Navegação – Mapa do site
Estudos

Viagens e histórias de imigrantes portugueses na cidade do Rio de Janeiro na Primeira República: a trajectória de Florindo Gomes Bolsinha

Voyages et histoires d’immigrants portugais à Rio de Janeiro durant la première République: la trajectoire de Florindo Gomes Bolsinha
Travels and stories of Portuguese immigrants in the city of Rio de Janeiro in the First Republic: the trajectory of Florindo Gomes Bolsinha
Gladys Sabina Ribeiro
p. 165-194

Resumos

A presença portuguesa no Rio de Janeiro foi marcante no início do século XX. Em 1906, os lusitanos chegaram a constituir um quinto da população e metade da mão-de-obra activa na cidade. As disputas no mercado de trabalho acabaram por reforçar sentimentos antilusitanos, que se manifestavam no quotidiano de diferentes formas, convertendo-se, por vezes, em conflitos sangrentos. Tendo como fio condutor a história de um imigrante português, a autora analisa esses conflitos, mostrando que os imigrantes portugueses adoptavam a ideologia do trabalho como estratégia de sobrevivência e acatavam o discurso da irmandade entre brasileiros e portugueses, contrapondo ao antilusitanismo o preconceito racial contra os negros e seus descendentes.

Topo da página

Notas do autor

Este artigo incorpora instigantes reflexões travadas na linha de pesquisa «Nação e diáspora» do CEMI – UNICAMP / PRONEX, onde estive como pesquisadora associada entre os anos de 1997 e Março de 2004. Agrega igualmente conclusões de pesquisas que venho realizando há muitos anos sobre identidade nacional, no Império e na República Velha brasileiros, e ser português e ser brasileiro no Primeiro Reinado. Desde 1998 tenho recebido apoio do CNPq, através de uma bolsa de produtividade.

Texto integral

1. Algumas palavras introdutórias

  • 1 Eltis, David, «Free and Coerced Transatlantic Migrations: Some Comparisons», The American Historica (...)

1David Eltis1 lembrou com propriedade que quando a emigração da Europa Ocidental começou, bem antes das levas migratórias de finais do XIX, quem emigrava não buscava propriamente um pecúlio ou consumir mais; desejava padrões diferentes de vida, que só os proprietários tinham na Europa. Buscavam a independência, como autonomia e como um outro tipo de existência, em região que fosse confortável em termos de língua e de clima.

  • 2 Dados retirados do capítulo 2 de Ribeiro, Gladys Sabina, A liberdade em construção. Rio de Janeiro, (...)

2Foi assim que, ao longo do século XIX, a presença lusitana no Rio de Janeiro foi se tornando muito mais crucial do que se possa imaginar. Já no Primeiro Reinado e Regências, os trabalhadores portugueses no Rio de Janeiro constituíam percentagem significativa da população total trabalhadora livre da Corte. Para exemplificarmos, no ano de 1834 os portugueses eram 30,32% dos trabalhadores livres. Se excluíssemos destes os homens brancos não estrangeiros, seriam 62,91%. Também provavelmente eram a quase maioria da população estrangeira trabalhadora e da população adulta branca2. Portanto, gradativamente o trabalho lusitano foi sendo cada vez mais importante, no Rio de Janeiro. No final do Império e, sobretudo na primeira década republicana, acentuou-se a imigração portuguesa para o Brasil: 202.429 indivíduos entre 1891 e 1900; 218.193 entre 1901 e 1910; 321.507 entre 1911 e 1920; 286.772 entre 1921 e 1930. Em 1906, os portugueses constituíam 1/5 da população da cidade do Rio de Janeiro e eram a metade da mão-de-obra activa na cidade.

3Situamos a importância das relações raciais e nacionais no período de transição acentuada do trabalho escravo para o livre e assalariado, logo após a abolição da escravidão, que se deu em 1888. Em outras palavras, na consolidação de um mercado claramente assalariado, a implantação de uma ideologia específica do trabalho ganhava força e impunha-se, sendo considerado o principal parâmetro o bem trabalhar, que levaria ao progresso, à civilização e à modernidade, afastando a cidade e o país do seu passado colonial.

  • 3 Em dois trabalhos anteriores, salientamos o papel do imigrante português no contexto da Primeira Re (...)
  • 4 Foram lidos cerca de 170 peças penais classificadas no Código Penal de 1890 sob os artigos 294.º e (...)
  • 5 Fizemos quarenta e quatro entrevistas com lusitanos chegados ao Brasil até 1930. Foram entrevistada (...)
  • 6 Para os anos da década de 1890, coligimos os seguintes jornais: O Jacobino, O Nacional, A Bomba e O (...)
  • 7 Queremos deixar claro que o nosso trabalho não se atém a tal ou qual classe, especificamente. O pro (...)

4A hipótese central seguida é a de que houve a recriação do antilusitanismo neste período da chamada República Velha (1889-1939), no Brasil, paralelamente à recriação do preconceito racial contra os negros e os pardos. Contextualizar a problemática e vislumbrar preconceitos mútuos através da trajectória do sr. Florindo Gomes Bolsinha foi uma preocupação deste artigo3, que resumiu resultados de uma ampla pesquisa que envolveu processos criminais4, entrevistas5 e jornais6. O nosso intuito era obtermos uma análise do antilusitanismo e do preconceito racial a partir da vivência quotidiana da classe trabalhadora; a partir de uma aproximação à leitura dos próprios agentes sociais envolvidos, o que a nosso ver podia ser facilitado pelo carácter específico das fontes citadas acima7.

  • 8 Para a elaboração de roteiros para entrevistas, ver: Camargo, Aspásia e Nunes, Márcia, Como fazer u (...)
  • 9 Ver: Portelli, Alessandro, «The peculiarities of oral history», History Workshop Journal, Automn 19 (...)
  • 10 Para a relação entre história e memória, além de Portelli, citado acima, ver: Halbwachs, Maurice, A (...)
  • 11 White, Hayden, «O texto histórico como artefato literário e As ficções da representação factual», i (...)

5Contudo, neste texto, ao conjugarmos a análise de fontes escritas com a análise de entrevistas não relegamos as entrevistas para um segundo plano, como se fossem apenas exemplificadoras do que se pretendia afirmar consultando documentos escritos. Assim, embora tenhamos tomado cuidado com aspectos técnicos, tais como elaborar previamente um roteiro que nos guiou na conversa, sem contudo fazer dele camisa de força8, também procuramos compreender aspectos atinentes à relação entre memória e história e sobre o diálogo estabelecido entre o entrevistador e o entrevistado9. Levamos, portanto, em consideração os lapsos de memória de sr. Florindo, a mudança de assunto quando não lhe convinha, a volta a assuntos que havíamos abordado antes na entrevista e que ele havia evitado por não ter confiança adquirida no início da entrevista, as suas falhas de memória10, bem como a forma como ele construiu e organizou a sua narrativa11.

  • 12 Becker, Jean-Jacques, «O handicap do a posteriori», in: Ferreira, Marieta e Amado, Janaína (org.). (...)

6Desta forma, as fontes foram pensadas como construções históricas, que necessitam – escritas ou orais – do trabalho competente e crítico do historiador, que pode verificar, comparar e perceber enganos, anacronismos históricos ou psicológicos. Para isto, é necessário que tenhamos uma boa questão de pesquisa, que saibamos conjugá-la com aspectos teóricos adequados e que tenhamos igual competência e erudição sobre o tema tratado e período abordado. Acreditamos que muitas das reflexões sobre os «arquivos provocados»12 são igualmente pertinentes a documentos escritos por indivíduos na sua própria época. Se tomarmos como exemplo um depoimento de uma testemunha num processo-crime, podemos dizer que o que afirma é tão individual ou tão colectivo quanto o que diz um entrevistado. Caberá, então, ao historiador interpretar estes dois depoimentos a partir de concepções teóricas que nortearão o seu trabalho, entendendo-os como discursos, representações, ou mesmo versões, de acordo com tal ou qual quadro teórico, com tal ou qual concepção do real e da realidade.

  • 13 A biografia e as trajectórias de vida assumiram novamente papel importante no campo de saber histór (...)

7Dentro das observações em tela, acompanhar a trajectória do sr. Florindo foi igualmente poder reflectir sobre outras trajectórias de vida13 trazidas pelas outras entrevistas e, porquê não, pelos processos criminais, que igualmente dão conta das urdiduras dos relatos feitos na polícia e na frente de promotores e de juízes.

  • 14 Becker, Jean-Jacques, Op. cit. p. 30.

8Desta forma, concordamos com Becker que «nunca confiar numa única fonte, é um dos mandamentos da profissão do historiador»14. Foi este um princípio basilar do nosso trabalho de investigação.

Viagens e Histórias dos Imigrantes Portugueses

  • 15 Pompéia, Raul, «Introdução», Otávio, Rodrigo, Festas Nacionais, Rio de Janeiro, 1893, p. VIII.

9Em 1893, Raul Pompéia escreveu a «Introdução» a obra de Rodrigo Otávio, intitulada Festas Nacionais15. Neste texto, aos portugueses eram atribuídos os diversos males do recém-inaugurado regime republicano. Haviam atravancado o destino do Império e continuavam perturbando a marcha do progresso e a vida do povo. Isto justificaria a manifestação de sentimentos nacionalistas. O «partido da colónia» deveria ser expurgado porque estava em constante luta contra o «partido da emancipação». Os lusitanos teriam atravessado o período imperial brasileiro causando todo tipo de vicissitudes e contingências, reagindo contra as «aspirações nativistas» dos brasileiros e seus desejos de progresso e de liberdade. Seriam exploradores por excelência. Verdadeiros aproveitadores da terra que os havia recebido sempre de braços abertos, como verdadeiros irmãos.

  • 16 O antilusitanismo na República Velha, incluindo a análise dos períodos jacobinos dos anos de 1890 e (...)

10Todos os argumentos acima foram usados por Pompéia e não eram a expressão de um sentimento unicamente pessoal. O antilusitanismo não era novo no Brasil. Contudo, na virada do século XIX para o XX foi recriado e revestido de uma nova roupagem, servindo aos interesses da recém-criada República e dissimulando problemas de ordem política e económica. Auxiliaria, então, na criação de uma imagem moderna e progressista para do novo governo, que seria oposto ao antigo, sinónimo do atraso. Neste contexto, a xenofobia se expressava em textos de romancistas, de jornalistas e, ainda, no quotidiano retratado pelos jornais e apreendido nos conflitos variados que pudemos pesquisar nos processos criminais do Primeiro Tribunal do Júri, do Rio de Janeiro16.

11No recém-inaugurado regime, as autoridades buscavam o reconhecimento para suas atitudes, afastando-se do que lembrasse a casa de Bragança e do que julgavam ser peias e ranços deixados pela «espúria herança portuguesa». O discurso era ambíguo. Se por um lado reconheciam que havia verdadeiros capitalistas portugueses, comerciantes de varejo e muitos empregados lusitanos que sustentavam a vida económica da cidade, e como tal eram vistos como sujeitos ordeiros, bons exemplos de trabalhadores que tinham suas imagens enaltecidas; por outro, não era raro encontrar-se na imprensa e nas palavras das autoridades os portugueses retratados da pior forma possível, como avaros, mesquinhos e exploradores, sobretudo nos anos jacobinos de 1890 e de 1920.

  • 17 Lúcia Lippi Oliveira lembra que neste momento se volta à velha pergunta: desde quando somos uma naç (...)

12As imagens divulgadas não eram apenas um jogo de cena ou construção feita com algumas palavras para justificar tal ou qual atitude nos âmbitos político e/ou económico. Tinham eco em sentimentos confusos e ambivalentes expressos de parte a parte. Havia um antilusitanismo que permeava o quotidiano da classe trabalhadora carioca, expressando-se tanto nas lutas pela sobrevivência no mercado de trabalho, nos espaços populares de moradia, naqueles destinados à alimentação e ao lazer, bem como nas disputas amorosas. Nestas ocasiões, era comum o xingamento de «galego» explorador e usurpador da terra, ao mesmo tempo que se lhe reconhecia a qualidade de irmão de sangue de uma mesma Nação de origem – a portuguesa – frente à necessidade de se buscar uma origem para a verdadeira nacionalidade e a implantação de uma cidadania de facto no período republicano. Assim, relia-se novamente a Independência do Brasil expurgando-a mais uma vez dos portuguesismos. Celebrava-se o nacional distinguindo-se o que lhe era típico, o que fazia do Brasil uma pátria, um país moderno, uma nação optimista17.

13Quanto aos portugueses, da mesma forma que se aferravam às prerrogativas que a irmandade luso-brasileira lhes dava para se situarem na nova Pátria, usavam este mesmo direito para se vangloriarem de seus feitos no passado e das suas qualidades de trabalhador em detrimento dos nacionais aos quais julgavam pouco afectos ao trabalho.

14Em mão dupla, todos estes ingredientes não deixavam de gerar uma convivência difícil. Para os populares, o mesmo movimento que tornava o elemento lusitano «invisível» através do apagamento dos traços e do carácter da imigração, com a naturalidade que se encarava o sr. Manuel da padaria e o sr. Joaquim do botequim, marginalizavam-se, debochando do seu falar e agir de forma diferente. Os estereótipos expressavam assim estas vivências múltiplas: se por um lado eram trabalhadores, por outro eram exploradores.

15Mas, havia ainda outras características atribuídas aos portugueses e que se aplicavam tanto aos trabalhadores quanto aos exploradores capitalistas. Estas falavam de aspectos morais e de traços sociais relacionados com o atraso, oposto àquele momento luminar de progresso. Por esta óptica, os lusitanos seriam mal carácter, trapaceiros, nauseabundos, em última instância, «burros» porque trabalhavam demais e ainda por cima não entendiam o que se lhes dizia e agiam de acordo com uma óptica diferenciado do mundo. Era comum mandá-los de volta para a própria terra. O agressivo xingamento de «galego» poderia servir de abrealas a uma das muitas desavenças que encontramos, contudo, poderia também vir acompanhado de piada sobre a sua maneira galega do «gajo» ser e de agir.

16Sem dúvida, para a classe trabalhadora as marcas da diferença e da exclusão eram armas na penosa luta pela sobrevivência na República Velha, claramente relacionadas à preferência que tinham os lusitanos no mercado de trabalho. Efectivamente, de quem seria a «Terra da Promissão»? Quem realmente deveria mandar aqui? Portugueses ou brasileiros? Actos de afirmação positiva sobre o estrangeiro, em geral, e sobre o português, em particular, não podem deixar de ser interpretados como uma atitude política, uma forma de tomar posse do espaço em que se vivia em uma trajectória que excluía os recém-egressos da escravidão e que distinguia o trabalhador europeu. Neste contexto, era muito comum posições pró ou contra os portugueses.

17Segundo Boaventura de Sousa Santos, a cultura portuguesa seria de «fronteira» diante da cultura de países mais prósperos economicamente. Isto porque

  • 18 Santos, Boaventura de Sousa, Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade, Porto, Af (...)

«Portugal, ao contrário dos outros povos europeus, teve de ver-se em dois espelhos para se ver, no espelho de Próspero e no espelho de Caliban, tendo a consciência de que o seu rosto verdadeiro estava algures entre eles. Em termos simbólicos, Portugal estava demasiado próximo das suas colónias para ser plenamente europeu e, perante estas, estava demasiadamente longe da Europa para poder ser um colonizador consequente»18.

  • 19 JornVer: Duchet, Michèle, Antropologia e História en el Siglo de Las Luces: Buffon, Voltaire, Rouss (...)

18Assim, o papel dos portugueses e de Portugal era debatido pela imprensa do início do período republicano. Em 23 de Abril de 1893, nas páginas do jornal O Paiz19, o sr. Chrispiano da Fonseca rebatia as acusações feitas por Raul Pompéia ao «partido da colónia». Tecia o seu argumento a favor dos descendentes de José Clemente Pereira. Valorizava o amor do português pela sua nova Pátria, chamando atenção para a adopção que este fazia dos seus «interesses gerais» e mostrando que desde cedo ele se sentia «brasileiro». Enfatizava os benefícios que trazia para a questão nacional, pois falava a mesma língua, casava-se com brasileiras e formava famílias, de tal forma que a «primeira impressão» que se tinha «é de que não veio para o estrangeiro, mas apenas mudou de terra dentro do próprio país».

  • 20 Ver: Duchet, Michèle, Antropologia e História en el Siglo de Las Luces: Buffon, Voltaire, Rousseau, (...)

19Reforçava, desta maneira, um conjunto de ideias que estiveram presentes ao longo de todo o século XIX e que permanecerão ainda como elementos favoráveis no julgamento da contribuição lusitana no século XX: a relação entre a constituição da Nação e da nacionalidade com o povoamento do Brasil e com as vantagens da adopção do braço europeu20. Ao europeu estariam associados a grandeza do país e a possibilidade de torná-lo uma Nação hegemónica, a exemplo dos Estados Unidos. Ao defender a imigração europeia dava maior peso à importância do aumento da imigração portuguesa porque, além de serem europeus, falavam a língua portuguesa, adaptavam-se melhor à nova terra, adoptando-a como sua, fixando-se e usufruindo de todas as riquezas que lhe eram proporcionadas.

20Mas, embora apaixonada, a resposta do sr. Chrispiano trazia também a marca do ambíguo ao referir-se a uma «primeira impressão» que se tinha ao olhar a vida dos imigrantes portugueses. O preconceito era vivido por aqueles que mudavam de país. Em sua defesa, oscilavam entre reconhecer a falsa irmandade, confirmando a «invisibilidade» que neutralizava a presença dos Manuéis e Joaquins, e mascaravam sentimentos adversos.

21Em 1921, na coluna «Palestrando» do Jornal Português apareceu um artigo curioso sob o título «O Brasil é dos portugueses». Não era assinado, porém foi redigido como uma carta a um irmão que se encontrava em Portugal, lamentando-se do tratamento recebido no Brasil.

  • 21 Jornal Português, n.º 127, 17/09/1921, p. 1.

«Meu querido irmão António. Fazes amanhã, 21 anos de nascido e eu 10 anos de ausência do nosso torrão abençoado, desse Porto querido, desse cantinho onde me esperam a todo momento. E vê a triste coincidência, num dia de festa, quis o Destino que fosse eu quem desse a nota triste, sim porque na nossa casa, nesse dia, com a minha partida para o Brasil foi um dia de luto para todos, excepto para mim, pois apesar de trazer o coração oprimido por ter de deixar-vos, eu vinha para o desconhecido e, o que é mais, para uma terra que aí aprendi a estimar e onde, me diziam, os portugueses estavam como em sua casa, pois falava-se a mesma língua, viviam-se os mesmos costumes, e, enfim, éramos queridos e respeitados como irmãos, já tu vês, pois, era natural que a minha dor fosse menor que a vossa. Pois bem, parti, depois de beijar-te e aqui estou há dez longos anos a recordar essa triste hora da partida e acalentando a idéia de voltar a abraçar-te e arrependido de ter vindo, pois que horas depois de pisar terras brasileiras via que a fraternidade entre brasileiros e portugueses era uma lenda, como a da árvore das patacas.
Uma tarde num encontro sinistro entre um bonde e uma carroça ouvi atirar à cara do cocheiro, – que era português, – a palavra galego e quem a pronunciava era o motorista que era brasileiro, e, tempos depois, vi uma cena, idêntica no insulto, com a diferença de que agora o motorista era português e a cocheiro era brasileiro.
No teatro, no café, aqui, ali e acolá, sempre que uma contenda aparece em que português e brasileiro estão em desacordo, catrapus, lá vem o galego.
(...) Nunca de nossa mãe te afastes, nunca; é uma grande desventura; já basta o perdermos a nacionalidade quando saímos de Portugal!, sim porque aqui somos galegos e uma vez de volta aí, somos brasileiros.
(...) Ora vê tu que ideia teve certo jacobino em afirmar que o Brasil é dos portugueses. Se tal fosse possível podes crer que os que nascessem no Brasil seriam os melhores respeitadores da nacionalidade alheia. (
sic21.

22O texto é emblemático. Revela a esperança e a frustração daqueles que partiam em busca da sobrevivência. Em um tom tragicómico denunciava ser a amizade entre brasileiros e portugueses um engodo. Descrevia o que julgava traição, colocando-se como vítima da lenda de uma fraternidade que conhecia como falsa, tal qual a da «árvore das patacas». Cheio de boas intenções, havia escolhido o Brasil desconhecido por Pátria de adopção, entretanto, desembarcado aqui via-se a toda hora xingado de galego. Lamentava ter perdido a nacionalidade portuguesa e não ter podido adoptar a brasileira, já que se achava igualmente dono da nova terra. Queixava-se dos brasileiros, que chamava de jacobinos, discordando da máxima «O Brasil é dos portugueses». Ao finalizar, afirmava a necessidade dos brasileiros respeitarem a nacionalidade alheia.

  • 22 Pescatello, Ann Marie, Both ends of the journey: an historical study of migration and change in Bra (...)

23O autor desta missiva tinha chegado ao Brasil em época próxima àquela que o sr. Florindo Gomes Bolsinha desembarcara no porto do Rio de Janeiro. Nascido em 21 de Agosto de 1893, na Póvoa de Varzim, era filho de lavradores humildes. Chegara aos 16 anos, no mês de Janeiro de 1910. Vinha fugindo de um ambiente de dificuldades económicas e políticas variadas, como bem nos descreveu Pescatello22. Naqueles anos, era frequente jovens portugueses depositarem no Brasil o sonho de uma vida melhor. Queria também escapar do serviço militar, cuja disciplina achava rígida demais. Para não servir, deveria pagar, caso contrário o seu pai seria preso. Fugiu. Arriscou todos os recursos que tinha, usou até mesmo meios ilegais. Não pôde embarcar de Vigo, na Espanha, por conta da guerra com Marrocos. Obrigado a voltar novamente a Portugal, de lá fugiu de novo. Percorreu toda a Espanha de comboio e embarcou para o Rio de Janeiro como clandestino. O sr. Bolsinha trazia uma carta de recomendação escrita por parentes para conhecidos na cidade. Contou com detalhes as suas peripécias até o desembarque:

Sr. Florindo: (...) Devido às enchentes em Salamanca, perdi o navio que estava determinado para eu embarcar em Gibraltar. Tive que esperar um outro. Fiquei mais ou menos uns quinze dias esperando o outro navio e os recursos acabaram. Passei, então, no Consulado disposto a me entregar. Mas, achei que devia seguir o meu destino. Consegui a passagem. Nesse tempo passei privação. Consegui passagem para 15 dias depois, quando o navio chegou. Embarquei para a Ilha da Madeira escondido no porão do navio, por causa das autoridades. Eu tinha 16 anos completos. E dali eu vim para aqui [Rio de Janeiro]. Quando cheguei aqui, saltei... não tinha cais. O barco ficava ao largo. Pagava 5 tostões de bote. Desembarquei e me dirigi à casa que vinha destinado, na Rua do Rosário. Eu tinha sido recomendado com uma carta de um parente para a casa do Mourão Filho, lá na rua do Rosário. Entreguei a carta a eles, que me mandaram para a Ponta do Cajú.

Entrevistadoras: Por que as pessoas vinham de Portugal para o Brasil?

Sr. Florindo: Bom, era dado que no Brasil havia facilidade de se ganhar a vida.

Nós éramos 14 filhos, sendo o único vivo agora sou eu. Sabia-se dessa lenda: «lá no Brasil se ganha muito dinheiro, ganha-se fortunas». O indivíduo, empolgado com essa situação, queria vir para o Brasil. Eu vim depois por... de Barca d’Alva. Fui para Gibraltar, mas depois corri a Espanha de norte a sul, andando por trem. Nessa viagem demorei vários dias. Várias semanas passando pelos consulados portugueses nos lugares onde a gente parava, quer dizer, no terminal de cada secção de linha. Fui como daqui a São Paulo, ao Rio Grande do Sul e coisa assim. A agente ia ao consulado para o consulado dar o visto para poder tomar passagem para o Rio e para o trem seguir o rumo destinado. Em Gibraltar eu entrei junto com os operários espanhóis que trabalhavam nas obras do Governo. E essas obras... a gente chegava e não podia entrar em qualquer hora, tinha que entrar documentado. Entrava-se junto com os operários; era só a mão no guiché. Eles davam um talão e o sujeito entrava com o talão. Eles sabiam quem entrava e quem saia, ou melhor, quantos entravam e quantos saíam. Dessa forma eu vim parar aqui. (...) Vim com uma carta de recomendação de um parente para Mourão Filho. Não sei de quem era a firma em Póvoa de Varzim. Aqui ele me despachou para a Ponta do Cajú, para o armazém de secos e molhados. A vida era dura. Eu era empregado do armazém.

Entrevistadoras: Isso era o ano...

Sr. Florindo: 1910. A gente, num quarto pequeno, moravam 5. Eu ficava atrás da porta. A cama era uma esteira. Quando um indivíduo queria entrar ou sair, eu tinha que levantar. Era chato. Preferi mil vezes sair, e saí. Depois, fui morar na Rua do Livramento. (...) Eu saí porque não aguentei mais essa situação de ficar; o serviço era muito pesado.

Entrevistadoras: Essa casa era de portugueses?

Sr. Florindo: Não senhora. Era de uma senhora de nome Leopoldina, brasileira. A casa era dela. Ela deixava a casa com um administrador, que vivia com ela. Não sei. O serviço era muito pesado. Eu saia do Cajú e ia até São Cristóvão com um saco de carvão na cabeça. Subia aquele morro, onde tem o campo do Vasco, com aquele saco na cabeça, pesadíssimo, e tinha que subir. Dez, onze horas da noite ainda andava na rua. Achei que não devia continuar. Fiquei lá uns dias, na Rua do Livramento, numa carvoaria que tinha uns rapazes que moravam lá, e eu fiquei lá.

Entrevistadoras: Eram portugueses?

Sr. Florindo: Eram. Depois eu fui para a rua Francisco Eugênio, trabalhar num botequim.

Entrevistadoras: O botequim era de portugueses?

Sr. Florindo: Era de portugueses. Um só, solteiro. Eu tinha que levantar às 3 horas da manhã para ir ao mercado comprar sardinha. Eu, junto com ele, carregava a sardinha para casa. Limpava e preparava pra fritar. Aquilo tinha que fritar. A cozinha era um hall qualquer, de forma que tudo era... Tudo, sabe. Bem, muitas vezes eu ficava até 10, 11 horas da noite de porta fechada com dois, três indivíduos dentro da casa, bebendo cerveja. Quer dizer, eu descansava muito pouco. Então, fui para o Lloyd Brasileiro. Consegui arrumar lugar no Lloyd brasileiro, na turma de ferrugem. Nesse tempo, chamavam uma turma para todos os serviços de oficina na ilha. Desta forma, eu fiquei ali uns tempos até formarem uma cozinha para o pessoal do escritório, para onde eu fui convidado para servir de copeiro. Ficava de copeiro e ajudava de cozinheiro durante alguns anos. Depois disso, consegui, por intermédio de um Mestre Geral, ir para a oficina, e lá fiquei aprendendo o ofício a serviço de um oficial. Depois de aprender o ofício, saí de lá e vim morar cá em baixo, na cidade. Ali eu estive uns tempos. Depois, fui trabalhar na Plínio Soares e Cia, na Ponta do Cajú, num estaleiro.

Entrevistadoras: Como o sr. conseguiu o emprego na oficina?

Florindo: O Mestre Geral morava e trabalhava lá; morava e comia lá com os outros. Era eu quem o servia, então, de vez em quando, eu arrumava um queijo e dava para ele, e coisa e tal. Então, criei uma amizade com ele e ele comigo, assim, me empregou lá na oficina.

P: A Plínio Soares era casa de portugueses?

Florindo: A Plínio Soares era de portugueses.

  • 23 Nunes, Rosana Barbosa, «Imigração e Lusophobia no Rio de Janeiro do Primeiro Reinado», Texto aprese (...)
  • 24 Ribeiro, Gladys Sabina, op. cit. 1987. As disputas entre portugueses e brasileiros no mercado de tr (...)

24O Estado brasileiro não incentivava a imigração portuguesa, mas franqueava livremente o acesso desses imigrantes a todo território nacional. Muitos entraram como clandestinos. Entre 1837 e 1968, uma média de 1 milhão e 700 mil portugueses estabeleceram-se no Brasil23, sendo que o período entre 1890 e 1930 foi aquele que reuniu o maior número de entradas, chegando a 1.018.901 pessoas24. Foi nestes anos que se deu novo sentido ao acto de trabalhar, que de proscrito e aviltante passou a dignificar o cidadão, a qualificá-lo e a legitimar a sua riqueza. Desta forma, o imigrante europeu foi transformado em protótipo do bom trabalhador; aquele indivíduo ideal para se misturar ao brasileiro, levando ao embranquecimento da Nação. O trabalho escravo, degradante, vil, violento e brutal, foi confundido com o próprio negro escravizado. No período pós a abolição, esta operação ideológica acabou por atribuir aos negros, aos mulatos e aos seus descendentes estas e outras pechas, como as de preguiçoso, malevolente, vadio.

  • 25 Esta entrevista está transcrita e depositada no Laboratório de História Oral (LABHOI) do Departamen (...)

25Retratando de forma viva e colorida o que significava ser português na capital do país, o sr. Florindo Gomes Bolsinha concedeu uma longa entrevista realizada no Asilo da Beneficência Portuguesa, em Fevereiro de 198425. Não escondeu as dificuldades vividas, muito pelo contrário. Fez questão de contá-las para acentuar o seu passado de luta. Falou entusiasmado das oportunidades de trabalho que encontrou e da solidariedade entre os portugueses, que se tornava mais importante do que a exploração a qual eram submetidos. Em outras palavras, deixavam-se explorar até ao limite do que consideravam justo para poderem juntar algo ou serem auxiliados pelo patrício. Vendiam sua força de trabalho julgando trabalharem para si. O modelo era o patrão. O desejo era o de se tornar patrão. Portanto, não introjetavam a chamada ideologia do trabalho, mas usavam-na para sobreviver e obter sempre melhores colocações. Os que trabalhavam no comércio – como caixeiros ou em posições de chefia –, intermediários entre patrões e outros empregados, em serviços autónomos ou como ambulantes, agiam mais de acordo com as regras do bem trabalhar do que aqueles que eram operários. Parece que a autonomia, o desejo de liberdade, o enriquecimento, a possibilidade de se tornarem proprietários e patrões eram mais factíveis no sector terciário. A exploração e a vida ascética eram legítimas em nome de, futuramente, se estabelecerem e reproduzirem, com sorte, o mesmo percurso dos patrões. Desta forma, a solidariedade com os interesses do patrão era comum.

Entrevistadoras: Era fácil para os portugueses arrumarem emprego no Brasil?

Sr. Florindo: Se tivesse uma profissão, não era difícil. Se não, era duro. Tinha muito trabalhador no Brasil. Era a Light que desenvolvia serviços de rua e empregava os trabalhadores. Naquele tempo não havia os bondes eléctricos. Os bondes eram puxados a burro. Foi a Light que desenvolveu as linhas de bonde e deu serviço a trabalhadores braçais. Mas, quem tinha profissão tinha muita facilidade de arranjar emprego. Carpinteiro, pedreiro, mecânico, electricista, para todas essas profissões não havia dificuldade.

Entrevistadoras: E o português arrumava trabalho de forma mais fácil no Brasil do que o próprio brasileiro?

Sr. Florindo: O brasileiro tinha mais dificuldade porque não se sujeitava a trabalhar nos horários e o tempo de serviço que o português se sujeitava. Não havia quem quisesse trabalhar de sol a sol. Não havia regulamento nenhum em parte alguma, nem no comércio, nem na indústria. Mais tarde veio o regulamento para a indústria. Casas pequenas não pegaram essa imposição da lei de Getúlio. Antes dele não havia nada disso. Era o patrão que dizia: – «vamos rapaziada, que já está escuro». Ou: «vamos trabalhar mais cedo amanhã». E o indivíduo tinha que se sujeitar.

Entrevistadoras: E o brasileiro, se sujeitava?

Sr. Florindo: Não se sujeitava porque ele estava na terra dele. O português, como tinha necessidade de sobreviver, se sujeitava. Muitas vezes os brasileiros reclamavam dos portugueses porque eles tiravam as regalias que eles queriam ter.

Entrevistadoras: Eles reclamavam dos portugueses que tiravam o emprego deles?

Sr. Florindo: Não. Os portugueses propriamente não tiravam o emprego deles. O brasileiro não aceitava o emprego que o português aceitava. A conclusão é que eles não tinham nada que reclamar. Reclamavam com o patrão. Havia um certo número de indústrias pequenas de portugueses; o sujeito vinha e se desenvolvia (...) O Firmino Soares era uma casa portuguesa, que se desenvolveu com navios de guerras alemães que vinham para o porto na primeira guerra. Eles faziam a reparação desses navios para que eles voltassem para a Alemanha. Havia muito serviço, muito trabalho, dava para todos e sobrava serviço. Trabalhava-se dia e noite. Isso aí era motivado pela disposição que o português tinha para poder sobreviver. O brasileiro não se sujeitava. Os anúncios classificados dos jornais davam preferência ao português porque era pé firme no trabalho; eles precisavam ganhar dinheiro e remeter recursos para Portugal, para a família que tinham lá. Assim, o sujeito era obrigado a assumir uma responsabilidade de não faltar no serviço, de ser atencioso e de estar a toda hora onde fosse preciso. O brasileiro não se sujeitava a isso da mesma forma que o português na sua terra também não se sujeitava. (...)

  • 26 Cidade situada na Serra dos Órgãos e que dista 100 km da cidade do Rio de Janeiro.
  • 27 Epidemia de gripe espanhola.
  • 28 Refere-se como indústria às oficinas que montou, onde fabricava máquinas que ele mesmo inventava.

26A Plínio Soares era de portugueses bem como quase todos os outros lugares onde sr. Florindo trabalhou como autónomo e como patrão de si mesmo. Recordando suas palavras, no período posterior ao governo de Getúlio Vargas reformou uma oficina, que comprou de um patrício que havia se mudado para Teresópolis26, e estabeleceu-se. Foi com base na solidariedade encontrada na Plínio Soares – um estaleiro que consertava pequenos navios «na época da espanhola»27 – que resolveu mudar de actividade, permanecendo no ramo da mecânica. Como não tinha ficado doente e tomara conta do negócio, percebeu que dali só poderia tirar o que dava conta da «necessidade de momento». Com apoio do seu ex-patrão, foi então trabalhar por conta própria, em reparos de máquinas de grande porte. Constantemente recomendado por seus patrícios, por ser pessoa de confiança e pela sua criatividade, montou indústrias28 em vários lugares, como Barra do Piraí, Piedade – Rio de Janeiro, localidades de Minas Gerais, do Espírito Santo e de São Paulo.

Sr. Florindo: (...) Eu era convidado. Vinham procurar-me aqui no Rio; vinham por informações [procurar] a pessoa que estava habilitada a fazer o trabalho que eles queriam. Como eu não era casa aberta, cobrava 50 mil réis o meu serviço por dia; era nessa base. Mas, para eles era muito mais barato do que entregar a uma casa; além disso, havia dificuldade em se obter pessoas que conhecessem o ramo de actividade. De forma que eu fui ficando nesse serviço, lutando de um lado e de outro. Trabalhei também no Espírito Santo, no Carones e Filho; também noutra firma em São Paulo, no Cruzeiro, também não sei o nome do sujeito que era dono da firma.

Entrevistadoras: Mas, eram todas de portugueses?

Sr. Florindo: Eram todos portugueses. Só em Cachoeira do Itapemirim é que era de turco. E o resto foi no Rio de Janeiro. Eu fiquei aqui conhecido, depois tinha a conservação. Era chamado para a conservação de todas essas fábricas para onde eu trabalhei. Então, eu ocupava meu tempo assim nesse campo.

27Quando conseguiu comprar a oficina na rua Sacadura Cabral n.º 205, no Centro do Rio de Janeiro, tomava conta do seu «ponto», consertava máquinas e inventava o que lhe pediam, embora considerasse seus «conhecimentos técnicos de escola não... muito elevados»: tinha apenas «o segundo grau da escola primária», o que lhe impedia de «tomar certas responsabilidades», como assinar plantas.

Entrevistadoras: Quer dizer que o sr. passava a consertar as máquinas que tinha instalado?

Sr. Florindo: E ia montar outras indústrias mesmo. Como fábricas de doces, caramelos e esses negócios todos. Máquinas que tinha aptidões para ver o assentamento, o que precisava, o que não precisava. Fazia o acompanhamento para ficar funcionando, de forma que fui vivendo assim até que eu botei oficina e fiquei sozinho. Depois, botei um sócio lá, sem capital, com direito a 30% do lucro. Eu fazia o serviço de rua e ele ficava na oficina, tomando conta e fazendo os serviços que necessitava. Eu fabricava algumas máquinas para fábricas de açúcar e confeitarias e padarias. Quer dizer, batedeiras, porque antigamente o pão aqui era fabricado com 6 ou 5 metros de comprimento. Uma turma tirava de um lado e do outro estendiam a farinha de trigo a uma altura de quatro dedos a 5 dedos, assim em toda a volta. Despejavam ali dentro os ovos que vinham do Rio Grande do Sul. Eles quebravam e botavam ali. Se tinha pinto, tiravam e botavam fora. Se não tinha, eles iam embora. O pão tinha que ser amassado. Quanto mais macio, melhor. E eu então fazia máquinas que substituíam esses homens. Eram umas máquinas que batiam as massas. Eles botavam a massa que tinham dentro da batedeira, já com açúcar, os ovos e esses negócios, e aquilo batia tudo. Já saía pronto, e dava muito melhor, né…? E aquilo dava muito melhor proveito. Quando eu ia estudar uma indústria qualquer, eu ia ver o que o homem fazia nessa indústria. Eu ia ver como é que o homem fazia essa indústria ser manual, então, dali eu tirava a conclusão do que era preciso fazer para dar o produto que ele estava tirando. E assim sucessivamente.

28A princípio sem sócios, acabou rendendo-se à dificuldade de atender os clientes na rua e cuidar da administração interna da firma, cedendo 30% a um conterrâneo que entrava com o trabalho. Em 1965, vendeu-lhe a sociedade, quando adoeceu. Daí em diante, passou a viver de comprar e vender imóveis.

29Assim, Sr. Florindo seguiu uma trajectória que percebemos ser comum a alguns portugueses que labutaram no comércio, trabalhando duro e conseguindo colocar-se com a ajuda de patrícios. Dentro desta lógica, não se pode estranhar que fossem chamados de «galegos», acusados de tomarem posse da terra e de «encherem o pandulho aqui». Também é compreensível que tivessem uma visão nada lisonjeira do brasileiro. Na verdade, o estranhamento era mútuo e gerava inúmeras brigas. Foram muitos os flagrantes destas rivalidades. A título de exemplo, uma testemunha narrou num processo criminal o que aconteceu entre o pardo claro Balbino de tal, vulgo Nenê, e o português Domingos Parente da Costa, casado, de 36 anos e pedreiro.

  • 29 Proc. crim. Balbino de Tal, vulgo Nenê (réu), m. 56, 1898, Arquivo do Primeiro Tribunal do Juri. (A (...)

«Embarcou ele testemunha em um bonde da rua da Alegria no canto da rua do Pau Ferro, onde foi a farmácia buscar um remédio para sua casa, e ao chegar à rua de José Clemente embarcou Nenê, a quem conhece há tempos, o qual começou a insultar a um passageiro barbado a quem ele testemunha conhece também de muito por trabalhar em obras da rua da Alegria. Que Nenê tratou a esse passageiro que era português de «galego» e «filho da puta» dizendo tire o chapéu seu «galego» que o Brasil não é sua terra. Que ao chegar o bonde ao ponto final, saltaram todos e Nenê continuou a insultar tal homem que não podendo suportar a agressão foi a ele e o agarrou. Que nessa ocasião Nenê botou mão de um ferro e passou no pescoço de tal homem que caiu falecendo logo. Que ele testemunha assistiu a tudo.»29

30As testemunhas brasileiras descreveram o pardo claro Balbino de tal como um típico malandro carioca, trajando vestes brancas e chapéu de palha amarelo; já os portugueses foram retratados como «trabalhadores». Narraram com detalhes a ritualização do conflito ao redor da rivalidade nacional e étnica tendo como símbolo o chapéu: o brasileiro exigia que fosse tirado como sinal de respeito, enquanto ele mesmo permanecia com o seu. Foi uma exigência, não um pedido; foi uma ordem acompanhada do xingamento de «galego», de «filho da puta», e que levado às últimas consequências resultou num assassinato com uma barra de ferro.

  • 30 Ver os seguintes exemplares do jornal O Jacobino: n.º 42, 19/10/1895; n.º 43, 26/10/1895; n.º 45, 9 (...)

31O que distinguiu os portugueses dos demais passageiros do bonde da rua da Alegria foram as roupas e os chapéus que usavam. Não era raro naquela época reconhecer-se um português pelas suas indumentárias típicas, muitas vezes associadas ao tipo de profissão que desempenhava. Chamavam-no «mondrongo» e debochava-se do seu pretenso mal gosto ou das roupas surradas que usava. Em período de intensa xenofobia, o jornal O Jacobino chegou a publicar desenhos dos típicos «perfis portugueses» com o intuito de expô-los ao ridículo e ao descrédito, para «ver se essa galegada infame e desmoralizada toma vergonha e deixa de intrometer-se nos negócios do Brasil». Para tal, os escolhidos foram o agiota, o barbeiro, o soldado da guarda nocturna, o leiloeiro, o carroceiro, o padre, o senhorio, o «xoxiu da Liga», o zangão, o belchior, o pasteleiro, o taverneiro, o açougueiro, o carregador e o literato30.

32Sr. Florindo bem conhecia este xingamento. Todos os entrevistados mencionaram o facto de serem confundidos com os galegos, explicando que esta era uma realidade transposta daquilo que viveram em Portugal. Os galegos trabalhavam tanto em Portugal quanto os portugueses trabalhavam no Brasil. Também não eram bem vistos e aceitavam qualquer serviço em troca de umas poucas moedas.

Entrevistadoras: Alguma vez o sr. ouviu alguém chamar-lhe «galego»?

Sr. Florindo: Muitas vezes. Este tratamento às vezes era de brincadeira; às vezes, era sério (...) O sujeito que era chamado de galego tinha um estilo (...) Os brasileiros faziam isso por deboche porque sabiam que ele não era da Galícia. Mas, por deboche chamavam o português de galego. Era tratamento ofensivo (...) Galego ou mondrongo. Mondrongo é porque o indivíduo não tem jeito para se preparar para ir a lugar nenhum e vai de qualquer forma. Era chamado de mondrongo. Não tem instrução, não tem nada. Davam-lhe o nome de mondrongo também por deboche.

  • 31 Edmundo, Luiz, O Rio de Janeiro do meu tempo, Rio de Janeiro, Conquista, 1957.

33Luiz Edmundo, cronista da Rio de Janeiro do início do século XX, pontilhou toda a sua obra O Rio de Janeiro do meu tempo31 de um antilusitanismo ao mesmo tempo malicioso e jocoso. Nas diversas partes do livro em que retratou a presença lusa na cidade, além de sublinhar as vestes esfarrapadas no corpo franzino da chegada e o fausto e a opulência do comendador enriquecido, cheio de ouro no relógio e nos brasões comprados, imitou de modo irónico o falar à moda de Portugal: «Ai, o rico Brasil. Cá ista el! Cá istá el!».

  • 32 Para a análise da língua como um elemento importante, mas falacioso, na construção da união / ident (...)

34A língua comum, que era enfatizada no discurso da irmandade como factor de união, de congraçamento, de passado compartilhado e capaz de facilitar a convivência, igualmente separava. Por um lado era um dos distintivos da invisibilidade para as autoridades, para os jornais da Colónia e para os próprios imigrantes32, que sublinhavam-na como forma de não se auto-excluirem, como elemento capaz de lhes propiciar a mistura em busca de um lugar na nova Pátria – quer dizer no mercado de trabalho e na procura de uma vida promissora com a conquista de direitos que não tinham em Portugal. Mas, por outro, era um dos sinais marcantes que faziam do português um imigrante legítimo pelo seu sotaque, um outro, o estrangeiro.

35Nas ruas do Rio de Janeiro o falar a moda de Portugal separava e distinguia brasileiros e portugueses, ajudando a fomentar o ódio mútuo. Por isso, não foi um episódio destituído de significado a agressão sofrida pelo português Manuel Trindade ao se deparar com Francisco Soares Leite.

  • 33 Proc. crim. Francisco Soares Leite (réu), m. 68, 1900, A.P.T.J. (Arquivo do Primeiro Tribunal do Jú (...)

Que no dia dezassete às nove e mais horas da noite, mais ou menos, saiu de um botequim de bilhares de propriedade de Júlio de Tal, em direcção à sua residência, cantando à moda de Portugal; quando viu um furriel, um cabo e uma praça, que o perseguiram gritando «pára galego, senão te mato». Que imediatamente obedeceu sendo espaldeirado pelo dito cabo, caindo por terra, e em seguida o furriel sacou o revólver dizendo que para galego era a bala e desforrando o revólver diversas vezes sendo o declarante atingido com duas balas na perna, uma na virilha, outra na mão esquerda; que pelas detonações e o alarme que seus agressores faziam, aparecem ali o inspetor Paulino e pessoas do povo que livraram-no de ser assassinado; que é falso estar o declarante com um grupo como disseram no destacamento; que depois de estar no destacamento ouviu o furriel pedir ao inspector Paulino de dizer que ele declarante estava num grupo e havia agredido ao furriel, não sabendo se foi ou não aceito tal pedido, devido a dar-se com o referido inspector.33

36É interessante olhar as duas versões para os factos: a dos brasileiros e a dos portugueses. Tal como denunciou o português Manoel Trindade, o furriel, o delegado e outros brasileiros que depuseram no processo afirmaram que os portugueses estavam em grupo e promovendo grande algazarra. Tarde da noite, proferiam palavras obscenas e desacatavam a repreensão da autoridade. A versão do ofendido, bem como a de seus patrícios António José Teixeira e José Vieira de Aguiar, foi outra. Segundo a versão dos portugueses, eles «chegaram todos juntos, falaram e beberam» no mesmo acto em que apareceu o comandante do destacamento insultando-os e «dizendo que para galego era bala». Qualquer uma das versões da realidade mostra a reacção antilusitana dos brasileiros.

37Explorador da terra alheia, nesta possuindo certos direitos, o português não poderia deixar de atrair o ódio dos nacionais para quem era mesmo um abuso cantar a moda de Portugal... Foi por isso que os brasileiros teriam reagido quase de modo imediato.

  • 34 Proc. crim. Francisco Appolinário Soares (réu), m. 87, 1903, A.P.T.J.

38Muitas vezes a intervenção do Estado era pedida, principalmente pela imprensa ou pelo recurso às autoridades policiais e judiciárias, porém, a grosso modo a resolução se dava com agressões mútuas imediatas. Este foi o caso do processo em que foi réu o brasileiro Francisco Appolinário Soares e outros nacionais, cujo conflito se passou em Currupira, na freguesia rural de Guaratiba34. Um grupo de brasileiros liderados por Appolinário deu uma surra no português António José Bastos, que veio a falecer em seguida. O português foi acusado de roubar verduras da plantação do brasileiro e de espancar a sua amásia. Os brasileiros deram queixa à Polícia, que disse nada poder fazer. Foi então que Appolinário reuniu um grupo de amigos e resolveu fazer justiça com as próprias mãos. Ele e seus companheiros foram absolvidos no julgamento.

39Caso semelhante foi o do preto Tertuliano de Morais Lucas, que desejando vingar-se do português naturalizado Domingos José da Rocha Pinto, ameaçou bater no seu filho menor. Domingos e seu filho mais velho acudiram e correram para perseguir o preto Tertuliano, que gesticulava obscenidades, dizia injúrias e, por fim, agrediu o português com um ferro.

  • 35 Proc. crim. Tertuliano de Morais Lucas (réu), m. 115, 1901, A.P.T.J.

40O «tomar providências» contra os portugueses não é raro na documentação coligida. Sempre havia o tradicional brado dos nacionais: «Galego vai para a sua terra»35, ou perguntas implícitas ou explícitas questionando a permanência dos portugueses em terras brasileiras. Estas correspondiam, por parte dos patrícios, reivindicações ou direitos adquiridos como povo «irmão».

  • 36 Proc. crim. Abílio da Cruz e outro (réus), m. 194, 1920, A.P.T.J.

«que hoje cerca de duas e meia horas da tarde estava no armazém do Ignácio, à rua da Igrejinha número trinta e três, quando presenciou que o acusado presente, que ora sabe chamar-se José Correia de Magalhães, mais conhecido por «Zeca Martins», discutia com Abílio de Tal por causa de nacionalidade; que Abílio dizia a «Zeca» que as brasileiras não prestavam; que «Zeca» perguntou a Abílio: então por que você veio encher o pandulho aqui? respondendo Abílio que viera para trabalhar e ganhar dinheiro; que Abílio então dissera a «Zeca»: já que você fala com tanta arrogância, logo, à noite, dou-te um tiro; que «Zeca» dissera: pois em vez de dar à noite, dá agora mesmo, e sacando a faca deu um golpe na altura do peito de Abílio; que «Zeca» caiu tendo Abílio com a própria faca ferido «Zeca», e poucos passos adiante, no meio da rua, caiu por terra...».36

41Este episódio deu-se em Copacabana na época em que este bairro ainda era um vasto areal. Quem narrou o facto foi o pescador brasileiro José Correia de Souza. «Zeca», também pescador, ofendeu-se ouvindo Abílio falar mal do Brasil e de sua gente. A briga foi deflagrada e o brasileiro demonstrou o seu desagrado em ter o português em sua terra. Mandou-o de volta ao seu torrão natal com a pergunta agressiva: «então, por que você veio encher o pandulho aqui?»

  • 37 O chamar de «galego» e mandar os portugueses de volta para Portugal, segundo o Jornal Português, n. (...)

42O protesto publicado pelo jornal O Jacobino, n.º 12, de 24/10/1894, p. 2, sob o título «Visconde... insolente», reforça o que vimos falando. O artigo reclamava contra a falta de educação de um visconde português, morador em São Cristóvão, que não havia sido atendido na pronta execução de uma ligação telefónica. Ao insultar o mau funcionamento do telefone, o chefe do posto telefónico, igualmente português, teria ficado solidário ao seu patrício. O jornal simplesmente vociferava, achando este tipo de reclamação absurda: a terra não era deles, dizia com indignação37.

43Contrariamente aos sentimentos antilusitanos, os portugueses faziam questão de demonstrar que se sentiam bem à vontade no Brasil. Ao menos atalhavam um caminho para se protegerem na luta pela sobrevivência, unindo-se em Ligas e/ ou Associações e galgando benefícios e direitos. Muitos, como no caso de Francisco Alves, famoso livreiro da cidade, chegaram a naturalizar-se. Moviam-se com tal destreza e agilidade no país que o Jornal Português, n.º 133, de 05/11/1921, p. 1, defendeu explicitamente o direito de voto dos portugueses naturalizados, isto para defendê-los de qualquer sombra de dúvida..., como frequentemente se justificava.

  • 38 A análise da «invisibilidade» dos portugueses para os dias actuais, referindo-se ao âmbito colectiv (...)
  • 39 Ver Feldman-Bianco, Bela, «The State, Saudade and the Dialectics of Deterritorialization and Reterr (...)

44Assim, o discurso da invisibilidade estava intimamente associado ao da irmandade, não resistindo a uma análise mais acurada da documentação. Do ponto de vista colectivo, era instrumento das associações e dos jornais da Colónia38, ou era utilizado como elemento de inclusão ou exclusão das políticas migratórias do Estado português e brasileiro39. Da perspectiva do imigrante, era usado como estratégia para a busca de um espaço próprio, escudando-se no laço de irmandade como forma de defesa de ataques preconceituosos variados. Entretanto, esta invisibilidade revelava-se frágil porque os portugueses eram visíveis nas roupas e no sotaque típicos, sem falar nas comidas como o caldo d’unto tomado nos «frege moscas» ou nas casas de pasto.

Entrevistadoras: E havia algum modo de diversão típico dos portugueses no Rio de Janeiro?

Florindo: O que havia era o seguinte: as cervejarias no Campo de Santana e em São Cristóvão. O Passeio Público antigamente era fechado. Era onde o indivíduo ia para os bailes e tomar cerveja ou outro refrigerante, mas geralmente tomávamos cerveja. Ficávamos lá balançando e cantando. Os salões das cervejarias enchiam nos dias de folga. Tudo era muito barato. Com o calor, o sujeito tomava cerveja com tremoços. Esse era o tipo de diversão preferida. Muitos iam aos cubes de dança. Havia muitos clubes de dança. Isso era comum, como era comum os portugueses namorarem brasileiras. Também íamos à praia, que seguia a rua de Santa Luzia e passava na Santa Casa da Misericórdia. Tudo ali era mar. As mulheres nesse tempo iam tomar banho de mar de calça, de cueca.

Entrevistadoras: Havia casas de pasto?

Florindo: As casas de pasto faziam um alimento normal, cozido, bife, carne assada, enfim, tudo o que era comida, e sopa também. Mas era uma coisa mais ou menos, com pouco asseio. O sujeito para comer numa casa asseada tinha que procurar casas de classe, como a 36 da rua da Conceição e outras idênticas. Eram casas de 1.ª categoria no campo da alimentação. As casas de pasto tinham boa fartura para quem tinha bom estômago e podia despejar aquilo tudo dentro, não reparando em coisa alguma.

Entrevistadoras As casas de pasto pertenciam a quem?

Florindo: Portugueses. Mas, a maioria era de espanhóis.

45Além disso, apreendemos que em muitos processos criminais a referência aos lusos se dava através do grupo: andavam juntos, trabalhavam juntos e moravam juntos. Não é por acaso que algumas regiões de cidades brasileiras que receberam mais intensamente as correntes migratórias foram conhecidas como «Portugal Pequeno», como o bairro da Saúde e no Morro da Conceição, na cidade do Rio de Janeiro, e no bairro de Ponta da Areia, na cidade de Niterói.

  • 40 Capinha, Graça, «A poesia dos emigrantes portugueses no brasil: ficções críveis no campo da (s) ide (...)

46Levando em consideração estas chaves de análise podemos entender porque o sr. Florindo e outros portugueses entrevistados, se perguntados de forma directa sobre o preconceito sofrido, os estereótipos que dividiam o quotidiano da classe trabalhadora e sobre o jacobinismo, tão forte nas décadas de 1890 e na de 1920, preferiram se esquivar. Não era – ou ainda é para os que emigram – boa estratégia assumirem a diferença. Deveriam aprender a conviver com as «vozes do eu» numa «duplicidade do espaço (lá e cá) e do tempo (antes e agora)», jogando com o desejo da assimilação e com uma certa resistência cultural40. No novo espaço onde viviam, procuravam reconfigurar a sua identidade como diferente da anterior ao mesmo tempo que próxima à do «outro», num duplo movimento no qual se reconheciam diferentes, mas queriam-se estrategicamente iguais. Neste sentido, a memória exercia um papel importante porque fornecia os elementos da reconfiguração, ou seja, no exercício do lembrar a própria trajectória reelaboravam e recriavam as suas histórias pessoais dentro da tradição migratória, sublinhando os aspectos positivos e escondendo – ou não recordando –, a priori, os preconceitos e os estereótipos que poderiam excluir e marginalizar, passando uma imagem de fracasso.

  • 41 Ibid. p. 110.

47Desta forma, não gostavam de falar na participação política dos operários portugueses. Num momento em que se ordenava a sociedade pelo «trabalho», a greve e as reivindicações nesse âmbito causavam a desordem e explicitavam conflitos que quebravam a aparente harmonia entre as autoridades e os imigrantes, entre os próprios imigrantes e entre estes e os nacionais. Isto talvez explique porque na maioria das vezes preferiam também não falar nada da sua relação com os brasileiros, quer colegas de profissão, quer empregados. Mostravam certa irritação e desconforto; muitos reafirmavam a irmandade e recorriam ao passado. Se por acaso vinham a falar algo ou a emitir opiniões, era porque a conversa tinha se desviado para um assunto ou para um contexto mais amplos. Como bem demonstrou Graça Capinha, o imigrante geria em seu discurso um processo de permanente negociação que lhe garantia a sobrevivência41.

Enrevistadora: O sr ouviu falar ou viveu algum movimento jacobino?

Sr. Florindo: Eu sei perfeitamente o que é isso. Jacobino é o indivíduo brasileiro que não gosta de estrangeiro; este era o jacobino. Quando ele podia prejudicar o português ou o estrangeiro, ele prejudicava.

Entrevistadoras: Quais eram as causas desse movimento?

Sr. Florindo: As causas são sempre provenientes da sociedade.

Entrevistadoras: A quê o sr. atribuiria isso?

Sr. Florindo: Àqueles factores. Àqueles, inclusive o do trabalho...

Entrevistadoras: Então o jacobinismo estava ligado a xingar o português?

Sr. Florindo: Estava ligado a esses mesmos factores. É um campo da vida que trouxe essas ramificações, que se serviam da mesma base, da mesma situação.

Entrevistadoras: O sr. lembra-se de ter vivido aqui no Brasil algum movimento jacobino mais forte?

Sr. Florindo: Não, isso era completamente isolado. Era individual. Não havia um conjunto de elementos que fossem de uma sociedade incógnita ou pública.

Entrevistadoras: Havia algum deputado ou jornal que fosse jacobino?

Sr. Florindo: Não me recordo de jornal algum ter metido os pés nesse campo. Não posso dar-lhe resposta alguma sobre isso porque não estou a par desse negócio.

Entrevistadoras: O governo do Epitácio Pessoa, que o sr. viveu, foi tido como antilusitano...

Sr. Florindo: Não. Epitácio Pessoa não foi inimigo dos portugueses, absolutamente. Ele teve a sua política determinada a favor dos próprios brasileiros; ele foi severo no campo dele. Quem teve uma actuação contra os portugueses foi o Arthur Bernardes que governou na época do comunismo. O brasileiro quando tinha qualquer inveja do português, denunciava-o como comunista.

Entrevistadoras: Como anarquista também?

Florindo: Mais como comunista. Anarquista eles não ligavam muito. O indivíduo era pego em casa e não tinha apelação. Era embarcado e despachado.

Entrevistadoras: Tinha muita deportação de estrangeiro, não tinha?

Florindo: Tinha. Tive um cunhado deportado do Brasil (...). Ele era marceneiro e trabalhava no Lloyd. O contra-mestre da oficina foi tirar umas medidas de bordo do navio, acho que do navio Pará, e se enganou. Levou as medidas para a oficina e entregou o desenho para esse meu cunhado executar a obra, e ele executou. Quando colocou a peça no lugar, não coube. O desenho estava impróprio. O mestre pediu a meu cunhado para desmanchar e refazer o negócio. Mas ele se recusou, então o contra-mestre por vingança... Ele era brasileiro e por vingança denunciou o meu cunhado, que foi preso e deportado. Foi para Portugal, de lá veio para São Vicente, onde arrumou a vida por uma porção de tempo. Depois, voltou. Ele fez um serviço para o governador de São Vicente; que lhe deu em troca uma fuga em um navio que veio para a Argentina. Da Argentina foi para Portugal outra vez, de lá, para o Brasil novamente, para o Rio Grande do Sul. Mais tarde, esteve no Rio de Janeiro. Mas, não fizeram nada com ele porque ele mudou de nome. Em lugar de ser Manuel Fernandes de Amorim, passou a ser Manoel Amorim. O Fernandes ele tirou. A carteira dele ficou completamente adulterada. Viveu aqui até morrer. Está enterrado em Niterói.

Entrevistadoras: Essas deportações frequentes não soavam à Colónia Portuguesa como uma ameaça por parte do governo brasileiro?

Sr. Florindo: Não. Não sei desse negócio do governo não. Não havia uma ameaça; o que havia era vingança pessoal. O brasileiro não estava satisfeito com o português e denunciava-o. Denunciava o sujeito e estava acabada a denúncia. Este meu cunhado esteve na Polícia Central com o 3.º Delegado Auxiliar, Nascimento Silva, se não me engano. Foi ele que lhe deu uma autorização para embarcar e ir passar uns 3 ou 4 meses. Depois, podia voltar que não tinha nada, mas ele tinha que embarcar de qualquer jeito.

Entrevistadoras: Mas eles não apuravam a denúncia?

Sr. Florindo: Nada, absolutamente nada. Mandavam embora mesmo. Não tinha solução. O 3.º Delegado Auxiliar, Nascimento Silva, autorizou-me a avisálo que embarcasse no primeiro navio e ficasse lá uns 3 ou 4 meses. Depois disso, poderia voltar que o assunto estava sanado. Ele não quis. Protestou dizendo que não era comunista. Então, foi deportado. Mas ele não foi deportado pelo Consulado Brasileiro ou pelo Consulado Português. Foi pelo Consulado Francês porque havia esse subterfúgio para evitar a intervenção do Consulado aqui. Foi deportado para Portugal, esteve na Argentina e, quando voltou, comprou casa em Niterói. Comprou com o nome errado. Não tinha os filhos aqui; os filhos eram de lá; estavam na terra. Então aqui ele não podia vender pela carteira dele. Não provava nada. Se o governo tivesse conhecimento, caçava-lhe o terreno e a casa. (...) A deportação dele foi no tempo do Arthur Bernardes. Naquele tempo houve muita deportação. Eu vi muita deportação naquele período.

48Assim, da mesma forma que o sr. Florindo tentou esquivar-se da pergunta sobre o jacobinismo, perguntado se tinha tido trabalhadores brasileiros ou se havia empregado brasileiros em sua oficina, disse que sim, que não fazia distinção de nacionalidade, que se dava muito bem com os brasileiros. Sempre tão arguto em suas respostas e análises, perguntado sobre o jacobinismo, embora soubesse do que se tratava, minimizou-o como algo individual e deu explicações vagas reportadas à sociedade. Disse também não se lembrar de jornais jacobinos e que o governo de Epitácio Pessoa não perseguia os portugueses, quando sabemos que os anos iniciais da década de 1920 são de xenofobia e de organização de meetingos com a aquiescência das autoridades. Em seguida, entretanto, admitiu que havia expulsões de portugueses, mas colocou a ênfase mais uma vez nas relações pessoais. Narrou o caso de um cunhado que foi deportado sumariamente por rivalidades com um brasileiro, sem se apurar nada. Contou igualmente que o 3.º Delegado Auxiliar, Nascimento Silva, aconselhou-o que fosse e voltasse tempos depois, indicando claramente que as perseguições antilusitanas eram de conhecimento de todos. Perseguia-se, controlava-se, mas os portugueses eram um «mal inevitável» numa Nação que algum dia se pretendia branca. Portanto, fazia-se vista grossa para as entradas, sobretudo as clandestinas, vindas em navios que tinham saído de portos estrangeiros diferentes daqueles de Portugal ou que se tinham servido do auxílio de algum consulado estrangeiro, não português. Como vimos, este foi o caso tanto de Sr. Florindo quanto do seu cunhado, quando retornou pela segunda vez.

49Como outros entrevistados, no contexto de uma conversa, ou como depoentes na frente de um magistrado, acabavam revelando o que pensavam do trabalhador brasileiro: na melhor das hipóteses, diziam que não queriam trabalhar; na pior, afirmavam serem os brasileiros «vadios». Em contrapartida, elogiavam os portugueses que se esforçavam para se desenvolverem no Brasil, para progredirem.

Entrevistadoras: O sr. tinha algum critério na escolha dos seus empregados? Empregava de preferência portugueses?

Sr. Florindo: Não, eu não tinha preferência. Empregava de qualquer nacionalidade, independente da condição. Limpeza, asseio, assiduidade no trabalho.

Entrevistadoras: Mas, os portugueses eram mais trabalhadores...?

Sr. Florindo: Naturalmente. A sociedade obrigava a isso. O português tinha mais necessidade de sobreviver. O brasileiro estava na terra dele e pouco se interessava em obter recursos para o dia de amanhã.

Entrevistadoras: E a Lei dos 2/3?

Sr. Florindo: Os 2/3 era um lei que cada patrão somente poderia ter 2/3 de brasileiros e 1/3 de estrangeiros, como portugueses, espanhóis, italianos, ou outra qualquer nacionalidade. Tinha que ser deduzida em 2/3 de brasileiros e 1/3 de estrangeiros.

Entrevistadoras: Por que?

Sr. Florindo: Porque o brasileiro reclamou que tinha dificuldade de trabalhar. Tinha muita gente parada, então o governo aprovou essa lei.

Entrevistadoras: Para poder empregar os brasileiros também?

Sr. Florindo: Para poder empregar o brasileiro porque o estrangeiro era sempre preferido.

  • 42 A lei de nacionalização do trabalho, conhecida como Lei dos 2/3, é na verdade o Decreto nº 20.291, (...)

50De tal forma a presença portuguesa na cidade agravou as condições do mercado de trabalho que Getúlio aprovou a chamada lei de 2/3, criando uma reserva de oportunidades de emprego para os nacionais42. Para os portugueses, trabalhar significava ascender socialmente, integrar-se à nova Pátria, acumular e poupar levando-lhes a gozarem de certos direitos que lhes era vetado até mesmo em Portugal. Não por acaso alguns tinham em mente o retorno e o envio de economias para parentes na velha mãe Pátria. Trabalhar concedia-lhes de certa forma posse do país, enquanto que para os brasileiros tal facto já era um dado, embora muito lhes faltasse para conquistar direitos mínimos de sobrevivência e de cidadania. O preconceito contra negros, pardos e mulatos; a existência de um protótipo ideal de trabalhador – estrangeiro europeu e branco – e o domínio português no comércio a varejo e em sectores de serviço, colocavam-se como barreiras para o trabalhador nacional. Além disso, devemos considerar que se o imigrante partia do tudo ou nada para «fazer a América» e para negociar outras oportunidades, o brasileiro contava com uma outra visão do seu próprio espaço de barganha, marcado pela resistência ao assalariamento tal como se impôs e pelas marcas do recém abolido trabalho escravo. O trabalho relacionado à cidadania passava pela busca de uma autonomia complexa que poderia desejar escolher em que, como e com quem trabalhar.

51Ser morigerado poderia significar uma verdadeira «burrice»; «burro» era não apenas aquele que trabalhava muito e realizava actividades que exigiam a força física – como a maioria dos «burros-sem rabo» da cidade, que eram carregadores de carrinho e portugueses. «Burro» também era um xingamento que expressava a discriminação do outro, a sua não-aceitação, a não valorização de sua forma de agir e da sua cultura.

A título de conclusão

  • 43 Feldman-Bianco, Bela, Portugueses no Brasil, brasileiros em Portugal. Antigas rotas, novos trânsito (...)

52Curiosamente, décadas mais tarde, no limiar do século XXI, a problemática xenófoba repete-se com sinal contrário. Portugal passou a ser a terra de adopção de brasileiros que buscavam, no final dos anos de 1980 e início dos de 1990, oportunidades de trabalho e de sobrevivência que lhe foram negadas no Brasil, que vivia um período de inflação e desesperança política. Não foi, então, mera coincidência que em 1981 Portugal tenha aprovado uma mudança na lei de nacionalidade, tornando difícil a aquisição desta em território nacional para aqueles que não fossem filhos de lusitanos43.

  • 44 Uma análise desta Nação portuguesa desterritorializada no período pós-colonial, reconstituindo a no (...)
  • 45 Uma análise dos estereótipos criados sobre o imigrante brasileiro no Porto foi feita por Machado, I (...)
  • 46 A cronologia e a análise dos embates diplomáticos, principalmente a partir de 1992, foi feita por: (...)

53Se as transformações do capitalismo no final do século XIX e início do século XX jogaram nas praias cariocas milhares de lusitanos, novas mudanças levaram os brasileiros a migrarem para um Portugal globalizado, integrado na Comunidade Económica Europeia. Em busca do seu destino de centro, a Metrópole de outrora recriava a sua imagem gloriosa de Nação, englobando sua população desterritorializada e adoptando o discurso da Lusofonia44, ao mesmo tempo que discriminava e expulsava aqueles «irmãos» brasileiros considerados indignos, «vadios», «malandros», «vagabundos». Era o indesejável retorno das caravelas. Os termos de comparação são evidentes nas duas viragens do século: inclusão ou exclusão a partir do mercado de trabalho, levando simultaneamente a uma luta pelos direitos – lá e cá – dentro das terras respectivas de adopção. Longe de ser apenas um embate de representações ou de símbolos mútuos, expressos muitas vezes em preconceitos, estereótipos e piadas, contou com a violência das expulsões, das deportações feitas no momento de chegada ao solo lusitano, ainda dentro do Aeroporto. A luta não foi pacífica. Nem o foi nas ruas das principais cidades portuguesas, onde estereótipos multiplicavam-se relacionados às profissões menos qualificadas do sector terciário ou a profissões especializadas – tais como dentistas e publicitários – que brasileiros ocupavam45; nem o foi nos embates diplomáticos entre o governo português e brasileiro46. Se Portugal era o atraso no início do século passado; no final, era o Brasil que estava atrasado em relação à Europa da CEE.

54A língua, sempre usada como elemento de união, reafirmava o seu sentido diacrítico: por um lado, a lusofonia visava a integração de portugueses desterritorializados nos Conselhos das Comunidades Portuguesas (CCP), dentro de um projecto de Nação maior fortalecida (CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) frente à Europa – muitos daqueles que o governo português desejava agora incorporar eram os antigos portugueses deserdados pela sorte e que viviam ainda nas ex-colónias; por outro, reforçava-se o discurso da irmandade para analisar as relações diplomáticas Brasil – Portugal e tornava os brasileiros visíveis pelo seu sotaque, discriminando-os também pelas roupas, festas, música, costumes, etc.

  • 47 Um tratado bilateral de igualdade de direitos foi firmado em 1972, no contexto das guerras coloniai (...)

55É assim que assistimos a muitos brasileiros viverem trajectórias e experiências migratórias similares àquelas experimentadas pelos portugueses no Brasil, sobretudo nos primeiros anos do século XX, época de emigração de massa. Lá, da mesma forma que os portugueses aqui, viveram e vivem a ambiguidade do discurso da irmandade, que também usam como estratégia de sobrevivência, sempre negociando a diferença em prol de uma oportunidade no mercado de trabalho e na luta por direitos que no Brasil acreditam ser de difícil aquisição. Aliás, invocam a irmandade com a qual o Brasil sempre teria tratado os portugueses para solicitarem igual tratamento47. Portugal torna-se o desespero e a esperança. Vive-se a lenda da «árvore das patacas» como um sonho quase impossível.

56Hoje, ainda, neste primeiro momento do século XXI, e distante das vivências brasileiras na Europa, vemos o discurso da irmandade singrar mais uma vez os mares e ser bem acolhido pelo governo brasileiro: a aproximação Mercosul – Comunidade Económica Europeia é um facto e os investimentos portugueses retornaram com força, graças à política de privatização do governo FHC. Novamente a irmandade é marca distintiva. Vem com o signo da positividade, embalado pela onda globalizadora que dá prioridade ao económico e exclui homens – nacionais ou transnacionais – de todos os seus anseios e projectos.

Topo da página

Notas

1 Eltis, David, «Free and Coerced Transatlantic Migrations: Some Comparisons», The American Historical Review, s.l., v. 88, n.º 2, p p. 251-280, April 1983, pp. 257-267.

2 Dados retirados do capítulo 2 de Ribeiro, Gladys Sabina, A liberdade em construção. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, 2002.

3 Em dois trabalhos anteriores, salientamos o papel do imigrante português no contexto da Primeira República brasileira (1889-1930), a sua reação, bem como a dos brasileiros, que tinham, respectivamente, no antilusitanismo e nos preconceitos variados formas de protesto e de resistência ao acentuado processo de assalariamento no período pós-Abolição. Ver: Ribeiro, Gladys Sabina, Os rolos do tempo: o antillusitanismo no Rio de Janeiro da República Velha, 1890-1930, Niterói: Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de pós-Graduação em História da UFF, Novembro de 1987 e Ribeiro, Gladys Sabina, Mata Galegos: os portugueses e os conflitos de trabalho na República Velha, São Paulo, Editora Brasilense, 1990.

4 Foram lidos cerca de 170 peças penais classificadas no Código Penal de 1890 sob os artigos 294.º e 295.º, no capítulo sobre homicídio, e sob o artigo 304.º, das lesões corporais. Somente alguns crimes iam a julgamento no Tribunal do Júri. Destes, os homicídios e as ofensas físicas pareceram-nos aqueles que mais serviriam ao nosso objectivo, pois além de revelarem um enfrentamento directo, geralmente constituiam-se em processos mais ricos e volumosos. Num arquivo cujos processos eram relacionados pelo nome do réu e pela data da formação do flagrante, a única maneira de separar os que envolviam portugueses foi percorrer maços e maços elaborando fichas-resumos destes. Após quatro meses de um trabalho exaustivo e braçal, conhecedora do universo dos autos que tinham lusitanos como réu ou vítima, fizemos um segundo recorte no material, desta feita de acordo com os nossos objectivos e hipóteses. Separamos aqueles cujas brigas, rixas, conflitos e crimes se haviam dado nos espaços destinados ao trabalho, ou que implicavam esta problemática; crimes atinentes à nacionalidade ou à posse da terra; crimes causados por preconceitos (antilusitanismo expresso ou preconceito racial contra o negro); crimes através dos quais pudéssemos perceber a manifestação da solidariedade existente na comunidade lusitana; crimes relacionados com dívidas de dinheiro ou empréstimos e, por último, crimes ocorridos em bares, botequins, casas-de-pasto e restaurantes, bem como em espaços de moradia.

5 Fizemos quarenta e quatro entrevistas com lusitanos chegados ao Brasil até 1930. Foram entrevistadas pessoas de nível sócio-económico diferente e com variada inserção na sociedade carioca e na chamada Colónia portuguesa. Da lista inicial, alguns residiam no Asilo da Beneficência Portuguesa, no bairro de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Outros foram escolhidos entre os que Pizarro Loureiro (Os construtores da comunidade luso-brasileira. Rio de Janeiro, Voz de Portugal, 1978) descreveu como «bem-sucedidos». Deste conjunto, foram seleccionados todos aqueles que tinham condições de darem depoimentos sobre a chegada e estabelecimento no Brasil no lapso temporal que a pesquisa abrangia. Este material é bastante rico. Aqui utilizaremos apenas a entrevista realizada com o sr. Florindo Gomes Bolsinha.

6 Para os anos da década de 1890, coligimos os seguintes jornais: O Jacobino, O Nacional, A Bomba e O Estrangeiro; para o período que se avizinha à década de 1920, consultámos O Dia, O Jornal Português, as revistas Brasiléa e Gil Blás. Os jornais O País, Correio da Manhã e Jornal do Comércio foram lidos para contrabalançarmos as visões dos periódicos partidistas de uma visão contra ou pró-lusitanos.

7 Queremos deixar claro que o nosso trabalho não se atém a tal ou qual classe, especificamente. O processo analisado foi de formação ou de recriação de um preconceito, que transpassava todos os segmentos da sociedade. Utilizamos para tal o conceito de classe social de E. P. Thompson, que concebe classe como construção a partir de relações históricas, ou seja, a partir de homens que têm experiências comuns herdadas ou partilhadas e que se articulam ao redor de alguns interesses e contra outros. Thompson, E. P., «Preface», in: The making of the English working class, London, Penguin Books, 1968; Thompson, E. P., «La sociedad inglesa del siglo XVIII: lucha de clases sin clases?», in: Tradición, revuelta y consciencia de clase. Estudios sobre la crisis de la sociedad pre-industrial. Barcelona, Critica, 1984; Thompson, E. P., «Patrician society, plebeian culture», Journal of social History. Summer, 1974.

8 Para a elaboração de roteiros para entrevistas, ver: Camargo, Aspásia e Nunes, Márcia, Como fazer uma entrevista?, Rio de Janeiro, FINEPO/CPDOC, 1977 (datilografado) e Camargo, Aspásia, «História oral: técnica e fonte histórica», in: Fundação Getúlio Vargas. CPDOC. Programa de História Oral, Catálogo de Depoimentos, Rio de Janeiro, 1981. Neste aspectos, agradeço a Nara Brito e Valentina Rocha Lima pelas conversas que tivemos, discutindo comigo questões relativas à história oral e à história de vida, e pelo auxílio na elaboração do roteiro. Nara, especialmente, foi comigo algumas vezes ao Asilo da Beneficência Portuguesa, em Jacarepaguá, Rio de Janeiro.

9 Ver: Portelli, Alessandro, «The peculiarities of oral history», History Workshop Journal, Automn 1981.

10 Para a relação entre história e memória, além de Portelli, citado acima, ver: Halbwachs, Maurice, A Memória Coletiva, São Paulo, Editora Vértice, 1990; Bosi, Ecléa, Lembrança de Velhos, São Paulo, T. A. Queiroz/Edusp, 1987; Bergson, Matiére e Memoire, Paris, PUF, 1968.

11 White, Hayden, «O texto histórico como artefato literário e As ficções da representação factual», in: Trópicos do Discurso, São Paulo, EDUSP, 1994, pp. 97-116 e137-151.

12 Becker, Jean-Jacques, «O handicap do a posteriori», in: Ferreira, Marieta e Amado, Janaína (org.). Usos e Abusos da História Oral, Rio de Janeiro, Editora da FGV, s.d.

13 A biografia e as trajectórias de vida assumiram novamente papel importante no campo de saber histórico com a renovação da história política. Consultar: Rémond, R. «O retorno do politico», in: Chavenau, A. e Tétard, Ph. (org.), Questões para a história do presente. Bauru, EDUSC, 1999, pp. 51 – 60; Balmand, Pascal. «Le renoveau de l´ histoire politique», in: G. Bourdé & Hervé Martin, Les écoles historiques, Paris, Seuil, 1989, pp. 363-390; Levillain, Philippe, «Os protagonistas: da biografia», in: Por uma história política, Rio de Janeiro, Editora da FGV, 2003, pp. 141-185.

14 Becker, Jean-Jacques, Op. cit. p. 30.

15 Pompéia, Raul, «Introdução», Otávio, Rodrigo, Festas Nacionais, Rio de Janeiro, 1893, p. VIII.

16 O antilusitanismo na República Velha, incluindo a análise dos períodos jacobinos dos anos de 1890 e 1920, foram estudados na minha dissertação de Mestrado, intitulada: «Cabras» e «Pés-de-chumbo»: os rolos do tempo, defendida no Departamento de História da UFF, em 1987.

17 Lúcia Lippi Oliveira lembra que neste momento se volta à velha pergunta: desde quando somos uma nação? Ver. Oliveira, Lúcia L., A questão nacional na Primeira República, São Paulo, Brasiliense, 1990, pp. 77-95.

18 Santos, Boaventura de Sousa, Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade, Porto, Afrontamento, 1994, p. 133.

19 JornVer: Duchet, Michèle, Antropologia e História en el Siglo de Las Luces: Buffon, Voltaire, Rousseau, Helvecio, Diderot, México, Siglo Veintiuno, 1984. Esta autora defende a existência de um pensamento racista já em finais do século XVIII. As ideias da Ilustração portuguesa estão presentes em nossos políticos do início do século XIX. Transmutadas em ideias liberais, relacionaram o progresso com o correcto povoamento ao longo de todo o Império. Para o pensamento ilustrado português consultar: Cardoso, José Luís, O Pensamento Económico em Portugal nos finais do XVIII (1780-1808), Lisboa, Estampa, 1989.l O Paiz , 23/04/1893, p. 1.

20 Ver: Duchet, Michèle, Antropologia e História en el Siglo de Las Luces: Buffon, Voltaire, Rousseau, Helvecio, Diderot, México, Siglo Veintiuno, 1984. Esta autora defende a existência de um pensamento racista já em finais do século XVIII. As ideias da Ilustração portuguesa estão presentes em nossos políticos do início do século XIX. Transmutadas em ideias liberais, relacionaram o progresso com o correcto povoamento ao longo de todo o Império. Para o pensamento ilustrado português consultar: Cardoso, José Luís, O Pensamento Económico em Portugal nos finais do XVIII (1780-1808), Lisboa, Estampa, 1989.

21 Jornal Português, n.º 127, 17/09/1921, p. 1.

22 Pescatello, Ann Marie, Both ends of the journey: an historical study of migration and change in Brazil and Portugal, 1889-1914,Tese de Doutoramento – University of California, 1970.

23 Nunes, Rosana Barbosa, «Imigração e Lusophobia no Rio de Janeiro do Primeiro Reinado», Texto apresentado na Mesa de Comunicações Coordenadas intitulada Imigração portuguesa, participação política e construção da identidade nacional no Rio de Janeiro dos séculos XIX e XX, no Seminário da ANPUH, Niterói, 2001, p. 1.

24 Ribeiro, Gladys Sabina, op. cit. 1987. As disputas entre portugueses e brasileiros no mercado de trabalho, gerando a recriação do antilusitanimo e incentivando o uso de estereótipos podem ser encontradas em: Ribeiro, Gladys Sabina, Mata Galegos: os portugueses e os conflitos de trabalho na República Velha, São Paulo, Brasilense, 1990. Um trabalho de 1991 também analisa os estereótipos, concordando ser o português uma espécie de «bode-expiatório» para os males do país, cruzando a questão nacional com a étnica e a racial. Ver: Vieira, Nélson, Brasil e Portugal. A imagem recíproca (o mito e a realidade na expressão literária), Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1991.

25 Esta entrevista está transcrita e depositada no Laboratório de História Oral (LABHOI) do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense.

26 Cidade situada na Serra dos Órgãos e que dista 100 km da cidade do Rio de Janeiro.

27 Epidemia de gripe espanhola.

28 Refere-se como indústria às oficinas que montou, onde fabricava máquinas que ele mesmo inventava.

29 Proc. crim. Balbino de Tal, vulgo Nenê (réu), m. 56, 1898, Arquivo do Primeiro Tribunal do Juri. (A.P.T.J.)

30 Ver os seguintes exemplares do jornal O Jacobino: n.º 42, 19/10/1895; n.º 43, 26/10/1895; n.º 45, 9/11/ 1895; n.º 41, 12/10/1895; n.º 44, 2/11/1895.

31 Edmundo, Luiz, O Rio de Janeiro do meu tempo, Rio de Janeiro, Conquista, 1957.

32 Para a análise da língua como um elemento importante, mas falacioso, na construção da união / identidade, ver: Feldman-Bianco, Bela e Capinha, Graça (org.), Identidades, São Paulo, Hucitec, 2000.

33 Proc. crim. Francisco Soares Leite (réu), m. 68, 1900, A.P.T.J. (Arquivo do Primeiro Tribunal do Júri). Hoje em dia os processos referidos aqui como do Arquivo do Primeiro Tribunal do Júri, na Rua D. Manoel n.º 29, Centro do Rio de Janeiro, foi incorporado pelo Museu da Justiça, que funciona no mesmo prédio.

34 Proc. crim. Francisco Appolinário Soares (réu), m. 87, 1903, A.P.T.J.

35 Proc. crim. Tertuliano de Morais Lucas (réu), m. 115, 1901, A.P.T.J.

36 Proc. crim. Abílio da Cruz e outro (réus), m. 194, 1920, A.P.T.J.

37 O chamar de «galego» e mandar os portugueses de volta para Portugal, segundo o Jornal Português, n.º 154, 01/04/1922, p. 1, era bastante comum.

38 A análise da «invisibilidade» dos portugueses para os dias actuais, referindo-se ao âmbito colectivo e ao privado, pode ser encontrada em Siva, Eduardo Caetano da, Portugueses e Portugais em São Paulo, Campinas, CEMI, 2000 (texto digitalizado).

39 Ver Feldman-Bianco, Bela, «The State, Saudade and the Dialectics of Deterritorialization and Reterritorialization», Oficina do CES, n.º 46, Coimbra e Seyferth, Giralda, A singularidade germânica e o nacionalismo brasileiro: ambiguidade e alotropia na idéia de nação (texto digitalizado), s.d.

40 Capinha, Graça, «A poesia dos emigrantes portugueses no brasil: ficções críveis no campo da (s) identidade(s)», in: Feldman-Bianco, Bela e Capinha, Graça (org.), op. cit., p. 109.

41 Ibid. p. 110.

42 A lei de nacionalização do trabalho, conhecida como Lei dos 2/3, é na verdade o Decreto nº 20.291, de 12/08/1831. Ver: GOMES, Angela Maria de Castro. Burguesia e trabalho. Política e legislação social no Brasil, 1917 – 1937, Rio de Janeiro, Campus, 1979, p. 234.

43 Feldman-Bianco, Bela, Portugueses no Brasil, brasileiros em Portugal. Antigas rotas, novos trânsitos e as construções de semelhanças e diferenças culturais, Campinas, CEMI, 2000 (texto digitalizado), p. 4.

44 Uma análise desta Nação portuguesa desterritorializada no período pós-colonial, reconstituindo a noção de Império com base na população e não no território e focando os grupos no recente cenário da política, em Portugal, pode ser encontrada em Feldman-Bianco, Bela, Op. cit., 2000.

45 Uma análise dos estereótipos criados sobre o imigrante brasileiro no Porto foi feita por Machado, Igor José de Rennó, Identidade na diáspora: o papel das permanências e estereotipizações na experiência de imigrantes brasileiros no Porto, Campinas, CEMI, 2000 (texto digitalizado).

46 A cronologia e a análise dos embates diplomáticos, principalmente a partir de 1992, foi feita por: Feldman-Bianco, Bela, Op. cit., 2000.

47 Um tratado bilateral de igualdade de direitos foi firmado em 1972, no contexto das guerras coloniais e da ditadura no Brasil.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Gladys Sabina Ribeiro, « Viagens e histórias de imigrantes portugueses na cidade do Rio de Janeiro na Primeira República: a trajectória de Florindo Gomes Bolsinha », Ler História, 51 | 2006, 165-194.

Referência eletrónica

Gladys Sabina Ribeiro, « Viagens e histórias de imigrantes portugueses na cidade do Rio de Janeiro na Primeira República: a trajectória de Florindo Gomes Bolsinha », Ler História [Online], 51 | 2006, posto online no dia 25 março 2017, consultado no dia 18 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2634 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2634

Topo da página

Autor

Gladys Sabina Ribeiro

Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (Brasil).

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals