Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros55Espelho de ClioA Académica e a sua Obra

Espelho de Clio

A Académica e a sua Obra

Maria Cardeira da Silva
p. 195-196

Texto integral

1É difícil escrever sobre Jill Dias e a sua presença na Academia, no Departamento de Antropologia da FCSH. Primeiro porque isso nos lembra a sua ausência: já não nos cruzaremos com ela nos corredores, não invadiremos o seu gabinete à procura de conselho, não usufruiremos das suas aulas meticulosamente preparadas, não a poderemos procurar para encontrar um consenso, desdramatizar uma situação ou recorrer, avassaladoramente, como por vezes fazíamos, a um imenso lago tranquilo de saber que discretamente guardava para quem lá quisesse ir. E depois, porque, precisamente a força dessa sua presença assim inscrita nas relações com os outros e a elegante desatenção que sempre votou a grandes formalidades e exibições, desviavam os olhares daqueles que disso beneficiávamos do brilho da sua produção académica mais canónica, que é o que costuma inscrever alguém na memória académica. Mas sei, que apesar do seu curriculum, Jill Dias não se magoaria com isso, nem se sentiria injustiçada: também para ela o valor dos académicos se media pelo que faziam enquanto pessoas inteiras, e não apenas pelo número de artigos que publicavam em revistas científicas com referees.

2Era generosa, Jill Dias. E por isso, apesar do seu desagravo pelos empecilhos institucionais e formais, nunca deixou de os confrontar. No Departamento expôs-se voluntariosamente a cargos de coordenação e outros com investimento pessoal. Com o mesmo empenho e energia assumiu coordenação de projectos e orientações infindáveis de teses, preparou invariavelmente cada das suas múltiplas aulas, ouviu dedicadamente filas intermináveis de estudantes fossem de licenciatura, mestrado ou doutoramento, produziu inúmeros pareceres, apoiou infinitas candidaturas. Distribuía generosamente confiança porque sabia que essa é a primeira condição para o êxito de qualquer propósito de investigação numa academia cada vez mais competitiva e ansiosa.

3Inspirada pela sua extraordinária capacidade de actualização científica, entusiasmou-se com projectos de reestruturação académica e disciplinar, sabendo que alguns seriam utopias.

4A sua obra, reconhecida nacional e internacionalmente, inspirou de modo decisivo a investigação contemporânea na Antropologia Colonial e Pós-Colonial e na História da África Lusófona. O seu incentivo e apoio absoluto a todos os que ambicionavam pesquisar nessas áreas, multiplicou-a. A dimensão do seu impacto só se revelou nos seus mais amplos e verdadeiros limites quando, com ela, morreu a sua discrição e até nós chegaram tantas manifestações de dor vindas de muitos diferentes lugares do mundo e do saber.

5A sua energia límpida corria assim alheia a irrisórias hierarquias, fronteiras nacionais e disciplinares e pardos bloqueios institucionais. Isso tirava-lhe muito tempo, mas também lhe diminuía a idade. Por isso morreu ainda muito mais nova do que era.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Maria Cardeira da Silva, «A Académica e a sua Obra»Ler História, 55 | 2008, 195-196.

Referência eletrónica

Maria Cardeira da Silva, «A Académica e a sua Obra»Ler História [Online], 55 | 2008, posto online no dia 16 outubro 2016, consultado no dia 18 abril 2024. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2291; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2291

Topo da página

Autor

Maria Cardeira da Silva

Departamento de Antropologia, FCSH-UNL

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search