Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros80RecensõesRamón Villares, Exilio republican...

Recensões

Ramón Villares, Exilio republicano y pluralismo nacional. España, 1936-1982. Madrid: Marcial Pons, 2021, 299 pp. ISBN: 9788417945336

Cristina Clímaco

Texto integral

1O livro tem origem num ensaio intitulado “Exilio, democracia y autonomias: entre Galeuzca y Las Españas”, publicado por Ramón Villares na obra colectiva Historia de las Españas, una aproximación crítica, dirigida por Joan Romero e Antoni Furió (Valencia: Tirant Humanidades, 2015). A presente versão, desenvolvida e ampliada, integra nova documentação proveniente de arquivos privados, essencialmente correspondência epistolar, memórias, documentação coeva produzida por partidos e grupos da oposição antifranquista, através da qual o autor se propõe compreender e avaliar a influência do exílio na construção do sistema democrático espanhol. Lembremos que Ramón Villares, catedrático de história contemporânea na Universidade de Santiago de Compostela, foi presidente do Conselho de Cultura Galega entre 2006 e 2018. Apesar de o exílio republicano e a transição democrática serem temas largamente estudados pela historiografia espanhola, frequentemente de modo compartimentado, permanecem contudo alguns ângulos mortos, nomeadamente a questão das autonomias na perspectiva do exílio e do tempo longo, ou seja, abarcando o arco temporal que vai da guerra civil até à transição democrática. O livro procura analisar como e em que condições a organização territorial de Espanha foi discutida no exílio, o papel dos nacionalismos periféricos (que o autor define como nações sem estado mas dotadas de instituições, partidos e organizações) nessa discussão, e o grau de influência das soluções preconizadas pelo exílio na Constituição de 1978.

2Ramón Villares começa por traçar o quadro geral do exílio e os princípios estruturantes da questão nacional, nos quais o seu ensaio mergulha e serpenteia com mestria. O êxodo da população espanhola, ainda que designado comummente por exílio republicano, é plural e abarca uma diversidade de correntes e opiniões políticas, que perpassam o republicanismo, e que se inicia no Verão de 1936, com um marco em Agosto de 1937, com a queda do País Basco, ainda que o maior fluxo ocorra com a Retirada, de Janeiro-Fevereiro de 1939, no seguimento da queda da Catalunha. Posto isto, resta acrescentar a dimensão humana, cerca de meio milhão de pessoas deixaram Espanha, e a dispersão espacial do exílio após 1939, entre a Europa, principalmente em França, e a América Latina, em que o México assume relevância. Terceiro dado a ter em conta é o peso da herança da II República, que os exilados levam consigo para o exílio, e que na questão em apreço confronta um modelo de estado integral, tal como definido na Constituição de 1931, e a experiência de autogoverno de natureza autonomista exercida durante a República e a guerra civil, que dotou os nacionalismos periféricos de uma identidade política. Esta é a questão central para Ramón Villares, que considera que a construção do Estado das Autonomias durante a II República, ao não sanar divergências, criou condições para a sua emergência no exílio, impondo-se na agenda política, tanto mais que as origens da II República mergulhavam, nomeadamente, no problema catalão, cuja tentativa de resolução levara à adopção dos Estatutos de Autonomia: Catalunha em 1932 e País Basco em 1936 (a guerra civil impediu a adopção do da Galiza, e outros encontravam-se em fase de elaboração).

3A obra parte do pressuposto que os principais protagonistas da construção da democracia foram a oposição do interior e os reformistas do regime franquista, mas que foi o exílio e o seu legado, preservando a memória da II República, que a legitimou, pelo que o autor coloca a focal no modelo político através da oposição exilada e da sua relação com o interior. O livro estrutura-se à volta de três períodos cronológicos. O primeiro, o da “Espanha peregrina”, abarca o tempo que vai até finais dos anos quarenta, animado pela esperança de um regresso a Espanha a breve trecho, durante o qual Galeuzca (contracção de Galiza, Euzkadi e Catalunha) assumiu um papel de relevo na reflexão sobre a futura organização territorial. O segundo, “Europeísmo e democracia”, cobre um espaço temporal mais longo, estendendo-se de finais da década de quarenta até às vésperas da transição, influenciado pelo movimento federal europeu e o modelo de democracia de tipo ocidental e pelo desabrochar de novos actores e relatos nacionais. Finalmente, o terceiro período, “Nação, nacionalidade e região”, corresponde à fase dos debates que levam à adopção do modelo de organização territorial de 1978, o de uma Espanha “das nacionalidades e das regiões”, em que o autor procura identificar o contributo das diversas propostas emanadas do exílio desde 1939, ou seja, a herança legada à democracia. A obra é acompanhada por um apêndice documental que permite seguir o evoluir da questão.

  • 1 Ver Jorge de Huyos Puente, “Armando Cortesão en Londres y la Comunidad Ibérica de Naciones: el fede (...)
  • 2 Ver Heloisa Paulo, "Castelao e os 'amigos portugueses'; o republicanismo e a liberdade como bandeir (...)

4Com o franquismo a pôr termo às autonomias e a impor um estado unitário, a discussão sobre a organização territorial de Espanha transfere-se para o exílio na esteira das instituições republicanas. As primeiras críticas ao modelo de organização territorial de 1931 provêm dos nacionalismos periféricos, que se reorganizam no exílio e reanimam a velha aliança Galeuzca dos nacionalismos galego, catalão e basco, cuja origem ascende a 1923, reactivada em 1933, e que passará por várias fases até aos anos setenta. A Galeuzca do pós-guerra assume um carácter radical, defendendo a construção de uma “federação de povos ibéricos”, constituída pelas quatro nações – Galiza, País Basco, Catalunha e Espanha, pressupondo a autodeterminação das três primeiras – e integrando também Portugal,1 numa estratégia de luta comum às oposições ibéricas no exílio contra as ditaduras de Franco e Salazar,2 em particular no final da II guerra mundial, quando esperavam que a vitória dos Aliados provocasse a queda dos dois ditadores e abrisse caminho a uma nova organização política das nações ibéricas. No exílio sul-americano, onde era mais forte a presença da esquerda republicana e da componente intelectual, a questão é igualmente debatida, nomeadamente pela revista literário-política Las Españas, publicada no México, que concebe uma solução federal pela articulação dos povos ibéricos, com diferentes graus de autonomia, no seio de uma Espanha plural e diversa.

5A mudança de conjuntura internacional, com o início da guerra fria, frustra a esperança depositada nos Aliados e obriga as oposições ibéricas a repensarem as estratégias no quadro de um mundo bipolar e a procurarem novos aliados. A viragem táctica ocorre com a tomada de consciência da durabilidade do regime franquista e a emergência do movimento federalista europeu, percebido como um meio de acção no qual os exílios actuam como passadores e mediadores da resistência antifranquista. A integração é impulsionada pelos nacionalistas bascos, constituindo-se em 1949 o Conselho Federal Espanhol do Movimento Europeu, com participação dos conselhos federais basco, catalão e posteriormente galego (o convite lançado à oposição portuguesa para a constituição de um conselho federal não é seguido de efeito), que defende a democracia como modelo político para a Espanha pós-franquista e a sua pluralidade política e cultural, pondo os nacionalistas entre parêntesis, momentaneamente, as reivindicações de autodeterminação do período precedente.

6A novidade é a penetração da via europeísta em Espanha, por via autónoma do exílio, durante os anos cinquenta, através da qual surgem novas narrativas no espaço interno e, por conseguinte, formas alternativas de pensar a questão nacional e a organização territorial de Espanha. A confluência entre os dois movimentos dá-se em Munique, em 1962, representando um ponto de viragem com a deslocação para o interior da dinâmica de resistência e da reflexão sobre o futuro de Espanha. Se a plataforma de entendimento obtida em Munique se faz sobre o pluralismo nacional de Espanha e o “reconhecimento das comunidades naturais”, a emergência de novos actores (nomeadamente de novos nacionalismos) e de novos relatos nacionais durante os anos sessenta, fruto do contexto internacional, metamorfoseia a percepção da questão nacional e da sua expressão institucional. Nas vésperas da transição, a recusa do centralismo unitário do Estado espanhol é consensual no seio das correntes da oposição antifranquista, apesar da diversidade das propostas e da sua materialização.

7Em nosso entender, a articulação entre as realidades plurais e complexas da transição democrática, que começou por ser pensada no interior, e o legado do exílio poderia ter merecido maior desenvolvimento, ainda que, segundo o autor, se traduza antes de mais pela transmissão da memória e pela simbólica, mas plena de significado, transferência da legitimidade institucional. No entanto, a fórmula “nacionalidades e regiões”, consagrada na Constituição de 1978 para definir a organização territorial de Espanha, integra de certa forma as ideias dos nacionalismos periféricos e a solução federalista que haviam circulado no exílio. Resultado de um compromisso, à imagem da transição democrática, a organização territorial da Espanha democrática, tal como definida no texto de 1978, não conseguiu resolver os problemas em suspenso desde o século XIX. Por último são de destacar as pontes estabelecidas com a oposição portuguesa, pouco habituais na literatura espanhola do exílio mas também pouco estudadas, nomeadamente as que se estabeleceram no âmbito do Congresso pela Liberdade da Cultura e na fase final do salazarismo. Pontes que colocam a leitura da obra de Ramón Villares numa perspectiva ibérica, ainda que a organização territorial da Espanha toque Portugal de forma marginal, no âmbito da solução preconizada por Galeuzca de uma “federação de povos ibéricos” e das iniciativas desenvolvidas no âmbito desta no final da II Guerra e no pós-guerra. O livro abre uma janela para a luta comum e/ou paralela das oposições portuguesa e espanhola, através nomeadamente de acções conjuntas ou de partilha de espaços (caso, por exemplo, de Argel após a independência).

8Em suma, Exilio republicano y pluralismo nacional é um livro que trata do passado com os olhos postos no presente, fornecendo ao leitor chaves para compreender a realidade da Espanha contemporânea e as utopias políticas do século XX no espaço ibérico. Porém, o interesse maior do ensaio de Ramón Villares é o convite que deixa ao leitor para reflectir sobre os compromissos políticos, principal fio condutor da obra, e a sua pertinência na actual encruzilhada em que se encontra a história de Espanha e de Portugal.

Topo da página

Notas

1 Ver Jorge de Huyos Puente, “Armando Cortesão en Londres y la Comunidad Ibérica de Naciones: el federalismo en los exilios ibéricos”, in H. Paulo, C. Clímaco et al. (eds), Migrações e exílios no mundo contemporâneo (Coimbra: Imprensa da Universidade, 2020), 61-85.

2 Ver Heloisa Paulo, "Castelao e os 'amigos portugueses'; o republicanismo e a liberdade como bandeiras comuns”, in R. Villares, X. M. Núñez Seixas (eds), Os exilios ibéricos. Unha ollada comparada nos 70 anos na fundación do Consello de Galiza (Santiago de Compostela: Consello da Cultura Galega, 2017), 387-409.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Cristina Clímaco, «Ramón Villares, Exilio republicano y pluralismo nacional. España, 1936-1982. Madrid: Marcial Pons, 2021, 299 pp. ISBN: 9788417945336», Ler História [Online], 80 | 2022, posto online no dia 14 junho 2022, consultado no dia 29 junho 2022. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/10632; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.10632

Topo da página

Autor

Cristina Clímaco

Université de Paris VIII, France

cristina.climaco@univ-paris8.fr

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search