Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros73Dossier: Revisitar a Pneumónica d...A pandemia de gripe de 1918-1919:...

Dossier: Revisitar a Pneumónica de 1918-1919

A pandemia de gripe de 1918-1919: um desafio à ciência médica no princípio do século XX

The 1918-1919 flu pandemic: a challenge to medical sciences in the early 20th century
La pandemie de grippe de 1918-1919: un defi pour la science medicale au debut du XXe siècle
Helena Rebelo-de-Andrade e David Felismino
p. 67-92

Resumos

A pandemia de gripe pneumónica foi, à escala mundial, das mais mortíferas de todo o século XX. Entre a primavera de 1918 e abril 1919 grassou em Portugal, com uma virulência irregular e invulgar, em três ondas sucessivas, que estimularam um intenso debate científico. Aconteceu numa altura em que o agente etiológico da gripe (o vírus influenza) não tinha sido identificado e os antibióticos não tinham sido descobertos, lançando inúmeros desafios profiláticos e terapêuticos às autoridades sanitárias nacionais e internacionais. Neste artigo, abordam-se alguns destes aspetos, com base na literatura médica coeva e na investigação desenvolvida posteriormente, procurando discutir algumas características biológicas da epidemia que possam explicar, em parte, a gravidade deste fenómeno epidémico.

Topo da página

Notas da redacção

Este artigo faz parte do dossier temático Revisitar a Pneumónica de 1918-1919, organizado por Laurinda Abreu e José Vicente Serrão.
This article is part of the special dossier Revisiting the Influenza Pandemic of 1918-1919, edited by Laurinda Abreu and José Vicente Serrão.
Cet article fait partie du dossier Revisiter la Grippe Espagnole de 1918-1919, organisé par Laurinda Abreu et José Vicente Serrão.

Texto integral

1A pandemia de gripe pneumónica atingiu Portugal num momento de crise económica, social, sanitária e política. A participação na Grande Guerra tinha agravado a fome, a carência alimentar e a carestia de vida, contribuindo para os conflitos sociais. Ocorreu ainda num período de particular vulnerabilidade, marcado por recorrentes surtos epidémicos, de tifo exantemático e de varíola, além de uma elevada taxa de mortalidade associada a doenças endémicas, como a tuberculose. Num contexto de forte conflitualidade sociopolítica, Sidónio Pais apoiou diretamente várias iniciativas assistenciais e caritativas, transformando a pandemia num móbil de combate político. Mas foi também, em plena crise sanitária, entre outubro e dezembro de 1918, que sucedeu uma insurreição militar, que foi decretado o estado de sítio e que houve uma greve geral, marcando um período conturbado que culminou com o assassinato de Sidónio Pais. Até janeiro de 1919, haveriam de acontecer, ainda, duas tentativas de revolução, liderada uma por Álvaro Xavier de Castro e outra por Henrique Paiva Couceiro. É neste contexto complexo que a pneumónica atinge Portugal.

2Do ponto de vista da ciência e da medicina, a pandemia de gripe aconteceu numa altura em que o agente etiológico da gripe (o vírus influenza) ainda não tinha sido identificado e os antibióticos não tinham sido descobertos, lançando inúmeros desafios preventivos e terapêuticos às autoridades sanitárias nacionais e internacionais. Em Portugal, pese embora não seja novidade, o tema da pneumónica apenas se afirmou no debate historiográfico nas últimas décadas. As abordagens têm sido múltiplas, discutindo-se as consequências demográficas, as respostas das autoridades médicas, políticas e institucionais e a mobilização da sociedade civil, a nível nacional, regional e local (Sampaio 1958; Frada 1989 e 2005; Trindade 1998; Sobral et al 2009a). No entanto, de uma forma geral, o intenso debate científico em torno do organismo responsável e das medidas preventivas e terapêuticas, no qual participaram algumas das figuras mais proeminentes da medicina portuguesa de então, tem permanecido arredado da maioria dos estudos à exceção de alguns trabalhos mais recentes (Rebelo-de-Andrade 2001; Sobral et al 2009b; Almeida 2013a, 2013b e 2014; Nunes 2014; Nunes et al 2018). Por outro lado, estudos recentes têm também procurado descortinar as bases biológicas da pandemia de 1918, para a qual continuamos a não saber se na sua origem esteve um ou múltiplos eventos virais, qual foi o hospedeiro que funcionou como reservatório de recombinação, e como e onde se iniciou a transmissão zoonótica ao homem (Oxford 2001; Worobey, Han e Rambaut 2014; Aulley et al 2015; Gagnon et al 2015; Taubenberger e Morens 2006; Taubenberger 2012).

3Neste estudo, pretende-se revisitar e detalhar os principais temas que enformaram o debate científico na época (a origem da epidemia, as bases biológicas da sua virulência, o agente etiológico, as possíveis terapêuticas e as medidas preventivas), propondo uma leitura atualizada do tema. Para tal, recorreu-se, preferencialmente, à imprensa generalista como fonte principal e veículo de divulgação do repertório cognitivo e científico coevo, não descurando alguns periódicos especializados de âmbito nacional e de maior circulação: A Medicina Contemporânea, no caso português, e El Siglo Médico, no contexto espanhol (Mergoupi-Savaidou, Papane-Lopoulou e Carneiro 2016). Em períodos de crises sanitárias graves como a de 1918-1919, os jornais diários e semanais veiculavam e transmitiam amiúde, com vista à instrução das populações, informações detalhadas, em muitos casos fundamentadas na literatura especializada médica e científica, sobre os fenómenos epidémicos, permitindo-nos aceder ao estado da arte dos conhecimentos científicos do seu tempo. Por outro lado, serviam regularmente de veículo de ligação às autoridades sanitárias na comunicação de riscos e na recomendação de medidas preventivas e terapêuticas. Perante a elevada mortandade e um padrão invulgar de mortes nos grupos etários entre os 20 e os 40 anos, a discussão sobre a natureza do agente etiológico e as causas da sua virulência ocuparam um espaço significativo no debate científico da época. Estas matérias, quando confrontadas com as investigações mais recentes no campo da virologia, permitirão ainda abordar e apontar algumas das possíveis características biológicas do vírus de 1918. Mais do que resultados definitivos em relação à pandemia, este artigo pretende apresentar um conjunto sistematizado de dados, acrescentando nova informação a um debate que só recentemente começou a ocupar a historiografia portuguesa.

1. Percurso da pneumónica em Portugal: a origem e as três ondas epidémicas

4A propaganda associada à I Guerra Mundial (1914-1918) e à Revolução Russa (1917), e o consequente media blackout relativo a notícias que poderiam ter um impacto negativo na moral das tropas, ou mesmo alterar o curso das ofensivas militares, não permitiu identificar o foco inicial da pandemia. Porém, uma vez que o rei Afonso XIII de Espanha (1886-1931), apoiado pelo governo constitucional chefiado por Eduardo Dato, manteve a neutralidade do seu país durante a guerra, não é de estranhar que as notícias sobre a epidemia tenham surgido em Espanha sem os mesmos constrangimentos associados às nações envolvidas no conflito. Foi a partir destas notícias iniciais que, se bem que erradamente, se associou o início da pandemia de gripe pneumónica a Espanha, ficando conhecida como “gripe espanhola” (Trilla, Trilla e Daer 2008; Chowell et al 2014).

  • 1 A primeira estirpe de vírus Influenza isolada a partir do homem, em 1933, foi classificada como A(H (...)

5No entanto, a origem do vírus Influenza da pandemia de 1918 continua controversa. Seguindo a nomenclatura da Organização Mundial de Saúde, convencionou-se designar o vírus da pandemia de 1918 por A(H1N1).1 Alguns autores defendem que as primeiras manifestações do vírus causador da pneumónica podem ter ocorrido associadas a surtos registados em bases militares em França (exército britânico estacionado em Étaples), no inverno de 1916, no Reino Unido (Aldershot) em março de 1917 e, entre 1915 e 1917, nos Estados Unidos (Detroit, Michigan e Carolina do Sul) (Oxford 2001). Nesta linha de pensamento, esta fase teria correspondido a uma adaptação do vírus ao hospedeiro humano, após transmissão zoonótica. Por exemplo, no campo militar britânico, em Étaples, na Bretanha francesa, há fotografias que mostram o contacto dos soldados com aves domésticas e suínos, reunindo as condições para a transmissão interespécies do vírus Influenza (Oxford 2001). Antecedendo estes episódios, não foi descartada a hipótese de o vírus ter surgido no sudeste asiático, e de a transmissão ter ocorrido, posteriormente, através dos chineses que foram destacados para servir as forças aliadas. Porém, uma teoria contraditória mostra que a corrente de transmissão pode ter ocorrido no sentido oposto, ou seja, da Europa para a China, com o regresso dos trabalhadores chineses à sua terra natal no final da guerra, depois do armistício de 11 de novembro de 1918 e do tratado de Versailles em 1919 (Hannoun 1993).

6Do percurso conhecido da gripe pneumónica, já na forma epidémica, sabemos que em março de 1918 são registados casos de doença nos Estados Unidos; a partir de abril de 1918 a infeção chega a Bordéus; em seguida atinge o exército britânico e, em maio e junho, transmite-se por toda a Europa. A epidemia começa, depois, a sua progressão mundial, propagando-se por África, pela Índia, Nova Zelândia e Filipinas. Em agosto de 1918, surge uma segunda onda epidémica, associada a uma fase de maior virulência, que se propaga a partir de três localizações: Brest (França), Freetown (África do Sul) e Boston (Estados Unidos). Uma terceira onda epidémica foi posteriormente observada em alguns países. Desta transmissão mundial parece que apenas escaparam a Nova Guiné, a ilha de Santa Helena e algumas ilhas do Pacífico Sul (Rebelo-de-Andrade 2001; Richard et al 2009; Erboreka 2010; Chowell et al 2011 e 2012; Shanks 2015; Simonsen et al 2018).

  • 2 A Medicina Contemporânea, 02/06 e 16/6/1918.
  • 3 A Medicina Contemporânea, 22/09 e 29/9/2018.

7Em Portugal, a pandemia desenvolve-se, igualmente, com um perfil de três ondas epidémicas. Uma primeira onda, de maior benignidade, começa na primavera de 1918, com os primeiros casos a serem registados em Vila Viçosa, em maio, provavelmente com origem nos trabalhadores que regressavam de Badajoz e Olivença, onde a epidemia já grassava.2 A epidemia difunde-se rapidamente por todo o Alentejo, atingindo o Porto e Lisboa em 10 e 11 de Junho, respetivamente.3 O centro do país parece ter sido a região mais afectada neste período. A segunda onda epidémica, com uma gravidade maior, inicia-se em agosto/setembro de 1918 (Jorge 1919; Rebelo-de-Andrade 2001). Foi durante esta segunda fase da epidemia que foram observadas formas inusuais de uma patologia mais severa, com o relato de casos de síndrome de dificuldade respiratória aguda, de pneumonia fulminante (antecedida muitas vezes por cianose violácea da face e extremidades), e de mortes súbitas. Este segundo período marca o início da transmissão da doença no arquipélago da Madeira, em 14 de setembro, com a chegada do vapor Mormugão ao Funchal e a chegada a Ponta Delgada de um navio originário de Bordéus, em 21 de setembro, que ocasionou os primeiros casos no arquipélago dos Açores (Rebelo-de-Andrade 2001). Nas ilhas, a epidemiologia da doença teve uma evolução mais tardia, estendendo-se por mais tempo, sendo a sua difusão heterogénea e não atingindo com igual magnitude as diferentes ilhas. Finalmente, tal como em muitos países europeus, também em Portugal há relatos de uma terceira onda epidémica, menos grave, a partir de fevereiro de 1919 (Jorge 1919).

8Ricardo Jorge (1858-1939) ilustra nos seus textos a evolução da epidemia, em ondas epidémicas sucessivas, com gravidade crescente, a partir do foco que julga originário de Espanha e descreve:

no seu foco originário de Espanha mostrara bem mais fereza, e ao europeizar-se não foram poucas as regiões onde a sua entrada amedrontou. Desde Agosto que uma vaga se enrola, sem a relativa inocência da primeira. Tem este jeito sabido a influenza; retorna, quando menos se espera, em ondulações sucessivas, estas reincidências costumam também requintar de gravidade (Jorge 1918a).

9O perfil de três ondas epidémicas que se sucedem rapidamente, no espaço de menos de um ano (8 a 9 meses), foi distinto de outras pandemias de gripe. Por exemplo, a de 1889 levou cerca de três anos a atingir o seu caráter mundial. Por outro lado, a primeira onda na pandemia de 1918 aconteceu na primavera, uma altura do ano em que é raro desencadearem-se surtos de gripe no hemisfério norte. A segunda onda originou epidemias no outono, que se desenvolveram em simultâneo nos hemisférios norte e sul. Finalmente aconteceu a onda de inverno no hemisfério norte. As formas moderadas da doença foram idênticas nas três ondas e semelhantes ao que conhecemos para a sintomatologia da gripe sazonal. Porém, uma das grandes diferenças entre as ondas epidémicas foi a maior frequência das complicações, dos casos graves e das fatalidades que caracterizaram a segunda e a terceira onda epidémica, tanto em Portugal como a nível global.

10Pese embora o estudo epidemiológico de Ricardo Jorge e as referências jornalísticas coevas mencionarem os primeiros casos em terras alentejanas, no princípio do mês de maio de 1918, uma leitura mais atenta dos relatórios hospitalares e médicos da época parece sugerir múltiplas frentes de entrada do vírus no território nacional e em cronologia ligeiramente anterior. Em detalhado relatório do médico Mário de Castro, subdiretor clínico do hospital da Cruz Vermelha, instalado no Palácio das Carrancas (Porto) a partir de finais de fevereiro de 1918 para acolher e tratar os militares infetados por tifo exantemático, referem-se 19 casos de internamento com diagnóstico de gripe (num total de 98 internamentos), entre 8 de março e 7 de maio. A partir do primeiro caso diagnosticado em 8 de março, nota-se uma aceleração do número de infetados, com novos internamentos numa periodicidade quase diária (21, 23, 24 e 26 de março, e 11, 19, 26, 28, 29 e 30 de abril). Por outro lado, estes casos apresentam períodos de internamento e convalescença (entre 10 a 15 dias em média, podendo chegar às três semanas) invulgares no contexto de uma epidemia tradicional de gripe, sugerindo formas agravadas da doença, o que se vem a verificar com a referência aos primeiros casos de infeções agravadas do foro pneumónico em 2 e 7 de maio (Castro 1921). Ainda que esta hipótese careça de um estudo mais alargado e detalhado, com base numa revisão dos boletins clínicos hospitalares a nível nacional, os elementos supramencionados parecem apontar para múltiplas frentes de entrada do vírus da gripe em 1918, nomeadamente logo a partir de março, na região norte do país, através dos militares portugueses regressados da frente de combate francesa.

2. A gravidade da pneumónica: bases biológicas e um padrão de mortalidade inusual

11Tradicionalmente, sabemos que a curva traçada para a taxa de mortalidade por gripe sazonal, segundo a idade, segue a forma de um “U”. Ou seja, as taxas mais elevadas de mortalidade correspondem aos extremos das idades (mais novos e mais velhos). No entanto, para a pandemia de 1918 foi descrito por vários autores, nas diferentes regiões a nível mundial, um padrão inusual para a curva da mortalidade com aumento das mortes nos grupos etários entre os 20 e 40 anos, formando um pico a meio da curva que lhe dá uma aparência de “W” (Lai 2015).

  • 4 Por exemplo, La Mañana, 30/05/1918; El Sol, 01/06/1918; El País, 03/06/1918; Le Matin, 01 e 12/10/1 (...)

12Este padrão foi também registado em Portugal como o mostram os estudos retrospetivos de Arnaldo Sampaio (1958), nos quais tratou com grande detalhe os dados da mortalidade geral por gripe e pneumonia no período de 1913 a 1956. Dessas análises, segundo o autor, podemos reter o seguinte: (a) a mortalidade geral duplicou entre 1917 e 1918, passando de 22/1000 em 1917 para 42/1000 em 1918; (b) a taxa de mortalidade por gripe aumentou de 18/100 000 em 1917 para 962/100 000 em 1918; (c) embora as taxas de mortalidade tenham sido mais altas do que o habitual em todos os grupos etários, foram os jovens adultos os que pagaram o maior tributo na pandemia de 1918; (d) a mortalidade aumentada em todos os grupos etários interpretou-a como sendo devida à maior virulência do microorganismo; neste caso, Arnaldo Sampaio argumentou a favor da hipótese de o vírus Influenza ser o causador da maioria das mortes e não o facilitador da pneumonia bacteriana secundária; (e) durante o ano de 1918, com exceção do grupo etário dos 65 aos 69 anos, as taxas de mortalidade por gripe foram maiores nas zonas rurais do que nas zonas urbanas, provavelmente devido às diferenças no acesso aos cuidados médicos e ao tratamento; (f) ao contrário, em 1919, as taxas de mortalidade foram maiores em todos os grupos etários nas zonas urbanas, o que poderá refletir uma insuficiência da assistência médica, já saturada, com longos meses de resposta à epidemia (Sampaio 1958). Note-se que a mortalidade aumentada, em particular nos grupos etários em idade ativa, foi um dos principais motivos de alarme durante a pandemia, sendo tópico recorrente das análises epidemiológicas levadas a cabo na época.4 Em desenvolvidas notas clínicas, publicadas na Medicina Contemporânea, em meados de novembro de 1918, António Cassiano Neves, médico auxiliar do Instituto Central de Higiene, com base no acompanhamento dos epidemiados durante o segundo surto ocorrido no outono desse ano, constatava:

  • 5 A Medicina Contemporânea, 17/11/1918.

Na epidemia de outubro, o primeiro facto a annotar é que os indivíduos que tiveram a gripe de junho ou não foram atacados – o que sucedeu em regra – ou, se foram, tiveram uma forma fruste. Internados houve, como na Casa Pia, que atacados em massa pela epidemia de junho, foram poupados em outubro. […]. Nas duas epidemias, as creanças e os velhos especialmente foram mais poupados que a gente dos 20-30 annos; as creanças não só, poupadas quanto à gravidade da forma como ao número de atacados, sendo tanto menos atacadas, quanto mais baixa é a idade, aos velhos quanto ao número relativo de atacados.5

13Estas descrições e uma curva em “W” encontram-se confirmadas pelas Estatísticas Demográficas de 1918 (ver Fig. 1). Verifica-se uma mortalidade aumentada por gripe em todos os grupos etários, com particular incidência nos jovens adultos, entre os 20 e os 39 anos (24 369 óbitos), o que representa uma taxa de mortalidade superior em 15,85% em relação às crianças e adolescentes até aos 19 anos (20 509 óbitos) e superior em 62% em relação ao grupo etário dos 40-65 anos (9262 óbitos).

Figura 1. Taxa de mortalidade por gripe em 1918 em Portugal Continental e nas Ilhas

Figura 1. Taxa de mortalidade por gripe em 1918 em Portugal Continental e nas Ilhas

Fonte: Estatísticas Demográficas – 1918 (Instituto Nacional de Estatística)

14Apesar do detalhe destas descrições, são ainda muitas as perguntas sem resposta. Seria de grande interesse, médico e científico, voltar a fazer a análise dos dados de mortalidade por todas as causas, por gripe e pneumonia, para o país e por região, recorrendo às fontes primárias para, de forma definitiva, descrevermos o impacto da pneumónica em Portugal em termos temporais, geográficos, demográficos e socioculturais. É certo que, apesar do muito que se escreveu até agora sobre a pneumónica de 1918, continuamos a não saber, com toda a certeza, como, onde e porquê esta pandemia se manifestou com uma gravidade tão excecional em Portugal e a nível mundial. Há que destacar, no entanto, o estudo muito recente de uma equipa de investigadores (Nunes et al 2018), segundo o qual a pandemia de 1918-1919 terá causado 117 764 vítimas mortais em Portugal, considerando todas as infeções agravadas de foro respiratório (gripe, tuberculose pulmonar, bronquite aguda e crónica, pneumonia), o que representa um aumento da taxa de mortalidade geral para 195.7/10 000. O aumento da mortalidade associada à gripe fez-se sentir em duas ondas: primeiro, entre julho de 1918 e janeiro de 1919, com um pico em outubro (principalmente no sul do país, Lisboa e Porto e mormente em áreas rurais) e, posteriormente, entre abril e maio de 1919, com um pico em abril (principalmente no norte do país e nas áreas urbanas).

15Podemos ainda refletir sobre a origem e a virulência do vírus da pneumónica e a consequente resposta inflamatória que provocou na progressão da doença. Sobre o vírus influenza da pandemia de 1918 continuamos a não saber se na sua origem está um ou múltiplos eventos de rearranjo de segmentos genómicos e, na eventualidade de ter ocorrido uma transmissão zoonótica, desconhecemos qual foi o animal que funcionou como reservatório de recombinação ou se esse rearranjo de segmentos pode mesmo ter acontecido no próprio homem. No entanto, as sequências do genoma obtidas através de tecidos provenientes da exumação de cadáveres de vítimas da pandemia de gripe, e através da análise por regressão matemática de sequências genómicas de várias bases de dados, fazem presumir que o vírus de 1918 teria circulado e provocado doença em simultâneo no homem e na população suína e o seu percursor poderia ter surgido cerca de 1915, com um intervalo situado entre 1913 e 1916 (Taubenberger e Morens 2006; Taubenberger 2012).

16Num trabalho publicado em 2014, sugere-se como cenário provável que um ou vários eventos teriam juntado um gene da Hemaglutina do tipo 1 (H1), pertencente a um vírus influenza em circulação na população humana, com sete segmentos genéticos de um vírus aviário (por exemplo um vírus H7N1), dando origem ao vírus pandémico da pneumónica A(H1N1) (Worobey, Han e Rambaut 2014). Note-se que na pandemia de gripe asiática, em 1957, foram introduzidos três genes de vírus aviário na linhagem humana de vírus influenza, dando origem ao vírus A(H2N2) e que, em 1968, na génese da pandemia de gripe de Hong-Kong, foram introduzidos dois genes aviários no vírus influenza que circulava na população humana, originando o vírus A(H3N2). Por sua vez, o vírus influenza da pandemia de gripe de 2009 surgiu através da transmissão zoonótica, dos suínos ao homem, de um vírus influenza triplo recombinante, com genes de linhagens aviárias, suínas e humanas. Neste contexto, os vírus influenza das pandemias de gripe de 1957, de 1968 e de 2009 contêm segmentos genéticos que provêm do pool de genes do vírus fundador A(H1N1) da pandemia de 1918 (Taubenberger e Morens 2006).

Figura 2. Ilustração esquemática da origem dos vírus Influenza pandémicos entre 1918 e 2009

Figura 2. Ilustração esquemática da origem dos vírus Influenza pandémicos entre 1918 e 2009

Fonte: H. Rebelo-de-Andrade (original).

17O modelo atualmente proposto para explicar o padrão de mortalidade por grupo etário (curva em “W”) da pandemia de 1918 tem como base a exposição agregada das várias coortes de nascimento aos diferentes vírus pandémicos e sazonais em circulação anteriormente à pneumónica. Ou seja: de 1830 a 1847 teria circulado um vírus H1N1; entre 1847 e 1889, um vírus H1N8; de 1889 a 1900, um vírus H3N8; de 1900 a 1918, um vírus H1N8. Nestas circunstâncias, a coorte dos nascidos depois de 1889 teria uma menor proteção contra o vírus de 1918, uma vez que, na sua infância, teriam sido expostos a um vírus H3N8 (imunidade heterosubtípica para H3 e N8). É, de facto, nesta coorte que foi observado o pico de excesso de mortalidade durante a pandemia de gripe pneumónica. Neste caso, a exposição na infância à hemaglutinina, H3, poderá ter interferido com a resposta posterior à hemaglutinina, H1, que circulou entre 1900 e 1918, e, consequentemente, também, ao vírus de 1918, o chamado “pecado original antigénico” (Gagnon et al 2015).

18Por sua vez, os nascidos depois de 1900 teriam uma proteção intermédia, por exposição na infância ao vírus H1N8 (imunidade homosubtípica para H1 e heterosubtípica para N8). Por oposição, a coorte de nascidos depois de 1830 seria a mais bem protegida contra o vírus de 1918, por exposição na infância a uma linhagem homosubtípica para H1 e N1, correspondendo a uma menor mortalidade durante a pandemia (Worobey, Han e Rambaut 2014). Para além das bases virológicas que tentam explicar a mortalidade invulgarmente elevada entre os adultos jovens que se observou durante a pandemia de gripe de 1918, podemos ainda encontrar justificação na movimentação das tropas mobilizadas para a guerra, constituídas por grupos etários em idade ativa, e na sua exposição a condições de precariedade alimentar e sanitária, a armas químicas e ao stress da guerra, ficando assim mais suscetíveis perante a doença e as suas complicações. Por outro lado, os acampamentos militares e hospitais superlotados e a proximidade nos campos de treino, nos alojamentos e nos cenários de guerra foram também propícios à transmissão rápida da doença.

19A elevada patogenia do vírus da pandemia de 1918 e a resposta imunológica exacerbada à infeção foram, ainda, fatores determinantes no aparecimento dos casos graves e na grande mortalidade atribuída a esta pandemia. De facto, as proteínas NS1 e PB1-F2 do vírus influenza da pandemia de 1918 podem ter sido determinantes no aumento da inflamação durante a infeção viral primária e na frequência e severidade da pneumonia bacteriana secundária. Ou seja, a potente capacidade supressora da resposta imune inata, induzida por uma carga viral elevada, produziu um concomitante aumento e desregulação da expressão das citoquinas pro-inflamatórias (tempestade de citoquinas) (Taubenberger 2012; Auley et al 2015).

20Neste contexto, as formas graves da doença e as suas complicações, nomeadamente a pneumonia viral primária e a pneumonia bacteriana secundária, assim como a consequente mortalidade elevada, resultaram de uma complexa conjugação de fatores inerentes: (a) à patogénese do vírus influenza de 1918; (b) à resposta inflamatória que induziu no hospedeiro e às suas consequências na progressão da doença; (c) à exposição prévia a outras estirpes do vírus influenza, particularmente durante a infância; (d) ao contexto de particular suscetibilidade dos adultos jovens como resultado do envolvimento na guerra. Não podemos, ainda, esquecer a ausência de opções terapêuticas para o tratamento da pneumonia bacteriana, uma vez que só a partir da II Guerra Mundial se generalizou o uso dos antibióticos (apesar de a descoberta da penicilina ter ocorrido ocasionalmente em 1928).

3. Etiologia da pneumónica

  • 6 La Manãna, 23/05/1918.
  • 7 A Capital, 04/06/1918.

21A pandemia de gripe pneumónica aconteceu numa altura em que ainda não se tinha identificado o agente etiológico da gripe (o vírus influenza) nem os antibióticos tinham sido descobertos. Seriam necessários mais treze anos (1931) para o americano Richard Shope (1901-1966) isolar pela primeira vez o vírus influenza do trato respiratório de suínos, e quinze anos (1933) para o vírus influenza ser identificado como o agente viral causador da gripe no homem pelos investigadores britânicos Wilson Smith, Christopher Andrews e Patrick Laidlaw. As primeiras notas sobre uma doença que começava a grassar de forma epidémica em solo europeu apareceram pontualmente na imprensa a partir de maio de 1918, principalmente nos jornais de Espanha, país neutro no conflito mundial que acontecia desde 1914: “Desde hace vários dias reina en Madrid una epidemia de carácter benigno y de naturaleza análoga à una infección de gripe, aunque mucho menos molesta”.6 Nos primeiros dias de junho, fazendo eco das notícias veiculadas no país vizinho, vieram as primeiras referências na imprensa portuguesa e as primeiras definições que indicavam ser gripe a doença que alastrava pelo continente com gravidade relativa: “As grandes sumidades médicas hespanholas demonstraram que a atual epidemia que reina em Madrid e em outros pontos do paíz vizinho é de origem gripal e está localizada nas vias respiratórias, apresentando-se o symptoma tosse mais ou menos intenso”.7

22Eram notícias vagas e pontuais que deram, rapidamente, lugar a informações detalhadas quando começaram a surgir casos agravados da doença em toda a Europa no final da primavera de 1918, impondo-se a identificação e designação de gripe ou influenza no seio da classe médica europeia. Em Portugal, Ricardo Jorge, então diretor-geral da Saúde, confirmou o diagnóstico de influenza, apresentando logo em 18 de junho, ao Conselho Superior de Higiene, um extenso relatório dedicado “a nova incursão peninsular da influenza” (Jorge 1918a). Em Lisboa, o número de óbitos aumentara para 400 por semana e as autópsias, levadas a cabo nos hospitais da capital, revelavam, cada vez mais, lesões pulmonares agravadas por broncopneumonia, pneumonia, congestão, edema, pleurisia, entre outros: “La grippe apportait sa suite ordinaire de complications thoraciques de la pire espèce, qui ne pouvaient tromper aucun observateur réellement averti sur le diagnostic et le pronostic exacts de l’épidémie” (Jorge 1919).

