Navegação – Mapa do site
Artigos

Interdependências numa economia globalizada: empresários alemães na indústria de bordados da Madeira, 1880-1916

Interdependencies in a Globalised Economy: German Businessmen in Madeira’s Embroidery Industry, 1880-1916
Interdependances dans une economie mondiale: entrepreneurs allemands dans l’industrie de la broderie de Madere, 1880-1916
Mathias Saecker
p. 103-128

Resumos

Neste artigo será mostrado como e por que razões a indústria de bordados da Madeira foi integrada numa rede de comércio global entre 1880 e 1916. Devido à instabilidade do seu mercado interno, comerciantes alemães de têxteis envolveram-se neste ramo industrial, enfrentando mercados internacionais altamente competitivos que exigiam uma máxima eficiência de custos. Graças às melhorias significativas no sector dos transportes, os custos de frete sofreram um forte declínio que contrabalançou os efeitos adversos de elevados direitos aduaneiros protecionistas sobre a fixação dos preços. Além disso, os empresários recorreram ao regime de drawback para diminuírem as taxas alfandegárias. Em consequência, tinham de parcelar a produção dos bordados em várias etapas, divididas entre diferentes locais tanto na Madeira como na Alemanha. Assim, podiam tirar pleno partido dos salários extremamente baixos das bordadeiras que trabalhavam em sistema de putting-out. A competitividade internacional, aumentada por estes benefícios de custos, facilitou a conquista de mercados emergentes.

Topo da página

Notas do autor

Uma versão preliminar deste artigo foi apresentada no XXXVII Encontro da APHES (UMa, Funchal, 18 de novembro de 2017).

Texto integral

1Graças à sua localização, o arquipélago da Madeira teve durante séculos uma enorme importância para navegadores, mercadores e militares. A partir do início da industrialização e até à entrada de Portugal na Grande Guerra, em março de 1916, esta relevância era ainda maior devido à sua função como ponto logístico no comércio atlântico, cada vez mais intenso, da Europa com a América Latina e as colónias na África Ocidental. Foi por esta via que a indústria de bordados da Madeira – que, por esta altura, empregava mais de 30.000 trabalhadoras e representava cerca de 20% do valor das exportações da região – conseguiu a plena integração no comércio global. As atividades de empresários alemães neste sector económico da ilha, a partir da fundação do Império Alemão em 1871, representaram tanto um resultado como um reforço deste processo.

  • 1 Ver Câmara (2002, 203-221), Vieira (1996, 2006, 2016b), Silva (2017), Nepomuceno (1994), Silva (1 (...)

2Estas atividades não têm sido objeto de atenção em estudos alemães. Em contrapartida, várias publicações portuguesas, entre elas uma série de dissertações académicas, referem-se à chamada fase alemã dos bordados da Madeira, embora concentrando-se mais ora no contexto socioeconómico regional ora em aspetos técnicos e de história da arte.1 Além disso, existem alguns artigos, principalmente na revista Islenha, que são, sob o ponto de vista metodológico, sobretudo narrativas orientadas pelas biografias individuais, maioritariamente com leituras da perspetiva madeirense (Wilhelm 1988, 1990, 1994). Mas a génese das atividades empresariais dos alemães na Madeira, sendo negligenciada pelas investigações existentes, carece de uma análise que este artigo se propõe desenvolver.

3Este enfoque define os objetivos do artigo, estruturados em três domínios. O primeiro consiste em abordar as condições socioeconómicas no sector têxtil alemão, dominado por comerciantes judeus, no final do século XIX, que levaram alguns empresários do ramo a estenderem os seus negócios à Madeira. Destaca-se a instabilidade da indústria têxtil, devido a uma oferta excedentária de algodão e, consequentemente, a uma diminuição dos preços, colocando em risco a existência de pequenas e médias empresas. O segundo trata da identificação das medidas adotadas pelos respetivos empresários para enfrentar esta situação. Neste âmbito, é reconstruído o processo de escolha da Madeira como localização para o estabelecimento de fábricas de bordados com o apoio de redes de comerciantes. Subsequentemente, são discutidas as particularidades de realinhamento empresarial, a nível de gestão numa economia globalizada, com relevo para os custos de transação, nomeadamente os de transporte e os direitos aduaneiros. Por último, a atuação dos empresários alemães na Madeira é analisada na perspetiva da internacionalização da cadeia de valor, criada com o intuito de aproveitar as vantagens de custos dos fatores, aumentando desta forma a competitividade nos mercados globais. Juntamente com estes objetivos, é determinado o tipo de empresário capaz de enfrentar as ditas mudanças, numa perspetiva de biografia coletiva que transcenda os casos específicos e que facilite deste modo a compreensão do condicionamento social de opções de ação individuais (Schröder 1985, 9).

4Entre 1880 e 1916, existiram seis casas alemãs de bordados no Funchal. A mais antiga era a de Otto von Streit, fundada em 1881. Ao contrário dos seus concorrentes alemães, este não possuía inicialmente um negócio de têxteis na Alemanha, vindo mais tarde a fundar uma filial em Berlim a partir da sede principal na Madeira. Em 1887, Max Reichmann, também de Berlim, estabeleceu a segunda empresa do ramo, posteriormente gerida pelos irmãos Wartenberg, seus sobrinhos. A partir de 1896, existia uma terceira casa de bordados, pertencente ao grupo berlinense Wolffenstein & Horwitz. Duas outras firmas eram oriundas de Bielefeld, a de Robert Kretzschmar, fundada em 1898, e, ao que tudo indica no mesmo ano, a de lenços Dütting & Gaa. Por fim, refira-se Wilhelm Marum, de Colónia, que abriu a sua filial madeirense em 1896. Assim, três das quatro importantes regiões da indústria alemã de têxteis – Berlim, Vestefália de leste e Renânia – estavam representadas na Madeira. As seis empresas eram unidades económicas de pequena dimensão que, ao contrário da grande indústria, não mantinham arquivos próprios, de modo que as fontes são escassas e esporádicas. Torna-se, assim, necessário recorrer a informações dispersas sobre todas as empresas, v.g. publicações comemorativas, livros de endereços, listas de passageiros ou fontes genealógicas, no intuito de compor um mosaico com poder explicativo.

5Este estudo dá especial relevo à atuação de Wilhelm Marum, que pode ser entendido como caso paradigmático devido a três caraterísticas principais. Marum entra no mercado madeirense entre 1895 e 1900, no mesmo curto período de outras três das filiais alemãs. Esta coincidência não é um mero acaso. Em conformidade com os empresários conterrâneos, Marum não retoma as suas atividades no Funchal depois da Grande Guerra. Um critério até mais importante é o facto de a casa de Marum se inserir no conjunto de três fábricas de proprietários judeus e no grupo de quatro que eram dirigidas, pelo menos temporariamente, por gerentes judeus. A relevância desta especificidade deve-se ao papel-chave da religião para o comércio. Por último, Marum, como os proprietários de ambas as empresas de Bielefeld, gere a filial exclusivamente a partir da sede em Colónia, instalando um administrador na Madeira. Este tipo de comerciante a longa distância organiza o seu negócio à escala internacional por meio de uma rede de contactos fiáveis. Concluindo, pode-se dizer que a atuação de Marum é representativa da maioria dos empresários alemães deste ramo de negócios na Madeira.

6Em sintonia com os objetivos definidos, este artigo começará por apresentar a génese e a evolução da fábrica de roupa de Wilhelm Marum em Colónia, inserindo a empresa no quadro tanto da história familiar como da rede judaica, e no contexto da economia regional, integrada no maior agregado industrial do Império Alemão. De seguida (secção 2), são discutidas as razões que levaram Marum a arriscar a entrada no mercado dos bordados da Madeira, no quadro de uma reorientação da sua atividade empresarial; sempre que for de valor explicativo, a perspetiva é alargada às outras empresas alemãs do sector. Nesta sequência, a terceira secção desenvolve uma abordagem crítica das formas e das consequências da intervenção dos empresários alemães na indústria de bordados, em termos económicos e sociais, até a eclosão da Grande Guerra. Na secção conclusiva procede-se a um balanço dos resultados deste estudo.

1. A empresa têxtil de Marum em Colónia antes da abertura da filial madeirense

  • 2 Sobre a história desta empresa, cf. Glessgen (1965).
  • 3 Todas as indicações das localidades constam dos antigos livros de endereços de Colónia.

7Wilhelm Marum possuía um negócio grossista associado a uma fábrica de roupas de senhora e criança, no centro de Colónia. A partir da análise dos antigos livros de endereços, verifica-se que estabeleceu a filial de bordados na Madeira em 1896. Descendia de uma família judaica, de vasta ramificação, que residia em Bad Sobernheim. Em 1865, ano de falecimento do pai, a mãe fundou a A. Marum Wwe. AG, uma loja de lãs e retrosaria, alargada ao fabrico de meias. Os irmãos mais velhos de Wilhelm – Moritz e Heinrich – geriam os negócios da empresa como sócios juntamente com a mãe.2 Com base em livros de endereços conclui-se que já em 1875, ano da expansão da fábrica em Sobernheim, outros dois irmãos de Wilhelm – Carl e Ferdinand – se instalaram como comerciantes de têxteis em Colónia, cidade localizada 180 km a norte de Bad Sobernheim. Na altura, a comunidade judaica de Colónia era a segunda maior da Alemanha Ocidental, a seguir a Francoforte do Meno (Barkai 1988, 28). Esta constelação faz pensar em contactos comerciais de longa data entre a família Marum e os seus correligionários em Colónia, criando condições propícias ao estabelecimento de uma empresa. Em 1879, Wilhelm fundou a sua empresa acima referida. Em 1880, seguiu-o Siegfried Marum, que dirigiu um comércio grossista em parceria com Sally Löwenstein, uma irmã da sua cunhada Amalia, cujo marido Moritz, por sua vez, era sócio da fábrica de meias em Sobernheim. No início, as sedes das empresas dos quatro irmãos encontravam-se num raio de apenas três quilómetros.3

  • 4 Derix (2012) comprova este facto para famílias transnacionais. Para as redes judaicas, cf. Thulin (...)

8Este processo comprova a rápida criação de redes familiares que se revelaram como interfaces vantajosas para o desenvolvimento de relações comerciais e que se ligavam às redes religiosas.4 De um modo geral, as redes em questão são constelações sociais constituídas pelos interesses comuns dos envolvidos e sustentadas por interações repetidas (Osterhammel 2010, 1010; Herren 2007, 111). No caso concreto, este interesse reside em garantir vidas abastadas e seguras para todos os elementos do clã familiar. A comunicação intensa sobre questões certamente não só familiares mas também de caráter comercial reflete-se na proximidade física das residências fraternas em Colónia. Na época, este fenómeno era típico da população judaica com a sua estrita focalização nos laços estáveis de parentesco. Os judeus formavam uma diáspora que se tinha constituído como reação às atribuições geralmente negativas, vindas desde há muitos séculos. No Império Alemão, protegiam-se das pressões externas da sociedade maioritária com uma forte coesão de grupo, porque, apesar da igualdade jurídico-formal, existia uma marginalização baseada em ressentimentos e evidenciada em hostilidades dissimuladas ou até abertas.

  • 5 Ver Jüdisches Adressbuch für Gross-Berlin 1931 (1931, 33-39). Berlin: Goedega.

9Se considerarmos a angústia que esta discriminação causava, as redes religiosas, sobrepondo-se aos fortes laços familiares, traduziam-se em sentimentos de segurança. Estas englobavam também as numerosas redes institucionais de apoio, inclusive para migrantes internos de zonas rurais, como Wilhelm Marum.5 Como consequência da exclusão de profissões artesanais ou agrícolas ao longo dos séculos, a minoria judaica tinha-se concentrado nos restantes sectores profissionais, sobretudo na área do comércio. Nomeadamente, o sector têxtil encontrava-se dominado por empresários judeus. A recusa do direito de residência e as subsequentes expulsões forçavam repetidamente uma mobilidade, resultando numa dispersão geográfica muito ampla. Sob essas condições, a criação de redes internacionais foi uma medida para a conservação da identidade de grupo. Estas ligações possibilitavam trocas intensas de informações e de experiências, ultrapassando fronteiras políticas e culturais. Os pontos físicos de interligação eram as salas de reuniões nas sinagogas, que os comerciantes judeus em trânsito frequentavam sempre que possível. Assim, a vantagem comunicativa e a preferência por cidades portuárias converteram-se em benefícios comerciais sobre os concorrentes no comércio de exportação (Thulin 2010).

  • 6 Ver os dados de Henning (1975, 285).

10Colónia deve o seu estatuto como metrópole comercial, desde a Idade Média, ao facto de ser um local central de transbordo para a circulação de mercadorias entre a Alta Alemanha e a Suíça, no sul, e as cidades portuárias belgas e holandesas, no norte. Além disso, a cidade encontrava-se no centro do maior cluster industrial alemão da época, no qual a indústria têxtil tinha um papel de relevo. No processo da unificação da Alemanha, o tratado referente à perenidade do Zollverein (aliança aduaneira), de 1867, e a Constituição do Império Alemão, de 1871, criaram um mercado único. Este alargou consideravelmente a área de venda a partir de Colónia, favorecendo os negócios dos residentes judeus ativos nos sectores têxtil e bancário. Assim, Wilhelm Marum é um exemplo típico de parte significativa da população ativa de judeus que geriam pequenas ou médias empresas no sector têxtil.6 A procura de produtos têxteis de todo o tipo intensificou-se também de modo sensível devido à triplicação do número dos habitantes de Colónia entre 1882 e 1907, razão pela qual os comerciantes judeus contavam com um clima empresarial favorável.

11Apesar de Marum constar nos registos dos livros de endereços como fabricante de roupa de senhora e criança, não podemos imaginá-lo como proprietário de um complexo industrial propriamente dito. A primeira sede da firma de Wilhelm Marum (ver figura 1), na periferia da zona velha de Colónia (Sternengasse 12), prova inequivocamente que não tinha espaço suficiente para uma manufatura ou até uma fábrica.

Figura 1. Primeira sede da fábrica de Wilhelm Marum em Colónia, Sternengasse 12

Figura 1. Primeira sede da fábrica de Wilhelm Marum em Colónia, Sternengasse 12

Fonte: Stadtkonservator Köln, Rheinisches Bildarchiv; foto tirada em 1910.

12Na Alemanha do século XIX, o termo “fabricante” significava um comerciante criador de um sistema de putting-out, ou seja, um intermediário que organizava o trabalho num sistema de indústria caseira e cujos produtos eram vendidos posteriormente a grossistas ou a retalhistas (Müller 1984, 158-159). As instalações da empresa de Marum incluíam um escritório central, uma secção de distribuição, onde os trabalhadores domiciliários recebiam os tecidos, e uma secção para recolha de peças de roupa prontas, onde eram submetidas a um controlo de qualidade e a alterações, se necessário. As mudanças posteriores da empresa para as ruas Stolkgasse e Victoriastraße, ambas a poucos metros de distância, em nada alteraram esta situação. Embora a última transferência da firma para Lindenstraße, no início do século XX, oferecesse mais espaço, as instalações continuavam numa zona residencial no centro alargado de Colónia. A família Marum tinha a sua residência particular no segundo andar do mesmo edifício, como era típico da época.

13Quanto à atuação comercial, os dados disponíveis indicam que Marum preferia práticas comerciais sãs e cautelosas. Esta atitude mais conservadora corresponde apenas parcialmente às caraterísticas do comportamento comercial de empresários judeus, entre elas, segundo Richarz, a coragem para assumir riscos, a disponibilidade para inovações, a angariação de clientes e a atuação numa rede de relações com outras empresas judaicas num nível tanto nacional como internacional (Lowenstein et al. 1997, 47). Um pequeno episódio salienta a divergência comportamental: Marum mantinha um contacto estreito com Robert Gerling, angariador de seguros de transporte. Em 1904, Gerling tomou a decisão de fundar uma GmbH (Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada) própria de seguros. Porque não tinha o capital social estipulado por lei como depósito inicial, recorreu a Marum como financiador para o montante em falta e como sócio. Quando a companhia acumulou perdas no primeiro ano da sua existência, Marum logo deixou a sociedade (Koch 1967, 133-150; Niebelschütz 1954, 65-67). Portanto, esteve longe de ser um venture capitalist, mas mais uma personagem que se contentava com a sua condição económica.

2. A reorientação estratégica da atividade empresarial de Marum

14Parece, no entanto, que a abertura da filial na Madeira, no ano de 1896, marcou uma rutura com o seu perfil de empresário até essa data. A reorientação foi antecedida por uma fase prolongada de planeamento. Um impulso veio provavelmente da instabilidade relativa do mercado alemão de têxteis (ver figura 2). Não obstante a viragem protecionista em 1879, o algodão em rama ficou isento de direitos alfandegários, e o respetivo fio sujeito a direitos baixos. A consequente inundação do mercado alemão com algodão de baixo preço, inicialmente originário da Inglaterra, depois sobretudo dos Estados Unidos, criou uma dependência do mercado global cujos preços, tendencialmente decrescentes, quase não eram influenciáveis por falta de produção própria na Alemanha. A depreciação dos preços, provocada pelo excesso de oferta, conduziu a uma concorrência ruinosa num mercado saturado. Cada vez mais prevaleceram tecidos de algodão baratos, ou tecidos mistos com um teor de linho para a roupa interior, porque as camadas da população com baixos rendimentos sofreram as consequências da má situação económica, que sucedeu à rutura dos mercados financeiros em 1873 e que persistiria cerca de 20 anos.

Figura 2. Taxas de variação anual da produção industrial alemã (1913 = 100)

Figura 2. Taxas de variação anual da produção industrial alemã (1913 = 100)

Fonte: Hans Peter Lösch (1969, 32).

  • 7 Ver v.g. Jahres-Berichte der Handelskammer zu Köln 1893 (1894, 165) e 1894 (1895, 194).
  • 8 Jahres-Bericht der Handelskammer zu Köln für 1895 (1896, 194).

15Nos relatórios anuais da Câmara de Comércio de Colónia apareciam continuadamente queixas sobre a degradação da qualidade dos têxteis por causa da concorrência barata.7 Adicionalmente, a concorrência no comércio de vestuário agravou-se pelo aumento considerável do número de pequenas empresas que existiam em Colónia entre 1875 e 1907 (Henning 1975, 288; Neuhaus 1916, 17-18). Ambos os fatores afetaram a procura de artigos de roupa de alta qualidade como os que Marum vendia. Porém, a estratégia de Marum em se especializar num produto de nicho revelou ser bem-sucedida, porque nos círculos burgueses havia a tradição de as noivas levarem a roupa inteira como enxoval de casamento. Essa deveria ser da mais alta qualidade, de modo a poder durar para o resto da vida, o que, por sua vez, limitava o escoamento. A Câmara de Comércio observou uma melhoria da situação económica no mercado doméstico alemão apenas a partir de 1895, porque os compradores optaram novamente por mais e melhores mercadorias.8

16Todavia, Marum deveria estar consciente dos riscos que pesavam sobre o sucesso do seu negócio perante a volatilidade da situação económica. Neste contexto, as razões que levaram Marum à internacionalização do seu negócio podem já ser deduzidas da caraterização do tipo de empresário judeu de Richarz (Lowenstein et al. 1997, 47-48). Os comerciantes judeus tinham uma iniciativa empresarial pronunciadamente baseada numa análise de mercado e numa adaptação à procura. Habituavam-se mais rapidamente às necessidades económicas do mercado e, por causa da forte disposição para a mobilidade, viravam-se para onde a procura de bens já existia ou podia ser fomentada. Os seus contactos familiares e sociais no estrangeiro promoviam o negócio transnacional. Eram os primeiros a viajar em grande número para as feiras internacionais e as exposições mundiais, para conhecerem novos produtos e novos métodos de produção. Estas caraterísticas determinam a reorientação comercial realizada por Marum e correspondem às do empresário como tomador de decisões segundo o conceito de Casson (2003, 146):

[…] the entrepreneur’s recognition of an oportunity [sic!] for coordination rests upon a synthesis of information. […] the entrepreneur needs to synthesize information about buyer’s preferences for product quality with information about the production costs of a new design of good. […] This information must in turn be synthesized with information about the supply of transport services and about potential fiscal intervention in the flow of goods (for example tariffs).

  • 9 Nas listas de passageiros não há indícios de que Wilhelm Marum tivesse viajado pessoalmente para (...)

17Na perspetiva de uma síntese de informações, a análise de mercado de Marum, em meados da década de 90, concluíra que a sua estratégia até à data tinha garantido uma certa rentabilidade, mas que era importante, face a uma concorrência cada vez mais forte, fidelizar clientes através de novas ofertas exclusivas. Perante a saturação do mercado doméstico, a internacionalização do negócio parecia abrir pistas para sair da incerteza do momento, mas isto, por si só, não explica a decisão de estabelecimento de uma filial na ilha da Madeira. Afirmações sobre este tipo de intenções de ação são geralmente feitas num nível informal e somente podem ser encontradas por acaso em registos privados, que neste caso não estão disponíveis. Com um elevado grau de probabilidade, a decisão de comercializar bordados da Madeira advinha de um conjunto de fatores, entre eles os contactos nas feiras industriais e nas exposições mundiais, e os relatos de viagem sobre a Madeira, que se vinha transformando cada vez mais num destino para o turismo alemão.9

  • 10 Ver Berliner Adreßbuch: für das Jahr 1882; unter Benutzung amtlicher Quellen (1882). Berlin: Sche (...)

18A fonte mais importante eram certamente informações concretas através da rede dos comerciantes de têxteis radicados em Berlim, muitos deles judeus como Marum. A hipótese de bons contactos na capital é reforçada pelo facto de Marum ter estabelecido, no início do século XX, uma filial em Berlim, o que revela conhecimentos do mercado local. Lá existia um comércio especializado em bordados da Madeira, até um grossista, já desde 1882.10 Porque ainda faltava uma oferta local neste segmento em Colónia, abria-se uma oportunidade de mercado para Marum, que se aproveitou do facto de o produto gozar da reputação de uma marca de excelência com que os consumidores contemporâneos conotavam a ilha exótica de eterna primavera. A estratégia de venda consistia em criar um incentivo à compra por intermédio de um carregamento simbólico do produto com as conotações positivas já existentes no imaginário subconsciente da clientela. Contudo, colocou-se a questão da capacidade de absorção relativamente limitada do mercado interno alemão, o que levou à necessidade de abrir mercados de escoamento adicionais. Como exemplo podia ter servido a atuação comercial do berlinense Otto von Streit, o primeiro empresário alemão a estabelecer uma fábrica de bordados na Madeira: partes da produção da chamada Casa Grande eram transportadas através do porto franco de Hamburgo para os EUA, mercado ainda por explorar (Vieira 1999, 29-30).

19A internacionalização da área de atuação impôs uma outra base de cálculo dos custos de transação nos quais duas posições desempenhavam um papel particularmente importante, nomeadamente os custos do frete e os direitos aduaneiros. No comércio interno alemão, as taxas alfandegárias já haviam sido suprimidas em 1871. No comércio internacional, contudo, fez-se notar uma alternância entre fases de livre-cambismo e de protecionismo, de modo que a fixação de preços ficou influenciada a variados níveis em diferentes períodos. As relações comerciais com Portugal, naquela época, eram determinadas pelo facto de o Tratado de Comércio e Navegação luso-alemão de 2 de março de 1872 ter caducado em 1 de fevereiro de 1892, após uma duração de 20 anos, por rescisão do governo português.

  • 11 Para as discussões nas câmaras de comércio alemãs ver Rheinisch-Westfälisches Wirtschaftsarchiv, (...)

20Após esta data começou um período com altíssimos direitos aduaneiros sobre o algodão importado em Portugal como produto intermédio. Esta fase só terminou no dia 30 de novembro de 1908, com a assinatura de um novo tratado no qual as partes contratantes se concederam mutuamente o estatuto de nação mais favorecida (Araújo 2004, 173; Thomas 1972).11 Em contrapartida, Marum podia ter beneficiado do sistema drawback no chamado tráfego de aperfeiçoamento. Neste caso concreto, a isenção dos direitos aduaneiros alemães, também elevados, referia-se à exportação de tecidos para a Madeira para estes serem bordados, à importação das peças dentro do prazo de um ano para um porto franco alemão e à sua reexportação, nomeadamente para os EUA, após tratamento final dos bordados. Outra alternativa de poupança era o transporte direto dos tecidos a partir dos países de origem para a Madeira e a posterior importação dos produtos acabados para a Alemanha. Assim pagavam-se os direitos de importação uma única vez.

Figura 3. Direitos aduaneiros ad valorem (Portugal), 1873-1913

Figura 3. Direitos aduaneiros ad valorem (Portugal), 1873-1913

Fonte: Dados de Lains (1987, 490 e 502).

  • 12 Cf. Findlay e O’Rourke (2003, 35) e Clark e Feenstra (2003, 294).

21Contudo, a possibilidade de manter o nível dos preços do bordado da Madeira permanentemente acessível para a clientela burguesa resultou da extraordinária degradação dos custos de transporte, sendo uma parte tão importante na composição dos preços que a sua queda até compensava as altas taxas de alfândega. Esta baixa brusca foi induzida pelo processo da “revolução dos transportes”, que se acelerou exponencialmente no último terço do século XIX. Foi possibilitada por ganhos de eficiência, devido a avanços tecnológicos e a melhorias organizacionais na navegação a vapor e no sector ferroviário, em interação estreita com o desenvolvimento das infraestruturas associadas, ou seja, pelo aumento dos serviços regulares no Atlântico, pela requalificação dos rios navegáveis, e pela expansão das redes de canais e caminhos de ferro.12 Para o comércio atlântico, Findlay e O’Rourke (2003, 37) calculam uma descida das despesas de transporte de 45% em termos reais para o período de 1870-1913. Dos baixos custos de transporte resulta que as distâncias entre as empresas e os seus fornecedores e/ou clientes já não têm um papel decisivo para a localização das empresas (Crafts e Venables 2003, 325). Torp (2005, 32-33) salienta adicionalmente que a expansão da rede ferroviária é normalmente vista como um aspeto da integração do mercado interno alemão, mas que nesta perspetiva falta considerar a profunda interligação das redes europeias no desenvolvimento do comércio internacional.

22No cálculo de custos de Marum, esta interconectividade foi um critério central. No transporte para a Madeira, o tecido de linho regional produzido na região do Baixo Reno e o algodão eram inicialmente levados de Colónia para um porto marítimo, geralmente Roterdão; o linho flamengo seguia diretamente para Antuérpia. Em questões logísticas, Marum podia procurar o aconselhamento de Robert Gerling que, por intermédio das suas atividades no ramo de seguros, tinha numerosos contactos com a indústria transportadora local e informações sobre as tarifas. Ainda devem ter existido relações, oriundas da antiga fase de colaboração de Gerling com os transitários Koll & Kubach, agência geral da Neptun, Sociedade de Navegação a Vapor de Brema, cujos navios escalavam tanto Roterdão, partindo de Colónia, como Antuérpia e Lisboa, partindo de Hamburgo. Para além destas ligações, houve várias alternativas: em 1885, a Sociedade de Navegação Renense e Marítima tinha estabelecido uma ligação direta e regular de Colónia para Londres, via Roterdão. A Bélgica reforçou o comércio com a Prússia por uma linha ferroviária contínua entre Colónia e Antuérpia. Na perspetiva dos clientes, a concorrência, por um lado, entre comboio e navio, e, por outro lado, entre os portos marítimos, especialmente entre Antuérpia e Roterdão, revelou-se favorável em termos de custos de transporte.

23Uma grande parte dos transportes marítimos, partindo de Hamburgo, era efetuada pelas companhias marítimas dos armadores Albert Ballin e Adolph Woermann. Os cargueiros da Afrikanische Dampfschiffs-Aktiengesellschaft, de Woermann, transportavam os tecidos a partir de Hamburgo, Roterdão ou Antuérpia para a Madeira. O arquipélago era uma escala importante nas rotas dos navios a vapor por causa do abastecimento de carvão. A Hamburg-Amerikanische Packetfahrt-Actien-Gesellschaft assumia o transporte dos bordados acabados para os EUA. Além disso, já havia uma rede densa de rotas marítimas no Atlântico e, por consequência, uma forte concorrência entre as companhias de navegação internacionais, o que contribuía para a diminuição dos custos de frete. Neste enquadramento, Marum podia integrar a sua empresa sem problemas na rede comercial atlântica. Tratava-se da antiga rede de tráfego marítimo que ligara as zonas costeiras do Atlântico e que tinha adquirido o seu modelo num processo prolongado até meados do século XVIII, e que se mantinha no final do século XIX.

24Assim, a imagem de um espaço atlântico é formada pelas ligações criadas particularmente por comerciantes que operavam num nível internacional. O que parece prima facie ser um fenómeno geográfico natural, na realidade, é uma construção social, resultado de uma conectividade criada pela intervenção humana (Khanna 2017, 16). Desde meados do século XIX, a única alteração ao estado anterior era o número crescente das linhas marítimas a navegarem nestas rotas, de modo que a rede de tráfego marítimo se densificava cada vez mais, visto que o tempo preciso para superar maiores distâncias diminuía num ritmo acelerado, devido aos avanços técnicos na construção naval. Estas alterações fazem parte de um processo que Harvey (1989, 240) chama “time-space-compression” e que tornava projetos como o de Marum cada vez mais lucrativos.

25Além do conhecimento das regras do mercado global, Marum precisava de informações pormenorizadas sobre a situação socioeconómica e cultural da Madeira. Ao contrário de outros empresários alemães, Marum nunca teve em mente mudar a sua residência para a Madeira, mesmo que fosse apenas temporariamente. Por isso, era extremamente importante a escolha de uma pessoa de confiança que preparasse a abertura da filial no local. Encontrou-a no jovem Benno Franken que, como ele próprio, fazia parte da comunidade judaica. Na Madeira, Franken provavelmente tinha entrado em contacto com Otto von Streit ou os irmãos Wartenberg, comerciantes de têxteis já residentes no Funchal, diretamente ou por intermédio do então cônsul Dr. Sattler, para fins de sondar o mercado. Para ter uma noção da estrutura dos custos era imprescindível averiguar a organização dos processos laborais, a disponibilidade de mão de obra, o nível salarial e a existência de instalações adequadas para acolher a sede da filial.

26Com base nas notícias do seu informante, pôde reconhecer que a organização do trabalho na ilha mostrava analogias com a da sua empresa em Colónia. O sistema de putting-out, que era predominante no sector dos bordados na Madeira, ainda existia também na Renânia, porque o processo de transição para a produção manufatureira e fabril decorreu muito lentamente, abrangendo inicialmente a fiação e a tecelagem. O fabrico de pronto a vestir num nível industrial começou só a partir do início do século XX. Pequenas empresas do sector têxtil geralmente entregavam os tecidos aos camponeses, em redor dos centros urbanos, os quais executavam os bordados em regime de trabalho domiciliário como ocupação complementar. Em comparação com a organização nas manufaturas, o patrão mantinha uma posição mais forte em relação aos trabalhadores que, estando dispersos, mal tinham a oportunidade de formar uma representação sindical dos seus interesses, suscetível de enfrentar a entidade patronal em negociações salariais.

3. O sector de bordados na Madeira e a intervenção de empresários alemães

27Com este nível de informação, Marum entrou no clima arriscado de um mercado global em plena expansão, cujas vicissitudes eram dificilmente calculáveis. Como tipo de empresário que considerava prudentemente as oportunidades e os riscos de um offshoring parcial do seu negócio, foi mais um imitador do que um pioneiro de mobilidade. Quando Marum entrou no comércio do bordado da Madeira em 1896, já Otto von Streit tinha estabelecido a primeira casa de bordados sob gerência alemã há 15 anos. Mesmo assim, Marum mostrou com a sua decisão de internacionalizar o seu negócio um espírito aberto para encontrar novos caminhos e uma capacidade bem ponderada de assumir riscos. O estabelecimento de uma casa própria na Madeira marcou o início de atividades no comércio a longa distância, operando a partir de um escritório em Colónia, como centro de comunicação (Schuppert 2014, 62).

28Na Madeira, o bordado era, desde o povoamento da ilha, uma atividade artesanal tradicional feita pelas mulheres ao domicílio. A produção destinava-se primordialmente ao mercado regional, incluindo a venda ocasional aos turistas. Os antigos métodos de bordar sobreviveram até meados do século XIX, resultando do relativo isolamento e da localização ultraperiférica insular. Foi por essa altura que a situação começou a mudar, devido a uma crise de subsistências que obrigava a encontrar saídas para a miséria das camadas baixas da população. Algumas iniciativas encetaram uma primeira abertura ao mercado global, porém não intervindo no modo tradicional de produção. A alteração está estritamente ligada à ação de Bella Phelps – filha de Joseph Phelps, comerciante inglês instalado no Funchal –, que organizou, através da sua rede, a distribuição dos bordados em Inglaterra. A comparação dos valores da importação em libras (Câmara 2002, 205) com os da exportação em milhares de réis (Vieira 2006, 95) para o biénio 1878-1879 permite concluir que a quase totalidade da produção exportada se destinava a este país. Para além disso, os dados indicam um aumento considerável do volume de produção. Contudo, nos anos 80, ocorreu uma quebra significativa da exportação para Inglaterra, provavelmente pelo facto de as mudanças na moda se realizarem em ciclos cada vez mais curtos, determinados de forma complexa pelas novas tecnologias de produção. Para poder acompanhar essas constantes mudanças, teria sido preciso uma adaptação rápida dos desenhos ao gosto da clientela, o que a indústria de bordados da Madeira não conseguiu realizar.

29Com a chegada dos comerciantes alemães começa um novo ciclo no qual o processo de bordar sofre sucessivas alterações fundamentais, mantendo contudo as formas tradicionais de fabrico caseiro. Embora Otto von Streit tivesse aberto a sua casa já em 1881, ainda demorou mais de uma década até as seis fábricas alemãs dominarem o sector de bordados no sentido de efeitos económicos em dimensões substanciais. Também existiam outras casas, além das seis alemãs, mas o seu número, até 1909, nunca ultrapassou o das alemãs (Vieira 1999, 90-91). Os comerciantes alemães transferiram o sistema de putting-out, forma organizacional do seu país, mantendo contudo o trabalho domiciliário tradicional na Madeira. Os trabalhadores, tanto em Colónia como na Madeira, continuavam numa dependência generalizada do putter-out que lhes disponibilizava os meios de produção. Na Madeira houve, ao contrário de Colónia, agentes distribuidores, maioritariamente mulheres, como intermediários entre os putters-out e as bordadeiras domiciliárias. Era responsabilidade desses agentes criar uma rede de trabalhadoras às quais distribuíam as encomendas.

30Como na Alemanha, os empresários não se limitaram ao campo comercial, mas centralizaram partes da produção numa chamada fábrica, parcelando-a em várias etapas. O processo de produção ficava estruturado em cerca de 12 etapas distintas, executadas por diferentes trabalhadores. De certo modo, as casas de bordados podiam ser consideradas “manufaturas descentralizadas” (Pedreira 1990, 531). Em particular, o desenho dos padrões foi submetido à tutela dos comerciantes que criaram para este fim o novo perfil profissional do desenhador. O exemplo inglês tinha tornado claro que, por razões comerciais, era de importância absoluta orientar o design estritamente pelas correntes da moda nos países consumidores. O conjunto das alterações organizacionais aumentou o controlo direto dos comerciantes sobre o processo de produção e, ao mesmo tempo, a sua independência face às condições locais. Do ponto de vista das bordadeiras, isto significou uma desqualificação, reduzindo um trabalho originalmente criativo à mera execução das disposições do desenhador. Mesmo que o bordar fosse o elemento central, a produção perdeu o seu caráter holístico e ficou submetida à lógica de produção capitalista orientada para a máxima eficiência.

31Na perspetiva contemporânea do engenheiro agrónomo João da Mota Prego, tratava-se de um reajustamento às qualificações das bordadeiras rurais:

  • 13 In Heraldo da Madeira (1906), apud Vieira (1999, 27-28).

[…] o comércio alemão transformou esta indústria numa verdadeira riqueza para a ilha. Pouco a pouco, foi removendo as dificuldades inerentes a um pessoal trabalhador boçal como é a mulher do campo; compreendeu bem o que podia exigir dela, não lhe pediu desenhos nem ideias, simplificou-lhe a preparação do trabalho e aproveitou-lhe o que realmente ela podia dar; a parte meramente mecânica, material. Procurou os desenhos fornecendo-lhe já estampados nas fazendas e exigindo-lhe apenas uma execução minuciosa e perfeita.13

  • 14 Ver os números in Vieira (1999, 42-44 e 2016b, 13-14).

32Esta perspetiva foca-se apenas na tarefa reduzida que era destinada às bordadeiras no novo tipo de produção e que abriu oportunidades de emprego também a mulheres que antes tinham tido menos ou até nenhuma experiência no bordado. O facto de este último grupo ser chamado em grande proporção devia-se exclusivamente à situação social precária da população comum.14 Esta resultou das repercussões das fraturas da economia global na economia portuguesa por volta de 1890. Neste contexto, recorda-se o chamado pânico de 1890 no contexto do colapso do Barings Bank (Santos 2001). Por outro lado, a ocorrência periódica de pragas nos vinhedos também agravava a miséria social na Madeira (Vieira 2016a, 12-16).

  • 15 Ver Silva e Meneses (1984, III, 249-50 [alimentos] e 400-01 [salários]).

33As condições precárias forçaram as mulheres, apesar dos salários baixíssimos, a aproveitarem a oportunidade de um modesto ganho adicional para assegurarem a subsistência das suas famílias (Silva e Meneses 1984, I, 314 e 316; Vieira 1999, 45-46). Em 1914, as bordadeiras domiciliárias estavam quase no fim da tabela dos salários. Ganhavam entre 0$18 e 0$24 por dia, enquanto um artesão, por exemplo um alfaiate, a trabalhar no mesmo sector têxtil, recebia entre 0$80 e 1$00. As receitas das bordadeiras eram insuficientes para comprar os alimentos essenciais para a família.15 O nível de rendimentos extremamente baixo permitia, na perspetiva empresarial, que os bordados da Madeira pudessem ser oferecidos a preços competitivos no mercado global. A oferta era concorrencial até em comparação com a da Suíça, onde a mecanização dos bordados já estava muito mais avançada. Do ponto de vista dos empresários, os custos de mão de obra revelaram-se o fator-chave do êxito económico.

  • 16 Ver o relatório anual (1911) do consulado alemão e o relatório sobre o tráfego marítimo no porto (...)

34Quanto ao decurso dos negócios para o período de 1880 a 1916, não há estatísticas de exportação para as casas individuais de bordados madeirenses. Estas constam somente por países de destino e igualmente por volume tanto de receitas em valores nominais como em quilogramas. Embora as fontes limitem o valor informativo, é notável que em 1895, primeiro ano do quinquénio em que a maioria das casas alemãs de bordados foi fundada, o volume das exportações quadruplicou em comparação com o ano anterior. Isto indica um aumento significativo da capacidade de produção perante um número aproximadamente igual de fábricas de bordados. Tendo os métodos de trabalho permanecido inalterados, resta como explicação um aumento considerável do número de bordadeiras domiciliárias a partir de 1890 (Câmara 2002, 211). Os dados disponíveis confirmam um crescimento de 1.029, em 1862, para cerca de 30.000 em 1906 (Vieira 1999, 88) e 38.000 em 1916 (Câmara 2002, 228). Quanto à produção, ela manteve-se num nível elevado até 1914, mostrando contudo grandes oscilações entre um máximo de 53.074 kg em 1907 e um mínimo de 8.872 kg em 1912. A rutura em 1911 e 1912 deve-se à epidemia de cólera de 1910, que provocou uma redução drástica do tráfego marítimo no porto do Funchal.16

  • 17 Valores calculados pelo autor a partir dos dados in Câmara (2002, 102 e 225) e Silva e Meneses, v (...)

35O enquadramento dos bordados nas exportações totais da Madeira apresenta para os anos de 1900, 1907 e 1914 valores de 1.116.470, 941.791 e 919.791 milhares de réis respetivamente. Estes números conferiam aos bordados 20,6%, 29,5% e 17,0% das exportações totais da região, logo abaixo do vinho, com uma percentagem que rondava os dois terços do total. Todas as restantes mercadorias de exportação representam proporções mínimas do comércio externo. Relativamente ao conjunto dos produtos artesanais, a percentagem dos bordados é – nos mesmos anos de referência – da ordem dos 90%.17 Apesar de os dados económicos para o período entre 1880 e 1916 serem incompletos, estes números evidenciam o relevo que o sector dos bordados havia alcançado, em pouco tempo, quer no mercado de trabalho regional, quer no comércio externo do arquipélago.

36A comparação com os valores no fim da fase inglesa prova a recuperação considerável do sector têxtil iniciada com a entrada dos comerciantes alemães no mercado. Em 1880, o valor do vinho rondava os 640.600 milhares de réis, representando 86,5% da exportação total, enquanto o dos bordados era de 12.937 milhares de réis, ou seja, somente 1,75%. Resumindo, os comerciantes alemães conseguiram integrar o bordado no mercado internacional, sendo o país consumidor mais importante a própria Alemanha, seguido da Inglaterra. Os EUA eram ainda um mercado emergente, começando lentamente a manifestar abertura, processo esse fortemente dificultado pela política protecionista do governo americano.

37Porém, devemos considerar os dados com alguma reserva, visto que as estatísticas do comércio externo, tanto da Alemanha como da Grã-Bretanha, não revelam se as importações eram destinadas ao mercado interno ou se, após transbordo nos portos francos em regime de trânsito direto ou de aperfeiçoamento, eram transportadas para países terceiros. As escalas por motivo de aperfeiçoamento ainda serviam para a divisão internacional do trabalho como parte da cadeia de valor. No caso das fábricas alemãs de bordado, as etapas de produção eram distribuídas por diferentes empresas na Madeira e na Alemanha, como relata Vieira (2016b, 8) para a Casa Grande de von Streit. A fase de bordar realizava-se na Madeira, enquanto o acabamento dos bordados, i.e. a lavagem, a passagem a ferro, o eventual conserto, a engomagem, a dobragem e a embalagem, era efetuado no porto franco de Hamburgo antes da exportação definitiva para os EUA. Tittel (1913, 82-83) escreve que antes da entrega às bordadeiras, todas as etapas até à picotagem dos padrões em chapas eram executadas na sede das empresas em Bielefeld. Por razões de aproveitamento de uma taxa aduaneira mais baixa, transportavam-se as chapas e os tecidos não cortados para a Madeira, enquanto o corte e a estampagem eram executados nas filiais madeirenses. Para a empresa de Marum não há fontes que comprovem a cadeia de produção.

  • 18 Staatsarchiv Hamburg, Hamburger Passagierlisten 1850-1934, Vol. 099, Bestand 373-7I, VIII A I mic (...)

38No fim do ano de 1901, houve uma alteração na gerência da empresa de Marum que se anunciara já em 1898. Emil Franz Gesche, então com apenas 22 anos, acabara de chegar à Madeira em finais de setembro, vindo de Hamburgo no vapor “Eduard Bohlen”.18 Era oriundo de Berlim, onde tinha cursado uma formação comercial. Interrompeu a sua viagem para o Brasil na Madeira para visitar Martin Julius Benno Paulini, um amigo dos tempos de Berlim, que trabalhava numa casa alemã de bordados. Certamente, Gesche acompanhava Paulini nos passeios no cais do Funchal, onde os jovens comerciantes costumavam ter os seus encontros vespertinos, e assim pôs-se em contacto com Benno Franken, que lhe ofereceu um posto de trabalho na filial de Marum. Naquela altura, Franken já tinha em mente trabalhar por conta própria em Tenerife e reconheceu em Gesche uma pessoa adequada para ser proposta como sucessor ao seu patrão.

  • 19 Factos segundo os apontamentos inéditos da filha de Gesche, Elisabeth.

39Gesche, por seu turno, aceitou o emprego no qual entrou com muito gosto a 1 de novembro de 1898, também porque já tinha, como filho de um alfaiate, uma certa afinidade com a indústria têxtil. Dois anos mais tarde, em outubro de 1900, por ocasião de férias na Alemanha, apresentou-se a Wilhelm Marum, em Colónia. Porque ambas as partes logo se entenderam, ficou durante um ano na sede da empresa para se preparar para o cargo de gerente. Depois, voltou para a Madeira para tomar o lugar de Franken.19 Em 1907, finalmente, Marum constituiu-o seu sócio, um passo em benefício de ambos os parceiros; Marum já não tinha que assumir sozinho todos os riscos empresariais para a filial, sobre a qual, considerando a distância, apenas podia exercer um controlo parcial. Gesche logo passou de empregado a empresário, com um interesse acrescido na prosperidade da firma, visto que recebia uma parte equitativa dos respetivos lucros. Não há fontes sobre uma contribuição em capital da parte do sócio.

40O contraste entre os dois tipos de empresário é evidente: Marum atuava protegido pela segurança da sua rede familiar e ficava ligado à região de Colónia. Concretizava a internacionalização da sua empresa, somente vinte anos após a fundação desta, reagindo à pressão externa e não seguindo o estímulo autónomo para abrir novos campos de negócios. O seu comportamento económico baseava-se numa aversão aos riscos comerciais que, eventualmente, causassem a falência da empresa, constituindo desta forma um perigo para o seu status social. Gesche, ao contrário, partiu de Berlim para o estrangeiro sem apoio financeiro da casa paterna e sem quaisquer garantias para um avanço profissional, valendo-se apenas da sua formação como único capital imaterial. Podia parecer que este alto grau de tolerância de risco se devia à sua tenra idade. Porém, a perseverança com que se aproveita da oportunidade profissional na Madeira e a desenvolve até à adoção de uma atividade independente prova que atuava longe de despreocupação juvenil. Afinal, precisava de uma forte resiliência psíquica e de uma capacidade de adaptação social para singrar num ambiente cuja língua nem sequer dominava e que diferia acentuadamente do meio alemão. Vindo de um ambiente pequeno-burguês, distanciava-se do seu meio de origem, chegando a um alto nível social, somente atingível com a forte disposição de agir em favor da própria ascensão, o que implica um sentido particularmente aguçado das oportunidades emergentes. Seguindo a tipologia de Heuß, Gesche representa com estas caraterísticas o “empresário iniciativo”, por oposição ao tipo de “empresário conservador”, como Marum (Krüsselberg 1993, 136).

  • 20 Staatsarchiv Hamburg, Hamburger Passagierlisten 1850-1934, Band 212, Bestand 373-7I, VIII A I mic (...)
  • 21 Cópia in Bundesarchiv R 901/26614.

41A diferença de atitudes exemplifica-se no seguinte caso. Em 1909, Gesche dá uma prova do seu espírito empreendedor, partindo para uma volta ao mundo que se destinava exclusivamente à exploração de novas oportunidades de mercado. A grande intensidade com que Wilhelm Marum comunicava com o seu sócio sobre o decurso dos negócios na filial madeirense revela-se indiretamente no facto de que, quando Gesche iniciava a sua viagem, Marum tenha mandado imediatamente, no dia 9 de julho, o seu filho Otto para a Madeira, a fim de que a filial não ficasse sem controlo por muito tempo.20 Pouco depois do seu regresso em fevereiro de 1910, Gesche recebeu uma carta do Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão, de 8 de junho de 1910, a nomeá-lo Cônsul Imperial no Funchal, sucedendo desta forma ao seu futuro sogro Dr. Georg Friedrich Sattler.21 A fusão dos laços familiares e de amizade com os interesses profissionais que daí transparece não é nada de extraordinário nos círculos burgueses da época. Simultaneamente, este vínculo interliga-se com a dimensão política. O consulado honorário, como instituição motivada por considerações de política comercial, concedeu a Gesche uma panorâmica de todas as atividades comerciais da comunidade alemã. Além disso, a vantagem do cargo resultava num acréscimo de confiança do qual gozava por parte dos parceiros de negócio, v.g. de transitários, armadores, bancos ou clientes, o que o privilegiava em relação aos seus concorrentes.

42A eclosão da Grande Guerra provocou um corte profundo no processo de globalização económica. Na Madeira, a entrada de Portugal na guerra ao lado dos aliados, a 9 de março de 1916, marcou o fim das atividades económicas dos comerciantes alemães. As empresas alemãs foram liquidadas, cidadãos alemães, como Emil Gesche, foram forçados a sair da Madeira, e o consulado alemão no Funchal encerrou. Após o fim da guerra, nenhum dos fabricantes alemães de bordados retomou os seus negócios na Madeira. Entretanto tinham-se instalado na ilha comerciantes de origem síria que produziam bordados de qualidade inferior para o mercado americano, o que destruiu gradualmente a reputação dos bordados da Madeira, feitos à mão e de qualidade superior.

4. Conclusão

43A entrada das empresas de têxteis alemãs na Madeira foi impulsionada por pressões exógenas, face à situação difícil no mercado alemão, objeto de interferências externas devido à integração nos mercados internacionais. Na Alemanha, a oferta barata de fibras têxteis inglesas levou a uma forte diminuição de preços. Medidas protecionistas apenas poderiam inibir esta tendência em pequena escala (Lindert e Williamson 2003, 231), uma vez que alguns sectores da indústria têxtil, como a tecelagem, favoreciam a livre circulação de bens querendo comprar os produtos primários (fio) a preços vantajosos. Em conjugação com a recessão económica surgida por volta de 1890, esta situação repercutiu-se de forma negativa nos negócios dos pequenos produtores e comerciantes de roupa de melhor qualidade. Por razões de sustentabilidade das suas empresas em tempos de instabilidade, alguns destes acabariam por se tornar naquilo que se poderia designar como low-level global players, mostrando assim que nem todos os participantes no denominado “jogo da globalização” tinham de ser grandes empresas ou grandes empresários.

44As condições essenciais para a internacionalização da sua atividade empresarial eram: (1) redes para a recolha de informações, (2) despesas de transporte reduzidas, (3) baixos custos de produção, (4) uma organização eficaz dos processos de trabalho e (5) a abertura de novos mercados. O ponto de saída foi a síntese de informações relevantes sobre uma possível localização de produção no estrangeiro. Tais informações tornaram-se disponíveis por meio de redes definidas como estruturas densas de comunicação dentro e entre as aglomerações da indústria têxtil. Estas interações funcionaram entre os comerciantes judeus frequentemente através de redes religiosas transnacionais. Relatos sobre o comércio de bordados na Madeira provinham de Otto von Streit, berlinense e primeiro empresário alemão neste ramo no Funchal, e espalhavam-se a partir de Berlim.

45Com base nos dados recolhidos pelos empresários alemães, tratava-se de identificar as condições económicas para uma produção e comercialização do bordado da Madeira a preços competitivos, no âmbito de uma concorrência global. Evidenciou-se como um fator importante a descida drástica dos custos de transporte, devido aos progressos consideráveis no desenvolvimento dos meios de transporte e à ampliação e requalificação das respetivas infraestruturas, possibilitando a integração abrangente de regiões periféricas como a Madeira na rede de navegação atlântica. De maior importância foram ainda os custos salariais, cujo nível extremamente baixo na Madeira tornava a produção manual de bordados mais vantajosa do que aquela que era mecanizada nos países com um elevado nível de industrialização. A procura de mão de obra barata traduzia-se para as mulheres do campo num trabalho acessório que oferecia, a curto prazo, um rendimento suplementar como contributo à subsistência, revelando-se, porém, a longo prazo, como cativeiro na denominada poverty trap (Dowrick e DeLong 2003, 206) que perpetua a pobreza.

46Aproveitando-se destas desigualdades, os empresários alemães adaptaram a produção de bordados da Ilha da Madeira às necessidades económicas por eles definidas. Face à vantagem de custos salariais pretenderam conservar o caráter proto-industrial do modo de produção. Um aumento da produtividade laboral por via da mecanização teria exigido a compra de máquinas modernas. Piorando a relação custo-benefício na altura, um tal investimento parecia inútil em vista da disponibilidade quase inesgotável de mão de obra barata. Sem salário fixo, as bordadeiras estavam sujeitas a uma flexibilidade total, dependendo completamente das encomendas dos comerciantes. As alterações introduzidas estenderam-se à organização do trabalho, que ficou segmentado em diversas etapas. Para fins de um melhor controlo, apenas o trabalho de bordar era executado ao domicílio, especialmente nas regiões rurais da Madeira, enquanto todos os outros passos ficaram centralizados na fábrica, envolvendo assim o comerciante na esfera de produção e requerendo a permanência in situ de um representante qualificado da empresa-mãe alemã, na qualidade de gerente ou sócio.

47À segmentação do trabalho associava-se ainda uma divisão internacional. Principalmente por motivos do regime aduaneiro, os empresários alemães optaram por executar alguns dos passos iniciais e finais da produção na Alemanha, isto é, nas próprias instalações-sede e/ou em firmas contratadas nos portos francos, internacionalizando desta forma a cadeia de valor. Porém, a internacionalização não se ficou por aí, alargando-se também ao domínio da distribuição. Para ser rentável, a especialização num produto de luxo como o bordado requeria a ampliação do mercado de vendas para além das fronteiras nacionais (Frieden 2007, 23). Neste contexto, coube ao comerciante na Alemanha o papel de procurar e abrir novas vias de escoamento, principalmente nos EUA. Mas o que finalmente fica para a história é que estes processos de internacionalização e de integração económica global dos bordados da Madeira, desencadeados por iniciativa de empresários alemães, corresponderam a um ciclo curto e inconsequente, tendo terminado abruptamente por efeito de circunstâncias políticas e militares extraordinárias – a eclosão da Grande Guerra e a separação de Portugal e da Alemanha em campos opostos do conflito.

48Tentando finalmente integrar os resultados deste estudo numa perspetiva mais geral, talvez se pudesse concluir que o desenvolvimento do sector de bordados na Madeira, até ao fim da intervenção alemã em 1916, exemplifica os processos de divergência que acompanharam a globalização, tal como foram expostos por Dowrick e DeLong (2003, 192):

[…] outside the charmed circle made up of the western European economies, […] the rst era of globalization in 1870-1914 did not bring convergence. It brought much structural change and economic integration […] But the relative gap in income and productivity and the gap in industrial structure vis-à-vis the industrial core of the world economy continued to widen.

49Em contraste com a posição citada, porém, outros autores, como O’Rourke e Williamson (1999, 5; 2017, 28), chegam à conclusão que os países periféricos conseguiram diminuir o atraso em relação ao centro industrializado no sentido de uma convergência, admitindo contudo a existência de retardatários como Portugal. A explicação para o atraso ou falhanço destes também não é consensual. Para alguns, como Lindert e Williamson (2003, 241), seria imputável a uma “falta de vontade para entrar no jogo da globalização” e, como tal, seria da responsabilidade dos próprios. Mas esta asserção parece configurar uma interpretação demasiado generalizadora, considerando a heterogeneidade dos casos específicos, como o da Madeira ou de Portugal em geral. Pode ser que, simplesmente, como alega por exemplo Pedro Lains (2006, 312-13), Portugal tivesse à partida, já em 1870, um atraso de desenvolvimento económico tão grande face aos países industrializados que não poderia ser superado até 1914.

Topo da página

Bibliografia

Araújo, Henrique Gomes de (2004). “0 1° marco histórico na defesa das marcas regionais dos vinhos do Porto e da Madeira – o Tratado, o Banquete e o Discurso”. Douro. Estudos & Documentos, 9 (18), pp. 169-189.

Barkai, Avraham (1988). Jüdische Minderheit und Industrialisierung. Demographie, Berufe und Einkommen der Juden in Westdeutschland 1850-1914. Tübingen: J.C.B. Mohr.

Bordo, Michael D.; Taylor, Alan M.; Williamson, Jeffrey G. (eds) (2003). Globalization in Historical Perspective. Chicago/London: The University of Chicago Press.

Câmara, Benedita (2002). A Economia da Madeira (1850-1914). Lisboa: ICS.

Casson, Mark (2003). The Entrepreneur. An Economic Theory. 2nd ed. Cheltenham: Elgar.

Clark, Gregory; Feenstra, Robert C. (2003). “Technology in the Great Divergence”, in M. D. Bordo et al., (eds), Globalization in Historical Perspective. Chicago/London: The University of Chicago Press, pp. 277-312.

Crafts, Nicholas; Venables, Anthony J. (2003). “Globalization in History: A Geographical Perspective”, in M. D. Bordo et al. (eds), Globalization in Historical Perspective. Chicago/London: The University of Chicago Press, pp. 323-369.

Derix, Simone (2012). “Transnationale Familien”, in J. Dülffer, W. Loth (eds), Dimensionen internationaler Geschichte, Studien zur internationalen Geschichte, 30. München: Oldenbourg, pp. 335-351.

Dowrick, Steve; DeLong, J. Bradford (2003). “Globalization and Convergence”, in M. D. Bordo et al. (eds), Globalization in Historical Perspective. Chicago/London: The University of Chicago Press, pp. 191-226.

Dülffer, Jost; Loth, Wilfried (eds) (2012). Dimensionen internationaler Geschichte, Studien zur internationalen Geschichte, 30. München: Oldenbourg

Findlay, Ronald; O’Rourke, Kevin H[jortshøj]. (2003). “Commodity Market Integration, 1500-2000”, in M. D. Bordo et al., (eds), Globalization in Historical Perspective. Chicago/London: The University of Chicago Press, pp. 13-62.

Frieden, Jeffry A. (2007). Global Capitalism. Its Fall and Rise in the Twentieth Century. New York/London: Norton.

Garrido, Georgina da Conceição Branco (2015). Dos Conventos ao Ecomuseu Patrício & Gouveia Lda. – Fábrica de Bordados. Lisboa: Departamento de Museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Tese de mestrado).

Glessgen, Hermann (1965). Auf hundert Jahr gestellter Marum Kalender/Nemlichen Von 1865 biß 1965 Darinnen zu finden die gantze Zeit Mit Sonnenschein und Regen/Mit Wind und Sturm das Haußwesen und die Familie der A. Marum Wwe./Strumpffabriken. Sobernheim: [s.n.].

Harvey, David (1989). The Condition of Postmodernity: An Enquiry into the Origins of Cultural Change. Cambridge (Mass.)/Oxford: Blackwell.

Henning, Friedrich-Wilhelm (1975). “Die Stadterweiterung unter dem Einfluß der Industrialisierung (1871-1914)”, in H. Kellenbenz (ed), Zwei Jahrtausende Kölner Wirtschaft, vol. 2: Vom 18. Jahrhundert bis zur Gegenwart. Köln: Greven, pp. 26-358.

Herren, Madeleine (2012). “Netzwerke”, in J. Dülffer, W. Loth (eds), Dimensionen internationaler Geschichte, Studien zur internationalen Geschichte, 30. München: Oldenbourg, pp. 107-128.

Jahres-Bericht der Handelskammer zu Köln 1893-1895 (1894-1896). Köln: Du Mont Schauberg.

Khanna, Parag (2017). Connectography. Mapping the Global Network Revolution. London: Weidenfeld & Nicolson.

Klut, Ana Teresa de Macedo (2003). Economuseu. Casa de Bordados. Lisboa: Departamento de Museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Tese de mestrado).

Koch, Peter (1967). “Robert Gerling”, in Rheinisch-Westfälische Wirtschaftsbiografien, Veröffentlichungen der Historischen Kommission Westfalens, XVII B, vol. 9. Münster: Aschendorff, pp. 133-150.

Lains, Pedro (1987). “O proteccionismo em Portugal (1842-1913): um caso mal sucedido de industrialização concorrencial“. Análise Social, 23 (97), pp. 481-503.

Lains, Pedro (2006). “The role of open economy forces in Portugal and the Balkans, 1870-1913”, in J.-P. Dormois, P. Lains (eds), Classical Trade Protectionism 1815-1915. London/New York: Routledge, pp. 298-317.

Lains, Pedro (2007). “Growth in a Protected Environment: Portugal, 1850-1950”. Research in Economic History, 24, pp. 119-160.

Lindert, Peter H.; Williamson, Jeffrey G. (2003). “Does Globalization Make the World More Unequal?”, in M. D. Bordo et al. (eds), Globalization in Historical Perspective. Chicago/London: The University of Chicago Press, pp. 227-275.

Lösch, Hans Peter (1969). Die Textilkonjunktur im Rahmen des allgemeinen Wirtschaftsablaufs. Ausmaß und Ursachen der erhöhten konjunkturellen Instabilität der Textilindustrie, Forschungsberichte des Landes Nordrhein-Westfalen, 2020. Wiesbaden: VS Verlag für Sozialwissenschaften.

Lowenstein, Steven M.; Mendes-Flohr, Paul; Pulzer, Peter; Richarz, Monika (1997). Deutsch-jüdische Geschichte in der Neuzeit, vol. III: Umstrittene Integration 1871-1918. München: Beck.

Müller, Alwin (1984). Die Geschichte der Juden in Köln von der Wiederzulassung 1798 bis um 1850. Ein Beitrag zur Sozialgeschichte einer Minderheit, Kölner Schriften zu Geschichte und Kultur. Köln: dme.

Nepomuceno, Rui (1994). As Crises de Subsistência na História da Madeira. Ensaio histórico. Lisboa: Caminho.

Neuhaus, Georg (1916). “Die Entwicklung der Stadt Cöln von der Gründung des Deutschen Reiches bis zum Weltkriege”, in Stadt Köln (ed), Die Stadt Cöln im ersten Jahrhundert unter preußischer Herrschaft, vol. 1, parte 2. Köln: Paul Neubner.

Niebelschütz, Wolf von (1954). Robert Gerling. Ein dramatisches Kapitel deutscher Versicherungsgeschichte. Tübingen: Rainer Wunderlich.

O‘Rourke, Kevin; Williamson, Jeffrey (1999). Globalization and History. The Evolution of a Nineteenth-Century Atlantic Economy. Cambridge (Mass.): MIT.

O‘Rourke, Kevin; Williamson, Jeffrey (eds) (2017). The Spread of Modern Industry to the Periphery since 1871. Oxford: OUP

Osterhammel, Jürgen (2010). Die Verwandlung der Welt. Eine Geschichte des 19. Jahrhunderts, Schriftenreihe, 1044. Bonn: bpb.

Pedreira, Jorge Miguel (1990). “Social Structure and the Persistence of Rural Domestic Industry in Nineteenth Century Portugal”. Journal of European Economic History, 19 (3), pp. 521-547.

Perneta, Helena Paula Freitas (2011). A Madeira e os Alemães, 1917-1939. O discurso na imprensa madeirense. Funchal: Universidade da Madeira (Tese de mestrado).

Santos, Luís Aguiar (2001). “A crise financeira de 1891: uma tentativa de explicação”. Análise Social, 36 (158-159), pp. 185-207.

Santos, Teresa Catarina dos (2005). O Bordado Madeira. O processo criativo do bordado madeirense. Lisboa: Departamento de Arquitectura, Urbanismo e Artes, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Tese de mestrado).

Schröder, Wilhelm Heinz (ed) (1985). Lebenslauf und Gesellschaft: zum Einsatz von kollektiven Biographien in der historischen Sozialforschung, Historisch-Sozialwissenschaftliche Forschungen: quantitative sozialwissenschaftliche Analysen von historischen und prozeß-produzierten Daten, 18. Stuttgart: Klett-Cotta.

Schuppert, Gunnar Folke (2014). Verflochtene Staatlichkeit. Globalisierung als Governance-Geschichte, Staatlichkeit im Wandel, 21. Frankfurt/New York: Campus.

Silva, Fernando Augusto da; Meneses, Carlos Azevedo de (1984). Elucidário Madeirense [1946]. Funchal: DRAC.

Silva, António Ribeiro Marques da (1994). Apontamentos sobre o Quotidiano Madeirense (1750-1900). Lisboa: Caminho.

Silva, Andreia da (2015). A Herança das Bordadeiras Madeirenses da Ribeira Brava. Contributo para o estudo de um património linguístico regional e local. Funchal: Universidade da Madeira (Tese de mestrado).

Silva, Andreia da (2017). “As bordadeiras da Madeira. Um estudo realizado”. Islenha, 60, pp. 5-24.

Thomas, Georg (1972). “Der deutsch-portugiesische Handelsvertrag von 1908”. Jahrbuch für Geschichte Lateinamerikas/Anuario de Historia de America Latina, 9 (1), pp. 406-434.

Thulin, Mirjam (2010). “Jüdische Netzwerke”, in Europäische Geschichte Online (EGO). Mainz: Leibniz-Institut für Europäische Geschichte (IEG). Disponível em <http://www.ieg-ego.eu/thulinm-2010-de>.

Tittel, Paul (1913). Die Wäscheindustrie in Bielefeld und Herford unter besonderer Berücksichtigung von Organisation und Betrieb. Leipzig: Universität Leipzig, Philosophische Fakultät (PhD Dissertation).

Torp, Cornelius (2005). Die Herausforderung der Globalisierung. Wirtschaft und Politik in Deutschland 1860-1914, Kritische Studien zur Geschichtswissenschaft, 168. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht.

Vieira, Alberto (1999). O Bordado da Madeira na História e Quotidiano do Arquipélago. Funchal: CEHA.

Vieira, Alberto (2006). Bordado da Madeira. Funchal: Bordal.

Vieira, Alberto (2016a). “Vinho”. Disponível em <http://aprenderamadeira.net/vinho/>.

Vieira, Alberto (2016b). “Bordado”. Disponível em <http://aprenderamadeira.net/bordado/>.

Wilhelm, Eberhard Axel (1988). “Estrangeiros na Madeira”. Islenha, 2, pp. 69-76.

Wilhelm, Eberhard Axel (1990). “As casas alemãs de bordados entre 1880 e 1916 e a família Schnitzer”. Islenha, 7, pp. 52-60.

Wilhelm, Eberhard Axel (1994). “A genealogia dos Kiekeben da Madeira”. Islenha, 15, pp. 41-42.

Topo da página

Notas

1 Ver Câmara (2002, 203-221), Vieira (1996, 2006, 2016b), Silva (2017), Nepomuceno (1994), Silva (1994) e Klut (2008). Dissertações: Klut (2003), Santos (2005), Perneta (2011), Garrido (2015) e Silva (2015).

2 Sobre a história desta empresa, cf. Glessgen (1965).

3 Todas as indicações das localidades constam dos antigos livros de endereços de Colónia.

4 Derix (2012) comprova este facto para famílias transnacionais. Para as redes judaicas, cf. Thulin (2010).

5 Ver Jüdisches Adressbuch für Gross-Berlin 1931 (1931, 33-39). Berlin: Goedega.

6 Ver os dados de Henning (1975, 285).

7 Ver v.g. Jahres-Berichte der Handelskammer zu Köln 1893 (1894, 165) e 1894 (1895, 194).

8 Jahres-Bericht der Handelskammer zu Köln für 1895 (1896, 194).

9 Nas listas de passageiros não há indícios de que Wilhelm Marum tivesse viajado pessoalmente para a Madeira.

10 Ver Berliner Adreßbuch: für das Jahr 1882; unter Benutzung amtlicher Quellen (1882). Berlin: Scherl, p. 618, disponível em <https://digital.zlb.de/viewer/image/10089470_1882/1871/>.

11 Para as discussões nas câmaras de comércio alemãs ver Rheinisch-Westfälisches Wirtschaftsarchiv, Abt. 1 – nr. 24b – fasc. 34; Abt. 2 – nr. 10 – fasc. 5 e 32.

12 Cf. Findlay e O’Rourke (2003, 35) e Clark e Feenstra (2003, 294).

13 In Heraldo da Madeira (1906), apud Vieira (1999, 27-28).

14 Ver os números in Vieira (1999, 42-44 e 2016b, 13-14).

15 Ver Silva e Meneses (1984, III, 249-50 [alimentos] e 400-01 [salários]).

16 Ver o relatório anual (1911) do consulado alemão e o relatório sobre o tráfego marítimo no porto do Funchal (Bundesarchiv R 901/6146, fol. 1 seqq. e R 901/77191).

17 Valores calculados pelo autor a partir dos dados in Câmara (2002, 102 e 225) e Silva e Meneses, vol. I (1984, 315).

18 Staatsarchiv Hamburg, Hamburger Passagierlisten 1850-1934, Vol. 099, Bestand 373-7I, VIII A I microfilme nr. K 1758.

19 Factos segundo os apontamentos inéditos da filha de Gesche, Elisabeth.

20 Staatsarchiv Hamburg, Hamburger Passagierlisten 1850-1934, Band 212, Bestand 373-7I, VIII A I microfilme nr. K 1809.

21 Cópia in Bundesarchiv R 901/26614.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Primeira sede da fábrica de Wilhelm Marum em Colónia, Sternengasse 12
Créditos Fonte: Stadtkonservator Köln, Rheinisches Bildarchiv; foto tirada em 1910.
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/3464/img-1.png
Ficheiros image/png, 128k
Título Figura 2. Taxas de variação anual da produção industrial alemã (1913 = 100)
Créditos Fonte: Hans Peter Lösch (1969, 32).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/3464/img-2.png
Ficheiros image/png, 25k
Título Figura 3. Direitos aduaneiros ad valorem (Portugal), 1873-1913
Créditos Fonte: Dados de Lains (1987, 490 e 502).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/3464/img-3.png
Ficheiros image/png, 17k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Mathias Saecker, « Interdependências numa economia globalizada: empresários alemães na indústria de bordados da Madeira, 1880-1916 », Ler História, 72 | 2018, 103-128.

Referência eletrónica

Mathias Saecker, « Interdependências numa economia globalizada: empresários alemães na indústria de bordados da Madeira, 1880-1916 », Ler História [Online], 72 | 2018, posto online no dia 26 junho 2018, consultado no dia 18 julho 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/3464 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.3464

Topo da página

Autor

Mathias Saecker

Investigador independente, Alemanha

mathias.saecker@gmx.de

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals