Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros52RecensõesRodrigues, Luís Nuno (coord.), Re...

Recensões

Rodrigues, Luís Nuno (coord.), Regimes e Império: As Relações Luso-Americanas no século XX

Lisboa, FLAD, 2006
Ana Mónica Fonseca
p. 224-228
Referência(s):

RODRIGUES, Luís Nuno (coord.), Regimes e Império: As Relações Luso-Americanas no século XX, Lisboa, FLAD, 2006.

Texto integral

1Este volume, resultado da compilação de algumas apresentações da I Conferência Internacional organizada pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) e pelo IPRI-UNL (Instituto Português de Relações Internacionais – Universidade Nova de Lisboa) em Outubro de 2003, representa um excelente ponto de partida para todos os que se interessem pela história das relações entre Portugal e os Estados Unidos, no conturbado século XX.

2O livro está organizado em duas partes, a primeira dando um panorama histórico e a segunda debruçando-se em dois artigos sobre o caso da descolonização angolana e pelo interessante testemunho do Embaixador António Monteiro, conhecedor profundo da realidade angolana e que acompanhou o conflito desde 1975.

3O primeiro capítulo, da autoria de José Medeiros Ferreira, debruça-se sobre os dois conflitos mundiais. Estes momentos cruciais da primeira metade do século XX são ilustrativos da importância que o arquipélago dos Açores viria a ganhar para as relações luso-americanas. Porém, nestes anos iniciais vê-se claramente o peso que a aliança com Inglaterra tinha para o governo português, quer durante a I República, quer já depois com o Estado Novo no poder. O triângulo Lisboa-Londres-Washington foi, até meados da década de 1940, o cenário em que as relações luso-americanas se enquadraram.

4A partir de 1949, um outro contexto multilateral se impôs. A Aliança Atlântica tornou-se o veículo das relações entre Portugal e a superpotência, tal como o historiador António José Telo demonstra no segundo capítulo deste livro. A participação de Portugal na NATO, como membro fundador, está relacionada com a importância estratégica dos Açores, agora no contexto da Guerra-fria. A inserção de Portugal no sistema defensivo ocidental teve uma série de consequências para o Estado Novo, claramente definidas pelo autor: a primeira será a modernização das Forças Armadas portuguesas, quer do ponto de vista do equipamento, que seria posteriormente canalizado para África, mas igualmente das mentalidades (o autor defende a criação de uma «Geração NATO», que terá tido particular influência nos momentos de crítica ao regime de Salazar, como por exemplo, os casos de Humberto Delgado, Botelho Moniz, ou mesmo Costa Gomes). Por outro lado, e intimamente ligado à importância do Império Ultramarino para o regime português, a participação portuguesa na NATO permitiu a Portugal o recurso a alianças alternativas, quando as relações luso-americanas começaram a deteriorar-se. É o que Telo chama de «inversão de alianças» ao referir-se à aproximação do Estado Novo à República Federal da Alemanha e à França.

5Por fim, quando o conflito angolano eclode, em 1961, as relações com os Estados Unidos atravessavam a sua pior crise. A participação portuguesa na NATO chegou a ser posta em causa pelo próprio governo português, ao mesmo tempo que usava a renovação do Acordo das Lajes como forma de pressão sobre o recém-eleito John F. Kennedy.

6A política colonial portuguesa foi, sem dúvida, a principal razão para as crescentes dificuldades sentidas nas relações luso-americanas ao longo da década de 1960. No seu texto, Luís Nuno Rodrigues analisa um dos planos que foram apresentados ao governo português pelos EUA. O Plano Anderson, de 1965, propunha uma descolonização gradual e faseada, ao longo de um período de dez anos, com o total apoio e até participação do governo americano. O governo português recusou tal proposta, o embaixador americano foi substituído e os anos que se seguiram marcaram em definitivo a viragem da política americana relativamente a Portugal. Na verdade, já nos anos da administração de Richard Nixon, as pressões para a descolonização portuguesa tornaram-se quase inexistentes, sendo que os americanos passaram a compreender a presença portuguesa em África como algo de duradouro.

7O capítulo de Tiago Moreira de Sá, sobre os EUA e a transição democrática portuguesa, parte exactamente deste pressuposto: a má avaliação por parte dos americanos relativamente à situação portuguesa, quer interna, quer nas colónias, fez com que fossem apanhados de surpresa com o golpe de 25 de Abril de 1974. Neste artigo, versão resumida da sua tese de doutoramento, o autor descreve a evolução da postura dos EUA relativamente aos acontecimentos em Portugal, as suas hesitações e o importante contexto internacional em que a Revolução Portuguesa ocorreu.

8A concluir esta parte, está o capítulo da autoria de Nuno Severiano Teixeira, em que faz um balanço das linhas de força da política externa portuguesa. Percebemos assim os vectores que sempre guiaram Portugal na sua inserção no contexto internacional: a importância do Atlântico tendo como consequência o afastamento do Continente (devido à pressão da Espanha, mas também da Europa). Estes princípios tornaram assim indispensável a Portugal a aliança com a potência atlântica – primeiro a Inglaterra, depois os EUA –, a manutenção do Império Colonial como fonte de riquezas e a diversificação de alianças extra-peninsulares, para alem das boas relações com Espanha. Estas são as linhas de força da política externa do Estado Novo. A novidade trazida pela democracia portuguesa é a conjugação do vector atlântico e europeu pela primeira vez. De facto, assiste-se a um esforço português para se inserir nas Comunidades Europeias, ao mesmo tempo que procura ter relações privilegiadas com as ex-colónias, mantendo o seu carácter de país atlântico. Indo mais longe, Severiano Teixeira salienta a nova estratégia portuguesa: reforçar o seu carácter de país atlântico, com relações próximas do Brasil e dos países africanos junto dos seus parceiros europeus, e estabelecer-se como o interlocutor preferencial quer dos PALOPs, quer do Brasil, para uma aproximação destes à Europa.

9É este o conteúdo da primeira parte desta obra. Ao longo destes cinco textos o leitor tem a oportunidade de avaliar a evolução das relações luso-americanas durante o século XX. Assim salta à vista a importância estratégica de Portugal e dos Açores, como fio condutor da aproximação entre Portugal e os EUA, desde a I Guerra Mundial até ao deflagrar das Guerras Coloniais, em 1961. À medida que o ambiente da Guerra-fria se vai desanuviando e o status quo se vai instalando no mundo bipolar, os conflitos coloniais portugueses deixam de merecer as preocupações dos governantes americanos. Porém em 1974, na sequência do golpe de 25 de Abril, uma nova fase irá surgir, com a descolonização de Angola e Moçambique. É precisamente a descolonização de Angola que ocupa as atenções dos textos da segunda parte da obra, intitulada «Os Estados Unidos, a descolonização portuguesa e a questão de Angola».

10O primeiro capítulo desta segunda parte é da responsabilidade de Fernando Andersen Guimarães. Aqui o autor delineia o acompanhamento feito pelos Estados Unidos à questão de Angola, explicando muito bem a evolução e o acompanhamento das relações privilegiadas com o FNLA, que mais tarde viria a sair derrotado na Guerra Civil. Um dos aspectos mais interessantes neste texto é a contextualização internacional das opções políticas das sucessivas administrações americanas para Angola, nomeadamente no que diz respeito à rivalidade com a URSS, e o modo como os próprios movimentos independentistas souberam jogar com essa rivalidade para obterem o máximo apoio possível.

11O segundo texto, «Os Estados Unidos e a Descolonização Portuguesa, 1974-1976», de Kenneth Maxwell, começa por analisar o panorama geral das relações luso-americanas no que toca ao problema da descolonização. Ou seja, partindo do período em que os «ventos da história» se fizeram sentir, no final da década de 1940, o autor descreve a evolução da pressão descolonizadora americana, não só em Angola mas em todo o Império africano português. mas o caso da descolonização de Angola é, sem dúvida, paradigmático do ponto de vista da participação americana e, por isso, recebe do autor maior atenção. Assim, todo o processo das diferentes intervenções externas no conflito angolano, nomeadamente da parte de Cuba e África do Sul, é analisado por Maxwell, que faz assim um excelente balanço do impacto regional da guerra civil angolana.

12Por fim, esta segunda parte termina com o testemunho do Embaixador António Monteiro, profundo conhecedor da realidade angolana e que viveu de perto o processo de descolonização e de guerra civil em Angola. É um testemunho fundamental para a compreensão dos acontecimentos e da postura portuguesa durante os cerca de 30 anos que o conflito angolano se arrastou.

13Este livro, pelas suas características, é um óptimo instrumento para aqueles que desejem saber mais sobre as relações luso-americanas no século Pode não ser exaustivo – nem se pedia que fosse, pois não é esse o seu propósito – mas por todas as questões que levanta e por todos os temas que abarca, é sem dúvida um magnífico ponto de partida.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Mónica Fonseca, «Rodrigues, Luís Nuno (coord.), Regimes e Império: As Relações Luso-Americanas no século XX»Ler História, 52 | 2007, 224-228.

Referência eletrónica

Ana Mónica Fonseca, «Rodrigues, Luís Nuno (coord.), Regimes e Império: As Relações Luso-Americanas no século XX»Ler História [Online], 52 | 2007, posto online no dia 20 março 2017, consultado no dia 02 dezembro 2021. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2574; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2574

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search