Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVolume 12 Nº1Dossier Temático“Os equipamentos de proteção indi...

Dossier Temático

“Os equipamentos de proteção individual (EPI): protetores, mas nem sempre”: apresentação do dossier

“Los equipos de protección individual (EPI): protectores, pero no siempre”: presentación del dossier
« Les équipements de protection individuelle (EPI): protecteurs, mais pas toujours » : présentation du dossier
“The personal protective equipment (PPE): protective, but not always”: presentation of the thematic dossier
Francisco Duarte, Laurence Théry e Carolina Ullilen–Marcilla
Tradução(ões):
“Los equipos de protección individual (EPI): protectores, pero no siempre”: presentación del dossier [es]

Texto integral

1Na edição de julho da revista Laboreal, apresentamos um dossier, que continuará em dezembro, que trata sobre o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Sabe-se que entre os princípios gerais de prevenção dos riscos profissionais, esses equipamentos representam a última barreira contra os riscos a que os trabalhadores estão expostos.

2De forma similar a um artigo já publicado na revista Laboreal por Garrigou, Baldi & Dubuc (2008), o objetivo desse dossier é discutir de forma mais ampla diferentes aspectos muitas vezes desconhecidos dos EPI. Na realidade, a questão da EPI tem sido abordado, já a muito tempo, principalmente a partir de uma abordagem técnica pelos químicos ou especialistas em materiais. Poucos estudos têm abordado as dificuldades durante o uso. Isto pode conduzir a um ponto de vista relativamente simplista: bastaria utiliza-los para estar protegido.

3O ângulo de ataque desta questão é trazer à luz toda a complexidade destes objetos aparentemente simples e de sua utilização. Esta complexidade está relacionada em primeiro lugar à sua concepção e à sua eficácia real que é muitas vezes mal avaliada. Um segundo aspecto desta complexidade está relacionada ao seu uso em situações reais. Os trabalhadores sentem uma série de dificuldades e inconvenientes que interferem no desenvolvimento das suas atividades. Assim, o design desses equipamentos devem assegurar uma proteção ótima, perturbar o menos possível e ainda, o usuário também deve ser informado sobre o uso adequado e a manutenção apropriada a fim de reduzir a exposição.

4O conjunto de artigos convoca diferentes disciplinas – ergonomia, ciências da saúde, ciências jurídicas, economia, antropologia, engenharia da prevenção – e buscando apresentar a complexidade acima mencionada de maneira complementar.

5Seis artigos constituem a primeira parte desse dossier, publicado nesse numero de julho. Um artigo sobre a exposição ocupacional a produtos químicos foi proposto por Fabienne Goutille, Louis Galey, Clémence Rambaud, Pierrick Pasquereau, José Marçal Jackson Fo e Alain Garrigou. As medidas de prevenção mais comuns estão limitadas aos equipamentos de proteção individual, embora a regulamentação privilegie equipamentos de proteção coletiva. O trabalho é apresentado na forma de um estudo de caso. A partir da perspectiva metodológica da ergotoxicología e da antropologia, busca-se articular o conhecimento sobre os perigos dos produtos, as modalidades de prescrição dos EPI na empresa, a percepção que tem os trabalhadores dos riscos, os efeitos sobre seus corpos e a eficácia dos EPIs.

6No que diz respeito ao uso de EPI no setor agrícola, Carolina Ullilén e Alain Garrigou colocam em evidência a influência da percepção de risco na utilização destes equipamentos de proteção contra pesticidas. O estudo foi realizado em uma amostra de cinco viticultores, buscando entender as estratégias empregadas para se proteger contra os pesticidas durante a preparação da mistura, a sua aplicação nos campos agrícolas e a limpeza de materiais agrícolas. Os resultados mostram que o nível de formação, a experiência ao longo do tempo e as crenças ou convicções podem influenciar, positiva ou negativamente, na percepção de risco.

