Navegação – Mapa do site

Editorial

José Vicente Serrão
p. 5-6

Texto integral

1Numa breve apresentação deste número, cabe assinalar que são vários os artigos que, mais uma vez, testemunham não só a internacionalização da colaboração como a própria internacionalização temática da revista, no sentido em que pouco ou nada têm que ver directamente com a história portuguesa e lusófona. É o caso, em primeiro lugar, do artigo de Tamar Herzog, onde, a partir da análise comparada das políticas de realojamento de populações, tanto em Espanha como nos domínios espanhóis da América, se propõe uma visão integrada da história europeia e da história colonial. É o caso, também, do artigo de Juan Francisco Fuentes, que nos oferece uma análise e interpretação de conjunto sobre os denominados “movimentos-camisa”, agrupamentos políticos que se distinguiam pelos seus uniformes paramilitares coloridos, e que proliferaram por toda a Europa no período entre-guerras. É o caso, ainda, do artigo de Peter Borschberg sobre a história de Singapura, no qual procura desmontar o mito da sua fundação apenas com a chegada dos ingleses em 1819.

2Neste número cumpre também destacar o peso da história económica, com três artigos sobre épocas e temas diferenciados. Por ordem cronológica, no primeiro destes artigos Antonio Díaz-Rodríguez ocupa-se de uma matéria que tem passado largamente despercebida na história portuguesa: o imenso e próspero negócio de dispensas e outras graças papais, que progressivamente foi sendo controlado por um pequeno número de agentes ou comissários especializados, os curiais, como então se chamavam, ou “mercadores da graça”, como o autor os designa. Segue-se um artigo de grande fôlego, e com forte suporte quantitativo, sobre um dos problemas cruciais da economia portuguesa da segunda metade do século XVIII: o funcionamento do mercado de crédito. Leonor F. Costa, Manuela Rocha e Paulo Brito procuram, mais concretamente, avaliar o impacto do terramoto de 1755 sobre esse mercado. Pelos novos dados que traz, pelas questões que reabre, e pelas que deixa em aberto, este é seguramente um artigo para o qual se antecipa um forte impacto nos estudos da especialidade. Finalmente, neste conjunto de artigos de história económica, inclui-se o estudo que Mathias Saecker dedica ao negócio dos bordados da Madeira, que cresceu exponencialmente nos finais do século XIX por iniciativa de um pequeno conjunto de empresários alemães. O autor não só resgata da quase obscuridade uma actividade que teve uma enorme importância na economia da Madeira, e que empregava dezenas de milhares de trabalhadores/as, como reinterpreta a sua história à luz das dinâmicas de globalização daquela época.

3A completar a secção generalista, inscreve-se um artigo que se pode considerar a meio caminho entre a história militar e a história política. Luís Barroso procura demonstrar como as expedições militares em Angola, nos anos de 1914 e 1915, foram um expediente, bem-sucedido, da denominada “ala intervencionista”, ou seja, dos sectores que, na conturbada cena política da República, advogavam a participação de Portugal na frente europeia da Grande Guerra. Por seu turno, na secção reservada a temas de historiografia e teoria da história (Espelho de Clio) temos desta vez um estudo detalhado sobre uma das obras mais representativas, Visão do Paraíso, do historiador brasileiro Sérgio Buarque de Holanda. Um balanço crítico da recente produção historiográfica portuguesa dedicada à propaganda e à relação do Estado Novo com os media, da autoria de Francisco Rodríguez-Jiménez, e uma análise comparativa do primeiro e do segundo centenário da morte de Gomes Freire de Andrade, assinada por Miriam Halpern Pereira, preenchem a secção Em Debate. Por fim, um conjunto de recensões de livros recentes, publicados em várias partes do mundo, completa esta edição.

4Com a publicação deste número 72, o primeiro de 2018, a Ler História, fundada em 1983, entra no seu 35º ano de publicação ininterrupta. É um aniversário que não podemos deixar de assinalar, já que testemunha a maturidade de uma revista que, fazendo o seu caminho, se impôs como uma referência entre as publicações portuguesas da especialidade. Graças, naturalmente, à dedicação de todos quantos a têm dirigido e produzido, de todos quantos a têm apoiado e prestigiado ao incorporarem o conselho consultivo internacional, e, muito especialmente, graças aos autores que têm preenchido as suas páginas com artigos de qualidade. Ao perfazer 35 anos, a Ler História é, hoje, uma das revistas de história (activas) mais antigas em Portugal e no espaço lusófono. Mas não perdeu por isso a vitalidade, apostada como tem estado, nos últimos anos, numa renovação na continuidade e na plena adaptação aos exigentes requisitos e padrões de qualidade internacionais das revistas académicas. Talvez isso explique que, na recente actualização anual do prestigiado Índice SJR (Scimago Journal & Country Rank), a Ler História tenha subido a sua classificação para Q2, situando-se agora no segundo quartil entre as revistas de história publicadas a nível mundial e indexadas na SCOPUS. Posição respeitável, que registamos com muito agrado, e que só aumenta a nossa responsabilidade.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História, 72 | 2018, 5-6.

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História [Online], 72 | 2018, posto online no dia 26 junho 2018, consultado no dia 19 setembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/3140

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

 

 

Director

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals