Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros53RecensõesDouro: Estudos & Documentos. Acta...

Recensões

Douro: Estudos & Documentos. Actas do 2.º Encontro Internacional História da Vinha e do Vinho no Vale do Douro, 3 vols. (n.os 17-19)

Porto, GEHVID/Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2004-5
Susana Chalante
p. 256-260
Referência(s):

Douro: Estudos & Documentos. Actas do 2.º Encontro Internacional História da Vinha e do Vinho no Vale do Douro, 3 vols. (n.os 17-19), Porto, GEHVID/Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2004-5.

Texto integral

1A revista Douro: Estudos & Documentos, que desde 1996 vem prestando um inestimável contributo para a divulgação de trabalhos e de fontes relativos à região cujo nome adoptou como título, publicou recentemente as actas do 2.º Encontro Internacional de História da Vinha e do Vinho no Vale do Douro, um evento realizado em Outubro de 2004, organizado pelo GEHVID (Grupo de Estudos de História da Viticultura Duriense e do Vinho do Porto – Faculdade de Letras da U. Porto). Estas actas reflectem o trabalho científico que vem sendo desenvolvido pelo citado grupo de estudos e por outros investigadores que participaram no congresso, denunciando também a preocupação de diálogo multidisciplinar entre a história (económica, social, da arte, das instituições), a arqueologia, a etnologia, a geografia, a antropologia e outras áreas, com balizas cronológicas bastante latas (Idade Média, Moderna, Contemporânea).

2As 52 comunicações agora editadas em três volumes, numa sequência puramente alfabética (é pena que os editores não tenham adoptado uma organização temática), foram apresentadas por investigadores portugueses (Universidades do Porto e de Trás-os-Montes), espanhóis (Universidades de Madrid e de Cádiz), e de outras nacionalidades (Ivanira Falcade do Brasil e Voula Lambropoulou da Grécia), que ao longo dos anos se têm dedicado à problemática do vinho e da vinha em diversas regiões do mundo. Os temas apresentados no referido Congresso correspondem aos objectivos pretendidos pelo GEHVID, ao propor agregar «investigadores de vários domínios e épocas (...) procurando romper com as tradicionais barreiras académicas da especialização temática e temporal na pesquisa histórica (...), assumindo, como instrumentos estratégicos de acção, o diálogo interdisciplinar, o diálogo inter-universitário e o diálogo com a região de qualidade bastante diversa» (Gaspar Pereira, vol. II, p. 163).

3A abrir o volume I, e no âmbito da história do vinho, Alberto Ramos Santana define o contexto em que os vinhos licorosos espanhóis eram utilizados (1875-1931) e de que forma forneciam prestígio aos banquetes onde eram oferecidos, trabalho no seguimento do seu estudo de 1992 sobre a sociabilidade e o vinho. Ainda no mesmo plano, Javier Maldonado Rosso, na linha de investigação a que se tem dedicado nos últimos anos, traça as origens do vinho fino espanhol e as suas principais características. Marc Jacquinet analisa as transformações tecnológicas e institucionais do vinho do Porto ao longo de vários períodos (1680-1970). Numa perspectiva económica, Amândio Jorge Morais Barros refere o contributo dado pela Armada para a expansão da vinha na região (século XVI). O papel dos comerciantes ingleses na dinamização do comércio do vinho do Porto no século XVIII é analisado por António Barroso Cardoso. Francisco Ribeiro da Silva retrata a dificuldade experimentada pelos negociantes ingleses no século XVIII para entrarem no mercado português e Marta Centeno investiga os comerciantes, nacionais e estrangeiros, no tempo de Pombal. As exportações de vinho para as Índias Britânicas (séculos XIX e XX) e de outros produtos, como azeite e frutas, em épocas de crise vinícola, que saíam da barra do Douro (entre 1818 e 1825) são explorados, respectivamente, por Jorge Martins Ribeiro e J. A. Gonçalves Guimarães. Os espanhóis José António Negrin de la Pêna, José Manuel Garcia de la Cruz e Gemma Durán Romero analisam as obras do economista Adam Smith sobre o vinho e de David Ricardo sobre o desenvolvimento do vinho do Porto no século XVIII, para concluírem que este produto, ao tornar-se um elemento de estudo nas respectivas análises, vem traduzir a sua importância no desenvolvimento da actividade económica. Muito útil, apesar de não ser exaustivo, é o levantamento da bibliografia internacional sobre a história económica da vitivinicultura, publicada entre 1998-2002, apresentado por Aurora Gámez Amián.

4A investigadora do GEHVID, Ana Sílvia Albuquerque de Oliveira Nunes, na sua abordagem biográfica dos principais elementos da administração da Real Companhia Velha, conclui que esses indivíduos vão preencher os cargos cimeiros da Câmara Municipal do Porto (1756-1855). Do mesmo tipo de abordagem trata Eduardo C. Cordeiro Gonçalves, ao efectuar o perfil sociológico dos fundadores do Centro Nacional e do Partido Nacionalista (1901-1910), verificando a predominância de proprietários fundiários neste partido, o que vai explicar a orientação do nacionalismo católico na preservação do modelo rural e agrícola pré-capitalista das regiões Norte e Centro.

5No âmbito do projecto «O Douro Contemporâneo: Sociedade, Economia e Instituições», do GEHVID, Carla Sequeira estuda o ano de 1926 enquanto ponto de viragem na história sócio-institucional duriense. Ainda como resultado do mesmo projecto, Maria Antonieta Cruz analisa as repercussões das transformações políticas, económicas e sociais do século XIX na composição da elite duriense. De um ponto de vista político, Célia Taborda trata das reacções regionais às medidas restritivas promulgadas pelo Estado liberal, de 1822 a 1852. Já Fernando Peixoto analisa a história institucional do entreposto de Gaia (1926-1935), enquanto potenciador de conflitos entre produtores de vinhos. No fim do seu trabalho apresenta um quadro com a principal legislação relativa este tema (1907-1989).

6De épocas mais remotas tratam os textos sobre arqueologia de Carlos A. de Almeida e Ana Paula Almeida, que analisam as origens romanas da vinha no planalto de Alijó, de Cláudio Laranjeira Brochado, sobre os oito lagares cavados na rocha de entre Lima e Cávado e dos investigadores do GEHVID, da equipa de História Antiga, João Viana Antunes, Pedro Baére de Faria, sobre lagaretas rupestres do castelo do Cadaval, Murça.

7O estudo de Armando Malheiro da Silva sobre a utilização do Modelo Sistémico de Informação Activa e Permanente (SIAP), uma ferramenta analítica ao dispor de todos os investigadores e arquivistas que estudem fontes inéditas relacionadas com o vinho do Douro, revela-se bastante útil. Assim como o tratamento da literatura enquanto fonte, de forma a colmatar alguns silêncios documentais, patente na análise do romance de Alves Redol, Porto Manso, por João Luís Sequeira Rodrigues, que nos transporta para uma dimensão humana e social da faina duriense, dos anos 40 do século XX, de forma pouco habitual. A mesma preocupação metodológica é realçada no trabalho de Maria Otília Pereira Lage e Jorge M. B. Lage, que, a pretexto de uma abordagem sócio-histórica e cultural das populações de Santo Adrião de Sever (1950-1960), feita através do livro Saber Sever, de João de Sever, nos apresentam uma importante reflexão sobre a relação entre história, literatura e fontes.

8A interdisciplinaridade pretendida pelo GEHVID é conseguida através dos trabalhos sobre as consequências geo-ambientais da precipitação na região demarcada do Douro, verificada entre 1980 e 2004, de António de Sousa Pedrosa e Márcio Ribeiro Martins, ao identificarem estratégias de gestão do risco e soluções na gestão do uso do solo. Os mesmos autores e Fantina Tedim Pedrosa apresentam ainda um estudo sobre a erosão sofrida na mesma zona, definindo as suas características geológicas, climáticas, morfológicas, edáficas (1931-2002), as diferentes técnicas utilizadas na cultura da vinha, as suas implicações no perfil e declive das vertentes e o seu impacto na dinâmica dos processos erosivos. No âmbito do projecto TERRISC de recuperação de paisagens de terraços e prevenção de riscos naturais no vale do Douro (entre Tâmega e Corgo), desenvolvido pelo departamento de Geografia da FLUP, Carlos Bateira, Ângela Seixas, Susana da Silva Pereira procedem a uma análise geomorfológica e histórica (identificação dos movimentos de vertente na região do Douro vinhateiro) de forma a preservar a paisagem do Douro e a ordenar e planear o território. Na área da agronomia, Jorge Bernardo Lacerda de Queiroz, defende a importância das intervenções “em verde” nas vinhas tradicionais do Douro, enquanto José Alves Ribeiro, António José Magalhães, Fernando dos Santos Alves e Branca Rosa Teixeira, advogam processos alternativos na manutenção do solo e controlo de infestantes nas vinhas do Alto Douro.

9É evidente que a publicação de um tão grande número de comunicações, e a ausência de um trabalho posterior de selecção e de editing, se traduz numa inevitável desigualdade dos textos. Também se poderia notar a falta de alguns temas, apesar da proliferação de abordagens temáticas específicas. Por exemplo, numa altura em que se aposta na promoção do turismo na região demarcada, é de constatar a lacuna de trabalhos sobre enoturismo no Douro. Parece-nos, todavia, que os objectivos iniciais dos organizadores – GEHVID – foram plenamente conseguidos com a realização do colóquio e, agora, com esta publicação das respectivas actas, sobretudo porque se encetou um diálogo interdisciplinar com a participação de especialistas nacionais e estrangeiros.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Susana Chalante, « Douro: Estudos & Documentos. Actas do 2.º Encontro Internacional História da Vinha e do Vinho no Vale do Douro, 3 vols. (n.os 17-19) »Ler História, 53 | 2007, 256-260.

Referência eletrónica

Susana Chalante, « Douro: Estudos & Documentos. Actas do 2.º Encontro Internacional História da Vinha e do Vinho no Vale do Douro, 3 vols. (n.os 17-19) »Ler História [Online], 53 | 2007, posto online no dia 30 maio 2018, consultado no dia 30 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/2998; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.2998

Topo da página

Autor

Susana Chalante

Mestranda em História Moderna e Contemporânea ISCTE

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search