7Maria Cristina Gonzaga e Cristiane Queiroz analisam o processo de certificação de luvas de proteção em corte manual da cana de açúcar e discutem as diferenças entre as normas de teste na fabricação das mesmas e a atividade a ser realizada. São evidenciados a variabilidade do tamanho das mãos para a escolha das luvas, o número de acidentes e de doenças profissionais relacionadas com as mãos. O facão, considerado como o principal instrumento de trabalho, foi modificado pelos trabalhadores para melhorar o seu desempenho e adaptá-lo às exigências do processo de produção. O estudo apresenta sugestões oriundas dos trabalhadores para melhoria do projeto das luvas e do facão, sem negligenciar o sistema de certificação.

8O artigo de Alice Turcot e Michel Lehoux aborda o uso de luvas antivibratórias para reduzir a vibração mão-braço. Uma revisão da literatura foi realizada na Medline (PubMed) e EBSCOhost para os anos de 1970 a 2014. Um estudo de campo através de questionários e entrevistas foi realizado com 30 trabalhadores, que foram convidados a utilizar dois tipos de luvas durante um curto período de tempo. Ambas foram consideradas, por vários trabalhadores, como inconfortáveis e incomodavam a execução do trabalho. Além disso, a revisão da literatura, revela que a eficácia das luvas para atenuar os níveis de vibração é baixa.

9Estudo realizado por Marcello Motta Veiga e Carlos Campelo de Albuquerque analisa a permeabilidade dos EPI contra os pesticidas pelos agentes de saúde para combater o mosquito Aedes aegypti. A permeabilidade é uma característica de EPI que os torna inadequados para utilização, o que foi avaliado por método conhecido como pipeta, calculando as percentagens de repulsão, de retenção e de penetração de pesticidas no equipamento de proteção. Os resultados mostram que o tipo de costura influencia na permeabilidade e que uma repulsividade inferior pode não ser suficiente para avaliar a eficácia do EPI.

10A pesquisa de Thiara Angeli Porto e Mônica Fatima visou compreender o uso do corpo e sua relação com a saúde e a segurança nos processos de umidificação e tratamento do granito numa organização do estado do Espírito Santo no Brasil. Tendo como base o acompanhamento do processo de trabalho e adotando a postura de um cartógrafo com registros em um diário de bordo e entrevistas com 10 trabalhadores, o estudo ilustra algumas maneiras de usar o corpo na atividade em questão, destacando o uso inadequado de EPI e o potencial dos equipamentos de proteção coletiva para melhoria das condições de trabalho.

11Agradecimentos a todos os autores por contribuir com seus conhecimentos e experiências.

Topo da página

Bibliografia

Garrigou, A., Baldi, I. & Dubuc, P. (2008). Contributos da ergotoxicologia na avaliação da eficácia real dos EPI que devem proteger do risco fitossanitário: da análise da contaminação ao processo colectivo de alerta. Laboreal, 4, (1), 92-103.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Francisco Duarte, Laurence Théry e Carolina Ullilen–Marcilla, « “Os equipamentos de proteção individual (EPI): protetores, mas nem sempre”: apresentação do dossier »Laboreal [Online], Volume 12 Nº1 | 2016, posto online no dia 01 julho 2016, consultado o 28 setembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/laboreal/2830; DOI: https://doi.org/10.4000/laboreal.2830

Topo da página

Autores

Francisco Duarte

Programa de Engenharia de Produção – Universidade Federal do Rio de Janeiro – PEP/COPPE/UFRJ
Centro de Tecnologia, Bloco G sala G209 - Cidade Universitária. 21945-970 Rio de Janeiro – Brasil
duarte@pep.ufrj.br

Artigos do mesmo autor

Laurence Théry

Centre d’Ergonomie et de Sécurité du Travail de Picardie (CESTP), Agence Régionale pour l’Amélioration des Conditions de Travail (ARACT), 19, rue V. Hugo, 80000 Amiens – France
l.thery@anact.fr

Carolina Ullilen–Marcilla

Facultad de Ingeniería Ambiental, Escuela Profesional de Ingeniería de Higiene y Seguridad Industrial, Universidad Nacional de Ingeniería, Av. Túpac Amaru 210, Rímac, Lima 21, Perú
cullilenm@uni.edu.pe

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Laboreal está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • Logo Société d'Ergonomie de Langue Française
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search