Navegação – Mapa do site
Estudos

«Beiras e Pátria»: o regionalismo beirão e as suas relações com o Estado e a sociedade civil no século XX

«Beiras et Patrie»: le régionalisme Beirão et leurs relations avec l’État et la société civile au XXe siècle
«Beiras and homeland»: Beirão regionalism and its relations with the state and the civil society during the twentieth century
Daniel Melo
p. 195-224

Resumos

O autor propõe uma reflexão sobre o associativismo regionalista português durante o século XX, focando-se num estudo de caso (a Casa das Beiras de Lisboa), articulando-a com estudos já realizados e com o tema mais amplo do regionalismo. Analisase o contexto histórico da sua irrupção e desenvolvimento, o relacionamento institucional com os vários regimes e a restante sociedade civil, o tipo de projectos sócio-culturais propostos. Procura-se iluminar o cruzamento e os modos da disseminação de referências político-ideológicas e sócio-culturais e, deste modo, contribuir para dilucidar o processo de promoção duma identidade cultural plural por uma parte da sociedade civil, incidindo sobretudo num período histórico de política oficial fortemente adversa como foi a do Estado Novo.

Topo da página

Notas do autor

Este texto é uma versão ampliada e revista duma comunicação ao Congresso Internacional de História «Territórios, Culturas e Poderes», organizado pelo Núcleo de Estudos Históricos do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho no final de 2005 (vd. http://www.historia.uminho.pt).

Texto integral

Aproveito para agradecer o acolhimento e as facilidades concedidos pela instituição, em particular ao seu presidente Sr. Porfírio Ramos. Estou também grato ao escritor covilhanense Manuel da Silva Ramos, pelos contactos que me disponibilizou.

  • 2 Para a primeira vertente vd. Trindade, 1986 e 1994, Forte, 1996, Coutinho, 2005, Melo, [2004], 2005 (...)

1Este texto propõe uma reflexão sobre as relações do regionalismo beirão com o Estado e a sociedade civil durante o século XX, através do estudo de caso do associativismo regionalista, em particular do Grémio Beirão/Casa das Beiras (GB/ CB), e tendo em conta os estudos sobre os casos alentejano, ultramarino e transmontano, bem como outros atinentes ao movimento regionalista2. Serão analisadas as grandes linhas de orientação institucional bem como os seus principais contributos.

  • 3 Para uma perspectiva global sobre os trabalhos mais recentes respeitantes ao regionalismo vd. Apple (...)

2O tema do regionalismo ganhou recentemente uma especial atenção por parte da academia, sobretudo dos historiadores, e é agora estudado em todo o mundo como um fenómeno internacional relevante do mundo contemporâneo ocidental3.

1. A construção dum espaço simbólico e institucional na capital

  • 4 Cf. Santos, 1985: 115-23, Amaro, 2003: 446-99, e Melo, [2004]: 1/2, 2005: 121, e 2006: 70; sobre o (...)

3O regionalismo beirão surge num contexto de afirmação do regionalismo português e quando a doutrina regionalista já se disseminara pela Europa ocidental (cf. Thiesse, 1997 e 1999; vd. também Storm, 2003 e Núñez, 2001). Em Portugal, este movimento começou a estruturar-se com o ascenso do republicanismo e doutras forças progressistas, impulsionado pelas doutrinas associacionista e federativa, dado a sua defesa da mobilização institucional/formal e a inclinação para sistemas políticos com grande autonomia político-administrativa4.

  • 5 No original: «Around 1900, regionalism became a mainstream movement. Every region had its own ‘soul (...)

4Tal tendência acompanhava o contexto internacional ocidental, como Storm (2003) bem sintetiza: «Por volta de 1900, o regionalismo torna-se um movimento popular. Cada região tem a sua ‘alma’ e, enquanto parte orgânica da nação, o seu carácter específico deve ser estudado e reforçado. O período de entre-guerras em particular torna-se a idade de ouro da cultura popular regionalista»5.

  • 6 Lista geral em Melo, [2004]: 2; lista do movimento transmontano em Melo, 2006: 71.
  • 7 Depois Liga Regional Tabuense, em 1912, e Casa dos Tabuenses, desde 1933 – cf. Lourenço, 1991: 33.

5A primeira instituição regionalista portuguesa de base provincial tem origem no associativismo transmontano: trata-se do Club Trasmontano lisboeta, fundado em 1905. Segue-se-lhe a Casa da Madeira, em 1907. Da corrente transmontana sairão ainda o Club Trasmontano portuense (de 1908), o Clube Trasmontano de Angola (Luanda) e o Club Trasmontano de Lourenço Marques (ambos de 1912). Por fim, surge a Liga Alentejana, em 19146. Em 1907, é criado o pioneiro beirão da capital, ainda de âmbito não provincial, o Centro Republicano Tabuense7.

  • 8 O núcleo de fundadores incluía Daniel Gonçalves de Almeida, Alfredo Augusto Ferreira, J. R. Lourenç (...)

6É neste quadro de crescimento do regionalismo português que, em 1912, um grupo de «amigos de Vouzela»8 funda o Grémio Lafonense (GL), visando abarcar os concelhos desta sub-região (Vouzela, S. Pedro do Sul e Oliveira de Frades) para «confraternização, recreio honesto, instrução e assistência aos associados, propaganda da região» e defesa dos respectivos interesses, daí a divisa Por todos e por Lafões (cf. Lourenço, 1943). Nesse sentido, lança-se desde logo o quinzenário Porvir de Lafões (depois União de Lafões), que perdurará várias décadas (cf. Lourenço, 1926b).

  • 9 Lourenço (1926b) alegará que a ruptura se deveu a não terem conseguido extirpar dois vícios associa (...)
  • 10 Terá um órgão de imprensa homónimo e da sua gerência inicial constam Manuel Pereira da Costa (presi (...)
  • 11 Segundo Lourenço (1926b), o novo nome só foi oficializado em 3/1917, após reforma estatutária.
  • 12 Vd. João Baptista de Castro, Mapa de Portugal, 1746, e Júlio Monteiro Aillaud, Atlas de geographia (...)
  • 13 Divisa inserta na capa do novel órgão impresso, o Boletim da Casa das Beiras. Revista mensal de reg (...)

7Devido a desavenças entre fundadores9, um grupo dissidente liderado por J. R. Lourenço funda uma nova instituição, o Grémio Beira-Vouga, em 1915 (na simbólica data de 1.º de Maio)10. Contudo, e alegadamente pela adesão a uma concepção de regionalismo beirão mais abrangente (o Beira-Vouga só incluía a Beira Alta e parte do distrito de Aveiro), resolvem renominá-lo GB, cerca de 1 ano depois11. Adoptam daquele as mesmas fronteiras da Beira histórica, i. e., a que integrava 84 concelhos do centro do país, fora fixada por geógrafos12 e vigorara até 1834, figurando no respectivo estandarte com a legenda: «Origem da antiga e guerreira Luzitania/ Pátria natal de Viriato, de Nun’Álvares e doutros homens célebres» (cf. ibidem e Baptista, 1926). É ainda criado o mensário O Beirão. Orgão do Grémio Beirão (1917-1930), dirigido por F. Pina Lopes e Joaquim Félix Ribeiro e animado por J. R. Lourenço. Em 1935, surge nova divisa, «Beiras e pátria», denotando um maior compromisso entre as ideias de região e nação13.

8Em suma, a corrente beirã é uma das pioneiras em Portugal, embora não seja a primeira, como erradamente alguns dos seus dirigentes por vezes quiseram fazer crer: ainda em 1935, o dirigente Pina Lopes teimava que a doutrina regionalista em Portugal surgira com o GB (cf. «A nossa»). Em bom rigor, a produção e divulgação da doutrina regionalista iniciaram-se com o associativismo transmontano, especialmente com o já referido Club Trasmontano da capital (via estatutos, conferências, etc.) e um jornal que então acompanhou de perto aquele movimento e esta instituição, o quinzenário Traz-os-Montes. Órgão Regionalista da Província (1924-1954), sediado primeiramente em Vila Real e, depois, transferido para a capital (em 1927), para estar mais próximo do poder decisório. Autores como Pires Avelanoso (1925, a propósito, antes director do jornal O norte transmontano. Semanario progressista, em 1895-97), M. Silva (1925) e Francisco de Matos (1926) nele editam textos importantes. Enfim, o jornal no seu todo, enquanto porta-voz dum projecto, cumpriu exemplarmente essa função (vd. ainda, o artigo não assinado «Acção regional…», 1925 e 1926). Outro regionalista coevo relevante era também transmontano: Domingos Ferreira Deusdado (vd. A obra de compilação de 1934). Relevante é ainda o contributo da imprensa transmontana ultramarina, como o Clube Trasmontano de Angola (cf. Melo, [2004]).

  • 14 Esta sede foi arranjada pelo então presidente, o lafonense Manuel Rodrigues de Abreu, auxiliado pel (...)
  • 15 Vd. Forte, 1996 e os casos alentejano, ultramarino e transmontano em Melo, [2004], 2005 e 2006.

9Tal como outras instituições congéneres, o GB passou por tempos difíceis no início, persistindo pelo auxílio interassociativo: em 1920 ainda tinha sede provisória no Centro Escolar Democrático Espanhol (cf. Lourenço, 1943). Só obtém sede condigna em 1922, em local central e popular da urbe (na R. da Fé, 23, 1.º)14. Para se viabilizar, o GB recorreu a um programa típico do associativismo regional: junção dos vectores recreativo, de sociabilidade e de promoção/representação regionalistas15.

2. Um programa sócio-cultural que articula protecção e partilha de valores

10Nesse sentido, o GB apostou em promover a sociabilidade dos conterrâneos, descendentes e amigos na capital, através do convívio quotidiano ou regular: bodo aos pobres, bailes de fim-de-semana e festas (de aniversário institucional, do calendário festivo luso), espectáculos teatrais, palestras, exposições, concursos, congressos, etc…

  • 16 Sobre esta função central cf. o estudo doutras associações beirãs em Trindade, 1986, e doutras cong (...)

11Além do acento na aproximação dos comprovincianos e na sua integração social na grande urbe16, parte relevante destes eventos visavam divulgar valores tidos como estruturadores da identidade beirã, segundo uma concepção algo tradicionalizante/ folclorizante e articulados com uma certa vulgarização de conhecimentos e a proposta de géneros popularizados pela indústria cultural de massas: o opúsculo, o boletim, o teatro de revista e a comédia, etc…

12Assim, no teatro, das setenta e uma peças apresentadas entre 1924 e 1932 (cf. O Beirão, ns. 97-178), uma parte era, ou de dramaturgos beirões («Ninho de melros», pelo consócio Amadeu de Almeida Carmo), ou tinha alusão beirã («Um arraial beirão»: «revista de costumes regionais»de J. Rodrigues & F. Chaves; «Galo beirão», sobre os dirigentes do GB, de e pelo consócio F. Mendes Povoas; «Braz Cadunha», «drama rústico beirão» de Samuel Maia; «A volta dos serranos», «opereta de costumes» de José Pedro Moreira), ou invocava folcloricamente outra região («Os campinos»). Algumas destas peças incluíam cantigas e danças regionais, numa sugestão etnográfica; eram as chamadas «peças de costumes». Resta referir que a sua quase totalidade fora produzida pelo Grupo Dramático do GB, com encenadores e actores amadores e que a peça «Braz Cadunha» fora apresentada numa grande festa do GB, e protagonizada pela nata do teatro de então (Robles Monteiro, Amélia Rey Colaço, Raul de Carvalho, etc.).

  • 17 Cf., respectivamente, «O 1.º Salão Académico…», 1938; «Exposição de caricaturas», 1940; as outras s (...)

13A central beirã também divulgou artistas doutras áreas que não o teatro: vejam-se o 1.º Salão Académico de Coimbra, com desenhos/pinturas de Cristiano Cruz, Almada, Régio e dos novos Arlindo Vicente, Manuel Filipe, Fernando Namora e Carlos Oliveira; as exposições de caricaturas de José da Costa Jr., de pintura de Guilherme Filipe e desenhos/gravuras do Pe. Augusto Nunes Pereira, etc.17. Divulgou também a literatura beirã, em conferências, textos literários ou sobre escritores (no órgão impresso), consagrações (vd. infra) e exposições bibliográficas: colaborou na 1.ª Exposição Bibliográfica de Turismo e Propaganda de Portugal (do Ateneu Comercial de Lisboa, 4-18/VII/1943 – cf. «Vida...», 1944) e realizou a Exposição Bibliográfica das Beiras, em 1949 e 1963 (o 1.º catálogo geral saiu no n.º especial da Revista das Beiras de X-XII/1949; «II Exposição…», 1963). Aparentemente terá falhado o concurso literário anunciado no início de 1961. Disponibilizou ainda uma biblioteca desde 1932 (cf. «Biblioteca...»), com um perfil típico destas instituições: fundo generalista com boa componente de autores, temas e publicações regionais (cf. AHCB).

  • 18 Nos anos 60 fixou certos pratos regionais: vitela de Lafões (à segunda-feira), chanfana à moda de A (...)
  • 19 O único trabalho a concurso surgido em 1947, «A minha terra[:] memórias de Aldeia da Ponte» (de Jos (...)
  • 20 Eis o programa: hino da CB; suite popular e intermezo de Wenceslau Pinto; 12 canções regionais (let (...)

14Promoveu a etnografia regional através das referidas exposições biblíacas, da gastronomia (nas festas e no restaurante18), de conferências e textos de folcloristas (sendo Jaime Lopes Dias o mais prolífico), do concurso de memórias históricas de 1944 (já anunciado em 1939 e 1942, e com nova edição malograda em 194919) e de grandes eventos. Naquele concurso premiou-se a obra Ervedal da Beira, de Sebastião Ferrão de Melo Jr. (cf. «Vida…», 1944). Nos grandes eventos, destaque-se a Festa folclórica dedicada a Monsanto (12/11/1938, 21h45, transmissão via Emissora Nacional - EN), com o grupo coral e orquestra popular da rádio oficial, que interpretaram um conciliador programa, mesclando popular tradicional e erudito clássico, aqui incluindo tanto peças patrióticas como regionais, e o previsível baile20. Monsanto ganhara então o prémio oficial da Aldeia Mais Portuguesa de Portugal, mas quem a revelara ao país fora o próprio GB: com efeito, fora o congresso beirão de 1929 que pioneiramente celebrara as belezas, a história e a ponta-avançada anti-castelhana da campina egitanense, numa entusiástica excursão Idanha-Monsanto (cf. Pereira, 1929). Logo a imprensa fez eco da emblemática jornada, colocando a aldeia no mapa simbólico (cf. «Parte...», 1938). O GB prosseguiu a sua tarefa, em textos e ritos: em 1939, retomava as excursões a Monsanto, agora «em combóio especial» e por alturas da tradicional festa das Maias, 3/V (cf. «Casa...», 1939). Nos anos 60, o consócio Manuel Chaves e Castro conseguiu instalar provisoriamente os museus Etnográfico das Beiras e do Artesanato Português no Museu Municipal de Coimbra, sendo seu director (cf. «Os museus...», 1963). Nos anos 90, a CB adere aos jogos tradicionais da CML e ao certame FIL - Artesanato (cf. AHCB).

  • 21 Sobre a tentativa de integração deste evento no ciclo da EN para 1935-37 vd. Melo, 2001: 271 e Dias (...)

15Destaque ainda para o patrocínio dos festivais terpsicóricos de folclore beirão de 1937 (transmitido do Coliseu lisboeta pela EN e com a sua orquestra a acompanhar os dez ranchos, na presença de governantes – cf. Bento, 1990: 377-8121), 1947 («serão puramente regional» de homenagem aos dirigentes administrativos das Beiras, na sede e com o coro da CB, recital de poetas beirões, etc.– cf. P., 1947), 1967 (realizado no Pavilhão dos Desportos e com honras televisivas – cf. «O Festival...»), 1977 (no Coliseu dos Recreios, pela Orquestra Típica Albicastrense e Comissão dos antigos alunos e professores do liceu de Castelo Branco) e 1988 (na Aula Magna, com o Grupo Folclórico da Orquestra Típica Albicastrense, Musicalbi e Bombos de Almaceda; cf. «Danças...»). Mesmo as festas e bailes, embora grandemente credoras das sociabilidades burguesas (baile com traje de gala, jogos de cartas, etc.), tiveram momentos de afirmação tradicionalizante e folclórica, como a 22/3/1930, com eventos ligados aos hábitos da Beira: festas do Entrudo («o ‘enterro do Carnaval’ foi dum grande pitoresco»), Mi-caréme (com concurso para «rainha da festa»), revista «Viva la Gracia» (cf. «Festas no...», 1930). Era corrente a opção pelo hibridismo cultural: ainda nesse ano, «cantares regionais» e «tangos luminosos» davam mãos, despreocupadamente, num baile nocturno juniano (cf. «Festas de...», 1930).

16Nos anos 40 lançaram-se duas iniciativas singulares, os concursos dos melhores professores primários (desde 1943) e cantoneiros beirões (desde 1945; cf. AHCB).

  • 22 Em 1921 (Viseu), 1922 (Coimbra), 1928 (Aveiro), 1929 (Castelo Branco), 1932 (Figueira da Foz), 1936 (...)
  • 23 Vd. Amaro, 1996, e respectivas actas e textos de balanço, como por exemplo «Ainda…», 1929, Galvão, (...)
  • 24 Cf. http://www.artesanatorede.com/portugues/dueceira/artesaos/dueceiraartesaos8_100.htm.

17Foi, porém, na conferência, na intervenção oral e escrita, que o GB/CB foi mais longe, sobretudo através do seu contributo na organização e divulgação de dez congressos beirões22. Nestes congressos debateu-se um conjunto muito relevante de assuntos, alguns com impacto não só regional como nacional: infra-estruturas necessárias à região, políticas sectoriais (sobretudo, comunicações e turismo), levantamento etnográfico, defesa do património e desenvolvimento sócio-cultural, diagnóstico económico e educativo, história regional e local, questões técnicas específicas, etc.23. Em 1935, o dirigente F. Pina Lopes divulgava dados impressivos legitimadores da acção regionalista: mais de duzentas teses apresentadas nos cinco congressos já realizados, parte das quais convertidas, entretanto, em lei nacional (cf. «A nossa…», 1935). Foi inspirado na sua 4.ª edição (1929) que se inventou o famoso Licor Beirão, antes um anónimo xarope medicinal existente desde finais de oitocentos24. Então debateram-se teses sobre a rega da campina egitanense (depois assumida pelo Estado: vd. Galvão, 1947) e sobre as colchas de Castelo Branco, com os congressistas apelando a medidas de salvaguarda destas pelas autoridades locais, aproveitando o ensejo de se ter realizado o fórum naquela cidade (cf. Marcelo, 1993: 128). Seria outra iniciativa a ecoar na imprensa (vd. Pessoa, 1929a e 1929b). Nessa sequência, a futura Junta de Província da Beira Baixa criaria, em 1940, a Escola de Bordados (cf. Alves, 1997: 243).

  • 25 A aliança mais perene deu-se entre o boletim do GB/CB e o Diário de Coimbra (cf. Santos, 1999: 3).

18Outros dois congressos sectoriais importantes foram patrocinados pela central regionalista: o Congresso da Imprensa da Beira, em 1930 (cf. «Representações...», 1931) e o I Congresso Regionalista da Comarca de Arganil, em 19-22/V/ 1960 (cf. «O I Congresso…», 1960). O primeiro juntou quarenta e quatro jornais e revistas de edição local (por exemplo a Presença), numa demonstração de vitalidade da imprensa regional e do potencial de influência que esta ligação estreita com o GB favorecia25, não só para o grande público como junto das autoridades locais e centrais. O segundo foi realizado na sede da CB, repartido por seis sessões de trabalho em quatro dias e presenciada pelo então reitor da Universidade de Lisboa, o beirão Marcelo Caetano. Reforçava o contributo que este tipo de instituições poderia dar para o levantamento, discussão e divulgação de questões locais muito concretas, por vezes com achegas técnicas relevantes.

19Note-se que todos estes encontros articularam várias instituições regionalistas, favorecendo a sua capacidade de influência e a cooperação noutras questões.

  • 26 Por ordem de aparecimento: drs. Magalhães Lima† e António José de Almeida†, Artur Augusto da Costa† (...)
  • 27 A saber: Aproveitamento creno-climatoterápico da Serra da Estrela e A regíao de Riba Côa e um autóg (...)

20O GB/CB destacou ainda muitos outros autores nas conferências e biografias. Entre 1929 e 1933 são biografados quinze beirões26 no boletim do GB, a maioria políticos republicanos e militares (8), mas aqui referidos pela sua costela regionalista (casos de A. A. Costa, do Conselho Regional do GB) ou por, sendo figuras nacionais, prestigiarem a região. Só dois não são coevos (a quinhentista soldado Rodrigues e o oitocentista político Leitão, autor da reforma dos municípios), embora seis destes só surjam por imperativo necrológico. Um trio irrompe por urgência jornalística: livro novo (ambos de consócios) e um evento organizado para o GB. Das três obras referidas em 1930, duas têm interesse directo para a região27. O fundador d’O Século, o pesquisador C. Saraiva e a recitadora Anita Patrício representam as artes & letras, sendo tantos quantos os médicos.

  • 28 A contabilidade inclui biografados desdobrados por várias áreas de actividade, mas só Costa Menano (...)

21O padrão muda a partir de meados dos anos 30 (e até 1963): mais beirões antigos (> ¼ do total, ou 24 em 90, contra os 13,33% anteriores; média global=25%), mais biografias por imposição necrológica (52,22%, ou 47, e excluindo 5 repetidas subsequentes, antes 40%; média global=50,96%), menos médicos (12,22%, ou 11, antes 20%; média global=12,28%), menos políticos e militares (47,78%, ou 43, antes 53,33%; média global=49,04%) e mais nomes da cultura (27,78%, ou 25, antes 20%; média global=26,92%)28. Surge um padrão mais classicizante, atento ao peso da história e da cultura (os agentes culturais duplicam os médicos), embora continuando centrado nos notáveis (sobretudo políticos e militares, aqui atenuado) e muito dependente do obituário para lançar novas biografias (metade do total). Estainda mais ligado aos consócios e seus familiares: 33% (ou 39), contra os 20% anteriores (3), média global de 39,42% (universo de 41 elementos, dada a repetição de Menano).

  • 29 Sobre a relevância de Aquilino na construção dum imaginário beirão, e até dum esboço antropológico, (...)

22Em termos globais (1929-63), é também este o padrão que subleva para os 104 biografados, centrado nos notáveis (sobretudo políticos e militares, com metade), e com presença muito significativa dos agentes da cultura e do regionalismo. A plêiade cultural tem quase toda um pé no nacional e outro no regional, casos do pintor Grão Vasco, dos poetas Eugénio de Castro e António Correia de Oliveira, dos folcloristas Jaime Lopes Dias (autor da volumosa Etnografia das Beiras, 11 v.), Cristóvão Moreira de Figueiredo (mentor do Museu Etnológico das Beiras) e Alberto Souto (director do Museu Regional de Aveiro), dos escritores Aquilino Ribeiro29 e João de Barros (adaptador para prosa do poema Viriato trágico), dos ensaístas académicos Virgílio Correia (arqueólogo e publicista), Amorim Girão (divisão e excursões provinciais) e Lopes de Almeida (historiador da universidade coimbrã). Entre os regionalistas sobressaem o conde de Penha Garcia, Pedro Ramos de Paiva, Domingos Pepulim, Pina Lopes, P. Costa Menano e Alberto de Campos Melo (dirigente da Casa da Covilhã).

23Entre os eleitos com perfil político, destaca-se Viriato, o qual representa o protagonista duma espécie de mito das origens, incorporando lenda, história, liderança dum povo (os Lusitanos) e dum território sagrados (a Lusitânia) formadores da actual região beirã e da própria configuração nacional (cf. Norte, 1936; Dias, 1961). O próprio GB/CB foi um dos principais promotores duma estátua ao líder guerreiro, tendo esta sido erguida e inaugurada em Viseu por ocasião do VII Congresso Beirão, a 16/IX/1940 (cf. discurso oficial de/em Dias, 1953). A memória colectiva foi assim consagrada numa das urbes centrais da região beirã. Nas cerca de seis dezenas de conferências realizadas entre 1924 e 1961 (cf. o órgão impresso), destacou-se ainda e sobretudo a Beira, enquanto território produtor de património cultural e identitário, na economia (a vaca arouqueza, o vinho demarcado, parques florestais, etc.), nos líderes (dirigentes ou personalidades com obra de afeição à terra natal), na etnografia e história, na educação, na arte e na literatura. A própria origem da palavra «Beira» (e «Beirões») foi dissecada em várias palestras de filologia histórica, visando compreender/ estabelecer o seu significado etimológico. As explicações oscilaram entre o entendimento como território de fronteira (ladeado de água pelo Douro, Tejo, Erges e Atlântico) e como descendentes nobres (varões/barões/beirões) de povo celta/germânico (cf. palestras de F. Pina Lopes e D. Pepulim em 27/X e 8/XII/1934). As prelecções de respiro nacional centraram-se sobretudo na poesia: Tomaz Ribeiro, Camilo, Pessoa, etc..

24Em suma, quatro dos principais ícones beirões foram inspirados pela acção do GB/CB e do regionalismo beirão: são eles Monsanto, o Licor Beirão, as colchas de Castelo Branco e Viriato (outros ícones serão por si laboriosamente fomentados: vd. infra).

  • 30 Cf. órgão oficial. Azeredo Perdigão foi homenageado em 1941, mas sem referência no boletim (cf. Ben (...)

25A instituição foi parca em cerimónias de reconhecimento, consagrando apenas sete personalidades até 1963: Afonso de Melo e Pina Lopes (ambos em 1935), Eugénio de Castro (1940), Leite de Vasconcelos (1943), Paulo da Costa Menano (1960), João Manso Ribeiro (1962) e Costa Sacadura (1963)30. Destes, três foram seus dirigentes (os 1.º, 2.º e 5.º do Conselho Regional da CB, o último também presidente de Direcção), tendo ainda estado ligados ao Direito e à governação (Lopes foi ministro republicano, Menano director da Polícia de Investigação Criminal). Os 2 últimos foram médicos, mas são distinguidos por feitos particulares: Ribeiro, pela descoberta da vacina anti-peste suína africana; Sacadura, pela filantropia. Castro é o representante da cultura literária, um poeta prestigiado; Leite de Vasconcelos é, sobretudo, o mestre etnógrafo.

26No domínio da promoção regional, aditem-se as iniciativas de diagnóstico e prospecção da situação local, coroadas nos dois inquéritos beirões, o primeiro de 1934 e o segundo de 1943-49, pelos quais se procede a um relevante levantamento de realizações e necessidades nos sector educativo, assistencial, higiénico, de saúde pública, de regime laboral (no primeiro), cultural, social, turístico e de equipamentos públicos (aspectos aditados no segundo, com a colaboração informativa de dezenas de municípios beirões; cf. “Inquérito..”, respectivamente 1935-36 e 1943-49). A sua validade é aceite pelo Estado: a Junta de Província da Beira Alta retomará o primeiro em 1937, com o inquérito à “Vida da Província” (cf. Vale, 1937), não obstante o reduzido auxílio oficial local em 1934-35 (cf. Pepulim, 1940), por receio de represálias, por incapacidade e/ou por desinteresse.

27Em suma, as iniciativas associativas regionalistas aqui analisadas contribuíram para o alargamento do espaço público, ao mesmo tempo que a própria instituição era percepcionada como uma oportunidade de intervenção pública (cf. Santos, 1999: 6).

3. Relações com o Estado e a sociedade: entre a reivindicação e a representação

  • 31 Vd. Amaro, 1996: 71/2, Santos, 1999: 20, Melo, [2004] e 2005: 121.
  • 32 Às já aludidas representações transmontana (1905), madeirense (1907), alentejana (1912) e beirã (19 (...)

28Nos anos 20 e 30, dá-se a afirmação do regionalismo no país, em termos culturais, sociais e políticos31. Chegados à institucionalização do Estado Novo, em 1933, estavam não só formadas praticamente todas as associações de âmbito provincial32 (exceptuando o Ribatejo) como revelavam uma grande dinâmica.

  • 33 Cf. Lourenço, 1926a, e passim. Até 1931 aderem os grémios Lafonense, Gouveense, Regionalista da Com (...)

29Buscava-se uma nova etapa: a concertação de esforços, visando conferir maior poder de influência, organização e representatividade ao regionalismo junto da sociedade e do poder político. Estes fins estavam em articulação com o necessário reconhecimento das instituições de âmbito provincial como as centrais coordenadoras, não pondo em causa a existência de congéneres de âmbito concelhio, comarcão ou distrital. Já em 1923, Lourenço instigava à convergência institucional dos grémios provinciais como acto anti-centralista: «poderemos organizar em Lisboa uma federação de forças regionais, capazes de actuarem eficazmente no Terreiro do Paço e em S. Bento, no sentido de que se faça menos politiquice e mais administração; menos egoísmo e mais nacionalismo». Em 1924, e reagindo à criação da Casa do Concelho da Covilhã, Lourenço volta-se para a «outra face da moeda», argumentando que as associações que só defendiam uma vila ou cidade não realizavam o regionalismo além desse circunscrito limite, ao passo que o GB tinha dimensão não só provincial como nacional (sede e influência na capital). O GB avança então para a formação de comissões distritais (cf. Alves, 1926) e aceita a integração, como sócios agregados, de associações de âmbito restrito, embora houvesse dirigentes preferindo a fusão33.

  • 34 Cf. «Os grémios…» e «Junho…», 1930. Acolherá ainda reuniões embrionárias das comissões de melhorame (...)
  • 35 Cf., respectivamente, «Reforma…», 1937 e Saraiva, 1930. A acomodação de alguns dirigentes do GB/ CB (...)
  • 36 Ao lado dos professores Mendes Correia (UP), A. Girão (UC) e Pereira de Sousa (UL) – cf. «Nova…», 1 (...)

30Ainda em 1926, beirões, alentejanos e minhotos convergem nos discursos de abertura da nova sede destes últimos (cf. «Grémio», 1926). Em 1929, ultimava-se o projecto duma Confederação Regionalista Portuguesa, «corpo consultivo e de estudo geral das questões de administração pública em todas as províncias do território português», que seria presente ao governo (cf. «Confederação…», 1929). Em 1930, vários grémios regionalistas juntam-se numa representação à Câmara Municipal de Lisboa para a construção dum «Bairro regional», a erigir junto ao Palácio dos Desportos (cf. «O bairro…»). As relações intra-provinciais reforçam-se, com o GB propondo um sucedâneo integrador, a Casa da Beira, perante a escuta atenta de dirigentes lafonenses, tabuenses e covilhanenses (cf. «Casa…»). Em Junho, o GB acolhe récitas da Sociedade Assistência Cojense e da Comissão de Melhoramentos do Ervedal da Beira34. Inicia-se então o debate sobre a nova divisão provincial, cuja comissão governamental se propõe tripartir a Beira (um dos seus membros, Girão, iria mais longe, aditando uma Beira transmontana). O GB divide-se entre os que aceitam a proposta (argumentando ser uma melhoria por se retirar os distritos de Aveiro e Coimbra à zona de influência duriense) e os que a recusam (por comprometer a unidade da Beira histórica)35. A questão era melindrosa: um dos membros da comissão governamental36 era o situacionista e consócio Jaime Lopes Dias, simultaneamente chefe de gabinete do governador civil e fundador da associação Acção Regional albicastrenses, premiado com cargos oficiais na capital após a aprovação do Código Administrativo (cf. «Dr…», 1936, também Amaro, 1996: 74). Face à radicalização fascizante do Estado Novo de meados dos anos 30 (vd. Oliveira, 1992: 34/5), a corrente maioritária na CB reforçará a sua postura colaborante e de compromisso com o Estado, iniciando o elogio dum regionalismo corporativo-nacionalista e convertendo-se em porta-voz do «regionalismo interprovincial beirão» (cf. Pepulim, 1936, e «A divisão…», 1937, itálico meu). Alguns dirigentes beirões optam também por defender uma mescla de tradicionalismo e municipalismo (cf. Pepulim, 1938), acentuando a hibridez doutrinária, agora num sentido muito menos descentralizador e contestatário (cf. Amaro, 1996: 77-84).

  • 37 Onde sem nota específica cf. Melo, 2005: 122.
  • 38 Cf. «Esclarecendo», 1941. Foi criado pelas sete casas provinciais e por cinco sub-regionais (Leiria (...)

31Ainda assim, nos anos 30 prosseguiu a cooperação intra-regionalista, com palestras conjuntas na Sociedade de Geografia de Lisboa, intermediações duma comissão regionalista (dos grémios beirão, minhoto, alentejano e algarvio) junto do governo para repatriamento e colocação de compatriotas no Brasil (além de alerta sobre difícil situação imigrante em Paris e Lyon – cf. «[Notícia…]», 1931a), pedido da sua inclusão no malogrado Conselho Superior de Economia Nacional (cf. «[Notícia…]», 1931b), convites mútuos para representações em jantares e aniversários de cada agremiação, a criação da Junta Directiva Inter-Grémios (para contacto permanente com departamentos de turismo e propaganda) e a tentativa de criação duma plataforma comum37. Para este último efeito, aprovar-se-ia uma Comissão Organizadora da União Regionalista Portuguesa, na sede do Grémio de Trás-os-Montes e Alto Douro, em 4/5/1937 (cf. ibidem). Tal projecto seria recusado em reunião dos sete grémios provinciais existentes, onde apenas votou a favor a Casa da Madeira (cf. Enes, 1996: 125-9). Calcularam, então, que o regime salazarista (ainda) iria corresponder aos seus anseios, ou que mais convinha cada qual seguir o seu curso. Em 1941, já claramente noutra conjuntura político-social (de crise económica, contestação social, preparação de frentes políticas oposicionistas – cf. Oliveira, 1992: 42-8), é por fim aprovado um Conselho Superior do Regionalismo Português, que espelha o consenso possível, em torno da cooperação inter-regional mas não dum projecto federativo38.

32Em vão, o regionalismo e o federalismo regionalista foram não só rejeitados como combatidos pelo Estado Novo, que os considerava uma ameaça à sua concepção imperial, ultra-nacionalista e hiper-centralista. Daí o controle e a demarcação face ao associativismo regionalista.

  • 39 Sobre a censura e legislação repressiva cf. Portugal, 1985: sobretudo 12, 140-3, 158-60 e 202/3 (vd(...)

33Além da censura, legislação persecutória e repressão política, que condicionaram fortemente o debate e a dinâmica doutrinal, eis as seis provas principais daquela postura oficial: 1) o ofício-circular z-2/42 de 3/11/1930 da Direcção-Geral da Administração Política e Civil do Ministério do Interior, dirigido a todos os grémios regionalistas e anunciando a preparação duma lei reguladora da actividade respectiva, com o fito de uniformizar a sua actuação; 2) a anulação do projecto do «Bairro regional», ao impor o seu financiamento pelas asfixiadas câmaras municipais; 3) a ausência de apoios ao associativismo sócio-cultural independente, designadamente nas questões concretas do estatuto de utilidade pública e dos direitos autorais; 4) a hostilização do inter-associativismo, designadamente da Federação Portuguesa das Colectividades de Cultura e Recreio (FPCCR), na qual se filiaram vários grémios regionalistas; 5) a apropriação da designação de grémio para uso exclusivo do corporativismo, com a consequente obrigatoriedade de mudança de nome (daí, as renomeações dos grémios regionais em casas, excepto o madeirense e o algarvio, já então assim designados) e de estatutos (decreto 29282, de 8/12/1938); 6) o esvaziamento efectivo da autarquia regional/ intermédia, primeiro por falta de recursos, depois pela sua extinção a favor dos distritos, servindo ambos tão-só como instrumentos de controlo político e acção burocrática39.

  • 40 Cf. pasta sobre o estatuto de utilidade pública, 1987-1990, in Arquivo Histórico da Casa do Alentej (...)

34Quanto ao estatuto de utilidade pública, a hostilidade e a arbitrariedade para com o associativismo sócio-cultural livre reforça-se quando em 1960 são contemplados o Ginásio Clube Português, o Lisboa Ginásio Clube, o Sport Lisboa e Benfica, o Sporting Clube de Portugal e o Clube de Futebol Os Belenenses, ou seja, só as associações percepcionadas como menos susceptíveis de envolvimento sócio-político (caso da maioria dos clubes desportivos) e/ou com maior ascendente junto das autoridades almejavam obter um reconhecimento oficial, assim tornado arbitrário e discricionário40. Pouco depois daqueles, será a vez da Casa da Madeira ser distinguida (cf. Santos, 1965), agudizando o sentimento de injustiça e a arbitrariedade na aplicação da lei.

35Ainda a propósito do ofício-circular do Ministério do Interior, saliente-se que o GB respondeu desenvolvidamente aos doze quesitos do seu questionário anexo, pugnando pela manutenção das províncias históricas, propondo a criação duma Agência dos negócios da administração municipal e provincial (análoga à Agência Geral das Colónias) e o reconhecimento dos grémios regionais como instituições de utilidade pública, a articulação com o aparelho estatal, a desburocratização da instalação de infra-estruturas próprias na capital e linhas especiais de crédito na CGD para a actividade associativa. Nenhuma das propostas teve acolhimento oficial (cf. «A acção…», 1931).

  • 41 Para o caso luso, vd. Melo, 2001, e também Amaro, 1996; para um caso com particular influência sobr (...)
  • 42 Cf. Melo, 2001, Alves, 1997: 243-7, Santos, 1999: 20.

36O fim do sonho das elites locais de renascimento da província não teve apreciação uniforme: só os que apostaram num projecto modernizador equilibrado, inclusivo da periferia e duma descentralização efectiva saíram desiludidos. O regionalismo oficial (sobretudo actuante na estetização folclórica e na instrumentalização ideológica da etnografia, como se viu atrás) encarregou-se de neutralizar os esforços alheios pró-autonomistas, funcionando como compensação simbólico-imagética face ao défice de apoios à progressiva autonomização político-administrativa e à lenta erosão do mundo rural41. O terreno fora ocupado por uma máquina sem rival, a do Estado Novo42, articulando as vertentes (re)produtora, coerciva e repressora. A colaboração ou «subserviência» (Santos, 1999: 21) foram as vias de recurso centrais adoptadas pelo regionalismo para sobreviver neste período ditatorial.

37A partir dos anos 20/30, estreitam-se os laços com as congéneres brasileiras e coloniais (troca de publicações, divulgação, representações, etc. – cf. «O Centro…», 1924; «Casas...», 1938; Melo, 2006) e aumenta a concorrência no seio do próprio movimento regionalista metropolitano: surgem na capital a Casa do Distrito de Coimbra (criticada por excesso expansionista; cf. «Regionalismo», 1937, também «Casa…», 1944) e a Casa do Distrito de Leiria (cf. «Casa...», 1939). A Federação das Sociedades de Educação e Recreio (actual FPCCR) acolhe o Conselho Superior do Regionalismo Português em 1941, atraindo todo o tipo de casas regionalistas, e a CB cria uma efémera Junta Suprema do Regionalismo Beirão para manter a sua área de influência (cf. «Casa…», 1941 e Pepulim, 1942). Terá mais impacto a ideia de secções concelhias como forma de descentralizar o órgão consultivo e representativo Conselho Regional (cf. «Organização…», 1947). Em 1958 aparecerá no Porto uma Casa da Beira Alta, em 1985 será a vez da Casa do Beirão Serrano, em Aveiro (cf. «Casa…», 2005), e na década seguinte é fundada a Associação Regional da Beira Alta, na Guarda (cf. Gonçalves, 1998).

38Nos anos 60, impõe-se a urgência do reconhecimento como instituição de utilidade pública, estimulando a ideia duma Federação das Casas Regionais, relançada pela congénere alentejana (cf. «Para…», 1963). Em 1967, um jornal local beirão reitera o apelo federativo e lança a ideia também dum Pavilhão do Regionalismo, ambos logo considerados «pedra basilar» do «regionalismo português» pela CB (cf. «Federação…»).

  • 43 Note-se que esta é uma tendência internacional no associativismo (regionalista ou não) na diáspora, (...)
  • 44 Uma noção de comunidade étnica pode ver-se em Smith, 1991: 21; para a sua extrapolação ao contexto (...)

39Com a instauração do regime democrático, obtém-se por fim o reconhecimento de «pessoa colectiva de utilidade pública» (anos 90: cf. AHCB) e inicia-se um processo lento de descentralização, hipotecado a curto prazo na sua forma mais ambiciosa pela derrota do referendo da regionalização de 1998. À semelhança de parte do associativismo, a CB reorienta-se para a «Europa das regiões», centrando-se mais em eventos de divulgação das actividades económicas e culturais e da promoção duma identidade sócio-cultural, pugnando por um associativismo com agenda própria. No limiar do século XX, materializa-se, finalmente, o sonho do federalismo regionalista, com a criação do Conselho Nacional das Casas Regionais (CNCR), congregando as oito casas regionais históricas sediadas em Lisboa (cf. Geraldo, 2000). Terá ajudado à decisão a crescente importância das redes de contactos e da estruturação de grupos de interesses (lobbies) com maior capacidade de influência junto das várias esferas do poder político, quer intra quer transnacional (União Europeia, UNESCO, Conselho da Europa, etc.)43. Num mundo cada vez mais globalizado, as reivindicações associativas e identitárias sub-étnicas suportam a tentativa de contrapor alternativas assentes no princípio da diversidade, em particular das diversidades política (pluralismo cívico-associativo, políticas de identidade) e cultural, esta consagrada universalmente na recente Convenção da UNESCO44. Trilha-se uma via alternativa à indiscriminada «padronização cultural – sobretudo de incidência anglo-saxónica – do modo de vida», porque corrosiva da «individualidade» (ou seja, da tal diversidade) no interior do espaço «nacional» (cit. in. declaração de princípios do CNCR, idem: 9).

4. A consolidação da presença institucional beirã na capital

40As relações entre a sociedade civil e o Estado devem ser verificadas nas redes sócio-políticas que se entreteceram ao longo dos tempos em torno do regionalismo beirão. O estudo do perfil sócio-profissional do GB-CB de Lisboa é um contributo para essa reflexão. Dos dados que compulsei, apresento os relativos aos anos de 1934/5, 1960 e 1961, por me parecerem os mais consistentes e por estarem ainda inéditos quanto ao seu tratamento científico. Além disso, a escolha destas datas visa também verificar a validade da tese de Forte (1996: 108/9, 7/8 do anexo I e passim) sobre a mudança programática e institucional ocorrida na passagem do GB para CB, em 1938.

41Ocorre uma prévia breve análise do movimento de sócios desta instituição, para se ter uma ideia da representatividade institucional. Esta não será muito expressiva, embora os dados sejam escassos, fragmentários e contraditórios (vd. quadro 1). Seja como for, sabemos que esta instituição chegou a ter, ao longo das décadas, alguns milhares de associados (cf. informação para 1923, 1940), mas que estes oscilavam muito anualmente. Como só é sócio de pleno direito quem tem as quotas em dia, e correspondendo a múltiplas motivações, havia constantes saídas e entradas. Assim, no dia-a-dia, os sócios pagantes estariam abaixo ou próximo do milhar (até cinco centenas nos anos 20/30, à volta de um milhar em 1940 e 1961-

42-63). Quando havia descidas mais acentuadas, a instituição preferia ser omissa, ou então referia apenas as admissões.

43Os dados de Forte são menos favoráveis à instituição (vd. quadro 2), e foram colhidos para a repartição por sexos, esmagadoramente masculina até aos anos 70.

Quadro 1. Movimento de sócios do Grémio Beirão/ Casa das Beiras, em Lisboa (1915-86)

Data

Total de sócios

Novas

entradas

Data

Total de sócios

Novas

entradas

1915

239

1940

906 [nb: “mais de 2 mil sócios” desde 1915]

1916

492

1941

801

1923

«alguns milhares»

1947

709

133

1928

412 [sem 158 eliminados]

1948

781

1929

553

1951

739

1930

359 [sem 304 eliminados]

1960

702 [inclui novas admissões]

200

1931

359

1961

930 [idem]

228

1934/5

306

1962

1021 [idem]

91

1936

110

1963

1101 [idem]

80

1937

224

1985

624

1939

282

1986

431

Fontes: AHCB (livro de actas para 1915/6 e relatório para 1985/6); O Beirão, ns. 86? (1/VI/1923, p. 3, para 1923), 163 (28/II/1931, p. 3, para 1928-1930), 168 (6/II/1932, p. 2, para 1931); BCB, ns. 1 (IV/1935, p. 23/4, para 1934/5), 2 (V, p. 24, id.), 9-10 (VI/1936, p. 27, para 1.º semestre de 1936), 5 (XII/1937, p. 32, para 1937), 13-14 (X/1939, p. 35, para 1939, excepto XI-XII), 15 (I/1940, p. 27, para XI-XII/1939), 18-19 (XII, p. 21, para 1915-1940), 25 (II/1942, p. 36, para 1940/1), s. 4, ns. 2 (1/V/1947, p. 11, para 1947) e 7 (1/XII, p. 8, id.); RB, s. [4], I-VI/1949 (p. 26, para 1947/8, também ns. de 1947), VI/1952 (p. 8, para 1951); BCB, s. 5, ns. 1 (4/ IV/1960, p. 8, para 1960), 2 (V, p. 11, id.), 3 (VI, p. 9, id.), 4 (VII, p. 6, id.), 5 (VIII, p. 16/7, id.), 6 (IX-X, p. 9 e 12, id.), 7 (XI-XII, p. 12 e 15, id.), 8 (I-II/1961, p. 13 e 16, para 1960/1), 9 (III-V, p. 12, para 1961), 10 (VI-IX, p. 12, id.), 11 (X-XII, p. 8, id.), 12 (I-III/1962, p. 12, para 1962), 13 (IV-VI, p. 18, id.), 14 (1963, p. 24, para 1963).

Quadro 2. Distribuição por sexos dos sócios do Grémio Beirão/ Casa das Beiras (1915-90’s)

Data

Sócios

masculinos

Sócios

femininos

Total

de sócios

Data

Sócios

masculinos

Sócios

femininos

Total

de sócios

1915

237

3

240

1960’s

48

8

56

1918

58

0

58

1970’s

43

7

50

1921

384

2

386

1980’s

336

72

408

1928

131

2

133

1990’s

107

21

128

1934

361

3

364

Fonte: Forte, 1996: anexo XVII.

  • 45 Sobre esta questão vd. Forte, 1996, Melo, 2001: 344-7 e 361/2, [2004]: 4/5, 2005: 128, e 2006: 72 e (...)

44O perfil sócio-profissional dos aderentes ao GB corresponde genericamente ao comum dos perfis deste tipo de associações voluntárias que cruzavam lazer e actividades culturais (as chamadas «sociedades de educação e recreio»): predominância das classes médias e da pequena-burguesia (sobretudo desta), com grande peso do funcionalismo de Estado, serviços e das profissões liberais (pelo menos, em termos proporcionais ao seu peso absoluto)45.

  • 46 Registam-se aqui as fontes usadas na caracterização sócio-profissional dos sócios do GB/CB – para 1 (...)
  • 47 Renominada Casa do Alentejo em 1938 e com perfil de 1933 em Melo, 2005: 128.
  • 48 No cálculo dos alentejanos funcionários estatais excluí as profissões «professores» e «engenheiros» (...)
  • 49 Tal perfil é infirmado por estudo oficioso dos registos de cerca dois mil sócios feito em 1940, dad (...)

45Dois aspectos, porém, parecem ressaltar e singularizá-lo face àquela matriz comum – a presença expressiva dos militares em 1934/5 (13,06%), incluindo vários oficiais superiores do Exército e da Marinha (juntos totalizam 3,09%); e a quase ausência do operariado em todos os períodos (1,37% em 1934/5, nulo em 1960, todos especializados)46. Tais contornos aproximavam a instituição do congénere Grémio Alentejano47. Pelo menos nos anos 30, beirões e alentejanos partilham perfis similares, o que está bem patente no mimetismo da hierarquia de profissões: liderança dos comerciantes (9,28 e 12,56%, respectivamente), seguidos de perto pelos empregados de comércio (8,59 e 11,38%), oficiais do Exército (todos incluídos: 11 e 10,93%) e estudantes (todos incluídos: 12,37 e 10,84%). O mesmo se aplica aos grandes grupos, cuja maioria vem da administração pública (incluindo titulares de cargos públicos: 38,49 e 30,17%) e serviços (77,32 e 79,13%), havendo também uma presença significativa de militares (13,06 e 14%) e profissionais liberais (10,31 e 9,67%)48. Num escalão intermédio surgem os proprietários (4,81 e 4,34%), os empregados de escritório (3,78 e 4,07%) e os professores (todos incluídos: 3,44 e 3,61%), os médicos (5,15 e 3,52%), os empregados bancários (2,41 e 3,43%) e os advogados (5,84 e 2,71%). Apesar disso, note-se alguma disparidade entre os dois grémios, destacando-se o maior peso relativo de advogados e médicos no GB, e, inversamente, o maior peso de comerciantes e empregados comerciais no Grémio Alentejano49.

46Na viragem dos anos 50 para os anos 60 – e a crer nos dados sobre os novos associados –, mantém-se o essencial daquele perfil, matizado pelo reforço das classes médias e pelo decréscimo acentuado do peso dos militares. Concretizando para 1960, esbate-se o perfil mais pequeno-burguês com o aumento do peso das profissões mais ligadas às classes médias, designadamente o empresariado comercial (a liderança dos comerciantes é reforçada em mais de dois pontos percentuais em 1960, embora caiam para segundo em 1961), a advocacia (agora em segundo lugar, antes em quinto, substituindo os empregados comerciais, que perdem mais de metade do seu valor percentual), o empresariado industrial (em terceiro lugar, com um salto de 2,06 para 8,63%) e a prática médica (de 5,16 para 7,11%). Ademais, as três principais categorias de empregados de serviços (empregados comerciais, bancários e de escritório) perdem metade do seu valor, descendo de 18,21 para 9,14%. Outra diferença relevante é a perda de peso dos estudantes em geral, que descem de 12,37 para 3,05%. Quanto aos grandes grupos, porém, mantém-se o essencial: a maioria dos associados provém da administração pública (40,61, um reforço face aos 38,49% de 1934/5) e dos serviços (83,25%, um reforço ainda maior face aos 77,32% anteriores), sendo ainda de notar o peso significativo dos profissionais liberais, entretanto reforçado (de 10,31 para 17,77 %).

47Em 1961, as classes médias mantêm sensivelmente o seu peso, embora as principais profissões que a representam percam posições para a pequena-burguesia: os comerciantes caiem para segundo (ainda que mantendo um valor percentual similar), sendo substituídos pelos empregados de escritório (com quase ¼ do total); a advocacia passa do segundo para o quarto posto, perdendo quase 4% (mas mantendo posição de destaque que já tinha em 1934/5, quando surgia em quinto lugar), sendo superada ainda pelos empregados bancários (que obtêm quase 10%); o empresariado industrial tem perda equivalente (passa de 8,63 para 4,43%, do terceiro para o sexto lugares, embora persistindo também na dianteira; os médicos descem do quarto para o quinto postos (ou de 7,11 para 5,31%, apesar de manterem destaque). Nota-se um grande reforço das três principais categorias de empregados de serviços (empregados comerciais, bancários e de escritório), que quadruplicam o seu peso, passando de 9,14 para 37,61%.

  • 50 A saber, da Lousã, Albergaria-a-Velha, Aveiro, Ovar, Figueira de Castelo Rodrigo, Vila Nova de Paiv (...)
  • 51 Os dois últimos surgem na lista de admissões de 1963 (cf. «Actos e factos…», 1963: 24).
  • 52 Cf. «A presença do distrito de Coimbra…» (1960) e Alexandre, 2000. Note-se que Bissaia Barreto era (...)
  • 53 Em 1962 aderem os directores do Correio de Coimbra, Notícias da Beira e Correio Beirão; em 1963 é a (...)
  • 54 O último entra em 1962 (cf. «Actos e factos…», 1962a: 12).
  • 55 Cf. «A presença do distrito de Aveiro…» (1960) e Eleutério, 2000: 481.
  • 56 O último adere em 1963 (cf. «Actos e factos…», 1963: 24).
  • 57 Cf. «A presença do distrito de Viseu…» (1961).

48Outros aspectos que diferenciam este período do de 1934/5 são a presença mais visível dos professores (que passam de 3,44 para 5,44%) e uma maior exposição de notáveis do círculo do regime. Saem de cena os militares (que até podiam nem estar envolvidos com a chamada «Revolução de Maio»), mas reforça-se a presença de figuras doutras áreas do poder, como quadros superiores das corporações e dos ministérios, e, sobretudo, dirigentes de municípios50. Além dos edis, estão presentes outros notáveis da região beirã: os governadores civis de Viseu, Guarda, Castelo Branco e Aveiro51, o presidente da Junta de Província da Beira Litoral (F. Bissaia Barreto, professor da FMUC e «eminência parda do regime»)52, vários deputados (incluindo Manuel Homem de Melo) e directores de imprensa (da Gazeta de Cantanhede, do Diário de Coimbra e do Renascimento)53. Havia ainda beirões notáveis no ultramar, como é o caso do edil do Luso (Angola) e do governador de S. Tomé e Príncipe54. Note-se que durante o Estado Novo, o presidente da câmara municipal era de nomeação política, daí a sua maior colagem ao regime. Eis outros situacionistas influentes: Albino dos Reis (presidente da AN), o cons.º Afonso de Melo Pinto Veloso (presidente do STJ em 1947/8)55, conde de Caria (presidente da Associação Comercial de Lisboa), eng. Higino de Queirós e Melo (presidente da FNAT, em 1935-50, e da Comissão Reguladora do Comércio do Bacalhau, em 1936-60: cf. Valente, 1996) e Luís Forjaz Trigueiros (administrador dos TAP) e Manuel Gomes Barradas de Oliveira, director do jornal da UN, Diário da Manhã56. Também o próprio ditador Salazar fora entretanto eleito sócio honorário57.

  • 58 Cf. «A presença do distrito de Castelo…» (1960) e Barreto, 1999. Cunha Leal era sócio honorário.

49Em suma, tudo indica ter-se desenhado então uma estratégia deliberada para cativar algumas categorias de situacionistas, não só para a instituição ter maior capacidade de influência mas também maior legitimidade, junto das «altas esferas» da capital mas também na província, e para atrair outros sócios, mais bem colocados socialmente. O objectivo central seria o de reforçar a capacidade de influência e de conferir uma imagem supostamente mais prestigiante da instituição. Mas nem todos os notáveis estavam ligados ao regime: são os casos do oposicionista Francisco Cunha Leal (republicano liberal)58 e do presidente da Fundação Calouste Gulbenkian; ou estavam em divergência, como Francisco Pinto Balsemão, que se apresenta como industrial e será brevemente um dos deputados independentes da «Ala liberal».

Em jeito de conclusão

50Após uma fase inicial mais contestatária do regionalismo (anos 20/30), o GB/ CB remeteu-se a um trabalho mais colaborante com o Estado, na sequência da ofensiva do salazarismo, que impôs um regionalismo oficial dúplice, pois inconsequente: por um lado, estetizante da suposta vida popular tradicional, mas sem capacidade de propor uma dinamizadora promoção etnográfica e sócio-cultural e avesso ao associativismo sócio-cultural independente; por outro lado, pseudo-provincial, com um modelo autárquico regional inviável e desagregador de unidades regionais histórico-culturais, como no caso do desmembramento da Beira histórica em três províncias (beiras Litoral, Alta e Baixa), num contexto de reforço do centralismo e de sobreposição de autarquias intermédias (províncias e distritos metropolitanos, províncias ultramarinas).

51Nesta nova conjuntura, seria ainda viável um regionalismo português? Doutro modo, para que serviria o associativismo regionalista se não fazia regionalismo, como alega Amaro (1996)? Embora o regionalismo tenha deixado cair o seu lado mais contestatário, prosseguiu a sua estratégia de levantamento dos problemas, divulgou-os, manteve a sua actividade sócio-cultural, persistiu na produção identitária regional, contribuindo grandemente para a consagração de ícones regionais como o Licor Beirão, Monsanto, as colchas de Castelo Branco, Viriato, etc., e impondo projectos locais através dos dez congressos beirões (como o regadio egitanense e a Escola de Bordados), atenuando de algum modo o nacionalismo exclusivista. Em suma, consolidou-se como espaço institucional, como associação de integração dos beirões imigrados do mundo rural para o mundo urbano, e de produção identitária para estes e para todo o espaço público. Nesse sentido, reforçou a sociedade civil, dando-lhe recursos, acções e valores.

52A colaboração com o Estado serviu para preservar um espaço de influência pública, conquanto apostava agora mais em funcionar como o lugar de acolhimento e de representação institucional da sua comunidade sub-étnica numa grande cidade, apesar das relações flutuantes/variáveis com as associações subprovinciais beirãs (concelhias, comarcãs e distritais), o que era extensivo ao relacionamento com as congéneres das outras províncias. Quanto à coordenação inter-provincial (ou seja, à criação duma central das casas provinciais), pode dizer-se que aos momentos de grande convergência (como nos anos 30/40) seguia-se o refluxo, mais por passividade conformista do que por desentendimento. Sintomaticamente, a fase mais construtiva concentrava também tensões, desencontros e receios: por um lado, e para além da concorrência, a resistência das associações subprovinciais, que temiam o incerto duma estrutura tuteladora; por outro lado, os desentendimentos entre os dirigentes das associações provinciais, que temiam simultaneamente os humores do regime (ou enfrentavam a resistência passiva dos situacionistas no interior das associações) e se envolviam em distintos alinhamentos políticos (por exemplo, situação vs. oposição: vd. o caso da reacção epidérmica à intervenção da FPCCR na esfera regionalista) ou estratégico-doutrinais (cooperação interregionalista vs. federalismo regionalista, etc.).

53Num contexto de algum refluxo político-social nos anos 50, o Grémio Beirão / Casa das Beiras não cortou ameias com a periferia que dizia defender, mas virou-se mais para a convivialidade entre os comprovinicianos do centro, tendo garantido alguma adesão junto das classes médias e da pequena-burguesia beirã imigrante. A linha principal de recrutamento estratégico procurava associar figuras da situação e da oposição republicana, mas sobretudo, preocupando-se em convocar notáveis ou intelectuais e artistas, por uma questão de prestígio, ainda que por vezes tenha havido algum atraso nas consagrações devidas (é o caso exemplar de Leite de Vasconcelos, só homenageado postumamente e, mesmo assim, com dois anos de dilação). Todavia, nos anos 60 quebra-se esta linha em favor da prioridade na captação de dirigentes situacionistas, sobretudo autárquicos (edis, governadores, etc.). O compromisso acentuara-se ao nível directivo.

54Neste espaço de tempo, o perfil dos associados também se alterou, no sentido do reforço do peso das classes médias em detrimento da pequena-burguesia, embora mantendo-se ambos predominantes (ap. levantamentos de 1934/5 e 1960-61). Persiste ainda o grande peso do funcionalismo de Estado, serviços e das profissões liberais. Comerciantes, médicos, advogados, militares e empreiteiros procuravam assim preservar um estatuto social individual, num palco secundário relativamente a outros mais próximos do poder mas com visibilidade e influência. Este perfil tem correspondência com os eleitos e biografados pela imprensa institucional, comprovando a influência dessas profissões que lidavam quotidianamente mais de perto com pessoas doutras e diversas proveniências sócio-profissionais. Contudo, também se nota uma lenta evolução no sentido dum maior espaço conferido aos nomes do campo cultural.

55Com a institucionalização democrática, a instituição passará a viver uma relação mais plural, com influência das relações de força político-partidária no espaço político. A nível associativo, é finalmente institucionalizado um organismo interprovincial que liga as casas regionais de base provincial, demonstrando a preocupação em deter maior capacidade representativa e, daí, maior capacidade reivindicativa e de influência. A sua relação com o Estado torna-se mais transparente e institucionalizada, a partir do reconhecimento jurídico da instituição como pessoa colectiva de utilidade pública. Porém, a ausência duma estratégia, de protocolos e de regras claras de cooperação entre o Estado e o associativismo voluntário sócio-cultural tolhe o aprofundamento daquela relação, comprometendo a eficácia, o proveito público e as potencialidades desse mesmo relacionamento.

56Em suma, o GB/CB teve um contributo relevante enquanto mediador cultural entre aqueles que se inseriam na grande cidade e as autoridades públicas. Desempenhou um papel relevante tanto na sua integração social, como ao nível da (re)produção identitária regional no espaço público. Nesse sentido, espelhou as grandes linhas de força do associativismo regionalista, incluindo a capacidade de sobrevivência à grave crise do regionalismo independente decorrente da instauração do Estado Novo.

Topo da página

Bibliografia

1) Fontes


«A acção dos grémios provinciais» (1931),
O Beirão, n.º 163, 28/II, Lisboa, GB, p. [1]-3.

«Acção regional[:] visualisação politica» (1925), Traz-os-Montes, n.º 16, 15/VI, Vila Real, [Tip. de Júlia Mesquita], p. [1].

«Acção regional[:] trasmontanos de todo o mundo, associai-vos» (1926), Traz-os-Montes, n.º 37, 1/ V, p. [1].

«Actos e factos da nossa Casa» (1962a), BCB, s. V, n.º 12, I-III, Lisboa, CB, p. 12/3.

«Actos e factos da nossa Casa» (1962b), BCB, s. V, n.º 13, IV-VI, p. 18/9.

«Actos e factos da nossa Casa» (1963), BCB, s. V, n.º 14, p. 24/5.

«A divisão administrativa e o regionalismo» (1937), BCB, s. II, n.º 2, V, p. [1]/2.

«Ainda o 4.º Congresso Beirão em Castelo Branco[:] votos e deliberações» (1929), O Beirão, n.º 152, 7/IX, p. 2/3.

Alves, Manuel Mateus (1926), «Acção regionalista», O Beirão, n.º 116, 1/I, p. 2. Amaral, Belarmino (1948), «Recordando…», RB, s. [IV], a.1, I-III, Lisboa, CB, p. [6]/7.

«A nossa primeira entrevista[:] regionalismo beirão[,] cinco congressos regionais[,] duzentas tezes discutidas» (1935), BCB, s. I, n.º 3, VI, p. 11-13.

«A presença do distrito de Aveiro na nossa Casa» (1960), BCB, s. V, n.º 4, VII, p. 6.

«A presença do distrito de Castelo Branco na nossa Casa» (1960), BCB, s. V, n.º 5, VIII, p. 16.

«A presença do distrito de Coimbra na nossa Casa» (1960), BCB, s. V, n.º 6, IX-X, p. 9.

«A presença do distrito de Viseu na nossa Casa» (1961), BCB, s. V, n.º 8, I-II, p. 13.

Avelanoso, Pires (1925), «No bom combate[:] [re]abramos em Lisboa a ‘Casa dos Trasmontanos’», Traz-os-Montes, n.º 12, 15/IV, p. [1/2].

Baptista, [António Bernardo da] Fonseca (1926), «Grémio Beirão[:] o seu 11.º aniversário», O Beirão, n.º 120, 13/V, p. 5.

Bento, Mário Pires (1990), «Nas bodas de diamante da Casa das Beiras», Beira Alta, vol. 49, n.º 3-4, Viseu, Assembleia Distrital de Viseu, p. 375-380.

«Biblioteca do Grémio» (1932), O Beirão, n.º 167, 1/I, p. 3.

Carneiro, Almeida (1931), «Beira unida», O Beirão, n.º 162, 23/I, p. 4.

«Casa da Beira»[:] uma brilhante sessão de propaganda no ‘Grémio Lafonense’» (1930), O Beirão, n.º 156, 24/V, p. 2 e 4.

Casa da Beira Alta (1958), Estatutos: 1958, Porto, [Casa da Beira Alta].

«Casa das Beiras» (1938), BCB, s. II, n.º 7-9, X, p. 15.

«Casa das Beiras[:] programa das festas» (1939), BCB, s. II, n.º 11-12, III, p. 12.

«Casa das Beiras[:] reunião extraordinária da Assembleia Geral» (1941), BCB, s. II, n.º 23, X, p. 28-30.

«Casa do Beirão Serrano» (2005), sítio de Internet da Junta de Freguesia da Glória (Aveiro), Aveiro,
http://www.jf-gloria.pt/pagin/inform/bserrano.html.

Casa do Distrito de Coimbra (1944), Estatutos, Lisboa, [Ofs. da Cadeia Penitenciária de Lisboa]. Casa do Distrito de Leiria (1939), Estatutos, Barcelos, Comp.ª Ed. do Minho.

«Casas regionais beiroas no ultramar» (1938), BCB, s. II, n.º 6, III, p. 45.

Coelho, José (1942), Etnologia regional: património etnológico da Beira. Feixe de 12 téses apresentadas ao VII Congresso Beirão em Viseu e unanimemente aprovadas na sessão de 16 de Setembro de 1942, Viseu, ed. do autor.

«Confederação Regionalista Portuguesa» (1929), O Beirão, n.º 152, 7/IX, p. 2.

«Conselho Superior do Regionalismo Português» (1941), BCB, s. II, n.º 24, XII, p. 6.

Danças e cantares da Beira Baixa (1977; 1988), folheto do espectáculo.

Dias, Jaime Lopes (1937), «O centro de Portugal no cortejo folclórico», BCB, a. 2, s. 2, n.º 2, V, p. 6/7.

Dias, Jaime Lopes (1953), Viriato: herói e pioneiro da independência, [Lisboa], Império, 15 [1] p.

Dias, Jaime Lopes (1961), «A participação dos Beirões na independência de Portugal[:] Viriato – herói luso, pioneiro da independência», BCB, s. V, n.º 8, I-II, p. 1 e 8/9.

Deusdado, Domingos Ferreira (1934), Regionalismo e patriotismo, Lisboa, Bertrand.

«Dr. Jaime Lopes Dias» (1936), BCB, a. 2, n.º 4-6, II, p. 3.

«Esclarecendo» (1941), BCB, s. II, n.º 24, XII, p. [1]-3.

«Exposição de caricaturas» (1940), BCB, s. II, n.º 15, I, p. 23.

«Federação das Casas Regionais» (1967), O Castanheirense, Castanheira de Pêra, 31/V.

«Festas de Junho» (1930), O Beirão, n.º 157, 16/VI, p. 4.

«Festas no Grémio» (1930), O Beirão, n.º 155, 25/IV, p. 4.

Galvão, Lopes (1940), «A economia beirôa no VII Congresso Beirão», BCB, s. II, n.º 18-19, XII, p. 19/20.

Galvão, Lopes (1947), «Os grandes problemas das Beiras[:] a rega da campina da Idanha», BCB, s. IV, n.º 2, 1/V, p. 6/7.

Geraldo, Manuel (2000), «Casas regionais a uma só voz», Revista Alentejana, s. II, n.º 17, X-XII, Lisboa, Casa do Alentejo, p. 9/10.

Gonçalves, Elisabete (1998), «Os prós e os contras para a Beira Alta», Terras da Beira, 10/IX, Guarda, Fundação Frei Pedro, 3 pp. (www.freipedro.pt/tb/100998/reg6.htm).

Grémio Alentejano (1934), Ano de 1933. Relatório e contas da Direcção. Parecer do Conselho Fiscal e relatório do Conselho Regional (aprovados em Assembleia Geral de 27 de Fevereiro de 1934), Lisboa, s. n..

«Gremio do Minho» (1926), O Beirão, n.º 121, 8/VII, p. 3.

«Impressões de um regionalista» (1940), BCB, s. II, n.º 18-19, XII, p. 21/2.

«Inquérito beirão» (1935-36), BCB, s. I, ns. 2 (V/1935, p. 18-20) e 4-6 (II/1936, p. 30/1).

«Inquérito sôbre o progresso das Beiras[:] quem nos responde?» (1943-49), BCB, s. III, n.º 4, X-XII/ 1943, p. [7]; cont.º nos ns. 6 (IV-VI/1944), 7-8 (VII-XII/1944), I-III/1948 (p. [5]), VII-XII/1948 (p. 7-14), I-VI/1949 (p. [5]-7, [19]-22) e VII-IX/1949 (p. [27]-37).

«Junho festeiro… e os beirões no Grémio» (1930), O Beirão, n.º 158, 8/VII, p. 4.

Lopes, Aires Alves (1965), «A ‘Casa das Beiras’ de Lisboa através dos tempos», Notícia Vouzela, Vouzela, 16/VII.

Lourenço, Joaquim Rodrigues (1923), «Regionalismo», O Beirão, n.º 86(?), 1/VI, p. 3.

Lourenço, Joaquim Rodrigues (1924), «Os beirões e o regionalismo», O Beirão, n.º 100, 1/IX, p. [1].

Lourenço, J[oaquim] Rodrigues (1926a), «A união regional (aos covilhanenses)», O Beirão, n.º 117, 1/II, p. [1].

Lourenço, Joaquim Rodrigues (1926b), «O XI aniversario do Gremio Beirão», O Beirão, n.º 120, 13/ V, p. 4.

Lourenço, J. Rodrigues (1943), «Elementos para a história do regionalismo beirão I», BCB, s. III, n.º 2, IV-VI, p. [31]-33.

Matos, Francisco de (1926), «Pró província», Traz-os-Montes, n.º 39, 1/VI, p. [1].

Norte, Amália Proença (1936), «De Viriato a Salazar[:] terra das Beiras. Coração e cerebro do País, manancial de virtudes da Raça e reducto das grandes energias da Nação, onde o Trabalho ergue a eterna canção da Vida, da Beleza e do Amor à Independência», BCB, n.º 7-8, IV, p. 2.

«[Notícia breve]» (1931a), O Beirão, n.º 162, 23/I, p. [1].

«[Notícia breve]» (1931b), O Beirão, n.º 166, 2/XII, p. [1].

«Nova divisão das Beiras segundo um estudo feito por uma comissão de técnicos» (1933), O Beirão, n.º 180, 15/III, p. 4.

«O bairro regional» (1930), O Beirão, n.º 156, 24/V, p. 2 e 4.

«O Centro Beirão no Rio de Janeiro» (1924), O Beirão, n.º 102, 1/XI, p. 2.

«O Festival da Casa das Beiras» (1967), Correio da Beira, 6/IV.

«O I Congresso Regionalista da Comarca de Arganil» (1960), BCB, s. V, n.º 3, VI, p. [1]-5.

«O 1.º Salão Académico de Coimbra, em Lisboa» (1938), BCB, s. II, n.º 7-9, X, p. 45/6.

«Organização regionalista[:] a Casa das Beiras introduziu no seu Estatuto um novo conceito regionalista: secções concelhias» (1947), BCB, s. IV, n.º 1, 1/IV, p. 8.

«Os grémios sub-regionais no Grémio Beirão» (1930), O Beirão, n.º 157, 16/VI, p. 4.

«Os museus etnográfico das Beiras e do Artesanato Português em Coimbra» (1963), BCB, s. V, n.º 14, p. 7.

P., M. (1947), «Regionalismo beirão[:] a festa de recepção aos representantes dos corpos administrativos das três Beiras», BCB, s. IV, n.º 4, 1/VII, p. 4/5.

«Para quando a Federação das Casas Regionais?» (1963), BCB, s. V, n.º 14, p. 15.

«Parte do que se escreveu em 1929 acêrca de Monsanto» (1938), BCB, s. II, n.º 7-9, X, p. 10-12. Pedro, Ana Navarro (2005), «Diversidade cultural adoptada pela UNESCO», Público, 21/X, Lisboa, Público-Comunicação Social, p. 50.

Pepulim, Domingos (1936), «Regionalismo, nacionalismo, corporativismo», BCB, s. II, n.º 1, XI, p. 8-10.

Pepulim, Domingos (1938), «O regionalismo perante os poderes constituídos», BCB, s. II, n.º 7-9, X, p. 19-22.

Pepulim, Domingos (1940), «Carta aberta às juntas provinciais, câmaras municipais e comissões de iniciativa e turismo da Beira Alta, Beira Baixa e Beira Litoral», BCB, s. II, n.º 15, I, p. 4-8.

[Pepulim], [Domingos] (1942), «A Federação das Sociedades de Recreio», BCB, s. II, n.º 25, II, p. 26/7.

Pereira, José Paulo (1929), «A jornada de Idanha-Monsanto», O Beirão, s. I, n.º 150, 16/VII, p. 4. Pessoa, Manuel de Paiva (1929a), «Colchas de Castelo Branco», Terra da Beira, a. 1, n.º 10, 15/XI, Castelo Branco, p. 7.

Pessoa, Manuel de Paiva (1929b), «Colchas de Castelo Branco», Terra da Beira, a. 1, n.º 11, 1/XII, Castelo Branco, p. 2.

«Reforma administrativa» (1937), BCB, a. 3, s. 2, n.º 5, XII, p. [1]/2.

«Regionalismo» (1931), O Beirão, n.º 164, 27/VI, p. 4.

«Regionalismo» (1937), BCB, s. II, n.º 3, VI, p. [1]/2.

«Representações no Congresso da Imprensa da Beira» (1931), O Beirão, n.º 164, 27/VI, p. 3.

«Restaurante da Casa das Beiras» (1961), BCB, s. V, n.º 9, III-V, p. 17.

Santos, Victor (1965), «As casas regionais instituições de utilidade pública», Revista Alentejana, n.º 339, VII, Lisboa, Casa do Alentejo, p. 3.

Saraiva, J[osé Maria de] Andrade (1930), «Beira unida, ou Beira desmembrada?», O Beirão, n.º 161, 20/XII, p. 2.

Saraiva, J[osé Maria de] Andrade (1931), «A Beira nem retalhada, nem mutilada», O Beirão, n.º 164, 27/VI, p. 2.

Silva, M. (1925), «Regionalismo», Traz-os-Montes, n.º 26, 15/XI, p. [1].

«II Exposição Bibliográfica das Beiras» (1963), BCB, s. 5, n.º 14, p. 20.

«VII Congresso de Vizeu» (1941), BCB, s. II, n.º 21-22, VI, p.17-24.

Vale, Luiz de Lucena e (1937), «Junta de Província da Beira-Alta», BCB, s. II, n.º 5, XII, p. 35.

«Vida associativa» (1943), BCB, s. III, n.º 1, I-III, p. [36]/7.

«Vida associativa» (1944), BCB, s. III, n.º [5], I-III, p. [45]-48.



2) Estudos


Alexandre, Paulo Morais (2000), «Rosa, Fernando Baeta Bissaia Barreto», in
Dicionário de História de Portugal [suplemento], dir. de Joel Serrão e coord. de António Barreto e Maria Filomena Mónica, Porto, Livraria Figueirinhas, vol. IX, p. 277.

Alves, Vera Marques (1997), «Os etnógrafos locais e o Secretariado da Propaganda Nacional. Um estudo de caso», Etnográfica, vol. 1, n.º 2, p. 237-58.

Amaro, António Rafael (1996), «Os congressos regionais das Beiras e o regionalismo em Portugal (1921-1940)», in: Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social, XVI, Coimbra, 1996, Portugal e as regiões: perspectivas históricas. XVI Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social, [Coimbra], Comissão de Coordenação da Região Centro, p. 71-92.

Amaro, António Rafael (2003), Economia e desenvolvimento da Beira Alta: dos finais da monarquia à II Guerra Mundial (1890-1939), Coimbra, FLUC, tese de doutoramento, 2 vols..

Applegate, Celia (1999), «A Europe of regions: reflections on the historiography of sub-national places in modern times», American Historical Review, vol. 104, p. 1157-83.

Barreto, José (1999), «Leal, Francisco Pinto da Cunha», in Dicionário de História de Portugal [suplemento], dir. de Joel Serrão e coord. de António Barreto e Maria Filomena Mónica, Porto, Livraria Figueirinhas, vol. VIII, p. 354-9.

Catroga, Fernando (2000 [1991]), O republicanismo em Portugal. Da formação ao 5 de Outubro de 1910, 2.ª ed., Lisboa, Editorial Notícias.

Catroga, Fernando (2005), «Geografia política. A querela da divisão provincial na I República e no Estado Novo», in Fernando Taveira da Fonseca (coord.), O poder local em tempo de globalização, Coimbra, Imprensa da Universidade, p. 171-242.

Cavazza, Stefano (1997), Piccole patrie. Feste popolari tra regione e nazione durante il fascismo, Bolonha, Il Mulino.

Cordeiro, Carlos Alberto da Costa (1999), Nacionalismo, regionalismo e autoritarismo nos Açores durante a I República, Lisboa, Eds. Salamandra.

Costa, António Luís Pinto da (1992), Alto Douro, terra de vinho e de gente, Lisboa, FCSH-UNL, tese de mestrado.

Dorman, Robert L. (1993), Revolt of the provinces: the regionalist movement in America, 1920-1945, Chapel Hill e Londres, The University of North Carolina Press.

Eleutério, Vítor Luís (2000), «Supremo Tribunal de Justiça (STJ)», in Dicionário de história de Portugal [suplemento], dir. de Joel Serrão e coord. de António Barreto e Maria Filomena Mónica, Porto, Livraria Figueirinhas, vol. IX, p. 481/2.

Enes, Carlos (dep. legal 1996), A Casa dos Açores em Lisboa, 1.ª ed., Lisboa, Casa dos Açores.

Forte, Maria João Figueiredo (1996), As casas regionais em Lisboa. A Casa das Beiras. Regionalidade e associativismo urbano, Lisboa, FCSH-UNL, tese de mestrado.

Harney, Nicholas DeMaria (1998), Eh, paesan! Being italian in Toronto, Toronto, University of Toronto Press.

João, Maria Isabel (1996), «Memória e construção da identidade regional: o caso dos Açores», in: Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social, XVI, Coimbra, 1996, Portugal e as regiões: perspectivas históricas. XVI Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social, [Coimbra], Comissão de Coordenação da Região Centro, p. 23-51.

Leal, João (1997), «Açorianidade: literatura, política, etnografia (1880-1940)», Etnográfica, vol. 1, n.º 2, p. 191-212.

Lourenço, António (1991), História do regionalismo pampilhonense, [Lisboa], Casa do Concelho de Pampilhosa da Serra.

Marcelo, M. Lopes (1993), Beira Baixa. A memória e o olhar, Lisboa, Editorial Presença. Marques, A. H. de Oliveira (coord.; 1991), Portugal da monarquia para a república, Lisboa, Editorial Presença.

Martins, A. Santos (2003-2004), História da Casa do Minho, [Lisboa], Casa do Minho, vols. I e II. Medeiros, António (2003), À moda do Minho. Um ensaio antropológico, Lisboa, Eds. Colibri.

Melo, Daniel (2001 [1997]), Salazarismo e cultura popular (1933-1958), Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais.

Melo, Daniel ([2004]), «Longe da vista perto do coração: o associativismo regionalista no contexto colonial português», comunicação ao VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais (Coimbra, FEUC, 16-18/9/2004),
http://www.ces.uc.pt/lab2004/inscricao/pdfs/painel43/DanielMelo.pdf

Melo, Daniel (2005), «‘Um povo, uma cultura, uma região’: a história exemplar da Casa do Alentejo», Trabalhos de Antropologia e Etnologia, vol. XLV (1-2), p. [119]-39.

Melo, Daniel (2006), «Aquém do Marão[:] o associativismo regionalista transmontano em Portugal e na diáspora», Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 50 (Jan.-Abril), p. [67]-87.

Mendes, José Manuel de Oliveira (1996), «O regionalismo como construção identitária[:] o caso dos Açores», Revista Crítica de Ciências Sociais, n.º 45, p. 127-42.

Núñez Seijas, Xosé-Manoel (2001), «The region as essence of the fatherland: regionalist variants of Spanish nationalism (1840-1936)», European History Quarterly, vol. 31, n.º 4, p. 483-518.

Oliveira, César de (1992), «A evolução política», in Fernando Rosas (coord.), Portugal e o Estado Novo (1930-1960), vol. XII da «Nova história de Portugal» (dir. de J. Serrão e A. H. de Oliveira Marques), Lisboa, Editorial Estampa, p. [21]-85.

Parkhurst, Shawn (1996), «Uma etnografia sobre a produção local de regionalidade no Alto Douro», Douro. Estudos & Documentos, n.º 1 (Primavera), p. [119]-75.

Pereira, Inês (2002), «Identidades em rede: construção identitária e movimento associativo», Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 40, p. [107]-21.

Portugal. Presidência do Conselho de Ministros. Comissão do Livro Negro sobre o Regime Fascista (1985), Legislação repressiva e antidemocrática no regime fascista, s. l., CLNSRF.

Santos, José António (1985), Regionalização: processo histórico, Lisboa, Livros Horizonte. Santos, Rui Manuel Amaro dos (1999), O regionalismo beirão no Diário de Coimbra (1930-1950), Coimbra, FLUC, trabalho de seminário.

Silva, Eduardo Caetano da (2003), Visões da diáspora portuguesa. Dinâmicas identitárias e dilemas políticos entre portugueses e luso-descendentes de São Paulo, Campinas, Universidade Estadual de Campinas, tese de mestrado.

Simões, Pedro (2005), As fronteiras internas da nação: a imagem da Beira no Estado Novo (a Casa das Beiras: 1939-1959), Porto, Universidade Portucalense Infante D. Henrique, tese de mestrado.

Smith, Anthony D. (1991), National identity, Londres, Penguin.

Sobral, José Manuel (2002), «A etnografia de Aquilino Ribeiro», Antropológicas, n.º 6, XII, p. [7]-41.

Storm, Eric (2003), «Regionalism in History, 1890-1945: the cultural approach», European History Quarterly, vol. 33, n.º 2, p. 251-65.

Thiesse, Anne-Marie (1997), Ils apprenaient la France. L’exaltation des régions dans le discours patriotique, Paris, Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme.

Thiesse, Anne-Marie (1999), La création des identités nationales. Europe XVIIIe-XXe siècle, Paris, Éditions du Seuil.

Trindade, Maria Beatriz Rocha (1986), «Do rural ao urbano: o associativismo como estratégia de sobrevivência», Análise Social, vol. XXII, n.º 91, p. 313-30.

Trindade, Maria Beatriz Rocha (1987), «As micropátrias do interior português», Análise Social, vol. XXIII, n.º 98, p. 721-32.

Trindade, Maria Beatriz Rocha (1994), «Groupes d’appartenence et logiques identitaires[:] les associations régionales à Lisbonne», Ethnologie du Portugal: unite et diversite. Actes du colloque, Paris, Centre Culturel Calouste Gulbenkian, p. 109-21.

Valente, José Carlos (1996), «Melo, Higino de Matos Queirós e», in Fernando Rosas e José Maria Brandão de Brito (dir.), Dicionário de história do Estado Novo, Lisboa, Círculo de Leitores, vol. II, p. 559.

Vieira, Rui Rosado (2005), O associativismo alentejano na cidade de Lisboa no séc. XX, Lisboa, Casa do Alentejo e Eds. Colibri.

Topo da página

Notas

2 Para a primeira vertente vd. Trindade, 1986 e 1994, Forte, 1996, Coutinho, 2005, Melo, [2004], 2005 e 2006, e Vieira, 2005. Para a segunda vertente vd. Enes, 1996, João, 1996, Mendes, 1996, Leal, 1997 e Cordeiro, 1999 (todos para os Açores); Trindade, 1987, Amaro, 1996, Alves, 1997, Santos, 1999 e Catroga, 2005 (para as Beiras); Costa, 1992 e Parkhurst, 1996 (para o Douro); Martins, 2003-2004 e Medeiros, 2003 (para o Minho). O regionalismo dos anos 20/30, sobretudo o beirão, é ainda contextualizado e problematizado em Amaro, 2003: 446-99 (retomando Amaro, 1996).

3 Para uma perspectiva global sobre os trabalhos mais recentes respeitantes ao regionalismo vd. Applegate, 1999, ou Storm, 2003. Sobre os Estados Unidos da América vd. também Dorman, 1993.

4 Cf. Santos, 1985: 115-23, Amaro, 2003: 446-99, e Melo, [2004]: 1/2, 2005: 121, e 2006: 70; sobre o republicanismo vd. Catroga, 2000. Note-se que um Partido Regionalista elegerá dois deputados nas eleições de 1921 e de 1922 (cf. Marques, 1991: 730/1).

5 No original: «Around 1900, regionalism became a mainstream movement. Every region had its own ‘soul’, and as an organic part of the nation its particular character should be studied and reinforced. The interwar period in particular became the golden age of regionalist popular culture».

6 Lista geral em Melo, [2004]: 2; lista do movimento transmontano em Melo, 2006: 71.

7 Depois Liga Regional Tabuense, em 1912, e Casa dos Tabuenses, desde 1933 – cf. Lourenço, 1991: 33.

8 O núcleo de fundadores incluía Daniel Gonçalves de Almeida, Alfredo Augusto Ferreira, J. R. Lourenço e Benjamim R. Costa, entre outros (cf. o mesmo Lourenço, 1926b e 1943). Neste último texto o órgão impresso é apresentado erradamente como O Povo de Lafões, em vez de Porvir de Lafões.

9 Lourenço (1926b) alegará que a ruptura se deveu a não terem conseguido extirpar dois vícios associativos: o «salsifré dançante» e a «aringa para exibição de […] balofas vaidades». O último argumento é um problema central no associativismo e foi aprofundadamente estudado em algumas associações luso-brasileiras do Brasil por Silva, 2003. Lopes (1965), porém, referirá que a desavença se deveu à recusa do então presidente do GL em aceitar actuar na sede deste um grupo com o nome da filha de Afonso Costa, então líder governamental e presidente do Partido Republicano Português.

10 Terá um órgão de imprensa homónimo e da sua gerência inicial constam Manuel Pereira da Costa (presidente da Direcção), Artur de Macedo (presidente da Assembleia-geral), António Encarnação Albuquerque, José Bento Gonçalves de Almeida e Daniel Dias Costa (todos do Conselho Fiscal), Eduardo Marques Pereira (secretário), Adelino Gonçalves de Almeida e António Pinto de Azevedo (ambos vogais), e um ex-fundador do GL (Daniel G. de Almeida, agora tesoureiro; cf. AHCB- Arquivo Histórico da Casa das Beiras, actas da Direcção do Grémio Beira-Vouga/GB). As sessões da Direcção arrancam a 28/1/1916; em 7/10 /1916 dá-se nova ruptura, com JRL presidindo a uma Comissão Administrativa não aceite pelos «ex»-dirigentes mas que levará à criação do GB, designação só assumida em acta desde a sessão de 17/ 6/1917 (cf. AHCB, idem).

11 Segundo Lourenço (1926b), o novo nome só foi oficializado em 3/1917, após reforma estatutária.

12 Vd. João Baptista de Castro, Mapa de Portugal, 1746, e Júlio Monteiro Aillaud, Atlas de geographia estatística, V. J. C., [18—]. Vd. também Santos, 1985: 46, Amaro, 2003: 433/4 ou Coutinho, 2005: 13/ 4.

13 Divisa inserta na capa do novel órgão impresso, o Boletim da Casa das Beiras. Revista mensal de regionalismo beirão (BCB), dirigido, nas suas cinco séries, por Domingos Pepulim, Jaime Lopes Dias, José da Cruz Filipe e Manuel Martins da Cruz. A 4.ª série chamou-se Revista das Beiras. Publicação da Casa das Beiras (RB), retomando a 5.ª a designação BCB. O GB passa a CB em 1933 (cf. Coutinho, 2005: 24).

14 Esta sede foi arranjada pelo então presidente, o lafonense Manuel Rodrigues de Abreu, auxiliado pela restante direcção: Manuel Ramos Jorge, Alberto Ribeiro Lemos, Manuel T. de Carvalho e Daniel José Marques (cf. Lourenço, 1926b). Novas mudanças se verificarão em 1933, para a R. Ivens, 44, 1.º (ao Chiado), e em 1937, para o Palácio da Regaleira (Largo de S. Domingos, na Baixa). A partir de 1967/8, e devido a despejo pela Ordem dos Advogados, instala-se na Av. Almirante Reis, 256, 1.º (ao Areeiro).

15 Vd. Forte, 1996 e os casos alentejano, ultramarino e transmontano em Melo, [2004], 2005 e 2006.

16 Sobre esta função central cf. o estudo doutras associações beirãs em Trindade, 1986, e doutras congéneres em Melo, [2004], 2005 e 2006.

17 Cf., respectivamente, «O 1.º Salão Académico…», 1938; «Exposição de caricaturas», 1940; as outras são do congresso arganilense de 1960 (vd. infra).

18 Nos anos 60 fixou certos pratos regionais: vitela de Lafões (à segunda-feira), chanfana à moda de Arganil e Poiares (à terça-feira), pescada à figueirense (à quarta-feira), cozido à portuguesa à moda da Sertã (à quinta-feira), caldeirada à aveirense (à sexta-feira) e leitão da Bairrada (ao sábado; cf. «Restaurante…», 1961).

19 O único trabalho a concurso surgido em 1947, «A minha terra[:] memórias de Aldeia da Ponte» (de José dos Reis Chorão), foi recusado pelo júri no início de 1948 porque «não podiam ser tomados em consideração trabalhos da natureza, forma e crítica observadas na elaboração da respectiva monografia» – eis a decifração: não se podiam apresentar necessidades coevas da terra monografada nem críticas a políticas viárias locais; da decisão só o candidato teve conhecimento (cf. AHCB, proc.º homónimo).

20 Eis o programa: hino da CB; suite popular e intermezo de Wenceslau Pinto; 12 canções regionais (letras em O que a nossa gente canta, de Jaime Lopes Dias); «Dança Portuguesa» de Ruy Coelho; «Rapsódia da Beira», de Filipe da Silva; discurso; lendas do «Santo Amador» (in Outro mundo, de J. Hipólito Raposo), «Santa Cruz» e «Madeiro do Natal» (in Etnografia da Beira, de J. Lopes Dias; cf. «Casa…», 1938).

21 Sobre a tentativa de integração deste evento no ciclo da EN para 1935-37 vd. Melo, 2001: 271 e Dias, 1937 (este foi, novamente, um dos grandes mediadores entre as plataformas regionalista e nacionalista).

22 Em 1921 (Viseu), 1922 (Coimbra), 1928 (Aveiro), 1929 (Castelo Branco), 1932 (Figueira da Foz), 1936 (Coimbra), 1940 (Viseu), 1948 (Guarda), 1953 (Viseu) e 1965 (Coimbra). Amaro (2003: 475/6) enquadra a génese destes num movimento abrangente estimulado pelo jornal O Século em 1913.

23 Vd. Amaro, 1996, e respectivas actas e textos de balanço, como por exemplo «Ainda…», 1929, Galvão, 1940, «VII…», 1941, Amaral, 1948.

24 Cf. http://www.artesanatorede.com/portugues/dueceira/artesaos/dueceiraartesaos8_100.htm.

25 A aliança mais perene deu-se entre o boletim do GB/CB e o Diário de Coimbra (cf. Santos, 1999: 3).

26 Por ordem de aparecimento: drs. Magalhães Lima† e António José de Almeida†, Artur Augusto da Costa†, gens. Abel Hipólito† e João de Almeida, Antónia Rodrigues†, drs. Joaquim Augusto Ferreira da Fonseca e Constantino Augusto d’Almeida Carneiro e Freitas, José Mendes da Cunha Saraiva, Anita Patrício, drs. Manuel Duarte Leitão, António Augusto Proença†, António Abranches Ferrão†, Álvaro de Castro† e Francisco Gomes Teixeira†.

27 A saber: Aproveitamento creno-climatoterápico da Serra da Estrela e A regíao de Riba Côa e um autógrafo de Brás Garcia Mascarenhas, este sobre as fortalezas beirãs quinhentistas e com alusão ao autor do conhecido poema épico Viriato trágico.

28 A contabilidade inclui biografados desdobrados por várias áreas de actividade, mas só Costa Menano passa da lista de 1929-32 para a de 1935-63, sendo contabilizado em ambas, excepto para a média global.

29 Sobre a relevância de Aquilino na construção dum imaginário beirão, e até dum esboço antropológico, vd. Sobral, 2002.

30 Cf. órgão oficial. Azeredo Perdigão foi homenageado em 1941, mas sem referência no boletim (cf. Bento, 1990: 376). Houve ainda algumas homenagens singelas, com repastos de confraternização: casos do cons.º Afonso de Melo e da escritora Sara Beirão, em 1948, e de Jaime Lopes Dias, em 1960.

31 Vd. Amaro, 1996: 71/2, Santos, 1999: 20, Melo, [2004] e 2005: 121.

32 Às já aludidas representações transmontana (1905), madeirense (1907), alentejana (1912) e beirã (1915/6) seguem-se as do Minho (1923), Açores (1927) e Algarve (1931).

33 Cf. Lourenço, 1926a, e passim. Até 1931 aderem os grémios Lafonense, Gouveense, Regionalista da Comarca de Arganil, Torreselense e Estrêla d’Alva, a Liga Regional Tabuense, a Sociedade de Assistência Cojense e a Casa do Concelho da Covilhã (cf. «A acção…», 1931: 2).

34 Cf. «Os grémios…» e «Junho…», 1930. Acolherá ainda reuniões embrionárias das comissões de melhoramentos de Lourosa e Madeira (cf. «Regionalismo», 1931).

35 Cf., respectivamente, «Reforma…», 1937 e Saraiva, 1930. A acomodação de alguns dirigentes do GB/ CB à tripartição beirã ia ao arrepio não só da tradição administrativa da Beira histórica e da economia regional como dos próprios congressos beirões e do GB, ambos unitários, como alegaram Carneiro (1931) e Saraiva (1931).

36 Ao lado dos professores Mendes Correia (UP), A. Girão (UC) e Pereira de Sousa (UL) – cf. «Nova…», 1933.

37 Onde sem nota específica cf. Melo, 2005: 122.

38 Cf. «Esclarecendo», 1941. Foi criado pelas sete casas provinciais e por cinco sub-regionais (Leiria, Covilhã, Lafões, F. Zêzere e Pampilhosa da Serra), liderado pelo gen. Daniel de Sousa, cor. António Lopes Mateus (CB), drs. Ferreira Deusdado (CTMAD), Vítor Santos (CA) e Manuel Ribeiro Ferreira, e intermediou junto de ministérios e municípios (cf. «Conselho…», 1941).

39 Sobre a censura e legislação repressiva cf. Portugal, 1985: sobretudo 12, 140-3, 158-60 e 202/3 (vd. ainda Santos, 1999: 19-21, Amaro, 1996: 89 e Coutinho, 2005: 18 e 28). Lista de provas em Melo, 2005: 122 (o ofício-circular é aí erradamente datado de 1931, idem em Enes, 1996: 128). Para as 3.ª e 4.ª provas cf. Melo, 2001: 332-64; para a 6.ª prova cf. idem: 80-3, também Santos, 1985: 129 e Amaro, 1996: 87/8.

40 Cf. pasta sobre o estatuto de utilidade pública, 1987-1990, in Arquivo Histórico da Casa do Alentejo.

41 Para o caso luso, vd. Melo, 2001, e também Amaro, 1996; para um caso com particular influência sobre o salazarismo – o fascismo italiano – vd. Cavazza, 1997.

42 Cf. Melo, 2001, Alves, 1997: 243-7, Santos, 1999: 20.

43 Note-se que esta é uma tendência internacional no associativismo (regionalista ou não) na diáspora, como o comprova o caso italiano no Canadá (vd. Harney, 1998).

44 Uma noção de comunidade étnica pode ver-se em Smith, 1991: 21; para a sua extrapolação ao contexto regionalista (sub-étnico) cf. Pereira, 2002: 111; sobre a Convenção da UNESCO cf. Pedro, 2005.

45 Sobre esta questão vd. Forte, 1996, Melo, 2001: 344-7 e 361/2, [2004]: 4/5, 2005: 128, e 2006: 72 e ss. Vd. ainda os testemunhos dispersos pelos órgãos impressos das associações. Nas profissões liberais incluí advogados, farmacêuticos, engenheiros e afins, arquitectos, professores de dança, secretário de revista, jornalista e desenhador. Nos serviços, aditei funcionários estatais e sector terciário supostamente privado.

46 Registam-se aqui as fontes usadas na caracterização sócio-profissional dos sócios do GB/CB – para 1934/ 5: BCB, ns. 1 (IV/1935, p. 23/4) e 2 (V/1935, p. 24); para 1960: RB, s. 5, ns. 4 (VII/1960, p. 6), 5 (VIII/ 1960, p. 16), 6 (IX-X/1960, p. 9), 7 (XI-XII/1960, p. 12), 8 (I-II/1961, p. 13); para 1961: RB, s. 5, ns. 8 (I-II/1961, p. 13 e 16), 9 (III-V/1961, p. 12), 10 (VI-IX/1961, p. 12), 11 (X-XII/1961, p. 8). É possível que o total de sócios para 1960 esteja ligeiramente inflacionado, pois existe sobreposição de alguns nomes nas duas listas existentes, a saber, a dos novos sócios e a da série sobre sócios por distritos. Os dados para 1961 respeitam somente a novos sócios.

47 Renominada Casa do Alentejo em 1938 e com perfil de 1933 em Melo, 2005: 128.

48 No cálculo dos alentejanos funcionários estatais excluí as profissões «professores» e «engenheiros», por impossibilidade de determinação de exercício público ou privado da profissão, o que foi extensivo aos profissionais liberais (esta é uma limitação da fonte: cf. Grémio Alentejano, 1934: 20/1). O peso dos serviços está subrepresentado em ambos, mas deve-se unicamente a ser impossível determinar o seu valor relativo dentro das categorias de diplomados e estudantes.

49 Tal perfil é infirmado por estudo oficioso dos registos de cerca dois mil sócios feito em 1940, dada a «legião de homens públicos» presentes: ministros, juízes, altos funcionários, titulares, médicos, advogados, professores, proprietários, comerciantes, industriais e escritores (cf. «Impressões…», 1940). O autor denuncia o oportunismo de membros das elites, que entram e saem ao sabor das suas conveniências.

50 A saber, da Lousã, Albergaria-a-Velha, Aveiro, Ovar, Figueira de Castelo Rodrigo, Vila Nova de Paiva, Pampilhosa da Serra, Cantanhede, Penacova, Coimbra, Lamego, Proença-a-Nova, Arouca, Vale de Cambra, Arganil e Figueira da Foz. Os 8 últimos surgem nas listas de admissões de 1962/3 (cf. «Actos e factos…», 1962a: 12, 1962b: 18, 1963: 24).

51 Os dois últimos surgem na lista de admissões de 1963 (cf. «Actos e factos…», 1963: 24).

52 Cf. «A presença do distrito de Coimbra…» (1960) e Alexandre, 2000. Note-se que Bissaia Barreto era sócio honorário da instituição desde finais de 1942, juntamente com a JPBL, pelos «brilhantes serviços» prestados na «assistência social» (cf. «Vida associativa», 1943).

53 Em 1962 aderem os directores do Correio de Coimbra, Notícias da Beira e Correio Beirão; em 1963 é a vez dos directores da Defesa de Arouca, Gazeta do Centro e Independência de Águeda (cf. «Actos e factos…», respectivamente 1962a: 12 e 1963: 24).

54 O último entra em 1962 (cf. «Actos e factos…», 1962a: 12).

55 Cf. «A presença do distrito de Aveiro…» (1960) e Eleutério, 2000: 481.

56 O último adere em 1963 (cf. «Actos e factos…», 1963: 24).

57 Cf. «A presença do distrito de Viseu…» (1961).

58 Cf. «A presença do distrito de Castelo…» (1960) e Barreto, 1999. Cunha Leal era sócio honorário.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Daniel Melo, « «Beiras e Pátria»: o regionalismo beirão e as suas relações com o Estado e a sociedade civil no século XX », Ler História, 51 | 2006, 195-224.

Referência eletrónica

Daniel Melo, « «Beiras e Pátria»: o regionalismo beirão e as suas relações com o Estado e a sociedade civil no século XX », Ler História [Online], 51 | 2006, posto online no dia 25 março 2017, consultado no dia 12 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2637 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2637

Topo da página

Autor

Daniel Melo

ICS / Universidade de Lisboa / bolseiro de pós-doutoramento da FCT.

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals