Navegação – Mapa do site

Texto integral

1Neste número, o primeiro destaque vai para o dossier dedicado à diáspora judaica da época moderna. Organizado por José Alberto Tavim, e contando com a participação de investigadores de quatro países, nele se analisa e discute a situação de várias comunidades judaicas de origem portuguesa (ou, mais genericamente, ibérica) numa época relativamente tardia e também menos estudada. Nisso, aliás, reside a sua principal novidade e interesse. 100 ou 200 anos depois da criação destas comunidades de refugiados judeus e cristãos-novos que escapavam à perseguição das autoridades ibéricas, como é que elas se encontravam? Os problemas e as transformações que enfrentavam revelam-nos um processo de declínio ou simplesmente de integração e acomodação às sociedades e às realidades políticas e económicas em que estavam inseridas? As respostas a estas questões não são lineares nem unidireccionais. Assim o revelam os estudos que compõem este dossier, largamente alimentados por investigação recente e documentação nova, que tratam de duas importantes comunidades sefarditas europeias (a de Hamburgo e a de Londres) e de várias outras mais pequenas estabelecidas nas Caraíbas.

2Para além do dossier temático, os restantes artigos seguem, como habitualmente, um alinhamento cronológico que, neste número, se estende desde o século XVII até ao XX. Marcello Loureiro analisa os projectos desenvolvidos pela coroa portuguesa depois da Restauração visando o desenvolvimento e a plena incorporação política dos territórios do Grão-Pará e do Maranhão na soberania portuguesa. A questão é observada especialmente a partir do pensamento do padre António Vieira, aqui analisado à luz das controvérsias políticas, jurídicas e teológicas que se vinham desenvolvendo na Europa desde o século XVI a propósito da incorporação de territórios ultramarinos e do modo como eram tratados os direitos indígenas.

3O artigo seguinte trata do papel desempenhado pelas misericórdias no mercado financeiro durante o Antigo Regime. Já se sabe que elas se contavam entre as principais instituições de crédito privado em Portugal. Mas o que Lisbeth Rodrigues faz, neste estudo, é explorar a hipótese de a Misericórdia de Lisboa ter sido induzida pelo governo pombalino a canalizar a maior parte do seu investimento no mercado de capitais para o crédito público, passando a ser um dos grandes financiadores da coroa através da compra de padrões de juro. É um artigo que vale pelas suas conclusões e pelas pistas que abre para trabalhos futuros. Também relevantes e inovadoras, ainda que com um enfoque geográfico e cronológico totalmente diferente, são as conclusões apresentadas no estudo de história antropométrica dedicado à Itália de Mussolini, elaborado por Javier Puche e Pedro Pérez Castroviejo. Cabe ainda mencionar, dentro da secção generalista, as contribuições assinadas por Leonor de Oliveira e por João M. Rocha, a primeira sobre uma geração de artistas que se formou em Londres nos anos 1950, e que inclui alguns dos representantes mais notáveis da arte portuguesa contemporânea, e a segunda sobre a situação e as características da imprensa diária de Angola no princípio dos anos 1960.

4No Espelho de Clio – secção dedicada a trabalhos sobre historiografia e sobre historiadores – apresentamos uma entrevista com James N. Green, historiador norte-americano que tem cruzado a sua investigação com um activismo político e um activismo cívico na defesa dos direitos dos homossexuais. Nesse sentido, é uma entrevista que interpela a uma necessária reflexão sobre o que pode, deve ou se admite que seja a articulação entre o trabalho académico profissional e aquilo a que poderíamos chamar uma militância cívica – questão que hoje, talvez mais do que nunca, se coloca aos historiadores no exercício do seu ofício. A fechar o número, e ainda antes das habituais recensões de obras recentes, Zoltán Biedermann revisita o debate sobre as origens do orientalismo e discute as tendências actuais em matéria de história das representações.

5Em resumo, temos assim um número que, em linha com o padrão editorial da Ler História, contempla uma diversidade de temas, problemas, cronologias e geografias. Diversidade que se estende ainda às línguas de publicação (português, inglês e espanhol) e à afiliação institucional dos colaboradores, sendo de notar que mais de metade dos autores envolvidos neste número se encontra afiliada em instituições dos Estados Unidos, Espanha, Reino Unido, Brasil e Venezuela – indicadores que também traduzem a internacionalização da revista.

6Finalmente, não podemos deixar de assinalar que a publicação deste número acontece pouco depois de conhecidos os resultados da última actualização anual do prestigiado Índice SJR (Scimago Journal & Country Rank), os quais mostram um reforço da posição da Ler História sob todos os pontos de vista. Tendo subido 122 lugares no ranking da categoria História, ocupa agora a posição 329 a nível mundial, o que nos coloca no topo do quartil Q2. Em Portugal é mesmo, aliás, a única revista de História neste quartil, e uma das poucas nas áreas de Humanidades e de Ciências Sociais. Continuaremos a trabalhar para manter esta posição de prestígio, liderança e responsabilidade.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História, 74 | 2019, 5-6.

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História [Online], 74 | 2019, posto online no dia 25 junho 2019, consultado no dia 17 julho 2019. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/4556

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

Director

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals