Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros53RecensõesFrédéric Vidal, Les Habitants d’A...

Recensões

Frédéric Vidal, Les Habitants d’Alcântara, Histoire Sociale d’un Quartier de Lisbonne au Début du 20ème Siècle

Presses Universitaires du Septentrion, 2006, 489 pags
Magda Pinheiro
p. 243-250
Referência(s):

Frédéric Vidal, Les Habitants d’Alcântara, Histoire Sociale d’un Quartier de Lisbonne au Début du 20ème Siècle, Presses Universitaires du Septentrion, 2006, 489 pags.

Texto integral

1O livro de Frédéric Vidal é uma versão abreviada da tese de doutoramento que defendeu em 2003 na Universidade Lumière / Lion 2. A pesquisa foi orientada por Yves Lequin e Miriam Halpern Pereira e desenrolou-se em grande parte em Lisboa, mostrando as virtualidades da circulação científica. Circulação, neste caso iniciada no quadro de uma rede Erasmus.

  • 1 Como um mapa de Portugal sem data, fonte ou escala, em que as províncias têm nomes nunca vistos, ou (...)

2Pela problematização, pela metodologia utilizada na pesquisa e pelo que essa pesquisa nos trouxe de novo, afirmemo-lo de imediato, este é um livro excepcional no panorama da História Urbana em Portugal. Deixemos por isso de lado algumas imprecisões irrelevantes1, Frédéric Vidal parte de um problema e de pressupostos metodológicos de um grande rigor. Trata-se do estudo de um bairro industrial num país pouco industrializado como Portugal. A sua investigação pretende participar da renovação metodológica e das problemáticas da História Contemporânea. Procura na pluralidade das sociedades urbanas questões como as identidades, as proximidades ou as distâncias entre os grupos, práticas e configurações sociais criadas em meios específicos. Fá-lo traçando os percursos e as origens dos indivíduos, as trocas culturais ou económicas, as políticas que no meio aberto da cidade estão em permanente mutação.

3O bairro acolhe a pluralidade de trajectórias individuais que se entrelaçam no seu espaço. É um dos lugares em que se jogam as interacções entre o social e o individual. O método de abordagem que preconiza inclui a pesquisa das redes de relações inter-individuais que articula com o estudo do meio urbano. A relevância do bairro de Alcântara como espaço de estudo é discutida, optando o autor por uma descrição da sua evolução física e humana, salientado as centralidades e pesquisando os limites quer no seu entendimento colectivo como nos aspectos administrativos.

4Frédéric Vidal faz-nos a descrição da evolução de Alcântara de arrabalde aristocrático a ninho de manufacturas no período posterior a 1755, da precoce industrialização que no período subsequente ao triunfo liberal trouxe a conversão dos conventos e de alguns palácios em fábricas, da constituição do pólo de grande indústria, albergando algumas das maiores empresas do sector têxtil, da metalomecânica e da indústria química no fim do século. O crescimento industrial fundamenta a identificação do espaço com a tradição operária que originou o próprio estudo. O decréscimo industrial é pesquisado através de uma amostra em fontes fiscais que naturalmente mostra a proliferação do pequeno comércio de características modestas. A grande indústria têxtil tem tendência a decrescer. Os estabelecimentos de maior valor locativo nos anos 20 são a CUF, a Companhia Nacional de Alimentação, a Companhia Industrial de Portugal e Colónias, a têxtil Perez Ferreira, a Socony Vacuum Oil Company, a Companhia Importadora de Ferro e a Sociedade Abel Pereira da Fonseca. As maiores empresas denotam a alteração representada pela construção do Porto de Lisboa. Juntamente com a inauguração das linhas de caminho-de-ferro do Oeste, de Cascais e de cintura produzem uma nova relação entre Alcântara e Lisboa, Alcântara e o País, Alcântara e as Colónias e Alcântara e os portos internacionais. São, como refere, menos empregadoras de mão-de-obra do que as antigas fábricas. Considera que na viragem do século Alcântara perde preeminência industrial face a Xabregas. Em 1900, o 4.º bairro tem 42% de trabalhadores na Indústria e em 1911 menos de 36%. A diversificação profissional afirma-se.

5Ao estudar os aspectos administrativos desde a transformação do lugar em paróquia com a reforma de 1770, quando a freguesia de São Pedro se desloca passando a nomear-se São Pedro em Alcântara, até à reforma de 1836 e à divisão da paróquia em duas com a criação do concelho de Belém em 1852 e posterior reunificação com o alargamento dos limites da cidade em 1885, atribui, seguindo Graça Índias Cordeiro, relevância à categoria bairro. Segundo o autor, os bairros judiciais e fiscais teriam contribuído para a persistência do nome do lugar já que, em 1852, o nome Alcântara era atribuído a um dos bairros. Cabe aqui referir que na toponímia de Lisboa há vários locais cujo nome diverge do oficial desde o século XVIII ou XIX mas continua a ser o mais utilizado. Os nomes de antigos lugares que continuam a ser usados estão longe de ser todos nomes de antigos julgados.

6Socorre-se dos dados disponíveis e detecta um período de crescimento específico da freguesia de Alcântara que se situa entre os recenseamentos de 1864 e 1900, sendo mais acentuado entre 1878 e 1890. Detecta uma taxa de masculinidade superior à de Lisboa e à do 4.º bairro. Em 1930, o número de famílias (entendido como o grupo de parentes vivendo na dependência de um mesmo chefe) é superior ao de fogos, aliás como em Lisboa, mas o número de habitantes por fogo é mais baixo, assim como a dimensão da família. Sendo mais alta a relação entre as famílias e os fogos, denota que várias famílias viviam em partes de casa ou abrigavam indivíduos isolados. Este é um aspecto que, no entanto, não é muito explorado no correr do estudo.

7O segundo capítulo é dedicado à imagem do bairro. Frédéric Vidal considera uma especificidade lisboeta o facto de os bairros populares emergirem como um património a proteger. Neles a identidade permanece forte mesmo quando a especificidade sociológica se atenua. Entre finais do século XIX e princípios do século XX, Alcântara é vista como um arrabalde operário e como um bastião republicano. As fontes de que se socorre são as literárias, a imprensa, os arquivos municipais e de associações, incluindo iconografia. Os recortes de imprensa, os programas e cartazes que os membros das direcções da Sociedade Promotora guardavam, os romances populares, como o intitulado O Galã de Alcântara, e a Olisipografia, quer o livro que João Paulo Freire escreveu sobre Alcântara, quer os dois capítulos das Peregrinações em Lisboa de Norberto Araújo, constituem igualmente fontes do estudo. Considera que o espaço de Alcântara, em finais do século XIX, é quase uma ausência, mesmo os planos hesitam em representar a totalidade do bairro. A imagem repulsiva da pestilência dos odores da Ribeira de Alcântara, canalizada da ponte até à foz com a construção do Porto de Lisboa, progresso saudado, a imagem da chaminé da Companhia de Fiação e Têxteis Lisbonense desde 1849, símbolo da Lisboa da nova indústria, ou ainda a da presença forte da CUF no século XX, moldam a imagem de Alcântara. Uma imagem que no início do Estado Novo é de declínio. Declínio industrial que o planeamento urbano confirma ao atribuir outros espaços às novas indústrias. A outra imagem da Alcântara republicana consolida-se em torno de alguns momentos marcantes como o apedrejamento de João Franco, em Agosto de 1906, ou as grandes manifestações em 1908. O contributo da Sociedade Promotora, a sua prática de ensino inserida nas grandes estratégias nacionais do partido republicano, acaba por se alicerçar numa sociabilidade local em que os notáveis têm um importante papel. Por fim o autor refere-se à mudança de tópicos na Lisboa do Estado Novo, quando se constrói a imagem do bairro popular centrada nas marchas lisboetas em que Alcântara tem o seu lugar. Tal como o autor prometia no início do capítulo a reflexão sobre a imagem do bairro revela-se rica de elementos de compreensão do seu funcionamento.

8É na segunda parte do livro que o essencial da investigação, compreendendo os métodos de abordagem das relações interpessoais no bairro, é exposto. Escolhem-se duas ruas, a Rua da Cruz e a Rua Feliciano de Sousa. O autor utiliza os registos paroquiais e, após 1911, o registo civil. Trata-se de fontes cuja utilização não constitui novidade. Foram utilizadas quer por genealogistas, quer pelos historiadores da corrente de Demografia Histórica que em Portugal tem como principal impulsionadora Norberta Amorim. A extensão deste método para estudos de história social fez-se em França com o projecto das 3000 linhagens familiares representativas da população francesa, mas acabou por comportar problemas de difícil solução e os estudos que daí resultaram têm, segundo Frédéric Vidal, resultados circunstanciais. Considera que o método de Norberta Amorim põe problemas de definição espacial para estudo das mobilidades, pois só são incluídos no estudo os indivíduos nascidos, casados e mortos na paróquia.

9Desenvolver um estudo relevante em tempo útil obriga a limitar as fontes a um só tipo. Frédéric Vidal escolhe a que considera conter mais informação e abranger a maior quantidade de população ou seja o registo de baptismo. Escolhe ainda dois períodos para estudar, 1900 a 1910 e 1930 a 1939. Trinta nascimentos por ano na rua da Cruz e uma vintena na rua Feliciano de Sousa são assim a base do corpus estudado. A amostra revela-se por vezes limitativa na abordagem de algumas frequências relativas, dando resultados que não são significativos, como o autor refere. É no entanto notável a informação que consegue extrair das suas fontes e contributo que dá para o nosso conhecimento e contextualização urbana dos meios populares.

10Aborda primeiro a relação dos pais, habitando as duas ruas escolhidas, com a cidade. As duas ruas revelam algumas diferenças embora se verifique em ambas a presença de uma proporção importante de recém-chegados à cidade. 28% para os pais dos indivíduos baptizados e 37% para as mães da rua da Cruz em 1900-1910. Para além das diferenças entre as duas ruas, o estudo encontra como origens mais frequentes dos pais nascidos fora do concelho de Lisboa, os distritos de Castelo Branco, Viseu, Coimbra, e Guarda. Os concelhos de Seia, Gouveia, Guarda, Covilhã, Tábua e Oliveira do Hospital são os mais frequentemente nomeados. O número dos nascidos em Lisboa aumenta nos anos 30, enquanto diminui a dispersão dos locais de origem dos pais das crianças baptizadas. As ligações, segundo o autor, tornam-se então mais fortes. Aliás, muitas vezes, sobretudo as mulheres, iam casar à terra de origem já depois do nascimento do primeiro filho. A ilegitimidade tenderia porém a diminuir após 1930. Dos nascidos em Lisboa muitos casaram na paróquia, nas paróquias limítrofes ou em áreas com características semelhantes. A maioria dos que nasceram em Alcântara casa também em Alcântara. Haveria pois um núcleo de população muito estável. As mulheres parecem ter um papel integrador no meio urbano. No entanto, os oriundos da Beira Interior parecem ter mais tendência para a escolha de conterrâneos para companheiros.

11A procura dos laços de parentesco e de vizinhanças também é ensaiada. Por um lado através dos laços de parentesco indicados na fonte, por outro através da pesquisa sistemática das informações sobre os padrinhos. Nos anos 30, sendo as residências mais vezes conhecidas, permite ao autor concluir que a maioria dos padrinhos são familiares do pai ou da mãe da criança e residem em Lisboa ou nos arrabaldes próximos da cidade. Considera obter na sua reconstituição os laços de parentesco úteis. O estudo permite-lhe ver que as relações de proximidade residencial entre irmãos aumentam entre 1900 e 1930. Os próprios padrinhos também têm por vezes relações familiares entre si. Os padrinhos aparecem no entanto mais ligados aos pais e as madrinhas às mães.

12A procura das linhagens familiares situa numa nova luz os processos de migração e integração urbana. Uma grande parte dos irmãos presentes nas duas ruas nasceu em Alcântara. Por outro lado, todos os irmãos ou irmãs nascidos fora de Lisboa são da mesma freguesia e concelho. Emigram para Lisboa para residir no mesmo bairro. A descrição do percurso de algumas famílias exemplifica como os laços de parentesco são importantes, revelandose por vezes uma coabitação. As migrações enquadram-se num esquema familiar. Um outro elemento relevante é a ausência de deslocações residenciais entre o centro da cidade e a sua periferia, situando-se estas geralmente no oeste da cidade. A metodologia utilizada revela-se extremamente frutuosa nesta parte do estudo.

13As identidades profissionais são abordadas na terceira parte do livro. A profissão é apenas um elemento suplementar de identificação no registo de baptismo, contendo, no entanto, a vantagem da diminuição do papel do mediador na informação que é espontaneamente prestada. O primeiro problema que coloca é o do sub-registo das profissões femininas. A profissão dos pais é interpretada como a profissão do pai. A profissão das madrinhas nem é requerida. O autor vê emergir da sua fonte o estatuto de doméstica no seguimento dos trabalhos de Virgínia Baptista. As mães cuja profissão é declarada no início do século dizem-se operárias, criadas de servir ou varinas. Nos anos 30, estudantes, empregadas de comércio, modistas ou parteiras aparecem como profissão das mulheres solteiras enquanto as casadas são sistematicamente referidas como domésticas. Nos pais o autor releva uma lista de profissões diversificada em que há uma pequena lista de profissões mais citadas e uma longa lista variada. A profissão que ultrapassa os 20% é a de trabalhador. O tipo de distribuição revela ruas onde se cruzam operários, artesãos, o mundo do pequeno comércio, alguns empregados, funcionários de polícia e da marinha. Os metalúrgicos são uma parte importante dos trabalhadores qualificados. Nos anos 30 as profissões das duas ruas são mais homogéneas do que no princípio do século, quando a Rua da Cruz era mais popular, e os empregados são mais numerosos. Emergem novas profissões ligadas a mutações industriais, como a de electricista.

14Conclui que a declaração no registo civil nos reenvia à percepção que cada indivíduo tem da sua posição social, mas ainda ao papel de mediadores dos que escrevem os registos. A reflexão sobre a construção das representações sociais das profissões leva-o mais uma vez a valorizar os aspectos relacionais. O nível de reconhecimento de uma competência é, sem cessar, renegociado. O Instituto de Orientação Profissional, fundado em 1925, fornece as fontes comparativas que utiliza nos inquéritos feitos em 1926/27. Os binómios profissão/especialização e ofício/emprego orientam o percurso em sectores tradicionais como a metalurgia, a profissionalização em novas profissões como os electricistas e os motoristas. Nos registos paroquiais estão presentes a especialização, o sector de actividade e a hierarquia profissional. A conclusão desta terceira parte do livro aponta a persistência do sistema de oficina, já referido por João Freire, e a existência de uma fraca especialização das profissões. Ter um bom emprego seria já nos anos 30 mais importante do que estar ancorado na identidade de um ofício.

15A quarta e última parte do livro apresenta o estudo das proximidades e distâncias sociais. A diversidade social é pesquisada através da análise das profissões de pais e padrinhos, ou dos casais pai/mãe ou padrinho/madrinha. A escolha põe no centro da pesquisa o par pai/padrinho. Os resultados que emergem são o de uma forte relação de vizinhança, 33% na rua da Cruz e 31 % na rua Feliciano de Sousa. A parte dos que moram no mesmo prédio não é desprezável e 2/3 habitam Alcântara. O baptizado consolidaria laços já existentes. O padrão do compadrio parece dar mais importância à rede das relações individuais do que às tradições, sendo a vizinhança mais importante para os casais oriundos da Beira.

16O estudo das interacções entre indivíduos está ancorado nos trabalhos desenvolvidos por historiadores como Giovani Levi e Mauricio Gribaudi. Autores que analisaram as interacções individuais nos diversos contextos sociais em que evoluem os indivíduos. Na lista das profissões é detectada uma distância sociológica pequena entre os pais e os padrinhos. A frequência relativa dos trabalhadores no conjunto dos padrinhos é metade da existente no conjunto dos pais. As declarações de profissão dos padrinhos seriam também mais precisas e o estatuto profissional mais valorizado. O autor considera as relações de compadrio como eixos de abertura entre meios sociais, podendo potenciar a ascensão social. Um agrupamento seguindo as classificações dos recenseamentos com pequenas modificações mostra que 75% dos padrinhos e 45% dos pais estão ligados à indústria. As categorias indústria e metalurgia representam 80% dos pais mas só metade dos padrinhos. O grupo dos ligados ao comércio é três vezes superior no grupo dos padrinhos sendo notoriamente mais valorizado. A utilização de outras categorias respigadas em Seweel coloca, sem surpresas, os trabalhadores desqualificados em baixo da escala do prestígio. Os operários qualificados são fortemente coesos no interior do seu grupo. Os empregados de comércio têm também uma forte coesão.

17Os trabalhadores desqualificados escolhem os padrinhos sobretudo dentro do próprio grupo. Em 1900, 55% dos pais trabalhadores escolhe padrinhos também trabalhadores ou um membro da Igreja. Escolhendo como grupo de estudo duas profissões da metalurgia, o autor encontra também uma forte componente profissional na escolha do padrinho. Nos anos 30 há um comportamento diferente de caldeireiros e de serralheiros, os últimos evoluem num meio mais diversificado que inclui funcionários e empregados do comércio. O autor salienta que a segunda profissão pode ser exercida em empresas de vários sectores. Esta característica coexiste muitas vezes com a escolha na vizinhança e no núcleo familiar, mas não se trata de uma regra. Permanecendo no mesmo grupo social outros casais escolhem padrinhos noutros locais da cidade ainda que não se trate de familiares. As aberturas em vez de se fazerem em termos de espaço social fazem-se em termos geográficos.

18Outro dos universos analisados é o dos empregados de comércio. O comércio aparece como muito próximo do operariado. É tido como uma promoção quando exercido pelo marido, complemento se exercido pala mulher ou refúgio face à ostracização de leaders sindicais ou vítimas de acidentes profissionais. A escolha de padrinhos no interior do grupo é importante, mas há um universo de relações rico e favorável aos pais. A vizinhança parece ter um papel importante na definição dos padrinhos.

19O autor conclui que nos três universos profissionais há uma grande complexidade de práticas relacionais. Nenhum factor de diferenciação entre os indivíduos age separadamente. O universo da qualificação permanece um dos factores mais importantes. As formas de emprego teriam também a sua relevância, tal como a vizinhança.

20As conclusões intermédias foram testadas através da atribuição de codificações numéricas com tratamento matemático e apresentação gráfica clara. Os gráficos de tipo radar indicam, através da posição dos triângulos em relação aos eixos, ligações à cidade, profissão do pai, profissão do padrinho e relações de parentesco. Na conclusão os contextos do bairro de Alcântara são considerados como o contributo desta pesquisa para um futuro estudo das transformações de Lisboa na época da industrialização. A grande cidade portuguesa gera meios compósitos e plurais, escreve o autor. São sobretudo as múltiplas formas de emprego que geram as distinções sociais. Os tempos da evolução das duas ruas estudadas reflectem a mudança da posição do bairro na cidade e também as mutações do mercado do trabalho e do povoamento.

21O estudo de Fédéric Vidal contribui para o nosso conhecimento dos bairros populares lisboetas neste período. Outros estudos sobre bairros ou ruas com características diferentes, e sobretudo sobre períodos mais recuados, poder-nos-iam ajudar a compreender melhor o novelo em que tempos longos, curtos, espaços e comportamentos dos habitantes se entrelaçam para fazer a cidade.

Topo da página

Notas

1 Como um mapa de Portugal sem data, fonte ou escala, em que as províncias têm nomes nunca vistos, ou o erro nas datas de abertura do cami- nho-de-ferro em Alcântara e do início de trans- portes colectivos em Lisboa.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Magda Pinheiro, « Frédéric Vidal, Les Habitants d’Alcântara, Histoire Sociale d’un Quartier de Lisbonne au Début du 20èmeSiècle »Ler História, 53 | 2007, 243-250.

Referência eletrónica

Magda Pinheiro, « Frédéric Vidal, Les Habitants d’Alcântara, Histoire Sociale d’un Quartier de Lisbonne au Début du 20èmeSiècle »Ler História [Online], 53 | 2007, posto online no dia 30 maio 2018, consultado no dia 25 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2993; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2993

Topo da página

Autor

Magda Pinheiro

Dep. História / CEHCP – ISCTE

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search