Navegação – Mapa do site
O Dicionário

Workaholic

Workaholic
Work alcoolique
Workaholic
Mário Poy
Tradução de Ricardo Vasconcelos
Este artigo é uma tradução do:
Workaholic [es]

Texto integral

1O uso coloquial costuma designar uma pessoa que ingere álcool em excesso – de acordo com certos critérios científicos e sociais – como um alcoólico ; pelo contrário, resulta um tanto descabelado (e um tanto desafinado) qualificar alguém que trabalhe em excesso como Trabalhógico. No primeiro caso (tomado só a título de exemplo), à raiz da palavra álcool, agrega-se o sufixo – ico (da terminação latina icus, cujo significado denota a referencia à raiz) formando um adjetivo derivado : alcoólico. Logo, este adjetivo pode substantivar-se através do chamado um enfático, neste caso um alcoólico. A palavra trabalho, no entanto, não apresenta em castelhano possibilidades similares de adjetivação. Portanto, retém-se com válida a expressão inglesa workaholic a propósito da letra W deste glossário, segundo requer a Real Académia Española a respeito da utilização de vozes de procedência estrangeira.

  • 1 Ano em que se registou pela primeira vez o uso da palavra workaholic.

2Aprofundando o significado do conceito, a consulta da Enciclopédia Britânica (trata-se de um vocábulo Inglês) indica-nos que se trata de : a) um trabalhador compulsivo ; b) um adjetivo : workaholic ; c)um substantivo : workaholism ; e d) uma data : 1968 [1].

3Se se correlaciona a sua frequência de uso em determinados circuitos e práticas sociais com o nível de informação aportado, a escassez parece ser o rasgo predominante. E isto torna-se mais evidente quando, na mesma enciclopédia, se compara o dito conceito com outros que, a priori, navegam em águas similares, como os conceitos de burn-out, mobbing ou stress.

  • 2 Para citar apenas uma referência, Ch. Dejours, na sua obra “Souffrance en France. La banalisation d (...)

4Em primeira instância, tanto o carácter compulsivo da ação (daí a fácil associação semântica entre o sujeito workaholic e o sujeito alcoholic), como a referência bibliográfica que a literatura assinala como fundadora, intitulada : Confessions of a workaholic : the facts about work adiction (Oates, W. 1971) sugerem o carácter psicopatológico do problema, mais associado às características individuais das pessoas - as confissões de um professor de religião neste caso - do que às complexas relações que se entretecem entre os indivíduos e as novas modalidades de organização do trabalho, modalidades estas que, muitas vezes, produzem consequências seriamente negativas sobre a saúde e a segurança das pessoas [2].

  • 3 Trata-se de um artigo de Friedman, S.D. & Lobel, S. (2003). The happy workaholic: A model for emplo (...)

5Mas também, e sempre dentro de um enfoque comportamental, alguns autores [3] sugerem sugerem que existiria uma faceta positiva no workaholism que corresponderia aos “Happy Workaholics”. Este atributo psicológico parecia estar reservado àqueles que ocupam posições de liderança gestionária, e permitiria aos seus subalternos distribuírem os seus compromissos e os seus recursos de forma mais equilibrada entre o trabalho e outras dimensões da vida : a família, a comunidade, visando o bem-estar físico, psicológico e espiritual.

  • 4 Segundo a Enciclopédia da OIT, apoiando-se num trabalho de Uehata de 1991 (Long working hours and o (...)

6Outros trabalhos tentam equiparar o fenómeno ao que no Japão se denominou “Karoshi”, ou morte por “excesso de trabalho”, apesar de, paradoxalmente, fazerem “l’impasse” do significado do trabalho nesse contexto e da prática social que dele se desprende. Além disso, e já numa lógica de “despsicologizar” o problema, o Karoshi é reconhecido no Japão como doença profissional pela jurisprudência [4], fenómeno que certamente influenciou a modificação da Lei de Saúde e Segurança Industrial desse País, com o fim de garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores no local de trabalho.

7Esta forte marca individual na qual se ancora o conceito parece ter o seu correlato na ordem metodológica. Com efeito, os instrumentos de análise limitam-se quase exclusivamente à avaliação, mediante questionários auto-administrados, dos traços psicológicos individuais, gerando uma série de categorias nas quais se enquadrariam as personalidades mais ou menos “workaholics”.

8Inversamente, ferramentas destinadas a indagar os aspectos organizacionais e sociais que poderiam estar envolvidos neste tipo de problema são muito menos mencionados e os estudos científicos são, no mínimo, escassos.

9Em síntese, o conceito de workaholic não parece ter evoluído da mesma forma que outros, como o stress, mediante a incorporação do conceito de factores de riscos psicossociais. Isto mostra claramente a necessidade de enriquecer os modelos quando se trata de compreender as interações entre as pessoas e os contextos nos quais estas têm lugar, e as suas consequências para a saúde e o bem-estar das mesmas.

Topo da página

Bibliografia

Dejours, Ch. (2009). Souffrance en France. La banalisation de l´injustice sociale. Paris : Éditions du Seuil

Diccionario de la Real Academia Española http://buscon.rae.es/draeI/SrvltConsulta?LEMA=cultura

Encyclopedia Britannica. http://www.britannica.com/bps/dictionary?query=Workaholic

Friedman, S. D., & Lobel, S. (2003). The happy workaholic: A model for employees. Academy of Management Executive, 17, (3), 87-98

Uehata, T. (1991). Long work hours and occupational stressrelated cardiovascular attacks among middle-aged workers in Japan. Journal of Human Ergology, 20, (2), 147-153.

Topo da página

Notas

1 Ano em que se registou pela primeira vez o uso da palavra workaholic.

2 Para citar apenas uma referência, Ch. Dejours, na sua obra “Souffrance en France. La banalisation de l’injustice sociale” (2009), assinala que “nos países mais avançados” as sondagens mostram a progressiva deterioração da saúde mental no trabalho, afetando entre os 3% e os 6% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com as estatísticas elaboradas em cada um destes países.

3 Trata-se de um artigo de Friedman, S.D. & Lobel, S. (2003). The happy workaholic: A model for employees. Academy of Management Executie, 17 (3), 87-98.

4 Segundo a Enciclopédia da OIT, apoiando-se num trabalho de Uehata de 1991 (Long working hours and occupational stress-related cardiovascular attacks among middle-aged workers in Japan. Journal of Human Ergology 20(2):147-153), uma parte importante dos casos reportados foi objecto de ressarcimento monetário.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Mário Poy, « Workaholic »Laboreal [Online], Volume 7 Nº2 | 2011, posto online no dia 01 dezembro 2011, consultado o 06 agosto 2020. URL: http://journals.openedition.org/laboreal/7908

Topo da página

Autor

Mário Poy

Centro de Investigaciones por una Cultura de Seguridad, Universidad de San Andrés, Vito Dumas 284, B1644BID-Victoria, Buenos Aires – Argentina
mpoy@udesa.edu.ar

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licença Creative Commons
Laboreal está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • Logo Société d'Ergonomie de Langue Française
  • OpenEdition Journals