdução a este dossier tem como propósito o de apresentar o campo dos estudos aqui editados, inscrevendo-os nos principais debates que têm sido desencadeados neste domínio. Justificando, assim, a tradição científica em que se enquadram tais artigos e a sua forte ancoragem na análise do trabalho real. Aliás, os leitores terão a oportunidade de apreciar os inúmeros relatos e exemplos concretos do trabalho vivo aí descrito e frequentemente ilustrados por imagens ou fotografias. Deste modo, exploraremos o trabalho dos cavalos, touros e cães em diversos contextos, desde o treinamento básico, às artes cénicas ou às competições, bem como o trabalho humano associado a estas atividades.

6Cremos que estes trabalhos de campo nos possibilitarão pensar de forma renovada o trabalho com os animais e dos animais.

2. As contribuições mais clássicas

7Porém, além do dossier temático, este número propõe contribuições mais habituais. A secção Varia abre com um artigo de Carolina e Romel Ullilen-Marcilla, baseado num estudo de caso realizado no âmbito da indústria alimentar do Peru. Os métodos de trabalho e a organização do processo de produção transparecem logo no artigo com a descrição da análise realizada pelos pesquisadores no que concerne os movimentos repetitivos dos membros superiores dos e das operadore.a.s. E, logicamente, resultou, desse estudo-intervenção, uma proposta de melhor distribuição da carga de trabalho, tendo em vista a diminuição do risco de lesões músculo-esqueléticas.

8Apresentamos, depois, o resumo da tese de doutoramento de Marlène Cheyrouze sobre a conceção do trabalho em horários atípicos. Este texto revela-nos uma pesquisa extremamente interessante, desenvolvida em meio hospitalar e assente numa conceção inovadora da intervenção. Esperamos, evidentemente, que este resumo vos incentive a ler a versão integral desta tese !

9E, por último, Ana Luiza Telles, Denise Alvarez e Helder Muniz apresentam-nos uma recensão do livro “Ambiente de trabalho : A luta dos trabalhadores pela saúde” de Oddone, Marri, Gloria, Chiatella e Re, reeditado no Brasil em 2020 numa versão enriquecida por contributos atuais de vários pesquisadores. Trata-se de uma obra, como é sabido, que constitui uma referência cardinal para a comunidade que reúne os leitores da nossa revista.

3. O trabalho e as suas histórias: (re)descobrir textos históricos e datas importantes

10A secção O trabalho e as suas histórias, há já muitos anos, que nos permite (re)descobrir um texto histórico. Neste número, é, mais uma vez, Lucien Febvre que desperta a nossa curiosidade com um contributo publicado em 1941, nos Annales d’Histoire Sociale, sob o título “Como reconstituir a vida afetiva de outrora ? A sensibilidade e a história”. Este texto é comentado por Jerôme Martin num artigo intitulado “História e psicologia segundo Lucien Febvre”, e muito nos ajuda a compreender o âmbito atual da reflexão desenvolvida. Lembra, pois, que Lucien Febvre é considerado o fundador da história das sensibilidades, cujos objetos e métodos definiu em vários textos, insistindo sempre na necessidade de uma descompartimentação das disciplinas e de uma renovação dos seus objetos de estudo.

11Mas gostaríamos também de salientar que a data da publicação deste contributo de Lucien Febvre não é anódina. Este seu texto de 1941 exprime, pois, já, as tensões e preocupações dos primeiros tempos da segunda Guerra mundial. E, no nosso dia a dia de hoje, tão perturbado pela guerra na Ucrânia, somos surpreendidos pela contemporaneidade da tonalidade triste desta reflexão.

12Por último, encerramos a secção com uma contribuição de Augusto Rogério Leitão na rubrica do Datário. Este autor, que já desenvolveu na Laboreal análises de algumas das tragédias desencadeadas pela temível fibra de amianto, retoma desta vez o tema, tomando como ponto de partida a data de 26 de julho de 1999. Trata-se, de facto, da data da diretiva europeia que estabelecerá o início do período de transição para os Estados-membros da União Europeia implementarem, de modo definitivo, a proibição total do amianto a partir de 1 de janeiro de 2005.

4. Agradecemos a todos os que colaboraram neste número…

13aos autores, evidentemente, às tradutoras, Agustina Blanco, Gabriela Cuenca, Fernanda Romero e Flora Vezzá, que trabalharam num ou em vários textos para espanhol ou para português, e aos prestigiados peritos que avaliaram as propostas dos artigos que recebemos para este número, Rossana Cacivio, Nicolas Canales Bravo, Magali Cayon, Marianne De Troyer, Christophe Dejours, Christophe Demaegdt, Antoine Doré, Antoine Duarte, Marie-Anne Dujarier, Edil Ferreira da Silva, Marcelo Figueiredo, Lise Gaignard, Isabelle Gernet, Isabelle Gouarné, Laurent Gutierrez, Augusto Rogério Leitão, Dominique Lhuilier, Nélcy Arevalo, Marie Potiron, Laerte Sznelwar e Carlos Vaca.

14Desfrutem-no.
Em nome do Comité Editorial da Laboreal.
Patricio Nusshold e Marianne Lacomblez

Topo da página

Bibliografia

Chatigny, C. (2006). Formadores en la indústria avícola : actores clave en situación difícil. Laboreal, 2(2), 1-13. https://doi.org/10.4000/laboreal.13117

Ouvrier-Bonnaz, R. (2010). Introdução ao texto “A libertação da mão” de André Leroi-Gourhan. Laboreal, 6(2), 1-6. DOI : https://doi.org/10.4000/laboreal.8878

Porcher, J. (2012). Zootecnia. Laboreal, 8(1), 1-7. https://doi.org/10.4000/laboreal.7442

Vatin, F. (2018). What is watt ? : história de una medida, Laboreal, 14(1), 1-5. https://doi.org/10.4000/laboreal.568

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Patricio Nusshold e Marianne Lacomblez, «Editorial»Laboreal [Online], Volume 18 Nº1 | 2022, posto online no dia 22 julho 2022, consultado o 06 agosto 2022. URL: http://journals.openedition.org/laboreal/18829; DOI: https://doi.org/10.4000/laboreal.18829

Topo da página

Autores

Patricio Nusshold

https://orcid.org/0000-0002-3000-8287
Institut de Psychodynamique du Travail (IPDT – ASTI). Université Paris Cité, Laboratoire PCPP, UR 4056, Paris
patricio.nusshold@ast-i.org

Artigos do mesmo autor

Marianne Lacomblez

https://orcid.org/0000-0002-3100-590X
Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto ; Centro de Psicologia da Universidade do Porto, Rua Alfredo Allen, 4200-135 Porto
lacomb@fpce.up.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC BY-NC 4.0

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional - CC BY-NC 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo Société d'Ergonomie de Langue Française
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search