Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVolume 12 Nº1Editorial

Texto integral

1A Laboreal propõe neste número de julho um debate que se impõe retomar e renovar, e que constituiu o mote de mais um dossier temático, consagrado ao tema “Os equipamentos de proteção individual (EPI): protetores, mas nem sempre”.

2Ora preconizado de forma normalizada e neutra face às situações concretas de trabalho, ora perspetivado como um mal menor, o uso dos EPI e o seu estatuto de “proteção” branqueia não raras vezes uma ameaça invisível, somente desvelada na descoberta da atividade de trabalho e no diálogo com os trabalhadores que os usam, como é transversalmente ilustrado nos artigos apresentados no âmbito deste dossier.

3É inegável a existência hoje de mais alternativas e de mais aspetos a considerar na escolha dos EPI’s. Não obstante, os contributos dos autores referenciados neste número da Laboreal questionam se a escolha não poderá ser, antes de mais, analisar o trabalho, ouvir os seus protagonistas, compreender os paradoxos que o uso dos EPI muitas vezes entrevê (entre proteger e perigar). Sustenta-se, assim, que os conhecimentos científicos nesta matéria não podem ser considerados à margem de uma reflexão sobre as condições em que são produzidos - em função do acesso consentido ou não aos locais de trabalho, da escuta do ponto de vista dos trabalhadores, e mesmo da participação ou não dos atores da segurança e saúde no trabalho na arena das negociações sobre as políticas definidas.

4Uma abordagem de terreno; a análise de diferentes atividades e riscos do trabalho; em diferentes geografias, reforçam a diversidade dos contributos apresentados no quadro deste dossier - que integra cinco “pesquisas empíricas” e um artigo enquadrado na rubrica “instrumentos de investigação” - cuja estrutura e apresentação mais detalhada é feita por Francisco Duarte, Laurence Théry e Carolina Ullilen.

5O resumo de tese de Justine Arnaud remete-nos a uma discussão sobre a noção de “ambiente capacitante”, entendido como a tradução, materializada em condições de trabalho concretas, de um compromisso entre a sustentabilidade dos sistemas de trabalho, a saúde, a segurança e o desenvolvimento dos indivíduos. A abordagem metodológica preconizada na situação em análise, relativa a uma multinacional francesa no momento crítico da implementação de Centros de Serviços Partilhados (CSP), constitui exemplo da forma como é pensada a conceção de ambientes capacitantes e, a longo prazo, organizações capacitantes.

6Régis Ouvrier-Bonnaz, responsável pela rubrica ‘textos históricos’, propõe-nos um texto de Maurice Reuchlin, de 1978. Não só corresponde à vontade de homenagear um dos maiores psicólogos de Século XX, recentemente falecido, como pronuncia uma interpelação que mantém toda a sua atualidade - o debate entre uma “psicologia do laboratório” e uma “psicologia do terreno” -, trespassando a mera ideia de investigação em lugares distintos. É uma discussão que se mantém contemporânea, como reforça Jacques Leplat no seu comentário sobre este texto, mesmo que em moldes diferentes… atravessando tão frequentemente a “démarche do investigador”, e no que ele pode configurar como resposta aos ditames da “ciência aplicada”.

7Chegamos ao Dicionário e encontramos, sem surpresa pela ordem prosseguida, as letras “O” e “P”. Podemos, talvez, ser surpreendidos pela ousadia na escolha das palavras… Em primeiro lugar, porque “OIT” não é uma palavra, e porque Augusto Rogério Leitão nos desafia a compreender “o edifício político-institucional” e ação da OIT, na defesa dos direitos da.o.s trabalhadora.e.s., a par da sua evolução contextualizada em momentos históricos distintos, e remetendo-nos a escalas de análise distintas. E, em segundo lugar, porque “Preguiça” é uma vil palavra, que não se pronuncia, que se silencia no trabalho e entre os que sobre ele trabalham. Utopia, ou não… Suzana Albornoz fala-nos de um direito à preguiça…! Ou melhor, o direito à conceção de um outro mundo possível no trabalho.

8Contamos neste número, uma vez mais, com a colaboração de um número significa­tivo de membros dos Comités da revista no processo de peritagem – mais ainda dos colegas Fausto Mascia, Sophie Prunier-Poulmaire, Raoni Rocha, Edison Renato Silva e Ana Luisa Telles. A todos, um forte agradecimento.

9A todos os leitores, fica então o convite a uma proposta de leitura destes contributos, com a convicção também de que permitirão uma reflexão para além do que aqui se anuncia...

10Pelo Comité Editorial de Laboreal,

11Liliana Cunha

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Liliana Cunha, « Editorial  »Laboreal [Online], Volume 12 Nº1 | 2016, posto online no dia 01 julho 2016, consultado o 25 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/laboreal/2818; DOI: https://doi.org/10.4000/laboreal.2818

Topo da página

Autor

Liliana Cunha

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto, Centro de Psicologia da Universidade do Porto
Rua Dr. Manuel Pereira da Silva, 4200-392 Porto, Portugal
lcunha@fpce.up.pt

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Laboreal está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • Logo Société d'Ergonomie de Langue Française
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search