Navegação – Mapa do site
Dossier: Descrever a cidade

Descrever a Cidade

Frédéric Vidal
p. 5-8

Texto integral

1Como lugar de tensão, de experimentação e de síntese das evoluções sociais, a cidade da época contemporânea tem sido objecto de inúmeras descrições. Os documentos históricos textuais e iconográficos encerram o fenómeno urbano numa série de definições ou verdades mais ou menos rígidas e, por vezes, antagónicas. Cada actor tem a sua maneira de descrever e de definir a sua cidade, segundo objectivos e interesses próprios. Como estabelecer ligações entre os discursos dos habitantes, dos pensadores e urbanistas, das administrações locais e nacionais, dos artistas, dos viajantes, dos memorialistas, do poder municipal, dos políticos, dos cientistas e tantos outros? Partindo do princípio de que cada descrição é boa e legítima, no sentido em que constitui sempre um testemunho de uma posição ou de uma escolha quanto à maneira de pensar e viver a cidade, este dossier propõe a análise de alguns processos que, em contextos históricos e sociais diferenciados, contribuíram para moldar formas de vida urbana.

  • 1 Lorenza Mondana, Décrire la ville. La construction des savoirs urbains dans l’interaction et dans l (...)

2O título deste dossier inspira-se no livro de Lorenza Mondana onde é possível encontrar uma síntese teórica geral do modo como os discursos e o espaço urbano se articulam1. Trata-se de um estudo importante que, sendo escrito por uma linguista, se interessa mais pelas estratégias discursivas sem analisar directamente as suas influências sobre as mutações de concepção do urbano. Por descrição da cidade entende-se toda a actividade, mais ou menos visível e assumida, de categorização e de construção de discursos e de saberes sobre a cidade. A operação de descrição vai além da representação e da produção ou da circulação de imagens. São os intercâmbios entre o objecto descrito e o discurso descritivo que têm de ser focados, com a invenção de novos objectos e a delimitação de novas formas urbanas. As descrições não são tanto entendidas como fontes mas sim como objectos de estudo. O tema deste dossier é, pois, a descrição como actividade estruturadora do fenómeno urbano.

  • 2 Este dossier retoma quatro comunicações apresentadas ao XXVI Encontro da Associação Portuguesa de H (...)

3Para este dossier reuniu-se um grupo pluridisciplinar de investigadores que trabalham temas relacionados com a história urbana – e mais propriamente com a história da cidade de Lisboa – baseando parte do seu estudo na análise aprofundada de uma documentação claramente identificada.2 À primeira vista, a diversidade dos temas debatidos neste dossier pode dificultar as tentativas de comparação entre estudos que têm cada um a sua própria coerência. Esta diversidade de contextos históricos e de situações sociais e culturais pode ser evidenciada tanto no objecto descrito, como no modo de produção dos documentos em questão.

4No primeiro artigo questiona-se a evolução da percepção geral do espaço urbano e das suas funcionalidades, a partir da análise dos primeiros roteiros das ruas de Lisboa elaborados no início do século XIX. Estes roteiros contribuem para a unificação do espaço urbano que se transforma em objecto de conhecimento autónomo. É a imagem da cidade como rede de ruas que a pouco e pouco se impõe. Este processo responde a uma necessidade de instrumentalização do espaço urbano, permitindo a emergência de novas práticas e hábitos, em primeiro lugar para facilitar a circulação na cidade.

5Seguidamente, Tiago Baptista mostra como, no final dos anos 1920, a massificação do espectáculo cinematográfico se desenrola através de uma oposição entre duas formas de distribuição e de consumo – o cinema de estreia e o cinema de reposição – que acabam por recobrir uma tipologia de espaço urbano – um centro que, com a inauguração do cinema Tivoli, em 1924, já não se limita apenas à zona do Chiado, e os bairros mais periféricos descritos como o bas-fonds lisboeta. Uma prática cultural como o cinema envolve dinâmicas sociais complexas que têm uma dimensão especificamente espacial. O cinema, como fenómeno social e cultural contribui para a redefinição do ordenamento espacial da cidade e, nomeadamente, da noção de centralidade urbana.

6Graça Índias Cordeiro debruça-se sobre o livro de José Sousa Gomes, Lisboa. Da sua vida e da sua beleza (1937), uma obra um pouco esquecida, produzida à margem da erudição olisopográfica. Aqui, a questão da descrição e das categorias descritivas ocupa um lugar central. A autora identifica com uma grande precisão alguns elementos estruturadores da descrição. A ideia é que este discurso sobre a cidade age também directamente como forma de construção da urbanidade. É através da noção de «pitoresco» que se constrói uma identidade urbana peculiar, valorizando o passado da cidade.

7Por fim, João Pedro Nunes leva-nos a outros recantos da cidade. Nos anos 1950 e 1960, num período charneira da urbanização de Lisboa e da sua periferia, os «dormitórios» surgem com um novo tipo de território urbano que representa e sintetiza as formas emergentes de vivência urbana e os problemas por elas colocados. O autor cruza aqui duas gamas de descrições desta realidade: os discursos técnicos do planeamento regional e os artigos da impressa da época.

8Os textos ou documentos seleccionados referem-se a temas bastante variados mas dão a ver processos semelhantes. Estes discursos sobre a cidade aparecem sempre como tentativas de organização e de apropriação de um fenómeno tão plural e complexo como é o fenómeno urbano na época contemporânea. Podemos prolongar a análise sublinhando que encontramos aqui efeitos similares das descrições ou, pelo menos, influências comparáveis. Destacam-se três aspectos. Primeiro a dimensão propriamente espacial do fenómeno urbano. As descrições contribuem para o ordenamento do espaço urbano, identificando e valorizando hábitos específicos e estabelecendo distinções simbólicas ou de uso. As ruas dos roteiros, o centro da cidade definido pela presença de cinema de estreia são categorias espaciais que passam a ser de uso corrente. O segundo toca nas definições do que Graça Índias Cordeiro chama «a urbanidade de Lisboa». Existe aí de facto a sensação de uma especificidade do caso da capital portuguesa. A relação com a história e com os tempos passados ou, pelo contrário, com a modernidade, teria sido problemática. Por outro lado, as descrições aqui analisadas testemunham também a circulação internacional de modelos geralmente ligados à noção de progresso ou de modernização: os roteiros lisboetas inspiram-se directamente nos modelos parisienses e londrinos; nos relatos de sessão de cinema, a cidade reveste-se de um certo cosmopolitismo ou, pelo menos, são-lhe reconhecidos alguns atributos das grandes metrópoles europeias. Esta tensão entre a resistência à mudança e as tentativas de adaptação e de acompanhamento das mesmas parece ser um eixo de análise promissor. Por fim, as descrições são também categorias de acção. O exemplo dos «dormitórios» é aqui particularmente ilustrativo. Utilizando as palavras de João Pedro Nunes, as descrições contribuem para «formar conhecimento sobre o território» e para «capacitar a intervenção dos poderes públicos e para influenciar decisões politicas».

9Os quatro estudos aqui apresentados permitem acompanhar momentos relevantes e bem identificados da história de Lisboa. Contudo, encontramos também propostas de enquadramento geral da evolução das sociedades urbanas contemporâneas, que focam a dimensão espacial, os confrontos entre diferentes temporalidades e os modos de intervenção de actores específicos. Jogando entre o geral e o particular e conservando sempre um carácter sintético, as descrições aparecem como objectos de análise particularmente ricos para a história urbana.

Topo da página

Notas

1 Lorenza Mondana, Décrire la ville. La construction des savoirs urbains dans l’interaction et dans le texte, Paris, Anthropos, 2000, 284 p.

2 Este dossier retoma quatro comunicações apresentadas ao XXVI Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social, realizado na Universidade dos Açores, a 17 e 18 de Novembro de 2006, numa sessão moderada por Eloy Fernández Clemente.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Frédéric Vidal, « Descrever a Cidade », Ler História, 52 | 2007, 5-8.

Referência eletrónica

Frédéric Vidal, « Descrever a Cidade », Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 março 2017, consultado no dia 10 dezembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2510 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2510

Topo da página

Autor

Frédéric Vidal

CEHCP-ISCTE / FCT

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals