Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio

Professor e historiador

Benedicta Duque Vieira
p. 163-166

Texto integral

1Arriscou a direcção da Ler História pedir-me que coordenasse, neste primeiro número após o falecimento de A. H. de Oliveira Marques, ocorrido a 23 de Janeiro, a secção Espelho de Clio que, na Revista, acolhe os depoimentos de homenagem a historiadores. Não tendo eu trabalhado nas áreas de interesse de A. H. de Oliveira Marques – a Idade Média portuguesa, a I República e a Maçonaria – a razão do convite remete para a circunstância de, desde a preparação da publicação do meu primeiro trabalho de história até recente colaboração no último volume publicado da Nova História de Portugal, a sua presença no meu percurso profissional ter sido uma constante, tal como, sem demasiada pretensão, a inversa ser ainda mais verdadeira: e de ao longo de quarenta anos ter acompanhado de muito perto a sua carreira brilhante mas nem sempre fácil.

2Em Outubro de 1962 cheguei ao curso de História da Faculdade de Letras de Lisboa onde a cadeira de paleografia, leccionada por Oliveira Marques era obrigatória no primeiro ano. Se com mais ou menos talento nos íamos desenvencilhando nas aulas práticas, foram as teóricas, que se transformaram num fascinante programa de História Medieval e do Renascimento e, para a maioria dos alunos deste curso, a única oportunidade de aquilatarem do brilhantismo do mestre. Em breve, um conflito académico insanável iria afastá-lo, até 1974, da Universidade e da função pública. Com efeito, suspenso o concurso para professor extraordinário a que se candidatara e excluído da regência da cadeira de História Medieval sem explicações, Oliveira Marques abandonou, em final de 1964, a Faculdade de Letras. Na semana seguinte, largas dezenas de estudantes participaram num almoço em sua honra, encarregando-se o geógrafo Orlando Ribeiro das palavras de desagravo e de homenagem.

3Tinha já então publicado as suas principais obras sobre o Portugal medievo: A Sociedade Medieval Portuguesa, a tese de licenciatura, Hansa e Portugal na Idade Média, a tese de doutoramento, e a Introdução à História da Agricultura em Portugal: A questão cerealífera durante a Idade Média, a dissertação apresentada para concurso de professor extraordinário. A primeira, publicada em 1959, gozou de popularidade só comparável à dos artigos que entretanto saíam nos fascículos do Dicionário de História de Portugal, dirigido por Joel Serrão. Com Joel Serrão encarregue do período contemporâneo, Jorge Borges de Macedo do moderno e o próprio Oliveira Marques do medieval assinou, além de muitos artigos fundamentais, algumas entradas sobre os mais importantes temas tratados diacronicamente no Dicionário.

4A perda do emprego trouxe-lhe, naturalmente, a necessidade de, em muito curto prazo, encontrar uma alternativa. O seu excepcional domínio de línguas facilitou-lhe os contactos com universidades estrangeiras, perspectivando uma futura saída de Portugal. De qualquer modo, como recurso imediato, por iniciativa de Fernando Castro Brandão, organizou-se em sua casa um curso, pago, para alunos que, nesse ano de 1965, deveriam estar a frequentar na Faculdade a cadeira de História Medieval regida por si.

5Era um pequeno grupo, pouco mais de meia dúzia de estudantes, que uma vez por semana, durante três horas, assistiam a uma exposição fascinante sobre história medieval geral que lhes ficou para a vida. Desafortunadamente, uma vida que foi muito curta para alguns, João Cordeiro Pereira, José Magno, Francisco José Guerreiro, Ana Maria Faro Alves, com carreira universitária apenas iniciada e provavelmente aqueles, de entre nós, de quem a ciência histórica mais podia esperar.

6No final do ano lectivo, em vésperas de deixar o País por quase uma década – primeiro como professor residente, depois principalmente como conferencista – Oliveira Marques acabava também de traduzir para a colecção Rumos do Mundo, dirigida em Portugal por Vitorino Magalhães-Godinho e editada pela Cosmos, a obra de Robert Lopez, O Nascimento da Europa.

7Partiu assim para os Estados Unidos, com permanências mais longas no Alabama e na Florida, e temporadas também na Europa, tendo proferido, em várias universidades, escolas superiores e círculos culturais, conferências que abordaram diversíssimos temas de História de Portugal. Foi também nestes anos que publicou – primeiro em língua inglesa, depois em versão portuguesa, a que se seguiram traduções em francês, japonês, espanhol e polaco – a História de Portugal, o seu mais famoso livro, destinado a um público vasto não especializado. Por seu lado, sua mulher, Fernanda Espinosa, historiadora e autora de manuais escolares muito inovadores, preparou para publicação uma antologia de fontes históricas medievais com a finalidade de servir de apoio aos estudantes de História do ensino liceal.

8Regressaram ao País no início do governo de Marcelo Caetano. Tão à sua maneira, Oliveira Marques, cultivava no regresso um convívio social em atmosfera meio intelectual meio mundana, que juntava pessoas muito distintas e onde sobressaía uma personalidade como Natália Correia. Como plano de trabalho, trazia o projecto de organizar um Grupo de Estudos de História de Portugal no século XX, que não chegou a ser oficializado. Sem encontrar emprego compatível com as suas habilitações, mesmo recorrendo a anúncios na imprensa, conseguiu, no entanto, o estatuto de bolseiro no País, atribuído pelo então ministro da Educação, Veiga Simão.

9Foi por estes anos que despertou para dois novos campos de investigação: a I República (com interesse particular pela figura de Afonso Costa e pelo estudo do Partido Democrático), e a história da Maçonaria, instituição que passou a integrar a partir de 1973. A mesma preocupação com os instrumentos de trabalho do historiador, que já o fizera publicar, nos primeiros anos de assistente na Faculdade de Letras, o Guia do Estudante de História Medieval levou-o agora à publicação do Guia da Primeira República Portuguesa.

10A Revolução de 25 de Abril significou para Oliveira Marques a reentrada na Faculdade de Letras afim de retomar a carreira interrompida mas, a tentativa de grupos estudantis, minoritários mas dominantes, de impedirem a reposição da hierarquia académica, que o seu percurso anterior justificava, inviabilizou o reingresso. Pontualmente fora da universidade, por uma conjugação de vontades – dos funcionários que o apreciavam como leitor diariamente presente e do ministro da Educação e Cultura, Vitorino Magalhães-Godinho – foi nomeado, no final de 1974, director da Biblioteca Nacional de Lisboa.

11Esta passagem por funções de alta administração, que na realidade durou pouco mais de dez meses, veio evidenciar um modo de ser e de estar que se manifestou noutras situações adversas ao longo do ciclo académico, iniciado em 1976 e terminado com a jubilação em 2003, de professor na Universidade Nova de Lisboa. Cordial por temperamento e consciente do seu valor intelectual, reagia retirando-se de campo e refugiava-se no seu trabalho metódico, rigoroso e persistente. Como pano de fundo a muitos outros estudos entretanto apresentados, a co-

12-direcção durante duas décadas de quase duas dezenas de volumes da Nova História de Portugal e da Nova História da Expansão Portuguesa.

13O cômputo da sua obra está feito: mais de 60 volumes de obras de tomo; colaboração com artigos, em revistas, dicionários e enciclopédias ultrapassando o milhar. O índice cronológico da sua bibliografia também: até 1981, nos Estudos de História de Portugal: Homenagem a A. H. de Oliveira Marques e de 1982 a 2003, no livro Na Jubilação Universitária de A. H. de Oliveira Marques. Em 1983, na passagem dos seus 60 anos, João Pedro Ferro realizou um longo diálogo com o professor publicado como A. H. de Oliveira Marques / O Homem e o Historiador/ balanço de seis décadas.

14Nos últimos anos, Oliveira Marques dirigiu o Centro de Estudos Históricos da reitoria da Universidade Nova de Lisboa, um Centro, nos critérios da Fundação para a Ciência e Tecnologia, classificado de excelente. No âmbito dos projectos do Centro teve ainda o gosto de publicar, em co-autoria, o primeiro atlas de história portuguesa e ultramarina. O Atlas Histórico de Portugal e do Ultramar Português, dedicado aos «alunos de ontem e de hoje», foi, certamente, o início do colmatar da falta de mapas para ilustrar tanto análises quanto sínteses, um aspecto que considerava deficitário na historiografia nacional e que ele sempre procurara contrariar.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Benedicta Duque Vieira, « Professor e historiador », Ler História, 52 | 2007, 163-166.

Referência eletrónica

Benedicta Duque Vieira, « Professor e historiador », Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 março 2017, consultado no dia 28 maio 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2558

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals