Navegação – Mapa do site
Dossier: Descrever a cidade

Ruas e sítios na Lisboa oitocentista. Usos e classificações em quatro roteiros da cidade

Rues et sites dans le Lisbonne du XIXe siècle. Usages et classifications dans quatre répertoires des rues de la ville
Streets and sites in the 19th century Lisbon. Uses and classifications in four repertories of the town streets
Frédéric Vidal
p. 9-27

Resumos

Neste artigo analisa-se a composição e a organização dos primeiros roteiros das ruas de Lisboa elaborados no início do século XIX. Estes roteiros contribuem para a unificação do espaço urbano que se transforma em objecto de conhecimento autónomo. É a imagem da cidade como rede de ruas que a pouco e pouco se impõe. Este processo responde a uma necessidade de instrumentalização do espaço urbano, permitindo a emergência de novas práticas e hábitos, em primeiro lugar para facilitar a circulação na cidade. Mas estes roteiros testemunham também a diversidade dos modos de apreensão do espaço urbano. A cidade descreve-se sempre no plural.

Topo da página

Entradas no índice

Mots-clés :

Lisbonne, ville, rues

Keywords :

Lisbon, town, street

Palavras chaves :

Lisboa, cidade, rua
Topo da página

Texto integral

  • 1 Os meus agradecimentos à Graça Índias Cordeiro e ao João Pedro Góis, pelas suas leituras críticas e (...)
  • 2 Ver: Victor de Sá, Lisboa no Liberalismo, Lisboa, Livros Horizonte, 1992, pp. 5-11 e, entre outros, (...)
  • 3 Idem. Ver também o testemunho de José Pecchio.

1Na alvorada do século XIX, os viajantes que andavam nas ruas de Lisboa costumavam descrever espaços desordenados, sujos e pouco funcionais1. A circulação era difícil e perigosa, sendo as ruas sobretudo percorridas pela abundante criadagem que povoava a cidade2. Uma vez passado o primeiro impacto visual geral provocado pela grandeza e beleza do sítio natural, o visitante apontava sobretudo a confusão e a sordidez das ruas da capital. A vida quotidiana na cidade era geralmente vista como uma experiência incómoda e sem interesse e à noite eram os cães que tomavam conta de cada praça e esquina3. Se estas descrições acabavam, por vezes, por incorporar as representações tradicionais que, desde a Idade Média, fizeram da cidade uma comunidade de habitantes que se distinguem pelos seus privilégios simbólicos e materiais, faziam-no sempre de um modo impessoal, afastando-se da realidade quotidiana.

  • 4 Para uma primeira abordagem, embora com outro objecto principal de estudo: Maria Alexandre Lousada, (...)
  • 5 Bernard Lepetit, Les villes dans la France moderne (1740-1840), Paris, Albin Michel, 1988, p. 74.

2No entanto, nesta mesma época, os textos e os discursos sobre ou em torno das cidades portuguesas começam a incorporar referências que testemunham uma mudança significativa das imagens, dos valores e das funções atribuídas ao fenómeno urbano. Trata-se de um processo de longa duração que, no caso português, tem sido pouco explorado4. Entre os finais do século XVIII e os meados do século XIX, a cidade começa a perder a imagem dominante de espaço simbólico e de prestígio, marcado pelas permanências, para adquirir referências novas que vão beber mais do lado do económico, do variável, da adaptação ao mundo moderno. Segundo Bernard Lepetit, que estudou o caso francês, um novo imaginário urbano faz da cidade uma «máquina de produzir o necessário, o útil e o agradável»5. No caso de Lisboa, se é ainda difícil medir com precisão quais foram os efeitos do contexto histórico conturbado – o terramoto, as invasões francesas, a guerra civil – a evolução não parece ter sido muito diferente.

  • 6 Alain Faure, «Emprego industrial em Paris e residência operária (1860-1914)», Ler História, n.º 48, (...)

3Através destas mutações das imagens da cidade, são alterações das sensibilidades urbanas que podem ser apreendidas. Proponho uma primeira abordagem a este tema através do problema específico da descrição e da identificação do espaço urbano. Na realidade, as novas sensibilidades urbanas levaram a repensar a questão das mobilidades e, mais geralmente, das relações que cada citadino estabelece com o espaço urbano. Deslocar-se por necessidade (para o trabalho) ou por prazer (passear) surge daí em diante como uma característica básica da condição de citadino. Obviamente, as evoluções são muito morosas e levam tempo a chegar a todos os habitantes. As mobilidades quotidianas dentro da cidade são, aliás, um tema bastante discutido na historiografia. A questão da separação entre lugar de residência e lugar de trabalho tem sido objecto de algumas reavaliações. Alguns indícios parecem indicar que o desenvolvimento das mobilidades quotidianas não teve uma tão directa ligação com o desenvolvimento de redes de transportes públicos, que decorreu mais tarde, já nos finais do século XIX6.

  • 7 Henrik Reeh, «La rue et ses légendes. Polysémies urbaines dans la Plan Taride: Paris par Arrondisse (...)

4Entre o fim do século XVIII e as primeiras décadas do século XIX, surge sobretudo a ideia de que habitar uma cidade e ser citadino não significa, necessariamente, ter um conhecimento aprofundado e um contacto regular com a totalidade do território urbano. De um ponto de vista prático, novos instrumentos são a pouco e pouco elaborados: guias, planos ou roteiros da cidade. Divulga-se a ideia de que, sem a ajuda de documentos cartográficos (mapas) ou de roteiros, já não é possível orientar-se numa rede de ruas, numerosas de mais para ficarem na memória individual7.

  • 8 A noção de «território» reencaminha para a ideia de apropriação material e simbólica de um espaço p (...)

5Neste artigo, tenho como objectivo observar e analisar o processo de redução da cidade a um conjunto de sinais abstractos, tais como listas de ruas. Escolhi como fontes os roteiros de Lisboa publicados no princípio do século XIX. A minha hipótese é que, longe de serem apenas abstracções afastadas da «experiência quotidiana da cidade», estes documentos permitem também reconstituir alguns aspectos da evolução das percepções do espaço urbano e dos modos de habitar a cidade ou seja da maneira de se apropriar social e afectivamente destes lugares e de transformar espaços em territórios8. Neste estudo, os roteiros servem então de ponto de observação da diversidade das relações que pessoas e grupos sociais estabelecem com o espaço urbano.

1. Novas finalidades e novos instrumentos

  • 9 J. J. Gomes de Brito, Ruas de Lisboa. Notas para a História das Vias Públicas Lisbonenses, Lisboa, (...)
  • 10 Ibid., «Itinerários de Lisboa – Resenha bibliográfica», vol. III.

6A identificação do corpo documental aparece como uma tarefa relativamente fácil. Este tipo de publicações é referenciado em inúmeros ficheiros bibliográficos (Biblioteca Nacional, Gabinete de Estudos Olisiponenses, etc.). É claro que podemos sempre suspeitar de algumas falhas. Todavia, vários autores fizeram já inventários dos primeiros roteiros da cidade de Lisboa e, na verdade, são geralmente documentos bastante citados pelos olisipógrafos. O estudo mais completo foi, sem dúvida, da autoria de J. J. Gomes de Brito. Em 1935, uma edição póstuma reuniu as suas Notas para a História das Vias Públicas Lisbonenses9. Embora a maior parte da obra deste discípulo de Júlio de Castilho consista numa recolha pormenorizada da evolução das toponímias e de alguns acontecimentos mais ou menos relevantes para a história de Lisboa, ela inclui também um capítulo onde o autor se debruça sobre os Itinerários de Lisboa e apresenta uma recensão bibliográfica10. No conjunto do corpo documental olisipográfico, estas páginas têm um estatuto singular. Se a abordagem é essencialmente quantitativa – quantas ruas, quantos becos, quantas travessas nos vários roteiros – trata-se, no entanto, de uma verdadeira tentativa de análise sistematizada dos usos das várias categorias de vias públicas e suas evoluções.

  • 11 A reedição mais recente é: Cristóvão Rodrigues de Oliveira, Lisboa em 1551. Sumário, Lisboa, Livros (...)
  • 12 Assim, para Augusto Vieira da Silva o livro de Cristóvão Rodrigues de Oliveira é «um dos primeiros (...)

7A leitura de Gomes de Brito suscita um primeiro elemento de reflexão, indicando que o corpo documental constituído pelos roteiros de Lisboa é restrito. A produção foi relativamente escassa até à primeira metade do século XIX. Conhecem-se três relações impressas das vias públicas lisboetas anteriores a 1800, incluindo o Summario de Cristóvão Rodrigues de Oliveira, escrito em 1551 e reeditado em 175511. Os documentos anteriores a 1800 são, porém, de natureza bastante diferente dos simples roteiros. Incluem listas de ruas da capital, mas são sobretudo textos descritivos que contêm alguns esboços de um olhar metódico sobre a cidade. São textos eruditos, claramente destinados aos letrados do seu tempo. Podemos até lê-los como os longínquos antecedentes dos estudos urbanos, produzidos mais tarde pelas ciências sociais12.

8Pelo contrário, as novas formas de descrição do espaço urbano que aparecem na viragem do século XIX têm por principal objectivo, e muitas vezes por único objectivo explícito, facilitar a circulação e permitir a cada citadino ou viajante encontrar o seu caminho. São relações ou roteiros elaborados com uma finalidade concreta e um uso prático. A minha análise repousa no estudo de quatro destes roteiros.

  • 13 O título exacto do livro é: Itinerário Lisbonense ou Directório Geral de todas as Ruas, Travessas, (...)
  • 14 J. J. Gomes de Brito, op. cit., vol. III, p. 174

9O primeiro é o Itinerário Lisbonense, publicado em Lisboa em 1804 e considerado como o primeiro roteiro da cidade de Lisboa13. Trata-se de uma edição de bolso, de pequeno formato e com 142 páginas. Como base nos registos da Imprensa Nacional, Gomes de Brito afirma que o autor é Ignacio Paulino de Moraes, que teria algum parentesco com dois empregados da Superintendência Geral dos Correios14. O livro não parece ter tido êxito imediato, tanto que a primeira reedição foi apenas lançada catorze anos mais tarde. Em vinte anos, houve três reedições do livro com alguns melhoramentos: 1818, 1824 e 1827.

  • 15 Regulação para o estabelecimento da Pequena Posta, caixas e portadores de cartas em Lisboa, Lisboa, (...)
  • 16 Este ponto é desenvolvido em Frédéric Vidal, «A rua como lugar de referência. Identificando domicíl (...)

10De seguida, seleccionei dois documentos que foram quase contemporâneos das duas primeiras edições do Itinerário. Nas primeiras décadas do século XIX, no âmbito das tentativas de organização da posta domiciliária – ou Pequena Posta – em Lisboa, foram elaborados dois roteiros da cidade, o primeiro em 1801 e o segundo em 1817. A suposta relação entre o autor do Itinerário e a Superintendência Geral dos Correios permite assinalar uma proximidade de pensamento – que talvez se tenha manifestado através da presença de redes de relações efectivas – que parece unir os diferentes elementos do meu corpo documental. Esta hipótese fica também corroborada pela proximidade cronológica entre as duas primeiras edições do Itinerário e a redacção dos roteiros da Pequena Posta. O primeiro roteiro da posta domiciliária foi publicado em anexo à Regulação para o estabelecimento da Pequena Posta e o segundo é apenas um documento de trabalho que nunca chegou a ser impresso15. Estes dois documentos tiveram uma circulação restrita. Eram instrumentos elaborados pela administração para assegurar uma tarefa exclusiva, sendo apenas dois instrumentos no meio de outros. As disposições regulamentares, as práticas ou rotinas profissionais que se vão criando no dia-a-dia participavam também do reconhecimento e da identificação do espaço urbano16.

  • 17 João Ignacio Crespeniano Chianca, Manual Descritivo de Lisboa e Porto, Lisboa, Typ. da Viúva Coelho (...)
  • 18 J. Gomes de Brito, op. cit., vol. III, p. 187. Estaríamos aqui na presença de discursos sobra a cid (...)

11Por fim, o Manual Descritivo de Lisboa e Porto, publicado por João Ignacio Chianca em 1845, constitui o meu último documento em análise17. A parte sobre o Porto nunca chegou a ser publicada e o livro acaba por tratar apenas de Lisboa. Contudo, esta publicação reivindica uma ambição mais lata do que ser apenas um simples roteiro. O roteiro das ruas de Lisboa, que aqui me interessa mais especificamente, é uma parte separada do livro que vem depois de uma descrição metódica da capital e das suas freguesias, em cerca de 160 páginas. Por «descrição» entende-se aí uma apresentação detalhada dos diferentes traços formais que compõem e estruturam a cidade: a situação geográfica, as divisões administrativas, as vias de circulação. Este Manual tem características editoriais semelhantes às dos Itinerários do início do século. É também uma edição de bolso, mas mais volumosa (568 páginas, incluindo o Roteiro). Sobre o autor sabe-se pouco. Segundo Gomes de Brito era um Major reformado do Exercito18.

12Os quatro documentos escolhidos como fonte têm aspectos formais semelhantes. São livros ou cadernos de tamanhos relativamente reduzidos e fáceis de transportar. Os seus conteúdos revestem também características comparáveis. Trata-se de listas mais ou menos organizadas de ruas, de vias públicas ou de diferentes elementos de edificação do espaço urbano. Em muitos aspectos, estes quatro roteiros constituem um género de discurso sobre a cidade no sentido em que adoptam regras discursivas idênticas. Houve, sem dúvida, intercâmbios entre os diferentes autores ou até simplesmente cópias das versões mais antigas. Gomes de Brito pretende que o Manual Descritivo de Chianca não tenha feito mais do que retomar os textos dos Itinerários. Veremos adiante que não é bem o caso. De um roteiro ao outro, podemos notar variações importantes, sobretudo na organização das informações e nas escolhas dos elementos de referência principais ou secundários. É aqui que se situa o meu objecto de estudo.

2. Elementos de prestígio ou «cicerones íntimos»

13Porque foram estes roteiros elaborados nesta altura? Já foi sublinhado que estes documentos tinham de ser encarados como uma das primeiras traduções concretas das novas modalidades de descrição ou de apreensão do espaço urbano. Podemos considerar que o aparecimento dos roteiros é uma manifestação relativamente precoce de um processo de alteração das sensibilidades urbanas, inscrito numa longa duração. Todavia, um outro nível de explicação pode ser assinalado do lado das intenções dos autores. De uma maneira muita mais imediata, a publicação destes roteiros responde a algumas finalidades bem específicas. No caso dos roteiros dos correios, a relação é ainda mais directa. A administração dos correios interessa-se pelas ruas lisboetas apenas na medida em que isso pode facilitar a organização do serviço e as tarefas dos carteiros. No entanto, como que para realçar o seu carácter inovador e pioneiro, tornou-se hábito associar a estas publicações uma série de textos explicativos (prefácios, avisos, comentários) que têm a dupla função de justificar a iniciativa e de explicar as escolhas e as abordagens. São obviamente textos de um grande interesse para descortinar os respectivos contextos de produção.

  • 19 Ver: Arquivo da Fundação Portuguesa das Comunicações, «Documentos relativos ao estabelecimento da p (...)

14Uma primeira ideia ressalta em todos estes textos. Os modos de apreensão do facto urbano construíram-se e unificaram-se também através da circulação de modelos dscritivos. A administração dos correios não esconde a influência dos exemplos de Paris e de Londres. O dossier do Plano para o estabelecimento da pequena posta em Lisboa de 1817 contém o Plano da Pequena posta de Paris de 1759 com um exemplar de roteiro. Durante este período, vários relatórios citam os planos de Paris e de Londres como fonte de inspiração19. Neste caso, a influência das outras capitais vai além da realização dos roteiros. É toda a organização prática da entrega e recolha das cartas que está em discussão. Mas os roteiros dos correios aparecem como os instrumentos mais directamente inspirados nos exemplos estrangeiros, sendo estes roteiros os primeiros documentos a ser produzidos, muito antes do serviço ser realmente organizado.

  • 20 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. V.
  • 21 J. I. Chianca, Manual Descritivo… , op. cit., «Introdução».

15O Itinerário Lisbonense apresenta-se como a primeira publicação do género em Lisboa. Neste caso, também a imitação das outras grandes cidades europeias é factor determinante, o que justifica por si só a redacção do roteiro : «He bem notório que todas as Cidades Capitaes de Paizes civilizados da Europa já há muito fizerão publicar, e actualmente possuem Itinerários das suas respectivas Cidades, dos quaes conhecem as grandes utilidades resultantes; (...) a experiencia fez mostrar a todos estes Povos de Cidades ha muitos annos, e inalteravelmente estabelecidas, e com a mesma face, a necessidade de hum Itinerário».20 O Manual Descritivo utiliza palavras semelhantes e voltou a apresentar os roteiros ou os guias como sendo elementos de prestígio, dignos das «grandes capitais do mundo civilizado»21.

  • 22 Pierre-Yves Saunier, «Circulations, connexions et espaces transnationaux», Genèses, n.º 57, 2004, p (...)

16A existência de um processo de difusão internacional dos modelos e das práticas culturais não é um facto muito novo. Com os roteiros da cidade estamos no entanto num sistema um pouco diferente, onde o quadro nacional acaba por se diluir e deixa de ser um quadro espacial de referência22. Analiso aqui a redistribuição de funções ou de usos do espaço urbano. Como todos as descrições, os roteiros contribuem para reordenar as cidades e conceber novas referências partilhadas, a partir das quais podem ser pensadas mas também vividas as cidades ou a cidade. Um dos objectivos desta investigação é perceber melhor em que medida o plural acabar por se transformar num singular. Um tal processo poderia testemunhar uma uniformização dos modos de pensar e de descrever a cidade, quaisquer que sejam os contextos locais ou nacionais.

  • 23 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. I.

17Todavia, foram razões mais ligadas à evolução da realidade lisboeta que levaram a conceber estas publicações. No «Prólogo ao Leitor» do Itinerário Lisbonense, o discurso está organizado em torno de uma constatação um pouco banal: a cidade mudou. Porém, não fica muito claro qual o fenómeno apontado quando se fala de «mudança». O autor evoca sobretudo «mudanças» formais, na paisagem ou na organização do espaço. Já não consegue reconhecer a cidade onde nasceu: «Eu mesmo, que tenho a gloria de ser [oriundo da Capital], e nascido no centro da Capital, e de maior idade, sou obrigado a confessar, que ainda há pouco tempo experimentei, e conheci esta verdade, por ser obrigado a entrar em Ruas, Becos, e Travessas, dos quais, não só ignorava os seus nomes, mas nem ao menos os tinha ouvido repetir; e seria para mim bastantemente ardoo, se quizesse dirigir-me a elles, quando a necessidade o exigisse, sem o auxílio de algum Prático daquelles districtos.»23

  • 24 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. V.

18Esta «mudança» implica também a ideia de «crescimento» ou de «extensão» da cidade, segundo várias facetas. Um crescimento da cidade em si, isto é, do território urbanizado. É neste ponto que surgem as referências históricas mais directas. O Itinerário Lisbonense é publicado apenas cinquenta anos depois do Grande Terramoto. As consequências do acontecimento estão ainda inscritas nas memórias individuais. No fim do século XVIII nasceu uma outra cidade. O terramoto acelerou o processo de adaptação da cidade às necessidades de uma nova funcionalidade urbana. Novos instrumentos, tais como os roteiros, são ainda mais urgentes de conceber: «Huma Capital (...) que soffreo desgraçadamente hum total transtorno pelo espantoso terramoto do primeiro de Novembro de 1755; em consequencia do qual, não só tem sido consideravelmente alterada em quanto á extensão, e intenção, mas mudou inteiramente de face, ao ponto de não ser conhecida por aqueles que sahirão della antes desta fatal Época, e entrão agora.»24 Apesar de escrever no início da década 1840, Chianca insiste ainda, nas suas descrições das freguesias da capital, sobre as transformações causadas pelo terramoto. A enumeração das particularidades morfológicas de cada freguesia passa sobretudo por algumas anotações sobre o novo traçado de tal ou tal rua ou travessa e sobre as destruições provocadas localmente pela catástrofe.

19Surge também a ideia do crescimento do que podemos chamar a «cidade útil», isto é o espaço dentro da cidade percorrido ou frequentado por cada citadino. Trata-se de valorizar a relação pessoal com o território urbano. São os sítios, os lugares onde efectivamente os citadinos precisam ou querem ir. A relação com a cidade parece cada vez mais personalizada e diversificada. O Itinerário Lisbonense e o Manual Descritivo de Chianca querem promover uma relação afectiva com a cidade. Esta ideia é particularmente destacada na introdução ao Manual Descritivo que quer ser um «conselheiro íntimo» ou um «cicerone erudito».

  • 25 Marcel Roncayolo, La ville et ses territoires, Paris, Gallimard, 1990, pp. 108-115.

20A cidade que estes roteiros pretendem descrever é, no entanto, ainda uma cidade tradicional. Poucas referências se reencaminham pelo tema da modernidade ou da modernização. Nesta Lisboa liberal, o crescimento populacional aparece ainda como um factor de segundo plano. O aumento do número de transeuntes ou o tema da multidão nunca chegam a ser referidos, mesmo por Chianca, que escreve já num período mais tardio. É verdade que foi apenas nas últimas décadas do século XIX que o crescimento populacional de Lisboa atingiu um ritmo notável. Para já, são sobretudo hábitos novos que são designados como factores de mudança. O pequeno Prólogo ao Leitor do Itinerário Lisbonense é quase inteiramente consagrado à descrição das novas formas de mobilidade nas cidades. Doravante, as deslocações em itinerários variáveis fazem parte do dia-a-dia de cada citadino. Estas novas formas de habitar a cidade implicam novas relações com o território urbano e parecem sustentar uma organização espacial da cidade cada vez mais complexa. Pouco a pouco, encaminha-se para uma redefinição e uma atomização da noção de centralidade urbana25. Bem antes de se ler nas mutações de função ou de povoamento dos territórios, esta evolução é perceptível nas práticas individuais.

  • 26 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. I.

21No fim de contas, os textos de apresentações destes roteiros tentam sobretudo identificar o espaço urbano como objecto de conhecimento autónomo e coerente. É necessário criar instrumentos, tais como os roteiros que permitem reconhecer o espaço lisboeta numa «vista de olhos», sem recorrer a outras informações e nomeadamente às informações que circulam entre os habitantes. Por isso, apesar de poderem ser complementares, os roteiros têm uma função bastante diferente das listas de habitantes publicadas nos Almanaques. Os roteiros concebem a cidade fora de qualquer prerrogativa social ou escolha subjectiva. Pelo contrário, os Almanaques são instrumentos imperfeitos porque não tomam em conta a especificidade da organização do espaço urbano: «Que importa haver Almanak annual feito com toda a exacção, em que se referem os nomes de todos os empregados em officios públicos, a sua residência, com a declaração dos nomes, das Ruas, e até numero das portas da casa da sua habitação, para commodidade daquelles que devem, e necessitão procurallos, se ignorão totalmente o districto em que existem as mesmas Ruas, etc. o seu principio, e termo com as Praças, Igrejas, e Ruas mas principaes, cujas balizas são actualmente necessárias, não só para facilitar o conhecimento do Bairro, e Freguezia, como a mesma Rua etc. que se procura.»26

22Os roteiros têm por objectivo conceber uma visão de conjunto. Trata-se de descrições sistemáticas, um ponto de vista que permanece geral, mas que acaba por ser completo. O espaço urbano é então abrangido na sua totalidade, sem ângulos mortos. Neste sentido, importa saber como são resolvidas as questões dos limites, das categorias ou das unidades de observação.

3. Variações em torno de diferentes ordens possíveis

23Os roteiros apresentam-se sob a forma de listas ordenadas. Esta maneira de reduzir o espaço urbano a um número limitado de formas ou de elementos materiais constitui o principal ponto em comum entre estes documentos. A diferença essencial reside nas escolhas relativas ao modo de ordenar as informações. Na verdade, os critérios são bastante variáveis e nem sempre correspondem a uma lógica única: ordem alfabética, toponímia, categorias de vias públicas (ruas, becos, travessas), tipologia de territórios (paróquias, sítios, etc.). Para retomar a minha pergunta inicial sobre o valor cognitivo destes documentos, não é fácil desenhar um único quadro explicativo para estas variações.

  • 27 Ver: Émile Durkheim e Marcel Mauss, «De quelques formes primitives de classification», Année Sociol (...)

24O confronto entre estes documentos suscita logo um primeiro conjunto de hipóteses. Obviamente, o trabalho de ordenação está imperfeito e incompleto. Poderíamos considerar que estas listas são antes de mais fruto de taxinomias indígenas, redundantes e flutuantes. Testemunham lógicas afectivas que poderiam ignorar critérios técnicos ou sociais27. Em certa maneira, tratar-se-ia de retratos íntimos da cidade cuja elaboração teria pouco a ver com a vontade dos autores, explicitada nos prólogos aos leitores, de propor uma apresentação metódica do espaço urbano. A ausência de unidade entre estes roteiros seria apenas um indício de que o esforço de ordenação do espaço urbano teria sido limitado. Estas explicações são de certa maneira viáveis. Pressupõem todavia a existência de uma hierarquia entre os diferentes critérios de classificação. Algumas escolhas ou lógicas seriam melhores do que outras e, com o tempo, ter-se-ia chegado a um modo de descrição da cidade acabado e perfeitamente homogéneo. Com base nestas hipóteses, poderíamos admitir que os conteúdos destes roteiros se aproximariam após um esforço de aperfeiçoamento. Estas hipóteses têm também o defeito de colocar sistematicamente em dúvida as intenções ou as competências dos autores, não permitindo dar conta das relações entre as diferentes lógicas de ordenação aqui presentes. Importa então analisar com mais atenção a composição destas listas e a organização de cada roteiro.

25No Itinerário Lisbonense e no Manual de Chianca, o esforço de classificação sobressai através de várias ferramentas textuais e sinais tipográficos. O recurso ao itálico para evidenciar um título de rubrica, ou a marcação da ordem alfabética através do destaque das letras capitulares, guiam o leitor na sua consulta. O Index aparece como uma ferramenta indispensável nestes dois roteiros. Indica a classificação utilizada e permite encontrar rapidamente as páginas onde estão referidos a rua, a travessa ou o beco (etc.) procurados. Na verdade, a toponímia intervém apenas como um segundo nível de classificação. O primeiro é constituído por rubricas que testemunham directamente a variedade das formas urbanas em Lisboa no início do século XIX. No Index do Itinerário Lisbonense constam 34 referências a partir das quais está organizado o roteiro (ver figura nº 1). Os roteiros não renunciam a olhar a cidade tal como é, ou seja, como um conjunto de formas diversificadas e complexas. Uma cidade feita de ruas, mas também de beccos, boqueirões, caminhos, calçadas, largos, campos, arcos, ou terreirinhos, etc. Contudo, no meio de uma miscelânea de referências diversas, o esforço de classificação das vias e formas urbanas é um dado constante. O roteiro abre com três rubricas que, nesta altura, já abrangem a maior parte das vias públicas lisboetas: Ruas, Travessas e Beccos, por ordem decrescente de importância quantitativa. Estas mesmas rubricas ocupam um lugar de destaque nos roteiros dos correios e no Manual de Chianca. Em 1817, a parte principal do roteiro elaborado pela administração dos correios é até nomeada : «Ruas, travessas, Becos classificados como tais». Durante estes anos, estes três modelos de vias parecem de facto adquirir o estatuto de principais categorias de vias de circulação presentes em Lisboa.

Figura 1: Transcrição do índice do Itinerario Lisbonense (1804)

Figura 1: Transcrição do índice do Itinerario Lisbonense (1804)
  • 28 Henrik Reeh, «La rue et ses légendes..», op. cit., p. 79

26O Manual de Chianca afina bastante a ordenação das diversas formas de vias de circulação. O Índex das Ruas adopta dois níveis de classificação. Um primeiro grupo junta: ruas, travessas, becos, calçadas, largos. Dentro de cada uma dessas categorias, usa-se uma classificação alfabética da toponímia, claramente indicada com letras em maiúsculas. Segue-se depois um segundo grupo constituído por: arcos, boqueirões, caminhos, campos, carreiras, cruzes, escadinhas, estradas, pateos, poços, praças, terreirinhos, cães, miscellanea. Neste caso, dentro de cada categoria, a classificação alfabética é menos marcada, não figurando letras maiúsculas como elemento de separação. Com o Manual de Chianca chega-se a uma representação da cidade particularmente bem estruturada em torno de algumas formas que celebram «espaços gerais» e uma certa banalidade de Lisboa em relação as outras grandes cidades28. Este roteiro procura destacar uma tipologia que faz referência a uma cultura urbana mais bem partilhada e que aproxima Lisboa das outras capitais europeias.

  • 29 António Firmino da Costa, «Classificações Sociais», Revista Leituras, n.º 2, 1998, pp. 65-75.

27Começamos a entender como este trabalho de classificação acaba por transformar algumas formas urbanas em categorias de uso comum. Estamos aqui a observar um processo já muitas vezes descrito pelas ciências sociais. Como todos os sistemas de classificação, os roteiros permitem assegurar a transmissão de saberes e, neste caso, de saberes sobre a cidade. Contribuem para elaborar uma linguagem usual e para moldar as formas de partilha e de relacionamento entre os habitantes de Lisboa, mas também entre os visitantes. Eles realçam «padrões de cultura socialmente partilhados» e «modo de perceber o mundo». São «instrumentos de acção social» e «objecto de transmissão social»29.

  • 30 Lorenza Mondana, Décrire la ville. La construction des savoirs urbains dans l’interaction et dans l (...)
  • 31 Henrik Reeh, «La rue et ses légendes..», op. cit., pp. 79-80.

28Neste sentido, estes roteiros não se limitam a enumerar elementos toponímicos. Não se apresentam apenas sob a forma de listas de nomes de ruas, de vias ou de sítios. O facto de organizar o roteiro em torno de «categorias» e não apenas dos topónimos, faz com que haja uma mistura entre um inventário e uma lista lexical, ou seja um inventário de conceitos30. O problema é que nem toda a cidade se pode resumir a um agregação de categorias espaciais claramente identificadas. De uma maneira muito concreta, estes roteiros deixam escapar formas e zonas indefinidas. O índice do Itinerário Lisbonense é particularmente ilustrativo. Faz referências às «ruas» ou aos «pateos» mas também, por exemplo, à «Carreira dos Cavallos» ou ao «Cunhal das Bollas». Inventaria o que podemos razoavelmente chamar «categorias de formas urbanas», mas também «sítios» ou nomes de «lugares». Esta profusão de rubricas nos índices deixa entrever uma certa hesitação em apresentar o espaço urbano com base numa tipologia (os largos, as ruas, os becos, etc.) ou numa lista de lugares únicos (a Rua da Cruz, o Campo de Santa Clara, etc.)31. Uma hesitação em apresentar Lisboa como um espaço urbanizado que segue um tipo de organização espacial comum a todas as grandes cidades, ou como um conjunto de lugares típicos e únicos.

  • 32 Sobre a oposição entre «percursos» e «mapas» nas formas de descrição do espaço urbano, ver: Michel (...)

29A análise dos Roteiros dos correios levanta as mesmas dúvidas. No segundo roteiro dos correios, elaborado em 1817, esta hesitação em apresentar Lisboa como rede de vias públicas ou como conjunto de lugares ou sítios únicos, tem uma tradução ainda mais clara. Este roteiro tem duas partes. Na primeira, consta uma lista de vias públicas classificada em três categorias: «ruas, travessas, e becos, lugares e todos os mais sítios». Uma segunda parte do roteiro contém uma lista de «sítios, conventos, quintas que não tem numeração do número de distrito a que pertencem». Uma das designações mais comuns neste roteiro é «sítio». O Chiado é por exemplo classificado como «sitio». Estes «sítios» são pontos isolados, independentes uns dos outros, tais como as «Hortas», os «Jardins», as «Ermidas», ou as «Quintas», aqui referenciados. Pelo contrário, a grande inovação dos primeiros roteiros é dar a ver como as «ruas» vão constituindo redes quase ininterruptas de referências, cobrindo toda a cidade. A formulação das entradas correspondentes a cada elemento recenseado traduz este pensamento (figuras 2 e 3). São apresentados verdadeiros micro-itinerários e o recurso aos verbos – «subindo», «vindo», «entrando» – parece convidar a um passeio ininterrupto pela cidade. O espaço urbano materializa-se, antes de mais, através de percursos e movimentos32.

30A análise dos diferentes usos das divisões administrativas nos roteiros lisboetas da primeira metade do século XIX permite ilustrar um outro tipo de mutações em curso. Existem de facto nestes documentos três abordagens bem distintas. No Itinerário Lisbonense, as paróquias nunca são referidas. Cada rua ou elemento referenciado é situado em relação aos outros elementos dos roteiros (rua, travessa, etc.). É apenas através de um jogo de pistas, saltando de rua em rua, que o leitor consegue situar-se com precisão na cidade (figura 2). O forasteiro teria sem dúvida uma grande dificuldade em diferenciar as quatro ruas da Cruz ou as duas ruas dos Remédios. Apenas a toponímia pode dar algumas indicações, incitando a deduzir que a Rua dos Remédios que junta a Rua da Lappa fica na zona da Lapa. Com a única ajuda do roteiro e sem um conhecimento subtil da toponímia e da disposição do espaço lisboeta, é ainda difícil encontrar o seu caminho.

  • 33 O novo regulamento elaborado em 1821 prevê 18 distritos.
  • 34 Ver Maria Alexandre Lousada, Espaços de Sociabilidade…, op.cit., pp. 88-89.
  • 35 Em Lisboa, foi apenas em 1855 que o governador civil regulamentou definitivamente o modo de numeraç (...)

31Os roteiros dos correios elegem algumas divisões administrativas como referência espacial, mas segundo uma lógica original. De facto, a sua organização repousa directamente na existência dos 17 distritos que dividem a cidade de Lisboa em outros tantos giros para entregar a correspondência postal33. O objectivo dos roteiros acaba por não ser apenas inventariar as ruas da capital, mas também fixar os limites de cada distrito e até da própria zona urbanizada34. No roteiro de 1801, as listas de ruas são organizadas por distrito e, em cada distrito, distinguem-se os «limites inclusivos» dos «limites exclusivos». O roteiro de 1817 adopta por sua vez uma tipologia de vias, mas cada uma delas está associada ao número do distrito. Numa época em que as diferentes regras que dizem respeito à identificação dos domicílios estavam longe de ser totalmente uniformizadas, a existência ou não da numeração das portas e dos prédios surge também como um critério de classificação35. Na realidade, os roteiros da Pequena Posta classificam formas previamente reconhecidas e ordenadas, fazendo a distinção entre ruas com numeração e sem numeração. O grau de ordenamento dos diferentes territórios da cidade acaba por ser um critério em si, independente das considerações sobre as diferenças de formas urbanas.

  • 36 Miriam Halpern Pereira, «Estado e Sociedade: pensamento e Acção Política de Mouzinho da Silveira», (...)
  • 37 Existe uma grande instabilidade semântica ao longo do século XIX, sendo a expressão «paróquia civil (...)
  • 38 A palavra «distrito» pode designar um território (quando aparece no meio de uma descrição) ou uma d (...)

32Chianca escreve no início dos anos 1840, quando as reformas administrativas da década anterior tinham mudado profundamente a organização territorial do reino. É bem conhecido o impacto dos decretos de Mouzinho da Silveira e dos Códigos Administrativos de 1836 e 1842 sobre a simplificação e a racionalização de um sistema administrativo, cuja organização territorial assenta daí em dianteessencialmente sobre a existência dos distritos, concelhos e freguesias36. Nesta época, é a pouco e pouco elaborada a noção de «paróquia civil» ou «freguesia» que vem desdobrar ao nível local as circunscrições religiosas37. Chianca parece ter sido muito sensível a essas mutações. Nas primeiras páginas do seu Manual, encontra-se sob a forma de uma nota explicativa o léxico de algumas unidades territoriais e principalmente das divisões administrativas do país: distrito; distrito administrativo ou governo civil; comarca; comarca judiciária; julgado e concelho; freguesia; povoação; círculo eleitoral; divisão militar. Apesar de o seu roteiro ter por objecto específico as duas maiores cidades do país, esta nota indica claramente que o espaço urbano não beneficia de um estatuto específico. As modalidades de identificação, de ordenamento e de classificação são iguais em todo o território. Pela mesma ordem de ideias, existe um plano predefinido para a descrição de cada freguesia, que deixa um lugar importante aos dados sobre as pertenças administrativas, apesar de serem informações repetitivas. Cada descrição inicia-se geralmente com a data da fundação da igreja, a situação geográfica e os limites do território (districto). As informações sobre a pertença administrativa são idênticas em todas as freguesias da capital que fazem parte do «12.º distrito administrativo»38. Para as freguesias do termo, está também indicada a circunscrição eleitoral. É apenas a seguir que vêm algumas anotações sobre a paisagem e a morfologia urbanas (o tipo de ruas), fazendo geralmente referência às consequências do terramoto de 1755, como já referimos. Neste Manual de Chianca, a redacção das entradas do roteiro testemunha esta nova modalidade de identificação do espaço. Para cada «rua ou via» referida está mencionado o nome da «freguesia» onde ela se situa (figura 3).

Figura 2: Transcrição das entradas do Itinerario Lisbonense (1804)

[Ruas de]

Cruz: he a terceira á esquerda, subindo pela Rua dos Poyaes de S. Bento, vindo da Rua de S. Bento, e termina na Rua dos Cardaes de Jesus.

Cruz: he a primeira á esquerda, entrando na Carreira dos Cavallos da parte do Campo de Santa Anna, e termina na Rua de Rilhafolles.

Cruz: he a segunda á esquerda, na Rua da Fabrica da Pólvora, vindo da Ponte de Alcantara, e termina nas Pedreiras de Alcantara.

Cruz: he a primeira á esquerda no fim da Calçada de Santa Apollonia, vindo da Rua da Bica do Çapato, e termina na Rua do Valle de Santo António.

Remedios: principia no Largo do Terreiro do Trigo, e termina na Rua das Portas da Cruz. Remedios: he a quarta á esquerda, entrando pela Rua da Lappa, vindo dos Navegantes, e termina na Rua da Santíssima Trindade

[Campos do]

Santa Clara: fica por detrás da Igreja de S. Vicente de Fora, e onde terminão a Rua do Paraíso. etc.

33­

Figura 3: Transcrição das entradas do Manual Descritivo de Lisboa de Chianca (1845)

[Ruas de]

Cruz: é a terceira á esquerda, subindo pela Rua dos Poyaes de S. Bento, vindo da Rua de S. Bento, e termina na Rua de S. Marçal, pertence ás freg. de Stª Catarina, e N. Srª das Mercês.

Cruz: é a primeira á esquerda, entrando na Carreira dos Cavallos, da parte do Campo de Santa Anna, e termina na Rua de Rilhafolles, pertence á freg. de N. Srª da Pena.

Cruz: é a segunda á esquerda, na Rua da Fabrica da Pólvora, vindo da Ponte de Alcântara, e termina nas Pedreiras de Alcântara, pertence a freg. de S. Pedro em Alcântara.

Cruz: é a primeira á esquerda no fim da Calçada de Santa Apollonia, vindo da Rua da Bica do Çapato, e termina na Rua do Valle de Santo António, pertence á freg. de Santa Engrácia

Remedios: principia no Largo do Terreiro do Trigo, e termina na Rua das Portas da Cruz, pertence á freg, de Santo Estêvão d'Alfama

Remedios: he a quarta á esquerda, entrando pela Rua da Lappa, vindo dos Navegantes, e termina na Rua da Santíssima Trindade, pertence á freg. de N. Senhora da Lapa

[Campos do]

Santa Clara: fica próximo da Igreja de S. Vicente de Fora, onde termina a Rua do Paraíso. etc. Pertence às freg. de S. Vicente e Santa Engrácia

4. Cidade de papel e cidade do quotidiano

  • 39 Ver as reflexões de Jean-Pierre Guilhembet «Entrer en ville : interrogations et perspectives», em F (...)

34A análise dos roteiros da cidade de Lisboa da primeira metade do século XIX conduz a três grandes tipos de observação. Primeiramente, nesta época, as representações do espaço urbano ordenam-se. Na verdade, as cidades foram sempre vistas como espaços e meios sociais ordenados e hierarquizados onde as regras são previsíveis e explícitas39. Seria então mais ajustado falar de um processo de reordenação das descrições do fenómeno urbano. A maior parte das formas urbanas são pouco a pouco reduzidas a um número limitado de categorias, sendo a Rua, a Travessa e o Beco as mais comuns. O esforço de ordenação e de classificação é também perceptível através do afastamento das formas mais singulares ou atípicas. A segunda observação toca a construção de uma imagem geral do espaço urbano como rede de ruas. A cidade unifica-se para responder a necessidades funcionais e em primeiro lugar para facilitar a circulação. Por fim, vimos como as divisões administrativas da cidade acabam por impor uma nova leitura do espaço, complementar em relação à imagem da rede de ruas. Existe aí, de facto, uma evolução clara na redacção dos roteiros ao longo das primeiras décadas do século XIX. A «freguesia», ou seja uma unidade territorial administrativa, permite situar cada via, prédio ou elemento material da cidade. Não se trata de estabelecer uma ligação com uma comunidade inscrita no espaço da cidade (um bairro ou uma paróquia) mas apenas com uma unidade espacial.

  • 40 Françoise Navez-Bouchanine, «Des villes entre fragmentation spatiale et fragmentation sociale: une (...)
  • 41 Sobre este ponto, ver os trabalhos do historiador francês Pierre-Yves Saunier.

35Os roteiros contribuem para a unificação do espaço urbano e para minimizar os inevitáveis efeitos de fragmentação produzidos pela confrontação entre diferentes vivências e referências formais40. Esta unificação responde, sem dúvida, a uma necessidade de instrumentalização do espaço, para facilitar a emergência de novas práticas ou hábitos no meio dos citadinos. Existe aqui todo um campo de estudo para explorar, através de uma análise detalhada da evolução dos modos de apreensão e dos usos sociais da noção de espaço urbano41.

  • 42 Michel de Certeau, L’invention du quotidien… , op. cit., pp. 175-180. Ver também os comentários de (...)

36Esta primeira série de conclusões repousa sobre a análise do contributo dos roteiros para a vida urbana. Mas outras conclusões podem ser retiradas com base nas falhas ou nas imprecisões destes instrumentos. É também nesses limites que os historiadores podem encontrar informações preciosas sobre a evolução dos modos de apreensão do espaço da cidade. Os roteiros não impõem nenhuma regra geral e absoluta para identificar o espaço urbano. Numa outra escala de análise – a do bairro ou da vizinhança – encontrar-se-iam outras lógicas baseadas nas relações interpessoais e na partilha de referências culturais ou sociais. Os roteiros correspondem, na verdade, a um olhar específico sobre a cidade. Trata-se apenas de um tipo de discurso descritivo com um ponto de vista geral, global e com objectivos próprios. Todavia, mesmo limitando-se a esse tipo de discurso, uma análise comparativa destes documentos permite descortinar a diversidade e a descontinuidade, no tempo e no espaço, do fenómeno urbano. Estes primeiros roteiros da cidade de Lisboa não escolhem entre um «espaço subjectivo» e «um inventário de sinais ou de categorias», para retomar uma oposição estabelecida por Michel de Certeau em relação à cartografia urbana42. Pelo contrário, a distinção entre «cidade de papel» e «cidade do quotidiano» não opera sempre da mesma maneira. Sobretudo não se faz através da elaboração de normas ou de modelos descritivos rígidos. Pelo menos durante a primeira metade do século XIX, o leque das referências possíveis continua a ser bastante alargado, cruzando temporalidades ou escalas de representação. A hesitação em apresentar Lisboa através das suas especificidades – uma cidade no plural com os seus sítios e os seus lugares típicos – ou dos seus pontos em comum com as outras grandes cidades – um mesma organização espacial com a sua rede contínua de ruas – deixa entrever as variações na percepção do espaço urbano.

37Nestes roteiros, a cidade continua a ser plural. Apesar da rigidez e da sobriedade dos documentos analisados, parece-me possível entrever aqui a diversidade dos modos de apropriação do espaço urbano. Uma diversidade moldada pelas experiências ou pelos percursos individuais ou colectivos.

Topo da página

Notas

1 Os meus agradecimentos à Graça Índias Cordeiro e ao João Pedro Góis, pelas suas leituras críticas e seus comentários.

2 Ver: Victor de Sá, Lisboa no Liberalismo, Lisboa, Livros Horizonte, 1992, pp. 5-11 e, entre outros, José Pecchio em Cartas de Lisboa 1822, Lisboa, Livros Horizonte, 1990, p. 30

3 Idem. Ver também o testemunho de José Pecchio.

4 Para uma primeira abordagem, embora com outro objecto principal de estudo: Maria Alexandre Lousada, Espaços de Sociabilidade em Lisboa: finais do século XVIII a 1834, Dissertação de doutoramento em Geografia Humana apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1995, 2 vol., 439 págs. + Anexos

5 Bernard Lepetit, Les villes dans la France moderne (1740-1840), Paris, Albin Michel, 1988, p. 74.

6 Alain Faure, «Emprego industrial em Paris e residência operária (1860-1914)», Ler História, n.º 48, 2005, pp. 125-141.

7 Henrik Reeh, «La rue et ses légendes. Polysémies urbaines dans la Plan Taride: Paris par Arrondissement», em Svend Erik Larsen, Annelise Ballegaard Petersen (org.), La Rue. Espace ouvert, Odense University Press, 1997, p. 65.

8 A noção de «território» reencaminha para a ideia de apropriação material e simbólica de um espaço por um grupo social. Ver: Élisabeth Dorier-Apprill (dir.), Vocabulaire de la ville, Editions du Temps, Paris, 2001, pp. 88-89.

9 J. J. Gomes de Brito, Ruas de Lisboa. Notas para a História das Vias Públicas Lisbonenses, Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1935, 3 volumes.

10 Ibid., «Itinerários de Lisboa – Resenha bibliográfica», vol. III.

11 A reedição mais recente é: Cristóvão Rodrigues de Oliveira, Lisboa em 1551. Sumário, Lisboa, Livros Horizonte, 1987, 151 págs. Existe uma reedição de 1938 que contem um prefácio de Augusto Vieira da Silva.

12 Assim, para Augusto Vieira da Silva o livro de Cristóvão Rodrigues de Oliveira é «um dos primeiros ensaios estatísticos que se fizeram [em Portugal], abrangendo não só a modalidade demográfica, como os aspectos industrial, comercial, religioso e de beneficência da cidade de Lisboa», in Augusto Vieira da Silva, «Prefácio», em Cristóvão Rodrigues de Oliveira, Sumário em que Brevemente…, Lisboa, Eds. Biblon, 1938, p. 2.

13 O título exacto do livro é: Itinerário Lisbonense ou Directório Geral de todas as Ruas, Travessas, Becos, calçadas, praças, etc. que se comprehendem no recinto da cidade de Lisboa com os seus próprios nomes, principio e termo, indicados dos lugares mais conhecidos, e geraes, para utilidade, uso e commodidade dos estrangeiros e nacionaes; Lisboa; Impressão Regia, 1804, 142 págs.

14 J. J. Gomes de Brito, op. cit., vol. III, p. 174

15 Regulação para o estabelecimento da Pequena Posta, caixas e portadores de cartas em Lisboa, Lisboa, 1801. Para o Roteiro de 1817, analisei o exemplar conservado no Arquivo da Fundação Portuguesa das Comunicações, no maço: «Documentos relativos ao estabelecimento da posta diária, distribuição domiciliária e apartados (1817-1836)».

16 Este ponto é desenvolvido em Frédéric Vidal, «A rua como lugar de referência. Identificando domicílios em Lisboa no século XIX», em Graça Índias Cordeiro, Frédéric Vidal (org.), O Lugar da Rua (no prelo).

17 João Ignacio Crespeniano Chianca, Manual Descritivo de Lisboa e Porto, Lisboa, Typ. da Viúva Coelho & Comp.ª, 1845, 568 págs.

18 J. Gomes de Brito, op. cit., vol. III, p. 187. Estaríamos aqui na presença de discursos sobra a cidade que emanariam de um grupo de pessoas facilmente identificável: membros da administração dos correios ou militares.

19 Ver: Arquivo da Fundação Portuguesa das Comunicações, «Documentos relativos ao estabelecimento da posta diária, distribuição domiciliária e apartados (1817-1836)».

20 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. V.

21 J. I. Chianca, Manual Descritivo… , op. cit., «Introdução».

22 Pierre-Yves Saunier, «Circulations, connexions et espaces transnationaux», Genèses, n.º 57, 2004, pp. 110-126.

23 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. I.

24 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. V.

25 Marcel Roncayolo, La ville et ses territoires, Paris, Gallimard, 1990, pp. 108-115.

26 Itinerário Lisbonense, «Prologo ao leitor», p. I.

27 Ver: Émile Durkheim e Marcel Mauss, «De quelques formes primitives de classification», Année Sociologique, 6, 1903. Para um estudo experimental em torno deste tipo de taxinomia, mas com um objecto de estudo bastante diferente: Frédéric Vidal, «Factores de diferenciação social em Alcântara no início do século XX: a análise de uma lista de declarações profissionais», Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 45, 2004, pp. 53-70.

28 Henrik Reeh, «La rue et ses légendes..», op. cit., p. 79

29 António Firmino da Costa, «Classificações Sociais», Revista Leituras, n.º 2, 1998, pp. 65-75.

30 Lorenza Mondana, Décrire la ville. La construction des savoirs urbains dans l’interaction et dans le texte, Paris, Anthropos, 2000, pp. 230-233. Ver também: Jack Goody, The domestication of the savage mind, Cambridge University Press, 1977, 179 págs. [tradução portuguesa: Domesticação do pensamento selvagem, Lisboa, Editorial Presença, 1988, 185 págs.].

31 Henrik Reeh, «La rue et ses légendes..», op. cit., pp. 79-80.

32 Sobre a oposição entre «percursos» e «mapas» nas formas de descrição do espaço urbano, ver: Michel de Certeau, L’invention du quotidien. 1. Arts de faire, Paris, Folio, 1994 (1980), pp. 175-176.

33 O novo regulamento elaborado em 1821 prevê 18 distritos.

34 Ver Maria Alexandre Lousada, Espaços de Sociabilidade…, op.cit., pp. 88-89.

35 Em Lisboa, foi apenas em 1855 que o governador civil regulamentou definitivamente o modo de numeração das portas e dos prédios [«Edital de 31 de Dezembro de 1855», Diário do Governo, n.º 4, 4 de Janeiro de 1856].

36 Miriam Halpern Pereira, «Estado e Sociedade: pensamento e Acção Política de Mouzinho da Silveira», em Mouzinho da Silveira, Obras – I. Estudos e Manuscritos 1780-1849, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1989 ; Luís Nuno Espinha Silveira, Território e Poder. Nas Origens do Estado Contemporâneo em Portugal, Cascais, Patrimonia, 1997.

37 Existe uma grande instabilidade semântica ao longo do século XIX, sendo a expressão «paróquia civil» pouco frequente. É apenas com a Primeira República que a palavra «freguesia» acaba por ser reservada à circunscrição administrativa civil (Lei n.º 621 – 23 de Junho de 1916). Ver: Frédéric Vidal, «Freguesia», em Christian Topalov, Jean-Charles Depaule (coord.), Un Trésor des Mots de la Ville, Paris, CNRS (no prelo).

38 A palavra «distrito» pode designar um território (quando aparece no meio de uma descrição) ou uma divisão administrativa.

39 Ver as reflexões de Jean-Pierre Guilhembet «Entrer en ville : interrogations et perspectives», em Françoise Michaud-Fréjaville, Noëlle Dauphin et Jean-Pierre Guilhembet, Entrer en Villes, Rennes, Presses Universitaires de Rennes, 2006, nomeadamente pp. 18-22.

40 Françoise Navez-Bouchanine, «Des villes entre fragmentation spatiale et fragmentation sociale: une approche critique de la notion de fragmentation», em Élisabeth Dorier-Apprill (dir.), Vocabulaire de la ville, Editions du Temps, Paris, 2001, pp. 109-118.

41 Sobre este ponto, ver os trabalhos do historiador francês Pierre-Yves Saunier.

42 Michel de Certeau, L’invention du quotidien… , op. cit., pp. 175-180. Ver também os comentários de Henrik Reeh em «La rue et ses légendes…, op. cit., pp.104-105.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1: Transcrição do índice do Itinerario Lisbonense (1804)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2511/img-1.png
Ficheiros image/png, 45k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Frédéric Vidal, « Ruas e sítios na Lisboa oitocentista. Usos e classificações em quatro roteiros da cidade », Ler História, 52 | 2007, 9-27.

Referência eletrónica

Frédéric Vidal, « Ruas e sítios na Lisboa oitocentista. Usos e classificações em quatro roteiros da cidade », Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 março 2017, consultado no dia 09 dezembro 2019. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2511 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2511

Topo da página

Autor

Frédéric Vidal

CEHCP-ISCTE/FCT

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals