Navegação – Mapa do site
Estudos

Evolução funcional do centro de Viseu (1950 - 2001)

Evolution fonctionnelle du centre de Viseu (1950-2001)
Functional evolution of the centre of Viseu (1950-2001)
Paula Raquel Nascimento Ferreira
p. 165-190

Resumos

Localizada na encruzilhada de dois importantes eixos rodoviários – a A24 e a A25 –, a cidade de Viseu assume actualmente uma posição central em relação às regiões envolventes. Tornou-se mais acessível e atractiva no que respeita a novos investimentos, registando um forte dinamismo comercial e imobiliário, com as consequentes alterações, tanto a nível populacional como morfo-funcional. O artigo foca estas grandes alterações tanto na distribuição como na organização funcional de toda área urbana, onde está englobado englobado o centro da cidade, transformações que se intensificaram nas últimas décadas. Assiste-se à transformação do centro de Viseu num espaço comercial e de serviços mais denso, consolidando as suas características de centro.

Topo da página

Texto integral

1Localizada num ponto de encruzilhada de dois importantes eixos rodoviários – a A24 e a A25, a cidade de Viseu assume, actualmente, uma posição central em relação às regiões envolventes, tornando-se mais acessível e atractiva no que diz respeito a novos investimentos, registando nos últimos anos um forte dinamismo comercial e imobiliário, com as consequentes alterações na cidade, tanto a nível populacional como morfo-funcional.

2Presenciam-se grandes alterações tanto na distribuição como na organização funcional de toda área urbana, onde está englobado o centro da cidade, intensificando-se estas transformações, fundamentalmente, nas últimas décadas.

3Desta forma verifica-se que, ao longo da última metade do século XX se assiste à terciarização do espaço urbano viseense, fenómeno este que se apresenta de uma forma intensa no centro da cidade, já bem demarcado, em 1950.

  • 1 A localização das actividades funcionais nos três momentos de estudo – 1950, 1970 e 2001, foi funda (...)

4Nunca esquecendo que se está perante uma realidade em constante transformação, pretendeu-se delimitar a área central na cidade de Viseu, na última metade do século XX, evidenciando-se os traços fundamentais da estrutura funcional desse centro numa perspectiva evolutiva1, através da identificação de funções que melhor servem para a delimitação dessa área central. Assim, optou-se pela procura da maior ou menor concentração de alguns tipos de comércio e serviços, aos quais se pode atribuir a objectividade necessária, para serem considerados como indicadores válidos na delimitação dessa área.

  • 2 Segundo Ribeiro (referido por Barata Salgueiro, 1992) uma das características da morfologia urbana (...)

5Em meados do século XX o centro da cidade de Viseu estava claramente definido e a sua importância bem demarcada, correspondendo ao « Centro Cívico », onde se concentrava toda a actividade administrativa e comercial da cidade. Este, situava-se na parte alta da cidade, englobando a Praça da República – Rossio2 (localizando-se aí o edifício dos Paços do Concelho além de todos os serviços administrativos e judiciais – como o Banco de Portugal e o futuro tribunal, que estava já em construção, bem como os bombeiros municipais).

  • 3 Como já referido, também em Viseu o Rossio desempenha uma função social. Já no final do século XIX (...)
  • 4 Que como refere Aguiar (1952 : 89) « pela sua posição central, concentração de estabelecimentos com (...)

6É o local mais concorrido pela população, que o procura como espaço de convívio, ponto de reunião3. A este espaço juntava-se o conjunto das ruas Formosa, da Paz, da Vitória, Combatentes da Grande Guerra, dos Andrades e Largo General Carmona4 (onde se localizavam « estabelecimentos de todas as categorias : « livrarias, lojas de fazendas, mercearias, ourivesarias, cafés, restaurantes, hotéis, pensões consultórios médicos, escritórios e instalações oficiais, repartições públicas, CTT, agências de bancos » (Aguiar, 1952 : 89)) ; estendendo-se pelo primeiro troço da actual Avenida Alberto Sampaio (localizando-se aí o Notário, o Governo Civil, a Direcção Geral de Finanças, a Intendência da Pecuária, a Direcção Escolar do Distrito de Viseu, a Direcção do Magistério Primário, o Instituto Nacional do Trabalho e Previdência e a Federação dos Vinicultores do Dão).

7Verifica-se uma tendência para o comércio se instalar nas artérias intraurbanas da cidade, principalmente o comércio a retalho que predomina na área central, com várias lojas de moda. Também os cafés (Biju, Santa Cruz, Rossio, Montanha, Pastelaria Horta, Lisboa e Santos), os restaurantes, hotéis, pensões, garagens, os bancos (Banco Nacional Ultramarino, Banco Agrícola e Industrial Viseense, Banco Pinto e Souto Maior e Banco de Portugal), os serviços oficiais (CTT, Câmara Municipal, Caixa Geral de Depósitos, Tribunal) e o mercado municipal povoam esta área.

8Nesta época a Rua Formosa já se destacava como sendo a mais importante artéria da cidade, a nível comercial, dado o elevado número de lojas, cafés, restaurantes e bancos que aí se localizam (com excepção do Banco de Portugal, todos os outros localizavam-se nesta artéria).

Figura 1 – Áreas centrais de Viseu, em 1950.

Figura 1 – Áreas centrais de Viseu, em 1950.

Fonte : Aguiar, 1952.

  • 5 Até aqui a ligação entre as zonas baixas e o Centro Cívico fazia-se pela Rua Direita (intensamente (...)

9Além deste centro, existia um outro, essencialmente comercial, na parte baixa da cidade e que englobava a Avenida Emídio Navarro, Largo Mouzinho de Albuquerque, Rua do Arco e Rua Direita5 (rua esta que ligava os dois « núcleos comerciais » e que tem vindo a perder, até aos dias de hoje, importância, relativamente à evolução funcional do comércio e dos serviços na área central) (cf. figura 1).

10Este último centro era muito concorrido, principalmente nos dias da feira semanal, que ainda se realiza às terças-feiras. Aqui, localizam-se lojas comerciais de aspecto modesto (lojas de ferragens, de mobiliário e de louças) e algumas casas de pasto. Situava-se também aqui o Cinema Avenida e o existente Teatro Viriato.

11No entanto, o centro da cidade de Viseu sofreu grandes alterações ao longo dos últimos cinquenta anos, registando-se a decadência ou expansão de algumas das suas partes, bem como o fim ou adaptação de outras a novas funções.

12Deste modo e nunca esquecendo que se está perante uma realidade em constante transformação, pretendeu-se delimitar a actual área central na cidade de Viseu, verificando-se o registo da maior ou menor concentração de alguns tipos de comércio e serviços, aos quais se pode atribuir a objectividade necessária, para serem considerados como indicadores válidos na delimitação dessa área.

13Também, tendo em conta determinados tipos de afectação, no sentido de encontrar os limites do centro da cidade, cartografaram-se várias funções que aí se localizam, em três momentos (1950, 1970 e 2001), estabelecendo-se correlações temporais e espaciais dessas mesmas funções, de forma a caracterizar o seu conteúdo funcional e a sua evolução nos últimos cinquenta anos.

14Tendo em conta Berry (1972) e Beujeau-Garnier (1983), entre outros, a escolha inicial recaiu sobre o mobiliário, os electrodomésticos e as agências imobiliárias, na medida em que são actividades características da « periferia » da área central, sendo ainda aquelas que, dentro do grupo das actividades comerciais classificadas de « equipamento de casa », exigem grandes superfícies prescindindo, geralmente, dos locais com maior centralidade, onde o preço do solo é mais elevado, acomodando-se em áreas de menor concorrência, que não comportem rendas muito elevadas.

15Perante a localização das três actividades cartografadas, salienta-se um conjunto de ruas e praças, onde estas quase não existem ou estão mesmo ausentes. São elas a Rua Conselheiro Afonso de Melo, Praça da República, Rua Formosa, Rua da Paz, Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo, Rua do Comércio, Rua Gaspar Barreiros, Largo General Carmona, e os primeiros troços da Rua Alexandre Herculano e da Avenida António José de Almeida (cf. figura 2).

Figura 2 – Distribuição das lojas de mobiliário, electrodomésticos e agências de viagem, em 2001.

Figura 2 – Distribuição das lojas de mobiliário, electrodomésticos e agências de viagem, em 2001.

Fonte – Nascimento Ferreira (2004).

16Foi analisada outra actividade, no âmbito das já referidas, de forma a sustentar as conclusões a que se chegaram – os stands de automóveis. Estes evidenciaram, numa primeira fase, uma tendência para se instalarem nos grandes eixos de saída da cidade e posteriormente, a deslocarem-se para a periferia da cidade, resistindo muito poucos aos elevados preços e ao parco espaço que se começa a encontrar nas ruas do centro. No entanto, esta deslocação foi gradual e faseada, registando-se grandes alterações ao longo dos três momentos de análise.

17Se em 1950 localizavam-se nas artérias centrais (principalmente Rua da Vitória, Rua da Paz e actual Largo General Humberto Delgado) ; em 1970, ao mesmo tempo que se mantém a maior parte dos stands existentes em data anterior, proliferam outros cuja localização demonstra uma preferência pelas vias de acesso ao centro da cidade (na Avenida Alberto Sampaio, na António José de Almeida e na Rua 5 de Outubro). Em 2001 a maior parte dos stands procura uma localização excêntrica, junto das principais saídas da cidade (cf. Figura 3).

18Se, há cinquenta e há trinta anos atrás as oficinas de automóveis se situavam no interior do perímetro urbano, hoje elas são raras, acompanhando o movimento de descentralização dos stands de automóveis.

Figura 3 – Distribuição dos stands e oficinas de automóveis, em 1950, 1970 e 2001.

Figura 3 – Distribuição dos stands e oficinas de automóveis, em 1950, 1970 e 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

19Esta é outra indicação que reforça a procura da delimitação do centro da cidade, considerando-se que as ruas acima referidas não têm, actualmente, algumas das actividades consideradas periféricas desse centro.

20Mas, na última metade do século XX, se algumas das actividades de carácter económico registaram uma tendência para a desconcentração, outras tiveram um incremento no seio da área central reforçando o seu protagonismo – as actividades consideradas típicas da área central.

  • 6 Várias eram as modistas e alfaiates que pelas revistas da moda vestiam a sociedade viseense. Também (...)

21Exemplo disso é o comércio de equipamento pessoal que se foi estabelecendo nas ruas mais concorridas do centro da cidade onde as montras de reduzida dimensão foram sendo substituídas por amplos vidros, polidos e de sofisticada decoração. Como exemplo deste tipo de comércio, analisou-se a evolução dos estabelecimentos que comercializam tecido a metro e lãs, verificando-se que, ao longo das primeiras décadas da segunda metade do século XX, suplantaram em importância o pronto-a-vestir6, no entanto, nos últimos trinta anos a redução foi acentuada, o que se justifica pelo forte incremento do pronto-a-vestir nos hábitos de consumo da sociedade em geral, permitindo rapidez de utilização e um cada vez mais baixo custo unitário.

22Em termos funcionais, o pronto-a-vestir foi o ramo que conquistou mais espaço, o que se traduz também por um aumento do nível de vida da população, tanto da residente na cidade como a das áreas envolventes. Concentra-se ao longo da Rua Formosa, que desde há muito tem assumido um papel preponderante na actividade comercial da cidade, e da Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo que, nos últimos anos, tem também ocupado um lugar de destaque, onde os seus espaços comerciais assumem uma dinâmica que concorre directamente com a Rua Formosa (cf. figura 4). No entanto, esta última destaca-se pela antiguidade de alguns estabelecimentos comerciais abertos ao público há mais de trinta anos.

23Na Rua Direita verifica-se também uma forte concentração do pronto-a-vestir. No entanto, se em número de estabelecimentos concorre com as artérias acima referidas, o cliente que os frequenta é bem diferente, onde os produtos são de qualidade e preço inferiores aos das ruas do centro mas, próximo da Rua Formosa, apresenta-se já algum pronto-a-vestir de luxo. Ainda hoje, como em 1968, segundo Ribeiro, persistem os mostruários à porta de alguns estabelecimentos comerciais, encostados às paredes da rua, que se colocam e retiram todos os dias.

24É de salientar que, apesar desta concentração relativamente ao pronto-a-vestir, surgem nos últimos anos, novos pontos de instalação e que se localizam na Avenida António José de Almeida (justificados pelo facto de ai se localizar a Central de Camionagem e todos os pontos de paragem dos transportes colectivos públicos e privados), na Rua Capitão Silva Pereira e no troço inicial da Avenida 25 de Abril (artérias em contacto directo com o centro da cidade). É uma actividade comercial que surge cada vez mais, associada ao Franchising de marcas nacionais e internacionais que já alguns anos se vêm estabelecendo em território nacional, do qual Viseu não é excepção. São várias as marcas de pronto-a-vestir que ocupam os espaços « concedidos » pelos estabelecimentos comerciais (alguns deles de grande prestigio na cidade) que se viram forçados a fechar as portas face à forte concorrência e aos avultados investimentos necessários para a modernização e revitalização das suas actividades comerciais.

25Outro caso de nítida concentração refere-se à localização das sapatarias, que desde 1950 se têm deslocado, ao longo da Rua Direita (artéria preferencial na localização deste tipo de comércio), em direcção ao centro da cidade, fundamentalmente restringindo-se à Rua Formosa e à Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo, sendo raros os estabelecimentos que se localizam fora do centro (um na Avenida António José de Almeida, um na Avenida Alberto Sampaio, um na Rua Miguel Bombarda e três na Rua Alexandre Herculano, no Centro Comercial Ícaro). Mas, também aqui os estabelecimentos situados na Rua Formosa e na Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo são bem diferentes dos situados na Rua Direita, cujo aspecto popular, a abundância dos produtos baratos e de qualidade inferior caracterizam a maioria das lojas (cf. figura 4)

26Comportamento idêntico se verifica com as relojoarias e ourivesarias que, em 1950, se localizam, preferencialmente, na Rua Direita (essencialmente junto à parte alta da cidade), Rua Formosa e Rua do Comércio, estendendo-se posteriormente, em direcção ao Largo Mouzinho de Albuquerque (que faz parte do Centro Comercial, de menor importância e que se localiza na parte baixa da cidade) e em direcção ao centro da cidade, localizado na parte alta (cf. figura 5), instalando-se no Largo General Humberto Delgado, Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo e Rua Alves Martins (no Centro Comercial Liberal).

27Antes de mais, é um tipo de actividade comercial que pode ser considerada como exclusiva do centro, o que se confirma pela sua localização quase exclusiva nas artérias centrais da cidade – poucas são hoje, as relojoarias e ourivesarias que se localizam fora do centro, localizando-se uma no primeiro troço da Avenida Alberto Sampaio, uma no Centro Comercial Ícaro, situado na Rua Alexandre Lobo e uma na Rua 21 de Agosto.

28Também a localização de alguns estabelecimentos no já referido centro comercial, de menor importância (localizado na parte baixa da cidade), incute-lhe ainda alguma importância, apesar de bem ténue relativamente a que tinha algumas décadas atrás.

Figura 4 – Distribuição do pronto-a-vestir, tecido a metro, lãs e sapatarias, em 1950, 1970 e 2001.

Figura 4 – Distribuição do pronto-a-vestir, tecido a metro, lãs e sapatarias, em 1950, 1970 e 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

Figura 5 – Distribuição das relojoarias e ourivesarias, em 1950, 1970 e 2001.

Figura 5 – Distribuição das relojoarias e ourivesarias, em 1950, 1970 e 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

29À semelhança das relojoarias e ourivesarias, os bancos procuram localizar-se na área mais prestigiada da cidade, evidenciando, nos últimos cinquenta anos, uma tendência concentracionária – a Rua Formosa e na Praça da República são as artérias eleitas – das quatro agências bancárias que aí se localizavam em 1950, passa-se para oito, em 2001, sem contar com as que se situam na envolvência dessas artérias : três, no primeiro troço da Avenida António José de Almeida ; duas, no primeiro troço da Avenida Alberto Sampaio e uma na Avenida Calouste Gulbenkian, no primeiro troço da Rua Alexandre Herculano, na Rua Gaspar Barreiros, na Rua do Comércio e na Rua Direita (cf. figura 6).

Figura 6 – Distribuição dos bancos, em 1950, 1971 e 2001.

Figura 6 – Distribuição dos bancos, em 1950, 1971 e 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

30Como refere Barata Salgueiro (1982), as agências bancárias são um bom exemplo da importância simbólica da construção e do sítio, procurando lugares centrais ou acessíveis, mas de prestígio, e escolhendo arquitectos de renome, nacional ou internacional, na elaboração dos projectos, marcantes ou exóticos, para as novas sedes, ou recuperando edifícios arquitectonicamente distintos dos envolventes, com o cuidado de preservar as suas fachadas.

31Quanto aos serviços privados, cartografaram-se em conjunto, os escritórios de advogados e os consultórios médicos, profissões liberais, que têm apetência pelos lugares mais centrais e com maior acessibilidade, indo de encontro à potencial clientela que aí se concentra à procura de outra actividades.

32Tanto os advogados como os médicos escolhem preferencialmente, para instalar os seus escritórios e consultórios, o conjunto de ruas já referido, reforçando-

33-se a posição central destas artérias. No entanto, estendem-se por toda Avenida António José de Almeida e pelo primeiro troço da Avenida Alberto Sampaio e da Rua Cândido dos Reis (cf. figura 7).

Figura 7 – Distribuição dos médicos e advogados, em 2001.

Figura 7 – Distribuição dos médicos e advogados, em 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

34Se por um lado a concentração de advogados se relaciona com a instalação do tribunal e outros serviços do Ministério Público junto da Câmara Municipal, na Praça da República (Rossio) – importante centro administrativo que já em 1950 se denominava de Área Administrativa e Financeira e que coincidia com o Centro Cívico ; a dos médicos que é, simultaneamente, uma actividade bem característica da área central e, ao mesmo tempo, com forte capacidade de descentralização, na medida em que se trata de um serviço que exige a deslocação do utente, muitas vezes impossibilitado de guiar ou não possuindo transporte próprio, procurando assim, localizar-se nas artérias de acesso, da periferia suburbana e rural à área central, com boa fluidez de tráfego e facilidade de estacionamento, ou melhor servidas de transportes (cf. figura 8).

35O desaparecimento da maior parte dos escritórios de advogados que, entre 1950 e 1970, se situavam junto da Praça D. Duarte ou nas proximidades, está associado ao deslocamento destes, em direcção às artérias do centro – recaindo as preferências sobre o troço da Rua do Comércio, próximo da Rua Formosa, a própria Rua Formosa, a Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo, Rua Alves Martins e a Praça da República. Além destas também o primeiro troço da Avenida António José de Almeida, da Avenida Alberto Sampaio e da Rua Miguel Bombarda são locais privilegiados para os advogados aí instalarem os seus escritórios.

Figura 8 – Distribuição dos advogados, em 1950,1970 e 2001.

Figura 8 – Distribuição dos advogados, em 1950,1970 e 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

36Esta alteração relaciona-se, fundamentalmente, com a instalação do novo tribunal (que estava em construção em 1950) e outros serviços do Ministério Público junto da Câmara Municipal, configurando-se aqui, uma área especializada na aplicação da justiça onde os advogados, os notários e os solicitadores preenchem muitos dos andares superiores, antes destinados à habitação – « à medida que a cidade cresce, a densificação das actividades na área central é acompanhada por uma difusão mais ampla, mais ou menos insidiosa, e quantas vezes, mesmo, pela transformação de habitações em escritórios » (Beaujeu-Garnier, 1980 : 346). Os escritórios como as empresas, com um elevado número de funcionários, tendem a privilegiar a acessibilidade dada pelos transportes colectivos que utilizam como meio de deslocação, tendendo a permanecer no centro. No entanto e futuramente, poder-se-á vislumbrar um novo movimento deste tipo de serviço para a Avenida da Europa (prolongamento da Avenida António José de Almeida), já que se está a construir aí o novo tribunal (foco de atracção para este tipo de actividade).

  • 7 Actividades estas que têm menos necessidade de espaço e mais altos rendimentos financeiros em relaç (...)

37Na tentativa de certificar a delimitação do centro que se vem vislumbrado, cartografaram-se outras actividades características da área central7 – o pronto-a-vestir e as sapatarias.

  • 8 A Rua Direita assumiu desde há muito um papel importante na vida dos viseenses. Se por um lado serv (...)

38São raros os estabelecimentos que se situam fora do conjunto de ruas já identificado, concentrando-se na Rua Formosa, Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo e no primeiro troço da Rua do Comércio. Aqui, com frequência, surgem estabelecimentos comerciais que já se encontravam no ramo em 1970 (cf. figura 9). No entanto, surge uma nova artéria neste conjunto, que se destaca pela forte concentração de sapatarias e lojas de pronto-a-vestir ao longo de todo o seu percurso – a Rua Direita, acentuando-se esta concentração em ambas as extremidades8.

39No sentido de reforçar a delimitação desta área central outros indicadores foram analisados. Assim, e em sentido inverso, assiste-se, no decorrer do período em estudo, ao desaparecimento do comércio alimentar diário no conjunto das ruas que constituem o centro e que se justifica pela quase inexistência de residências nesta área, que foram sendo ocupadas por serviços especiais (como, advogados, médicos, consultores, agências imobiliárias) que desde sempre procuraram o centro para se estabelecerem.

  • 9 Também designado de cidade antiga, já em 1950, ou de núcleo genético da cidade (Ribeiro : 1968, 51) (...)

40Mas se, actualmente, no designado Núcleo Antigo da cidade9 (área envolvente da Sé), a população residente se encontra em reduzido número, está envelhecida e é de fracos recursos económicos, é nesta mesma área que, cinquenta anos antes, vivia a maior parte dos viseenses. Assim, compreende-se a localização do Mercado 1 de Maio, situado em plena Rua Formosa, que servia, por um lado, a parte mais antiga da cidade e de maior densidade populacional, e por outro, promovia e desenvolvia o comércio existente em seu redor.

Figura 9 – Distribuição do pronto-a-vestir e sapatarias, em 2001.

Figura 9 – Distribuição do pronto-a-vestir e sapatarias, em 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

41Esta influência estende-se por várias décadas, referindo-se, em 1971, que

« é ainda no centro da cidade (nas imediações do actual mercado) que se encontra a maior densidade e variedade de estabelecimentos comerciais aproveitando, aliás, o facto de aí se processar todo um conjunto de actividades directamente relacionadas quer com o concelho, quer com o distrito ; aliás, o actual mercado encontra-se inserido nesta linha uma vez que é um dos principais pólos de atracção de pessoas ao centro da cidade (EGF, 1983, 25). »

  • 10 Na designação de mercearias englobam-se os minimercados.

42Neste período, é na Rua do Comércio, Praça D. Duarte, Rua Formosa, Rua dos Andrades e Rua Direita que se concentra a maior parte das mercearias10 e padarias, (áreas envolventes do mercado 1 de Maio).

43Esta última artéria faz parte do núcleo intra-muralhas, permanecendo ao longo dos anos como um importante eixo comercial, que atravessa, de lado a lado, o burgo medieval e que assumiu desde sempre, um papel de destaque na organização funcional da cidade, sendo fundamental para as populações das áreas rurais, que aí se deslocavam.

44No entanto, nos últimos vinte anos registou-se um deslocamento deste tipo de actividade comercial para fora do centro. A mercearia é substituída pelo café, pastelaria, restaurante ou snack-bar, actividades voltadas para a população empregada na zona ou que a ela se dirige.

45Sendo tipos de comércio em que a exiguidade de espaço não é obstáculo à sua localização no centro, é a clientela que servem que exige proximidade às áreas residenciais, como é o caso do Bairro de Massorim, que persiste próximo da área central da cidade, embora aproveitando ruas de menor concorrência comercial – na esquina entre a Rua Miguel Bombarda e a Rua Paulo Emílio situam-se duas mercearias e um talho ; também na Avenida Alberto Sampaio duas mercearias, um talho, uma peixaria e uma padaria servem, essencialmente, a população que reside nesse mesmo bairro (cf. figura 10).

46No entanto, o mercado municipal é transferido para a Rua 21 de Agosto, resultado por um lado de uma vontade antiga de o transferir para essa mesma rua – já em 1952, Aguiar propunha um novo o mercado central para uma praceta projectada na Rua 21 de Agosto, vontade essa que volta a ser expressa em 1975 (Hidrotécnica Portuguesa), quando sugere a transferência do mercado para outro local devido à afluência de população das localidades vizinhas.

Figura 10 – Distribuição das padarias, mercearias, talhos e peixarias, em 2001.

Figura 10 – Distribuição das padarias, mercearias, talhos e peixarias, em 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

47Além do comércio estabelecido, é de realçar o papel da feira semanal, que se realiza no Campo de Viriato, onde é transaccionada uma enorme gama de produtos que vão desde o vestuário até às alfaias agrícolas e aos produtos alimentares. É essencialmente do meio rural que vêm as pessoas e a procuram. Esta feira já se realizava, nos anos cinquenta, às terças-feiras. Mas, como já foi referido anteriormente, dividia-se em sectores que se localizavam em sítios diferentes de acordo com os produtos a vender – na actual Praça D. Duarte vendiam-se panos tamancos, calçado e chapéus de palha ; no Largo Pintor Gata das alfaias agrícolas ; no Campo da feira o gado bovino ; no Largo do Arrabalde o gado porcino ; no Largo de Santa Cristina realizava-se a feira da palha para animais e enxergões e árvores de fruto ; e junto à feira do gado vendia-se panos, fatos, camisas e ourivesaria.

  • 11 Artérias de acesso da periferia suburbana e rural ao centro, ou seja, de entrada na cidade e de ace (...)

48Analisando agora o grupo de actividades classificado de HORECA – cafés, restaurantes e similares ; hotéis e similares (que se destinam a servir o grande número de população empregada na zona, o pequeno número de residentes e também alguns dos que se deslocam ao centro da cidade), verifica-se que, se em 1950 a localização deste tipo de actividade era exclusiva da Rua Formosa, Rua D. Duarte e primeiro troço da Rua Direita (situando-se ainda, na Avenida Emídio Navarro, uma pensão, uma casa de pasto e de um café). Em 2001, além da concentração nas artérias do centro da cidade, verifica-se, essencialmente, um alastramento destas actividades pelas vias de acesso ao centro – Avenida Alberto Sampaio (para oeste), António José de Almeida (para noroeste), denominadas por Berry (1963) de Faixas Comerciais (Ribbons)11, além da Rua Miguel Bombarda e da Avenida Emídio Navarro (cf. figura 11). Esta situação justifica-se também, no caso da Avenida António José de Almeida, pelo facto de no final desta se ter localizado a estação de caminhos-de-ferro (hoje desaparecida), e de aí se situar a Central de Camionagem (construída na década de setenta). Estes argumentos reforçam a sua importância como via de acesso ao centro da cidade, atraindo actividades que se dirigem ao elevado número de população flutuante que diariamente aqui passa.

Figura 11 – Distribuição dos HORECA, em 1950, 1970 e 2001.

Figura 11 – Distribuição dos HORECA, em 1950, 1970 e 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

  • 12 Segundo Ribeiro (1968), a ida à cidade ao sábado estava relacionado com o fim-de-semana e a maior a (...)

49A Avenida Emídio Navarro mantém algum protagonismo. Aqui os transportes colectivos particulares têm um ponto de paragem, afluindo um grande número de população que pretende « enfeirar » à terça-feira ou realizar alguns dos seus afazeres na cidade, ao sábado12. Também o facto de aí situar a Escola Secundária Emídio Navarro (antiga Escola Comercial) intensifica o tráfego de peões e autocarros, no início da manhã e ao final da tarde.

50Relativamente aos cafés, cervejarias e confeitarias, verifica-se que estes se concentram nas artérias onde os restaurantes e os snack-bares são raros, ou seja, nas ruas mais centrais. Isto deve-se ao facto de, por um lado, este tipo de actividade ser compatível com superfícies de reduzidas dimensões, podendo suportar os elevados custos da maior centralidade, e por outro devido a ser com frequência complemento da utilização dos estabelecimentos comerciais e dos serviços que lhe estão próximos.

51Mas não se pode ficar indiferente à proliferação, especialmente, de restaurantes no Núcleo Antigo. Este facto não se deve à existência de população residente, que se vê cada vez mais reduzida em número, mas porque se tem registado um importante impulso para a instalação de novas actividades que promovam um dinamismo turístico na área – artesanato, antiquários e restauração – restaurantes e bares.

52Entidades camarárias têm dedicado cada vez mais atenção à revitalização dos Centros Históricos das cidades, e as de Viseu não são excepção. Promove-se a abertura de bares e restaurantes que vão ocupar os espaços vazios, animar as ruas desertas, permitindo associar esta área ao lazer e turismo, fazendo dela o ponto de encontro da noite viseense.

53Da descrição apresentada por Aguiar (1952), onde se refere que os arruamentos em torno da Sé se mantinham inalteráveis ao longo dos anos, sendo estreitos (cuja largura varia de 3,5 a 8,0 m com predomínio da primeira), e pavimentados com calçada antiga portuguesa, ladeados de edifícios, habitados, de um a quatro pisos, predominando os três pisos, pouco se alterou, do ponto de vista formal. Persistem as mesmas ruas estreitas e sombrias, com edifícios ainda mais antigos e degradados, desprovidos das melhores condições de conforto. Assim, poucos são aqueles que pretendem instalar-se nestas artérias, principalmente com actividades ligadas ao comércio retalhista.

54Como já foi referido a população residente tem vindo a diminuir nesta área, persistindo a população idosa e/ou a de fracos recursos económicos, razão pela qual resistem ainda algumas casas de pasto.

  • 13 Este é ainda um dos poucos edifícios da Rua Formosa, que ainda hoje serve de habitação nos andares (...)

55Alguns dos hotéis e pensões mantiveram-se no mesmo local ao longo dos últimos cinquenta anos, como é o caso da Pensão Avenida (na Avenida Alberto Sampaio) ; outras, no entanto, desapareceram, dando lugar a novas construções de vários andares, ocupadas por serviços e comércio como é o caso da Pensão Ideal13 e da Pensão Rambóia, situadas na Rua Formosa. O mesmo aconteceu às duas que se localizavam no primeiro troço da Rua Direita e na Rua do Comércio, construindo-se, nesta última, na década de oitenta, o Centro Comercial « Galerias Ecovil » com vinte e seis lojas.

56Importa ainda referir que Viseu segue a tendência de outras cidades portuguesas no que concerne à proliferação dos chamados centros comerciais, definidos por Barata Salgueiro (1989) como edifícios destinados apenas a comércio e serviços ou partilhando-os com habitação e escritórios, situando-se geralmente, no « coração da urbanização ».

57Se o comércio desempenha uma importante função social, promovendo o lazer e o convívio entre as pessoas, os centros comerciais, considerados como prolongamento das ruas com a mesma função, pretendem desempenhar o mesmo papel, onde famílias inteiras se passeiam, aos fins-de-semana, em ambiente climatizado e longe das intempéries do clima. Assim, o centro comercial torna-se elemento integrante da organização espacial e da cultura urbana.

58Destes centros dois localizam-se no centro da cidade – o já mencionado Galerias Ecovil – GE (na Rua do comércio) e o Centro Comercial Liberal – CCL (na Rua Alves Martins). Os outros situam-se nas ruas periféricas do centro (cf. figura 12). A maior parte destes centros comerciais surgem na década de noventa, surgindo unicamente, na década de oitenta, os dois acima referidos.

59Apesar do centro ser de reduzida dimensão, verifica-se que nem todas as ruas têm a mesma importância, não só pelas actividades comerciais e serviços aqui instalados, mas também pela população que as frequenta.

60Mediante a análise das várias actividades que foram sendo cartografadas é patente que a Rua Formosa e a Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo são as artérias que se destacam no conjunto das já identificadas como pertencentes ao centro da cidade de Viseu. A primeira há muito considerada como a rua comercial por excelência, e a segunda, ganhando este estatuto mais recentemente, mas que tem assumido nos últimos anos lugar cimeiro quando se fala da concentração de estabelecimentos de equipamento pessoal (ep), especialmente sapatarias e pronto-a-vestir (representativos de marcas franshisadas, bem conhecidas que usualmente escolhem ruas centrais). As montras são sofisticadas e bem iluminadas, apresentando artigos de elevado custo unitário, reflectindo o estrato social e económico de quem as frequenta.

Figura 12 – Distribuição dos centros comerciais, em 2001.

Figura 12 – Distribuição dos centros comerciais, em 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

61A Praça da República também se destaca, por aí se localizarem um grande número de serviços de natureza social e administrativa (snsa) – fundamentalmente os ligados à Administração Pública e de serviços de natureza económica (sne) como os bancos, os escritórios de advogados e os consultórios médicos. Assim, continua a ser o conjunto das ruas que anteriormente se definiu como área que concentra a maior parte das profissões liberais o que confirma a sua acessibilidade e centralidade.

62Esta distinção é também sustentada pelo facto de aqui se encontrarem as paragens dos transportes urbanos com uma elevada afluência de passageiros.

63Ainda pertencentes à área central, temos as outras artérias já identificadas, que vão beneficiando da proximidade a estas últimas é à boa acessibilidade a nível de transportes urbanos, já que o tráfego automobilístico é cada vez mais intenso, verificando-se dificuldade em encontrar estacionamento.

64Também o melhoramento ou reconstrução de velhos edifícios é uma constante ao longo deste conjunto de artérias, sobressaindo edifícios de alguns andares, de construção recente, onde as lojas comerciais ocupam os andares térreos e as profissões liberais, os andares superiores. Em muitos casos os bancos assumem a ocupação da totalidade do edifício, verificando-se principalmente esta situação na Rua Formosa e na Praça da República.

65A ausência de espaços desocupados, considerada como reflexo da forte atracção exercida por estas artérias na localização do comércio e dos serviços, reforça a escolha do conjunto de ruas acima referido, como área central da cidade, começando sim a surgir, a partir do primeiro troço da Avenida Alberto Sampaio, Rua Miguel Bombarda, Rua Alexandre Herculano e Rua 5 de Outubro, que fazem parte da periferia do centro.

66Considerando-se ainda, segundo Barata Salgueiro (1992), que a área central de um cidade de caracteriza, por uma forte intensidade de movimento, quer de veículos, quer de peões, pois a ela convergem as principais vias de trânsito e os meios de transportes colectivos, procurou-se identificar as ruas da cidade com maior circulação de peões e veículos.

  • 14 Pretendeu-se com este estudo delinear as áreas da cidade com maior congestionamento de veículos e p (...)

67Concluiu-se então, com base no estudo efectuado por Figueiredo (1995)14, as ruas com maior circulação de peões são a Rua Direita (com o trânsito condicionado), a Praça da República, a Rua Formosa (rua de circulação exclusivamente pedonal), o Largo General Humberto Delgado e a Rua do Comércio ; quanto aos transportes colectivos, as ruas de maior circulação são : a Praça da República (onde se regista uma forte concentração de transportes colectivos da cidade, além de uma praça de táxis), Avenida Emídio Navarro (onde se situa uma praça de táxis e uma paragem de « camionetas de carreira ») e a Avenida António José de Almeida (onde se localiza a Central de Camionagem e correspondente paragem de transportes colectivos da cidade e de todas as « camionetas de carreira », e uma praça de Táxis). Relativamente aos veículos particulares, os valores mais elevados encontram-se num conjunto de ruas que envolvem a área que se vem definindo como central, que são preferencialmente escolhidas como acesso das áreas envolventes com a cidade, e que englobam a Avenida António José de Almeida, a Rua Capitão Silva Pereira, a Avenida Emídio Navarro e a Avenida Capitão Homem Ribeiro e ainda, a Praça da República (excepção deste conjunto de artérias já que é ponto de convergência dos principais transportes colectivos e artérias de acesso ao centro, onde se verifica um intenso movimento de veículos e peões).

68Considerando que a escolha das actividades comerciais e dos serviços utilizados como indicadores da delimitação da área central, foi a mais correcta, e que a apresentação de todos os outros argumentos serviu para a sustentação dessa delimitação, atreve-se o delineamento de uma área com características de centro, pensando-se que a tentativa de uma maior certeza resultaria em sucessivas repetições que mais não levariam do que à confirmação do conjunto de ruas que se foi esboçando – Rua Formosa, Rua da Paz, Rua Dr. Francisco Alexandre Lobo, Rua do Comércio, Rua Gaspar Barreiros, Largo General Carmona, a Praça da República, a Rua Conselheiro Afonso de Melo, e o primeiro troço da Rua Alexandre Herculano, da Avenida Alberto Sampaio e da Avenida António José de Almeida (cf. figura 13) Estas ruas têm como características a pouca ocorrência de lojas de mobiliário e electrodomésticos, e de agências imobiliárias ; a intensa ocupação dos andares térreos por actividades comerciais de equipamento pessoal como foi o caso do pronto-a-vestir e das sapatarias, e dos andares superiores por serviços de natureza económica, como os médicos e advogados ; a quase inexistência de espaços desocupados, verificando-se que muitos dos velhos edifícios se renovaram ou foram substituídos por prédios de vários andares ; além de se caracterizar por uma boa acessibilidade no que diz respeito aos transportes colectivos.

Figura 13 – Área central da cidade de Viseu, em 2001.

Figura 13 – Área central da cidade de Viseu, em 2001.

Fonte : Nascimento Ferreira (2004).

69No entanto, a área central não termina de uma forma brusca. Se as funções que o caracterizam estão bem identificadas, à medida que nos afastamos, elas vão perdendo significado esbatendo-se, geralmente, pelas artérias que dele saem directamente, dando lugar às áreas residenciais vizinhas. Assim, sempre que necessário, o estudo alargar-se-á a estas áreas para uma melhor compreensão da evolução funcional do centro de Viseu nos últimos cinquenta anos.

70Pode-se ainda concluir que ao longo destes últimos cinquenta anos a evolução funcional da área central foi, fundamentalmente, da seguinte forma :

  • registou-se uma diminuição do comércios alimentar (al), registando-se uma diminuição do números de estabelecimentos ;

  • registou-se um aumento dos estabelecimentos comerciais do tipo equipamento pessoal (ep), essencialmente pronto-a-vestir, e o quase desaparecimento dos estabelecimentos que comercializam tecido a metro ou lãs ;

  • intensificou-se a localização das profissões liberais, especialmente advogados e médicos ;

  • confirmou-se a tendência para a concentração dos serviços de natureza administrativa ;

  • verificou-se perda de importância, como centro comercial, do anteriormente mencionado e localizado na parte baixa da cidade.

71Deste modo, pode-se afirmar que, na última metade do século XX, e principalmente nos últimos trinta anos, o centro de Viseu transformou-se num espaço comercial e de serviços mais denso, consolidando e fortalecendo as suas características de centro.

Topo da página

Bibliografia

Aguiar, J. A. (1952), Ante-Plano Geral de Urbanização de Viseu, Viseu, sem edição.

Barata Salgueiro, Teresa (1989), « Novas Formas de Comércio », Finisterra, XXIV, 48, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos, pp. 151-217.

Barata Salgueiro, Teresa (1992), A cidade em Portugal, Porto, Edições Afrontamento.

Beaujeu-Garnier, Jacqueline (1983), Geografia Urbana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, (ed. Original 1980).

Berry, Brian J. L. (1972), Geografía de los Centros de Mercado y Distribucíon al por Menor, Barcelona, Editorial Vicens-Vives.

EGF (Empresa Geral de Fomento) (1983), Estudo da Função Comercial e de Abastecimento do Mercado Municipal, Viseu, CMV.

Figueiredo, Carlos A. Do V. (1995), Viseu. Um Espaço Urbano em Mutação, Coimbra, (policop.). Nascimento Ferreira, Paula Raquel Lima (2004), O centro de Viseu : sua evolução funcional 1950-

2001, Lisboa (policop.).

Oliveira, J. M. Pereira de (1983), « A Cidade do Porto como Centro Urbano ‘Histórico’« , Cadernos de Geografia, 2, Coimbra, FLUC, pp. 3-22.

Ribeiro, Orlando (1968), « A Rua Direita de Viseu », Geographica, 16, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, pp. 49-63.

Topo da página

Notas

1 A localização das actividades funcionais nos três momentos de estudo – 1950, 1970 e 2001, foi fundamental para a análise e compreensão da movimentação das mesmas nos últimos cinquenta anos.

2 Segundo Ribeiro (referido por Barata Salgueiro, 1992) uma das características da morfologia urbana portuguesa é a presença de várias praças, de reduzida dimensão, que foram aparecendo na Idade Média de uma forma mais ou menos espontânea, à medida que as cidades cresciam. Adquiriam especializações funcionais, principalmente de carácter comercial, realizando-se nestes largos, as diferentes feiras, especializadas na transacção de produtos determinados. Na ausência de espaço na cidade intramuros a feira realizar-se-ia num terreiro exterior, junto a uma das portas (no caso de Viseu junto à Porta de Soar), denominado de Rossio : « terreno municipal no sentido comunitário, não cultivado que, poderia servir de pascigo para os animais possuídos pelos habitantes da povoação ou que transportavam viajantes e mercadores. Aqui funcionavam feiras e desenrolavam-se actividades sociais como jogos e outras, que contribuíam para o progressivo sentido de logradouro que a palavra veio a tomar. Com o crescimento das urbes e o aumento das edificações, muitos destes terrenos excêntricos viram-se integrados na cidade, podendo mesmo adquirir uma posição relativamente central » (221).

3 Como já referido, também em Viseu o Rossio desempenha uma função social. Já no final do século XIX era um aglomerado de casas e lugar de feira (às terças-feiras realizava-se a feira de porcos, bois e outro gado), ponto de encontro da população que aí se deslocava para realizar os seus negócios ou para passeio. Com a construção do edifício dos Passos do Concelho e, posteriormente, da Rua Formosa, que veio ligar este espaço ao primitivo núcleo da Regueira, o Rossio viu crescer a sua importância e desenvolvimento na cidade de Viseu.

4 Que como refere Aguiar (1952 : 89) « pela sua posição central, concentração de estabelecimentos comerciais e serviços oficiais, municipais e judiciais, bem pode denominar-se a este conjunto como centro cívico de Viseu ».

5 Até aqui a ligação entre as zonas baixas e o Centro Cívico fazia-se pela Rua Direita (intensamente comercial) que era o acesso mais directo ao referido centro e ao Largo Mousinho de Albuquerque. Esta artéria tinha já sentido único descendente e o trânsito ascendente fazia-se pela Rua João Mendes (sem qualquer actividade comercial).

6 Várias eram as modistas e alfaiates que pelas revistas da moda vestiam a sociedade viseense. Também eram usual a ida da modista às casas particulares, num dia fixo por semana, onde confeccionava toda o vestuário necessário. Poucos são hoje em dia, os activos que se dedicam a esta actividade : os alfaiates quase que desapareceram e as poucas modistas que ainda existem especializaram, fundamentalmente, na confecção de vestuário de noiva ou de ocasiões especiais.

7 Actividades estas que têm menos necessidade de espaço e mais altos rendimentos financeiros em relação ao solo ocupado.

8 A Rua Direita assumiu desde há muito um papel importante na vida dos viseenses. Se por um lado servia, e serve, de acesso da parte baixa à parte alta da cidade, também sempre se concentrou aqui grande parte da azáfama da cidade, estabelecendo-se relações negociais que iam desde a mera aquisição dos produtos de consumo diário aos grandes negócios, acentuando-se a circulação de peões à terça-feira, dia de feira semanal que ainda hoje se realiza.

9 Também designado de cidade antiga, já em 1950, ou de núcleo genético da cidade (Ribeiro : 1968, 51), compreendida entre o rio Pavia e a Rua Formosa, e que esteve sempre intimamente relacionado com a situação da catedral. Dele fazem parte os largos e ruas envolventes – limitado pelo Largo Mousinho de Albuquerque, troço da Avenida Emídio Navarro (até ao cruzamento com a Rua Serpa Pinto), Rua Serpa Pinto, Praça da República e Rua Formosa. Aqui, poucas foram as alterações morfo-funcionais ao longo dos últimos cinquenta anos.

10 Na designação de mercearias englobam-se os minimercados.

11 Artérias de acesso da periferia suburbana e rural ao centro, ou seja, de entrada na cidade e de acesso ao centro, com boa fluidez de tráfego e facilidade de estacionamento. São artérias que se especializam nalgumas funções que necessitam de grande acessibilidade, mas que não comportem rendas muito elevadas, localizando-se aqui actividades comerciais que exigem grandes superfícies. Incluem-se neste grupo a Avenida Alberto Sampaio, extensão para Oeste do centro tradicional de Viseu ; a Avenida António José de Almeida, para Noroeste e que actualmente tem um prolongamento com a conclusão da Avenida da Europa ; Avenida 25 de Abril, para Sul ; a Rua 5 de Outubro para Este (actualmente caracterizada por uma inércia e abandono que a torna quase que um corredor fantasma de acesso ao centro da cidade) e a Rua Capitão Silva Pereira para Nordeste. Nestas artérias a função residencial assume ainda alguma relevância, mas tem perdido terreno relativamente aos serviços, como é o caso dos consultórios médicos.

12 Segundo Ribeiro (1968), a ida à cidade ao sábado estava relacionado com o fim-de-semana e a maior abundância de dinheiro numa época em que a maior parte dos trabalhadores era pago à semana. Actualmente já não é frequente este tipo de pagamento mas continua a verificar-se, neste dia, um aumento do tráfego de peões e automóveis, oriundos das regiões vizinhas, muitas vezes para se fazerem as compras que se foram adiando ao longo da semana.

13 Este é ainda um dos poucos edifícios da Rua Formosa, que ainda hoje serve de habitação nos andares superiores.

14 Pretendeu-se com este estudo delinear as áreas da cidade com maior congestionamento de veículos e peões, contabilizando-se o movimento destes em várias artérias da área mais central da cidade, consideradas significativas, através de contagens de dez minutos, em horas de ponta e horas mortas de dias diferentes. Os dias da semana foram divididos em « mais movimentados » (terça-feira, quinta-feira e sábado) e « menos movimentados » (segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira). O dia de Domingo não foi considerado já que o comércio está encerrado, o que ainda hoje acontece.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 – Áreas centrais de Viseu, em 1950.
Créditos Fonte : Aguiar, 1952.
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 148k
Título Figura 2 – Distribuição das lojas de mobiliário, electrodomésticos e agências de viagem, em 2001.
Créditos Fonte – Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 148k
Título Figura 3 – Distribuição dos stands e oficinas de automóveis, em 1950, 1970 e 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 188k
Título Figura 4 – Distribuição do pronto-a-vestir, tecido a metro, lãs e sapatarias, em 1950, 1970 e 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 152k
Título Figura 5 – Distribuição das relojoarias e ourivesarias, em 1950, 1970 e 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 140k
Título Figura 6 – Distribuição dos bancos, em 1950, 1971 e 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 144k
Título Figura 7 – Distribuição dos médicos e advogados, em 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 112k
Título Figura 8 – Distribuição dos advogados, em 1950,1970 e 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 196k
Título Figura 9 – Distribuição do pronto-a-vestir e sapatarias, em 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 176k
Título Figura 10 – Distribuição das padarias, mercearias, talhos e peixarias, em 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 160k
Título Figura 11 – Distribuição dos HORECA, em 1950, 1970 e 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-11.jpg
Ficheiros image/jpeg, 196k
Título Figura 12 – Distribuição dos centros comerciais, em 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-12.jpg
Ficheiros image/jpeg, 144k
Título Figura 13 – Área central da cidade de Viseu, em 2001.
Créditos Fonte : Nascimento Ferreira (2004).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/2982/img-13.jpg
Ficheiros image/jpeg, 154k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Paula Raquel Nascimento Ferreira, « Evolução funcional do centro de Viseu (1950 - 2001) », Ler História, 53 | 2007, 165-190.

Referência eletrónica

Paula Raquel Nascimento Ferreira, « Evolução funcional do centro de Viseu (1950 - 2001) », Ler História [Online], 53 | 2007, posto online no dia 22 março 2017, consultado no dia 17 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/2982 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.2982

Topo da página

Autor

Paula Raquel Nascimento Ferreira

Doutoranda em Geografia e Planeamento Regional/UNL

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals