Navegação – Mapa do site
Recensões

Silva, Andrée Mansuy-Diniz, Portrait d’un Homme d’État : D. Rodrigo de Souza Coutinho, Comte de Linhares, 1755-1812

Paris, Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2002 (Vol. I, « Les années de formation 1755-1796 ») e 2006 (Vol. II, « L’homme d’État, 1796-1812 »), 722+758 pp.
José Luís Cardoso
p. 223-227
Referência(s):

Silva, Andrée Mansuy-Diniz, Portrait d’un Homme d’État : D. Rodrigo de Souza Coutinho, Comte de Linhares, 1755-1812, Paris, Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2002 (Vol. I, « Les années de formation 1755-1796 ») e 2006 (Vol. II, « L’homme d’État, 1796-1812 »), 722+758 pp.

Texto integral

1Muito aguardado por todos quantos sabiam do longo projecto em curso, saiu finalmente a público o segundo volume da biografia intelectual e política de D. Rodrigo de Souza Coutinho, de autoria de Andrée Mansuy-Diniz Silva. Tendo acompanhado com interesse a produção laboriosa desta obra, e tendo por diversas vezes conversado com a autora sobre as vicissitudes e percalços inevitavelmente associados a um projecto editorial desta envergadura, foi grande e natural a satisfação ao ver chegar a bom porto a sua publicação.

2Poucos são os títulos de História publicados no nosso país que merecem o atributo de acontecimento editorial. Este é seguramente um desses casos, que como tal deve ser assinalado e celebrado. Apesar de não ser fácil encontrar o livro nos escaparates, apesar de sobre ele não incidirem os holofotes mediáticos que artificialmente fazem brilhar coisas apagadas, não há dúvida que estamos perante um momento e um marco importantes da historiografia portuguesa. Tal relevo fica a dever-se a duas razões conjugadas, que nesta breve recensão procurarei comprovar: a importância da figura do biografado e o rigor e a mestria da sua biógrafa.

3Espera-se deste livro uma contribuição decisiva para retirar quaisquer dúvidas acerca da importância de D. Rodrigo de Souza Coutinho como homem de Estado que atravessou um período crucial da vida pública portuguesa. Entre os anos que balizam a sua vida (1755-1812), Portugal assiste ao terramoto de Lisboa e ao abalo político introduzido por Pombal; incorpora as novidades literárias, filosóficas e científicas da Ilustração; acompanha as vicissitudes da Revolução Francesa e sofre as consequências da expansão napoleónica; vê-se invadido, disputado e libertado por exércitos estrangeiros e transfere a capital do império para o Brasil; adapta a economia colonial às novas circunstâncias que governam o comércio internacional e consolida os compromissos económicos e diplomáticos com a Grã-Bretanha. Este é um período de antecâmara da modernidade política e institucional que Portugal alcançará após a morte de D. Rodrigo, mas que este soube antecipar em diversos momentos da sua vida.

4O primeiro volume da biografia começa com a descrição e análise do ambiente familiar e da linhagem. Afilhado de baptismo do Marquês de Pombal, D. Rodrigo de Souza Coutinho cursou o pombalino Colégio dos Nobres em Lisboa e frequentou os três primeiros anos do curso jurídico da pombalina Universidade de Coimbra. A protecção ou atenção que Pombal lhe concedeu, deixava antever que outros voos lhes estariam destinados quando iniciou a sua carreira pública como enviado extraordinário e ministro plenipotenciário na Corte da Sardenha. Permaneceu em Turim durante cerca de 17 anos (entre 1779 e 1796), e é até ao final desta sua estada no Piemonte que trata o primeiro volume da sua biografia.

5Para além da sequência cronológica que dá conta da fase inicial da sua vida, do período de formação académica e das suas ocupações diplomáticas, Andrée Diniz Silva procede a um rigoroso enquadramento dos acontecimentos vividos por D. Rodrigo que, deste modo, adquire também o estatuto de protagonista central da história de uma época muito fértil em novidades. Compreendemos com clareza a forma como aproveita as funções diplomáticas em Turim para consolidar o seu pensamento sobre diferentes matérias essenciais ao desempenho governativo. Nos textos que então produziu sobre assuntos europeus ou nacionais, demonstrou uma particular apetência pela discussão de temas económicos e financeiros que, mais tarde, viriam a constituir sinal distintivo da sua acção ministerial.

6Através de Souza Coutinho e dos seus textos somos introduzidos na vida económica e política piemontesa, e percebemos o impacto causado pelos acontecimentos revolucionários em França em 1789 e anos seguintes. Mas também perscrutamos a riqueza da vida e obra do personagem retratado, damos conta da sua forte curiosidade intelectual e científica através dos relatos e memórias de viagem que deixou e da vasta correspondência que enviou para familiares e amigos.

7No percurso que relata sobre a vida e obra de D. Rodrigo, Andrée Diniz Silva revela o conhecimento aprofundado e minucioso das fontes arquivísticas que permitem documentar os passos e gestos mais marcantes da vida privada e carreira pública do retratado. Alguns desses documentos são acrescentados em apêndices a ambos os volumes da obra, perfazendo cerca de metade da sua extensão. No primeiro volume, são particularmente reveladores e interessantes os diários de viagem e as cartas familiares provenientes do arquivo privado da Casa Linhares, cuja preservação e salvaguarda (assim como a recente incorporação na Direcção Geral de Arquivos/Torre do Tombo) muito deve ao serviço e dedicação de Andrée Diniz Silva.

8O segundo volume desta biografia abarca o período mais rico da carreira de D. Rodrigo, tendo em atenção as funções de responsabilidade governativa que passou a desempenhar a partir de 1796, ano em que regressou de Turim para ocupar o cargo de Ministro e Secretário de Estado da Marinha e Domínios Ultramarinos. No exercício destas funções demonstrou natural preocupação com a organização administrativa, económica e financeira das diversas partes integrantes do império, e muito especialmente do Brasil. A sua visão reformista ilustrada ficou bem patente em diversos textos e ofícios que expediu, mantendo a preocupação básica de que o Brasil não fosse objecto de cobiça fiscal e riqueza fácil, dada a sua relevância para o equilíbrio das trocas comerciais entre a metrópole e o exterior. Souza Coutinho projectou e executou diversos melhoramentos que demonstram a sua crença no papel da ciência e do conhecimento enquanto instrumentos ao serviço do processo de desenvolvimento económico. Andrée Diniz Silva presta a devida atenção a essa faceta reformista e inovadora, sem esquecer aquela que terá sido a mais importante tarefa que D. Rodrigo desempenhou nesses anos, a qual aparentemente estava fora da sua esfera de competência como Ministro dos Domínios Ultramarinos. Refiro-me à sua assídua preocupação e bem demonstrada capacidade para atender aos problemas da organização financeira do Estado, designadamente no que se refere à melhoria dos sistemas de arrecadação de impostos, à racionalização das despesas da coroa, à boa gestão do sistema de dívida pública e à regularização da circulação descontrolada e fraudulenta de moeda fiduciária. Não é de estranhar, por isso, que tenha sido chamado a exercer as funções de Presidente do Real Erário entre 1801 e 1803, período este também analisado neste segundo volume da obra e ao longo do qual D. Rodrigo teve ocasião de expor os seus programas e projectos de governação que, como era seu timbre, extravasavam a área financeira a que supostamente estaria circunscrito.

9O livro prossegue com a análise da fase de retiro político de cerca de quatro anos (entre 1803 e 1807), por desinteligências estratégicas com outros membros do Gabinete do Príncipe Regente D. João. Souza Coutinho voltaria, porém, a assumir posição preponderante na vida política e económica portuguesa a partir de Agosto de 1807, tendo participado nas reuniões do Conselho de Estado em que teve oportunidade de expor o seu ponto de vista favorável à transferência da corte para o Brasil, perante a ameaça inevitável de invasão do território continental pelo exército francês.

10Esse foi um momento decisivo da carreira de D. Rodrigo de Souza Coutinho que foi então de novo chamado a exercer funções ministeriais e que, nos quatro anos em que permaneceu no Rio de Janeiro, antes da sua morte precoce, deixou bem vincado o seu estatuto de homem de Estado. As principais medidas económicas então decretadas, no sentido de uma liberalização do espaço económico luso-brasileiro e de uma aliança comercial e diplomática preferencial com a Grã-Bretanha, tiveram em D. Rodrigo de Souza Coutinho, que entretanto obteve o título de Conde de Linhares, um dos principais artífices e mentores. Tal facto é bem realçado e demonstrado por Andrée Diniz Silva, através da escolha criteriosa de documentos que acompanham este segundo volume, entre os quais cumpre destacar a correspondência oficial e privada com o Conde da Barca, António Araújo de Azevedo (seu principal rival na disputa de preferências do Príncipe Regente D. João), com José Bonifácio de Andrade e Silva e com o seu mais fiel e permanente amigo João Paulo Bezerra de Seixas.

11O convívio que Andrée Mansuy-Diniz Silva tem mantido, ao longo de décadas, com os papéis e documentação associada ao trajecto pessoal e público do Conde de Linhares, conferem-lhe uma autoridade inigualável em matéria de informação e conhecimento sobre esta importante figura da segunda metade do século XVIII e primeira década do século XIX. Andrée Diniz Silva revela, por vezes, o pequeno mas inevitável pecado decorrente do excesso de dedicação e empenho na elaboração do retrato. O comentário entra esporadicamente na fronteira do encómio, apesar de nunca resvalar para o registo hagiográfico. Sem nunca perder o rigor da comprovação documental, as interpretações que oferece sobre o sentido dos opções ou decisões de D. Rodrigo visam quase sempre justificar a bondade das mesmas, em prejuízo de uma apreciação verdadeiramente crítica do seu significado histórico. Mas como pretender que não se goste de quem se faz a biografia?

12Com esta obra notável, retrato de pesquisa histórica rigorosa, de rara qualidade e esmagadora erudição, servida por texto de agradável leitura na sua língua materna, Andrée Mansuy-Diniz Silva deixa-nos um legado de imensa valia. Sobretudo porque, a partir de agora, deixa de ser possível invocar o desconhecimento da matéria-prima que fica disponível para quem pretenda prosseguir o estudo da figura ímpar do Conde de Linhares.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Luís Cardoso, « Silva, Andrée Mansuy-Diniz, Portrait d’un Homme d’État : D. Rodrigo de Souza Coutinho, Comte de Linhares, 1755-1812 », Ler História, 54 | 2008, 223-227.

Referência eletrónica

José Luís Cardoso, « Silva, Andrée Mansuy-Diniz, Portrait d’un Homme d’État : D. Rodrigo de Souza Coutinho, Comte de Linhares, 1755-1812 », Ler História [Online], 54 | 2008, posto online no dia 03 fevereiro 2017, consultado no dia 21 outubro 2019. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2436

Topo da página

Autor

José Luís Cardoso

ISEG-UTL

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals