Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros52Espelho de ClioMemória de um adolescente dos ano...

Espelho de Clio

Memória de um adolescente dos anos 70

Bernardo Vasconcelos e Sousa
p. 181-183

Texto integral

1Naquele ano de 1973 o «livro único» para o sétimo ano dos liceus não constituía propriamente um grande estímulo, do ponto de vista intelectual. A matéria de história de Portugal era aí tratada na sua versão oficial, objecto de manipulação ideológica «ao serviço da Fé e do Império». O seu autor era o mesmo de um não menos célebre manual de Organização Política e Administrativa da Nação, disciplina obrigatória nos 6.º e 7.º anos dos liceus, espécie de vulgata do Estado Novo para ser servida a jovens adolescentes pré-universitários e consumida com regularidade. Mas havia um ressaibo enjoativo naquele «remédio», qualquer coisa a saber ao óleo de fígado de bacalhau que a minha geração tinha ingerido à força e desde a mais tenra infância, para «abrir o apetite»...

2Curiosamente, entre os alunos das turmas de História daqueles dois últimos anos no Liceu Padre António Vieira havia, até, quem gostasse da disciplina (não dos conteúdos «oficiais»...). Era o caso dos então jovens liceais Miguel Teotónio Pereira, Francisco Louçã, João Zilhão, Pedro Tavares de Almeida e muitos outros, entre os quais o autor destas linhas. E não era nada fácil ser professor de História desta gente... Aliás, entre os docentes havia, naquele ano e naquele lugar, nomes como o de José Magno (que viria a falecer no início da década de oitenta, já então docente da Universidade Nova de Lisboa) ou o de João Bonifácio Serra. Recorrendo a um certo tom da época, digamos que se verificava uma insanável contradição entre o desenvolvimento do gosto pela História nos jovens liceais e a estagnação de uma historiografia oficial, de carácter apologético e manipulatório. O destino do livro único, de compra obrigatória, era invariavelmente o mesmo: não saía da prateleira, do primeiro até ao último dia de aulas!

3Os que tinham maior gosto e curiosidade procuravam fontes de informação e de interpretação alternativas ao discurso historiográfico oficial que, naquele liceu, já ninguém aceitava declinar. E foi neste quadro que se revelou a recém-publicada História de Portugal, de A. H. de Oliveira Marques, que saíra em 1972, para logo em Março do ano seguinte conhecer uma segunda edição. A dedicatória a António José Saraiva e a Vitorino Magalhães Godinho mostrava, claramente, quais eram as referências historiográficas do Autor. O primeiro volume dos dois que então compunham a obra não deixava dúvidas: a abordagem não événementielle, a perspectiva crítica e não apologética sobre a origem e a consolidação de Portugal como unidade política autónoma, a afirmação directa e inequívoca sobre a existência de feudalismo no extremo ocidental da Península Ibérica, a análise despojada de considerandos ideológicos acerca do Império Português (sim, o Império), tudo contribuía para que aquele livro, aquela história de Portugal se tornasse numa espécie de vade mecum dos que queriam uma outra visão da história e que ali a encontravam.

4A obra foi, assim, um enorme sucesso, tornando-se, para muitos de nós, alunos, o «novo livro único» para a disciplina de História do então 7.º ano. O primeiro volume, comprei-o na velha Barata da Avenida de Roma, onde não cabiam mais de quatro ou cinco pessoas ao mesmo tempo. O segundo volume ser-me-ia oferecido pelo meu professor de Latim, José de Almeida Moura, poucos dias após uma amigável discussão sobre a história que era preciso passar a escrever...

5Devorei os livros, emprestei-os a quem os não tinha, passados de mão em mão, quase como arma de arremesso contra a visão oficial e autoritária da História. Não conhecia – e durante muito tempo mais não conheceria – pessoalmente o seu Autor. Mas Oliveira Marques e a sua História de Portugal foram para mim, naquela altura, a demonstração de que era possível, necessário e mesmo urgente aprender e fazer uma outra história. Começava, de facto, aí a germinar na minha cabeça a hipótese de deixar cair o Direito e a Filosofia e de me vir a inscrever no Curso de História da Faculdade de Letras. Estávamos em Fevereiro ou Março de 1974. Um mês depois a história mudava mesmo e, se era preciso escolher um curso, já não me restavam dúvidas de que seria o de História. Não tendo sido, de todo, a causa única, A. H. de Oliveira Marques e a sua História de Portugal estiveram também, sem dúvida, na origem daquela minha opção. A história voltou a mudar – é, de resto, da sua natureza – mas nem por isso me arrependi alguma vez dessa longínqua escolha, feita há já mais de trinta anos. Numa época em que, na vida e na história, ainda tudo parecia possível.

6A partir de 1975, na Faculdade de Letras de Lisboa, alargaria e aprofundaria o meu conhecimento da obra de Oliveira Marques, sobretudo a referente à Idade Média. A Sociedade Medieval Portuguesa. Aspectos de Vida Quotidiana, o Guia do Estudante de História Medieval Portuguesa (que procurara e encontrara, ainda antes de 1974, na primeira edição) e, sobretudo, a Introdução à História da Agricultura em Portugal. A Questão Cerealífera durante a Idade Média (na sua 3.ª edição, de 1978), a par dos muitos artigos do Dicionário de História de Portugal dirigido por Joel Serrão, foram trabalhos decisivamente marcantes para reforçar a ideia criada pela História de Portugal e, também, para me «desviar» do período contemporâneo para a época medieval. Mais tarde, a reedição dos Ensaios de História Medieval Portuguesa, em 1980, tornaria acessível um conjunto de estudos diversos que valiam cada um por si, mas que valiam também pela coerência do todo, desde a história económica até ao tratamento de aspectos demográficos, da abordagem de elementos da vida quotidiana até ao estudo do comércio externo e à evolução da moeda no período medievo. Pela sua originalidade e pelo seu rigor, pela «ousadia» dos temas e pela sua problemática, os Ensaios davam bem a nota sobre o que era preciso fazer para a afirmação de «uma outra Idade Média».

7Para quem, como eu, dava os primeiros passos no seu interesse pela história medieval, Oliveira Marques constituía, naqueles anos 70, uma referência fundamental e incontornável para a renovação da historiografia portuguesa. Sem que ele tenha sabido, e muito antes de o conhecer pessoalmente, Oliveira Marques teve, para mim, um papel decisivo; primeiro, na opção que fiz pelo curso de História e, depois, no gosto que vim a adquirir pela época medieval.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Bernardo Vasconcelos e Sousa, « Memória de um adolescente dos anos 70 »Ler História, 52 | 2007, 181-183.

Referência eletrónica

Bernardo Vasconcelos e Sousa, « Memória de um adolescente dos anos 70 »Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 março 2017, consultado no dia 29 outubro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2564; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2564

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search