Navegação – Mapa do site

Como submeter artigos?

A publicação dos artigos na revista Laboreal deve respeitar um conjunto de normas específicas, que o autor deve utilizar de modo a facilitar a leitura dos textos e a simplificar o processo de reprodução electrónica. Seguidamente encontra-se uma sistematização das mesmas.

1. Submissão de um documento

O documento submetido para publicação deve ser um texto original, alinhado com a política editorial da revista e enquadrado numa das suas rubricas (cf. lista de rubricas). Poderá ser apresentado nas línguas portuguesa ou espanhola, de acordo com a formatação definida (cf. ponto 3. “Apresentação dos Documentos”).

O documento deve ser enviado sob a forma electrónica para o seguinte endereço: laboreal@fpce.up.pt

Os manuscritos enviados para a revista Laboreal deverão ser acompanhados de uma carta de solicitação, assinada pelo(s) autor(es), que explicite a intenção de submissão ou de re-submissão do texto para publicação.

Nesta carta, o(s) autor(es) garante(m) que o texto submetido e a investigação referida salvaguardaram os princípios éticos fundamentais definidos pelo Committee on Publication Ethics (COPE; ver publicationethics.org) do qual a revista Laboreal é membro. Os autores devem ainda preencher uma “Declaração de originalidade” do artigo (cf. modelo da declaração no final desta página).

2. Procedimento de arbitragem científica

Após a submissão do documento pelo autor, inicia-se um processo de peritagem que envolve os seguintes passos:

  1. Os elementos do Comité Editorial fazem uma leitura inicial do texto e analisam em que medida este se enquadra na política editorial da Revista;

  2. Caso o Comité Editorial considere o texto adequado para peritagem científica, define dois peritos para realizar a sua avaliação;

  3. texto é enviado para os peritos sem a indicação do nome do autor, num processo “Double-Blinded” - nem os peritos têm conhecimento do nome do autor, nem o autor terá depois conhecimento dos nomes dos peritos;

  4. Os peritos preenchem a ficha de peritagem e devolvem-na ao Comité Editorial da Revista, num prazo previamente acordado;

  5. Baseando-se nos dois pareceres, o Comité Editorial elabora um documento único que envia aos autores. No caso de as peritagens serem favoráveis à publicação, este documento engloba o conjunto de modificações que devem ser introduzidas para a publicação do texto;

  6. autor envia ao Comité Editorial, dentro do prazo definido, a versão final do seu texto e uma carta onde identifica as modificações introduzidas e justifica as opções efetuadas;

  7. Comité Editorial verifica se as sugestões dos peritos foram tidas em conta pelo autor, podendo ainda exigir algumas modificações. Após este processo, define se o texto pode ser considerado aceite para edição.

  8. Após o artigo ter sido aceite, o autor (se houver vários autores : cada um dos autores) assina uma Declaração de autorização da publicação (cf. modelo da declaração no final desta página). Esta declaração deve ser enviada por correio eletrónico (depois de devidamente preenchida e assinada) ou através de correio postal para a morada da Laboreal.

  9. Todas as datas relativas ao processo de peritagem estão documentadas. No caso de publicação do artigo, identifica-se, na sua primeira página, as datas de submissão e de aceitação após peritagem. O tempo entre a receção do artigo e sua publicação não ultrapassa, em média, os 12 meses, desde que os autores cumpram os prazos fixados.

3. Apresentação dos documentos

3.1. Organização das Rubricas

De acordo com a rubrica, os artigos devem ser organizados de forma particular. A saber:

3.1.1. Pesquisas empíricas ; Instrumentos de investigação ; Arqueologia do conhecimento ; Apresentação de obras ; Revisões temáticas

Se o texto for redigido em língua portuguesa

Campos a integrar e respetiva ordenação

  • Nome da rubrica em português

  • Título em português

  • Identificação dos autores (afiliação profissional; morada postal; e endereço eletrónico)

  • Resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em espanhol (máx. 5 palavras)

  • Corpo do texto (numerar as diferentes secções e subsecções que compõem o artigo)

  • Notas (se as houver. Cf. normas ponto 3.6)

  • Referências bibliográficas (normas APA. Cf. normas ponto 4)

  • Título em espanhol, e resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em português (máx. 5 palavras)

  • Título, resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em francês (máx. 5 palavras)

  • Título, resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em inglês (máx. 5 palavras)

Se o texto for redigido em língua espanhola

Campos a integrar e respetiva ordenação

  • Nome da rubrica em espanhol

  • Título em espanhol

  • Identificação dos autores (afiliação profissional; morada postal; e endereço eletrónico)

  • Resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em português (máx. 5 palavras)

  • Corpo do texto (numerar as diferentes secções e subsecções que compõem o artigo)

  • Notas (se as houver. Cf. normas ponto 3.6)

  • Referências bibliográficas (normas APA. Cf. normas ponto 4)

  • Título em português, e resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em espanhol (máx. 5 palavras)

  • Título, resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em francês (máx. 5 palavras)

  • Título, resumo (máx. 150 palavras) e palavras-chave em inglês (máx. 5 palavras)

3.1.2. Artigos de “resposta a...”; Resumos de teses; Recensões críticas de livros; O dicionário; Discursos sobre o vivido no trabalho

Se o texto for redigido em língua portuguesa ou em língua espanhola (excetuando o caso da rubrica resumos de tese em que o texto deverá ser apresentado nas duas línguas):

Campos a integrar e respetiva ordenação

  • Nome da rubrica em português e em espanhol

  • Título em português

  • Identificação dos autores (afiliação profissional; morada postal; e endereço eletrónico)

  • Corpo do texto (numerar as diferentes seções que compõem o artigo)

  • Notas (se as houver. Cf. normas ponto 3.6)

  • Referências bibliográficas (normas APA. Cf. normas ponto 4)

  • Título em espanhol

  • Título em francês

  • Título em inglês

3.1.3. Actas de Seminários; Importa-se de repetir...?

A publicação destes documentos resultará de protocolos ad hoc.

3.2. Normas para a redação de resumos

O resumo do artigo deve ser redigido em todas as seguintes línguas: português, espanhol, francês e inglês, sendo a tradução subjacente da responsabilidade dos autores. Para cada uma das línguas, é essencial que o autor garanta a qualidade do uso das regras gramaticais e de ortografia.

O resumo não pode ultrapassar o limite de 150 palavras. Deve ser claro e de leitura fácil, apresentando os detalhes que permitam ao leitor compreender o essencial do contributo. Deve apresentar, então, de forma precisa mas concisa, os seus elementos-chave – sem informações supérfluas, nem quadros, figuras ou referências bibliográficas.

3.2.1. Particularmente no que se refere à rubrica «Pesquisas empíricas» é importante mencionar no resumo

  • objetivo da investigação;

  • uma breve descrição do seu objeto;

  • a metodologia;

  • local da investigação (se esta informação se revestir de importância);

  • os resultados, conclusões ou consequências.

3.2.2. Particularmente no que se refere às rubricas «Discursos sobre o vivido no trabalho», «Instrumentos de investigação» e «Apresentação de obras» é importante mencionar no resumo

  • tema principal;

  • a lógica de abordagem;

  • ponto de vista do autor do artigo;

  • os resultados, conclusões ou consequências.

3.2.3. Particularmente no que se refere às rubricas «Arqueologia do conhecimento» e «Revisões temáticas» é importante mencionar no resumo

  • campo coberto pelo balanço;

  • período coberto pelo balanço;

  • a fonte principal das publicações analisadas;

  • tipo de documentos tratados;

  • a opinião do autor do artigo, nomeadamente no que diz respeito ao que considera ser o contributo essencial da análise apresentada;

  • as conclusões, em termos de linhas de investigação a desenvolver.

3.3. Palavras-chave

O artigo deve conter :

  • entre 3 e 5 palavras-chave;

  • quatro versões destas palavras chave: em português, em espanhol, em francês e em inglês.

As palavras-chave não têm como finalidade indicar as particularidades do artigo mas a sua inscrição num campo ou domínio. As palavras-chave mais pertinentes indicam:

  • domínio de estudo ou de aplicação;

  • as finalidades do artigo;

  • o/os principais conceitos.

Aconselhamos a consulta dos thesauri existentes (por exemplo: o da APA ou da Ergonomic Abstracts) para que a escolha destas palavras retome as bases de dados internacionais, o que facilita o acesso aos artigos.

3.4. Limites para a extensão dos textos

De acordo com a rubrica a que se submete, o documento não deverá ultrapassar determinados limites (incluindo gráficos, tabelas e figuras). O número máximo de caracteres, incluindo espaços, para cada rubrica é:

Pesquisas empíricas

Discursos sobre o vivido no trabalho

Instrumentos de investigação

Arqueologia do conhecimento

Apresentação de obras

Revisões temáticas 

75000 caracteres

Recensões críticas de livros

Resumos de teses

Artigos “de resposta a...”

O dicionário

15000 caracteres

3.5. Gráficos, tabelas e figuras

Os gráficos, as tabelas e as figuras devem respeitar as seguintes orientações:

  • A sua dimensão nunca deve ultrapassar a zona de texto;

  • Devem apresentar uma legenda na sua parte inferior, com a explicação das suas principais variáveis;

  • As figuras deverão ser apresentadas no formato JPG, com uma resolução mínima de 200dpi;

  • Devem ser inseridos no texto, no local onde o autor deseja e também apresentados num ficheiro independente.

3.6. Notas de rodapé e carateres especiais

O texto não deve conter notas de rodapé. No entanto, prevê-se a possibilidade de haver notas de fim, que estarão assinaladas no texto, sendo apenas apresentadas no final, exactamente antes das referências bibliográficas.

Neste sentido, o local onde deseja que a nota seja inserida, ao longo do texto, deverá ser indicado com parêntesis rectos e o número da nota (ex. [1]). O texto correspondente deverá constar no final do documento, tal como referido (ex. [1] Organização Internacional do Trabalho).

Os carateres especiais – carateres matemáticos, entre outros – devem ser inseridos no texto sob a forma de símbolo.

4. Referências bibliográficas

A Revista Laboreal adota as normas da APA que podem ser consultadas online em apastyle.org.

4.1. Notas bibliográficas no texto

As notas bibliográficas inseridas no texto do artigo devem ser apresentadas sob a forma autor(es)-data, que inclui o apelido do autor, seguido da data de publicação do documento.

Alguns exemplos:

  • Um autor: (Gaudart, 2016)

  • Dois autores: (Teiger & Lacomblez, 2013)

  • Três, quatro ou cinco autores: na primeira citação no texto são referidos todos os autores - (Ravalet, Vincent-Geslin, Kaufmann, Viry, & Dubois, 2015). Nas citações subsequentes deve-se indicar o nome do primeiro autor seguido de “et al.” - (Ravalet et al., 2015)

  • Seis ou mais autores: em todas as citações no texto indica-se apenas o nome do primeiro autor seguido de “et al.”

  • Instituições como autores: por extenso na primeira referência e depois pela sigla se for facilmente reconhecível (APA, 2010), mas sempre por extenso se não for facilmente reconhecível (Autoridade para as Condições de Trabalho, 2011).

  • Reedições: deve-se citar a data de publicação original e a data de re-publicação (Clot, 1995/2008).

Quando os autores são inseridos no corpo de texto utiliza-se o “e” e menciona-se a data:

  • “Os trabalhos desenvolvidos por Teiger e Laville (1991) evidenciaram…”

No caso de a citação se reportar a múltiplos trabalhos do mesmo autor, deve-se colocar as datas por ordem cronológica. Deve também usar-se letras depois da indicação do ano para distinguir diferentes publicações do mesmo autor no mesmo ano:

  • (Schwartz, 2000, 2004a, 2004b, 2012).

Quando se trata de uma citação direta deve-se utilizar as aspas duplas (“…”) no caso de se tratar de uma transcrição curta (até 40 palavras de texto) e referir o autor, a data e a página da obra onde foi retirado o excerto do texto. No caso da transcrição ser traduzida deve-se referir ainda a expressão “tradução livre” após o número da página. É ainda de acrescentar que a citação é inserida no próprio texto utilizando o mesmo tipo de caracteres do texto do artigo.

Exemplo

  • Na realidade, as relações entre a saúde e o trabalho revestem-se de uma grande complexidade, “não são nem unívocas nem instantâneas” (Gollac & Volkoff, 2000, p. 23, tradução livre).

Quando se utiliza uma transcrição longa (superior a 40 palavras de texto) deve-se optar pela citação em bloco – deve ser destacada do texto e não é apresentada entre aspas – referindo, igualmente, o autor, a data e a página da obra onde foi retirado o excerto do texto. No caso da transcrição ser traduzida deve referir-se ainda a expressão “tradução livre” após o número da página. A citação em bloco deve ser escrita num tipo de letra mais reduzida da que está a ser utilizada no texto do artigo.

Exemplo
Nesta perspetiva, a centralidade atribuída à ação do homem é novamente partilhada e reforçada a propósito do conceito e da vivência da saúde,

(…) para o homem, viver é também conhecer. Eu sinto-me bem na medida em que me sinto capaz de assumir as responsabilidades dos meus actos, de trazer as coisas à existência e de criar entre as coisas relações que não existiriam sem mim, mas que não seriam o que são sem elas. E, por isso, eu tenho necessidade de aprender a conhecer o que elas são para as mudar (Canguilhem, 2002, p. 68, tradução livre).

As notas bibliográficas inseridas no texto do artigo devem ser apresentadassob a forma autor(es)-data, que inclui o apelido do autor, seguido da data de publicação do documento.

Alguns exemplos:

  • Um autor: (Kergoat, 1993)

  • Dois autores: (Teiger & Lacomblez, 2013)

  • Três, quatro ou cinco autores: na primeira citação no texto são referidos todos os autores - (Pikaar, Koningsveld & Settels, 2007). Nas citações subsequentes deve-se indicar o nome do primeiro autor seguido de “et al.” - (Pikaar et al., 2007)

  • Seis ou mais autores: em todas as citações no texto indica-se apenas o nome do primeiro autor seguido de “et al.”

  • Instituições como autores: por extenso na primeira referência e depois pela sigla se for facilmente reconhecível (APA, 2010), mas sempre por extenso se não for facilmente reconhecível (Autoridade para as Condições de Trabalho, 2011).

  • Reedições: deve-se citar a data de publicação original e a data de re-publicação (Wisner, 1984/2012).

Quando os autores são inseridos no corpo de texto utiliza-se o “e” e menciona-se a data:

  • “Os trabalhos desenvolvidos por Teiger e Laville (1991) evidenciaram…”

No caso de a citação se reportar a múltiplos trabalhos do mesmo autor, deve-se colocar as datas por ordem cronológica. Deve também usar-se letras depois da indicação do ano para distinguir diferentes publicações do mesmo autor no mesmo ano:

  • (Teixeira, 2000, 2004a, 2004b, 2011).

Quando se trata de uma citação direta deve-se utilizar as aspas duplas (“…”) no caso de se tratar de uma transcrição curta (até 40 palavras de texto) e referir o autor, a data e a página da obra onde foi retirado o excerto do texto. No caso da transcrição ser traduzida deve-se referir ainda a expressão “tradução livre” após o número da página. É ainda de acrescentar que a citação é inserida no próprio texto utilizando o mesmo tipo de caracteres do texto do artigo.

Exemplo

  • Na realidade, as relações entre a saúde e o trabalho revestem-se de uma grande complexidade, “não são nem unívocas nem instantâneas” (Gollac & Volkoff, 2000, p. 23, tradução livre).

Quando se utiliza uma transcrição longa (superior a 40 palavras de texto) deve-se optar pela citação em bloco – deve ser destacada do texto e não é apresentada entre aspas – referindo, igualmente, o autor, a data e a página da obra onde foi retirado o excerto do texto. No caso da transcrição ser traduzida deve referir-se ainda a expressão “tradução livre” após o número da página. A citação em bloco deve ser escrita num tipo de letra mais reduzida da que está a ser utilizada no texto do artigo.

Exemplo

  • Nesta perspectiva, a centralidade atribuída à ação do homem é novamente partilhada e reforçada a propósito do conceito e da vivência da saúde,

(…) para o homem, viver é também conhecer. Eu sinto-me bem na medida em que me sinto capaz de assumir as responsabilidades dos meus actos, de trazer as coisas à existência e de criar entre as coisas relações que não existiriam sem mim, mas que não seriam o que são sem elas. E, por isso, eu tenho necessidade de aprender a conhecer o que elas são para as mudar (Canguilhem, 2002, p. 68, tradução livre).

4.2. Exemplos de formato das referências bibliográficas segundo as normas da APA

As referências bibliográficas consistem numa descrição detalhada do documento referenciado no texto do artigo. Devem constar no final do artigo e devem ser apresentadas agrupadas por ordem alfabética e depois cronológica.

Alguns exemplos tipo:

Mesmo autor, diferentes anos:

Reason, J. (2009). El error humano. Madrid: Editorial modus laborandi.

Reason, J. (2010). La contribución humana. Actos peligrosos y acciones ejemplares.

Madrid: Editorial modus laborandi


Autor único e acompanhado:


 Marquié, J. C. (2016). Le travail de nuit : conséquences sur le sommeil et les performances. Les Cahiers de l’Actif, 482, 27-42.

Marquié, J., & Gabaude, C. (2010). Aging, transportation and mobility: current issues. Le Travail Humain, 73, 1-5.


Livro:
Autor, (Ano entre parênteses). Título do livro em itálico (número da edição). Cidade da editora: Editora.

Exemplo:
Amalberti, R. (2013). Construir la seguridade: compromisos individuales y colectivos para afrontar los grandes riesgos. Madrid: Editorial modus laborandi.

Figueiredo, M. (2012/ 2016). A Face Oculta do Ouro Negro: trabalho, saúde e segurança na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos. Niterói : EdUFF.

Ramos, S. (2010). Envelhecimento, trabalho e cognição: do laboratório para o terreno na construção de uma alternativa metodológica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Ravalet, E., Vincent-Geslin, S., Kaufmann, V., Viry, G., & Dubois, Y. (2015). Grandes mobilités liées au travail: perspective européenne. Paris: Economica.

Capítulo de um livro:

Autor do capítulo, (Ano entre parênteses). Título do capítulo do livro. In Autores do livro (Referir se os autores são os editores – Eds. - ou Organizadores – Orgs. – ou Direcção – Dirs. - do livro), Título do livro em itálico (paginação do capítulo no livro). Cidade da editora: Editora.

Exemplo:
Barthe, B. (2015). La déstabilisation des horaires de travail. In A. Thébaud-Mony, Ph. Davezies, L. Vogel, & S. Volkoff (Dirs.), Les risques du travail: pour ne pas perdre sa vie à la gagner (pp. 223-232). Paris: La Découverte.

Naville, P. (1997). El trabajo asalariado y su valor. In G. Friedmann, & P. Naville, (Dirs.), Tratado de sociología del trabajo II (pp. 113-134). México DF: Fondo de Cultura Economica.

Santos, M., & Lacomblez, M. (2016). Do artefacto ao instrumento: um modelo de avaliação das relações entre trabalho e saberes numa ação de formação. In W. Alves, & M. Machado (Eds.), Trabalho & saber: questões e preposições na interface entre trabalho e formação (pp. 13-32). Campinas: Mercado das Letras.


Artigo:

Autor, (Ano entre parênteses). Título do artigo. Título da revista em itálico. Volume (em itálico), Número(s) (em itálico), Paginação do artigo.

Exemplo:
Gaudart, C. (2016). Activity, time and itineraries: for the integration of multiple times in the ergonomics analysis of work.
Le Travail Humain, 79(3), 209-232. https://doi.org/10.3917/th.793.0209

Lacomblez, M. (2018). Preclaridades da noção de representação. Fractal: Revista de Psicologia, 30(2), 86-93. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5923

Masson, L. P.Brito, J., & Athayde, M.  (2011). Dimensão relacional da atividade de cuidado e condições de trabalho de auxiliares de enfermagem em uma unidade neonatal. Physis, 21, 879-898. 

Nusshold, P., & Poy, M. (2015). Ergonomie et psychodynamique du travail. La situation de la formation et la pratique professionnelle des deux approches en Argentine. Travailler, 34(2), 75-88. https://doi.org/10.3917/trav.034.0075

Renteria-Pérez, E., & Malvezzi, S. (2009). Empleabilidad, cambios y exigencias psicosociales en el trabajo. Universitas Psychologica, 7(2), 319-334. http://dx.doi.org/10.11144/Javeriana.UPSY7-2.rila

Tese de Doutoramento ou Mestrado:

Autor, (Ano entre parênteses). Título da tese em itálico. Designação do título académico, Estabelecimento de Ensino, Cidade.

Exemplo:
Christo, C. S. (2013). Análise da atividade de supervisão do trabalho: um olhar psico-social para o gerenciamento na indústria (Tese de Doutoramento). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Zavala, G. (2012). Innovación organizacional: sistemas de actividad, construcción de redes y prácticas asociadas a la adopción de tecnologías de gestión en la administración pública chilena (Tesis de Doctorado). Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de Chile, Santiago, Chile.


Relatório:
Autor, (Ano entre parênteses). Título do relatório em itálico. Referências do relatório, Cidade: Instituição.

Exemplo:
Castelhano, J., & Nogueira, S. (2011). Género e trabalho: o processo de inserção feminina em profissões tradicionalmente masculinas. Relatório final do projeto PIHM/GC/0079/2008. Porto: FPCE-UP.

Comunicação:
Autor, (Ano, mês entre parênteses). Título da comunicação em itálico. Designaçãodo congresso. Cidade, País, Mês.

Exemplo:
Cunha, L. (2016, Juin). Entre recherche et intervention: traductions et rapatriements selon les territoires de la production de savoirs. Communication présentée à la Journées d’Étude Internationales «Le philosophe et l’enquête de terrain: le cas du travail contemporain», Paris, France.

Vasconcelos, R., & Silva, D. (2012, maio). Atentos sem saber a quê: debates no cruzamento entre a automação e segurança na atividade de controladores de processos industriais de risco. Comunicação apresentada no Seminário Internacional “Ergologia, Trabalho, Desenvolvimentos”, Porto, Portugal.

No caso da comunicação estar publicada em atas regulares utiliza-se o formato dos artigos.

Exemplo:
Örtengren, R. (1991). Simulation as a tool for ergonomic evaluation of work tasks in production planning. In Y. Queinnec, & F. Daniellou (Eds.), Designing for every-one.
Proceedings of the 11th International Ergonomics Association (IEA) Congress, vol. 2, 1078-1080, France.

Documentos eletrónicos:

Exemplo (relatório):

International Transport Forum (2016). Safer roads with automated vehicles. Retrieved from https://www.itf-oecd.org/safer-roads-automated-vehicles-0

Exemplo (revista não académica):

Goler, L., Gale, J., & Grant, A. (2016, November 9). Let’s Not Kill Performance Evaluations Yet. Harvard Business Review, pp. 90-94. Retrieved from https://hbr.org/2016/11/lets-not-kill-performance-evaluations-yet

Exemplo (site/web post):

London School of Economics and Political Science (2019, March 7). Working in the ‘platform economy’: what is it really like? Retrieved April 4, 2019, from https://blogs.lse.ac.uk/businessreview/2019/03/07/working-in-the-platform-economy-what-is-it-really-like/

Documento anexo

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • OpenEdition Journals