23Todavia, a origem e natureza dos agentes infeciosos foram discutidas, num intenso debate à escala mundial, assente nos paradigmas vigentes da epidemiologia e da bacteriologia finisseculares. Foram apontados diversos possíveis agentes, como o bacilo de Pfeiffer, o agente infecioso da febre papataz e um leque variado de possíveis microrganismos, como o estreptococo, o estafilococo, o pneumobacilo ou ainda o pneumococo. De todos estes, foi em torno do bacilo de Pfeiffer (Hemophilus influenza) que se geraram as discussões mais acesas, sendo este microrganismo identificado como o agente causador da influenza desde a última grande pandemia de gripe que assolara o mundo em 1889-1891. Em janeiro de 1892, os bacteriologistas Richard Pfeiffer, Kitasato Shibasaburo e Paul Canon tinham publicado, no segundo número da Deutshe Medicinische Wochenschrift, três artigos onde identificavam o bacilo Hemophilus influenza como o que pensavam ser o microorganismo causador da gripe. Muito embora os estudos realizados durante a pandemia gripal seguinte, de 1898-1901, não confirmassem a presença do bacilo nas amostras colhidas nos doentes infetados, a comunidade médica não questionara o achado de Pfeiffer.

  • 8 La Manãna, 04/06/1918.
  • 9 El Sol, 24/05/1918. Vide também La Mañana, 28/05/1918; El Sol, 06/06/1918 e 07/06/1918; El País, (...)
  • 10 El Siglo Médico, 24/08/1918.

24À semelhança da pandemia de 1898, os exames levados a cabo nos principais laboratórios e hospitais europeus não confirmaram, em 1918, a presença significativa de Hemophilus influenza nos epidemiados.8 Em 24 de maio, o médico espanhol Gregório Marañon dava conta, no diário El Sol, dos resultados negativos obtidos no laboratório do Hospital Central de Madrid, à semelhança dos resultados conseguidos no Laboratório Municipal de Higiene de Madrid e no Instituto de Medicina Legal de Madrid publicados nas semanas seguintes.9 Outros médicos defendiam, no entanto, a possível origem da doença numa combinação do bacilo de Pfeiffer com outros microorganismos ou bactérias (estreptococo, pneumococo, bacilo catharralis e parameningococo).10

  • 11 Relatório publicado no jornal O Dia, citado pelo autor em texto publicado em A Medicina Contemporân (...)
  • 12 A Medicina Contemporânea, 14/07/1918.
  • 13 A Medicina Moderna, 14/07/1918.

25Outra hipótese discutida foi a da “febre dos três dias”, também conhecida como “febre dos papatazes”, “febre estival”, “influenza estival” ou “febre da seca”, provocada por um microrganismo veiculado por um inseto da espécie Phlebotomus papatasi, que apresentava, no que toca aos sintomas, evolução e duração semelhantes à influenza. Em Portugal, os principais defensores deste diagnóstico foram Carlos França (1877-1926) e Américo Pires de Lima (1886-1966), à época assistente de Clínica Médica na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. A 21 de junho de 1918, no jornal O Dia, França publicou um extenso relatório no qual afirmava ter identificado flebótomos em território nacional,11 tal como já o fizera sem carácter epidémico, na região de Colares (Sintra), em 1912. Apoiando-se no trabalho de França, Pires de Lima, em sucessivos relatórios e crónicas de opinião, publicados entre julho e outubro do mesmo ano, procuraria reafirmar a tese, confirmando a presença de flebótomos em Portugal.12 Em sessão plenária da Associação Médica de Lisboa, ocorrida a 11 de julho, Carlos Ramalhão (1896-1936), assistente da Faculdade de Medicina do Porto, arredando o estudo bacteriológico da doença por dificuldades relacionadas com a rápida hospitalização das vítimas, mas estudando antes as alterações leucocitárias dos atingidos, considerava a leucopenia como modificação hemo-leucocitária dominante nos doentes da epidemia reinante, considerando assente que na febre papatasi havia em regra uma hipo-leucocitose e, na gripe, uma hiperleucocitose.13

  • 14 A Medicina Contemporânea, 18/07/1918.

26Os dados hematológicos de Ramalhão viriam a ser criticados por Geraldino de Brites (1882-1941), do Instituto de Medicina Legal de Lisboa, em extenso artigo na Medicina Contemporânea, na semana seguinte, em 18 de julho. Apontava para o efeito leucopenisante dos sais de quinina, um dos medicamentos mais vulgarmente utilizados no tratamento dos epidemiados.14 Caberia a Ricardo Jorge, em extenso estudo publicado a 12 de agosto desse ano, refutar, com base em dados entomológicos, bacteriológicos, clínicos e epidemiológicos, a hipótese de estarem perante “febre dos três dias”. No que à presença do vetor dizia respeito, afirmava liminarmente: “Mas para que houvesse de imputar-se-lhe o papel transmissor duma epidemia assim, era preciso que os papatazes voassem em cardumes como praga egípcia. Semelhante difusão só é concebível com uma desmarcada profusão de insetos transmissores” (Jorge 1918b).

27Sobre os dados bacteriológicos, estando falido, na sua opinião, o conceito pfeiferiano, reconhecia que o agente etiológico da gripe permanecia por descobrir, lamentando a falta de dados laboratoriais sistemáticos e sublinhando a importância dos dados clínicos e epidemiológicos para a confirmação do diagnóstico. Do ponto de vista clínico, lembrava que a “febre dos três dias” estava em regra isenta de catarro nas vias respiratórias superiores e inferiores, ao contrário do verificado na maioria dos epidemiados da primavera de 1918. Do ponto de vista epidemiológico, apresentava duas objeções: as duas primeiras ondas epidémicas tinham ocorrido na primavera e no outono, por oposição à febre estival que encontrava no verão as condições climatéricas favoráveis ao seu desenvolvimento; e a epidemia de 1918 aparecia focada no extremo ocidental europeu, ao contrário da “febre dos três dias” que, em regra, desfilava de levante para poente, acompanhando a migração dos flebótomos (Jorge 1918b).

28No auge da segunda onda epidémica, multiplicando-se os infetados, os casos graves, as vítimas e, por consequência, os trabalhos laboratoriais, a confirmação do diagnóstico da influenza ganhou terreno. A 13 de outubro, Nicolau Bettencourt (1872-1941), médico do Hospital de Doenças Infeciosas do Rego (Lisboa) e técnico do Instituto Bacteriológico Câmara Pestana, apresentou, na Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, os resultados obtidos nos exames laboratoriais levados a cabo nos doentes internados no Rego. Os testes bacterioscópicos da expetoração pneumónica não revelavam a presença do bacilo de Pfeiffer e verificava-se, em quase todos os doentes, a gama multiforme da sintomatologia da gripe, desde os casos subfebris com ligeiro catarro das vias áreas superiores até às formas mais graves com lesões pulmonares. Concluía a extensa apresentação dos exames desenvolvidos:

  • 15 A Medicina Contemporânea, 13/10/1918.

Em resumo – epidemiologia com a sua feição pandémica e difusibilidade extrema que nenhum outro morbo atinge. Sintomatologia dentro do quadro clássico que lhe foi assinalado e em que a própria variabilidade imprime carácter, dados bacteriológicos e anatomo-patológicos concordantes com as observações anteriormente feitas, isto é como tal tem que ser considerada, a “influenza” escrita e escarrada, como dizia há pouco num dos seus relatórios o prof. Ricardo Jorge, empregando, por desfastio, êste plebeísmo tanto do agrado da gente da minha terra.15

  • 16 Le Petit Parisien, 15/10/1918.

29A investigação laboratorial, iniciada em 1918-1919, lançaria inúmeras pistas para identificação do vírus influenza alguns anos depois, na década de 1930. Em setembro de 1918, os médicos franceses Charles Nicolle e Charles Lebailly, do Instituto Pasteur de Tunes, e René Dujarric de la Rivière, do Laboratoire Central de l’Armée, propuseram, pela primeira vez e de forma sustentada, a origem viral da gripe. Após filtração e inoculação de uma amostra da expetoração de um engripado em dois voluntários homens (um por via subcutânea e o outro por via intravenosa), Nicolle e Lebailly verificaram que o primeiro homem desenvolvera sintomas da doença no próprio dia e o segundo voluntário permanecera saudável, concluindo que o agente etiológico da gripe seria um vírus filtrável, não transmissível pelo sangue (Nicolle e Lebailly 1918). A descoberta, apresentada na Academia das Ciências de Paris, encontraria eco imediato na imprensa internacional durante o mês de outubro: “Cet agent pathogène est un microbe filtrant, c’est-à-dire un microbe d’une petitesse telle qu’il passe au travers des filtres les plus tenas et ne peut être visible qu’à l’ultramicroscope”.16

  • 17 Vide ainda A Medicina Contemporânea, 05/01/1919.

30Em dezembro de 1918, o médico brasileiro Henrique Aragão, do Instituto Oswaldo Cruz (Brasil), conduziu um estudo semelhante, duvidando que a gripe fosse provocada pelo bacilo de Pfeiffer. Considerava, do ponto de vista clínico e epidemiológico, que a gripe em nada se assemelhava a uma doença de origem bacteriana. Segundo ele, as enfermidades causadas por vírus filtráveis apresentavam curto período de incubação, além de extrema difusibilidade e contagiosidade, tal como era visível no quadro epidemiológico de 1918. Outro argumento era a frequente ocorrência de infeções secundárias que constituía um quadro característico de doenças de origem viral. Depois de almejar isolar diminutos “corpos de forma arredondada” na análise da expetoração dos doentes, concluía que a gripe pandémica era causada por um vírus filtrável e pertencia ao grupo de doenças que não precisavam de hospedeiros intermediários para sua transmissão (Aragão 1918).17

4. Terapêuticas e medidas preventivas: as soluções possíveis

  • 18 Portugal Médico, 18/06/1918; A Medicina Contemporânea, 02, 16 e 23/06/1918.
  • 19 A Capital, 26/10/1918; A Medicina Contemporânea, 08/12/1918.
  • 20 Le Matin, 26/10/1918; Portugal Médico, 18/06/1918.
  • 21 El País, 24/05/1918.

31Em 28 de maio de 1918, Ricardo Jorge comunicou ao Conselho Superior de Higiene que a influenza estava a alastrar de forma explosiva por toda a Espanha. Reconhecendo não existirem terapêuticas eficazes, recomendava apenas “cama, dieta, tisanas e médico”.18 Foram estas as medidas preconizadas, após muito debate em torno das terapêuticas, pela maioria dos médicos, um pouco por toda a Europa.19 À luz do conhecimento médico e farmacêutico da época, as alternativas às terapêuticas naturais eram poucas. Aos doentes recomendou-se cama e descanso, preferencialmente em casa, reservando a hospitalização para os mais desfavorecidos e para os casos mais graves.20 Em associação, aconselhava-se uma alimentação sã ou dieta rigorosa para fortalecer o sistema imunológico e evitar a progressão da enfermidade.21 A manutenção de um regime alimentar equilibrado era, todavia, tarefa árdua e inalcançável para o português comum. A extrema e estrutural pobreza da população levava a que a maioria tivesse uma alimentação má e escassa desde o seu nascimento. Além da escassez crónica, os géneros alimentícios eram caros.

  • 22 A Capital, 20/07/1918.

32Com sucessivos anos de más colheitas agrícolas e a entrada na guerra em 1916, os preços dos bens alimentares essenciais, como o pão, o azeite, as hortaliças e o arroz, sofreram uma inflação acentuada, transformando a fome num fenómeno endémico e afundando o país numa profunda crise de subsistências que, em abril e maio de 1917, culminou em múltiplos assaltos a armazéns de víveres e padarias, provocando dezenas de mortos e centenas de feridos em Lisboa e no Porto. Na primavera de 1918, fruto da falta de cereais, o preço do pão mais do que triplicou na capital e no Porto, levando a novos protestos. A situação agravou-se ainda mais com a escassez de arroz e a inflação do seu preço, obrigando ao tabelamento do seu valor nos mercados, em junho do mesmo ano.22 Outros géneros, como o peixe, a carne, a manteiga e o açúcar, já carregados do pesado ónus dos impostos e das taxas alfandegárias, escasseavam ou desapareceram por completo (Pereira, Varela e Noronha 2012; Pereira 2014; Redondo Cardeñoso 2017). Por esta razão, entre outras, a população recorria a respostas de carácter assistencialista para prover à alimentação, como as “Sopas para os Pobres”, criadas em abril de 1917 pelo jornal O Século com a ajuda das paróquias, e as “Cozinhas Económicas”, geridas pela Sociedade Protetora das Cozinhas Económicas de Lisboa, fundada em 1893, e a Obra de Assistência 5 de Dezembro, criada por iniciativa de Sidónio Pais, em março de 1918 (Cordeiro 2012).

  • 23 A Capital, 18/06/1918; Le Petit Parisien, 02/10/1918; Le Journal, 02/11/1918, 07/11/1918; Le Matin, (...)
  • 24 El País, 06/06/1918.
  • 25 El País, 29/05/1918; El Sol, 27/09/1918.

33Perante esta penúria e inflação acentuadas, preconizava-se, preferencialmente, o consumo de caldo de galinha, prática secular na convalescença e no tratamento dos enfermos, e a ingestão de água com açúcar, sucos de laranja, limão ou ainda café, leite e até rum.23 Nem sempre as opiniões eram consensuais: alguns médicos defendiam o consumo de leite, outros rejeitavam-no liminarmente.24 Enquanto os clínicos portugueses preferiam o sumo de laranja, em Espanha prescrevia-se a toma de infusões de limão. No auge da segunda vaga da epidemia, tais recomendações conduziram mesmo à escassez de limão nos mercados madrilenos, obrigando as autoridades a regulamentarem a sua venda.25

  • 26 Le Matin, 13/10/1918; El País, 27/05/1918.
  • 27 El Siglo Médico, 14/09/1918.
  • 28 Le Matin, 13/10/1918; Le Petit Parisien, 13 e 27/10/1918; A Medicina Contemporânea, 01/12/1918. Sob (...)
  • 29 A Medicina Contemporânea, 27/10 e 22/12/1918; Le Petit Parisien, 13/10/1918.
  • 30 Vejam-se os anúncios publicitários a sabonetes publicados com regularidade na imprensa generalista (...)

34As limitações do espaço de internamento nos hospitais levaram a que muitos doentes permanecessem acamados em suas casas. As recomendações, simultaneamente preventivas e terapêuticas, durante o período de convalescença, consistiam no isolamento rigoroso do doente em quarto individual ou a divisão das grandes áreas com panos e lençóis, o seu aquecimento, a lavagem e substituição regular da roupa de cama e o arejamento permanente.26 Uma higiene regular do corpo, mediante banhos frequentes, era fortemente aconselhada, como forma de desinfeção mas também de diminuir a febre.27 Nesse sentido, recomendava-se também a ingestão frequente de água, a aplicação de panos encharcados ou ainda o aspergimento regular dos lençóis com água. Aos familiares dos doentes, médicos, funcionários sanitários e voluntários em brigadas de socorro, aconselhava-se ainda o uso de máscaras para proteção28 e a lavagem regular das mãos,29 que devia ser feita através do recurso a sabonetes ou a desinfetantes químicos.30

  • 31 A Capital, 29/10/1918; A Medicina Contemporânea, 01/12/1918.
  • 32 A Capital, 04/06, 06/10 e 21/10/1918; Le Matin, 29/02 e 05/10/1918; O Algarve, 20/10/1918; El País, (...)
  • 33 A Capital, 04/06, 06/10 e 21/10/1918; A Medicina Contemporânea, 23/06 e 13/10/1918; O Comércio do P (...)
  • 34 A Capital, 06/10/1918.

35Em alternativa à ventilação do quarto, podia-se recorrer a fumigações de eucalipto e à limpeza regular do espaço com creolina ou cal.31 A desinfeção química por formolização, isto é, a desinfeção por formaldeído por pressão, um gás com propriedades bactericidas e germicidas, então usado de forma periódica nas habitações e nos espaços públicos, era outra medida considerada eficaz. Para desinfetar as vias áreas superiores, reconhecidas como o principal foco de infeção, recomendavam-se os gargarejos regulares com soluções salinas, mentoladas, de fabrico caseiro ou à venda nas farmácias, ou ainda com pasta dentífrica diluída em água.32 Aconselhava-se ainda a proteção das fossas nasais com óleos, vaselina, glicerina ou pasta dentífrica.33 Recomendava-se, de forma preventiva, o consumo regular de pastilhas mentoladas ou de chocolate.34 Na tentativa de diminuir a febre, o emprego de procedimentos caseiros tais como a fricção do corpo, as cataplasmas de farinha de mostarda ou ainda os clisteres com água e sabão e a aplicação de ventosas, secas ou escarificadas, foram recomendados com frequência.

  • 35 Le Matin, 26/10 e 07/11/1918; A Capital, 07/07 e 29/10/1918; La Mañana, 30/05/1918; A Medicina Cont (...)
  • 36 Le Matin, 24/02/1918; El País, 01/06/1918; El Siglo Médico, 14/09/1918; Le Petit Parisien, 02/10/19 (...)
  • 37 O Algarve, 19/01/1918; A Medicina Contemporânea, 01/12/1918; A Capital, 27/10/1918.
  • 38 A Capital, 24/10/1918; Le Matin, 01/11/1918.

36Face ao desconhecimento do agente etiológico da gripe, a abordagem terapêutica era, como ainda hoje, na maioria dos casos, sintomática. Foi comum o recurso aos antipiréticos, entre os quais a administração de aspirina, em pó, em comprimido ou por injeção, diluída em soro.35 No entanto, em Portugal o quinino foi administrado com mais frequência, e alguma eficácia, pelo menos na diminuição da febre.36 As revistas médicas e os boletins hospitalares portugueses e estrangeiros da época fazem ainda eco do recurso a uma miríade de outras substâncias medicamentosas, como o salicilato de sódio, o benzoato de sódio, o salicilato de metilo e o benzonaftol, para mencionar apenas os mais referidos. Em algumas ocasiões, dão conta da administração de soluções fortificantes, feitas de soluções de arsénico, óleo de rícino, óleo canforado, terebentina ou até de sangue de cavalo.37 No caso dos doentes mais graves, com complicações pneumónicas, parece ter sido frequente o recurso a injeções de cafeína, de adrenalina e de esparteína. Por fim, em conformidade com o conhecimento da época e com a dificuldade em formular diagnósticos precisos, a administração de soros antidiftéricos, antimeníngeos e antipneumocócicos, simples ou combinados, foi uma solução frequente nos hospitais portugueses e estrangeiros.38

  • 39 A Medicina Contemporânea, 22/12/1918, 11/05, 08/06 e 10/08/1919.

37Todavia, faltavam medicamentos nas farmácias e a falta de açúcar para a composição de remédios era também sentida praticamente em todas as farmácias do país. Em 4 de outubro de 1918, proibiu-se a saída, tanto pela fronteira terrestre como pela via marítima, de todas as substâncias medicamentosas. Em meados do mesmo mês, os farmacêuticos viram-se forçados a despachar receitas, de forma gratuita, aos mais necessitados, e os médicos foram autorizados a simplificar o seu receituário. Estas terapêuticas, associadas a medidas preventivas e às tradicionais medidas de higiene pública, como veremos adiante, revelaram-se todavia incapazes de controlar o desenvolvimento da epidemia durante a primavera de 1918. Com o início do segundo surto, escassos meses depois, no outono, partindo do princípio que a gripe conferia imunidade, as autoridades sanitárias portuguesas e europeias empenharam-se na tentativa de desenvolver vacinas preventivas, algumas das quais viriam a ser utilizadas, embora sem sucesso, no final do ano de 1918.39

  • 40 A Medicina Contemporânea, 01/12/1918.
  • 41 A Medicina Contemporânea, 27/01/1918, 03, 10, 17, 24 e 31/03, 12, 19 e 26/05/1918.

38Perante a relativa ineficácia destas terapêuticas químicas, os médicos reconheciam os limites do auxílio clínico, privilegiando a distribuição de roupas de cama e agasalhos, de alimentos e de esmolas em dinheiro para os doentes convalescentes, e preconizando a adoção de medidas preventivas de higiene (Pereira e Pita 2011).40 Apesar do recurso crescente a todo um novo arsenal teórico e prático, nomeadamente o decorrente das descobertas da bacteriologia e da microbiologia em finais do século anterior, pode dizer-se que a epidemia de 1918-1919 foi, quanto ao essencial, combatida através de esquemas antigos. As medidas sanitárias tomadas para evitar a propagação da gripe foram semelhantes às da peste bubónica (1899) e do tifo exantemático (1917): o recurso às desinfeções químicas dos espaços públicos e domésticos, bem como a adoção das clássicas medidas de quarentena (Almeida 2013a e 2013b; Sousa et al 2009).41

  • 42 A Capital, 13/10, 03, 05 e 07/11/1918; O Algarve, 23/11/1918; Le Matin, 26/10/1918.
  • 43 ABC, 21/10/1918; O Algarve, 20/10/1918.

39Além da recomendação dos banhos e da desinfeção de roupas e casas, já aqui referidos, as desinfeções químicas das ruas, a cargo dos regimentos de bombeiros sapadores ou voluntários e dos serviços municipais de higiene e saúde, foram também frequentes, pese embora, na maioria dos casos, terem sido medidas adotadas de forma reativa face ao alastrar da doença, atuando-se somente após a sua manifestação acentuada, em particular nos bairros operários mais carenciados ou nos locais de ajuntamento como as escolas, as praças, os caminhos de ferro, os portos e outras áreas com forte concentração de pessoas (como cinemas e teatros).42 Os químicos pulverizados, mediante carros e autoclaves móveis, eram diversos, embora tenha prevalecido o uso do formaldeído, do ácido fénico, da creolina da cal e do alcatrão.43

  • 44 A Capital, 02/11/1918.

40Da mesma forma, as quarentenas e as medidas de isolamento dos doentes, fosse nas suas casas, em hospitais (instalados ou de campanha), quartéis, colégios, prisões e hospícios destinavam-se a limitar o número de contagiados. Perante a escassez de recursos, foram criados inúmeros hospitais de campanha, por iniciativa pública ou privada, com o intuito de proceder ao isolamento dos doentes. Diante da violência da segunda vaga da epidemia, a capacidade da rede hospitalar existente foi rapidamente excedida, como sucedeu sintomaticamente com o Hospital do Rego, em Lisboa, onde se fazia o internamento, isolamento e tratamento dos portadores de doenças infetocontagiosas. Recorreu-se de novo a hospitais já desativados, como o de Arroios, e transformaram-se em hospitais alguns estabelecimentos públicos, como o Liceu de Camões. A 7 outubro de 1918, os quartéis de bombeiros da Amadora foram requisitados para a instalação de hospitais temporários. No dia 11, o hospício de Runa recebeu os primeiros epidemiados depois da sua requisição pelas autoridades sanitárias para a instalação de um hospital de isolamento. No dia 18, a Cruz Vermelha Portuguesa instalou, graças à benevolência da família Burnay, um hospital com mais de uma centena de camas no palácio familiar da Junqueira. A 2 de outubro, a direção dos Hospitais Civis de Lisboa proibiria a visita aos doentes internados.44

  • 45 Le Journal, 03/11/1918; El Sol, 28/09/1918; Le Matin, 05/10/1918.
  • 46 A Medicina Contemporânea, 02/11/1918.

41Associado à preocupação com o controlo do contágio, o fecho de locais de grande concentração humana, em particular as escolas, os cinemas e os teatros, não foi consensual. O diretor-geral da Saúde, Ricardo Jorge, defendeu a adoção de medidas que restringissem as grandes feiras e peregrinações, mas mostrou-se contrário a um alargamento de proibições que incluíssem o fecho de escolas, teatros e cinemas, cafés, igrejas, transportes coletivos, mercados, repartições, armazéns e fábricas. No seu entender, nenhuma medida de fecho ou isolamento podia conter o contágio de um vírus como o de 1918, e a vida económica do país devia continuar. Noutros países, nomeadamente em Espanha, se houve cordões sanitários, e se o fecho de escolas e universidades públicas foi decretado, também não houve unanimidade quanto ao fecho de salas públicas, como teatros e cinemas, e houve mesmo festas de touros.45 No entanto, ao longo do outono e inverno de 1918, em Portugal e não só, verificaram-se inúmeros fechos de instituições e negócios decorrentes do elevado absentismo, consequência do estado de doença dos funcionários. O teatro Avenida, em Lisboa, depois do cancelamento de várias representações por falta de pessoal, só reabriria a sua temporada no início do mês de novembro. Nalguns casos, por iniciativa própria, mas não por imposição superior, algumas escolas públicas e particulares, liceus, universidades e escolas superiores fecharam entre finais de outubro e princípios de novembro.46 Em Lisboa, a Escola Naval e a Escola de Guerra estiveram fechadas e, em Coimbra, a sala de leitura da Biblioteca da Universidade também encerrou. No auge da segunda vaga, o próprio Parlamento esteve encerrado entre 7 de novembro e 3 de dezembro.

42Se durante o primeiro surto na primavera de 1918, isolamentos e desinfeções foram casuísticos e pontuais, perante a gravidade da segunda vaga da epidemia, no outono de 1918, a Direção-Geral da Saúde fez sair as primeiras instruções sanitárias para coordenar o combate à epidemia e estruturar as práticas sanitárias e profiláticas. Publicadas a 4 de outubro, as instruções dividiam-se em seis pontos e iam recomendadas às autoridades sanitárias de todo o país. As primeiras disposições obrigaram à criação de um sistema de recolha de informação e determinaram que todos os médicos deviam participar às subdelegações de saúde todos os novos casos de epidemiados. O subdelegado, ou um seu representante, deveria depois transmitir telegraficamente o conjunto dos dados à delegação competente, que os enviaria pela mesma via à Direção-Geral da Saúde, prestando as informações necessárias para que a extensão e a intensidade da epidemia pudessem ser avaliadas. O segundo ponto referia o conjunto das normas de higiene pública, obrigando à limpeza das povoações e das casas, e aconselhando à desinfeção química, embora Ricardo Jorge reconhecesse a relativa inutilidade das desinfeções com creolina e alcatrão perante a gravidade da epidemia. O terceiro ponto tratava da organização dos hospitais e postulava que para os casos mais graves estava indicada a hospitalização, com tratamento e isolamento. Devia-se aproveitar os hospitais existentes e improvisar outros, requisitando-se prédios, camas e roupas. Em quarto lugar, utilizaram-se todos os médicos disponíveis, requisitando médicos militares e aposentados, e facilitando a conclusão do curso aos alunos finalistas do curso de medicina. Por fim, o quinto e sexto preceitos indicavam a necessidade de organizar localmente, por um lado, os serviços farmacêuticos e, por outro, a assistência às populações com a criação de Comissões de Socorro (Jorge 1919).

5. Conclusão

43Apesar do muito que se tem investigado e escrito sobre a pandemia de gripe de 1918 ainda prevalecem muitas dúvidas sobre os eventos que estiveram na origem do vírus influenza que ocasionou a doença e sobre a origem geográfica da epidemia que grassou a nível mundial. Em Portugal, as consequências demográficas da pandemia, as respostas das autoridades de saúde, a mobilização da sociedade civil e o enquadramento político e social entre 1918-1920 têm merecido um debate alargado. Porém, muito menos atenção tem sido dada à intensa discussão médica e científica que se fazia a nível nacional, durante esse período, liderada pelas mais proeminentes figuras da medicina portuguesa da altura: Nicolau Bettencourt, Américo Pires de Lima, Carlos Ramalhão, Carlos França e Geraldino de Brites, entre outros. Foram apontados diversos possíveis agentes, como o bacilo de Pfeiffer, o agente infecioso da febre papataz e um leque variado de microrganismos.

44Quanto a Ricardo Jorge, na altura diretor-geral da Saúde, defendeu muito cedo o diagnóstico da influenza para a pandemia, contribuindo a sua posição relativamente ao agente infecioso para a definição, embora algo tardia, de medidas preventivas e terapêuticas que, à primeira vista, obedeciam aos velhos preceitos oitocentistas de combate às doenças infeciosas, dirigidos pelos preceitos da bacteriologia e epidemiologia da época. No entanto, muitas destas recomendações foram em tudo semelhantes às atuais bases da prevenção e terapêutica da gripe. Na abordagem sintomática da gripe, ainda hoje se aconselha a permanência e descanso em casa, a ingestão abundante de líquidos e a toma de antipiréticos para reduzir a febre. As medidas não farmacológicas preventivas, atualmente preconizadas para a minimização da transmissão do vírus, assemelham-se às advertências feitas em 1918: a regular higiene dos espaços e dos doentes, a utilização de máscaras e a higiene regular das mãos, em particular em contexto hospitalar. Apesar de termos, atualmente, mais armas terapêuticas (antivirais específicos) e vacinas eficazes, é extraordinário verificar a atualidade de muitas das medidas aplicadas pelas autoridades de saúde durante a pandemia de 1918-1919.

45Nesse sentido, apesar de, à época, ainda faltar mais de uma década para a identificação do vírus, a medicina estava a dar passos admiráveis, tendo servido a pandemia de estímulo para uma produção considerável de trabalhos científicos. A investigação laboratorial, iniciada em 1918-1919, lançou bases sólidas para a identificação do vírus influenza na década de 1930, apontando para a origem viral da gripe, ou seja, para a filtrabilidade do microrganismo causador da doença. Embora os caminhos da ciência apontassem para soluções e as medidas preventivas e terapêuticas de controlo da infeção fossem, na teoria, adequadas, a mortalidade foi considerável. As causas deste fracasso foram múltiplas e foram, em parte, alheias ao conhecimento médico da época: desde as características biológicas e epidemiológicas da doença até à escassez de meios materiais e humanos, à debilidade do sistema organizativo, à demora na tomada de medidas de controlo, consequentes de um país destruturado, em crise política, económica e social que acabara de atravessar uma situação de guerra que o debilitara ainda mais.

Topo da página

Bibliografia

Almeida, Maria Antónia Pires de (2013a). Saúde pública e higiene na imprensa diária em anos de epidemias, 1854-1918. Lisboa: Colibri.

Almeida, Maria Antónia Pires de (2013b). “Epidemias no Porto em 1918: saúde e higiene na imprensa diária em períodos de crise sanitária”, in A. L. Pereira, J. R. Pita (eds), Saberes e práticas em torno do adoecer da alma e do corpo. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, pp. 65-72.

Almeida, Maria Antónia Pires de (2014). “Combatendo epidemias: Bernardino António Gomes, Sousa Martins, Ricardo Jorge, Câmara Pestana, Almeida Garrett, Fernando da Silva Correia”, in M. F. Rollo et al (eds), Espaços e Actores da Ciência em Portugal (XVIII-XX). Lisboa: Caleidoscópio, pp. 309-326.

Aragão, Henrique de Beaupaire (1918). “A propósito da grippe”. Brazil-Médico, 32 (45).

Aulley, Julie; Kedzierska, Katherine; Brown, Lorena; Shanks, G. Dennis (2015). “Host immunological mortality of young adults during the 1918 influenza pandemic”. Frontiers in Immunology. Mini Review, 6 (419), pp. 1-17.

Castro, Mário de (1921). O Hospital da Cruz Vermelha durante a epidemia de Tifo Exantemático de 1918. Relatório dos serviços médicos prestados, apresentado à Ex.ª Comissão Central de Sociedade Portuguesa da Cruz Vermelha. Porto: Imprensa Social.

Chowell, Gerardo; Viboud, Cécile; Simonsen, Lone; Miller, Mark; Hurtado, José; Soto, Gabriela; Vargas, Rodrigo; Guzmán, M. A.; Ulloa, M.; Munayco, Cesar (2011). “The 1918-1920 influenza pandemic in Peru”. Vaccine 29 supl., pp. 21-26.

Chowell, Gerardo; Viboud, Cécile; Simonsen, Lone; Miller, Mark; Acuna-Soto, Rodolfo; Ospina Díaz, Jua; Martínez-Martín, Abel Fernando (2012). “The 1918-19 Influenza Pandemic in Boyacá, Colombia”. Emerging Infectious Diseases, 18 (1), pp. 48-56.

Chowell, Gerardo; Erkoreka, Anton; Viboud, Cécile; Echeverri-Dávila, Beatriz (2014). “Spatial-temporal excess mortality patterns of the 1918-1919 influenza pandemic in Spain”. BMC Infectious Diseases, 14 (371), pp. 1-12.

Cordeiro, Ricardo (2012). Filantropia: as cozinhas económicas de Lisboa (1893-1911). Lisboa: ISCTE-IUL (dissertação de Mestrado).

Erboreka, Anton (2010). “The Spanish Influenza Pandemic in Occidental Europe (1918-1920) and victim age”. Influenza and Other Respiratory Viruses, 4, pp. 81-88.

Frada, João José Cúcio (1989). Leiria e a Pneumónica de 1918, numa perspectiva médica, económica e social. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica).

Frada, João José Cúcio (2005). A gripe pneumónica em Portugal continental, 1918. Estudo socioeconómico e epidemiológico com particular análise do concelho de Leiria [1998]. Lisboa: Sete Caminhos.

Gagnon, Alain; Acosta, J. Enrique; Madrenas, Joaquin; Miller, Matthew S. (2015). “Is Antigenic Sin Always “Original”? Rexamining the Evidence Regarding Circulation of a Human H1 Influenza Virus Immediately Prior to the 1918 Spanish Flu”. PLOS Pathogens, 11 (3), pp.1-6.

Hannoun, Claude (1993). «La Grippe», Documents de la Conférence de l’Institut Pasteur: La Grippe Espagnole de 1918, in Encyclopédie Médico-Chirurgicale, Maladies infectieuses. Paris: Ed. Téchniques EMC.

Jorge, Ricardo (1918a). A Influenza. Nova Incursão Peninsular. Relatório apresentado ao Conselho Superior de Higiene, em sessão de 18 de Junho de 1918. Lisboa: Imprensa Nacional.

Jorge, Ricardo (1918b). A Influenza e a Febre dos Papatazes. Lisboa: Imprensa Nacional.

Jorge, Ricardo (1919). La Grippe. Rapport Préliminaire présenté à la Comission Sanitaire des Pays Alliés dans sa session de mars 1919. Lisbonne: Imprimerie Nationale.

Lai, Kang Yui; Cheng, Fanny Fang; George, Wing Yiu. (2015). “The W-Shaped Mortality-Age Distribution of Novel H1N1 IInfluenza Virus Helps Reconstruct the Second Wave of Pandemic 1918 Spanish Flu”. Journal of Pulmonary & Respiratory Medicine, 5.02, pp. 1-21.

Mergoupi-Savaidou, Eirini; Papane-Lopoulou, Faidra; Carneiro, Ana (2016). “Popularization of Science, Technology, and Medicine in the ‘Periphery’: A Step Further?”. Technology and Culture, 57 (4), pp. 966-977. 

Nicolle, Charles; Lebailly, Charles (1918). “Quelques notions expérimentales sur le virus de la grippe. Note de MM. Charles Nicolle et Charles Lebailly présentée par M. Emile Roux, séance du 14 Octobre 1918“. Comptes rendus de l’Académie des Sciences, pp. 607-611.

Nunes, Baltazar; Silva, Susana; Rodrigues, Ana; Roquette, Rita; Batista, Inês; Rebelo-de-Andrade, Helena (2018). “The 1918-19 Influenza Pandemic in Portugal: A Regional Analysis of Mortality Impact”. American Journal of Epidemiology, kwy164, pp. 1-30.

Nunes, Maria de Fátima (2014). “Ricardo Jorge and the Construction of a Medico-Sanitary Public Discourse: Portugal and International Scientific Networks”, in M. A. Porras-Gallo, A. D. Ryan (eds), The Spanish Influenza Pandemic of 1918-1919. Perspectives from the Iberian Peninsula and the Americas. Rochester: University of Rochester Press, pp. 83-107.

Oxford, John (2001). “The so-called Great Spanish Influenza Pandemic of 1918 may have origi-nated in France in 1916”. Philosophical Transactions of the Royal Linnean Society, 356, pp. 1857-1859.

Pereira, Ana Leonor; Pita, João Rui (2011). “A higiene: da higiene das habitações ao asseio pessoal”, in I. Vaquinhas (coord), A Época Contemporânea, vol III de J. Mattoso (dir), História da Vida Privada em Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, pp. 92-116.

Pereira, Joana Dias (2014). “O ciclo de agitação social global de 1917-1920”. Ler História, 66, pp. 44-55.

Pereira, Joana Dias; Varela, Raquel; Noronha, Ricardo (2012). Greves e Conflitos Sociais em Portugal no Século XX. Lisboa: Colibri.

Rebelo-de-Andrade, Helena (2001). Aspectos Epidemiológicos e Virológicos da Gripe: Desenvolvimento de um sistema de vigilância. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (tese de doutoramento).

Redondo Cardeñoso, Jesús-Angel (2017). “Protestas populares por las subsistencias en el Alentejo durante la Gran Guerra, 1914-1918”. Ler História, 70, pp. 141-160.

Richard, Sean Grayson; Sugaya, Sari; Simonsen, Lone; Miller, Mark; Viboud, Cécile (2009). “A comparative study of the 1918–1920 influenza pandemic in Japan, USA and UK: mortality impact and implications for pandemic planning”. Epidemiology & Infection, 137 (8), pp. 1062-1072.

Rockwood, Charles; O’Donoghue, Don (1960). “The Surgical Mask: Its Development, Usage, and Efficiency. A Review of the Literature, and New Experimental Studies”. AMA Archives of Surgery, 80 (6), pp. 963-971.

Sampaio, Arnaldo (1958). Subsídios para o estudo da epidemiologia da gripe. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (tese de doutoramento).

Shanks, Dennis (2015). “Insights from unusual aspects of the 1918 influenza pandemic”. Travel Medicine and Infectious Disease, 13 (3), pp. 217-222.

Simonsen, Lone; Chowell, Gerardo; Andreasen, Viggo; Gaffey, Robert; Barry, John; Olson, Don; Viboud, Cécile (2018). “A Review of the 1918 herald pandemic wave: importance for contemporary response strategies”. Annals of Epidemiology, 28, pp. 281-288.

Sobral, José Manuel; Lima, Maria Luísa; Castro, Paula; Sousa, Paulo Silveira (org.) (2009a). A Epidemia Esquecida: olhares comparados sobre a Pneumónica 1918-1919. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Sobral, José Manuel; Lima, Maria Luísa; Sousa, Paulo Silveira; Castro, Paula (2009b). “Perante a Pneumónica: a Epidemia e as Respostas dos Agentes de Saúde Pública e dos Agentes Políticos em Portugal (1918/1919)”. Vária História, 25 (42), pp. 377-402.

Sousa, Paulo Silveira; Sobral, José Manuel; Lima, Maria Luísa; Castro, Paula (2009). “A epidemia antes da pandemia: o tifo exantemático no Porto (1917-1919)”, in J. M. Sobral et al (org), A Pandemia Esquecida. Olhares comparados sobre a Pneumónica 1918-1919. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, pp. 279-290.

Taubenberger, Jeffery (2012). “Reconstruction of the 1918 Influenza Virus: Unexpected Rewards from the Past”. MBio. Mini Review, 3.05, pp. 1-6.

Taubenberger, Jeffery; Morens, David (2006). “1918 Influenza: The Mother of All Pandemics”. Emerging Infectious Diseases, 12.01, pp. 15-22.

Trilla, Antoni; Trilla, Guillem; Daer, Carolyn (2008). “The 1918 ‘Spanish Flu’ in Spain”. Clinical Infectious Diseases, 47 (5), pp. 668-673.

Trindade, Luís (1998). “A epidemia da gripe pneumónica. A morte anunciada”. História, XX, 8, pp. 36-45.

Worobey, Michael; Han, Guan-Zhu; Rambaut, Andrew (2014). “Genesis and pathogenesis of the 1918 pandemic H1N1 influenza A virus”. PNAS, 11 (22), pp. 8107-8112.

Topo da página

Notas

1 A primeira estirpe de vírus Influenza isolada a partir do homem, em 1933, foi classificada como A(H0N1). Este subtipo circulou de 1933 a 1946, quando surgiu uma nova variante designada A(H1N1) que depois se verificou ser semelhante à estirpe de 1918. Estes subtipos A(H1N1) e A(H0N1), que circularam entre 1918 e 1956, ocasionaram epidemias regulares com difusão limitada, provavelmente porque sofreram variações antigénicas pouco significativas, o que levou a que fossem incluídas no mesmo subtipo A(H1N1).

2 A Medicina Contemporânea, 02/06 e 16/6/1918.

3 A Medicina Contemporânea, 22/09 e 29/9/2018.

4 Por exemplo, La Mañana, 30/05/1918; El Sol, 01/06/1918; El País, 03/06/1918; Le Matin, 01 e 12/10/1918; Le Petit Parisien, 31/10/1918; A Medicina Contemporânea, 31/08 e 17/11/1918, 23/03/1919; O Comércio do Porto, 25/09/1918; Diário de Notícias, 10/10/1918.

5 A Medicina Contemporânea, 17/11/1918.

6 La Manãna, 23/05/1918.

7 A Capital, 04/06/1918.

8 La Manãna, 04/06/1918.

9 El Sol, 24/05/1918. Vide também La Mañana, 28/05/1918; El Sol, 06/06/1918 e 07/06/1918; El País, 05/06/1918 e 09/09/1918.

10 El Siglo Médico, 24/08/1918.

11 Relatório publicado no jornal O Dia, citado pelo autor em texto publicado em A Medicina Contemporânea, 30/06/1918.

12 A Medicina Contemporânea, 14/07/1918.

13 A Medicina Moderna, 14/07/1918.

14 A Medicina Contemporânea, 18/07/1918.

15 A Medicina Contemporânea, 13/10/1918.

16 Le Petit Parisien, 15/10/1918.

17 Vide ainda A Medicina Contemporânea, 05/01/1919.

18 Portugal Médico, 18/06/1918; A Medicina Contemporânea, 02, 16 e 23/06/1918.

19 A Capital, 26/10/1918; A Medicina Contemporânea, 08/12/1918.

20 Le Matin, 26/10/1918; Portugal Médico, 18/06/1918.

21 El País, 24/05/1918.

22 A Capital, 20/07/1918.

23 A Capital, 18/06/1918; Le Petit Parisien, 02/10/1918; Le Journal, 02/11/1918, 07/11/1918; Le Matin, 07/11/1918; A Medicina Contemporânea, 02/03/1919.

24 El País, 06/06/1918.

25 El País, 29/05/1918; El Sol, 27/09/1918.

26 Le Matin, 13/10/1918; El País, 27/05/1918.

27 El Siglo Médico, 14/09/1918.

28 Le Matin, 13/10/1918; Le Petit Parisien, 13 e 27/10/1918; A Medicina Contemporânea, 01/12/1918. Sobre o uso de máscaras ver Rockwood e O’Donoghue (1960).

29 A Medicina Contemporânea, 27/10 e 22/12/1918; Le Petit Parisien, 13/10/1918.

30 Vejam-se os anúncios publicitários a sabonetes publicados com regularidade na imprensa generalista e especializada nessa época, entre muitos, por exemplo A Medicina Contemporânea, 20/10/1918 e 23/02/1919; El Sol 30/05 e 29/09/1918; ABC, 21/10/1918. Veja-se ainda o formulário proposto para desinfeção das mãos, composto de cloreto de cálcio, carbonato de sódio, ácido bórico e pó de talco, apresentado em A Medicina Contemporânea, 22/12/1918.

31 A Capital, 29/10/1918; A Medicina Contemporânea, 01/12/1918.

32 A Capital, 04/06, 06/10 e 21/10/1918; Le Matin, 29/02 e 05/10/1918; O Algarve, 20/10/1918; El País, 24/05/1918.

33 A Capital, 04/06, 06/10 e 21/10/1918; A Medicina Contemporânea, 23/06 e 13/10/1918; O Comércio do Porto, 15/10/1918; Le Matin, 05 e 24/10/1918; El País, 24/05/1918; El Sol, 30/05/1018; El Siglo Médico, 28/09/1918.

34 A Capital, 06/10/1918.

35 Le Matin, 26/10 e 07/11/1918; A Capital, 07/07 e 29/10/1918; La Mañana, 30/05/1918; A Medicina Contemporânea, 23/02 e 02/03/1919.

36 Le Matin, 24/02/1918; El País, 01/06/1918; El Siglo Médico, 14/09/1918; Le Petit Parisien, 02/10/1918.

37 O Algarve, 19/01/1918; A Medicina Contemporânea, 01/12/1918; A Capital, 27/10/1918.

38 A Capital, 24/10/1918; Le Matin, 01/11/1918.

39 A Medicina Contemporânea, 22/12/1918, 11/05, 08/06 e 10/08/1919.

40 A Medicina Contemporânea, 01/12/1918.

41 A Medicina Contemporânea, 27/01/1918, 03, 10, 17, 24 e 31/03, 12, 19 e 26/05/1918.

42 A Capital, 13/10, 03, 05 e 07/11/1918; O Algarve, 23/11/1918; Le Matin, 26/10/1918.

43 ABC, 21/10/1918; O Algarve, 20/10/1918.

44 A Capital, 02/11/1918.

45 Le Journal, 03/11/1918; El Sol, 28/09/1918; Le Matin, 05/10/1918.

46 A Medicina Contemporânea, 02/11/1918.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1. Taxa de mortalidade por gripe em 1918 em Portugal Continental e nas Ilhas
Créditos Fonte: Estatísticas Demográficas – 1918 (Instituto Nacional de Estatística)
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/4070/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 72k
Título Figura 2. Ilustração esquemática da origem dos vírus Influenza pandémicos entre 1918 e 2009
Créditos Fonte: H. Rebelo-de-Andrade (original).
URL http://journals.openedition.org/lerhistoria/docannexe/image/4070/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 109k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Helena Rebelo-de-Andrade e David Felismino, « A pandemia de gripe de 1918-1919: um desafio à ciência médica no princípio do século XX »Ler História, 73 | 2018, 67-92.

Referência eletrónica

Helena Rebelo-de-Andrade e David Felismino, « A pandemia de gripe de 1918-1919: um desafio à ciência médica no princípio do século XX »Ler História [Online], 73 | 2018, posto online no dia 27 dezembro 2018, consultado no dia 30 outubro 2020. URL: http://journals.openedition.org/lerhistoria/4070; DOI: https://doi.org/10.4000/lerhistoria.4070

Topo da página

Autores

Helena Rebelo-de-Andrade

Dep. de Doenças Infecciosas e Museu da Saúde, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge; Host-Pathogen Interaction Unit, iMed.ULisboa, Faculdade de Farmácia, Lisboa, Portugal

H.Rebelo.Andrade@insa.min-saude.pt

David Felismino

Museu da Saúde, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, Portugal

david.felismino@insa.min-saude.pt

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search