Navegação – Mapa do site
Espelho de Clio

Sérgio Buarque de Holanda e o estudo comparado dos imaginários ibéricos em Visão do Paraíso (1959)

Sergio Buarque de Holanda and the Comparative Study of the Iberian Imaginaries in Visão do Paraiso (1959)
Sergio Buarque de Holanda et l’etude comparative des imaginaires iberiques dans Vision du Paradis (1959)
Renato Martins
p. 177-198

Resumos

O artigo analisa o sentido e o lugar das relações entre os polos tradição e modernidade no estudo comparado dos imaginários ibéricos sobre o mito paradisíaco, na obra Visão do Paraíso (1959), de Sérgio Buarque de Holanda. Parte-se da hipótese de que, apesar das dificuldades existentes na produção intelectual sobre ela de tentar classificar tais relações, estas correspondem ao objetivo central da publicação. A análise privilegia momentos centrais do argumento da obra: os polos tradição e modernidade serão discutidos por meio de uma concepção específica de modernidade renascentista. E concatenados a temas da historiografia luso-brasileira, como o debate entre Sérgio Buarque de Holanda e o historiador Jaime Cortesão sobre o mito da Ilha Brasil. Priorizam-se, igualmente, etapas elucidativas da produção do texto da obra: em sua forma original, de tese de cátedra, apresentada em 1958; e os elos desta forma com alguns percursos importantes de sua transformação em livro.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Todas as edições de Visão do Paraíso são brasileiras, exceto a edição lançada na Venezuela, em 19 (...)
  • 2 Sobre a incompreensão crítica e a subsequente falta de reconhecimento e estudo sobre Visão do Par (...)

1A obra Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos do Descobrimento e da Colonização do Brasil (1959), do historiador paulista Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), foi originalmente concebida como tese de cátedra para o concurso à cadeira de História da Civilização Brasileira da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências da Universidade de São Paulo, realizado entre 10 e 14 de novembro de 1958. No ano seguinte é publicada pela editora José Olympio, e até hoje contabiliza oito edições, a última de 2010.1 Apesar de ser uma das obras mais reconhecidas pela historiografia brasileira, segue, de fato, ainda parcamente conhecida, não obstante os poucos e frutíferos estudos sobre o tema. Um dos motivos do desconhecimento da obra consiste numa certa dificuldade em classificá-la, que se tem mantido por muito tempo por parte da recepção crítica. Esta hesitação levou a uma subsequente lacuna e nebulosidade na investigação acerca de uma questão central enfrentada por Visão do Paraíso: o estudo comparado dos imaginários português e espanhol sobre o mito do paraíso terrestre na América, realizado a partir do par “tradição” e “modernidade”.2

2Este artigo parte do princípio de que a obra Visão do Paraíso segue sendo pouco conhecida, não obstante ser reconhecida pela historiografia e pela crítica literária brasileira, nomeadamente através de artigos e apresentações da obra, e, principalmente, por meio de dissertações de mestrado. Neste caso penso sobretudo nas importantes contribuições de Luiza Laranjeira da Silva Mello (2005), Thiago Lima Nicodemo (2008), Gabriella de Assis (2012) e José Adil Blanco de Lima (2013). Na medida em que uma das lacunas da reflexão sobre Visão do Paraíso consiste precisamente na questão do estudo comparado dos imaginários português e espanhol sobre a conquista da América, as próximas páginas buscam atribuir um sentido e um lugar a essa comparação na obra. Parte-se de uma leitura em que o significado dos polos tradição e modernidade é delimitado a partir de uma concepção específica de modernidade renascentista, e em que o exercício comparativo de contraste entre tais polos constitui o próprio objectivo central da obra.

3Este artigo consiste, assim, numa discussão sobre o sentido e o lugar do referido estudo comparado, estando organizado do seguinte modo. Primeiramente consideram-se três momentos de recepção da obra pela fortuna crítica: as resenhas publicadas na imprensa periódica, os artigos e apresentações (prefácios e posfácios, entre outros) e, finalmente, os estudos em forma de mestrado. Nestes três casos tem-se em vista a seguinte questão: se, e de que forma, o referido estudo comparado é discutido e problematizado. Em seguida, na secção 2, destaca-se que, embora as resenhas, apresentações e trabalhos acadêmicos se afastem de uma classificação suficientemente definida e consensual acerca do sentido e lugar da comparação em Visão do Paraíso, esta pode assumir um significado específico do texto da obra, correspondendo, no limite, ao seu objetivo central. É isto que se procurará demonstrar na terceira secção, em primeiro lugar pela reflexão sobre os aludidos polos “tradição” vs. “modernidade”, e pela análise da comparação em pauta no próprio texto de Visão do Paraíso; depois, pelo processo de defesa da tese Visão do Paraíso, procurando-se mostrar que, desde então, aquele objetivo central da obra já está anunciado em forma de tese no trabalho defendido pelo então candidato; e, finalmente, durante o processo de transformações entre a tese e as três primeiras edições da obra (1959, 1969 e 1977), que, apesar da complexidade interminável dessas mudanças, cumpre a função de esclarecer o que Sérgio Buarque entende por objetivo central de Visão do Paraíso. Por fim, uma breve secção conclusiva recapitula os principais resultados deste estudo.

1. Três momentos da recepção de Visão do Paraíso pela fortuna crítica

  • 3 Esta é uma divisão estabelecida neste artigo e, por isso, não busca propor uma distribuição defin (...)
  • 4 Apesar de dispersos, alguns artigos foram compilados por Monteiro e Eugênio (2008).

4A recepção da obra Visão do Paraíso pela fortuna crítica pode ser dividida em três momentos.3 O primeiro corresponde às resenhas de intelectuais publicadas na imprensa periódica sobre a obra. Organizadas e abrigadas no acervo pessoal do autor, o Fundo Sérgio Buarque de Holanda, localizado no Arquivo Central da Universidade Estadual de Campinas (Siarq-UNICAMP), se voltam sobretudo a reflexões e comentários à sua primeira edição (1959), mas também, em menor medida, à terceira (1977). O seguinte corresponde especialmente aos artigos e outras formas de apresentação da obra, produzidos em sua maioria a partir dos anos 1980, e assinados comumente (mas não exclusivamente) por historiadores. Já refletem, sim, o contexto de reconhecimento da obra, que será melhor discutido adiante, e encontram-se dispersos pela imprensa periódica, em publicações especializadas e nas próprias edições de Visão do Paraíso.4 Já o último momento coincide com os trabalhos de mestrado exclusivamente voltados ao estudo de Visão do Paraíso, produzidos a partir da primeira década deste século.

  • 5 As resenhas abrigadas no acervo pessoal do autor não correspondem a todas as resenhas produzidas (...)

5A desconsideração pelas relações entre tradição e modernidade no estudo comparado dos imaginários ibéricos em Visão do Paraíso é expressiva nas mais de 30 resenhas, publicadas em grande parte em 1959, por ocasião do lançamento da obra.5 Não se deve esperar destes autores análises de fôlego ou mesmo portadoras de alguma especialidade metodológica, por assim dizer. O gênero (resenha) e o lugar no qual são publicadas (a imprensa periódica) por vezes cumprem a função de divulgar publicações para um público mais vasto do que o especializado. Muitas delas, porém, são escritas por intelectuais que de fato acompanhavam atentamente o trabalho reflexivo de Sérgio Buarque, e que, por isso, representam o que acima denominamos de primeiro momento da recepção da fortuna crítica à obra. Longe de percorrer as resenhas em sua totalidade, cabe mostrar as dificuldades da crítica em apresentar uma classificação definida ou mesmo segura de Visão do Paraíso; e, ainda, sugerir que esta complexidade acaba frequentemente por alocar a obra de 1958 como um gênero híbrido, produzindo subsequentes avaliações demasiado vagas e abrangentes acerca de seu conteúdo, e particularmente do próprio estudo comparado em questão.

6Não que o estudo comparado dos imaginários português e espanhol seja ausente da análise da primeira fase. Quanto a isso, não faltam exemplos. Entre eles, a resenha do livro pelo sociólogo paulista Sérgio Milliet (1959), que o trata inclusive pela perspectiva das diferenças entre duas experiências coloniais (portuguesa e espanhola, cujas relações com a discussão sobre os polos “tradição” e “modernidade” serão analisadas em momento específico). Menciona-se por um lado uma “mentalidade prática” que teria caracterizado a colonização portuguesa na América, responsável por um relativo desânimo imaginário quanto à possibilidade de idealização edênica do Novo Mundo; por outro, apesar de os espanhóis quase não serem mencionados pela resenha, deles se destaca as “aventuras” que os levam a associar obcessivamente este mesmo espaço aos sítios edênicos ancestrais. No entanto, em grande parte por conta dos próprios objetivos desta resenha, tais menções infelizmente não despertam maiores análises. Segundo o posicionamento de Milliet, representativo para o que se pretende aqui demonstrar, as teses da obra de 1959 não eram tão importantes quanto seu “estilo literário”. Daí o investimento menos nas hipóteses e muito mais na “leveza da explanação” e da “limpeza de linguagem” de suas aproximadamente 400 páginas.

  • 6 Sobre a definição de historiografia moderna, pensada a partir da obra de Sérgio Buarque de Holand (...)
  • 7 Sobre as tentativas, vãs ou bem-sucedidas, de classificação da obra de 1959 por seus primeiros re (...)

7Isso não significa, por sua vez, que o primeiro momento se privou de classificar Visão do Paraíso. Pode-se reconhecer algum esforço por parte da crítica em situar a obra junto daquilo que ela e o próprio contexto intelectual brasileiro na década de 1950 entendem por historiografia moderna: uma atividade disciplinar especializada alheia à produção ensaística, bem como a grandes esquemas interpretativos, que privilegia metodologias específicas de análise centradas em objetos de pesquisa especializados.6 Porém, mesmo entre estes as dificuldades persistem.7 De modo que, em relação a este primeiro momento, não se trata de perguntar se tais resenhas estavam ou não corretas, ou se seus autores tinham ou não razão. É preciso reconhecer que a relativa indecisão e heterogeneidade da crítica em classificar Visão do Paraíso retardam tanto o reconhecimento quanto, e principalmente, o conhecimento da obra, por conta de uma apreensão híbrida da mesma. É como se ela fosse de tudo um pouco, na prática não correspondendo plenamente a nenhuma classificação. As análises afinal não se confundem com modelos de consagração e atribuição de sentido suficientemente estáveis, atribuídos a Visão do Paraíso por nenhum setor das atividades letradas no Brasil. A problematização e a compreensão do estudo comparado dos imaginários ibéricos, enfim, teria que esperar a reflexão desenvolvida nos dois momentos seguintes da recepção da obra.

  • 8 A monumentalizacão de Visão do Paraíso não é propriamente o tema do presente artigo. De todo o mo (...)

8Os anos 1980 testemunham o surgimento de outro momento da recepção de Visão do Paraíso no Brasil cuja vigência perdura até hoje: o reconhecimento, principalmente de dois setores da intelectualidade brasileira, isto é, os historiadores e os críticos literários alocados na universidade, de que a obra é referência fundamental para a produção historiográfica e crítica do país. Duas publicações foram inicialmente indispensáveis neste processo: O Diabo e a Terra de Santa Cruz, da historiadora Laura de Mello e Souza (1986), e Trópico dos Pecados, do historiador Ronaldo Vainfas (1989). Ambas tratam Visão do Paraíso como documentação para suas reflexões, algo até então pouco ou nada praticado pela historiografia. E, por assim proceder, acabaram por incentivar uma nova tomada de consciência responsável, enfim, (1) pela produção não exatamente de estudos de fôlego, mas de reflexões na imprensa periódica, em publicações especializadas na área de história e outras áreas acadêmicas, ou ainda em apresentações que passam a acompanhar edições mais recentes da obra; (2) por um tipo de reflexão que, apesar de não ser inteiramente crítica, foi capaz de suscitar e desenvolver questões e análises acerca da construção historiográfica de Visão do Paraíso. Este reconhecimento, enfim, é unânime e avassalador entre os que se dedicam a refletir sobre a obra, a despeito da diversidade das abordagens. Visão do Paraíso torna-se um dos, senão o livro mais importante da historiografia brasileira, acabando por gerar um movimento de mão dupla: a monumentalização caminha de mãos dadas com o alerta para a necessidade de estudos especializados da obra.8

  • 9 Ver também Wegner (2000), sobretudo o capítulo V, intitulado “O Europeu, o Nativo e o Americano”, (...)

9Mais do que nas resenhas anteriormente discutidas, a comparação seja das colonizações, seja dos imaginários português e espanhol, ganha destaque inédito pela crítica, e passa a ser situada como elemento importante do argumento da obra (Lima 2002, 52). Procurando conciliar o reconhecimento e o conhecimento da obra, ao menos duas reflexões chamam a atenção para a necessidade de nela investigar o estudo comparado. A primeira consta de um trabalho do sociólogo Robert Wegner (2003), no qual se dedica significativamente a elucidar o papel da colonização anglo-saxã em Visão do Paraíso. Daí a sua remissão para um livro de George Williams (1962), então professor de história eclesiástica da Universidade de Harvard, sobre o tema, pois autor e obra são referências para Visão do Paraíso percorrer a questão. Ainda assim, Wegner nota que, para compreender as variantes mitológicas advindas da colonização do norte do continente americano é preciso ir além da oposição entre uma América católica e uma América protestante: “a América católica ganha mais nuanças desde que se explorem aqueles tons diferenciados, apontados em Visão do Paraíso, de mitos [...] que podem ser mais prosaicos e humildes entre os luso-brasileiros que entre os hispânicos” (Wegner 2003, 375).9 A segunda chamada de atenção coube a Laura de Mello e Souza, que, prefaciando o livro de Thiago Lima Nicodemo (2008), observava que “ainda não se cuidou suficiente do aspecto comparativo de Visão, a meu ver tão essencial quanto havia sido em Raízes do Brasil” (Souza 2008, 19).

  • 10 Ver Assis (2012) e Lima (2013).

10Tais recomendações não foram suficientemente enfrentadas pelo último momento da recepção de Visão do Paraíso, não obstante o inegável avanço à compreensão crítica da obra propiciada por ela. Refiro-me aos trabalhos de mestrado exclusivamente voltados à publicação, produzidos a partir da primeira década deste século. Não há espaço e intenção de discuti-los aqui em sua totalidade.10 Cabe destacar dois deles (Mello 2005; Nicodemo 2008), que, salvo engano, são os que mais se aproximam de uma abordagem do estudo comparado dos imaginários ibéricos sobre o mito paradisíaco na obra de 1959. Em comum, além de confirmarem a importância algo paradigmática da comparação no corpo da obra, a articulam a um momento específico da discussão sobre o par “tradição” e “modernidade”: a cultura do Renascimento. Eles não apresentam a mesma abordagem sobre o tema, mas ambos reconhecem, cada qual da sua forma, que uma discussão sobre aquele par, inclusive no contexto e no sentido em que é usado por Sérgio Buarque em Visão do Paraíso, deve necessariamente se articular a um conceito cultural de Renascimento. Como, por exemplo, a dissertação de mestrado Natureza e Artifício, de Luiza Laranjeira da Silva Mello (2005).

  • 11 O concurso contou com três fases: prova escrita, prova didática e defesa da tese.

11O livro Urdidura do Vivido, de Thiago Lima Nicodemo (2008), fruto originalmente da sua dissertação de mestrado, não se volta propriamente ao estudo comparado da obra de 1959. Porém, empreende uma análise das relações da colonização portuguesa no Novo Mundo com o Renascimento europeu a partir, em grande medida, de um momento específico de produção de Visão do Paraíso: a sua defesa de tese para o concurso à cadeira de História da Civilização Brasileira da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências da Universidade de São Paulo, realizado entre 10 e 14 de novembro de 1958.11 Mais precisamente, por meio do debate de Sérgio Buarque de Holanda com o historiador brasileiro Eduardo D’ Oliveira França, um dos membros da comissão julgadora do concurso. Por assim argumentar, o trabalho de Nicodemo é responsável por estabelecer e consolidar relações tanto da tese como da obra Visão do Paraíso com a questão da modernidade renascentista europeia.

2. Sobre o objetivo central de Visão do Paraíso

  • 12 Ver também Monteiro (2012), que embora não discuta propriamente a questão da modernidade nacional (...)

12O estudo comparado em Visão do Paraíso, tal como vem sendo discutido neste artigo, mais do que um aspecto “importante” da obra, corresponde ao seu objetivo central. Se até agora se percorreu a recepção sobre a publicação é porque, apesar de sua relutância ou falta de prioridade para estudar e classificar este estudo, ela não deixa de fornecer subsídios importantes para compreendê-lo melhor. De modo que é possível percebê-lo, em primeiro lugar, como uma noção específica de modernidade. A ideia de modernidade no pensamento de Sérgio Buarque de Holanda foi discutida sobretudo pela perspectiva da “formação nacional”, a exemplo das paradigmáticas contribuições de Gabriela Nunes Ferreira (1996) e Luiz Guilherme Piva (2000).12 Quanto à Visão do Paraíso, é preciso no entanto desenvolver uma ideia sugerida por Luiza Laranjeira da Silva Mello e Thiago Lima Nicodemo, de pensar a modernidade a partir do Renascimento europeu. Sobretudo para finalmente esclarecer o sentido do referido estudo comparado usado pelo autor. E, dessa feita, demonstrar porque ele ocupa o estatuto de objetivo central da obra.

  • 13 Gombrich (1979) também auxiliou a pensar a periodização proposta.
  • 14 A história do conceito de cultura pode ser buscada também em Elias (1990). Para uma conceitualiza (...)
  • 15 De fato esta vertente tem um amplo diálogo com a antropologia. Sobre a questão, ver também Detien (...)
  • 16 Ver Burckhardt (1991) e Huizinga (2010).

13De fato, a comparação dos imaginários ibéricos articula-se, de diferentes modos, a um conceito historiográfico de Renascimento formulado sobretudo pelo que autores como Peter Burke (2008) denominam de período “clássico” da historiografia da cultura.13 Isto é, desenvolvida na Europa entre 1850 e 1950, e que praticamente inaugura a reflexão sobre a escrita da história que tem por referência o diálogo com o conceito de cultura, este podendo ser compreendido como uma “estrutura de sentimentos”.14 E, enfim, subsidiando, como lembra Marcel Detienne (2004), uma crítica à análise, contemporânea a esta, segundo a qual a natureza e inteligibilidade do processo histórico têm como referência exclusiva a formação de nacionalidades.15 Esta vertente inclui o debate entre dois historiadores acerca do Renascimento, nos quais Visão do Paraíso se apoia: refiro-me ao historiador suíço Jacob Burckhardt (1818-1897), autor de A Cultura do Renascimento na Itália, e ao holandês Johan Huizinga (1872-1945) e ao seu Outono da Idade Média.16

  • 17 Evidentemente este não é um debate restrito aos dois historiadores, mas se estende às linhagens h (...)

14Para ambos, o Renascimento é mais um conceito cultural do que um marco cronológico. No entanto, discordavam, em certa medida, quanto ao significado e periodização deste conceito. Para Burckhardt, o Renascimento é um período de descoberta do mundo e do homem, fruto de um momento de ruptura com a Idade Média, período este fundamentalmente marcado pela religiosidade mística e deísta. Para Huizinga, o próprio Renascimento não poderia ser tratado como uma ruptura integral com a Idade Média, uma vez que ele era uma espécie de Idade Média ao extremo, ou seja, a sobrevalorização de uma apreensão cosmológica mística, pré-lógica e pré-científica, alheia às relações de causa e efeito que orientam o pensamento ocidental sobretudo a partir do século XVIII.17 Este é, em suma, o significado do conceito de Renascimento de Johan Huizinga, e também de Visão do Paraíso, que se posiciona assim neste debate: “a noção de que existiria uma fratura radical entre a Idade Média e o Renascimento, e é em suma a noção básica de Burckhardt, tende a ser superada em grande parte da moderna historiografia pela imagem de continuidade ininterrupta” (Holanda 2010, 151). E, a seguir, busca esclarecer qual o sentido em que a obra o utiliza: “a teoria da continuidade vem reforçar a importância desses momentos [...] crepusculares [...] em que a tese da produtividade inexaurível, quase orgiástica, do homem e da natureza é ainda, ou já é, sofreada por hesitações e titubeios” (id, ibid).

  • 18 Sobre as relações entre a escola de Warburg e a historiografia da cultura, ver Fernandes (2006).
  • 19 Consultar também Garin (1994), outra referência para Sérgio Buarque pensar a questão.

15Visão do Paraíso elabora o estudo comparado dos imaginários paradisíacos ibéricos a partir desta definição teórica e historiográfica de modernidade renascentista. De uma forma geral, o imaginário sobre o paraíso terrestre, enquanto uma estrutura específica de sentimentos, é uma realidade renascentista propriamente dita. E o estudo comparado, encarado como objetivo central da obra de 1959, tem como base a proposição de que os colonizadores espanhóis, na condição de grandes idealizadores de uma primavera do mundo, representam de forma elementar este conceito de modernidade na obra. Os colonizadores portugueses, indiferentes à idealização edênica, acabaram sucumbindo ao que Sérgio Buarque intitula de “realismo pedestre”: um princípio de pensamento realista e baseado na experiência, portanto alheio às idealizações mitológicas suscitadas pela cosmologia pré-lógica. Seus termos foram igualmente enunciados no período “clássico” da historiografia da cultura, tal como anteriormente apontado, e quase nada têm de renascentista. Sérgio Buarque particularmente os retira do tomismo aristotélico medieval, estudado, entre outros, por Ernst Cassirer. Adepto importante da escola de Warburg – instituição que defendia a hipótese de que o Renascimento abarca uma combinação de “sobrevivências” simbólicas do paganismo antigo18 –, assim definia o tomismo: um “princípio de que nenhum pensamento, nenhum exercício de qualquer função puramente intelectual é possível, sem que tal pensamento se refira de alguma forma à representação do mundo sensível” (Cassirer 2001, 228-229).19

  • 20 Embora para Koselleck o moderno conceito de história só veio a ser formado a partir do final do s (...)

16O mesmo Cassirer salienta as críticas que, já na Idade Média, eram feitas ao tomismo por uma concepção de filosofia “mágico-astrológica da causalidade”. Estas muito se assemelham às referências cosmológicas que eclodem a partir do Renascimento (Cassirer 2001, 169). De modo que as concepções imaginárias dos colonizadores espanhóis nos trópicos compreendem mesmo uma crítica a um passado “realista” e “pedestre” medieval, ainda que esta crítica já esteja parcialmente equacionada na (e pela) própria Idade Média. Nesse sentido, o contraste lusitano e castelhano sobre o Novo Mundo, na medida em que fundamenta duas concepções do pensamento e da imaginação, sustenta um moderno conceito de história em Visão do Paraíso, nos termos de Reinhart Koselleck (2012). Isto é, as modalidades específicas do conceito de cultura do Renascimento são capazes de se articular, por meio da confirmação e da negação, de um novo horizonte de expectativas em relação ao futuro e de um subsequente afasta.20

  • 21 Em resumo, é possível dizer que o terceiro capítulo da tese é dividido nos capítulos III, IV, V e (...)
  • 22 Salvo em casos específicos, a edição usada neste artigo é a Holanda (2010), que preserva a estrut (...)

17Isto posto, cabe demonstrar com mais vigor o estudo comparado no próprio texto de Visão do Paraíso, ao mesmo tempo explicando as razões de considerá-lo objetivo central da obra. Ao ser defendido como tese em 1958 e ganhar sua primeira edição no ano seguinte, sua estrutura era exclusivamente formada por capítulos, sem uma divisão em partes, introdução e conclusão (Holanda 1958 e 1959). A tese era formada por sete capítulos. Na primeira edição, estes capítulos são transformados em 12.21 Na edição posterior, de 1969, Visão do Paraíso ganha um “Prefácio à Segunda Edição” assinado pelo autor (Holanda 1969) e, na edição seguinte (Holanda 1977), é acrescido um “Anexo”: um excerto de Crônica da Companhia de Jesus, de autoria do jesuíta português Simão de Vasconcelos. Esta edição, embora não seja a última, é aqui considerada a definitiva: contém a estruturação final dos capítulos da obra, estabelecida desde a primeira edição, o prefácio de 1969 e o anexo, então acolhido na obra.22

18O estudo comparado é alçado à condição de objetivo central logo nos dois primeiros capítulos da obra, que cumprem no trabalho acadêmico ou no livro justamente a função de anunciá-lo e demonstrá-lo. Ele transparece logo na primeira frase de “Experiência e Fantasia”, capítulo inicial da obra: “O gosto da maravilha e do mistério, quase inseparável da literatura de viagens na era dos grandes descobrimentos marítimos, ocupa espaço singularmente reduzido nos escritos quinhentistas dos portugueses sobre o Novo Mundo” (Holanda 2010, 35); dois parágrafos depois, o autor interroga, na forma de proposição, o papel destes colonizadores no Renascimento europeu: o que “[...] pode passar por uma característica ‘moderna’ daqueles [...] viajantes lusitanos – sua adesão ao real e ao imediato [...] – não se relacionaria [...] com um tipo de mentalidade já arcaizante na sua época [...] e de todo o Renascimento?” (Holanda 2010, 36). Para, a seguir, associá-los a um “pedestre realismo”. Tal como diversos historiadores pertencentes à fase “clássica” da historiografia, Sérgio Buarque demonstra o realismo a partir de uma conceitualização retirada da história da arte.

  • 23 Para uma caracterização da arte medieval e renascentista em Heinrich Wölfflin, ver também Wölffli (...)

19Heinrich Wölfflin, historiador suíço, discípulo crítico de Burckhardt, se vale de uma noção de realismo para analisar a arte do Quatrocento (medieval). Esta seria marcada pela tonalidade “pedestre”, na qual os anjos se apoiavam em cima de “pequenas nuvens” (Wölfflin 1990, 257). O autor, de forma peculiar, atualiza a concepção mística de Renascimento ao caracterizar a arte do Cinquecento (renascentista) como aquela em que, contrariamente, “o maravilhoso seja representado em toda plenitude, não apenas com glórias e auréolas, mas com transposições idealizantes de acontecimentos que, até então, tinham sido tratados com o máximo realismo e de uma maneira tão compreensível quanto possível” (Wölfflin 1990, 259). A mesma imagem – uma “arte em que até as figuras de anjos parecem renunciar ao voo” – é mobilizada em Visão do Paraíso (Holanda 2010, 36). Porém, à diferença do historiador suíço, busca-se ilustrar aquele imaginário realista dos portugueses nos trópicos, em parte indiferente, pois, à idealização mitológica da América.23

  • 24 A noção de “senso do impossível” em Febvre evidentemente não é fruto exclusivo da leitura do hist (...)

20Nos capítulos iniciais de Visão do Paraíso as referências ao Renascimento, contudo, se encontram na leitura dos trabalhos de Lucien Febvre, historiador em grande parte adepto da concepção de Renascimento de Johan Huizinga (Le Goff 2010). A partir, entre outros, do autor de O Outono da Idade Média, Febvre trata o Renascimento por meio da noção de “senso do impossível”, abrigada em O Problema da Incredulidade, cuja definição é lembrada por Hilário Franco Júnior (2009, 11): “para Febvre, os homens daquela época não recuavam diante da contradição. Eles desconheciam o senso do impossível. Não tinham noção de natural oposto a sobrenatural, as duas estando em constante comunicação. Encontravam-se preparados para ver o que tinham ouvido”.24 Para Febvre, a noção ajuda a explicar as relações do escritor renascentista François Rabelais com o seu tempo, subsidiando, mesmo, o seu conhecido argumento segundo o qual o conceito de incredulidade (aqui, entendido como algo próximo de “ateísmo”) não poderia ser aplicado ao século XVI.

21A partir de Febvre, Sérgio Buarque recorre ao livro Pantagruel, de 1532, de François Rabelais, e, de maneira análoga ao historiador francês, recorda uma anedota do escritor renascentista baseada num “disforme velhinho”. Ele possuía uma enorme goela “em que se agitam sete línguas – ou uma língua repartida em sete –, que falavam sete idiomas diversos, o prodigioso Ouyr-Dire, apesar de cego e paralítico [...] ostenta da cabeça aos pés tanto de orelhas quanto de olhos tivera Argos” (Holanda 2010, 42). Cercado de homens e mulheres e assessorado por um mapa-múndi, o velhinho se dirige a eles por meio de “explicações sumárias” sobre as “maravilhas existentes em toda a superfície desta esfera terrestre”. A anedota é por assim dizer paradigmática: “o tanto de orelhas quanto de olhos” ilustra uma recepção da informação sem qualquer base empírica, portanto demasiadamente imaginativa. É paradigmática também porque, a partir dela, os dois primeiros capítulos de Visão do Paraíso fazem uma análise de Cristóvão Colombo, personagem que, ao longo da obra, serve de comprovação da expectativa dos colonizadores castelhanos numa América paradisíaca: “já às primeiras notícias de Colombo sobre as suas Índias tinham começado a desvanecer-se naquele Novo Mundo os limites do possível” (Holanda 2010, 41). Assim, “se todas as coisas ali surgiam magnificadas para quem as viu com os olhos [...] não seria estranhável que elas se tornassem ainda mais portentosas para os que [...] só com o ouvir e o sonhar se tinham por satisfeitos” (Holanda 2010, 41).

  • 25 Este artigo não tem a intenção de apresentar uma definição definitiva sobre a expressão “estudos (...)
  • 26 A polêmica é tratada no segundo capítulo de minha tese de doutorado (Martins, 2017). Ver também C (...)
  • 27 Sobre a estadia de Sérgio Buarque na Itália, ver Nicodemo (2014).

22O “realismo pedestre” dos colonizadores é retratado nestes capítulos por meio de uma polêmica situada sobretudo no interior dos estudos luso-brasileiros.25 Trata-se do debate entre Sérgio Buarque e o historiador português Jaime Cortesão a respeito da influência da mitologia da conquista no imaginário destes colonizadores. Mais precisamente, sobre um mito presente na cartografia dos séculos XVI e XVII, formulado por índios e europeus durante o descobrimento da América, concomitante ao imaginário paradisíaco e caracterizado, segundo Iris Kantor, pela crença numa geografia fantástica na qual “as nascentes do[s rios da] Prata, Amazonas e São Francisco tinham origem num mesmo lago [no] interior [do continente americano]” (Kantor 2007, 71). Isto é, o mito da Ilha Brasil. A polêmica entre os dois historiadores de fato ocorreu ao longo de 1952, quando ambos publicaram uma série de artigos na imprensa periódica brasileira.26 Mas é formalmente interrompida neste ano por conta da agenda dos dois historiadores: Jaime Cortesão acabou concedendo prioridade à pesquisa de materiais destinados à exposição histórica referente ao IV centenário da cidade de São Paulo, que foi realizada sob sua orientação. Sérgio Buarque, por sua vez, daria início neste ano à sua estadia de docência e pesquisa na Itália, que duraria até 1954 (Holanda 1979, 7 e 8).27

23A crítica é rediscutida no primeiro capítulo de Visão do Paraíso, no qual se afirma:

Sabe-se como o fato de numerosos mapas quinhentistas e seiscentistas mostrarem as águas do Amazonas e as do Prata unidas no nascedouro, através de uma grande lagoa central, levou o historiador Jaime Cortesão a sugerir ultimamente a ideia de uma “ilha Brasil”, que teria sido concebida entre os portugueses sob a forma de mito geopolítico. Não é fácil, contudo, imaginar de que forma concepções como essa, se é que existiram de fato, poderiam ter tido papel tão considerável na expansão lusitana. [...] E se tal crença logrou ser amplamente partilhada em Portugal, o que dela nos chega, em escritos dos primeiros anos do século XVI, é quando muito o abafado eco: certa alusão, por exemplo, a um país abençoado, onde os homens aparentemente não adoecem, ou, se já enfermos, logo ficam sãos em lá chegando.

24A crítica dirige-se à concepção de Renascimento de Jaime Cortesão e, mais amplamente, da historiografia portuguesa moderna, particularmente cristalizada pelo paradigmático estudo de Joaquim Barradas de Carvalho (1980). Isto é, a uma linhagem de historiadores estabelecidos aproximadamente a partir do decênio de 1930, que, não obstante suas peculiaridades internas, compartilha uma concepção de Renascimento português avessa, ou ao menos bastante divergente, daquela proposta por Sérgio Buarque de Holanda.

  • 28 Para esta caracterização do Renascimento português, ver sobretudo Carvalho (1980). Ver também God (...)

25Para esta linhagem de historiadores, o Renascimento é marcado pelos descobrimentos, este tendo um duplo papel para a sua caracterização: (1) combina-se e, às vezes, confunde-se com uma noção de empirismo e realismo segundo os quais a expansão ultramarina é exemplo de primeira grandeza; (2) é elemento precursor da moderna “nação portuguesa”.28 A mitologia forneceria assim os subsídios explicativos para uma espécie de geopolítica de estado protonacionalista. Logo no primeiro capítulo, portanto, Sérgio Buarque dissocia os descobrimentos dessa geografia fantástica que, para o autor, pertence à concepção mística de Renascimento: “A parte que cabe aos portugueses nas origens da geografia fantástica do Renascimento acha-se, realmente, em nítida desproporção com a multíplice atividade de seus navegadores” (Holanda 2010, 43). Assim, deixaria claro que, para ele, o realismo oriundo das grandes navegações pouco se baseava numa modernidade renascentista, mas sim no tomismo medieval. Daí, no limite, a justificativa do próprio nome do primeiro capítulo, “Experiência e Fantasia”, cujo sentido pode ser verificado no contraponto entre a atividade imaginária e colonizadora dos portugueses e espanhóis no Novo Mundo.

26De fato, o debate entre os dois historiadores, embora tenha sido iniciado e finalizado formalmente em 1952, se faz notar não só em Visão do Paraíso, mas em obras de fôlego de Jaime Cortesão. Sirva de exemplo Raposo Tavares e a Formação do Brasil, originalmente publicada em 1958. A primeira frase de sua introdução já expressa uma proposição presente por toda a obra: “Raras vezes a história duma nação terá sido tão vincadamente moldada sobre o seu quadro geográfico e pré-histórico como a do Brasil” (Cortesão 2012, 9). O quarto capítulo por sua vez é integralmente dedicado à questão. Embora não a esgote em relação ao próprio pensamento do autor, acolhe, indiretamente, uma síntese das críticas às proposições de Holanda, que talvez possa ser sumariada pelo seguinte argumento: a Ilha Brasil, no limite, expressa uma posição nacionalista face aos limites territoriais estabelecidos pelo Tratado de Tordesilhas, de 1494. Para Cortesão, “os espanhóis [...] procuraram situar o meridiano de Tordesilhas de forma a reduzir o mais possível o hemisfério de soberania portuguesa”. Assim, “ao Tratado de Tordesilhas opunha-se, pois, uma razão geográfica de Estado, que vai presidir à formação do Brasil”. De modo que “antes que os portugueses e os luso-brasileiros houvessem adquirido a consciência científica da unidade geográfica [...] que está na base da formação do Brasil, já haviam traduzido esse fato por aquilo a que nós chamamos o mito da Ilha-Brasil” (Cortesão 2012, 30-31).

3. Transformações de Visão do Paraíso: da defesa de tese à sua edição definitiva

  • 29 Sobre a defesa de tese de Visão do Paraíso, ver, entre outros, José Roberto do Amaral Lapa (1958) (...)
  • 30 Sobre Sérgio Buarque de Holanda na Universidade de São Paulo, ver Sanches (2007).

27O processo de defesa da tese, ocorrido em 12 de novembro de 1958,29 deixa claro que os termos desta comparação reaparecem sob a forma de objetivo central do trabalho acadêmico. Isto é, a tese que confere ao estudo a condição de tese. Sérgio Buarque exercia desde o segundo semestre de 1956 a função de professor interino da cadeira de Civilização Brasileira da Universidade de São Paulo, de modo que o concurso era uma oportunidade de efetivar-se no cargo.30 A banca examinadora foi composta pelos professores Hélio Viana, catedrático de História do Brasil da Faculdade Nacional de Filosofia da então Universidade do Brasil; Afonso Arinos de Melo Franco, catedrático de Direito Constitucional da Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil; José Wanderley de Araújo Pinho, catedrático de História do Brasil da Faculdade de Filosofia da Universidade da Bahia; Eduardo D’Oliveira França e Eurípedes Simões de Paula, respectivamente catedráticos de História Moderna e Contemporânea e de História Antiga e Medieval da Universidade de São Paulo.

28O fato de o trabalho acadêmico não ter uma introdução e conclusão formais permite afirmar que a tese fundamental do estudo então submetido à comissão julgadora reside, a meu ver, precisamente no estudo comparado dos imaginários ibéricos, amparado no desenvolvimento da hipótese do “realismo pedestre”, tal como apresentados nos dois primeiros capítulos da tese e discutidos anteriormente. É preciso relembrar: o estudo de 1958 já acolhe os capítulos “A Experiência e a Fantasia” e “Terras Incógnitas” e, mais ainda, os elementos da tese: por um lado, a conceitualização do Renascimento europeu pela ótica de O Problema da Incredulidade, de Lucien Febvre (Holanda 1958, 8 e 9); bem como uma subsequente análise da proximidade do imaginário dos colonizadores espanhóis do Renascimento europeu a partir, sobretudo, da investigação das visões paradisíacas de Cristóvão Colombo (Holanda 1958, 8). Por outro, a formulação do termo “realismo pedestre” tendo como referência A Arte Clássica, de Heinrich Wölfflin, e uma correlata crítica à concepção de Renascimento português, de Jaime Cortesão. Enfim, os subsídios explicativos que, a partir do entendimento da modernidade renascentista como um período místico e pré-lógico, possibilitam a Sérgio Buarque tratar os colonizadores portugueses pela ótica da tradição e os espanhóis pelo viés da modernidade.

  • 31 “Noticiários” podem ser considerados anexos de revistas acadêmicas na época cujo objetivo era div (...)

29O próprio “Noticiário” do evento,31 assinado pela historiadora Myriam Ellis, auxilia a demonstração de que o estudo comparado, tal como vem sendo discutido, ocupa a função de tese do trabalho acadêmico de 1958. Aí se pode ler que o “plano” da tese de concurso, afinal,

  • 32 Myriam Ellis utiliza-se aqui do termo “medieval” de forma muito próxima ao que Sérgio Buarque ent (...)

observa os temas edênicos no descobrimento e na colonização do Brasil conforme os medievais32 entendiam a ideia do Paraíso, com a longevidade do homem, a bondade do clima, a primavera eterna. [...] Procura [...] demonstrar o fato de que nos portugueses há uma atenuação plausível desses temas, resultante de uma visão mais realista. Que todos os temas edênicos introduzidos no Brasil vieram através das conquistas castelhanas. Os portugueses aceitavam-na, porém, com uma certa atenuação. Que existe uma relação dessa atitude com o tipo de conquista cuja tradição prende-se à que veio da [...] Idade Média, herdada pelos portugueses. (Ellis 1958, 495)

30As críticas dirigidas a Sérgio Buarque pela comissão julgadora, que igualmente ajudam a demonstrar o sentido e o lugar do estudo comparado em sua tese de cátedra, podem ser divididas da seguinte forma: (1) uma vez que Visão do Paraíso, em seu formato de tese de cátedra, não acolhe uma introdução e conclusão formais, qual seria, então, a proposição do trabalho? (2) e ainda, uma discordância em relação à suficiente comprovação daquilo que, para Sérgio Buarque, corresponde à proposição do trabalho, qual seja: as relações entre os polos, renascentistas por excelência, de “tradição” e “modernidade” no estudo comparado dos imaginários português e espanhol sobre o mito paradisíaco. Somada à apresentação do plano da tese por Miriam Ellis, a alegação do estudo comparado como proposição igualmente permite admitir este como objetivo central da obra publicada no ano seguinte.

  • 33 Sobre outros momentos importantes da defesa, ver Nicodemo (2008).

31Assim, um dos momentos mais importantes da arguição diz respeito à fala de Afonso Arinos de Melo Franco,33 que pede para Sérgio Buarque explicitar o que ele entendia como a proposição do trabalho: “que se explicasse o candidato como considerava a tese. Como um trabalho universitário de concatenação de dados, de proposição e conclusão? Como, se a tese escapava a essa orientação?”. É preciso atenção para o fato de que esta pergunta é realizada precisamente quando Melo Franco suspeita, por assim dizer, das seguintes afirmações: “O fato do candidato não ter conseguido demonstrar satisfatoriamente [...] a questão da Espanha propensa ao mito, mítica, portanto, e Portugal, o país lanígero e herbívoro, mais realista” (Ellis 1958, 496). Ao responder, Sérgio Buarque, em primeiro lugar, faz questão de reiterar as diferenças propostas no estudo comparado: “do confronto entre as descrições desses cronistas pareceu-lhe que os portugueses, muito mais do que outros povos, – especialmente do que os castelhanos – tendiam a reduzir ao plausível e ao verossímil essas visões paradisíacas”. E, em seguida, conclui: “a proposição e a conclusão existem na tese” (Ellis 1958, 497).

  • 34 O catedrático não se limita a arguir o candidato no exame, mas, fazendo jus a um hábito acadêmico (...)

32A fala de Hélio Viana se mostra a mais dissonante às proposições sustentadas pela comparação. Viana acolhia sem muitas ressalvas o argumento de que a história se articula a um quadro no qual a discussão da questão nacional ocupa impreterivelmente posição de destaque.34 O arguidor não admitia a ausência de documentos na tese que, para ele, expressam melhor a geografia fantástica do Renascimento português à maneira da “paradisíaca visão colombiana”, tal como apresentada no primeiro e segundo capítulo do trabalho acadêmico. Para tanto, sugere ao candidato incorporar uma fonte iconográfica da primeira metade do século XIX: a bandeira nacional brasileira, decretada em 18 de setembro de 1822 pelo príncipe regente D. Pedro e referendada por José Bonifácio. Sua ausência o teria impedido de reconhecer que, na América portuguesa, “o que houve foi realmente [...] a vontade de construir uma nação” (Viana 1959). A resposta do candidato reivindica a um só tempo a proposição e ainda a periodização do trabalho ao afirmar: “se fosse abordar aspectos como esse do verde da bandeira nacional apontado pelo arguidor teria feito uma tese muito mais extensa e difusa. Quanto às cores da bandeira brasileira há uma versão contemporânea segundo a qual reproduzem elas as da Casa de Bragança e da Casa da Áustria” (Ellis 1959, 499).

  • 35 Sérgio Buarque, contudo, não deixa de discutir a obra em outras oportunidades, a exemplo de suas (...)

33Parte significativa das objeções dos arguidores é discutida, também, no referido “Prefácio à Segunda Edição”, de 1959, que, de certo modo, acolhe uma resposta a elas. Sem buscar apreender uma ‘substância essencial de um livro’ – lembrando uma sugestão preciosa de Roger Chartier (2014) –, sublinho que, em relação aos objetivos deste artigo, o prefácio representa, por duas razões, uma modificação importante no texto da obra: traduz a única explicação formal concedida por Sérgio Buarque sobre Visão do Paraíso, nas próprias páginas da publicação;35 e demonstra que as mudanças entre o estudo de 1958, e a versão definitiva do livro, de 1977, ilustram um esforço para ratificar e reiterar a tese do trabalho de cátedra sob a forma de objetivo central da publicação. São estes os pontos que agora interessa desenvolver.

  • 36 De fato, o prefácio de 1969 não levanta uma discussão sobre as relações entre os imaginários ibér (...)
  • 37 Esta mesma parte do prefácio é citada em entrevista de Sérgio Buarque por conta do lançamento da (...)

34Em provável reação a pedidos como o de Hélio Viana para incorporar a bandeira nacional de 1822, o “Prefácio” alude à periodização histórica contemplada pela tese, centrada na história colonial do Novo Mundo: “não se quis [...] mostrar o processo de elaboração, ao longo dos séculos, de um mito venerando, senão na medida em que, com o descobrimento da América, pareceu ganhar ele mais corpo até ir projetar-se no ritmo da história”. É nesse contexto que eleva seu estudo comparado à condição de objetivo central: “o que nele se tencionou mostrar é até onde, em torno da imagem do Éden, tal como se achou difundida na era dos descobrimentos marítimos, se podem organizar”, sobretudo, “num esquema altamente fecundo muitos dos fatores que presidiram à ocupação pelo europeu do Novo Mundo, mas em particular da América hispânica, e ainda assim enquanto abrangessem e de certa forma explicassem o passado brasileiro” (Holanda 2010, 11 e 12).36 E que, finalmente, explica a “concatenação dos dados da obra” – para lembrarmos a expressão de Afonso Arinos de Melo Franco – por meio de seus capítulos, deixando claro o papel do estudo comparado em cada um deles.37

35O sexto capítulo, “As atenuações plausíveis”, aqui serve como exemplo, pois cristaliza as preocupações de Sérgio Buarque em questão. Ele não existe na tese de 1958; portanto, passa a assumir esta forma a partir da primeira edição da obra, de 1959, e assim permanece desde então. No prefácio, Sérgio Buarque alude ao fato de que “no caso da colonização ibérica, onde a mitologia da conquista, que tão vivaz se manifestava nas Índias de Castela, passava a descolorir-se e a definhar, uma vez introduzida na América portuguesa”. O fenômeno “neste livro recebe o nome de atenuação plausível” (outra expressão, no limite, para “realismo pedestre”), e “dele se trata expressamente no capítulo VI” (Holanda 2010, 23). Nele também se encontram os aspectos predominantes da tese, abordados por meio de uma comparação dos imaginários ibéricos na América tendo como base sobretudo duas fontes de época: a Crônica da Companhia de Jesus do Estado do Brasil (1663), do jesuíta português Simão de Vasconcelos, e El Paraíso em el Nuevo Mundo (1656), do marrano vallisoletano Leon Pinelo. A primeira delas, para Sérgio Buarque, apresenta uma descrição desfalecida do paraíso terrestre, por assim dizer. Ao tema são dedicados apenas sete parágrafos. Já a seguinte é exclusivamente dedicada ao assunto (ao todo, El Paraíso em el Nuevo Mundo é dividido em cinco livros e 88 capítulos).

  • 38 Sérgio Buarque só conseguiu ter acesso ao anexo após a publicação da segunda edição.

36Por essa razão, o “Anexo” incorporado na Visão do Paraíso a partir de sua terceira edição, de 1977, corresponde às “Notícias Antecedentes, Curiosas e Necessárias das Cousas do Brasil”, abertura de Crônica da Companhia de Jesus, de Simão de Vasconcelos. Esta parte acolhe precisamente aqueles sete parágrafos que alegam a existência de um paraíso terrestre no Brasil. Quando, porém, já se achavam prontos dez exemplares da obra, uma ordem superior mandou riscar e retirar os parágrafos, alegando que eles eram contrários à santa fé católica. De modo que o texto definitivo da obra saiu sem as referidas passagens. Um dos pareceres de época referente à Crônica chegou a anexar os sete parágrafos, e há uma cópia deles na Biblioteca Nacional Vittorio Emanuelle, acessada por Sérgio Buarque.38 De todo o modo, a insistência de nosso autor em anexá-los à terceira edição permite afirmar que o próprio anexo é, também, uma espécie de continuação do sexto capítulo da obra. E, pensado de forma mais ampla, da demonstração daquilo que neste artigo se reconhece como o objetivo central de Visão do Paraíso: a combinação do conteúdo dos parágrafos com a censura dos mesmos é exemplo maior do realismo pedestre dos portugueses no Novo Mundo.

4. Conclusão

37É possível dizer que o sentido do estudo comparado dos imaginários ibéricos encontra-se umbilicalmente ligado a uma conceitualização de modernidade formulada a partir do Renascimento europeu. Este é pensado por Sérgio Buarque fundamentalmente a partir da historiografia da cultura em sua fase “clássica”, desenvolvida entre 1850 e 1950, e tendo por referência uma concepção mística e pré-lógica do Renascimento. O mito do paraíso terrestre é, assim, um exemplo de primeira grandeza desta modernidade. Nela, colonizadores espanhóis e portugueses ocupam diferentes papéis: os primeiros, por serem idealizadores convictos de uma América paradisíaca, são considerados expressão do Renascimento europeu; os seguintes, por conta da sua relativa indiferença à idealização desta mesma América, são associados a um tipo de realismo tomista medieval, cuja conceitualização Sérgio Buarque igualmente retira da historiografia da cultura e o intitula de “realismo pedestre”.

38É possível igualmente afirmar que o estudo comparado corresponde, assim, ao objetivo central da obra Visão do Paraíso, e que a questão do “realismo pedestre” constitui a hipótese deste estudo. Para chegar a esta conclusão o artigo não se restringiu à análise da obra em sua versão definitiva, mas a estágios significativos de sua produção e recepção: no primeiro caso, leva-se em consideração sua forma original, de tese de cátedra, e suas transformações nas diferentes edições da obra, sobretudo ocorridas nas três primeiras. No segundo, recorre-se, em suma, às reflexões sobre a obra, especializadas ou não, realizadas desde o momento de defesa da tese até ao presente, bem como ao processo de defesa da tese de cátedra, da qual a obra se origina. Assim, buscou-se adentrar um dos aspectos da obra, isto é, o estudo comparado propriamente dito, que, a meu ver, ainda não havia recebido pela crítica especializada a merecida atenção.

Topo da página

Bibliografia

Arruda, José Jobson de Andrade; Tengarrinha, José Manuel (1999). Historiografia Luso-Brasileira Contemporânea. Bauru: Edusc.

Assis, Gabriella Lima de (2012). A Estrutura da Narrativa em Visão do Paraíso de Sérgio Buarque de Holanda. Cuiabá: Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Mato Grosso (Dissertação de Mestrado).

Bourdieu, Pierre (2006). “A ilusão biográfica”, in M. de M. Ferreira, J. Amado (org), Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, pp. 183-191.

Burckhardt, Jacob (1991). A Cultura do Renascimento na Itália. São Paulo: Companhia das Letras.

Burke, Peter (2008). O que É História Cultural. Rio de Janeiro: Zahar.

Carvalho, Joaquim Barradas de (1980). O Renascimento Português: Em Busca de Sua Especificidade. Lisboa: Imprensa Nacional / Casa da Moeda.

Carvalho, Raphael Guilherme de (2017). Sérgio Buarque de Holanda, do Mesmo ao Outro: Escrita de Si e Memória (1969-1986). Curitiba: Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (Tese de Doutorado).

Cassirer, Ernst (2001). Indivíduo e Cosmos na Filosofia do Renascimento. São Paulo: Martins Fontes.

Chartier, Roger (1987). A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Chartier, Roger (2014). A Mão do Autor e a Mente do Editor. São Paulo: Ed. Unesp.

Cortesão, Jaime (2012). Raposo Tavares e a Formação Territorial do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo / Fundap.

Detienne, Marcel (2004). Comparar o Incomparável. Aparecida: Ideias & Letras.

Detienne, Marcel (2014). Os Gregos e Nós: uma Antropologia Comparada da Grécia Antiga. São Paulo: Edições Loyola.

Elias, Norbert (1990). O Processo Civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar.

Ellis, Myriam (1959). “Concurso para Provimento da Cadeira de História da Civilização Brasileira da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo”. Revista de História, 38 (18), pp. 493-508.

Febvre, Lucien (2009). O Problema da Incredulidade no Século XVI: a Religião de Rabelais. São Paulo: Companhia das Letras.

Fernandes, Cássio da Silva (2006). “Jacob Burckhardt e Aby Warburg: da Arte à Civilização Italiana do Renascimento”. Locus, 1 (12), pp. 127-143.

Ferreira, Gabriela Nunes (1996). “A formação nacional em Buarque, Freyre e Vianna”. Lua Nova, 96 (37), pp. 229-254.

Franco Júnior, Hilário (2009). “Apresentação”, in L. Febvre, O Problema da Incredulidade no Século XVI: a Religião de Rabelais. São Paulo: Companhia das Letras, pp. 9-14.

Furtado, André Carlos (2014). “Leituras e leitores à margem da primeira edição de Visão do Paraíso, de Sérgio Buarque de Holanda (1959)”, in S. Bruno, F. André Carlos (org), I Encontro de Graduandos e Pós-Graduandos do Núcleo de Pesquisa e Estudos em História Cultural. Niterói: PPGHistória-UFF, pp. 125-133.

Garin, Eugénio (1994). Idade Média e Renascimento. Lisboa: Editorial Estampa.

Godinho, Vitorino Magalhães (1955). “A historiografia portuguesa: orientações, problemas, perspectivas”. Revista de História da USP, 21 e 22 (10), pp. 3-21.

Gombrich, Ernst (1979). “In search of cultural history”, in Ideals and Idols: essays on values in History and Art. Phaydon: London, pp. 24-59.

Holanda, Sérgio Buarque de (1958). Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos do Descobrimento e Colonização do Brasil. São Paulo: Cadeira de História da Civilização Brasileira da Universidade de São Paulo (Tese de Cátedra).

Holanda, Sérgio Buarque de (1959). Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos do Descobrimento e Colonização do Brasil. 1ª edição. Rio de Janeiro: José Olympio.

Holanda, Sérgio Buarque de (1969). Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos do Descobrimento e Colonização do Brasil. 2ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional / Edusp.

Holanda, Sérgio Buarque de (1977). Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos do Descobrimento e Colonização do Brasil. 3ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional / Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo.

Holanda, Sérgio Buarque de (2010). Visão do Paraíso: os Motivos Edênicos do Descobrimento e Colonização do Brasil. 7ª edição. São Paulo: Companhia das Letras.

Huizinga, Johan (2010). O Outono da Idade Média. São Paulo: Cosac & Naify.

Kantor, Iris (2007). “Usos diplomáticos da ilha-Brasil: polêmicas cartográficas e historiográficas”. Varia História. 37 (3), pp. 70-80.

Koselleck, Reinhart (2012). Futuro Passado: Contribuição à Semântica dos Tempos Históricos. Rio de Janeiro: Contraponto / Ed. da PUC-RIO.

Lapa, José Roberto do Amaral (1958). “Considerações em torno de uma cátedra”. Diário do Povo.

Le Goff, Jacques (1996). História e Memória. Campinas: Ed. da Unicamp.

Le Goff, Jacques (2010). “Entrevista”, in J. Huizinga, O Outono da Idade Média. São Paulo: Cosac & Naify, pp. 588-597.

Lévy-Bruhl, Lucien (1922). La Mentalité Primitive. Paris: Les Presses Universitaires de France.

Lima, José Adil Blanco de (2013). Entre a Crítica e a História: a construção de Visão do Paraíso de Sérgio Buarque de Holanda. Juiz de Fora: Programa de Pós-Graduação em História da UFJF (Dissertação de Mestrado).

Lima, Luiz Costa (2002). “Sérgio Buarque de Holanda: Visão do Paraíso”. Revista USP, 53, pp. 42-53.

Martins, Renato (2017). Tradição, Modernidade e a História das Américas em Visão do Paraíso (1946-1969). São Paulo: Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo (Tese de Doutorado).

Mello, Luiza Laranjeira da Silva (2005). Natureza e Artifício: Sérgio Buarque de Holanda e as formae mentis portuguesa e espanhola na conquista e colonização do Novo Mundo. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em História da PUC-Rio (Dissertação de Mestrado).

Milliet, Sérgio (1959). “Visão do Paraíso”. O Estado de São Paulo.

Monteiro, Pedro Meira; Eugênio, João Kennedy (org) (2008). Sérgio Buarque de Holanda: perspectivas. Campinas: Ed. da Unicamp.

Monteiro, Pedro Meira (2012). “‘Coisas sutis, ergo profundas’: O diálogo entre Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda”, in P. M. Meira (org), Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda: correspondência. São Paulo: Companhia das Letras, pp. 169-360.

Nicodemo, Thiago Lima (2008). Urdidura do Vivido: Visão do Paraíso e a Obra de Sérgio Buarque de Holanda nos Anos 1950. São Paulo: Edusp.

Nicodemo, Thiago Lima (2014). Alegoria Moderna: A Crítica Literária de Sérgio Buarque de Holanda. São Paulo: Ed. da Unifesp/Fapesp.

Piva, Luiz Guilherme (2000). Ladrilhadores e Semeadores: a Modernização Brasileira no Pensamento Político de Oliveira Vianna, Sérgio Buarque de Holanda, Azevedo Amaral e Nestor Duarte (1920-1940). São Paulo: Departamento de Ciências Políticas da USP/Ed. 34.

Sanches, Rodrigo Ruiz (2007). Sérgio Buarque de Holanda: a Trajetória de um Intelectual Independente. Araraquara: Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UNESP (Dissertação de Mestrado).

Souza, Laura de Mello e (1986). O Diabo e a Terra de Santa Cruz: Feitiçaria e Religiosidade Popular no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras.

Souza, Laura de Mello e (2008). “Prefácio” a T. L. Nicodemo, Urdidura do Vivido: Visão do Paraíso e a Obra de Sérgio Buarque de Holanda nos Anos 1950. São Paulo: Edusp, pp. 15-22.

Torgal, Luís Reis; Mendes, José Maria Amado; Catroga, Fernando (1996). História da História em Portugal: Séculos XIX-XX. Lisboa: Círculo de Leitores.

Vainfas, Ronaldo (1989). Trópico dos Pecados: Moral, Sexualidade e Inquisição no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Venancio, Giselle Martins (2003). Na Trama do Arquivo: a Trajetória de Oliveira Vianna (1883-1951). Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Tese de Doutorado).

Viana, Hélio (1959). “Visão do Paraíso (I), (II) e (III)”. Jornal do Comércio.

Wegner, Robert (2000). A Conquista do Oeste: a Fronteira na Obra de Sérgio Buarque de Holanda. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Wegner, Robert (2003). “América, alegria dos homens: uma leitura de Visão do Paraíso e de Wilderness and Paradise in Christian Thought”, in J. C. Rocha (org), Nenhum Brasil Existe: Pequena Enciclopédia. Rio de Janeiro: TopBooks, pp. 367-375.

Williams, George (1962). Wilderness and Paradise in Christian Thought. Nova York: Harper and Brothers.

Williams, Raymond (1969). Cultura e Sociedade: 1780-1950. São Paulo: Editora Nacional.

Wölfflin, Heinrich (1990). A Arte Clássica. São Paulo: Martins Fontes.

Wölfflin, Heinrich (2000). Conceitos Fundamentais da História da Arte. São Paulo: Martins Fontes.

Topo da página

Notas

1 Todas as edições de Visão do Paraíso são brasileiras, exceto a edição lançada na Venezuela, em 1987, pela Biblioteca Ayacucho.

2 Sobre a incompreensão crítica e a subsequente falta de reconhecimento e estudo sobre Visão do Paraíso, ver Lima (2013).

3 Esta é uma divisão estabelecida neste artigo e, por isso, não busca propor uma distribuição definitiva destes momentos.

4 Apesar de dispersos, alguns artigos foram compilados por Monteiro e Eugênio (2008).

5 As resenhas abrigadas no acervo pessoal do autor não correspondem a todas as resenhas produzidas sobre Visão do Paraíso, mas sem dúvida a um número significativo delas.

6 Sobre a definição de historiografia moderna, pensada a partir da obra de Sérgio Buarque de Holanda, ver Nicodemo (2008).

7 Sobre as tentativas, vãs ou bem-sucedidas, de classificação da obra de 1959 por seus primeiros resenhistas, inclusive como obra pertencente à historiografia moderna, ver Furtado (2014).

8 A monumentalizacão de Visão do Paraíso não é propriamente o tema do presente artigo. De todo o modo, ver, entre outros, os diferentes tratamentos dados a ele por Goff (1996), Bourdieu (2006) e Venancio (2003).

9 Ver também Wegner (2000), sobretudo o capítulo V, intitulado “O Europeu, o Nativo e o Americano”, que também se volta à mesma questão.

10 Ver Assis (2012) e Lima (2013).

11 O concurso contou com três fases: prova escrita, prova didática e defesa da tese.

12 Ver também Monteiro (2012), que embora não discuta propriamente a questão da modernidade nacional percorre a questão pela ótica do modernismo buarquiano.

13 Gombrich (1979) também auxiliou a pensar a periodização proposta.

14 A história do conceito de cultura pode ser buscada também em Elias (1990). Para uma conceitualização do termo cultura como “estrutura de sentimentos”, ver Williams (1969).

15 De fato esta vertente tem um amplo diálogo com a antropologia. Sobre a questão, ver também Detienne (2014), particularmente o primeiro capítulo, intitulado “Fazer antropologia com os gregos”.

16 Ver Burckhardt (1991) e Huizinga (2010).

17 Evidentemente este não é um debate restrito aos dois historiadores, mas se estende às linhagens historiográficas que, de uma forma ou de outra, se avantajaram neste diálogo específico com o conceito de cultura, entre as quais a sociologia de Max Weber e de Norbert Elias, a historiografia da arte da escola de Warburg, a filologia de matriz alemã e, enfim, a própria escola dos Annales.

18 Sobre as relações entre a escola de Warburg e a historiografia da cultura, ver Fernandes (2006).

19 Consultar também Garin (1994), outra referência para Sérgio Buarque pensar a questão.

20 Embora para Koselleck o moderno conceito de história só veio a ser formado a partir do final do século XVIII, ele é aqui útil para registrar o argumento deste artigo. A rigor, a conceitualização de cultura proposta já contém alguns elementos desde conceito de história.

21 Em resumo, é possível dizer que o terceiro capítulo da tese é dividido nos capítulos III, IV, V e VI do livro. Já o sexto capítulo da tese é redistribuído nos capítulos IX, X e XI do livro.

22 Salvo em casos específicos, a edição usada neste artigo é a Holanda (2010), que preserva a estrutura definitiva da obra, tal como aqui considerada.

23 Para uma caracterização da arte medieval e renascentista em Heinrich Wölfflin, ver também Wölfflin (2000), referência igualmente citada em Visão do Paraíso.

24 A noção de “senso do impossível” em Febvre evidentemente não é fruto exclusivo da leitura do historiador francês de Huizinga. Outro exemplo consiste na importância da ideia de “mentalidade pré-lógica”, desenvolvida pelo antropólogo Lucien Lévy-Bruhl em A Mentalidade Primitiva (1922), na elaboração da noção.

25 Este artigo não tem a intenção de apresentar uma definição definitiva sobre a expressão “estudos historiográficos luso-brasileiros”. De todo o modo, por ela entenda-se uma análise crítica da problemática da historiografia brasileira e portuguesa.

26 A polêmica é tratada no segundo capítulo de minha tese de doutorado (Martins, 2017). Ver também Carvalho (2017), sobretudo o quarto capítulo. Sérgio Buarque forneceria posteriormente (Holanda 1979) uma síntese de suas posições neste debate.

27 Sobre a estadia de Sérgio Buarque na Itália, ver Nicodemo (2014).

28 Para esta caracterização do Renascimento português, ver sobretudo Carvalho (1980). Ver também Godinho (1980), Torgal, Mendes e Catroga (1996) e Arruda e Tengarrinha (1999). Evidentemente, não se busca aqui oferecer uma concepção acabada de Renascimento português, mas sim mobilizar alguns de seus aspectos, precisamente os que foram mais criticados por Sérgio Buarque de Holanda.

29 Sobre a defesa de tese de Visão do Paraíso, ver, entre outros, José Roberto do Amaral Lapa (1958), Hélio Viana (1959) e Myriam Ellis (1959).

30 Sobre Sérgio Buarque de Holanda na Universidade de São Paulo, ver Sanches (2007).

31 “Noticiários” podem ser considerados anexos de revistas acadêmicas na época cujo objetivo era divulgar eventos de natureza universitária.

32 Myriam Ellis utiliza-se aqui do termo “medieval” de forma muito próxima ao que Sérgio Buarque entende por Renascimento. Já mais abaixo, ao contrário, Ellis vai utilizar-se do termo “Idade Média” para se referir aos aspectos propriamente “realistas” da época, dos quais o Renascimento (na acepção atribuída por Sérgio Buarque) buscava se afastar.

33 Sobre outros momentos importantes da defesa, ver Nicodemo (2008).

34 O catedrático não se limita a arguir o candidato no exame, mas, fazendo jus a um hábito acadêmico de época, publica seus comentários na imprensa periódica, no caso, no Jornal do Comércio, que recebe do colaborador e faz circular não menos do que três resenhas (Viana 1959).

35 Sérgio Buarque, contudo, não deixa de discutir a obra em outras oportunidades, a exemplo de suas entrevistas.

36 De fato, o prefácio de 1969 não levanta uma discussão sobre as relações entre os imaginários ibéricos e o Renascimento europeu que, aqui, pudesse ser aproveitada. A leitura desta parte da obra é assim também sugestionada pelos capítulos da mesma, nas quais a questão, como vimos, é exaustivamente percorrida.

37 Esta mesma parte do prefácio é citada em entrevista de Sérgio Buarque por conta do lançamento da terceira edição da obra. Ela é tratada como parte do que, no caso, o autor denomina de tese do livro. Ver Holanda (1977).

38 Sérgio Buarque só conseguiu ter acesso ao anexo após a publicação da segunda edição.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Renato Martins, « Sérgio Buarque de Holanda e o estudo comparado dos imaginários ibéricos em Visão do Paraíso (1959) », Ler História, 72 | 2018, 177-198.

Referência eletrónica

Renato Martins, « Sérgio Buarque de Holanda e o estudo comparado dos imaginários ibéricos em Visão do Paraíso (1959) », Ler História [Online], 72 | 2018, posto online no dia 26 junho 2018, consultado no dia 18 novembro 2018. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/3634 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.3634

Topo da página

Autor

Renato Martins

Universidade de São Paulo, Brasil

renato.a.mrtns@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • OpenEdition Journals