Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros51EstudosVentres urbanos – Cidades e sanit...

Estudos

Ventres urbanos – Cidades e sanitarismo

Ventres urbains – Villes et politiques sanitaires
«Ventres urbanos» – Cities and sanitary discourse
Eliana Almeida de Souza Rezende
p. 135-164

Resumos

Este artigo parte da análise de duas colecções de fotografias consideradas como conjuntos documentais que estão interseccionadas interseccionadas por temáticas que se interpenetram. Analisa a produção fotográfica de dois fotógrafos em duas cidades: São Paulo e Lisboa e possui como eixo de análise o discurso sanitário.

Topo da página

Notas da redacção

Esse artigo é versão modificada e parte da tese de doutoramento intitulada «Imagens de cidade: clichês em foco... São Paulo e Lisboa (1900-1928)», apresentada ao Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas (IFCH/UNICAMP) em 2002, sob a orientação da Prof.ª Doutora Maria Stella Martins Bresciani.

Texto integral

1O trabalho aqui desenvolvido parte da análise de duas colecções de fotografias consideradas como conjuntos documentais que estão interseccionados por temáticas que se interpenetram e que poderiam ser assim caracterizadas.

2O primeiro conjunto de imagens refere-se à produção amadora do dr. Geraldo Horácio de Paula Souza, médico sanitarista que actuou na área da saúde nos primeiros anos do século XX na cidade de São Paulo. A colecção é composta por 153 imagens produzidas entre as décadas de 1910 e 1920 e estão localizadas na biblioteca de Arquitectura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP). O autor frequentou a Faculdade de Medicina no Rio de Janeiro, formando-se em 1913. O ano de 1914 vê-o ingressar academicamente como assistente da cadeira de Química da recém-criada Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo. Entre os anos de 1918 e 1920, Paula Souza vai como bolseiro da Fundação Rockefeller para a recém-criada Escola de Higiene e Saúde Pública na Universidade de Baltimore.

3Parece ser exactamente deste período a aproximação de Paula Souza com a fotografia e que rapidamente se incorpora às suas actividades como médico-sanitarista. A utilização da fotografia pela medicina e pela justiça com fins de identificação e/ou documentação foi uma constante desde a sua invenção e conseguiu no decorrer do século XIX e XX ampla divulgação. Os registros fotográficos eram utilizados como apontamentos de expedições sanitárias e incorporação de relatórios de viagem. As imagens eram tomadas pelo que mostravam e eram tidas como meio eficaz de retratar aquilo que era visto. Eram consideradas como radiografias das patologias sociais.

4Utilizada desta forma, a fotografia servia aos interesses da medicina como instrumento de dissecação do tecido social, fragmentando e oferecendo ao olhar especialista elementos para análise, com um referencial vindo do século XIX, ou seja, a imagem tomada pelos seus utilizadores como sendo possuidora de um «estatuto de veracidade» e portanto, podendo ser utilizada como «prova».

5O segundo conjunto documental foi localizado no Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa por ocasião de um estágio realizado na área de conservação e preservação de colecções de fotografias, e no acervo do Arquivo de Fotografia de Lisboa do Centro Português de Fotografia. Joshua Benoliel foi escolhido pelos temas que envolviam a cidade, presentes na sua produção concentrada entre os anos 1906 e 1918, quando fornecia inúmeros para a Ilustração Portugueza e para o jornal O Século. Benoliel introduz na imprensa portuguesa uma forma diferente de fazer reportagens: o fotojornalismo. Nesta, a fotografia não era mero acessório na construção da matéria jornalística, na realidade, estava nas mãos do fotógrafo transformar imagens em texto. Definida a pauta, o repórter fotográfico saia a campo e fazia da sua câmara a pena, a imagem era o seu texto.

Colecções e seus produtores – organização e trabalho com as fontes

6As imagens não foram escolhidas meramente pela sua qualidade técnica ou pelo seu valor estético, mas sim em função das temáticas trazidas e que poderiam ser tomadas como forma de aproximação aos problemas das cidades analisadas. Este foi um dos critérios que nortearam a definição e o recorte dos conjuntos de imagens a serem trabalhados.

7Detectada a origem e a forma de produção destes fotógrafos, o segundo momento de pesquisa foi procurar a «intimidade» com os temas trazidos pelas imagens. Detectá-los e trazê-los à tona começou a fornecer uma dinâmica de trabalho que consistiu na busca de constâncias e/ou permanências no interior das colecções e entre os diferentes conjuntos documentais. A partir daí iniciou-se um diálogo entre os registros procurando fazer aproximações e distanciamentos entre as fotografias no interior de cada colecção, para numa etapa posterior cruzar as imagens de cidade entre as diferentes colecções. Foi o momento em que se procurou alinhavar os temas anteriormente soltos em cada colecção transformando-os numa única costura, sendo a cidade o tecido e os personagens urbanos as tramas deste. O fio para a tessitura destas tramas foi descoberto mais tarde a partir da maior familiaridade com as imagens e seus temas. Era necessário encontrar um eixo comum que permitisse o diálogo e o trânsito entre as diferentes colecções.

8Trazido pelo contacto com as imagens e tomado como porta de entrada, o eixo de análise do discurso sanitarista possibilitou ver com maior clareza os temas propostos para abordar a cidade e compreender a produção das imagens nas diferentes colecções.

9As fotografias começaram a fornecer através de suas temáticas «janelas» que possibilitavam olhares sobre a cidade. O cruzamento das temáticas e, em muitos casos, a sua constância levou à investigação dos motivos pelos quais cada um dos fotógrafos se ocupava destes temas e rapidamente se notou que, na realidade, não eram apenas temáticas destes fotógrafos em especial, mas eram temas de todos os que viviam a urbanidade e metropolização dos espaços sociais. Trazido pelo contacto com as imagens e tomado como porta de entrada, o eixo de análise do discurso sanitarista possibilitou ver com maior clareza os temas propostos para abordar a cidade e compreender a produção das imagens nas diferentes colecções.

10Acreditando que nos fins do século XIX e princípios do XX o pensamento higienista informava as concepções sobre o corpo físico e social e interferia sobremaneira nas diferentes abordagens do espaço urbano influenciando práticas, reflexões e intervenções nas cidades do mundo ocidental, este trabalho tem como um dos eixos de análise as reflexões colocadas pelo sanitarismo e a medicina social. Isto porque é este o momento onde a cidade passa a ser objecto e agente da principal questão colocada pelas transformações daquele período histórico: a questão social. O sanitarismo, neste sentido, passa a emprestar às reflexões sobre o espaço urbano repertório: termos como higiene, circulação, habitação, desinfecções, circulação, miasmas, esgotos, começam a ser recorrentes. Neste sentido, o discurso sanitário desdobra-se em sequências que tecem as tramas discursivas em torno da cidade e oferecem diferentes imagens da cidade e seus problemas. É ele que estará informando e alimentando diferentes concepções do que vem a ser problema social e, portanto, alvo de críticas e/ou denúncias via imagem fotográfica.

11O trabalho aqui apresentado não pretende ser nem a soma das diferentes imagens, nem a segmentação das mesmas por agência produtora, mas, antes de tudo, pretende ser um discurso sobre a cidade, onde cada imagem dialoga com as demais produzidas sobre o mesmo tema. O eixo de construção deste diálogo entre as diferentes imagens está no discurso sanitário e pretende contribuir com um dos muitos olhares possíveis sobre a cidade.

Ventres urbanos e os seus envenenadores

12Para Paula Souza, a preocupação com a circulação no interior das cidades, acaba por ser tónica dominante na sua produção fotográfica e detém-se demoradamente sobre o transporte de géneros alimentícios, em especial os de produtos como verduras, leite, carnes, etc. Não apenas se registram fotograficamente os meios de transporte de alimentos perecíveis, como também os utilizados para o transporte de doentes e defuntos. Talvez por ser, segundo a sua visão, que seria através destas vias que a saúde e a doença circulariam e proliferariam, cabendo às autoridades competentes o exame e o monitoramento das formas pelas quais tal transporte se dava.

13Notem-se as imagens sobre os carros utilizados no transporte de leite (figura 1).

Figura 1

Figura 1

Foto n. 43 – Transporte de leite (Colecção Paula Souza)

14As imagens produzidas revelam uma preocupação em documentar os meios existentes desse tipo de transporte e verificar se todas as normas prescritas para sua a utilização estavam a ser cumpridas, entre elas a especificação de se manter os nomes dos seus produtores com letras bem legíveis. O regulamento para o comércio de leite era claro neste sentido:

  • 1 Acto n.º 2602, de 12/12/1925. Colecção dos Actos e Decretos do Município.

«Art. 35.º – Os vehiculos utilizados no transporte e distribuição do leite, bem assim os frascos e respectivos fechos e vasilhas destinadas ao leite, deverão trazer, em caracteres bem legiveis, a firma ou emblema da usina a que pertençam.»»1

15Assim, todos os meios de transporte eram cuidadosamente registrados (figuravam aí carroças, bondes, automóveis em geral, trens, etc.), além do cuidado especial em registar os processos de saneamento e abastecimento das águas para São Paulo, focando-se as necessidades, limitações e efectivas conquistas nesta área. A lei, neste sentido, criava mecanismos que garantiam de alguma forma maior controlo sobre doenças transmissíveis através de alimentos como o leite e, em alguns momentos, criava situações que não chegamos a saber se realmente eram cumpridas pelos produtores em geral. Uma destas refere-se à identificação de gado bovino por fotografia, e aos casos de contaminação sacrifício dos mesmos:

  • 2 Projecto n.º 32, de 1924. Colecção Actos e Decretos do Municipio.

«Art. 34.º - Ficam creados, em cada um dos quatro pontos cardeaes da cidade, hospitais veterinários para o exame e identificação das vaccas de leite destinado ao consumo do municipio.
Art. 35.º - Todas as vaccas leiteiras, já existentes e bem assim que derem entrada no municipio, serão examinadas e identificadas(...)
Art. 36.º – Feito o exame e identificação(...) fornecerá o veterinário do hospital respectivo aos seus proprietarios a caderneta de identidade da vacca, com indicação de todos os seus característicos, n. de ordem e photographia.»
2

16Dos exames realizados por estes veterinários, as vacas que tivessem doenças que pudessem ser tratadas seriam encaminhadas para fora do município, devendo retornar à cidade só depois de estarem curadas. As que estivessem contaminadas com doenças incuráveis deveriam ser sacrificadas no Matadouro Municipal e o seu proprietário receberia uma indemnização correspondente à metade do seu valor de mercado.

17A distribuição ambulante de leite pela cidade preocupava em especial pela forma como era transportado. O dr. Felix Vianna Júnior em tese de doutoramento comentava que:

  • 3 Vianna Júnior, Felix, Contribuição ao estudo do leite e seu fornecimento na cidade de S. Paulo. The (...)

«Existem atualmente em São Paulo, cerca de 1350 vendedores de leite e 350 leiterias. Chegamos mesmo a ver mesmo, leiteiros trazendo garrafas destampadas e deixando-as nas portas das casas dos freguezes durante largo tempo, ficando assim o leite exposto ás poeiras (...) De outra feita, presenciamos um vendedor ambulante collocar na lata que consigo trazia, água proveniente da torneira de um jardim, com o fim pouco escrupuloso de augmentar a quantidade de seu produto (...) As lactas contendo leite, são constantemente abertas pelos leiteiros, quer para a sua repartição, quer mesmo para juntar-lhe agua, isto em plena rua (...).»3

18Além desta, as autoridades sanitárias tinham a preocupação de localizar vacas contaminadas pela tuberculose e os dados indicam que o sacrifício raras vezes ocorria, como determinava a lei. O mesmo médico nos faz saber que das 12.000 vacas fornecedoras de leite no período, 3600, ou seja, 30%, eram tuberculosas, sendo que a maioria estava localizada nas regiões mais baixas da cidade.

19As doenças transmissíveis através do leite não se limitavam à tuberculose, segundo Felix Vianna

  • 4 Idem, p 115.

«(...) pode ainda servir o leite como vehiculador do pús, nos casos muito frequentes de mammites (estreptoccoccus). (...) quando poluido accidentalmente, o leite póde servir de vehiculo a um certo numero de molestias infecciosas, taes como a pneumonia, febre typhoide, diphteria, escarlatina, cholera, etc. (...)» da origem destas contaminações acrescentava: «(...) O leite póde ser contaminado pela agua empregada na lavagem do vasilhame, molestias no pessoal do estabulo, principalmente ordenhadores, animaes domesticos doentes ou molestias em pessôas da familia do leiteiro, e que pódem polluir o leite por meio das mãos, das fézes, pannos usados pelos doentes, etc. (...).»4

20A preocupação com as formas de distribuição do leite também existia fora do Brasil. No caso de Lisboa, a revista Ilustração Portugueza elaborou uma série de artigos sobre a alimentação do lisboeta e incluía um número específico sobre a distribuição de leite nas ruas da cidade. O clichê de Benoliel mostra a ordenha realizada na própria rua de uma cabra (figura 2). O fotógrafo direcciona nossos olhares para o ordenhador e a forma informal como realizava o seu trabalho: de cócoras e longe de cuidados e preocupações higiénicas: o cigarro na boca e as vasilhas ao chão enquanto os outros animais aguardavam do outro lado da rua. Feita diante dos olhares de todos, a ordenha seguia de porta em porta servindo diferentes moradores.

Figura 2

Figura 2

Foto do AFCML n.º A3883 – Ordenha de leite de cabra em Lisboa

  • 5 Segundo o Boletim do Instituto Superior de Higiene Doutor Ricardo Jorge. Ano II, n.º 8 , 1947, p. 2 (...)

21Em Lisboa, as primeiras medidas legislativas de fiscalização e venda de leite são de 1899 e só posteriormente regulamentadas em 1900 e 19015. No entanto, isto em si não servia como garantia de ausência de problemas. O fornecimento de leite por saloios, vindo com seu gado solto e ordenhados pelas ruas, era rotineiro e trazia junto com este hábito vários problemas aos consumidores. O jornal O Século, do mesmo grupo que a Ilustração Portugueza, também realizou diversas reportagens sobre o tema e através de cartas de leitores chegamos a conhecer alguns dos problemas relativos a este tipo de contaminação. Um exemplo destas cartas foi a publicada em 21-01-1913, onde o leitor mostrava toda sua indignação sobre as formas em que o leite chegava aos lares lisboetas:

«Moro n’uma rua por onde passam as carroças que dos suburbios da cidade trazem bilhas de leite para o consumo dos lisboetas e, por isso, notei uma coisa que me levou a deixar de ser bebedor de leite, tal a repugnância sentida pelo que vou narrar-lhe. De manhã, essas carroças passam para dentro da cidade carregadas com bilhas de leite; á tarde, essas bilhas saem para fóra da cidade cheias de comida, lavaduras de pratos, etc; uma porcaria nauseabunda, causando vomitos só o vêl-a.Quando dei por isto, não me afligi muito, porque, estando afreguezado em uma vacaria, onde via bons animaes, supuz que o leite consumido em minha casa fosse das vacas expostas á minha admiração. Qual não foi, porém, minha surpreza ao saber que essas vacas serviam de reclamo para estar na montra e o leite vendido pelo estabelecimento era quasi todo comprado aos donos d’essas carroças que todos os dias me passavam á porta! Fiquei horrorizado! (...) As vacas estabuladas na cidade muitas vezes estão sêcas e nada produzem.»

22O relato do leitor prossegue e chama atenção para outros perigos associados ainda ao transporte do leite e o abastecimento da cidade:

«Ha carroças que no regresso de Lisboa não conduzem comida pôdre, mas sim roupa suja e as lavadeiras tudo amontoado e confundido na maior promiscuidade. Ora, essa roupa suja pode ter servido a tifosos, a tuberculosos, a doentes de todas as doenças contagiosas. Durante o trajeto, facil será operar-se uma sementeira nas bilhas, ainda sujas de leite (...).»

23Sobre elas, Benoliel registra algumas dessas mulheres e suas trouxas. É o registro n.° A3895 (figura 3), onde se vê não apenas as trouxas mas também meninas que acompanham as suas mães na lida da lavagem de roupa no lavadouro público municipal. Muitas vezes, tinham de adormecer ao lado das trouxas, já que moravam longe demais e precisavam esperar o dia de novo amanhecer para prosseguir o retorno para casa.

24Um dos artigos publicados no jornal O Século, de 26-03-1913, era de autoria do dr. Holtreman Rego, chefe dos serviços de química sanitária do Laboratório do Instituto Central de Higiene e que, entre outras coisas, afirmava que:

Figura 3

Figura 3

Foto do AFCML n. A3895 – Lavadeiras saloias

«A venda do leite mungido na via publica deve ser abolida, como sistema anti-higienico e fraudulento. (...) É anti-higienico não só pela impossibilidade de se proceder, na rua, a lavagem das tetas da vaca e das mãos do mungidor, fócos perigosos de germens nocivos, que por incuria de limpeza, contaminam o leite frescamente mungido, mas tambem porque se torna impossivel, (...) Quanto aos processos de falsificação, podemos dar muito felizes, visto que os mais condenaveis não são usados entre nós. Como mais nocivo há a citar a adição do carbonato de soda e da cal. A adição de agua essa é frequente, e, na epoca propria, é pratica vulgar a mistura de leite de ovelha com o de vaca.»

25A justificação do dr. Holtreman para as más condições do transporte do leite em Lisboa devia-se a este estar

«(...) nas mãos de pequenos fornecedores. D’hai a falta de seriedade comercial, porque falta a fiscalização exercida pelos proprios interessados: d’hai a falta de higiene, porque o pequeno fornecedor não dispõe de meios suficientes para a aquisição do material e aparelhos aperfeiçoados usados na limpeza e refrigeração do leite; d’hai a falta de asseio, base principal para a boa consevação do leite, por faltar muitas vezes o conforto tão util na pratica d’essa medida higienica (...).»

26Além do problema da contaminação do leite, produtos derivados do mesmo causavam doenças aos seus consumidores. Casos como este recheavam prontuários médicos, registros policiais e as páginas da imprensa, indicando o quanto a contaminação dos alimentos derivados do leite estava presente na vida de todos. Apesar de tantas queixas e reclamações, a população alfacinha permaneceu por longos anos enfrentando problemas de fornecimento e contaminação.

27Não apenas o leite e seus derivados, mas outros géneros alimentícios eram transportados de forma irregular pela cidade gerando protestos. Era o caso do transporte de carnes. Em oficio dirigido a Câmara Municipal, o presidente de uma associação protestava quanto à forma como a carne era transportada pela cidade até chegar aos talhos:

  • 6 Officio n.º 341 de 05-11-1908.

«(...) percorrem as avenidas e ruas principaes, em que a todas as vistas, cobrindo-se de poeira e enchendo-se de microbios sendo envolvidos por pannos immundos e esfarrapados, que nem logram resguardar o conteudo do carro (...).»6

28Depois de encontrar o seu destino no talho, as carnes continuavam muitas vezes à mostra, expostas quase às portas da rua. Num dos seus clichês, Benoliel mostra um destes talhos vendendo carnes e salsicharia, localizado no mercado da Praça da Figueira. As carnes, em especial as de porco, eram expostas à venda nas portas de acesso ao mercado. Penduradas ao ar recebiam de todos os que passavam um olhar desatento, indicando quanto isto era prática corriqueira.

29Toda esta situação acabava gerando inúmeros casos de contaminações na população e em alguns casos levava muitas das suas vítimas, em especial as crianças, ao óbito. Relatórios sanitários dão-nos conta dos elevados índices de mortalidade infantil por problemas gastrointestinais de diferentes ordens e, de entre as doenças, as mais comuns para este tipo de contaminação eram a disenteria e a difteria.

30Geraldo Horácio de Paula Souza, por exemplo, discorrendo sobre este tema num congresso oferece alguns dados sobre os índices de mortalidade infantil por afecções no aparelho digestivo para o caso de São Paulo.

  • 7 Borges Vieira, F., «Considerações sobre a epidemologia de algumas doenças transmissíveis em S. Paul (...)

31Segundo o dr. Francisco Borges Vieira, nas primeiras décadas do século XX, em São Paulo, a doença era endémica e encontrava-se como uma das principais vias de transmissão a contaminação pelo leite. Os índices comparativos entre São Paulo e outras cidades do mundo eram os seguintes7:

Cidades

Óbitos

População

Coeficiente por 100.000 hab.

Cairo

259

859

30.15

Paris

243

2.871.000

9.88

Nova Iorque

477

5.971.000

7.98

São Paulo

66

907.065

7.27

Rio de Janeiro

95

1.556.000

6.10

Madrid

77

796.000

9.67

32As doenças do trato intestinal estavam, na sua maior parte, relacionada com a contaminação vinda do leite de vaca e de cabra e tinham na regulamentação sanitária capítulos próprios, determinando cuidados no contágio com estes animais. Apesar disso, cabe aqui salientar que outras doenças encontravam nos animais uma via de transmissão para doenças entre os habitantes da cidade. Exemplos disso eram as doenças como a raiva, a lepra e a sarna, adquiridas pelo contacto com o enorme número de cães existente nas ruas.

33Dos locais de contaminação analisados e dos espaços conhecidos como responsáveis por transmissão de doenças e foco de inúmeros problemas alimentares estavam os mercados e as feiras. Caminhos de abastecimento, rota de perigos sanitários.

34A situação de venda de peixes e hortaliças eram sempre apontados como as mais críticas nos diferentes mercados. A tónica girava sempre em torno da questão da água e dos locais onde estes eram oferecidos ao consumidor. Diferentes ofícios enviados à Delegação de Saúde abordavam este assunto. Um destes ofícios tratava a questão do reaproveitamento do gelo utilizado na conservação do peixe e o rastro de descaso para assuntos ligados à higiene. O ofício redigido pelo então delegado de saúde, Manuel Gonçalves, e dirigido ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa rezava:

  • 8 Oficio dirigido à Camara Municpal de Lisboa em 15-05-1912.

«Informa o subdelegado de saude da 13ª circumscripção sanitaria que, no mercado do peixe, é costume aproveitar-se, para revender, o gelo servido nas canastras que transportam o peixe dos barcos para a lota. Esse gelo, bastante conspurcado por contactos com pavimento e valetas do mercado, sempre em pessimas condições de limpeza, volta assim a ser empregado na conservação do peixe dos revendedores, quer em domicilio quer nas remessas para a provincia.»8

35Esta situação de uma política ostensiva contra os mercados não se limitava ao caso de Lisboa. São Paulo também tinha os seus problemas e as discussões em torno destes surgiam em diferentes instâncias. É por exemplo o caso do discurso proferido pelo vereador Luciano Gualberto, na Câmara do Município, em sessão de Abril de 1920:

  • 9 Sessão na Câmara do Município em Abril de 1920. Colecção Actos e Decretos do Municipio.

«(...) Matadouro Municipal, (...) não passa de um factor de miasmas, de um fóco de pestilencias, em cujas vizinhanças, ao se passar, leva-se naturalmente, o lenço ao nariz, na protecção instinctiva dos pitritas. (...)Refiro-me tambem ao mercado municipal da rua 25 de Março, que, junto ao Matadouro de egual nome, constitue a liga a favor da tuberculose (riso) e de outras affecções de S. Paulo. Abortos e mostrengos, como o matadouro e o mercado, só podem merecer uma medida: - o seu arrazamento e sua reconstrução, de accôrdo com as regras do que de moderno há na mais moderna hygiene.(...) Edificio sem conforto e acanhado, onde as regras de hygiene não entram, nem siquer em nome, vêem-se no seu bojo todos os absurdos concebiveis e inconcebiveis: - flores misturadas com carnes verdes, productos de lacticinios casados a fructos...Isto na parte moderna (?!) e na parte antiga, ao lado de verdadeiros pantanos de aguas mortas e esverdeadas, peixes, que, vindo de Santos, deixam, após a sua venda, um fetido que attrae sobre os seus tectos a turba multa de corvos esfomeados. Paredes rotas e derruindo, paredes de metro e pouco de altura; tectos esborcinados, que se tocam com as mãos, pois distam tão pouco do solo.»9

36O Mercado da Rua 25 de Março, em São Paulo, passava a ser acusado de toda forma de crimes contra a higiene e era identificado principalmente pelas más condições das instalações e pelo odor que dele provinha. O vereador detém-se em diferentes aspectos ligados à salubridade, como a ventilação, a construção e a distribuição dos espaços, além das águas que o serviam. A sua proposta era clara: só a sua destruição completa resolveria tantos problemas. Sobre este tema, temos uma série bastante significativa de registros fotográficos dos mercados e feiras da cidade.

37O mercado no olhar deste médico sanitarista é um local para onde convergiam diferentes personagens da vida urbana. Ali estavam os mercadores ambulantes de frutas, verduras, hortaliças, que com os seus cestos de vime, carroças puxadas à mão ou por animais de carga transportam os seus produtos a diferentes pontos de venda. No espaço do mercado, homens, mulheres e crianças, meninos na sua maioria, distribuíam-se por diferentes funções e os que de nada se ocupavam inquiriam com o seu olhar o cronista fotográfico (figura 4).

Figura 4

Figura 4

Foto n. 38 – Mercado da Rua 25 de Março em São Paulo (Colecção Paula Souza)

38Espaços irregulares, de piso em desnível, calçados por paralelepípedos em espaços completamente descobertos são documentados através do registro de Paula Souza, e indicavam ao fundo os locais destinados ao estacionamento de carroças que cumpriam as tarefas de carga e descarga. Talvez seja este o espaço descrito pelo vereador como sendo o que ficava cheio de poças de água e onde o lamaçal dificultava o discernir o lodo da chuva e as verduras que nele eram espalhadas.

39Não apenas de contaminações sofriam os ventres urbanos! Havia também as falsificações...

40Diferentes produtos eram citados como sendo alvo de falsificações, sendo os mais visados para fraudes o leite, a cerveja, a farinha de trigo, os sorvetes, entre outros produtos.

41Da constatação das diferentes fraudes, a Câmara de São Paulo, em sessão no ano de 1920, indicava a necessidade de se intensificar a repressão às fraudes no preparo e venda de géneros alimentícios, incluindo mercados e feiras livres. Em defesa desta proposta, o médico e também vereador Luciano Gualberto comentava sobre as doenças provocadas pela contaminação de produtos alimentícios:

«Como é sabido, em S. Paulo temos actualmente uma epidemia calamitosa de appendicite, bem como de intero-colite, colite e gastro-interite, tudo devido não só a falta de fiscalização dos generos de primeira necessidade, como também á má conservação desses generos, inclusive para a alimentação infantil, do leite, que em S. Paulo é pessimo.»

42Prosseguindo, o médico relata uma das muitas formas de falsificação praticadas na cidade:

  • 10 Indicação n.º 201, de 1920, p. 280. Coleção Actos e Decretos do Municipio.

«Um senhor, entrando numa marmoraria, viu que lá se fazia moagem de marmore; e, (...) perguntou ao dono qual o fim a que se destinava esse pó de marmore. A resposta foi que elle se destinava ás padarias da capital, que, assim, augmentavam o peso do pão. (...)Mesmo os que, como nós outros, usam bons assucares, têm opportunidade de encontrar pós extranhos nelles, assim como na farinha de trigo, como kaolim, areias, etc. (...).»10

  • 11 Ribeiro, Maria Alice Rosa, «História sem fim....Ucm inventário da Saúde Pública. São Paulo 1880 – 1 (...)
  • 12 Revista Ilustrada publicada em São Paulo.

43Os itens de contaminação eram muitos e variados e distribuíam-se pelos principais alimentos consumidos diariamente. Ao leite, por exemplo, teria sido constatada a presença de bicarbonato de sódio e miolo de vitelas misturadas ao líquido11. A imprensa também registrava inúmeras denúncias sobre as falsificações, levando, por exemplo, A Rolha12 a publicar uma série de artigos acompanhadas sempre com bastante humor por charges e caricaturas. Num artigo de capa intitulado «Os envenenadores do povo», os articulistas listavam a infinidade de falsificações ocorridas pela cidade. Um breve olhar permitenos notar que as falsificações pareciam multiplicar-se e proliferar sem quaisquer medidas coercivas, visando inibir ou punir responsabilidades. Muitas delas chegando a verdadeiros absurdos, como o misturar areia ao açúcar, milho e palha ao café, bebidas com plantas e minerais nocivos para lhes alterar a cor ou a consistência:

«São ladrões. Peior: são assassinos. Roubam o povo quando misturam agua ao vinho, ao leite, á banha: quando adicionado margarina á manteiga, areia ao assucar, kaolim ao trigo, palha e milho ao café; quando impingem oleo de caroço de algodão como puro azeite de oliveiras: quando vendem fructas verdes ou apodrecidas, ovos chocos, carne deteriorada, arroz mofado, feijão e milho com caruncho; quando usam medidas viciosas; quando, emfim, não vendem, pelo preço que ajustarem, a mercadoria que dizem vender. Envenenam-no ao fabricar cervejas, vinhos e licores com plantas e mineraes nocivos á saude; ao juntar aos generos alimenticios, para augmentar-lhe o volume e o peso, corpos extranhos que vão atacar estomago, o figado, os rins, os intestinos; ao falsificar drogas e medicamentos, nacionaes e extrangeiros; ao praticar todas as conhecidas fraudes que deviam tornal-os réos de policia e entretanto fazem delles millionarios e titulares.

  • 13 A Rolha, «Os envenenadores do povo», de 23-04-1918.

(...) Montam por ahi, em todos os cantos, as fabricas da fraude e as usinas da morte. Falsificam de tudo, com ostentação, annunciando nos jornaes. Vendem sem disfarces as suas misturas e as suas beberagens. Realizam negocios polpudos. Enriquecem.»13

  • 14 A Rolha, 16-04-1918.
  • 15 Moraes Junior, João de, «Contribuição para o estudo sanitario do sorvete na cidade de São Paulo», T (...)
  • 16 Idem, p. 16.

44As contaminações podiam ser ainda encontradas nas banhas de porco e nos sorvetes. No caso da primeira, chegava a acrescentar-se a cada quilo de banha, 300 gramas de água14. No caso dos sorvetes, as falsificações mereceram estudo académico resultando em uma tese de doutoramento15. Isto porque, enquanto alimento o sorvete era um dos que ofereciam maiores condições e elementos para se falsificar. Segundo estudos no período, poderia usar-se leite contaminado por substâncias diversas, como os ovos e açúcar velhos, farinhas com pós estranhos, corantes e perfumes de origem duvidosa para acentuar cor e sabor. As infecções no trato digestivo e intestinal geravam na maior parte das vezes cólicas, vómitos, náuseas, dores de estômago, diarreias, entre outros problemas16.

45Além de oferecer riscos durante o seu manuseio no momento de preparo, os sorvetes também ofereciam problemas de acordo com a forma como eram guardados, acondicionados e expostos à venda. É o que nos pretende mostrar a figura 5. Neste caso específico, as legendas testemunham as intenções do fotógrafo que nos dirige o olhar, orientam nossa leitura num determinado sentido, procurando realçar/ocultar aspectos presentes no registro fotográfico, compondo uma crónica intencional daquilo que se retrata. É o caso, por exemplo, da legenda que procura esclarecer uma foto de um estabelecimento que vende sorvetes: «Sorveteria onde se vê o vidro com os copos de sorvete destapados».

46A preocupação em registar fotograficamente estes locais e imprimir-lhes legendas prendia-se com o facto provável da preocupação do sanitarista com aspectos ligados à higiene de produção e distribuição de alimentos pela cidade, além dos meios de transporte utilizados na sua distribuição. A legenda ganha com isso um sentido de denúncia. Leia-se a respeito deste tema o boletim produzido pelo Instituto de Higiene, da autoria do próprio Paula Souza, sob o item «Sugestões para a melhoria da legislação sanitária estadual sobre gêneros alimentício»:

«Art. - Ao serviço de fiscalização dos gêneros alimentícios, incumbindo da vigilância sobre a produção e consumo de gêneros destinados á alimentação publica, compete:

Figura 5

Figura 5

Foto n. 46 – Sorveteria em São Paulo (Colecção Paula Souza)

  • 17 Paula Souza e Nicolino Moreno, «Sugestões para a melhoria da legislação sanitaria estadual, sobre g (...)

(...) b) - inspecionar os estabelecimentos e logares em que esses gêneros forem produzidos, fabricados, manipulados, acondicionados, armazenados ou simplesmente expostos à venda (....).»17

47Paula Souza nesta oportunidade procurava mostrar as limitações e dificuldades encontradas no trabalho de fiscalização dos géneros alimentícios na capital e regista a metodologia de trabalho empregue pelos técnicos envolvidos na vigilância sanitária:

  • 18 Idem, p. 5.

«Os inspectores de alimentação, acompanhados de guardas sanitários (...) procedem a exames rudimentares no local da apprehensão, orientados technicamente pelos chimicos do laboratorio, para execução de pequenas analyses qualitativas especiaes. Os productos de deterioração verificavel por simples inspeção, são immediatamente apprehendidos, inutilizados ou regeitados; dos suspeitos colhem-se amostras para exame ulterior no laboratorio (...).»18

48A inspecção estendia-se a todos os locais possíveis: da sua manipulação à produção, dos locais para sua venda e/ou consumo. A lista de produtos abrangidos por esta proposta é extensa e inclui entre outros cereais, leguminosas e farinhas (tais como massas e biscoitos), conservas, geleias, açúcares, doces e confeitos, limonadas e refrigerantes, sorvetes, água e gelo, mel de abelhas, condimentos, sal, óleos, banhas e outras substancias gordurosas, café, chás, guaraná, cacau e chocolates, vinhos, cervejas, aguardentes e licores, vinagres, carnes e derivados, leite e lacticínios.

49De propostas, estas sugestões passaram a fazer parte da reforma do Código Sanitário de 1925, chamada de Reforma Paula Souza.

50Em relação ao pão e ao seu preparo, Alcântara Machado propunha um projecto que visava sanar as más condições de higiene em que era preparado. Este projecto consistia em isentar de imposto por um período de cinco anos as padarias que utilizassem apenas processos mecânicos no seu preparo. Justificando o seu projecto, o então vereador comentava que:

«(...) a amassadura braçal, como ainda hoje se effetua em as nossas padarias, é um processo perigoso para a saude publica, penoso para o operario e repugnante para o consumidor. Há mais de 50 annos, Paysen dizia o seguinte: «Um dia virá, sem dúvida, em que os nossos descendentes, ao lerem a technologia do seculo XIX, perguntarão si realmente nesta época de progresso industrial, se preparava o mais importante dos alimentos communs, pelo processo grosseiro, de que somos testemunhas, - processo em que os braços do padeiro mergulham na massa, e que exigem esforços taes, que exgotam os operarios semi-nús e ensopam de suor a substancia alimentar.

  • 19 Projecto n.º 56, de 1911, pp. 411-412. Colecção Actos e Decretos do Municipio.

O problema industrial do preparo mecanico do pão está resolvido: as amassadeiras mecanicas são de preço e custeio que as collocam ao alcance das padarias mais modestas, e dão á massa as mesmas qualidades que tem o pão amassado braçalmente (...).»19

51Crítica semelhante podia também ser lida nas páginas da imprensa lisboeta. A acusação de falta de higiene no fabrico do pão era descrita da seguinte forma:

  • 20 Ilustração Portugueza, «O ventre de Lisboa», 9-5-1910.

«O nosso pão é o mais caro da Europa, fabricado em condições de immundicie que só os padeiros e os sub-delegados de saude conhecem. O Processo é primitivo. A fabricação mechanica que o limite de padarias nos prometteu, continua sendo um modernismo lá de fóra, incapaz de aclimatar-se. O lisboeta continua esperando o dia em que a machina o há de livrar de comer pão amassado com o suor do rosto do padeiro, adubado com tudo quanto elle possa tirar do nariz, e preparado em casas que podem confundir-se com estrumeiras. E depois de cozido até chegar á nossa, póde passar por mãos de sarnentos, de tuberculoso, de syphilitico, trambolhar pelo chão, rolar nas calçadas sobre excrementos, tornar-se em summa n’um repositorio de immundicie e agentes pathogenicos. (...).»20

52O articulista além de comentar as condições de fabrico do pão fazia referência ao sistema de distribuição deste pelas ruas da cidade, feito normalmente pelo padeiro que o entregava de casa em casa, acondicionado em cestos. Benoliel regista-os pelas ruas da cidade. Entregues de casa em casa, chegavam cedo aos lares alfacinhas trazidos pelas mãos de jovens trabalhadores que ganhavam sua vida distribuindo o pão para as mesas. É o caso das figuras 6 e 7. Quer em cestos quer em carrinhos de mão, a entrega chegava quase sempre ao seu destino. Pelo caminho, rotas prováveis de contaminações e manipulação sem critérios que respeitassem normas sanitárias.

53Alimento antigo, produzido quase sempre de forma artesanal, com receitas que remontavam no tempo, o fabrico do pão em Lisboa também oferecia elementos para discussões sanitárias e económicas na imprensa e em órgãos competentes.

54Regido por uma lei cerealífera, o pão e sua produção eram anteriores à promulgação deste regime, que data dos anos anteriores a 1899 descritos como tendo:

  • 21 O Século, «Lavoura, moagem e panificação», 3-3-1913, p. 4.

«(...) descido á miseria extrema: nem higiene, nem fiscalização, nem resultados economicos. A esse tempo as padarias eram, salvo raras exceções, antros sem higiene e capacidade suficiente, em que se misturavam, n’uma vergonhosa amalgama, as farinhas e as camas do pessoal, os utensílios da panificação e os que serviam aos usos domesticos dos operarios, miseravelmente pagos, desprovidos de qualquer instrução profissional (...).»21

Figura 6

Figura 6

Foto n. A3912 do AFCML – Entrega do pão em Lisboa

55­

Figura 7

Figura 7

Foto n. A3909 do AFCML – Entrega do pão em Lisboa

56As palavras acima citadas por Antonio Castanheira de Moura, industrial e presidente da Companhia de Panificação Lisbonense, têm lugar numa época em que Lisboa sofria com o encarecimento do trigo, matéria-prima para o fabrico do pão. Era uma fase de greves, discussões infindáveis na imprensa e a explicação dada para tais problemas estavam nas leis de protecção cerealífera. Segundo entrevista de Castanheira de Moura ao jornal O Século, Portugal era o único país do mundo com o preço do trigo fixado previamente e completamente independente da produção dos demais países. Tal regime cerealífero foi sendo desenhado a partir de vários diplomas com datas de 1893, 1899, 1905 e 1911. De tal sorte, que tal regime, segundo Castanheira, era o mais iníquo e perverso do mundo, já que os preços preestabelecidos não levavam em conta as oscilações do mercado e com isso boas ofertas de preços externos tinham que ser desconsiderados, sob pena de pesadas multas. Uma incoerência que acabava gerando descontentamento dos industriais, falta de farinha no mercado e por consequência greves, muitas greves...

Fabricando Anjos

57O princípio do século, tanto para São Paulo como para Lisboa, vê surgir o mal que vinha pelas águas.

58O tifo invadia lares e ceifava vidas, em especial de crianças, sempre mais susceptíveis de adoecerem e acabavam sendo levadas à morte prematura, muitas vezes pelas más condições de vida e existência. Os agentes transmissores da doença eram citados como oriundos de diferentes fontes: águas contaminadas, alimentos crus contaminados, moscas e ausência de tratamento de esgoto e o contacto directo com pessoas contaminadas. Descrevendo tais agentes transmissores, o dr. Borges Vieira, colaborador de Paula Souza, escreve num relatório especialmente preparado para abordar o tema da febre tifóide em São Paulo:

  • 22 Vieira, F. Borges, «Estudo Epidemologico de Febre Typhoide em S. Paulo – epidemia 1920-1921», Bolet (...)

«As hortaliças para as saladas são muitas vezes provenientes de chacaras, onde a ausência de exgottos tona a sua polluição facil, podendo ser ainda lavadas com agua polluida. O mesmo se applica a certas fructas, que crescem rasteiras ao chão, como os morangos.(...) Como as saladas, as moscas influenciam entre nós mais endemia do que epidemia. (...) São Paulo é, infelizmente, o paraizo das moscas. O lixo é um dos pontos preferidos para a sua multiplicação e o mau systema de seu tratamento entre nós é uma das causas que contribuem para a grande proliferação desses insectos. Certos hábitos da nossa população também contribuíaem para prosperidade desses mensageiros de doenças. Assim é que o uso do papel hygienico nas latrinas, por exemplo, ainda carece de propaganda em S. Paulo. O nosso povo em geral quasi o considera uma superfluilidade, essa ignorancia merecendo que se educasse em sentido opposto.
Em vez do papel hygienico, que uma vez usado seria lançado dentro da bacia da latrina e se desfaria na agua do exgotto, assim impedindo o entupimento daquella, usa muita gente de jornaes ou outros papeis, que, pela sua consistencia, não podem ser collocados dentro de latrinas sem intupil-as. Após o uso são por este motivo, lançados numa caixa ao lado, quando não no proprio chão, onde servem de pasto ás moscas. Estas, na occasião em que os moradores da casa tomam as refeições, saem das latrinas e vão passear sobre os alimentos na mesa de jantar, espalhando com as patas, defecando e regorgitando os germes que de lá trouxeram, muitas vezes bacillos typhicos.(...).»
22

59A questão da higiene de latrinas e o uso indevido de papéis para as mesmas preocupava por todos os motivos especificados acima, além de ser um indício de más condições de vida e habitação. Nos registros de Paula Souza, o tema das latrinas comuns aparece nas suas imagens e chegam a receber legendas específicas. É o caso da foto da figura 8, que aparece com a seguinte legenda: «Cortiço do Snr. Gordinho – a primeira porta é a latrina commun abrindo-se para a rua».

60O registro tomado de seu exterior tem posicionado à sua frente um número grande de pessoas, dentre elas mulheres e crianças, provavelmente as únicas que se mantinham em casa durante o dia no momento em que o registro foi feito. A quantidade de pessoas fotografadas, formando um grupo, procura enfocar o grande número de pessoas que se serviam desta latrina e de certa forma procura mostrar que as maiores vítimas susceptíveis de doenças eram as próprias crianças.

Figura 8

Figura 8

Foto n. 67 – Cortiço em São Paulo (Colecção Paula Souza)

61A cidade de São Paulo conviveu com surtos epidémicos de tifo nos anos de 1914 e posteriormente em 1921. Nos dois casos, devido ao fornecimento de água para a população vinda do rio Tietê. Além desta via de contaminação vinda pela água, outras surgiam como responsáveis pelo aumento do número de casos da doença. Era o caso do leite e frutas contaminados e ingeridos crus, as moscas e o próprio contacto com os portadores dos bacilos (contaminação vinda por fezes e urina na maioria dos casos, e mais extraordinariamente escarro e suor).

62Em Lisboa, a situação do tifo também não era muito diferente. Era uma doença que mal diagnosticada levava a confusões quanto aos índices de mortalidade. Para especialistas, Portugal nesta altura podia ser considerado um país tífico. Era o que afirmava o dr. Ricardo Jorge, num relatório apresentado ao Conselho Superior de Higiene, em sessão de 19 de Fevereiro de 1918:

  • 23 Jorge, Ricardo, Tifo exantemático ou tabardilho, Lisboa, Imprensa Nacional, 1918, p. 6.

«Portugal é um país tífico. Mostra-o desde logo a estatística. No decénio de 1901-1910, apesar da espantosa deficiência da nossa inscrição obituária no tocante as causas de morte, a cifra anual dos casos oscila entre 31 e 65, semeados por quási todos os distritos; no triénio 1913-1915 não passa de 30, 23 e 21. Estes róis dão idea da disseminação, nada mais, dados aos percalços notados; é muito mais elucidativo o registo epidémico.»23

63Além do tifo comum, o tifo exantemático era temido como uma meio rápido de levar à morte os que fossem contaminados. Descrevendo a sintomatologia desta doença, o dr. Artur Bebiano afirmava numa entrevista concedida ao jornal O Século que os coeficientes de mortalidade chegavam a 60% dos casos. A doença era assim descrita pelo médico:

  • 24 O Século, «O tifo exantematico é endemico em alguns pontos do paiz», 24-1-1912.

«O período de incubação (...) é variavel, oscilando entre uma e tres semanas. O periodo de invasão principia, em geral, por um violento calafrio, a que se podem seguir outros mais ou menos intensos. A temperatura sobe rapidamente a 40 e 41 graus. A frequencia do pulso está quasi sempre em proporção com a temperatura, chegando o numero de pulsações a passar de 100 e 120. O doente sente-se logo gravemente atingido e a fraqueza e vertigem obrigam-no a recolher á cama. O delirio não tarda em aparecer, seguido na maioria dos casos de surdez e zumbidos nos ouvidos. A face torna-se vermelha e turgecente, os olhos um pouco espantados, com as conjuntivas bastante injetadas; a lingua cobre-se de um induto cinzento ou amarelado. Os labios secos, gretados, sangrando facilmente, e quando secam tornam-se fuliginosos. O apetite perde-se e a sede é imensa. O figado e o baço resentem-se a ponto de se poder apreciar o seu aumento de volume, especialmente do baço. De principio dá-se uma constipação do ventre seguida de um pouco de diarréia. As urinas são raras e albuminosas. Este periodo de invasão dura de tres a cinco dias, após o que aparece a erupção, que se mostra especialmente no peito e no ventre, seguindo para o resto do tronco e para os membros, e a cara nem sempre é poupada. (...)A morte pode vir, quer antes da aparição do exantema, devido á elevada temperatura, quer no periodo agudo da doença, e, raramente depois da crise.»24

64Diante de tão graves sintomas, era natural que as autoridades sanitárias tentassem de alguma forma precaver-se deste mal. Apesar de esforços neste sentido, Lisboa vive o ano de 1912 com uma grande epidemia de tifo, que levou as autoridades a persistir em investigações sobre o regime de águas que serviam a cidade. A imprensa noticiava que de um total de 4550 doentes internados nos hospitais, 684 eram vítimas da febre. Os leitos dos hospitais mostravam-se insuficientes e já não comportavam os doentes que chegavam de diferentes partes de Lisboa e arredores. De tal forma que se montou uma comissão para investigar o que de facto ocorria com o fornecimento de águas para a cidade.

65Toda esta preocupação dava-se em função do sério perigo de contaminação que esta doença oferecia. O contacto físico com o doente era o mais temido e, portanto, locais com grande concentração de pessoas e ausência de ventilação passavam a ser locais visados pelas autoridades sanitárias. Eram por exemplo, os cortiços sem dúvida uma das formas de habitação que mais preocupava todos os que se ocupavam em normalizar os espaços urbanos. Tanto em São Paulo quanto em Lisboa eram espaços frequentemente visitados e onde se procurava fazer todo tipo de críticas sobre o modo de vida em tais lugares.

66Espaços saturados de odores... espaços da aglomeração inculta, carregada de hábitos e modos de viver que nem de longe eram considerados como ideais.

67Lisboa sendo uma cidade de encostas e colinas, debruçada sobre o mar e com um casario antigo ganhava, quer através do tempo, quer através da literatura, da poesia e mesmo da música a fama de abrigar em suas ruelas estreitas e sinuosas uma população de carácter duvidoso, com feitio dado às desordens e aos crimes. Foi assim com Alfama, Madragoa, Mouraria entre outros: bairros construídos a partir de um imaginário de vida mundana e nocturna, vistos como sendo carregados de vícios e pouca moral.

  • 25 Os registros escolhidos para integrar este trabalho são a imagens número 10.965.

68A maioria destes bairros, no entanto, era na realidade composta por operários e trabalhadores de poucas habilitações, tornados solidários pela pobreza e pela fome. Com um casario quase sempre muito apertado e compartilhado por grande número de pessoas, a vida transcorria quase sempre na rua, às vistas de todos. Conforme nos descreve um articulista do jornal O Século em matéria especial acompanhando o sub-delegado de Saúde de Lisboa, dr. Carlos Santos em visita ao bairro de Alfama e que contou com clichês de Benoliel25:

  • 26 O Século, «Lisboa Miserável – Como se Vive em Alfama – Uma visita áquele centro domiciliario de ope (...)

«Como as casa são apertadas e escuras, aquela gente vive na rua. D’ai a legião enorme de garotos, semelhante a formigueiros, que enxameia o bairro. Trabalha-se, cozinha-se, lava-se e cose-se á porta de casa. (...) No pateo do Penereiro, por exemplo, um sapateiro batia sola sobre o joelho, duas mulheres, sentadas no lageado, remendavam uma vela de lona, enquanto uma outra ainda estendia nas cordas alguns trapos encardidos .No beco do Almotacé, nas soleiras das portas, as mulheres cozinhavam e cosiam, cantando e conversando umas com as outras. »26

Figura 9

Figura 9

Foto n. 10.965 do AFCML – Cortiço em Lisboa

69A vida vivida aos olhos de todos era uma das características principais destes cortiços. A solidariedade em torno das mesmas dificuldades fazia com que para além da ausência de espaço houvesse familiaridade entre os diferentes moradores.

70De entre estes trabalhadores mal remunerados ainda havia aqueles que se encontravam numa via de exclusão, quer pela doença – já que muitos levados por más condições de vida e trabalho ficavam doentes, em sua maioria tísicos e sifilíticos –, quer pelo desemprego, transformando-se em vadios e gatunos. Nestas duas últimas categorias incluíam-se muitos ex-trabalhadores que movidos quer pela indolência ou fascínio pelo ganho fácil se dedicavam à mendicidade ou ao furto.

71Os registros de Benoliel ressaltam exactamente a miséria e o grande número de crianças que transitavam por todo o bairro. As moradias estreitas, com janelas de frente para a rua, sempre congestionadas pelas roupas estendidas que se confundiam com a estreiteza e sinuosidade dos becos que escondiam atrás de si sempre alguém a espreitar. Em alguns registros a decadência das construções estava exibida nas paredes ruídas e carcomidas pelo tempo, descuido ou abandono.

72São registros arquitectónicos de uma miséria que além de material é também social. Passa pelos territórios da exclusão e da marginalidade alfacinha. Dos territórios desta marginalidade e exclusão surgiam personagens vítimas de sua sorte que integravam as cifras anuais de doentes que chegavam ao óbito por diferentes enfermidades. Das doenças responsáveis pelo maior número de doentes estava a tuberculose, que atingia famílias inteiras devido ao exíguo espaço de convivência.

73Semelhante na conformação dos moradores de Alfama, a Mouraria guardava nos seus becos e vielas estreitos inúmeras casas de tolerância e aproximava-se de Alfama no que concernia ao excessivo número de crianças, vadios e de doentes. Os alugueres, tal como ocorria com Alfama, eram altos demais para as condições de existência oferecida. A sua população era formada na maioria por vendedores ambulantes, moços de fretes e muitos, muitos tísicos.

74Os registros de Paula Souza, sobre as habitações colectivas em São Paulo são muito claros e incisivos. Demora-se a registrar estes espaços e as formas de viver e morar de seus habitantes. Alcança-os através de sua objectiva e procura registrar os elementos constitutivos destes espaços. É o caso, por exemplo, dos registros das figuras 10 e 11. Como ocorre na maioria dos seus registros, o elemento humano é excluído em detrimento de outros elementos, como bacias contendo água para a lavagem das roupas que se encontram estendidas ou sendo coradas, paredes desgastadas e puídas pelo tempo, espaço comum exíguo, partilhado e compartilhado por muitas e pequenas portas e janelas que servem como entrada de luz para as habitações comuns a várias e numerosas famílias, que são lançadas à rua, contaminando e sendo contaminados por doenças, vícios e toda sorte de imoralidades.

Figura 10

Figura 10

Foto n. 64 – Cortiço em São Paulo (Colecção Paula Souza)

75­

Figura 11

Figura 11

Foto s/n – Cortiço em São Paulo (Colecção Paula Souza)

76Para o olhar clínico do sanitarista é no cortiço que as diferentes patologias sociais, morais e físicas se manifestavam e onde a educação moral deveria começar. É neste território de exclusão social que habitam alcoólicos, prostitutas, sifilíticos, tísicos, vadios, inválidos, desempregados ou trabalhadores de baixa renda com as suas respectivas famílias e, em alguns casos, as suas pequenas vítimas – filhos que passam cedo a servir como meio de ganho através da caridade alheia. Esta forma de conceber o espaço do cortiço e o perfil de seus moradores pode ser observada na figura 12. Ali está o bêbado caído ao chão... metáfora de uma decadência não apenas física, mas também moral. Todos os elementos de composição dos demais registros ali estão e somam-se à imagem do homem caído, embriagado e completamente dominado pelo seu vício.

Figura 12

Figura 12

Foto n. 63 – Bêbado caído ao chão em cortiço de São Paulo (Colecção Paula Souza)

77Era também neste território de exclusão que a prostituição ganhava território e fazia suas vítimas. Vítimas eram as meretrizes que buscavam através do seu corpo o ganho para a sua sobrevivência... Vítimas eram muitos dos seus clientes contaminados pela sífilis e outras formas de doenças contagiosas. Estudos neste sentido indicavam que a maioria dos casos de contaminação por sífilis vinha do contágio através de relações com prostitutas, chegando ao final da década de 1920 a índices de 94%.

78As áreas de consumo do meretrício encontravam-se intimamente relacionados com áreas empobrecidas e marginalizadas da cidade e alvo constante de visitas sanitárias por especialistas e autoridades.

Considerações finais

79Pensado na sua forma estendida e tentacular, o espaço urbano revelou-se como sendo o centro de diferentes preocupações e instâncias políticas, económicas e sociais. Campo de forças onde as relações sociais se colocam, nas suas diferentes formas: resistências, lutas, tensões, assim como nas suas solidariedades, anseios e projectos. Os limites, os muros da visibilidade da exclusão não são visíveis, nem são facilmente detectados. Diferentes das cidades medievais com as suas linhas rectas, os seus muros altos e bem marcados impondo e determinando limites e territórios de marginalidade, as cidades analisadas conhecem a indefinição destes limites. Outros são os critérios para a exclusão, a marginalidade, o informalismo do trabalho e as redes de solidariedade e lutas sociais.

80Se há um mercado que abastece, nutre e movimenta a cidade, há também uma periferia que, em muitos momentos, exclui, marginaliza e degrada. São estes que compõem a margem da sociedade, que estão localizados nos bairros limítrofes, nos cortiços e pensões, em vielas e becos escuros, ou atrás da reclusão dos cárceres, hospitais e outras instituições de confinamento, onde a doença entra como mais um elemento de marginalização e de exclusão do mercado produtivo. Estes sim têm em seu em torno os limites colocados por grades e muros... Vivem a reclusão de forma bem marcada e definida. Mantidos nesta condição deixam de ser preocupação da sociedade, que os prefere ver cercados e distantes.

81E é através do olhar do cronista/fotógrafo que muitos destes espaços puderam ser visitados e onde por meio de seus clichês nos permitiram tomar contacto com algumas das diferentes formas de ver e interpretar seu tempo e o seu mundo.

Topo da página

Notas

1 Acto n.º 2602, de 12/12/1925. Colecção dos Actos e Decretos do Município.

2 Projecto n.º 32, de 1924. Colecção Actos e Decretos do Municipio.

3 Vianna Júnior, Felix, Contribuição ao estudo do leite e seu fornecimento na cidade de S. Paulo. These apresentada a Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, 1921, p. 86.

4 Idem, p 115.

5 Segundo o Boletim do Instituto Superior de Higiene Doutor Ricardo Jorge. Ano II, n.º 8 , 1947, p. 244.

6 Officio n.º 341 de 05-11-1908.

7 Borges Vieira, F., «Considerações sobre a epidemologia de algumas doenças transmissíveis em S. Paulo, Brasil», Boletim, n.º 29, Instituto de Hygiene de São Paulo, 1928.

8 Oficio dirigido à Camara Municpal de Lisboa em 15-05-1912.

9 Sessão na Câmara do Município em Abril de 1920. Colecção Actos e Decretos do Municipio.

10 Indicação n.º 201, de 1920, p. 280. Coleção Actos e Decretos do Municipio.

11 Ribeiro, Maria Alice Rosa, «História sem fim....Ucm inventário da Saúde Pública. São Paulo 1880 – 1930», Tese de Doutoramento / Unicamp, 1991, p. 133.

12 Revista Ilustrada publicada em São Paulo.

13 A Rolha, «Os envenenadores do povo», de 23-04-1918.

14 A Rolha, 16-04-1918.

15 Moraes Junior, João de, «Contribuição para o estudo sanitario do sorvete na cidade de São Paulo», Tese de doutoramento na Cadeira de Hygiene. Faculdade de Medicina de São Paulo, 1933.

16 Idem, p. 16.

17 Paula Souza e Nicolino Moreno, «Sugestões para a melhoria da legislação sanitaria estadual, sobre gêneros alimentícios», Boletim, n.º 20, Instituto de Hygiene de São Paulo, 1924.

18 Idem, p. 5.

19 Projecto n.º 56, de 1911, pp. 411-412. Colecção Actos e Decretos do Municipio.

20 Ilustração Portugueza, «O ventre de Lisboa», 9-5-1910.

21 O Século, «Lavoura, moagem e panificação», 3-3-1913, p. 4.

22 Vieira, F. Borges, «Estudo Epidemologico de Febre Typhoide em S. Paulo – epidemia 1920-1921», Boletim, n.º 12 do Instituto de Hygiene, 1922, pp. 24-25.

23 Jorge, Ricardo, Tifo exantemático ou tabardilho, Lisboa, Imprensa Nacional, 1918, p. 6.

24 O Século, «O tifo exantematico é endemico em alguns pontos do paiz», 24-1-1912.

25 Os registros escolhidos para integrar este trabalho são a imagens número 10.965.

26 O Século, «Lisboa Miserável – Como se Vive em Alfama – Uma visita áquele centro domiciliario de operarios miseravelmente pagos, de vagabundos, famintos e gatunos», 21-8-1912, p. 1.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1
Legenda Foto n. 43 – Transporte de leite (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 236k
Título Figura 2
Legenda Foto do AFCML n.º A3883 – Ordenha de leite de cabra em Lisboa
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 408k
Título Figura 3
Legenda Foto do AFCML n. A3895 – Lavadeiras saloias
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 368k
Título Figura 4
Legenda Foto n. 38 – Mercado da Rua 25 de Março em São Paulo (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 344k
Título Figura 5
Legenda Foto n. 46 – Sorveteria em São Paulo (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 240k
Título Figura 6
Legenda Foto n. A3912 do AFCML – Entrega do pão em Lisboa
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 212k
Título Figura 7
Legenda Foto n. A3909 do AFCML – Entrega do pão em Lisboa
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 336k
Título Figura 8
Legenda Foto n. 67 – Cortiço em São Paulo (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 364k
Título Figura 9
Legenda Foto n. 10.965 do AFCML – Cortiço em Lisboa
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 320k
Título Figura 10
Legenda Foto n. 64 – Cortiço em São Paulo (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 276k
Título Figura 11
Legenda Foto s/n – Cortiço em São Paulo (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-11.jpg
Ficheiros image/jpeg, 444k
Título Figura 12
Legenda Foto n. 63 – Bêbado caído ao chão em cortiço de São Paulo (Colecção Paula Souza)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2619/img-12.jpg
Ficheiros image/jpeg, 349k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Eliana Almeida de Souza Rezende, «Ventres urbanos – Cidades e sanitarismo»Ler História, 51 | 2006, 135-164.

Referência eletrónica

Eliana Almeida de Souza Rezende, «Ventres urbanos – Cidades e sanitarismo»Ler História [Online], 51 | 2006, posto online no dia 25 março 2017, consultado no dia 21 junho 2021. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2619; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2619

Topo da página

Autor

Eliana Almeida de Souza Rezende

Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Univer- sidade Estadual de Campinas (IFCH/UNICAMP).

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search