Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros53Críticas e DebatesO Ocidente, a guerra e as ciência...

Críticas e Debates

O Ocidente, a guerra e as ciências sociais e humanas: relembrando uma polémica portuguesa

Carlos Leone
p. 193-211

Texto integral

1Este artigo está ligado a um seu «gémeo» («Um reformismo pessoal – e não só»), escrito para um volume de homenagem a Fernando Gil a publicar pela INCM em 2007, com o qual partilha as suas duas primeiras secções.

2Contudo, importa salientar as diferenças: aqui, além das necessárias modificações nas secções em comum, termina-se com uma reflexão sobre o debate cultural ainda longe de terminar que, num volume de homenagem, não faria sentido, tal como os elementos biográficos do texto para esse volume não são aqui relevantes. E, mais do que as diferenças na exposição dos dois argumentos, o que a diferença da estrutura entre os dois textos significa é uma mudança de natureza: neste caso análise da história contemporânea, no caso do ensaio para o volume colectivo uma apreciação de um aspecto pouco comentado do pensamento e percurso de Fernando Gil. Não se trata, portanto, de um mesmo texto em duas versões, mas de dois textos com elementos em comum mas fins bem diversos.

3Assim, num primeiro momento (1) fornecem-se indicações sobre a relação entre Filosofia e Ciências Sociais e Humanas (com particular destaque para a História) no pensamento de Fernando Gil; de seguida (2), ao ler Impasses, de Fernando Gil e Paulo Tunhas, argumenta-se em favor da continuidade das posições epistemológicas de Gil na sua reflexão cultural e indicam-se limites e aporias nessa vinculação; por fim (3), abordando o debate tal como ele ocorreu em vida de Fernando Gil e os eventos de 2006 já posteriores à sua morte, sugere-se uma linha de fuga para o problema civilizacional do Ocidente caro a Fernando Gil ressalvando pontos de distanciação face ao seu modo de argumentar, hoje prosseguido (a seu modo) por PauloTunhas.

1. Filosofia, ciências sociais e humanas e história do Ocidente, segundo Fernando Gil

4É relevante salientar à partida como o termo «compreensão» (em acepção weberiana) é apresentado por Fernando Gil, em colóquio com André Barata, como um parceiro do seu trabalho em sede epistemológica, pois a seu ver os problemas da «metafísica do conhecimento» são comuns a todas as empresas científicas (cf. Gil 2004: 14). Assim, a compreensão que lhe interessa não é a do senso comum (cf. p. 18; e isto terá consequências em Impasses, como veremos), no qual o seu uso é reduzido a nada pela má-fé ao converter a compreensão em exigência de perfeccionismo em questões políticas nas quais a prova não é possível (cf. p. 25). Dir-se-ia que, tal como as teorias, também a «verdade interna» da sua «compreensão» comporta «dois planos de verdade»: um marcado pela relação da construção teórica com o empírico, outro à vida interna dessa construção (cf. pp. 34/5). No primeiro, a má-fé pode corromper o sentido weberiano de compreensão; no segundo ele persevera em toda a actividade científica. Boa parte das polémicas de Impasses exprimem esta tensão, ela manifesta a «raiz comum entre entendimento, sensibilidade e imaginação» (p. 42) mas Fernando Gil nunca chegou a desenvolvê-la tanto quanto gostaria.

  • 1 A nosso ver, contudo, a ligação entre Kant e Weber neste domínio (e noutros) não merece grande créd (...)
  • 2 Noutro texto, cf. p. 315, afirma-se numa perspectiva «ateia».

5As referências a Marx, neste quadro, surgem mediadas pela evolução adulta do seu pensamento e pelo estado do mundo: «o desastre ecológico» (p. 50), «a indiferença sem limites» que Gil distingue claramente da dessensibilização causada pelos mass media (cf. p. 53), a tendência para tudo isto gerar «apraxia» (p. 55); mas esta última referência surge já num quadro positivo, no qual Fernando Gil se coloca «na esteira de Kant» (p. 54) no interior de uma «ética da responsabilidade» (p. 53). O termo evoca a conhecida oposição de Weber entre éticas (de responsabilidade e de convicção) e mesmo sem o mencionar amiúde, esse confronto será decisivo nos textos dos últimos anos da vida de Fernando Gil. Esta ética da responsabilidade que liga o puritanismo ao weberianismo terá sido, se bem o lemos, o elemento central da revisão das influências marxistas juvenis e do posterior percurso de especialização científica de molde iluminista1. «Revisão», não «abandono»: «Esta lealdade aos constrangimentos internos dos objectos é a pedra-de-toque da filosofia autêntica» (p. 60), como observou Fernando Gil a António Guerreiro em contexto apenas aparentemente diverso. Dez anos antes de Impasses, a entrevista motivada pela atribuição do Prémio Pessoa (1993) elabora já uma reflexão sobre o «cansaço, inevitável como avatar final, pela negativa, da problemática que é o seu horizonte: as várias declinações da palavra “Revolução”.» (p. 61). Nessa reflexão, a teoria do agir comunicacional habermasiana revê os Manuscritos de 1844 (cf. p. 62: «O comunismo de Marx é uma filosofia da comunicação.»), o que vale por afirmar que também ela é logocêntrica, como toda a filosofia (cf. p. 63: «A filosofia fez-se sempre com f minúsculo.»). Neste panorama a filosofia de Fernando Gil também não escapa incólume ao seu tempo (cf. p. 64), e às diversas correntes que a compõem: «Sem querer dizer que se deva aceitar tudo o que passa por filosofia, não vejo como se poderia ignorar hoje o negativo – que é o denominador comum das correntes que a sua pergunta tem em vista. Trata-se de uma determinação perene do pensamento – está no cerne do Sofista de Platão – mas nos nossos dias ela tem uma coloração específica: por diferentes vias, o negativo coloca radicalmente a questão da ausência de sentido, do semsentido.» (p. 65). E, em Impasses, ver-se-á o que é escrito sobre a «filosofia» do Império e quais as consequências do sem-sentido em política, isto é, ao nível do senso comum. Já a perspectiva de Gil será a oposta: «A luz do dia dá mais a pensar do que as trevas. E aquece mais.» (p. 66). Nela reside bem o contrário dos sentimentos desagradáveis em que Impasses será gerado: «A felicidade do trabalho filosófico está nisto mesmo: a continuidade que nos transporta traz consigo a convicção de que aquilo que fazemos não pode ser inteiramente desacertado – é de alguma maneira verdade, graças à sua parcialidade e não apesar dela.» (p. 67). Conscientemente «indecidível» («toda a filosofia o é», p. 68), nem por isso essa felicidade se nivela pelo senso comum, ela aspira sempre a uma «objectividade que se definirá a partir da ideia de descrição» (pp. 68/9). E não por acaso, não sem sentido: «A esta mistura de formal, de empírico e de histórico, a um transcendental impuro, se reportam as filosofias que ficam.» (p. 69). Esta impureza virtuosa convoca as mais diversas referências e, entre elas, Marx não adquire um estatuto de excepção. O seu espectro está presente sobretudo quando as questões-chave da vida contemporânea são debatidas (para dar apenas um exemplo, cf. pp. 190-195), embora mais por implicação do que propriamente de forma explicita. Na verdade, a contemporaneidade surge no discurso de Fernando Gil, com o passar dos anos, como mais e mais infectada por aquele cansaço, aquela negatividade que identificava já há anos na vida filosófica. É no âmbito desse processo que os elementos positivos luminosos, cuja primeira forma filosófica, na sua juventude, tinha sido marxista, ressurgem transfigurados. Assim, «situa-se do lado da morte tudo quanto respeita ao enfraquecimento do possível: o sofrimento, a doença, o envelhecimento, a infelicidade – e pertence à realização dos possíveis tudo aquilo que contribui para a afirmação de si.» (p. 295). Esta transformação do mundo dentro de um plano não determinista (pós-marxista) é mesmo a ocasião para a elaboração mais estruturada (feita em comparação com o idealismo e o servilismo, «ética da liberdade» e «ética da obediência», cf. p. 297ss) de uma «ética da responsabilidade». Não mais do que um «tipo ideal» (cf. p. 299), estando ainda está muito longe de se encontrar completa, «as categorias da ética da responsabilidade estão, ao invés, largamente por elaborar. Mas instalam-se pouco a pouco nos factos, muito do que ouvimos nesta sala a respeito dos bons modos de lidar com a doença e a morte se inspira na solidariedade, no comprometimento e até na ingerência na liberdade alheia, numa compaixão activa e fraternal. Outras práticas das últimas décadas – penso nas associações e organizações humanitárias e na ideologia «humanitária» em geral – têm também tudo a ver com um ideal de responsabilidade.» (p. 298). Ética para um «incréu»2 confesso (idem), ela será a única a permitir «não ouso dizer resolver, mas pelo menos negociar diferentemente os impasses que nos torturam.» (idem). Este texto, «Mors certa, hora incerta», data de 2000. O ano seguinte faria alterar, para um tom mais sombrio, esta perspectiva. Mas essa tonalidade não surgiu ex nihilo. Em todo o caso, a mundividência iluminista revista pela influência de autores tão diversos como Marx, Nietzsche e Weber – e pela dos tempos em que Fernando Gil viveu – é perfeitamente perceptível no díptico de textos de 1998 reunidos em Acentos (Gil 2004: 325-347). Nele é já visível a díade em função da qual Fernando Gil toma partido. Por um lado:

6Se a manobra das regressões restauradoras rapidamente se revela antinómica da invenção como do futuro, também o niilismo de bom tom que caracteriza o pós-modernismo não consegue disfarçar uma ratoeira de um outro tipo: a resignação elegante que se satisfaz em repetir o fim de toda a modernidade através de um jogo de citações e de uma colagem de fragmentos, acaba por desembocar num academismo frouxo (p. 328).

7Por outro, e, veremos bem, ao invés daquelas «regressões»:

8Mas a virtù da Aufklärung consiste em grande parte na multiplicidade dos projectos que imagina, com um entusiasmo mais ou menos ponderado – as Luzes entremeiam-se de loucuras e quimeras, notava já Kant – mas sempre fervoroso. Como se pressentindo os riscos futuros, empenha-se em delinear um ideal para uma humanidade que é o soco da sua fé. O século das Luzes levou ao paroxismo não só a aspiração a um reinado da razão como também a vontade de o construir (p. 330).

9Todavia, os processos contraditórios e excessivos que desenvolveu para triunfar, a reforma constante e a revolução completa, conduziram à situação diagnosticada já no século XIX por Nietzsche. Assim, Fernando Gil observa: «O niilismo instala-se. E o niilismo pós-moderno é um niilismo satisfeito em nada desesperado, que tira um prazer perverso de uma situação de desastre que toma por adquirida.» (p. 331). Como compreender esta situação? Em 1998, responde Fernando Gil:

10O tema da crise global da civilização e as vaticinações apocalípticas sobre o avanço da barbárie que o acompanham, tendem a fazer crer que a experiência que nos é permitido extrair do nosso presente seria de uma pobreza irremediável. As forças em que o poder de inventar se poderia apoiar são assim lançadas num saldo negativo. A fraqueza do nosso fim de século decorre em parte de uma falta de confiança dos indivíduos em si próprios, assim como dos indivíduos uns nos outros e nas instituições que foram os pilares de sociedades mais antigas. E esta falta de confiança é incompatível com o espírito de aventura de que se alimenta o futuro enquanto projecto. Precisamos de uma terapia capaz de curar os nossos contemporâneos da sua desconfiança (p. 332).

11A questão, para tanto, será não desperdiçar o «progresso generalizado» que o Ocidente conhece há dois séculos: «Tomamos como pressuposto que pertence à natureza da modernidade a sua irreversibilidade e a sua expansão irresistível. É inútil alimentar nostalgias retrógradas, trata-se antes de conseguir que as vantagens do progresso aproveitem o resto do Planeta.» (idem). Mutatis mutandis, é o argumento do socialismo científico contra o socialismo utópico.

12Mas, já em 1998, aos olhos de Fernando Gil, justamente o sucesso político da força promotora do ideal de progresso, «a Esquerda» (fielmente marxista ou não), limitou-a, tornou-a conservadora. De novo uma passagem longa, mas abreviá-la seria contraproducente:

13É verdade que as reflexões melancólicas sobre a decadência encontram hoje um eco singular. O elemento novo (herança dos Trinta Gloriosos anos de crescimento sem falha, dos quais saímos brutalmente, como se expulsos do paraíso) reside nos hábitos de conforto do Estado-Providência que induzem disposições inéditas, individualmente como socialmente. No momento em que a base económica dos sistemas de solidariedade se revela frágil e em que por isso a sua defesa ideológica e política é posta em causa, uma perspectiva globalmente conservadora tomou conta dos espíritos que, para se sentirem tranquilizados, reclamam um acréscimo de segurança. A previsão impede então a abertura e passa apenas a recobrir uma aspiração à recondução de situações conhecidas, a antecipação consistirá no voto de que nada mude e tudo permaneça «como dantes». A noção de progresso amputa-se da aventura que representa, para se confinar na dimensão do seguro de vida (p. 333).

14Quanto à herança iluminista consciente dos seus desafios creio que dúvidas não restam. Quanto à pertença de Marx a essa herança e sua revisão, o mesmo se pode afirmar, a menos que nos esqueçamos, «muito estranhamente, que o século XX permitiu ao homem comum europeu deixar para trás o mundo dos livros de Charles Dickens e pela primeira vez, desde sempre, enfrentar as áleas da existência sem a angústia que a completa desprotecção implicava. E significa também esquecer que isso se deveu a um duro, áspero combate que durou muitas décadas e no qual se empenharam e sacrificaram muitas vidas. Não fica hoje bem lembrar, no nosso presente desmemoriado e distraído, que os homens e as mulheres a que se chamou classe operária foram os protagonistas e os vencedores desse combate – e que dele beneficia a sociedade inteira: Marx acabou por ter razão ao pretender que o proletariado representava interesses universais. E significa por fim esquecer que, sob as ilusões perdidas, a esperança não só não desapareceu mas, pelo contrário, se tornou planetária.» (pp. 339/340). Veremos (caso dúvidas haja) como o marxismo não se hifeniza aqui ao leninismo. A esperança, essa é matéria mais ambígua.

15Ao terminar, Fernando Gil lembra duas coisas que não devemos passar em claro. A presunção (evocando de novo Marx) de que «aspectos maléficos do progresso se deixarão corrigir por uma tomada de consciência e uma responsabilização» (p. 346), nas quais ciência e crítica modernas são elementos centrais. Enfim, e com uma sonoridade irónica, de uma ironia amarga atendendo a tanto que mudou, face a 1998, desde 2001, a convicção de que «a ubiquidade da imagem e das inter-relações humanas em geral num presente planetário, geradas antes de tudo o mais por uma técnica indiferente ao sentido, dá uma realidade inesperada e inédita à ideia de humanidade. A compaixão autêntica por um estrangeiro absoluto não é uma pequena possibilidade que se abre para o homem. Mas é também verdade que o regime actual da informação está longe de favorecer a sua realização, e que a ideia realizada não é ainda a realização da ideia.» (p. 347). Não será necessário elencar mais dados para tornar patente a vinculação da filosofia e da ciência iluministas caras a Fernando Gil ao tempo presente e, neste, à persistência de Marx, entre outros autores comummente identificados como anti-iluministas.

2. Diferendos, Impasses, polémicas

16Pelo meu lado, filio-me na tradição de Benda. O interesse pela coisa pública vai a par com um descomprometimento com a ideologia, seja ela de direita ou de esquerda. O comprometimento é a exigência deste descomprometimento, pensar sem antolhos ideológicos. Albert Camus é um bom modelo de intelectual ao mesmo tempo interveniente e livre. Fernando Gil, Acentos, p. 416.

17Com Impasses (Gil 2003), Fernando Gil (subsumo no seu nome o contributo de Paulo Tunhas, sem menorizar o seu contributo para o livro) publicou a sua única obra abertamente política, no sentido mais amplo (de reflexão cultural, civilizacional) do termo. Fiel ao espírito que lhe conhecemos enquanto filósofo, Impasses é no entanto uma obra marcada pela polémica, mais a mais polémica não científica. Não há como evitar a polémica e dado ter o próprio Fernando Gil preservado elementos dela, a eles (editados em Acentos) vamos dar atenção, ao ler Impasses na clave em que desde o início temos vindo a insistir: uma reflexão que prolonga o seu labor filosófico em sede epistemológica.

18Mas Impasses não é um livro de polémica. Não se confunde com a «Iraquologia» de 2003, o seu tema é antes o Ocidente. Como vimos, o impasse do espírito ocidental tinha sido já objecto de análise antes de 2001 mas o 11 de Setembro veio exacerbá-lo. Após o comunismo, anti-capitalismo positivo, o movimento crítico do Ocidente ficou sem objecto de fé, reduzindo-se à má-fé. O que a acção terrorista veio provocar foi uma reafirmação da identidade do Ocidente enquanto tal (sobretudo pelos EUA), modo de vida disposto a enfrentar a ameaça de morte que o niilismo terrorista lançou – arrastando consigo o Ocidente vencido pelo capitalismo, cuja má-fé se deixa tentar pelo terrorismo, pela «compreensão» deste. Nesta matéria de consciência política, cultural, o epistemólogo sabe que não há provas, apenas argumentos, não há demonstração, apenas persuasão. Ora os impasses são diferendos (em acepção lyotardiana) por neles haver quem prescinda de um horizonte de vida (logo, também de sentido) e de qualquer argumentação não sobredeterminada pela má-fé relativamente aos valores e agentes políticos emanados do Ocidente («emanados» por a sua natureza ser universalista, isto é, são valores universalizáveis, e não impostos pela força). Ora, como parte do Ocidente (a esquerda órfã do anti-capitalismo marxista) prefere a vontade de nada ao nada da vontade (Nietzsche), Fernando Gil não se coíbe de seguir esse livro maldito que é A Vontade de Poder: também ele quer proteger os fortes dos fracos, a vida afirmativa do ressentimento que quer morrer. Assim, em Impasses reencontramos Nietzsche e Weber (e mesmo Freud e Orwell) como expoentes derradeiros do espírito de vida que animou o iluminismo, algo que não contraria em nada o filósofo das ciências que Fernando Gil sempre foi (vimo-lo já). Mas não nos deixemos iludir quanto ao significado disso: não é contra o marxismo mas sim contra o «comunismo póstumo» e as fantasias pós-tudo em torno do «Império» que Impasses é escrito.

  • 3 Relativamente à terceira hipótese, no mesmo passo é referida a sua contra-hipótese: «ela é compreen (...)

19Livro de «conjecturas», Impasses não pretende ser obra de polémica (cf. p. 12). Mas as suas conjecturas partem de pressupostos, o maior dos quais a necessidade de defender o modo de vida ocidental em especial quando este se encontra preso numa situação de discussão insanável, um diferendo (cf. p. 13). É este diferendo em torno do Ocidente e da sua história, dos valores ocidentais, que é eivado de má-fé; se transitória, esta situação de impasse resolver-se-á mas o risco é ser letal, donde falar-se de niilismo (cf. p. 14). A primeira conjectura relativa ao impassse dá-lo como resultado do diferendo: há neste um impensado de crenças que o faz permanecer insanável, por ser impensável rever essas crenças sem violentar a identidade pessoal, e a má-fé opera aqui por o mecanismo designado por Freud como «forclusão» (p. 15). As hipóteses de Fernando Gil são simples (cf. p. 16): há uma guerra; ela é movida contra o Ocidente; ela é injusta3. Hipóteses e contra-hipóteses são indemonstráveis, não há prova em sentido forte possível nesta matéria, e grande parte da argumentação (não demonstração, mas, procurando a objectividade, descrição) dos autores de Impasses consiste em salientá-lo e em extrair disso as suas consequências para o que chamam «diferendo primordial: para uns o maior perigo reside no império americano, para outros, no integrismo islâmico.» (idem). Mas as duas posições, por serem simétricas, não são idênticas, a lógica antinómica não conduz à relatividade incomensurável nem à apraxia. Por isso, no mesmo passo, a conjectura dos autores é claramente apresentada, ela dá o perigo do império americano como fictício e o do integrismo islâmico como bem real. Toda a argumentação se fará no sentido de descrever objectivamente ao leitor as razões para pensar assim, contrastando com a descrição da má-fé do discurso, sem argumentos defensáveis, da contra-hipótese. Em jogo está o modo de vida ocidental.

20Por isso mesmo, Impasses é escrito explicitamente contra as teses «fracas» que tendem para o compromisso de inconciliáveis, separando cuidadosamente conflitos que, no entender de Gil, estão inevitavelmente amalgamados (mais um impasse, este quanto à descrição do objecto para sua identificação). Há diversos planos na sua escrita: o dos media e seu clamor; o das argumentações, que os media pobremente veiculam (não sobre um impasse mas sobre uma série de impasses); e, sobretudo, o travar de razões com a «nota de fundo» do livro, «uma perplexidade perante algo que nos aparece como um niilismo generalizado» (p. 19). Este niilismo compõe-se de desânimo ocidental (ou de parte do Ocidente, abordado sobretudo a partir da p. 62) e de ressentimento anti-ocidental (cf. pp. 22, n.7; pp. 60/1, p. 121, p.187). Este último, aliás, compreende-se mais facilmente que o desânimo (cf. pp. 19/20). No primeiro plano, o do confronto mediático, a questão religiosa é determinante, e quanto a ela fica claro que Israel (e não apenas a religião judaica e sua «herança» no cristianismo) é parte integrante do Ocidente, pelo que o conflito israelo-árabe-palestiniano não é espúrio ao embate entre Ocidente e Islão (cf. p. 23).

21O primeiro capítulo, «Uma guerra sem provas?», recupera de forma sistemática os termos da epistemologia de Fernando Gil (remetendo mesmo, por vezes, para as suas obras de filosofia). A sua detida análise do processo na ONU contra o Iraque, a melhor que conhecemos em Português, assenta justamente nessa epistemologia da prova e extrai dela todas as consequências, não hesitando em denunciar o «gigantesco embuste em que a coligação se deixou apanhar e no qual vivemos ainda. Da exigência da cooperação do Iraque passou-se num abrir e fechar de olhos para a obrigação de os inspectores depararem com ADM.» (p. 34). Nos termos da epistemologia de Fernando Gil (remete-se para Modos da Evidência), estamos no domínio da «patologia da prova», mas não a que Gil já estudara (salto para o saber sem prova), e sim uma «figura inversa, quando se permanece indefinidamente na prova e não se quer saltar para o saber» (p. 41). Todo o manancial de informações sobre o não cumprimento das resoluções da ONU pelo Iraque (maxime o relatório Blix, apesar das declarações públicas ambíguas do seu autor, como notam Gil e Tunhas) é posto em suspenso indefinido pela exigência indevida de um «perfeccionismo da prova» que, além de impossível, onera os sujeitos errados. E o capítulo conclui:

22«Nunca uma guerra terá provocado uma tão grande massa de argumentos acerca da sua legitimidade e oportunidade, primeiro, acerca da realidade das ADM depois. O que também releva da patologia (Kant observou que a boa prova é uma só), embora não das malformações do saber ou do provar. Se se tivesse querido ver de perto, isso indicaria antes que o problema estava mal colocado – porque se queria colocá-lo mal. Não se tratava de provas mas de uma má-fé que a névoa argumentativa encobriu.» (p. 43).

  • 4 Apesar de recuperarem o «solipsismo» explicado por O’Brien a Winston durante o interrogatório em Mi (...)

23Todavia, o Iraque não está, aos olhos dos autores, na origem destes problemas, longe disso. Nem mesmo o 11 de Setembro de 2001. Por isso, o segundo capítulo («Argumentos e entusiasmos»), cujo título retoma questões clássicas do iluminismo a que já vimos Fernando Gil referir-se em sede filosófica, começa por indicar que o virar do século, com a segunda Intifada e a conferência sobre o racismo da ONU realizada em Durban, revela uma mudança no modo dos debates políticos (cf. p. 45). A epistemologia (e a ética) weberiana é expressamente evocada como modelo a seguir na argumentação (p. 46), que adopta o método do «tipo ideal» (cf. p. 47). Sem certezas absolutas, «salvo em certos casos extremos», a argumentação interessa-se pela linguagem que irrompe no debate político, pois se a linguagem é sempre importante mais ainda o é quando o acirrar da polémica é declarado. As acusações feitas apodicticamente, como a da falta de pensamento dos que são declarados «belicistas» (cf. pp. 49ss), a falácia de pretender ser apolítico (pp. 52 ss), a passagem da política para a passionalidade e o fundamentalismo aí envolvido (pp. 54 ss), tudo isto se encontra na linguagem política hodierna. Por fim (cf. p. 56), nota-se como toda a lógica desta linguagem conduz a uma oposição suicida: revolução ou fascismo – é, como escrevem os autores, o retorno do «ultimatismo histórico». Mas, separando o essencial do acessório, a linguagem religiosa não impede o assentimento mesmo de um ateu desde que veicule valores comuns, como no caso da linguagem política norte-americana, fortemente religiosa e nem por isso menos progressista. Ora, é justamente o progresso ocidental que é posto em causa por esta nova linguagem, na qual se constata como a economia desempenha um papel perverso, pois «a única coisa que uma parte substancial da Esquerda guardou do marxismo, do qual amplamente, et pour cause, desertou, foi a tese do primado do económico.» (pp. 59ss). Quem se lembrar das palavras de 1998 sobre o conservadorismo a que a Esquerda se resignou fruto do seu sucesso civilizacional percebe-o sem dificuldade. E o determinismo económico (a monocausalidade económica que Weber identificou como a verdadeira objecção, epistemológica, ao marxismo) é, a história provou-o e, aqui, provou-o de novo, uma crença baseada na vontade, não nos factos. A vontade de não se incomodar com o impensado, com a sua estrutura pessoal, a vontade de crer mesmo no que não se sabe, pois isso não interessa – este niilismo é desde logo solipsista (p. 68, cf. referência a Orwell). A realidade tem o mau hábito de nos pôr em causa, escrevem os autores decerto pensando em Weber (cf. p. 74), e a linguagem nova4 tem por fim impedir que isso aconteça. Nela, portanto, e para recuperar os termos que intitulam o capítulo, é o entusiasmo e não os argumentos que predomina. No limite, será preciso negar a realidade empiricamente verificável, sensível, e aí é que a má-fé ganha relevo. Antes, um destaque: ao falar de «regressão» como «termo-chave» no processo que aqui acompanhámos (cf. p. 50), os autores salientam como os argumentos apresentados em defesa do seu ponto de vista são sempre recebidos como expressão de interesses inconfessáveis (como «ideologia»), uma velha táctica anti-iluminista (anti-universalista, antes de ser marxista era já romântica). Pois bem, o «entusiasmo negativo» (cf. p. 78), é a expressão na primeira pessoa dessa regressão, a sua realidade consiste não apenas em negar o progresso mas em negar a vida. Daí que a má-fé de que se vale conduza ao niilismo.

  • 5 Fernando Gil, em entrevista a Carlos Vaz Marques, di-lo sem rodeios, cf. Acentos, p. 473.

24A má-fé, e sua banalidade, ocupam o terceiro capítulo no qual Sartre é discutido em algum pormenor. Seguindo Sartre, Impasses dá conta da redefinição que a má-fé faz da verdade, convertendo-a em «evidência não persuasiva» (cf. p. 86) – passo natural atendendo à regressão e ao entusiasmo negativo que lhe estão associados. Mais do que os graus da má-fé e que os laços que unem má-fé e impasses específicos dos intelectuais, o problema reside no entusiasmo (cf. p. 89), e na «mobilidade do eu» que ele permite («mecanismo da má-fé» pp. 90ss). Esta mobilidade chega a ser uma forma de lirismo (pp. 92ss), de certa forma uma ascese que permite a passagem da má-fé ao niilismo (pp. 97ss). É este movimento, em que a má-fé mascara à consciência como o lirismo exprime a vontade do nada, que conduz à identificação radical de «compreensão» e «justificação», pois trata-se de um contexto em anda científico e em tudo senso comum: «Na conjuntura actual, o suicídio ideológico manifesta-se sob as vestes aparentemente pudicas da compreensão. «Compreende-se» o niilismo radical do terrorista – e essa compreensão vale como justificação. Claro que o suicida ideológico que vive ainda entre a má-fé e o niilismo propriamente dito, não aceita este trânsito directo da compreensão à justificação. Mas nisso manifesta a sua má-fé proto-niilista. Porque toda e qualquer compreensão é, só pode ser, mesmo que parcialmente, justificação.» (p. 101). O optimismo das Luzes, de certo modo, mantém-se, sem ele este livro não teria sido escrito, ele age como se fosse possível lançar luz sobre a (in)consciência de quem está ainda entre a má-fé e o niilismo5. Um pouco perversamente, apesar de ser mais fácil dialogar com um cínico do que com alguém imerso em má-fé (cf. pp. 104/5 para a diferenciação), é a este último e não ao cínico que Impasses se dirige.

  • 6 Veremos como, no debate em torno do livro, mesmo leitores interessados como Manuel Villaverde Cabra (...)
  • 7 No argumento em favor da «crise da representação» quem se destacou em Portugal foi, anos antes de I (...)

25Assim, não se deve subestimar o quarto capítulo, «A aposta democrática»6. Esta encontra-se, de acordo com a linguagem política corrente, em «crise de representação», e os autores colocam (p. 116) o problema de saber se não deveríamos dizer que se trata de uma «crítica da representação» (sendo esta constitutiva da democracia). Mais uma vez trata-se de argumentos7, não de provas (p. 117). Não obstante, é uma questão decisiva na modernidade política (cf. p. 120), pelo que a «confortável e suave degradação» da democracia (cf. p. 119) se relaciona indelevelmente com a regressão, o entusiasmo negativo, a não persuasão, o lirismo e a compreensão proto-niilista pelo terrorismo. Todo um processo que ameaça de morte as nossas instituições perecíveis (cf. p. 127): «uma guerra em boa ordem contra aquilo que em nada nos repugna chamar Ocidente.» (p. 129).

  • 8 Que esta questão remete directamente para a análise das evoluções que o pensamento de Marx conheceu (...)

26Ora este Ocidente foi reduzido a uma caricatura, a qual é inspeccionada no capítulo seguinte, «A ficção imperial» (em grande medida um exercício de close reading de Império, de Negri e Hardt). Como se lê logo na sua primeira página, com a queda da alternativa socialista ao capitalismo «é a primeira vez que a história volta para trás.» (p. 131). O Ocidente, contudo, continua a sua autocrítica, mas agora não em nome de um ideal progressista antes de uma ficção bem sintetizada no livro de Negri e Hardt (cf. pp. 132ss, e a consciência histórica de inspiração nietzschiana patente na análise dos autores de Impasses, p. 135). O primeiro universal ocidental é «viver bem» (cf. p. 137), mas esse ideal é interpretado de forma niilista em Império (cf. p. 142), livro que «participa do universalismo racionalista – uma caricatura do universalismo – que é o pior aspecto do pensamento de Marx.» (p. 152)8. Como outras «logomaquias de inspiração marxista» também Império é uma forma proto-niilista do pensamento de Marx, sobretudo no que toca a economia: «deixada a si mesma, esta não estaria longe da descrição marxista (digamos, para simplificar, mas nem isto é exacto). Ora, precisamente, as sociedades avançadas – e o marxismo concorreu poderosamente para isso – não entregaram o capitalismo a si mesmo: ele é simplesmente o componente económico da sociedade ocidental moderna, achando-se constrangido a negociar em permanência com outros componentes da mesma sociedade, entre os quais uma exigência de justiça bem anterior ao marxismo e do qual ele é tributário. E não se esquecerá que o Estado assumiu largamente essa exigência. A verdade do século passado foi a vitória do reformismo sobre a revolução.» (p. 155). Não queremos apenas salientar como aqui se salva Marx e o marxismo do destino dos regimes ditos «novos», assentes em revoluções. Queremos sobretudo reter o termo que, em sede civilizacional, logo também em política, descreve com objectividade a posição de Fernando Gil – reformismo. O Ocidente como reformista, e não anti-iluminista (independentemente do modo, reaccionário, Romântico, utópico, materialista científico ou em qualquer matriz contemporânea de totalitarismo), é a imagem não só de um modo de pensar mas ainda mais de viver, em que modernidade e Ocidente de facto se confundem. Em nome deste modo de vida se faz o argumento central de Impasses.

  • 9 E que, em rigor, antecedeu a Administração Bush e o 11 de Setembro. Já ao comentar na revista Ler, (...)

27O sexto capítulo de Impasses, «América malfazeja», principia com uma síntese dos argumentos até aí expostos (pp. 161-3). Depois dela, torna-se talvez o capítulo mais abertamente polémico do livro. Uma apologia lírica de Israel (pp. 163ss), uma identificação de diferendo de vontades com guerra (p. 165; na mesma linha, cf. o «oximoro» referido na p. 183) a descrição da recusa árabe em modernizar a sociedade (p. 212), tudo se presta a matéria de contencioso. Na mesma lógica, pouco política, com que antes haviam limitado a compreensão à justificação, os autores tendem a dar por adquirido que a resistência ao termo «guerra» é suicida (o que originará um curioso angelismo de Tunhas em debate com Villaverde Cabral, como iremos ver), e o leitor menos atento pode até pensar que foi um árabe ou um palestiniano quem assassinou Rabin. Mas tudo isso não deve obscurecer o cerne do capítulo e do livro: a difusão de valores universais pelo Ocidente (p. 172) e o retorno dos impasses que já conhecíamos das Luzes (p. 175), chegando mesmo os autores a formular um elogio ao decisionismo democrático emergente nos EUA9 (p. 178).

  • 10 Isto apesar de neste capítulo encontrarmos algumas notas de tipo psicanalítico dispersas, sobretudo (...)

28Menos polémico é, cremos, o último capítulo, «Injunções do ‘Corão’ e gesto terrorista». E julgamo-lo menos polémico simplesmente por não dizer mais do que já Weber dissera abertamente (sobretudo na Sociologia da Religiões) sobre a natureza guerreira e expansionista do Islão10. A qual, somada à sua recusa da modernidade, referida no capítulo anterior, e ao proto-niilismo banalizado no Ocidente que ocupa os autores em todo o livro, fundamenta aquilo que, «sem concluir», é a «convicção» (termo revelador até filosoficamente) dos autores: «o niilismo e seus efeitos letais não têm razão de ser.» Não só por o cansaço da vida exibido pelas elites mediáticas ocidentais não ser visível no cidadão comum mas sobretudo por força daquilo que foi «uma das surpresas das leituras que fizemos» (idem), aprender que a mundialização é celebrada pelos pobres de todo o mundo. Uma conclusão que o próprio Marx não desdenharia, ele mesmo a afirmou, a respeito da primeira revolução industrial, no Manifesto Comunista.

3. O nosso futuro: o ocidentalismo depois de «o Ocidente»?

  • 11 Depois disso, fosse na integração das comissões apoiando a candidatura presidencial de Cavaco Silva (...)

29Uma última palavra, antes de revisitar a polémica em torno deste livro, sobre o «anexo» de Impasses que dá à estampa dois artigos de Fernando Gil, publicados no Diário de Notícias ainda em 2001, logo a seguir ao 11 de Setembro. Mesmo no momento mais polémico, a hora do imediato, nunca Fernando Gil embarcou nas generalidades bombásticas da culpa da Esquerda pelo terrorismo (tal como nunca o fez relativamente ao Ocidente). Isso mesmo resulta claro no final do primeiro desses artigos: «também o movimento operário ocidental nasceu de uma humilhação e de uma exploração que duvido tenham sido menores do que as do terceiro mundo: releia-se o livro de Engels de 1844 sobre a situação da classe operária inglesa. Mas, porque era uma cultura de vida e da racionalidade, o movimento operário, socialista e comunista, opôs-se sempre ao terrorismo. Isso foi mesmo um seu ponto de honra.» (p. 231). No segundo artigo, lembrando o tempo em que «a nossa adesão ao comunismo» se manifestava em anti-americanismo lembra como essa adesão era, ainda assim, «ditada por uma esperança. Ela era uma afirmação da vida.» (p. 234). Não são palavras de ocasião, como se percebe para lá de qualquer má-fé (esperemos) pouco depois: «Mesmo que a longo prazo tudo volte ao seu lugar, para já preferiria que a esquerda – palavra que para mim guarda sentido – não estivesse a cair na armadilha que a si mesma se armou e que consiste em identificar a luta contra a «globalização» com a posição pacifista.» (p. 237). Guardava de facto sentido (e não verdade, claro), a esquerda iluminista, apesar de a polémica não ter contribuído muito para que isso se notasse11.

  • 12 É sobretudo na discussão com Paulo Tunhas que isso transparece. Este identifica claramente a má-fé (...)

30A polémica em torno do livro foi gémea da relativa notoriedade que «filósofos profissionais» tiveram com ele, e a impaciência de Fernando Gil com os elementos de má-fé na recepção de Impasses notam-se mesmo sem ser em registo de polémica, basta uma entrevista como a que deu a Carlos Vaz Marques (Gil 2004: 472). O seu elemento mais interessante é a troca de argumentos com Manuel Villaverde Cabral, o qual comenta o livro numa série de artigos no DN, reunidos juntamente com as réplicas de Gil e de Tunhas, e comentados para edição em livro, em Acentos. A leitura de Villaverde Cabral é por necessidade desencontrada com os argumentos que reconhece em favor das conjecturas dos seus autores – por necessidade, não por contingência de espaço jornalístico, pois Villaverde desarticula aquilo que em Impasses é um sistema (ou pelo menos uma arquitectónica). Villaverde Cabral faz uma leitura do texto em função das polémicas políticas da hora e não dos ideais de modernidade, de Ocidente, de civilização, em torno dos quais Impasses efectivamente é escrito e que, eles, convocam os problemas do momento. Além disso, o próprio Villaverde Cabral participa enquanto actor nessa separação dos problemas, pois não só desvaloriza os capítulos sobre a democracia e a crítica à tese «imperial», bem como o uso da noção de «má-fé» (à luz do que acabámos de referir), como ainda toma partido anti-Bush, mesmo à custa de pretender (p. 425) que as guerras de Bush-pai e de Clinton não desencadearam protestos como os actuais (quem ler o próprio Villaverde Cabral ao tempo da questão no Kosovo reterá impressão bem diversa). Em rigor, o que o separa dos autores são duas coisas: a necessidade de compreender como se chegou a esta situação; a avaliação da efectiva ameaça colocada pelo integrismo às sociedades ocidentais. O primeiro ponto releva de uma discordância, originada na divisão entre uma compreensão científica e outra de senso comum que vem da epistemologia de Gil e que não é explicitada em Impasses, com prejuízo para o próprio argumento do livro12. A segunda releva da incompreensão de Villaverde Cabral quanto à matéria do livro, não dedicada a relações geoestratégicas mas sim à tensão entre os valores ocidentais e os seus inimigos, tanto integristas islâmicos quanto ocidentais desavindos com o capitalismo e sem uma cultura positiva a opor-lhe.

31Fernando Gil respondeu salientando o óbvio, desde logo a necessidade de se atender à relação entre os diversos problemas estabelecida pelo livro de modo a poder lê-lo (cf. p. 431), a pertinência dos conceitos de má-fé e niilismo (p. 432) e o carácter político da argumentação (p. 433). Simplesmente, a política aqui não é a dos eventos diários que carecem de separação uns dos outros, como pretende Villaverde Cabral, mas uma outra, em que se sabe «que continua a haver forças de progresso e de reacção e que alguma tradição de esquerda continua do lado do progresso. Mas aqueles rótulos perdem pertinência. Por exemplo, Impasses será de «direita» e também de «esquerda». «Meu excelente Manuel, desde há uma quinzena de anos tudo no mundo está a reconfigurar-se, aceleradamente.» (p. 432). Por isso, e respondendo à objecção de Villaverde Cabral em particular: «Tudo está obviamente em saber o que se entende por destruir o Ocidente – noção que possui um conteúdo determinado, descrito em Impasses. A destruição não tem de se traduzir pelo «derrubar» de um regime. (…) Já há muito anos Raymond Aron definia o terrorismo como uma forma de guerra visando efeitos psicológicos. Em contrapartida, as sociedades ocidentais não estão – por natureza – adaptadas para lutar contra um inimigo que não reconhece qualquer limite na devastação e escolhe a morte como objectivo e como arma.» (pp. 434/5).

32Eis um bom mote para concluirmos, tentando sistematizar as principais dificuldades, algumas das quais já mencionadas, e aferir a pertinência actual desta análise, cerca de um ano depois da morte de Fernando Gil. Três notas: sobre a variação da empregabilidade de conceitos através das ciências sociais e humanas; sobre as consequências no espaço público, talvez fosse melhor espaço mediático, da argumentação de Gil e Tunhas; sobre a dimensão última, civilizacional, do problema que move a discussão aqui relembrada.

  • 13 Nada de grave nisto, aliás. É assim também noutras áreas, como as polémicas em torno da Língua e da (...)
  • 14 Veja-se o mais recente livro de Francis Fukuyama, já traduzido em Português (Fukuyama 2006b).
  • 15 Isto, como é óbvio, não se aplica apenas ao argumento civilizacional de Gil e Tunhas a respeito do (...)

33Em primeiro lugar, no caso deste olhar filosófico sobre o Ocidente e as suas realidades da hora presente, forçoso será constatar que a Filosofia (ao contrário do que se pretende actualmente a pretexto do ensino Secundário) não garante nenhuma particular valia crítica ao pensamento13. Permite-a e mantém com este uma simbiose, mas a ingenuidade dos autores que viram um angelismo na doutrina Bush (sexto capítulo de Impasses) está hoje definitivamente datada mesmo por aqueles que mais próximos estiveram da sua origem14. O exercício de Gil e Tunhas em torno de Maquiavel e Kant, sendo filosoficamente competente e interessante, não se revela politicamente, historicamente, relevante. Dada a discrição com que Gil sempre abordou a questão da religião e do teológico-político (além das duas breves referências que anotámos no início e do capítulo sobre as injunções do Corão nada mais conhecemos), não surpreende que a cultura de vida identificada com o Ocidente em Impasses surja apenas a meia-luz, privada que fica da sua componente a-religiosa. Com efeito, a emancipação das sociedades modernas de poderes tradicionais, maxime religiosos, é o elemento que mais as diferencia das restantes e que faz do Ocidente um campo cultural e não meramente geográfico. Nele, o Direito (o primado da lei) surge como princípio regulador daquela vitalidade cultural e, assim, as opções meotdologicas de Gil e Tunhas surgem como arbitrárias ao pretenderam identificar compreensão com justificação, luta anti-terrorista com guerra, ou relativizar a manutenção de direitos humanos em função de circunstâncias excepcionais. Ainda que se possa produzir um bom argumento, ainda que a prova não seja possível, no caso o argumento não dispensa a eficácia política que a cada dia que passa notoriamente falta15.

34Em segundo lugar, as consequências de opções conceptuais em ciências sociais e humanas a nível do debate público são necessariamente grandes, até desmesuradas, pois a transmissão mediática, tendencialmente simplificadora, de argumentos científicos, não se limita a reduzi-los; cria consequências imprevistas. O caso do recurso ao temor sartreano «má fé» é exemplar. Para valer como pretendem os seus autores, isto é, como análise do Ocidente, ele teria de ser aplicado de forma sistemática à vida quotidiana do Ocidente, trabalho infindável mas necessário. Ao saltar essa etapa e explorar a sua pertinência na discussão no Ocidente gerada em torno da questão do terrorismo e da invasão do Iraque, reduziu-se a um caso concreto uma tese geral que teria de ser firmada antes para poder (eventualmente) ser aplicada a essa análise específica. Ou seja: aumentou-se a ambiguidade a mobilidade essencial à má fé ao promover uma sua crítica de forma improvisada e movida pela sensação subjectiva de desgosto perante teses correntes na comunicação social (se dominantes ou não é irrelevante para o caso) a respeito dos EUA e do Ocidente.

35Por fim, a polémica que acompanhámos em torno de Impasses não é apenas reveladora de problemas metodológicos em argumentações que atravessam o conjunto das ciências sociais e humanas, nem das distorções que a sua mediatização necessariamente produz. Atendendo ao sucedido desde 2004, quando Fernando Gil encerrou em Acentos, pela sua parte, a polémica gerada com a publicação do livro, e observando em particular os eventos ocorridos desde a sua morte em Março de 2006, a saber, a condenação e execução de Saddam Hussein e as reacções a que deu origem, é legítimo, mesmo lógico, conjecturar sobre a pertinência da noção de Ocidente, mesmo no domínio das ciências sociais e humanas (quando dedicadas ao presente histórico). Mais do que qualquer evento político específico (digamos, a vitória Democrata nas eleições de Novembro de 2006 nos EUA e respectivas consequências políticas a nível internacional), o que parece suceder com frequência e consequências cada vez maiores é a substituição da cultura de vida própria do Ocidente, universalizada na modernidade, por uma sua caricatura (recorremos ao termo de Gil e Tunhas no quinto capítulo do seu livro). A tal caricatura poderse-á talvez chamar «ocidentalismo», um produto ideológico gerado no Ocidente (e não apenas através da má fé, cremos) mas hoje combatido por formas radicais sobretudo a partir do exterior, um exterior mais cultural do que geográfico, e que em qualquer caso não o separa do Ocidente caro a todos os herdeiros do espírito das Luzes. Apesar das suas semelhanças nítidas com a morte de Ceausescu, a execução de Hussein veicula, por força dos acontecimentos que a envolvem, um significado cultural – e, a prazo, supõe-se, também político – bem mais marcante. Se este for, como cremos, a generalizada confusão dos valores próprios do Ocidente com a sua funesta caricatura ocidentalista, será a própria premissa de Impasses, e de toda a cientificidade, que fica sob perigo de morte. Essa premissa, lembre-se, é a do valor intrínseco e inalienável da vida em todas as suas formas. Ela é o que distingue a modernidade, onde quer que esta se gere, de outras forma de vida que a combatem.

Topo da página

Bibliografia

Fukuyama, F., 2006a, A Construção de Estados,Lisboa, Gradiva.

Fukuyama, F, 2006b, Depois dos neoconservadores, Lisboa, Gradiva.

Gil, F., 2001, Mediações, Lisboa, INCM.

Gil, F., 2003, Impasses, Mem Martins, Europa-América (co-autoria com Paulo Tunhas).

Gil, F., 2004, Acentos, Lisboa, INCM.

Gomes Filipe, R., 2004, De Nietzsche a Weber, Lisboa, ed. J. Piaget.

Villaverde Cabral, M., 1998, Crónicas Realistas, Oeiras, Celta.

Topo da página

Notas

1 A nosso ver, contudo, a ligação entre Kant e Weber neste domínio (e noutros) não merece grande crédito. Como demonstrou Rafael Gomes Filipe na sua dissertação de doutoramento (Gomes Filipe, 2004), a influência decisiva no pensamento de Weber parece ter sido Nietzsche. Longe de ser uma questão menor de «influências filosóficas», é toda uma leitura da vida e das sociedades ocidentais que está aqui em causa.

2 Noutro texto, cf. p. 315, afirma-se numa perspectiva «ateia».

3 Relativamente à terceira hipótese, no mesmo passo é referida a sua contra-hipótese: «ela é compreensível». Aqui como em todo o livro, será a compreensão do senso comum (sinónima de «justificação»), não a compreensão weberiana partilhada por Fernando Gil, que está em causa. Esta cisão, mais a mais não declarada, terá consequências sobretudo na polémica em torno do livro, como veremos.

4 Apesar de recuperarem o «solipsismo» explicado por O’Brien a Winston durante o interrogatório em Mil Novencentos e Oitenta e Quatro, os autores não se servem de outros termos célebres desse romance que esteve para se intitular «O último homem na Europa», como «duckspeak», «doublethink», «thoughtcrime», etc. – pode simplesmente ser diferença de formação e influências literárias, mas é-me impossível não pensar que o léxico orwelliano seria pelo menos tão apropriado e certamente mais acessível aos leitores sem bagagem filosófica do que as formulações sartreanas, de resto nem sequer dispondo do seu autor para «dar testemunho» delas.

5 Fernando Gil, em entrevista a Carlos Vaz Marques, di-lo sem rodeios, cf. Acentos, p. 473.

6 Veremos como, no debate em torno do livro, mesmo leitores interessados como Manuel Villaverde Cabral sobre-subestimaram este capítulo.

7 No argumento em favor da «crise da representação» quem se destacou em Portugal foi, anos antes de Impasses ser escrito, Manuel Villaverde Cabral – num tom muito semelhante ao que Basílio Teles usara a respeito da I República (cf. a sua recolha em livro da colaboração que manteve durantes anos no Diário de Notícias, Villaverde Cabral, 1998).

8 Que esta questão remete directamente para a análise das evoluções que o pensamento de Marx conheceu nos vários marxismos é cabalmente evidenciado pelo próprio Fernando Gil, cf. p. 154, n. 44, o qual remete o marxismo de Império para as discussões com Althusser na década de 1960 (cf. Gil 2001: 427-442).

9 E que, em rigor, antecedeu a Administração Bush e o 11 de Setembro. Já ao comentar na revista Ler, antes de tudo isso, o livro de Fukuyama A Grande Ruptura usei esse mesmo termo para dar conta desta evolução do poder democrático e dos seus modos de emprego.

10 Isto apesar de neste capítulo encontrarmos algumas notas de tipo psicanalítico dispersas, sobretudo relativas ao narcisismo infantil islamita. Infelizmente não exploradas.

11 Depois disso, fosse na integração das comissões apoiando a candidatura presidencial de Cavaco Silva fosse na crítica às declarações sobre o caso dos cartoons de Maomé do então ministro dos Negócios Estrangeiros Freitas do Amaral, tudo serviu para o aproximar da Direita. Outro sem-sentido.

12 É sobretudo na discussão com Paulo Tunhas que isso transparece. Este identifica claramente a má-fé como operador da relação «compreender»/«justificar» (cf. p. 440) e declara que Weber não é invocável em «questões políticas actuais» (p. 445), uma petição de princípio bem desmontada na teoria e na prática (pessoal) por Villaverde Cabral (cf. pp. 445/6). Este lado de decreto unilateral do sentido das palavras, com o pretexto de se tratar de política e não de filologia, é aliás produtor de impasses, e mesmo de incompreensões graves para quem emprega o termo «guerra», como se nota (cf. pp. 441/2) na angelical incapacidade de Tunhas em ver na exibição das imagens de Saddam cativo não uma violação da intimidade mas uma violação das leis da guerra (idêntica, aliás, às que os EUA tinham denunciado contra o Iraque durante o conflito, relativamente a soldados da coligação feitos prisioneiros). Para não se ficar preso a estes impasses, cumpre lembrar que o livro tem por tema não a guerra mas o Ocidente.

13 Nada de grave nisto, aliás. É assim também noutras áreas, como as polémicas em torno da Língua e da Literatura, desde o acordo ortográfico de há duas décadas até à recente querela TLEB bem revelam. Do ruído retórico não se devem tirar mais consequências do que as da necessidade premente e permanente de novidade por parte do sistema mediático que entre nós faz a vezes de espaço público.

14 Veja-se o mais recente livro de Francis Fukuyama, já traduzido em Português (Fukuyama 2006b).

15 Isto, como é óbvio, não se aplica apenas ao argumento civilizacional de Gil e Tunhas a respeito do destino do Ocidente. Para não multiplicar exemplos, a tese de Fukuyama (Fukuyama 2006a) em favor de um primado da Sociologia sobre a Economia no tocante à necessária tarefa de construção de Estados enferma da mesma falta de efeitos; na realidade, aí a questão parece-nos jogar-se sobretudo na concepção da Economia como parte das ciências sociais e humanas e não, simplesmente pelo alto grau da sua formalização matemática, como área científica autónoma e estanque. A história das Ciências é nestes casos decisiva, e por isso mesmo a Obra filosófica de Gil é relevante para ler Impasses e o diálogo de Fukuyama com Hayek também o é para ler os seus trabalhos mais recentes.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Carlos Leone, « O Ocidente, a guerra e as ciências sociais e humanas: relembrando uma polémica portuguesa »Ler História, 53 | 2007, 193-211.

Referência eletrónica

Carlos Leone, « O Ocidente, a guerra e as ciências sociais e humanas: relembrando uma polémica portuguesa »Ler História [Online], 53 | 2007, posto online no dia 22 maio 2018, consultado no dia 30 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2986; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2986

Topo da página

Autor

Carlos Leone

BPD/FCT; director da revista Prelo, 3.ª série, Lisboa, INCM.

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search