Navegação – Mapa do site

Quando o trabalho real é tabu : Chamada para apresentação de artigos para o dossiê do número de julho de 2020

Data limite para envio de propostas: 30 de setembro de 2019

Editores responsáveis pelo dossiê: Carole Baudin, Soledad Nión Celio & Patricio Nusshold

Os artigos serão publicados em um dos dois idiomas da revista (espanhol ou português). Contudo, os resumos das propostas, assim como os textos enviados para avaliação, podem ser redigidos em francês ou em inglês. Os autores ficarão responsáveis pela sua tradução para espanhol ou português, tendo em conta o resultado das avaliações e das sugestões propostas pela Direção da Laboreal.

Calendário

  • 30 de setembro de 2019: Data limite para a receção de propostas, com o título, resumo (máximo de 500 palavras) e cinco referências bibliográficas (através do seguinte endereço de correio eletrónico: laboreal@fpce.up.pt).
    18 de outubro de 2019: Data limite para informar os autores sobre os resultados da avaliação dos resumos.

  • 10 de dezembro de 2019: Data limite para receção dos artigos completos.
    28 de fevereiro de 2020: Data limite para informar os autores sobre os resultados da avaliação dos artigos.

  • 15 de abril de 2020 Data limite para a receção da versão final do artigo, em espanhol ou em português.

As propostas devem estar relacionadas com a problemática definida a seguir.

Quando o trabalho real é tabu

Os investigadores e consultores que colocam a atividade real e os projetos de intervenção no centro de suas análises, deparam-se frequentemente com numerosas dificuldades na condução dos seus projetos. O desvio entre o trabalho prescrito e o trabalho real nem sempre faz parte das evidências dos seus interlocutores.

No entanto, toda a atividade humana é impossível de ser completamente antecipada, e as regras que tentam normalizá-la são inevitavelmente revistas, redefinidas, no exercício da própria atividade. Falar sobre essa atividade supõe então assumir que as prescrições não são suficientes e que as organizações funcionam, ao fim e ao cabo, graças ao trabalho dos operadores. Como resultado disso, analisar, falar e debater sobre o trabalho real não é necessariamente fácil de iniciar ou de aprofundar.

Ora, esta abordagem da atividade tem exigências metodológicas: trata-se de ancorar as intervenções no que constitui o real das situações de trabalho; e o conhecimento deste exige que seja debatido com aqueles que trabalham, incluindo aqueles que têm poder de decisão.

Esta ancoragem na atividade cotidiana da organização e esta deliberação sobre o trabalho podem ser pensados e concebidos de acordo com diferentes aceções e procedimentos particulares: formação em - e através da - análise do trabalho, autoconfrontação cruzada, atividade deôntica, espaços de discussão ou de debate sobre o trabalho, grupos de encontros do trabalho, entre outros. Trata-se de variantes que confluem, todavia, sobre o pressuposto de que o debate contraditório sobre o trabalho real é indispensável para alcançar melhorias a longo prazo.

Colocar em palavras as práticas reais das pessoas gera um problema de prova. Mas, deixa em evidência também questões de temporalidade perante aqueles que nos solicitam, e que se encontram facilmente seduzidos por modos de produção de conhecimentos menos submetidos às vicissitudes da vida real, e que se programam no mais curto prazo. A riqueza do trabalho real tem aí pouco espaço e pode desaparecer então.

O objetivo deste dossiê, orientado pelas questões relativas à ação e à transformação, é retomar, apoiar e propor uma reflexão coletiva sobre as dificuldades que marcam e, às vezes, impedem o avanço dos projetos para os quais o trabalho real não pode ser um tema tabu.

Os relatos de experiências de terreno serão privilegiados e poderão situar-se, por exemplo, face às seguintes questões:

  • Como as dificuldades, a que o texto desta chamada faz referência, podem tornar-se os pontos de partida para o que é construído em cada uma das intervenções?

  • Como debater sobre o trabalho com os empregadores, representantes institucionais dos trabalhadores ou outros protagonistas se eles não estão em demanda para pensar o trabalho real?

  • Até que ponto a dimensão linguística e os conceitos podem desempenhar um papel?

  • A deliberação sobre o trabalho passa essencialmente pela verbalização, pelas palavras?

  • Podemos pensar que em certos lugares o debate sobre o trabalho real se tornou impossível? Porquê?

  • Quais foram as evoluções históricas desta problemática?

  • Logo Universidade do Porto
  • Logo Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)
  • Logo Latindex
  • Logo DOAJ
  • OpenEdition Journals