Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros52Espelho de ClioPerspectiva de um medievalista

Espelho de Clio

Perspectiva de um medievalista

José Mattoso
p. 167-176

Texto integral

1O recente falecimento do meu colega A H. de Oliveira Marques torna imperiosa uma reflexão, ainda que sumária, acerca da sua obra historiográfica, universalmente reconhecida como uma das mais notáveis no panorama português da segunda metade do século XX.

2Qualificado por todos os meios de comunicação como medievalista, foi, na verdade, por meio dos seus estudos em tal período da História que primeiro atraiu as atenções dos meios universitários e continuou a ser conhecido do público em geral. Deve-se notar, no entanto, que publicou também vários trabalhos importantes sobre o século XVI, e que, em termos quantitativos, foram muito mais numerosas as páginas que escreveu sobre a Primeira República e a Maçonaria (entre outras matérias históricas), do que sobre a Idade Média portuguesa. Além disso, foi um incansável editor de documentos e outros escritos de interesse histórico da época contemporânea. Foi, ainda, autor de uma fundamental síntese inicialmente em dois e, depois, em três volumes sobre o conjunto da História de Portugal, bem como o coordenador de uma outra síntese muito mais vasta sobre a mesma matéria, em curso de publicação (estão previstos doze volumes) e que envolveu uma grande quantidade de colaboradores. Foi para esta Nova História de Portugal que escreveu a maior parte de três grossos volumes, um consagrado ao período que vai das invasões germânicas à Reconquista, outro à Baixa Idade Média e outro à Primeira República.

3O rigor, a clareza da escrita e a capacidade de ordenar de forma lógica uma informação muito vasta e diversificada asseguraram-lhe um lugar indiscutível nos meios científicos e um sucesso invejável em termos editoriais. O seu papel como um dos mais decisivos renovadores da historiografia portuguesa é inegável e inteiramente merecido. Mais uma razão para tentar defini-lo com mais precisão e objectividade, e para o situar de um ponto de vista conceptual. É o que tentarei fazer aqui pelo que diz respeito à sua obra medievalística, deixando a outrem a análise dos textos que consagrou ao século XVI e à História Contemporânea.

4Sem esquecer, portanto, tudo o que a Oliveira Marques se deve para outros períodos históricos, podemos dizer que ele foi também, um medievalista, no sentido em que consagrou à época medieval algumas das suas obras mais importantes e mais inovadoras (para a época em que as publicou), tornando-se, assim, para a geração de historiadores que se lhe seguiu uma referência fundamental.

  • 1 1 Não foi, porém, a sua primeira obra. Com 21 anos apenas começou a publicar a História do Selo Pos (...)

5Situa-se, de facto, nesse domínio a sua primeira publicação de tema histórico: Hansa e Portugal na Idade Média (1959)1. Constituiu o texto apresentado às provas de doutoramento na Faculdade de Letras de Lisboa, sob orientação da Prof.ª Virgínia Rau. Preparada, em boa parte, na Alemanha, representava, desde logo, uma inovação no panorama português da época, tanto pela sua preocupação em seguir o ideal germânico da erudição e do rigor discursivo, como pela base documental utilizada, dado que se apoiava em fontes de arquivos não portugueses, e, ainda, por o seu tema se situar na área da história económica, até então quase por completo ignorada pela historiografia nacional.

6Deste último ponto de vista não era, todavia, uma novidade absoluta: Magalhães Godinho tinha já publicado, havia mais de dez anos, a sua História Económica e Social da Expansão Portuguesa. Marrocos (1947). O mesmo Autor também já tinha publicado O Mediterrâneo Saariano e as Caravanas do Ouro (1958), e L’économie de l’empire portugais au XVe et XVIe siècle. L’or et le poivre (1958). Por sua vez, Virgínia Rau também já tinha publicado A Casa dos Contos e A Exploração e o Comércio do Sal em Setúbal, ambos em 1951. Na verdade, a tese de doutoramento de Oliveira Marques, embora constituísse uma importante contribuição para o conhecimento da amplitude e dos circuitos do comércio português no Atlântico Norte e no Báltico, situava-se, prudentemente, numa perspectiva descritiva, abstendo-se de aprofundar o papel que o comércio de iniciativa portuguesa tivera no conjunto do mercado nórdico, a sua articulação estrutural com o mercado mediterrânico e marroquino e a sua evolução desde o princípio do século XV (temas explorados por Magalhães Godinho). Como trabalho de principiante e de docente universitário institucionalmente dependente da hierarquia oficial, não se podia envolver na polémica, então já bastante acesa, com os jovens investigadores seduzidos pelas ideias de Marc Bloch, Lucien Febvre e Fernand Braudel, patrocinados por António Sérgio, e entusiasmados com a incrível capacidade editorial de Magalhães Godinho. Distanciando-se do «arcaico» campo dos apologistas do regime, que só se interessavam por questões como o Repovoamento, as origens da Nacionalidade, a cruzada, a monarquia não feudal ou a vitória da causa nacionalista na «crise» de 1385, aliava-se ao sector dos docentes que pretendiam renovar a História, sem todavia enveredar francamente pelo caminho traçado pela Escola dos Annales, suspeita de contaminações marxistas. Tinha, nessa posição, o apoio de Virgínia Rau, sua principal protagonista. Todavia, não manteve esta posição por muito tempo.

7Com efeito, em 1962 acabava de redigir o texto que apresentou às provas do concurso para professor extraordinário da Faculdade de Letras de Lisboa, intitulado Introdução à História da Agricultura em Portugal. A Questão Cerealífera Durante a Idade Média. A obra foi impressa, mas não propriamente publicada, porque, tendo as provas sido sucessivamente adiadas devido a um processo disciplinar contaminado por razões políticas e ideológicas, foram os seus exemplares destruídos – um episódio desde então muitas vezes invocado, com toda a razão, como intolerável expressão do obscurantismo universitário da época salazarista. Na verdade, em 1964, Oliveira Marques acabou por se demitir do cargo de primeiro assistente da Faculdade de Letras. Assim, a obra só foi verdadeiramente publicada em 1968.

8Entretanto, já liberto dos constrangimentos oficiais, Oliveira Marques publicou A Sociedade Medieval Portuguesa (Aspectos da Vida Quotidiana) (1964), que conquistou imediatamente o público pelas suas invulgares qualidades face ao panorama editorial português de então. Com efeito, aliava uma sólida e variadíssima informação acerca de aspectos até então completamente ignorados da História Nacional (a moda, a casa, as ocupações, a sexualidade, as relações sociais, etc.), com uma apresentação clara, sóbria, rigorosa, objectiva acerca de todos estes temas, e ainda por cima associada a uma documentação gráfica pertinente e expressiva. Era a primeira vez que em Portugal se atribuía uma função documental e não meramente decorativa ao material gráfico. Convém, todavia, não esquecer que se tratava, afinal, de uma remodelação da sua tese de licenciatura apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa em 1956. Mostrava, só por si, que o trabalho erudito do investigador não tinha necessariamente de revestir uma forma intragável para o público em geral. Que havia lugar no plano editorial para uma divulgação cientifica de bom nível, e que o público não especialista também apreciava a informação rigorosa e objectiva. Esta obra mantém ainda hoje todo o seu interesse. Na minha opinião, não foi ainda substituída por nenhuma outra de tema semelhante, tanto do ponto de vista informativo como do ponto de vista do significado histórico da vida quotidiana. Embora possa e deva ser completada por estudos mais aprofundados em vários dos seus capítulos, representa, sobretudo para os séculos XIV e XV, uma excelente introdução ao conhecimento dos costumes medievais portugueses dessa época. O seu interesse para os séculos XII e XIII é menor; todavia, mesmo para esta época continua a ser útil porque as investigações que sobre ela se têm feito reuniram muitos materiais pertinentes, mas falta elaborar a síntese das suas contribuições. Convém também observar que o título é rigorosamente exacto; ou seja, que se trata de uma panorâmica descritiva da sociedade medieval portuguesa, e não de uma investigação de História Social. Não se lhe deve pedir, portanto, que apresente e resolva os grandes problemas da História Social propriamente dita, como seriam os da definição das classes ou dos grupos sociais, das suas relações com o poder, da origem e manutenção dos seus privilégios, etc.

9No entanto, a mais decisiva obra medievalística de Oliveira Marques foi, sem dúvida alguma, a sua Introdução à História da Agricultura em Portugal. Enquanto esperava a oportunidade de a dar a conhecer ao mundo académico, o seu Autor fixou-se desde 1965 nos Estados Unidos, onde permaneceu como docente universitário até 1970. Foi aí que redigiu e publicou em inglês (neste mesmo ano), a primeira edição da sua síntese em dois volumes sobre a História de Portugal, a convite da Imprensa da Universidade de Columbia. Nesta demonstrou duas qualidades raras. A saber: combinar a análise com a síntese, e entrar em linha de conta com movimentos e estruturas de grande amplitude (económicos, sociais e políticos) para a interpretação dos factos e fenómenos históricos de qualquer dimensão. Por outro lado, em relação com a historiografia portuguesa da época, tratou de se distanciar da problemática de carácter ideológico que até então dominava o ensino da História em Portugal. No ensino universitário e secundário, os docentes e investigadores obcecavam-se em torno de problemas tais como as origens da nacionalidade, a defesa da civilização cristã, a precoce autoridade do Estado Português, a permanência do território nacional, a vocação missionária e civilizadora dos Portugueses, a fidelidade ao papado, o papel benéfico e moderado da Inquisição e dos Jesuítas, e outros temas do mesmo género. Procurando não se deixar envolver nas polémicas que até então haviam oposto a historiografia nacionalista à historiografia «decadente» da época liberal (que sustentava posições contrárias), Oliveira Marques procurava expor os factos com objectividade e moderação, mas também, sem utilizar os princípios interpretativos da Escola dos Annales, então no auge do seu prestígio. A linha condutora da exposição continuava a ser a da história política. Não se podia eximir à influência da historiografia anglo-saxónica, que não se deixou nunca, a não ser em certos sectores, dominar pela problemática de origem francesa. Em certos casos, limitava-se a apresentar factos inegáveis; noutros a demonstrar a ausência de investigações aprofundadas de que resultavam afirmações simplistas e unilaterais. Manifestava, assim, uma posição intelectual que nele se tornaria cada vez mais acentuada: evitar as questões de carácter interpretativo e privilegiar a informação completa, vasta e pormenorizada dos factos e dados históricos.

10Voltemos, porém, à Introdução à História da Agricultura. Trata-se, na verdade, de uma obra que ainda hoje conserva todo o seu valor, enquanto estudo exemplar sob vários pontos de vista. Em primeiro lugar, aborda um problema estrutural de carácter económico, mas de que dependem toda a espécie de consequências não só no mesmo plano, mas também no condicionamento de estruturas de outro nível, nomeadamente no campo social e político. Citemos o papel económico dos terratenentes (a Igreja, a nobreza ou a Coroa), dos agentes de distribuição e do abastecimento das cidades, da dependência dos agricultores, das estratégias adoptadas para resolver as crises alimentares, etc., etc.. Em segundo lugar, mostra que, apesar da dificuldade heurística resultante da escassez de documentos quantitativos, de cadastros, de séries extensas, de falta de uniformidade terminológica, e outras dificuldades peculiares da investigação em História Medieval, se pode, apesar de tudo, cruzando as informações e procurando devidamente a documentação pertinente, resolver uma questão que afectava toda a vida nacional. Em terceiro lugar, graças ao tratamento sistemático e devidamente hierarquizado das questões implicadas, ou seja a identificação das características próprias da produção, da distribuição e do consumo de um bem essencial para a vida humana, contribui para o esclarecimento do papel que neles desempenhavam os diversos grupos sociais, conforme as funções e o poder social e político que exerciam. Em quarto lugar, pela diversidade das informações utilizadas: não só as das fontes escritas portuguesas da época, mas também a da história do clima (disciplina nessa altura muito recente, mas que conjugava dados decisivos acerca da datação e geografia das crises alimentares), da história demográfica ou da história das técnicas. E finalmente pela lógica, rigor e clareza da escrita, qualidades de que já falámos, e que nesta obra ressaltam de forma ainda mais evidente, dada a complexidade do tema em causa.

11Em suma, a obra de Oliveira Marques elevava-se a um nível em tudo comparável à dos melhores medievalistas franceses de então, como Marc Bloch ou Georges Duby. Continuando, como sempre, a preferir modelos alemães ou anglo-saxónicos, Oliveira Marques preenchia plenamente os requisitos de uma historiografia moderna, aparecendo como um inesperado e esplêndido fruto nascido num verdadeiro deserto. Era, de facto, a primeira investigação portuguesa em História Rural, a área que revolucionou a medievalística europeia durante o apósguerra. Diga-se, em abono da verdade, que não foram muitos os seus seguidores e que este campo de investigação continua, com algumas excepções, pouco mais do que maninho depois de tão promissora inauguração.

12Não posso deixar aqui de referir, em nota marginal, que ouvi mais do que uma vez Oliveira Marques confessar o esforço que tivera de fazer para levar a cabo a sua obra. Sempre se considerou e foi, na verdade, um citadino; não apreciava a vida do campo, e só por imposição de Virgínia Rau se dedicou a tal tarefa. Com efeito interessava-se muito mais pela história urbana. Por ironia da vida, não produziu nesta área nada de comparável, apesar de não ter nunca deixado de nela investir, à frente de sucessivas equipas de auxiliares, e por meio de discípulos a quem entregou a tarefa de estudar a história de determinadas cidades. Nunca chegou a publicar a sua prometida história da cidade de Lisboa para a qual foi acumulando, ao longo de vários anos, e com a colaboração de muita gente, uma grande quantidade de dados. O que desse objectivo mais se aproximou foi o Atlas das Cidades Medievais Portuguesas, onde coligiu, sob a responsabilidade de vários colaboradores, dados formatados cujo rigor e utilidade informativa, no entanto, são dificilmente controláveis. Por isso, a obra não preencheu as expectativas dos investigadores especializados nem do público em geral.

13Entretanto, em ensaios de curta dimensão, reunidos num volume editado em 1965, Oliveira Marques publicava algumas pequenas obras-primas igualmente decisivas para um conhecimento estrutural da sociedade medieval portuguesa, mostrando o partido que se podia tirar de certas fontes já conhecidas, mas nunca exploradas desse ponto de vista. Referimo-nos ao rol dos besteiros do conto e à sua comparação com o rol do imposto pago pelos tabeliães estabelecido por D. Dinis, para a partir de documentos do mesmo género tirar ilações do âmbito da demografia. Sem sacrificar a conclusões elementares, e acentuando firmemente o limitado alcance das duas deduções, nem por isso deixava de mostrar tudo quanto se podia tirar dessas fontes e de salientar a sua importância para calcular os condicionalismos demográficos do País numa época anterior à Peste Negra. Alinhava, assim, com os autores que nessa época concentravam as suas atenções sobre a relação entre a densidade demográfica, os bens e recursos alimentares produzidos e a capacidade técnica de produção, como elementos estruturais para interpretar as questões fundamentais da História humana. A importância dos documentos utilizados justificava uma publicação rigorosa dos originais e dos inéditos.

14Na mesma colectânea, o Autor dava também a conhecer a sua interpretação da chamada «Pragmática» de 1340, do ponto de vista da História Social. Apresentada pelo rei como um regulamento destinado a refrear os excessos na alimentação e no vestuário, tratava-se, afinal, de um precioso testemunho acerca dos sinais exteriores da repartição social e consequentemente acerca da configuração da sociedade portuguesa nas vésperas da Peste Negra. A intervenção do Rei nesta questão mostrava o papel que ele pretendia exercer na ordenação dessa mesma sociedade.

15Deixando sem nenhum comentário outros estudos publicados na mesma colectânea, queria ainda mencionar o que tem como tema «A Moeda Portuguesa durante a Idade Média». Com efeito, permanece, apesar de ter já meio século de idade, o estudo quase definitivo sobre o mesmo tema. Foram raros os investigadores que se atreveram a tentar renová-lo, e nenhum, que eu saiba, conseguiu contestá-lo. Permanece como uma aquisição segura de um elemento fundamental da história medieval portuguesa.

16Tendo, em obras anteriores a 1965 ou 1968, atingido tal nível, parece lícito perguntar por que motivo se não pode, na minha opinião, dizer o mesmo de outra obra que aparentemente devia não só mantê-lo, mas até superá-lo. Refiro-me ao volume IV da Nova História de Portugal, intitulado Portugal na Crise dos séculos XIV e XV. Não se trata, obviamente, de uma obra menor. Só um especialista já experimentado seria capaz de dominar matéria tão vasta e de, sobre ela, apresentar uma síntese tão completa, diversificada e rigorosa como a que de facto Oliveira Marques escreveu. A quantidade de dados que fornece acerca de toda a espécie de factos e questões, e a cobertura sistemática de todos os aspectos imagináveis, fazem dela um precioso instrumento de trabalho. Mas é justamente o seu carácter quase enciclopédico que, a meu ver, a prejudica. O leitor não chega a perceber quais foram os problemas fundamentais da sociedade portuguesa neste período de dois séculos, afinal tão decisivo, tão brilhante e tão agitado da nossa História. Não lhe são dados elementos suficientes para ter uma ideia acerca, por exemplo, dos motivos que tornaram Portugal a primeira nação europeia a desencadear o movimento da expansão marítima e continental; não encontra explicações suficientes para perceber o que a sociedade portuguesa teria de comum ou de diferente em relação ao resto da Península e ao resto da Europa; não vislumbra nenhuma relevância especial da vida religiosa portuguesa, das suas tentativas de reforma, nem da importância social e cultural que ela exerceu na época das contestações da autoridade eclesiástica e da disciplina monástica; não lhe é dado nenhum elemento válido para compreender a diferença entre a nobreza desta época e a dos séculos anteriores, para avaliar a sua relação com a monarquia ou para conhecer a sua ideologia. Todavia, encontra aí informações detalhadas e completas, por exemplo, acerca dos têxteis mais importados por Portugal, das percentagens de compras de jóias e chapéus em relação com armas e munições feitas pelo feitor português na Flandres em 1441, 1443 e 1471, encontra uma relação nominal completa de todos os castelos referidos na documentação portuguesa do século XIV e não falta uma descrição sumária das pinturas que ornamentavam as salas de aula da Universidade de Lisboa em 1431. E assim sucessivamente.

  • 2 Cit. por J. M. Amado Mendes, «A renovação da Historiografia Portuguesa», in L. R. Torgal, J. M. Ama (...)

17A última obra medievalística de Oliveira Marques representa bem, na verdade, uma tendência que nele existira desde sempre, mas se atenuara na década de 1960, e que se pode considerar o resultado de uma concepção neo-positivista da História. Cada vez mais avesso à história interpretativa, desiludido pelo contributo que as Ciências Sociais e em particular a Sociologia podiam dar à História, concebia-a, fundamentalmente, como um estabelecimento rigoroso e tão vasto quanto possível de dados e de factos datados e situados no espaço. Já na sua História de Portugal assumia esta posição para justificar a «fuga quase sistemática aos grandes voos interpretativos, às sínteses globais»2. A informação detalhada sobre factos e dados e o seu agrupamento por temas segundo uma ordem lógica aparece como um verdadeiro e vastíssimo ficheiro bem classificado, mas revela uma concepção estática do período considerado. No seu prefácio, Oliveira Marques explica a sua opção de privilegiar as estruturas sobre a conjuntura (note-se bem o substantivo singular – em 200 anos não há, para ele, uma sucessão de conjunturas, mas uma só); por isso a reduz a umas escassas 10% das páginas que lhe consagra no conjunto de toda a obra. Aquilo a que chama «conjuntura», porém, é, aqui, simplesmente, a história política Não adere, portanto, à já nessa altura crescente afirmação da historiografia anglo-saxónica, para a qual a História política constitui o elemento condutor da narrativa e que melhor permite explicar os acontecimentos. Por outro lado, embora se proponha descrever as «estruturas», também não adere à História Económica e Social francesa, uma vez que não tenta explicar a relação que os factos económicos tiveram com os sociais, políticos ou culturais e vice-versa. Nestas condições, convém esclarecer que o título dado à sua Nova História de Portugal não significa uma adesão ao que a terceira geração da historiografia francesa do após-guerra chamou a Nouvelle Histoire, mas o propósito de escrever uma História diferente. Não conseguiu defini-la conceptualmente, mas pode-se considerar como neo-positivista.

18Resta-me falar de outra obra fundamental de Oliveira Marques, o Guia do Estudante de História Medieval Portuguesa, publicado pela primeira vez em 1964, e que teve mais duas edições, uma em 1979 e outra em 1988, ambas ampliadas e melhoradas. Trata-se, na verdade, de uma preciosa contribuição, cujos méritos e influência nunca será demais acentuar, não só devido à sua utilidade prática para qualquer investigador na mesma área, mas também pelo facto de não existirem em Portugal outros textos congéneres, a não ser outro Guia análogo consagrado pelo próprio Oliveira Marques à História da Primeira República portuguesa. Trata-se, com efeito, de um verdadeiro modelo no género. Fornecendo uma bibliografia completíssima de obras e artigos de revista devidamente classificados por temas, assim como informações precisas acerca dos fundos arquivísticos disponíveis em todos os depósitos do País, mostrando que assuntos foram mais estudados, apontando matérias pouco exploradas, e até fazendo propostas de temas a esclarecer e dando conselhos breves mas muito pertinentes acerca da apresentação de resultados, este excelente Guia tem constituído um precioso auxiliar para todos aqueles que se sentem atraídos pela investigação medieval, em especial os alunos de mestrados da mesma área. É impossível medir a sua influência sobre a renovação da historiografia medieval portuguesa desde a década de 60 até hoje. Mas foi, sem dúvida, uma das obras que mais contribuiu para tornar a história medieval portuguesa das últimas décadas como uma das de melhor nível científico no panorama da cultura universitária europeia.

19Resta-me acrescentar que o facto de, pessoalmente, seguir uma orientação conceptual e metodológica diferente, não me impediu nunca, nem me impede hoje de reconhecer o que devo às melhores obras do meu antigo colega do liceu e companheiro de tarefas universitárias. Talvez algum comentador apressado caia na tentação de nos classificar, a mim e a ele, como adversários um do outro. Podemos ter tido as nossas divergências noutros campos. No da investigação, porém, creio que os nossos estudos não foram nem são opostos, mas apenas complementares. Tenho o maior respeito por tudo o que este incansável investigador escreveu, considero um privilégio ter beneficiado dos seus trabalhos e ter também participado com ele na estruturação da Faculdade em que ele trabalhou com todo o empenho.

Topo da página

Notas

1 1 Não foi, porém, a sua primeira obra. Com 21 anos apenas começou a publicar a História do Selo Postal Português, de que sairiam três volumes entre 1954 e 1958. Nas listas das «principais obras do Autor», que costumava incluir nos seus livros, nunca deixou de a referir como a sua obra inaugural.

2 Cit. por J. M. Amado Mendes, «A renovação da Historiografia Portuguesa», in L. R. Torgal, J. M. Amado Mendes e F. Catroga, História da História em Portugal, Lisboa, Círculo de Leitores, 1996, p. 321.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Mattoso, «Perspectiva de um medievalista»Ler História, 52 | 2007, 167-176.

Referência eletrónica

José Mattoso, «Perspectiva de um medievalista»Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 março 2017, consultado no dia 23 janeiro 2022. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2560; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2560

Topo da página

Autor

José Mattoso

FCSH/UNL

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search