Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVolume 8 Nº2Editorial

Editorial

Cecília De La Garza e Mário Poy
Tradução de Jonas Leitão e Marianne Lacomblez.
Este artigo é uma tradução do:
Editorial [es]

Texto integral

1Um encontro e uns intercâmbios, há já alguns anos, entre colegas da Argentina e do Chile, levaram-nos, uns tempos mais tarde, a um percurso mais extenso envolvendo outros colegas, da Suíça, de Portugal e de França, cujo resultado, frutífero, se concretiza nesta edição que agora apresentamos, e de que Carole Baudin foi o fio condutor.

2Um especial agradecimento vai então, tanto para Carole Baudin como para Philippe Geslin, por terem cooperado ativamente na organização de um dossier que reúne contributos tratando essencialmente da questão: “Intervenção nas práticas laborais multiculturais: abordagens e conceitos. O programa antropotecnológico de Alain Wisner ainda manterá a atualidade?” Não podemos deixar, também, de expressar o nosso reconhecimento aos colegas que colaboraram na revisão dos artigos deste número: Marina Serrano e Jorge Walter, assim como os membros do comité científico de Laboreal.

3Esta edição propõe uma viagem do passado ao presente, tomando como ponto de partida o texto de Alain Wisner “A antropotecnologia, ferramenta ou engodo?”, no qual realça o contributo da análise ergonómica da atividade na compreensão de uma situação complexa, como o é a do trabalho humano, desenvolvendo a partir daí o tema da transferência tecnológica. O autor recorda-nos três tipos de transferências, às quais se podem agregar hoje outras - como a deslocalização, efetuada por razões de custo de mão de obra, ou ainda a produção de bens destinados ao consumo do país produtor, como é o caso da indústria automóvel. “As doenças do desenvolvimento”, como assinala Leda Leal Ferreira na sua introdução deste texto histórico, aumentaram já que a “transferência” se estendeu, passando da implantação de uma máquina ou da construção de um edifício a partir de uma planta concebida por inteira noutra região do mundo, para a transferência de novos instrumentos de diagnóstico utilizados na reparação de automóveis, em resultado da introdução da eletrónica na indústria automóvel (Granovsky & Poy), ou para a transferência de modos de organização e de novas formas de internalização do trabalho como acontece nos centros de tele-atendimento (Sznelwar & Abrahão).

4Philippe Geslin, no seu texto de cariz introdutório “A circulação dos homens e das técnicas”, apresenta uma breve história da antropotecnologia e suas evoluções na França e no mundo. O autor insiste na dimensão internacional e estratégica da antropotecnologia e na necessidade de fortalecer relações com organismos multilaterais como a Organização Internacional do Trabalho (Wisner já tinha estabelecido, nos anos 70, estreitas relações com o PIACT – Programa Internacional para a Melhoria das Condições e do Meio Ambiente de Trabalho – da OIT). Ele realça também a necessidade de desenvolver o ensino da disciplina, ainda mais porque evoluiu ao ritmo das transformações sociais, politicas e económicas, e surgem, em consequência, novos cenários de intervenção, como o mostra o exemplo dos “Fab Lab”. A intervenção da antropotecnologia ampliou-se, indo desde o desenho até à destruição do “objeto”.

5Yves Cohen, por seu lado, optou por situar a antropotecnologia na história das ciências do trabalho. Destacando o seu carácter social e etnográfico, ele mostra como a antropotecnologia “está totalmente en fase con las exigencias de la globalización contemporánea”, para citar as suas palavras.

6Quanto à Jacques Theureau, ele propõe-nos uma discussão sobre as relações entre a antropotecnologia, tal como definida e praticada por Wisner, e a antropologia cognitiva tal como ele próprio a desenvolveu com Leonardo Pinsky. Se bem que existem pontos em comum, como o facto de partilharem uma abordagem sistémica e dinâmica, e o de se apoiarem em disciplinas como a psicologia e a antropologia, Theureau considera que a antropologia cognitiva responde mais aos critérios de cientificidade das ciências biológicas e físicas. De certa forma, pode ver-se a antropologia cognitiva como acentuando mais o nível “micro”, analisando um momento preciso de uma situação, embora possa contribuir para uma abordagem mais “macro” como a que caracteriza a antropotecnologia, sendo que ambas assentam num conceito comum: a atividade.

7É assim que chegamos ao texto proposto por Yves Schwartz, “Antropotecnologia e ergologia”, que nos revela dois paradoxos de Alain Wisner: por um lado, a universalidade das potencialidades dos seres humanos versus a singularidade histórico-cultural mediante a qual elas se manifestam, paradoxo que, segundo o autor, se exprime na noção de atividade desenvolvida pela ergologia; o segundo paradoxo, em contrapartida, deixa campo aberto à discussão e refere-se ao próprio tratamento do conceito de atividade: se esta é objeto da normalização, o autor questiona como atua no interior de cada disciplina, já que estas parecem, muitas vezes, não ter as categorias adequadas para a incorporar.

8A estas reflexões teóricas, associámos duas pesquisas empíricas que relatam situações distintas de transferência. O primeiro caso está mais centrado numa abordagem micro da atividade, enquanto o segundo trata de modo mais geral a análise, em contextos diferentes, de um mesmo tipo de situação de trabalho. Pablo Granovsky e Mario Poy apresentam um estudo realçando como, se é verdade que a transferência pode não ter efeitos imediatos na saúde e na segurança dos trabalhadores, ela pode tornar-se uma questão de “supervivencia de los talleres (independientes de aquellos asociados a las terminales automotrices) mediante la apropiación de los nuevos objetos técnicos”. Trata-se da transferência de uma inovação tecnológica – novos dispositivos técnicos para o diagnóstico de avarias - que não consideram os contextos nos quais passa a ser implementada, modificando completamente a atividade de trabalho, e induzindo uma forte reconversão à eletrónica de operadores inicialmente formados na área da mecânica tradicional.

9No outro caso, Laerte Sznelwar e Júlia Abrahão, a partir de um olhar antropotecnológico, examinam, em centros de tele-atendimento no Brasil, o impacto de várias modalidades de organização do trabalho sobre a saúde dos trabalhadores. Recorrendo às ferramentas da psicodinâmica do trabalho e da ergonomia da atividade, acabam por evidenciar as consequências negativas de modos de organização do trabalho que desprezam a singularidade do contexto e as características da população empregada.

10No que diz respeito ao Dicionário desta edição, voltando ao início do abecedário, solicitámos a Carole Baudin e Marianne de Troyer para definir, respectivamente, Apropriação e Burnout. Ambas as contribuições alimentam ainda a reflexão em torno da antropotecnologia: a “apropriação” dos objetos técnicos, sejam estes materiais ou simbólicos, revela-se um ingrediente chave numa transferência tecnológica conseguida; e o “burnout”, transtorno da saúde associado à organização do trabalho, pode ser entendido como manifestação de uma evolução tecnológica ou organizacional que não contemplou suficientemente a futura atividade de quem trabalha.

11Na secção de resumos de tese, o da Gloria Zavala enquadra-se também no dossier deste número, já que apresenta um estudo levado a cabo no contexto da implementação de um novo sistema informático de gestão, na administração pública chilena, com a finalidade de analisar o processo de apropriação dos novos instrumentos por parte dos usuários. A autora defende também que o processo da apropriação, dos instrumentos informáticos de gestão, assim como dos não informáticos (refere a este propósito o processo de elaboração de novos perfis laborais baseados na competência), não pode deixar de considerar as variações do contexto nas quais a atividade se desenrola, nomeadamente porque nunca se trata de uma mera implantação de objetos físicos. São processos que mais vale assumir como atravessados por acordos e equilíbrios, sempre instáveis, entre os atores envolvidos.

12O resumo da tese de Lucie Cuvelier, situado fora do eixo temático deste dossier, interroga, no âmbito da anestesia pediátrica, a capacidade dos trabalhadores de gerir situações “não previstas” e “impensadas” quando existem riscos para as crianças, para eles, ou para o sistema sociotécnico global. Um dos objetivos centrais do estudo é o de contribuir para uma melhoria na gestão dos riscos na prestação de cuidados médicos. E a tese central que defende a autora é que “… a resiliência de um sistema, ou seja, sua capacidade de funcionamento em condições variáveis, previstas ou não, reside na capacidade dos operadores em articular a gestão dos riscos para o sistema e a gestão dos seus recursos próprios…”.

13Para concluir este editorial, retomamos e partilhamos uma das ideias de fundo exposta por Leda Leal Ferreira no seu comentário ao texto histórico de Alain Wisner: a antropotecnologia não é nem uma “extensão”, nem uma tendência da ergonomia, mas sim uma verdadeira reflexão sobre a adaptação da tecnologia (ou da organização) aos povos a que se dirige, tomando em conta as suas especificidades políticas, sociais, económicas e ideológicas.

14O “programa antropotecnológico” de Alain Wisner está hoje mais do que vigente e esperamos que este número especial incite os leitores de todos os países a inspirarem-se nesta abordagem nas suas práticas quotidianas, cada vez que se vejam confrontados com a transferência tecnológica nas suas diferentes formas - evoluções ou inovações tecnológicas, deslocalizações da produção, inovações organizacionais - e contribuir assim para o bem-estar dos trabalhadores e dos países.

15Muito boa leitura!

16Cecilia De la Garza e Mario Poy

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Cecília De La Garza e Mário Poy, «Editorial»Laboreal [Online], Volume 8 Nº2 | 2012, posto online no dia 01 dezembro 2012, consultado o 08 dezembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/laboreal/6433; DOI: https://doi.org/10.4000/laboreal.6433

Topo da página

Autores

Cecília De La Garza

EDF R&D, Management des Risques Industriels, Av. Général de Gaulle 92140 Clamart – France
cecilia.de-la-garza@edf.fr

Artigos do mesmo autor

Mário Poy

Centro de Investigaciones por una Cultura de Seguridad, Universidad de San Andrés, Vito Dumas 284, B1644BID-Victoria, Buenos Aires – Argentina
mpoy@udesa.edu.ar

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Laboreal está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • Logo Société d'Ergonomie de Langue Française
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search