Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros53Críticas e DebatesMagalhães-Vilhena: uma primeira p...

Críticas e Debates

Magalhães-Vilhena: uma primeira publicação de inéditos

José Barata-Moura
p. 213-222

Texto integral

1Vasco de MAGALHÃES-VILHENA, Estudos Inéditos de Filosofia Antiga, edição crítica, tradução e prefácio de Hernâni Resende, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (Serviço de Educação e Bolsas), 2005, LVIII + 390 pp.

21

  • 1 Para uma apresentação sucinta da figura e da obra, continua a ser fundamental: António Melo, «Magal (...)
  • 2 Para além do Prefácio que introduz e enquadra o presente volume (pp. XI-LIII), recorde-se, por exem (...)

3Hernâni Resende – que nos acostumámos a apreciar como destacado inves- tigador da história social e das ideias das Luzes europeias – oferece-nos agora uma excelente tradução e edição crítica, abundante e pertinentemente anotada, deste primeiro volume de inéditos de Vasco de Magalhães-Vilhena (1916-1993)1 cuja obra conhece como poucos, a cujo círculo mais restrito de amigos e de interlocutores intelectuais activamente pertenceu, tanto ainda em Paris durante os tempos de exílio como depois no Portugal de Abril a que ambos regressaram, e a cujo pensamento vem dedicando também importantes estudos2.

4Os dezanove textos – de incidência, extensão e grau de acabamento muito diferenciados (mas, sem excepção, de inegável interesse) – reunidos no volume sobre que nos debruçamos datam basicamente do período que medeia entre 1947 e 1967 (com algumas correcções e aditamentos entretanto introduzidos nos anos 70 e 80), foram todos originalmente redigidos em francês (dactilografados e estilisticamente revistos, nos passos e nos termos minuciosamente assinalados, por Helène Lanièce de Magalhães-Vilhena), e dizem respeito ao âmbito da filo- sofia, da sociedade e da civilização antigas, muito em especial, tendo a Grécia por contexto nuclear de referência.

5Trata-se, sem qualquer reserva, de um empreendimento editorial de grande valia para o conhecimento da produção filosófica portuguesa, num contexto de real internacionalização (ou de uma internacionalidade «vivida»), levado a cabo com saber e com discernimento, e que vem enriquecer o reportório do nosso património cultural, proporcionando uma base alargada fiável para o trabalho das gerações futuras.

  • 3 É calorosamente de aplaudir, no entanto, que tenha sido possível observar, com alta proficiência, u (...)

6O estudioso destas matérias – correndo embora o risco de ser (mal) inter- pretado como coralista pedante (ou pedestre) de um deslocado e obsoleto «rigorismo academicista» – não pode, todavia, deixar de lamentar que esta edi- ção, altamente meritória a todos os títulos, e bem conseguida, não contenha, a par da tradução (insisto, excelente), também uma transcrição completa dos textos originais do autor3.

7Hernâni Resende, com delicada elegância e desconsolo contido, faz, aliás, transparecer o seu desconforto relativamente a uma opção editorial que manifes- tamente o transcendeu, limitando-se a referir que se trata, não da «edição crítica ideal», mas «tão-só da edição crítica possível» (p. LV).

  • 4 Desenvolvido com base no Relatório sobre o espólio literário de Magalhães-Vilhena, elaborado por Ed (...)

8Espero confiadamente que no futuro – em linha, de resto, com a envergadu- ra deste projecto editorial4, já comprovadamente conduzido com mestria – se reúnam as condições indispensáveis para que este aspecto menos feliz seja apro- priadamente corrigido.

9Numa edição crítica consequente, a reprodução do teor original dos textos (que, ademais, no caso vertente, não seria redundante, nem determinaria, ao que presumo, sobrecustos incomportáveis) deve fazer parte do programa; não discrimina nem afasta leitores (contrariamente ao que a alguns seria dado opinarem) – acrescenta qualidade e utilidade à publicação, possibilitando que ela se torne objecto de uma pluralidade de interesses de leitura.

102

11Dito isto, que não poderia ficar envolto por um silêncio complacente, é imperioso deixar expressamente claro que este reparo – até porque qualquer investigação aprofundada nunca haverá de dispensar uma consulta aos fundos documentais de Magalhães-Vilhena que se encontram depositados na Academia das Ciências de Lis- boa – carece, no entanto, de uma dimensão e de um alcance susceptíveis de porem em causa, ou de prejudicarem sequer, a real importância da divulgação deste acervo, que passa, assim, a estar alargadamente colocado à nossa disposição.

12Com efeito, em termos muito genéricos e apenas indicativos, a publicação destes inéditos permite, designadamente:

  1. adquirir uma noção mais exacta da verdadeira dimensão da obra de Ma- galhães-Vilhena, fornecendo, desde logo, um adequado respaldo para a justa (mas provocativa) observação de Hernâni Resende (que, deste modo, se vê de pronto recolocada no seu genuíno contexto), segundo a qual «hoje é claro que Magalhães-Vilhena foi um autor que publicou pouco; não um autor que escreveu relativamente pouco» (p. XI); (para além de, como é sabido, a valia da «fazenda» de um autor se não medir propriamente «à peça», começamos agora, felizmente, a poder conhecer em muito maior extensão e profundidade a qualidade do «artigo» produzido);

    • 5 Cf. Vasco de Magalhães-Vilhena, Le problème de Socrate. Le Socrate historique et le Socrate de Plat (...)
    • 6 Presentemente, encontram-se reunidos, em versão portuguesa revista, em: Magalhães-Vilhena, «Surto t (...)

    esclarecer, completar e situar melhor – na sua génese, nos seus enqua- dramentos, e, por que não ?, em algumas hesitações – um conjunto de filosofemas que Magalhães-Vilhena desenvolveu em outros escritos da- dos formalmente à estampa, como as suas dissertações de doutoramento de Estado defendidas perante a Sorbonne em 19495, ou um conjunto de estudos dos anos sessenta do século passado, e que tiveram larga e me- recida repercussão internacional, sobre a «blocagem» social do desen- volvimento técnico e científico na cidade antiga6;

  2. penetrar na oficina, no estilo, e no modo de trabalho intelectual próprio de Magalhães-Vilhena, que amiúde – disparando aparentemente em vá- rias direcções, ou reiniciando esboços de itinerário – recorria à elabora- ção fragmentária de notas temáticas relativamente desenvolvidas, mas não sistematizadas, as quais só em parte, e modificadamente, eram depois retidas e incorporadas, em forma mais acabada e sequencialmente con- sistente, nos diversos ensaios e conferências;

  3. surpreender a originação de algumas perspectivas principiais para a co- locação e para o enfoque dos pontos a tratar, a partir de uma meditação pessoal, fundamentada e profunda de aspectos – à primeira vista, margi- nais ou incidentais – que transparecem em observações, nomeadamente, de Hegel, de Marx, ou de Lénine, e que daí são posteriormente retra- balhados em função dos temas em apreço e do material específico, reco- lhido de muitas outras origens, a eles directamente pertinente;

    • 7 Penso, nomeadamente, que estes inéditos contêm material não despiciendo para um estudo (que, ao que (...)

    reconstituir a visão problemática que preside às abordagens de Maga- lhães-Vilhena, onde um extenso e minucioso conhecimento de especiali- dade – no caso vertente, em sede de estudos clássicos com um forte sen- tido abrangente (que da filosofia e da literatura se estende à política e à economia, passando pelos diversos aspectos materiais e ideológicos da civilização) – é iluminado e perspectivado por interessantes ângulos de enquadramento que transcendem a mera intervenção informada nas dis- cussões técnicas e nas querelas de especialistas, ou o prolongamento de caminhos começados a trilhar pelos mestres7;

  4. detectar, disseminados ao longo das variadas anotações, aquilo a que cha- maria verdadeiros (e, por vezes, preciosos) «condensados de pensamento»; apenas a título ilustrativo, vejam-se, por exemplo, os tópicos em torno dos destinatários da polémica de Platão no Parménides 148 a-d (p. 15), da inter- pretação evolutiva das relações de Sócrates com o orfismo e o pitagorismo (pp. 49-53), do enquadramento social e ideológico da ciência (pp. 273-277), do estatuto social dos intelectuais (pp. 287-288), da necessária declinação no plural da «lógica» entre os Gregos (não se restringindo, por conseguinte, de modo algum, apenas à de Aristóteles na sua configuração canónica; pp. 291-294), da importância da questão da percepção social do «tempo» nos diversos estádios do desenvolvimento histórico (pp. 339-340), do lugar da mulher na divisão social do trabalho (p. 351), etc., etc; estes inéditos con- têm, de facto, todo um manancial de pistas e de sugestões.

133

14Porque o objectivo fundamental desta nótula é o de assinalar a qualidade e a importância da presente publicação – e, se possível, convidar à sua leitura e estudo –, seria perfeitamente descabido procurar apresentar dela uma qualquer visão resumida.

15Não obstante, gostaria ainda de destacar mais alguns pontos que se me afi- guram como sendo de reter, penitenciando-me, antecipadamente, pelo modo qua- se telegráfico da respectiva enunciação.

  • 8 «Sobre a segunda hipótese do “Parménides” e as origens da dialéctica hegeliana. Ensaio sobre a pré- (...)

16Assim, numa exposição efectuada em 1947 no grupo de trabalho dirigido por Jean Wahl na École Normale Supérieure de Paris8, Magalhães-Vilhena en- saia a abordagem de uma questão-chave da história da dialéctica dentro da nossa tradição filosófica: a necessidade de pensar, num mesmo movimento, a «exclu- são» e a «inclusão» do uno e do múltiplo, isto é, acrescentaria eu, a necessidade de forjar um instrumentário teorético articulado que permitisse penetrar no nú- cleo duro da contradição, tornando-a – contrariamente aos interditos correntes da lógica formal abstracta –, de alguma maneira, «pensável».

  • 9 Cf., por exemplo, Platão, Sofista, 259 e.

17Magalhães-Vilhena põe em evidência esta exigência crucial do pensamento dialéctico, a partir de uma reflexão bastante cerrada sobre um texto altamente complexo de Platão – o Parménides –, onde, precisamente, se desdobra um funda- mental confronto crítico e superador com o eleatismo (Parménides, Zenão), que não deixará de ter consequências para a compreensão da «participação» e da «combinação das Ideias»9.

  • 10 Cf. Noël Guterman e Henri Lefebvre, Morceaux Choisis de Hegel, Paris, Gallimard, 1938.

18Particularmente esclarecedora é a sensibilidade que Magalhães-Vilhena de- nota quanto à pertinência de uma convocação de Hegel para a dilucidação desta temática, estribando-se, para o efeito, e abrindo a sua implicação, numa passa- gem da Wissenschaft der Logik, que Noël Guterman e Henri Lefebvre haviam incluído na sua colectânea de Morceaux Choisis10.

  • 11 Cf. Georg Wilhelm Friedrich Hegel, Wissenschaft der Logik; Theorie Werkausgabe, red. Eva Molde- nha (...)

19No passo em questão, Hegel põe efectivamente em destaque como, para Platão, a dialéctica não é mais uma simples «arte» (Kunst) exterior (ao jeito da sofística), repousando sobre um mero «talento subjectivo» (subjektives Talent) de suscitar contraposições, mas como a «contradição» (Widerspruch) pertence à própria «objectividade do conceito» (Objektivität des Begriffes) na sua marcha de manifestação e de realização, tendo assim de ser pensada como inerente à dinâmica da finitude, ao próprio desdobramento do ser, e como «necessária» (notwendig) à própria «razão» (Vernunft) que dele procura dar conta11.

  • 12 «Quando nós enunciamos o não-ser, como parece, não enunciamos algo de contrário a aquilo que é, mas (...)

20Nestes inéditos deparamos também com evidentes sinais de um pensamento em gestação, por exemplo, quando Magalhães-Vilhena afirma tentativamente: «parece-me muito verosímil que o Sócrates do Parménides não seja o próprio Platão» (p. 7). Trata-se de uma posição que veio mais tarde a ser revista – como, aliás, Hernâni Resende refere em nota –, até porque, acrescento eu, não poderia ter escapado a Magalhães-Vilhena (como de facto não escapou, e até mais adiante neste mesmo texto) a imprescindível ponderação do alcance ontológico – e não apenas «lógico» (para efeitos de assentamento da possibilidade do juízo predicativo, e de refutação das interpretações dos megáricos) – da tese central do «não-ser» como alteridade, como um «outro», que precisa- mente se articula com toda esta problemática, e constitui um ponto nodal do Sofista de Platão12.

21Num outro registo, o ensaio «Platão, Aristófanes e o Sócrates Histórico» (pp. 27-136) assoma como uma peça imprescindível, um elo amplificante e corroborante (que, aparentemente, faltava), para se compreender a economia de pensamento que subjaz à ideia geratriz com êxito lançada nas dissertações de doutoramento apresentadas à Sorbonne.

22A par dos minuciosos e argutos estudos acerca dos testemunhos de Platão, de Xenofonte, de Aristóteles – mas também de Antístenes, de Ésquino e dos es- tóicos – sobre a figura e o magistério de Sócrates (expendidos nas teses), não poderia certamente ficar desatendida uma visitação pormenorizada da imagem socrática recolhida de Aristófanes e dos comediógrafos.

23A hipótese, repetidamente adiantada e apoiada, de uma «evolução», de uma eventual «mudança de campo» do Sócrates histórico entre o seu retrato caricatural em As Nuvens e os relatos platónicos relevando de uma quase-hagiografia pessoal e doutrinariamente idealizada, tinha efectivamente de conhecer também o confron- to com estas fontes, no fundo, de passar por uma prova que seria, da mesma sor- te, provação.

24É disso que Magalhães-Vilhena pormenorizada e criticamente se ocupa nes- te estudo, conduzido sempre com um lúcido intento de, no âmbito de uma reconstituição da «história social das ideias», nos devolver um «socratismo histó- rico» que acaba por se revelar como uma resultante do imbricado processo de reflexão (e de reflexo) dos seus posicionamentos em contextos objectivos deter- minados e na própria percepção social que deles tiveram, à sua maneira, diferen- tes «observadores», a partir de lugares e de tempos diferenciados de interroga- ção.

25Como Magalhães-Vilhena afirma, desde um horizonte metodológico que transcende largamente a singularidade do tema em apreço: «O caso, todavia, é que, devido às próprias particularidades literárias, os documentos que julgamos serem de reter (quer se trate de «discursos socráticos», de «apologias», de «acu- sações», ou de comédias) não podem deixar de reflectir, de uma maneira ou de outra, a realidade social objectiva. Ora é precisamente a maneira específica de reflectir a realidade, de acordo com as regras e convenções dos géneros literá- rios, que será um precioso auxiliar para tentar chegar à realidade reflectida para lá dos reflexos mais ou menos correctos da realidade.» (pp. 119-120).

26Na verdade, é bem esta a perspectiva configuradora que anima o seu traba- lho de filósofo e de historiador das ideias na perscrutação e no questionamento do material social concreto; é ela, afinal, que permite reconstituir percursos, descortinar sentidos, e demandar inteligibilidade.

  • 13 «Historicamente e teoricamente só há comunismo quando as classes ainda não existem ou quando já não (...)
  • 14 «Sendo muito diferente sob vários aspectos das utopias do céc. XIX, a utopia de Platão não era de t (...)
  • 15 «É facto, todavia, que foi o escravismo que tornou possível a liberdade formal na Cidade-Estado an- (...)
  • 16 «Se logicamente o desenvolvimento do mecanismo era possível no mundo antigo (ele nasceu na Grécia), (...)
  • 17 Cf., por exemplo: «Todo o trabalho é, por um lado, dispêndio de força humana de trabalho em sentido (...)
  • 18 Neste particular, é eloquente o partido que Magalhães-Vilhena tira, para o seu objecto peculiar de (...)

27Os numerosos e ricos textos – só na aparência avulsos – que neste volume se coligem, e ordenam, vêm, então, a cobrar a esta luz o seu verdadeiro alcance. É, no fundo, da demanda de «análise social de uma produção ideológica» (p. 191) que determinadamente se trata – quando se investigam documentadamente as posições socio-políticas de Platão, para lhe desmistificar o «comunismo» que a tradição lhe atrelou13 e para fazer emergir os traços de «utopia regressiva aristo- crárica» de que se reveste14; quando se põe em evidência o lugar central, porque estruturante, da escravatura no primordial separar de águas que, moldando (ma- terialmente) o próprio conceito (formal) de liberdade, cruza as realidades elemen- tares da sociedade antiga15 (e apenas à luz do qual o desprezo pelo trabalho ma- nual e, em determinados sectores, a depreciação da própria actividade mercantil, adquirem o seu verdadeiro viso e preparam a sua implicação16); quando, fazendo intervir (embora sem referenciação expressa) uma compreensão marxista das categorias de «trabalho em abstracto» e de «trabalho concreto» (p. 331)17, se desdobram em seguida percucientes considerações sobre a ciência e as técnicas na Antiguidade, e se desmontam curiosas objecções quanto ao papel desempe- nhado pelas classes nessas sociedades (pp. 357, 361) ou quanto à viabilidade e validade de uma aplicação do materialismo histórico a formações económicas e sociais não capitalistas, ou não modernas18.

284

29É tempo de concluir esta nota – tão despretenciosa, quanto descosida – so- bre o volume de inéditos de Filosofia Antiga de Magalhães-Vilhena, cuja publi- cação vivamente se saúda.

30Merecem atento registo e inequívoco louvor: a consciência estratégica (ma- terializada) da relevância da iniciativa; o cuidado e rigoroso trabalho do editor crítico, plenamente conseguido no cumprimento dos objectivos a que se propôs; e, sobremaneira, a valia intrínseca do material agora disponibilizado, que alarga a nossa base de conhecimento da produção filosófica portuguesa nos seus efecti- vos contextos, enriquece o seu teor constitutivo dado a público, e possibilita o empreendimento de novos itinerários de pesquisa.

31À Fundação Calouste Gulbenkian, e ao seu Serviço de Educação e Bolsas, é devida, pois, uma funda palavra de reconhecimento pelo apoio concedido a um projecto editorial que honra, e sedimenta, toda a imponente obra já desenvolvida em prol da preservação da memória, e do incitamento ao estudo, do nosso patri- mónio cultural no domínio das ideias.

32De Hernâni Resende deve enaltecer-se o competente trabalho com dedica- ção produzido, e a qualidade dos resultados a que aportou. Constituem seguras e fortes razões de estímulo para que prossiga, relativamente aos muitos outros materiais que ainda se encontram por tratar, este seu labor tão auspiciosamente encetado.

33Por fim, a melhor maneira que temos de agradecer a Magalhães-Vilhena a sua obra, sob tantos aspectos pioneira em termos nacionais e internacionais, é lermos, reflectirmos, e debatermos os seus escritos, num prospecto de prossecu- ção de uma tarefa de questionamento do mundo, da vida, e da cultura a que sem- pre devotadamente se entregou. Dele, muitos aprendemos; com ele, todos conti- nuaremos a aprender.

Topo da página

Notas

1 Para uma apresentação sucinta da figura e da obra, continua a ser fundamental: António Melo, «Magalhães-Vilhena, esboço de um retrato», Filosofia. História. Conhecimento. Homenagem a Vasco de Magalhães-Vilhena, ed. Eduardo Chitas e Hernâni A. Resende, Lisboa, Caminho, 1990, pp. 301-317.

2 Para além do Prefácio que introduz e enquadra o presente volume (pp. XI-LIII), recorde-se, por exemplo: A. Resende, «A História na investigação filosófica de Magalhães-Vilhena», Vértice, Lisboa, n.º 28 (1990), pp. 114-118, e «O Historismo como Princípio Metodológico do Pensamento Filosófico de Vasco de Magalhães-Vilhena», Ler História, Lisboa, n.º 42 (2002), pp. 233-245.

3 É calorosamente de aplaudir, no entanto, que tenha sido possível observar, com alta proficiência, um critério adequado para o tratamento das numerosas – e necessárias, porque constitutivas da mediação e da marcha do pensamento que se explicita – citações de passagens em grego, em latim, e em diferentes línguas modernas, que figuram, rigorosamente referenciadas, tanto no original como em cuidada tradução portuguesa.

4 Desenvolvido com base no Relatório sobre o espólio literário de Magalhães-Vilhena, elaborado por Eduardo Chitas e Hernâni Resende em 1997.

5 Cf. Vasco de Magalhães-Vilhena, Le problème de Socrate. Le Socrate historique et le Socrate de Platon, Paris, Presses Universitaires de France, 1952; e Socrate et la légende platonicienne, Paris, Presses Universitaires de France, 1952.
Existem traduções portuguesas da tese principal: O problema de Sócrates. O Sócrates histórico e o Sócrates de Platão, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1984, bem como da tese complementar: Platão e a Lenda Socrática. A Idealização de Sócrates e o Utopismo Político de Platão, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1998.

6 Presentemente, encontram-se reunidos, em versão portuguesa revista, em: Magalhães-Vilhena, «Surto técnico e científico e “blocagem” social na Cidade Antiga. Esboço de alguns problemas», Antigos e Modernos. Estudos de História Social das Ideias, Lisboa, Livros Horizonte, 1984, pp. 11-95. Um texto francês está igualmente disponível em: Magalhães-Vilhena, «Essor technique et scientifique et blocage social dans la cité antique. Esquisse de quelques problèmes», Anciens et Modernes. Études d’histoire sociale des idées, Paris, Méridiens Klincksieck, 1986.

7 Penso, nomeadamente, que estes inéditos contêm material não despiciendo para um estudo (que, ao que julgo, está por fazer) do relacionamento intelectual de Magalhães-Vilhena com o pujante ambiente de investigação que encontrou, e que activamente integrou, em Paris, por exemplo, com as constelações de pensamentos de Pierre-Maxime Schuhl (seu director de tese) ou de Jean Wahl.
Há, manifestamente, planos de intersecção das respectivas problemáticas e interesses; no entanto, será possível reconstruir igualmente os vectores de emergência dos pontos de vista e dos posicionamentos que configuram a autonomia do pensamento de Magalhães-Vilhena e os contributos que lhe são peculiares.
Para uma exploração desta temática, seriam, entre outras obras, de ter em conta, precisamente, pelo entrecruzamento dos motivos: Pierre-Maxime Schuhl, Essai sur la formation de la pensée grecque. Introduction historique à une étude de la philosophie platonicienne, Paris, Félix Alcan, 1934, e Machinisme et Philosophie, Paris, Félix Alcan, 1938; bem como: Jean Wahl, Étude sur le “Parménide” de Platon (1926), Paris, Jean Vrin, 19514, e Le Malheur de la conscience dans la philosophie de Hegel, Paris, Rieder, 1929.

8 «Sobre a segunda hipótese do “Parménides” e as origens da dialéctica hegeliana. Ensaio sobre a pré- história da dialéctica materialista», pp. 1-18.

9 Cf., por exemplo, Platão, Sofista, 259 e.

10 Cf. Noël Guterman e Henri Lefebvre, Morceaux Choisis de Hegel, Paris, Gallimard, 1938.

11 Cf. Georg Wilhelm Friedrich Hegel, Wissenschaft der Logik; Theorie Werkausgabe, red. Eva Molde- nhauer e Karl Markus Michel (doravante: TW), Frankfurt am Main, Suhrkamp Verlag, 1969, vol. 6, pp. 556-558.

Em termos da textualidade hegeliana, esta concepção deveria também ser aproximada dos passos per- tinentes das Vorlesungen über die Geschichte der Philosophie (designadamente, TW, vol. 19, pp. 62-86), bem como do § 81, e respectivos Zusätze, sobre «o momento dialéctico» (das dialektische Moment), da Enzyklopädie der philosophischen Wissenschaften (TW, vol. 8, pp. 172-176).

12 «Quando nós enunciamos o não-ser, como parece, não enunciamos algo de contrário a aquilo que é, mas apenas algo de outro.», Platão, Sofista, 257 b.

13 «Historicamente e teoricamente só há comunismo quando as classes ainda não existem ou quando já não subsistem.» (p. 225).

14 «Sendo muito diferente sob vários aspectos das utopias do céc. XIX, a utopia de Platão não era de todo a expressão prematura das tendências progressivas da sociedade. Pelo contrário. A sua utopia é um ideal regressivo.» (p. 220).

15 «É facto, todavia, que foi o escravismo que tornou possível a liberdade formal na Cidade-Estado an- tiga. [...]. A liberdade de alguns tem por preço a sujeição de muitos outros.» (p. 251).

16 «Se logicamente o desenvolvimento do mecanismo era possível no mundo antigo (ele nasceu na Grécia), socialmente tornou-se impossível por motivo da estrutura escravista da sociedade.» (p. 249).

17 Cf., por exemplo: «Todo o trabalho é, por um lado, dispêndio de força humana de trabalho em sentido fisiológico, e nesta qualidade de trabalho humano igual, ou de [trabalho] humano em abstracto, ele forma o valor de mercadorias. Todo o trabalho é, por outro lado, dispêndio de força humana de traba- lho em forma particular determinada por [uma] finalidade, e nesta qualidade de trabalho útil concreto ele produz valores de uso.» – «Alle Arbeit ist einerseits Verausgabung menschlicher Arbeitskraft im physiologischen Sinn, und in dieser Eigenschaft gleicher menschlicher oder abstrakt menschlicher Arbeit bildet sie den Warenwert. Alle Arbeit ist andrerseits Verausgabung menschlicher Arbeitskraft in besondrer zweckbestimmter Form, und in dieser Eigenschaft konkreter nützlicher Arbeit produziert sie Gebrauchswerte.», Karl Marx, Das Kapital. Zur Kritik der Politischen Ökonomie, I, 1, 1, 2; Marx- Engels Werke, ed. IML (doravante: MEW), Berlin, Dietz Verlag, 19772, vol. 23, p. 61.

18 Neste particular, é eloquente o partido que Magalhães-Vilhena tira, para o seu objecto peculiar de es- tudo, das perspectivas abertas en passant por uma observação crítica de Marx em O Capital, onde precisamente se limita a esboçar os tópicos que tornam insustentável a tese, cara a determinados repre- sentantes da economia política burguesa, de que a Idade Média teria podido viver do catolicismo ou o mundo antigo da política.

A referência corresponde a uma nota que acompanha a seguinte passagem: «As formas pré-burguesas do organismo social de produção são, portanto, tratadas por ela [pela economia política burguesa] algo como as religiões pré-cristãs pelos Padres da Igreja.» - «Vorbürgerliche Formen des gesellschaftlichen Produktionsorganismus werden daher von ihr behandelt wie etwa von den Kirchenvätern vorchristliche Religionen.», Marx, Das Kapital, I, 1, 1, 4; MEW, 23, p. 96.

A propósito de «cristianismo primitivo», e como simples reparo marginal proporcionado por uma ba- nal associação de ideias, verifico que na p. 316 – talvez por erro de leitura em alguma das fases da transcrição de documentos, ou então por lapso do próprio Magalhães-Vilhena – são referenciados dois conhecidos escritos de Friedrich Engels como: «Zur Geschichte des Urchristianismus» e «Bruno Bauer und des Urchristianismus». Os títulos correctos são, respectivamente: Zur Geschichte des Urchristentums (1894) e Bruno Bauer und das Urchristentum (1882).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Barata-Moura, « Magalhães-Vilhena: uma primeira publicação de inéditos »Ler História, 53 | 2007, 213-222.

Referência eletrónica

José Barata-Moura, « Magalhães-Vilhena: uma primeira publicação de inéditos »Ler História [Online], 53 | 2007, posto online no dia 30 maio 2018, consultado no dia 05 dezembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2991; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2991

Topo da página

Autor

José Barata-Moura

Faculdade de Letras – Universidade de Lisboa

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search