Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros83EditorialEditorial

Texto integral

1História económica, história ambiental e história da ciência e das tecnologias são os temas fortes desta edição. Todos se contam entre os temas actualmente considerados prioritários pela Ler História, tanto pela sua relevância nos debates contemporâneos, quanto por corresponderem a áreas de investigação consolidadas e hoje muito dinâmicas, incluindo a história económica, em recuperação depois de uma fase de algum declínio. Um conjunto de quatro artigos, de entre os nove que compõem o número 83 agora publicado, é representativo da aposta nessas áreas temáticas. O artigo de Parcídio Matos cruza várias delas, ao analisar o problema do saneamento urbano em Lisboa (sistemas de drenagem, esgotos, tratamento de resíduos) numa época de rápido crescimento da cidade como foi a transição do século XIX para o XX, à luz das soluções e dos constrangimentos de ordem técnica, financeira, ambiental e de saúde pública que então se colocavam. Sensivelmente pela mesma época, mas numa geografia bastante diferente, em Angola, as autoridades portuguesas tinham de lidar com um outro tipo de infraestruturas – os caminhos-de-ferro. Também aí se cruzavam problemas de ordem tecnológica e financeira, assim como objectivos económicos e políticos associados à exploração dos recursos coloniais e à afirmação da soberania imperial. É tudo isso que leva Hugo Silveira a uma análise dos projectos ferroviários angolanos a partir do conceito de infraestruturas críticas.

2Um dia alguém perguntou qual era o lugar do pente na história, pergunta a que agora se poderia acrescentar uma outra: qual é o lugar da sua história na Ler História? A resposta a estas questões é dada por Artur Neves e Maria Elvira Callapez num artigo que é um exercício combinado de história industrial, empresarial e da ciência, no qual demonstram que foi em Guimarães, cerca de 1895, no sector de fabrico artesanal de pentes, que se deu o salto tecnológico para a utilização industrial do celulóide em Portugal, abrindo assim a porta da indústria deste país ao novo mundo dos plásticos. Para completar o núcleo temático mais consistente deste número, publicamos um artigo de pura história ambiental, dedicado às dunas do litoral do Algarve e da Andaluzia e aos projectos para a sua fixação e florestação, ali desenvolvidos entre os anos de 1870 e 1930.

3A presente edição conta ainda com um conjunto de outros artigos sobre temas variados. João Rumsey Teixeira trata das jóias e, não menos importante, dos joalheiros da coroa no tempo da monarquia constitucional. Irene Vaquinhas escreve sobre género e contestação estudantil no tempo da República. A emigração clandestina de Portugal para França nos anos de 1957 a 1974 é aqui revisitada a partir de novos dados, sobretudo fontes orais, por Pedro David Gomes e João Baía. Por seu turno, o investigador espanhol Gregorio Sabater analisa os primeiros anos de um partido chave da política portuguesa no período pós-25 de Abril. Para além destes trabalhos e, aliás, à cabeça do número, está um artigo da série Magna Opera, assinado por Anthony Pagden, consagrado historiador de origem britânica, há muito radicado nos Estados Unidos, que tem dedicado grande parte da sua longa carreira à história intelectual, política e dos impérios. É precisamente sobre estes temas que ele reflecte no artigo agora publicado, a pretexto de uma revisitação do seu livro Lords of all the World (1995). Completando o volume está um bom lote de recensões críticas de livros publicados nos últimos dois anos nos mercados nacional e internacional sobre temas como a competição luso-holandesa no Brasil e no Atlântico, o papel das petições, nos seus diversos tipos, desde 1500 até 1840, o lugar de Portugal na Europa das Luzes, ou o Estado Novo de Salazar, entre outros.

4Num pequeno balanço estatístico deste ano de 2023, registamos a publicação de um total de 20 artigos e 13 recensões, números que se crêem adequados a uma revista com a dimensão e a periodicidade da nossa. Contámos para o efeito com a colaboração de 46 autores de sete nacionalidades diferentes (Portugal, Brasil, Estados Unidos, Espanha, Holanda, Grã-Bretanha e Finlândia), assim como com a contribuição, anónima mas muito reconhecida, de 56 avaliadores. A todos, o nosso agradecimento. Finalmente, uma palavra de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido por três colegas que recentemente deixaram a Redacção: Graça Índias Cordeiro, Fátima Sá e Melo Ferreira, uma das fundadoras da revista e sua directora entre 2014 e 2016, e Susana Munch Miranda, que desde 2019 vem desempenhando, com uma dedicação e uma competência irrepreensíveis, as funções de directora-adjunta. Em compensação, e seguindo uma lógica de renovação que nos últimos anos tem marcado o núcleo editorial da revista, deram entrada dois novos colegas: Lisbeth Rodrigues, que assumirá o cargo de directora-adjunta, e Paulo Teodoro de Matos. É (também) com este sinal de renovação e rejuvenescimento que a Ler História encerra o ano no qual celebrou o seu 40º aniversário.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, «Editorial»Ler História [Online], 83 | 2023, posto online no dia 05 dezembro 2023, consultado no dia 19 julho 2024. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/12969; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.12969

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

Director

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search