Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros53RecensõesCruzeiro, Maria Manuela e Bebiano...

Recensões

Cruzeiro, Maria Manuela e Bebiano, Rui (orgs.), Anos Inquietos. Vozes do Movimento Estudantil em Coimbra [1961-1974]

Porto, Edições Afrontamento. 2006
Patrícia Rosa
p. 266-270
Referência(s):

Cruzeiro, Maria Manuela e Bebiano, Rui (orgs.), Anos Inquietos. Vozes do Movimento Estudantil em Coimbra [1961-1974], Porto, Edições Afrontamento. 2006.

Texto integral

1De forma a colocar em confronto convicções e atitudes que, no interior de um espaço que é fundamentalmente o do meio estudantil coimbrão, se projectam em várias direcções e a partir de diferentes períodos, está em desenvolvimento um projecto multidisciplinar de investigação, «Culturas Ju- venis e Participação Cívica: diferença, indiferença e novos desafios democráticos», conduzido pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Este projecto, coordenado pelo historiador Rui Bebiano e pelo sociólogo Elísio Estanque, conta com a participação do Centro de Documentação 25 de Abril e ainda com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

2Este livro, que é um dos primeiros a recolher sob a forma oral excertos de histórias de vida de alguns dos intervenientes no movimento estudantil, não é um estudo. Esta obra reúne um conjunto de testemunhos em que por vezes existem informações ou pontos de vista contraditórios. Caso fosse um estudo, essas contradições levariam os investigadores a averiguar, corrigir e contextualizar antes de publicar. Ou seja, no fundo, é colocado ao dispor do leitor o testemunho em forma de documento escrito e, como qualquer outro documento, não dispensa uma leitura aprofundada, uma interpretação da informação e essencialmente a sua crítica.

3Assim, surgem sob a forma de entrevistas editadas, sete testemunhos recolhidos em Coimbra, entre 2004 e 2005, por Rui Bebiano, actualmente professor da História do Presente e também de Culturas Contemporâneas na Universidade de Coimbra, e Maria Manuela Cruzeiro, investigadora do Centro de Documentação 25 de Abril com várias obras editadas resultantes do seu trabalho em Historial Oral.

4A escolha destes testemunhos, na maioria próximos da entrevistadora, não é resultado do acaso. Segundo os organizadores da obra, Rui Bebiano e Maria Manuela Cruzeiro, estavam determinados à partida alguns critérios: uma boa memória (mesmo que esta contenha lacunas, contradições ou até mesmo bloqueios); a ausência de uma leitura excessivamente nostálgica; grande capacidade de interpretação crítica da sua experiência enquanto estudantes universitários e cidadãos; uma clara atitude de inquietude e de resistência ao regime do Estado Novo e ao modelo político e cultural praticado pelo mesmo; e ainda o «ser de esquerda». Importa ainda acrescentar a estes critérios o facto destes testemunhos não serem pessoas com nomes mediáticos. Contudo, foram por vezes vozes decisivas no movimento estudantil em Coimbra entre 1961 e 1974 e, por isso, também não são vozes anónimas, cada um teve um percurso de forte intervenção e mesmo de relevância dentro de cada uma das suas áreas.

5Duas mulheres e cinco homens, «na proporção ao equilíbrio da altura», partilham a imagem que preservam dos seus tempos universitários e a imagem que deles foram construindo e, assim, é apresentada uma variedade de olhares contemporâneos sobre uma época caracterizada por várias crises académicas que nos últimos anos têm despertado o debate entre os investigadores.

6Eliana Gersão, jurista aposentada, o cirurgião angolano Fernando Martinho, Carlos Baptista, antigo director delegado de um empresa em Moçambique de onde é natural, o psiquiatra Pio de Abreu, a geógrafa Fátima Saraiva, José Cavalheiro, engenheiro e investigador do Instituto de Engenharia Biomédica, e o pediatra Luís Januário são os nomes das personalidades que, entre as datas indicadas, foram os activistas de segunda linha e a quem a memória das aulas e da Universidade surge com alguma distância, não lhe sendo dada particular importância.

7Segundo as palavras de Rui Bebiano, no prefácio da obra, «os anos 60 não foram maravilhosos nem terríveis, foram um tempo de permanente construção», sendo que os movimentos estudantis ocorridos nos anos 60 e 70 permanecem ainda hoje na memória colectiva.

8Através destes testemunhos podemos verificar que o movimento estudantil nos momentos de crise se caracterizou pela unidade em torno de causas comuns e que, para além dos dirigentes políticos e culturais, também participaram milhares de estudantes, muitos deles anónimos até hoje. Apesar de alguns terem em comum a proximidade ao PCP, não deixaram de ter as suas singularidades, optando por intervenções públicas, formas de vida e de estar no movimento diferentes. Embora fossem poucos os que sabiam quem eram os comunistas, no geral a influência do PCP fez-se sentir até à data da invasão da Checoslováquia, como alguns testemunhos destacam.

9Na década de 60 desenvolve-se, de forma cada vez mais evidente, a luta sobre o papel da mulher na sociedade, impelida pela publicação da «Carta a uma Jovem Portuguesa» na Via Latina, como refere Eliana Gersão e, paralelamente, introduzem-se alterações no discurso associativo.

10Para além das manifestações de insatisfação no meio académico um pouco por todo o mundo, cujos ecos chegavam a Portugal no final da década de 60, a crescente desconfiança na guerra colonial que, de forma cada vez mais significativa, representava para muitos jovens a necessidade de emigração de forma a evitar um possível destacamento para uma zona de guerra e, como refere Pio de Abreu, o contacto com o «país real», pobre e abandonado pelo regime, durante o trabalho voluntário de apoio às vitimas das cheias de Loures em 1967, levam a uma politização do meio estudantil, fortemente marcado pelo modus faciendi revolucionário instalado pelos marxistas.

11Enquanto até aqui os estudantes se envolviam em acções que aspiravam a alterações na política governamental para o sector educativo, na passagem da década de 60 para a de 70, estes procuram iniciativas mais amplas de forma a contestar o regime, intensificando por exemplo a contestação à guerra colonial ou procurando intervir na sociedade através de campanhas de alfabetização e outros trabalhos voluntários, como destaca Luís Januário.

12A Associação Académica de Coimbra (AAC) teve um papel essencial na organização do movimento mas, ao longo dos anos, houve outros espaços de organização estudantil sem os quais o movimento não teria sido igual, como a Comissão Pró-Eleições, a Junta de Ciências, entre outros, que, nos meses em que a AAC esteve fechada, asseguraram o movimento. Da mesma forma que surgem espaços alternativos de encontro e discussão, constituem-se outras organizações que, por sua vez, introduzem novas formas dos estudantes intervirem acabando por substituir as associações por formas de contestação mais voluntárias e individuais, que passam pela intervenção em espaços mais pequenos como os grupos de estudo, onde são engendrados vários modelos de activismo político e cultural, de oposição ao regime e ao colonialismo português. Este período distinguir-se ainda pelo sentimento de esperança, coragem e inquietação de uma geração que não se reconhecia no regime do Estado Novo.

13Estas entrevistas constituem documentos preciosos para conhecer estes anos inquietos, pois através delas é possível preencher áreas do acontecido que muitas vezes não vêm elucidadas em outras publicações. Através destes documentos é possível descobrir elementos como a origem social dos intervenientes de segunda linha; os factores decisivos na sua formação; as referências culturais e políticas, antes e depois da Universidade; formas e processos de integração em grupo; o papel das relações interpessoais; o lugar da mulher; formas de consumo cultural e de activismo político; espaços de sociabilidade; o percurso pessoal e profissional posterior e ainda a interpretação dos movimentos da época nos dias de hoje. Ou seja, através destas sete vozes são transmitidas informações não só sobre aspectos da vida académica dentro da Universidade mas também sobre o que liam e o que ouviam, que espaços de sociabilidade frequentavam desde o Café Mandarim ao grupo de teatro CITAC (Centro de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra), o que pensavam sobre questões como a guerra colonial. É nos dado a descobrir a vida dentro das repúblicas, assim como a vida nos lares, a estratégia de grupos instituídos legalmente assim como dos que sobreviviam de forma clandestina, são apontados diversos grupos e associações de Coimbra, é dado a conhecer a situação colonial num tempo de guerra, as celas dos entrevistados que foram presos e interrogados pela PIDE, assim como as várias formas de fazer ouvir a sua voz, fosse através de greves, folhetos, desenhos, discursos ou flores e balões. Contudo, os entrevistados não se limitam a falar das lutas que protagonizaram, perspectivam as suas experiências e o seu percurso pessoal de vida até ao presente. Aqui são reveladas pessoas, saliente-se que num ambiente de cumplicidade devido à aproximação com a entrevistadora, com hesitações, com imprecisões, com uma subjectividade assumida numa viagem pessoal confrontada com momentos de uma experiência comum.

14Esta obra é, para mim, de leitura obrigatória em futuros trabalhos de investigação sobre o movimento estudantil. Primeiramente porque dá a conhecer a perspectiva dos activistas de segunda linha, livres de excesso de protagonismo ou importância, depois porque ao longo das entrevistas é dado a conhecer um pouco do trajecto pessoal de cada um após a saída da Universidade, o que talvez tenha sido possível em grande medida devido à relação de proximidade com a entrevistadora e, por último, mas não menos importante, o facto de colocar em destaque a importância da História Oral, olhada ainda com alguma desconfiança, como forma de registar a memória. Estes documentos orais agora editados, onde se descobrem reacções a determinados acontecimentos marcados pela insegurança, mas também pela coragem e abertura à questão sóciopolítica, assim como a forma como enfrentaram, cada um com as suas armas, a resistência e o receio dos familiares, colegas e amigos, as suas reflexões e as suas emoções, as suas recordações mas também os seus esquecimentos, com a cidade de Coimbra em fundo, possibilitam preservar informação para estudos posteriores e mesmo produzir informação inédita. Com o trabalho de Rui Bebiano e Manuela Cruzeiro e com as sete vozes transcritas, fica mais uma vez demonstrada a utilidade da História Oral.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Patrícia Rosa, « Cruzeiro, Maria Manuela e Bebiano, Rui (orgs.), Anos Inquietos. Vozes do Movimento Estudantil em Coimbra [1961-1974] »Ler História, 53 | 2007, 266-270.

Referência eletrónica

Patrícia Rosa, « Cruzeiro, Maria Manuela e Bebiano, Rui (orgs.), Anos Inquietos. Vozes do Movimento Estudantil em Coimbra [1961-1974] »Ler História [Online], 53 | 2007, posto online no dia 30 maio 2018, consultado no dia 24 novembro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/3001; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.3001

Topo da página

Autor

Patrícia Rosa

Mestranda em História Moderna e Contemporânea/ISCTE

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search