Navegação – Mapa do site

Editorial

José Vicente Serrão
p. 5-6

Texto integral

1Neste número da Ler História publicamos dois pequenos dossiers, da responsabilidade da Redacção, sobre temáticas e épocas bastante diferenciadas. No primeiro deles agregámos dois textos que, num certo sentido e cada qual a seu modo, combinam os tópicos da violência e do género na Península Ibérica da época moderna. O artigo de Darlene Abreu-Ferreira ocupa-se do tema das mulheres “bravas” – ou “rixosas e vociferadoras”, sempre utilizando definições da época – e do modo como essa violência, mais verbal do que física, e geralmente associada a mulheres de baixo estatuto social, era tratada pela legislação e pela sociedade do Portugal moderno. Por seu turno, o caso, aqui estudado por Fernando Bouza, da “mania furiosa” do marquês de Barcarrota, apesar da sua relativa excentricidade, configura um outro tipo de comportamento de violência de género, neste caso protagonizada no masculino, na esfera doméstica e no ambiente social das elites aristocráticas castelhanas. Mas, sobretudo, permite-nos observar, seguindo o autor, como a loucura ou a violência, em geral, ou a violência de género, em particular, são uma construção cultural, variando portanto em função da época, do espaço e do contexto social em que são praticadas (e em que são observadas).

2No alinhamento do número, segue-se um dossier, focado num passado muito mais recente, que reúne dois artigos sobre mobilidade e circulação internacional de estudantes europeus. Gonçalo Mineiro analisa os bolseiros portugueses que, após a segunda guerra mundial, se dirigiram para os Estados Unidos sob o patrocínio do Instituto de Alta Cultura, enquanto Daniel Malet apresenta um balanço histórico e propõe uma interpretação sobre o Programa Erasmus, agora que se completam 30 anos de funcionamento deste popular programa de mobilidade universitária no espaço europeu.

3No Espelho de Clio – secção dedicada a estudos e ensaios de natureza historiográfica – publicamos um artigo de José d’Assunção Barros sobre o anacronismo, sem dúvida um dos tópicos (e desafios) mais importantes do ofício de historiador. Num registo diferente, Alberto Schneider oferece uma análise dos trabalhos mais significativos de Charles Boxer, produzidos nas décadas de 1950 e 1960, época em que o historiador inglês reorientou os seus interesses de investigação para o Brasil e o Atlântico sul.

4A estes conjuntos com afinidade temática acrescem ainda dois artigos avulsos, um sobre o pensamento e a acção de um dos diplomatas portugueses mais influentes da segunda metade do século XX – Calvet de Magalhães – e outro sobre o tipo, os materiais e a data de construção dos socalcos da ilha da Madeira, assinado por dois geógrafos alemães, que reflecte o interesse da Ler História pela colaboração interdisciplinar e a abertura da revista a áreas emergentes, como a história ambiental e a história da paisagem. Finalmente, completam este número quatro recensões de obras variadas, cujas temáticas vão desde a Inquisição italiana até à Primeira República portuguesa.

5Vale assinalar que o presente número é uma boa amostra da actual política de língua da Ler História, já que inclui trabalhos publicados em português, inglês e espanhol, faltando apenas o francês para completar o quadro das línguas aceites para publicação na revista. Este pluralismo linguístico visa prioritariamente alargar o número dos nossos leitores e reforçar a internacionalização da revista do lado da procura. Mas promove, igualmente, a internacionalização da oferta, isto é, a possibilidade de publicação por parte de autores de múltiplas origens nacionais, na linha, aliás, da tradição e da identidade editorial da Ler História. Isso mesmo fica patente neste número, em que, dos nove autores que assinam os artigos, apenas dois são portugueses, sendo os restantes de nacionalidade alemã, brasileira, canadiana e espanhola.

6No plano formal, ou de estilo, o número 71 introduz a novidade de incluir o resumo e as palavras-chave do artigo à cabeça do mesmo, na respectiva língua de publicação, e, no final, a sua tradução nas restantes línguas. Diferentemente do que até aqui fazíamos – juntar uma colecção de todos os resumos e palavras-chave num apartado final de cada número – esta pequena mudança, em linha com as melhores práticas internacionais, beneficia o leitor e vem reforçar a individualidade de cada artigo no contexto actual das plataformas de depósito e circulação de publicações académicas.

7Uma última palavra para referir que a Ler História passou a contar, desde o início deste mês de dezembro de 2017, com a colaboração de mais uma dúzia de académicos de reconhecido prestígio, que aceitaram integrar o conselho consultivo internacional da revista e que aqui se saúdam publicamente.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História, 71 | 2017, 5-6.

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História [Online], 71 | 2017, posto online no dia 02 janeiro 2018, consultado no dia 20 agosto 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2835

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

Director

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals