Navegação – Mapa do site
Recensões

Cohen, Arón; Congost, Rosa e Luna, Pablo F. (coord.), Pierre Vilar: une histoire totale une histoire en construction

Paris, Editions Syllepse, 2006, 229 páginas
Frédéric Vidal
p. 249-252
Referência(s):

Cohen, Arón; Congost, Rosa e Luna, Pablo F. (coord.), Pierre Vilar: une histoire totale une histoire en construction, Paris, Editions Syllepse, 2006, 229 páginas.

Texto integral

1Este livro reúne as comunicações apresentadas em Outubro 2004, no âmbito de um encontro na Universidade de Nanterre em Paris, onde se procurou reflectir e assinalar o contributo de Pierre Vilar para a historiografia. O objectivo desta publicação ultrapassa a simples homenagem prestada ao historiador francês, há pouco desaparecido, que marcou mais de uma geração de investigadores, em particular os especialistas do mundo ibérico. Ao longo das quinze comunicações que aqui são publicadas, os participantes tentam, antes de mais, analisar a recepção de uma obra que defende com insistência posições teóricas e metodológicas bastante apuradas.

  • 1 Sobre a influência de Pierre Vilar em Portugal ver: «Homenagem a Pierre Vilar», Ler História, 47, 2 (...)

2A leitura deste livro levanta desde logo uma série de questões em torno da evolução da investigação histórica: até que ponto Pierre Vilar é um historiador da actualidade? O que representa a sua obra para os historiadores do princípio do século XXI? Pierre Vilar pode aparecer como uma figura de um tempo passado, sendo hoje a sua obra mais citada do que realmente lida. Vilar continua a ser reconhecido como o grande historiador da Catalunha e da Espanha moderna, um dos principais especialistas franceses de história económica e social e um dos nomes importantes da escola dos Annales que dominou a historiografia francesa até aos anos 70. Porém, a complexidade e a diversidade das suas contribuições foram um pouco esquecidas. A sua posteridade variou também em função dos contextos nacionais. Nos mundos ibéricos, e muito para além da Catalunha, Vilar continua a ser reconhecido com um historiador relevante em torno do qual se definem ainda debates1. No seu próprio país, o esquecimento é maior e mais remoto. Como o aponta Jacques Maurice, é sintomático o facto de que as memórias intelectuais de Pierre Vilar, publicadas em Espanha há já uma década, ainda não terem encontrado um editor francês (p. 92). É verdade que a etiqueta de «historiador marxista» pode não ter ajudado a segurar uma larga posteridade, num contexto científico demasiado influenciado pelas conjunturas ideológicas e pelas modas. Desta forma, o primeiro texto, assinado por Josep Fontana, coloca precisamente a questão da validade e da actualidade de Pierre Vilar, que tem muito a ver com as do marxismo (p. 15). Se parece legítimo considerar a obra do Pierre Vilar como um produto do seu tempo, os textos aqui publicados lembram a pertinência e a actualidade de algumas propostas teóricas e abordagens historiográficas. Convém, no entanto, saber ultrapassar as reais dificuldades colocadas por usos bastantes pessoais, e por vezes datados, de termos e conceitos. Assim, não é de estranhar que a maior parte dos autores se debrucem sobre a análise do vocabulário e da linguagem conceptual de Pierre Vilar.

3O livro está dividido em cinco partes. Para além das reflexões sobre a actualidade da obra de Pierre Vilar, focam-se o contributo conceptual e metodológico deste historioador, a confrontação com o terreno de estudo, a influência das outras ciências sociais na obra do Pierre Vilar e a concepção do ensino da história. Um dos grandes pontos de interesse desta recolha é dar a ver, por pequenos toques, uma prática do ofício do historiador. É aí, talvez, que os tempos de Pierre Vilar parecem mais distantes. A construção de uma obra e de uma carreira académica em torno de uma grande tese – La Catalogne dans l’Espagne Moderne (1962) – peça mestre e não apenas ponto de partida de um percurso intelectual e profissional, implica outra maneira de conceber a investigação histórica. Como o sublinha Jacques Maurice, autor de uma contribuição sobre «Pierre Vilar e a Espanha», o historiador estabeleceu relações pessoais e duráveis com o seu terreno de estudo. As aspirações científicas e as tomadas de posição política confluem em torno de um mesmo objecto de observação, ao longo de meio século de uma história atormentada: a guerra civil, a II Guerra Mundial, o franquismo. Sobretudo, desta confrontação com o terreno, nasce uma abordagem concreta das questões historiográficas, baseadas em estudos de caso minuciosos e em contactos prolongados com a documentação arquivística. Michel Vovelle e Rosa Congost analisam o vaivém constante entre caso e teoria que está na base da história crítica defendida por Vilar.

4O livro contribui para sintetizar os diferentes aspectos do projecto historiográfico sustentado pela obra de Pierre Vilar. Vilar tinha uma visão precisa do papel da ciência histórica e do historiador. Era uma visão humanista: como o relata Josep Fontana, segundo ele a história tinha de estar ao serviço dos seres humanos. O trabalho de investigação nunca estava separado do esforço de transmissão e de difusão dos saberes: o historiador deve ser antes de mais um pedagogo. Mas a história, segundo Pierre Vilar, é também uma forma de conhecimento superior às outras ciências sociais: é essencial «pensar historicamente». As implicações deste projecto são temas em análise nesta publicação. Vilar escreve e ensina num tempo em que a história aparece ainda como a mais poderosa das ciências sociais, sobretudo no contexto francês. Este poder afirmou-se tanto nas ambições científica e epistemológica – o projecto de uma «história total» que, para Vilar, deve ser entendido antes de mais como uma «análise total» (Rosa Congost, p. 40) –, como nas posições institucionais, num tempo em que o trio Labrousse / Vilar / Braudel dominava a historiografia francesa.

5Algumas contribuições procuram reconstituir com maior precisão a génese e o percurso de textos específicos. Um dos textos mais citados nesta recolha é o relatório apresentado por Vilar em Estocolmo, no âmbito do Congresso Internacional das Ciências Históricas, em 1960. Claude Mazauric analisa o conteúdo do texto, onde encontra um vasto programa de investigação para uma «história crítica» e uma «história total». Consegue ainda situar o texto em relação ao contexto científico, mas também institucional, que presidiram à sua elaboração.

6A análise das principais noções utilizadas por Pierre Vilar ao longo da sua obra acaba por relativizar a especificidade da abordagem marxista. A noção de modo de produção dá um papel determinante à economia, mas incita também ao estudo de outros componentes históricos: a geografia, a demografia, as super-estruturas (o Estado, a religião, as ideologias, etc.). Guy Lemarchand demonstra como «esta estrutura intelectual» que «engloba a totalidade das actividades humanas, do material até ao espiritual e dá a explicação dos grandes traços da sua evolução» (p. 59), aparece como um «conjunto coerente», mas não como um «estrutura absoluta» e «inalterável». As formas de interdependência determinam o modelo do modo de produção. O sistema não evolui de maneira coesa: a economia, as estruturas sociais, as estruturas culturais seguem temporalidades distintas. Esta relação entre o específico, o particular e o total, segundo a ideia que «tudo depende de tudo», não está assim tão afastada das abordagens em termos de estudos situacionais ou da micro-análise histórica. Pelo menos, não existem aí posições totalmente inconciliáveis. Como todos os membros da escola dos Annales, Pierre Vilar contribui para aproximar a história das outras ciência sociais. Foi sobretudo do lado da economia que foi buscar instrumentos conceptuais e metodológicos. Miriam Halpern Peireira evoca os esforços do Pierre Vilar para aprofundar o diálogo entre a economia e a história. No entanto, os intercâmbios têm de ser recíprocos. Pierre Vilar procurou evidenciar a complexidade de fenómenos, tais como o crescimento económico, que não depende apenas de factores económicos (p. 143). A análise abre-se naturalmente aos outros campos do social (estruturas demográficas, políticas, ou até psicológicas). Vilar sublinhou também os riscos de uma visão «economicista» de uma análise demasiado quantitativa, sem controlo sobre o valor e o significativo das informações presentes nas fontes. São debates que permanecem muito actuais, tal como conclui também Miriam Halpern Pereira.

7O livro aqui recenseado beneficia de uma boa edição. A bibliografia extensa – mas por que não completa? – das publicações de Pierre Vilar é uma mais valia. A bibliografia geral e os índices temáticos são também instrumentos úteis para delinear o campo de influência do pensamento de Pierre Vilar. Falta, no entanto, um dado importante: a apresentação dos autores. Alguns são historiadores de renome internacional, outros são menos conhecidos. Num livro deste tipo, tais informações não seriam um simples pormenor. A maior parte dos intervenientes assume uma proximidade intelectual, e até afectiva, com o mestre. Indicar os seus percursos teria sido também uma maneira de reconstituir o andamento de uma obra que foi transmitida, tanto pelo ensino, como pela escrita. Teria também contribuído para uma história crítica e exigente do itinerário de uma obra, segundo os preceitos do próprio Pierre Vilar.

Topo da página

Notas

1 Sobre a influência de Pierre Vilar em Portugal ver: «Homenagem a Pierre Vilar», Ler História, 47, 2004, 213-242.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Frédéric Vidal, « Cohen, Arón; Congost, Rosa e Luna, Pablo F. (coord.), Pierre Vilar: une histoire totale une histoire en construction », Ler História, 51 | 2006, 249-252.

Referência eletrónica

Frédéric Vidal, « Cohen, Arón; Congost, Rosa e Luna, Pablo F. (coord.), Pierre Vilar: une histoire totale une histoire en construction », Ler História [Online], 51 | 2006, posto online no dia 25 março 2017, consultado no dia 27 janeiro 2020. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2655

Topo da página

Autor

Frédéric Vidal

CEHCP / ISCTE – FCT

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals