Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros56Críticas e debatesA Biografia e as Biografias dos R...

Críticas e debates

A Biografia e as Biografias dos Reis de Portugal

Magda Pinheiro
p. 220-223

Texto integral

  • 1 Arlette Farge, Lugares para a História, Lisboa, Teorema, 1999, p.105.

1Podemos entender a expansão da biografia nos últimos anos como reveladora de um interesse crescente pelos eventos. Um grupo de historiadores, no período pós-Maio de 68 considerou que alguns acontecimentos reais ou imaginários podiam ser o espaço ideal para revelar os comportamentos profundos de uma sociedade1. Nas biografia dos Reis de Portugal, publicadas pelo Círculo de Leitores, os melhores exemplos, como a biografia de D. Afonso Henriques por José Mattoso, iluminam-se pelo tratamento de momentos como a conquista de Lisboa ou a importância da assunção do título de rei pelo biografado.

2A revalorização da biografia acompanhou também a percepção de que, os comportamentos quotidianos, a vida familiar, a atitude corporal, o próprio olhar, são construções culturais cuja compreensão é historicamente relevante. Sendo construções culturais exigem no entanto suportes dependentes de redes institucionais, materiais e técnicas. Assim a biografia pode-nos ajudar a compreender a articulação entre os níveis cultural, social e material. No conjunto das biografias dos reis de Portugal, a análise dos comportamentos familiares, a importância do corpo do rei e da sua imagem corporal são realçados em vários casos. Podemos salientar a biografia de D. Afonso VI por Ângela Barreto Xavier e Pedro Cardim como dando particular atenção à imagem do corpo do rei como elemento relevante politicamente.

3O conjunto das biografias dos reis da primeira dinastia apresenta-nos uma nova imagem da importância das mulheres na história política. As redes familiares tecidas em torno de algumas mulheres tiveram enorme relevância política. Portugal inseriu-se através delas em sistemas internacionais.

4O outro elemento relevante na revalorização da biografia é a atitude face aos testemunhos e a documentação. Embora a crítica documental viesse do positivismo, as mutações nas formas de tratar documentos, a relevância dada a documentos antes desprezados, ou a partes destes antes consideradas irrelevantes, também levaram a uma nova atitude face aos testemunhos neles contidos. Sem afirmar uma total concordância com o pós-modernismo não podemos esquecer que o nosso conhecimento de uma personagem se faz através de discursos produzidos numa época e em épocas subsequentes. A sua análise crítica é sem dúvida indispensável.

5Para além de um enquadramento social, político, cultural devemos ter em conta que a imagem, a performance da personagem, produz impressões nos que a observam que se traduzem em testemunhos eles próprios mergulhados na cultura ou em culturas específicas de uma época. A desmontagem dessa inserção é feita de forma brilhante no livro de José Mattoso sobre Afonso Henriques, quando refere que o seu cadáver, desenterrado no reinado de D. Manuel, só podia ser enorme e estar incorrupto, devido ao carácter mítico que a fundação do reino adquira.

6Historiadores como Giovani Levy desenvolveram estratégias de análise procurando escapar aos problemas da crítica dos testemunhos. Estudos de redes construídas pelos percursos e contactos das pessoas, num momento preciso ou ao longo do tempo, são um exemplo de novos métodos aplicados à biografia. Reconstituir a rede de contactos de uma personagem pode-nos esclarecer sobre importantes mecanismos da formação de uma cultura científica, política, social ou mais especificamente profissional.

7Sem dúvida que a documentação que possuímos sobre uma personagem varia com o seu estatuto social e com o avanço do poder de controlo do Estado sobre os indivíduos. Os documentos disponíveis sobre um indivíduo variam não só com as circunstâncias, como com o seu estatuto social ou género. Durante muitos séculos os mais desfavorecidos só em circunstâncias excepcionais, a maior parte das vezes infelizes, eram identificados pelos documentos. Assim os primeiros documentos disponível para todos os católicos romanos será, desde a contra-reforma, o registo religioso de baptismo, casamento e óbito, cujo objectivo primordial era atestar a inexistência de relações familiares com indivíduos processados pela inquisição.

8A identidade individual vai-se construindo historicamente por oposição à comunidade como definidora do eu ao mesmo tempo que os registos do Estado se vão tornando mais precisos. No fim do século XIX a antropologia dá o seu contributo ao introduzir regras de descrição dos indivíduos como a forma da orelha, a cor da pele e, por, fim a impressão digital.

9É comum a justificação de um projecto de biografia começar pela a afirmação de que o biografado é uma personalidade incontornável na sua época. Na verdade essa é a pior razão a apresentar. O grande desafio, em termos de biografia, é ter a possibilidade de estudar personagens que não se distinguiram na sua época. É quase impossível fazer a biografia de uma dona de casa portuguesa dos anos 1910 se ela não for uma das raríssimas militantes republicanas, se não tiver cometido ou sido vítima de algum crime, não tiver escrito um diário, não for um caso de doença mental relevante para a classe médica, e se, por cúmulo, for membro de uma pacata família da pequena burguesia artesanal. Pouco mais teremos do que alguns testemunhos orais de familiares que constituíram a rede dos que a conheceram e os documentos do registo civil.

  • 2 Jean-Claude Kaufmann, L’Invention de soi, une théorie de l’identité, Paris, Armand Colin, 2004.

10Gribaudi, que analisou os pedidos de emprego enviados aos ministros franceses nos anos 40 do século XIX, encontrou o meio familiar como principal argumento. Comparativamente nos finais do século XIX, a argumentação destes pedidos seria mais ligada ao indivíduo baseando-se na sua acção e nas suas ligações a cargos e organizações políticas. O indivíduo e a sua autonomização seriam assim produto da história social2.

11O indivíduo pode ser visto como um produto da articulação contínua de um stock de memória social cuja arquitectura é estruturada e incorporada individualmente. O romantismo corresponde a uma nova procura do eu que no entanto dificilmente ultrapassaria o círculo das elites, as classes populares continuando definir-se ainda por laços colectivos e papéis sociais.

12As imagens do eu seriam a matéria-prima da construção da identidade e tornar-se-iam cada vez mais plurais no século XX reflexo dos diferentes papéis do mesmo indivíduo. A modernidade caracterizar-se-ia pelo facto do indivíduo já não estar estritamente sujeito a papéis impostos. Quotidianamente construímo-nos interiorizando especificamente o social num diálogo contínuo entre presente e passado secretamente memorizado. Assim não existe um sentido da vida senão em cada instante. O indivíduo precisa dele para agir e pensar e filtra-o pelo seu sistema de valores. O indivíduo reformula-o constantemente sob pena de ver a sua existência perder sentido. A biografia não deve construir um sentido que não existe na vida dos indivíduos senão a posteriori.

13As biografias dos reis de Portugal, cujo conjunto é discutido neste dossier, implicam problemas quase inversos dos habituais. A rede dos que conheceram os reis enquanto tal é muito grande. A dos que os conheceram como indivíduos e disso deixaram testemunho, é muito pequena. Os documentos sobre a pessoa do rei vão crescendo ao longo dos tempos tal como acontece com as dos outros indivíduos. O historiador tem que lidar com uma forte interacção entre os dois reis. Aliás o duplo do rei, simbolizando o seu corpo político que morria ao mesmo tempo do que a pessoa real, era utilizado em França nos enterros reais.

14No conjunto das biografias em apreço várias socorrem-se dos nomes presentes nos documentos das chancelarias reais atribuindo particular significado à rede dos que entravam em contacto com o rei. A construção de itinerários reais é outro dos métodos utilizados e com relevância. Documentos como os capítulos das Cortes e a legislação revelam a acção e até as estratégias do poder real. A pessoa por de trás do rei é num número significativo de biografias de reis, difícil, senão impossível de apreender devido à natureza da documentação disponível. Nalgumas destas biografias as estratégias do poder ou do Estado, ou o que os historiadores delas apreenderam, são mais patentes do que a parte relevando da acção pessoal.

15Em suma, podemos discutir o conceito de biografia e a sua aplicação à história de figuras Reais, bem como a pertinência da biografia como metodologia de conhecimento histórico. Estas biografias dos reis de Portugal relevam de uma problemática diferente. São destinadas a um grande público. Um público que compra por obrigação um volume, presente num catálogo, todos os três meses.

16Assim o objectivo destas biografias é, no meu entender, contribuir para uma percepção mais problematizada da história, e da acção dos indivíduos no seu desenrolar, do que habitualmente transmitem os livros destinados ao grande público. Conseguir a proeza de interpretar os documentos com a devida prudência e escrever de forma clara e atractiva é muito difícil. Alguns destes livros conseguem-no com mestria outros deixam-nos muito menos entusiasmados. No seu conjunto terão contribuído para melhorar o conhecimento histórico da população. Inclino-me no entanto para pensar que muitos dos que os compraram não os leram.

Topo da página

Notas

1 Arlette Farge, Lugares para a História, Lisboa, Teorema, 1999, p.105.

2 Jean-Claude Kaufmann, L’Invention de soi, une théorie de l’identité, Paris, Armand Colin, 2004.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Magda Pinheiro, «A Biografia e as Biografias dos Reis de Portugal»Ler História, 56 | 2009, 220-223.

Referência eletrónica

Magda Pinheiro, «A Biografia e as Biografias dos Reis de Portugal»Ler História [Online], 56 | 2009, posto online no dia 15 outubro 2016, consultado no dia 15 janeiro 2021. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2040; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2040

Topo da página

Autor

Magda Pinheiro

Dep. História – CEHCP – ISCTE

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search