Navegação – Mapa do site
Dossier: Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII

Da diáspora judaica no Caribe (séculos XVII e XVIII): desafios e revelações a partir da (re)descoberta da sua correspondência epistolar

The Jewish Diaspora in the Caribbean (17th and 18th centuries): challenges and revelations from the (re)discovery of their letters
La Diaspora Juive aux Caraïbes (XVIIe et XVIIIe siècles): défis et révélations à partir de la (re)découverte de leur correspondance
Ana Leitão
p. 63-85

Resumos

A presença de judeus portugueses e espanhóis em diversas partes do Caribe, particularmente na ilha de Barbados, em Curaçau, no Suriname e na Jamaica, tem sido estudada por vários investigadores. Porém, a recente descoberta de centenas de cartas nos arquivos britânicos veio proporcionar um olhar renovado sobre estas comunidades, ali estabelecidas nos séculos XVII e XVIII. Além de possibilitar um contacto direto com a atuação de redes sociais e de comércio por via de correspondência não oficial, ganhamos um acesso privilegiado ao quotidiano e os receios dos colonos judeus sob vigilância no período das guerras anglo-holandesas. Estas cartas, produzidas num contexto informal ou profissional, veiculam ainda dados relevantes com vista ao estudo de experiências individuais e coletivas em correlação com os eventos históricos. Este artigo faz parte do dossier temático Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII, organizado por José Alberto Tavim.

Topo da página

Notas do autor

Este estudo decorre da atividade, de pós-doutoramento, de pesquisa arquivística e de edição crítica de cartas particulares realizadas no seio do projeto Post Scriptum (2012-2017), financiado pelo ERC (7FP/ERC Advanced Grant – GA 295562). A autora agradece o apoio dos serviços dos The National Archives, em Kew (Reino Unido), pela possibilidade de acesso às séries em reorganização num dos períodos de pesquisa arquivística. Apresenta ainda o seu reconhecimento ao Professor José Tavim (FLUL), pelos diversos desafios lançados mais recentemente no panorama da historiografia judaica de matriz ibérica.

Texto integral

  • 1 De assinalar os contributos de Wim Klooster, Aviva Ben-Ur, Yosef Kaplan, Natalie Zemon Davis, Suz (...)

1A história das comunidades judaicas estabelecidas no Caribe no período moderno tem despertado o interesse, desde há muito tempo, tanto por parte de genealogistas particulares, motivados pela procura das suas origens, como por parte de académicos de várias especialidades e áreas disciplinares.1 Entre os tópicos mais abordados na literatura disponível, encontra-se o seu enquadramento na política expansionista holandesa ou, em termos mais gerais, no quadro da mobilidade e do estabelecimento de relações comerciais e redes de comunicação no Atlântico, os desafios na implantação e na manutenção da espiritualidade dessas comunidades judaicas, a sua participação na economia local, os processos de miscigenação ou de crioulização.

  • 2 Patente em http://www.archives.nysed.gov/research/research-guide-dutch, que compreende a série A1 (...)
  • 3 Ver “Geboorteregister van Portugese Joden (mannen). Met aantekening van hun overlijden”, nos Arqu (...)
  • 4 Ver o inventário relativo ao Archief van de Nederlandse Portugees-Israëlitische Gemeente in Surin (...)
  • 5 The National Archives (TNA), High Court of Admiralty (HCA), 30-32.
  • 6 Ver https://www.prizepapers.de/.
  • 7 A parceria envolveu, além dos arquivos de Kew, a Dutch Royal Library, os Dutch National Archives (...)
  • 8 De referir ainda o projeto Sailing networks: mapping colonial relations with Suriname’s seventeen (...)
  • 9 Post Scriptum: Arquivo Digital de Escrita Quotidiana em Portugal e Espanha na Época Moderna (7FP/ (...)

2Relativamente a fontes conhecidas, contam-se, nomeadamente, os registos relativos ao Caribe constantes no fundo da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, à guarda dos New York State Archives,2 inscrições tumulares existentes em Curaçau e no Suriname, alguma cartografia seiscentista e setecentista, como seja a respeitante à região do rio Suriname, posteriormente conhecida como Jodensavanne (Vink 2010, 48), registos de batismo,3 bem como outra documentação de caráter variado.4 Mais recentemente, graças a uma descoberta que remonta a uma trintena de anos, é possível contar com grande abundância de novos dados por meio do fundo documental dos denominados Prize Papers, à guarda dos Arquivos Nacionais do Reino Unido (em Kew).5 Trata-se de 1 100 caixas contendo documentação apresada em alto-mar (1652-1832), que tem vindo a ser tratada e estudada no âmbito de vários projetos recentes ou em curso. De acordo com o Prize Papers Project – uma parceria liderada pela universidade alemã de Oldenburg que tem em vista disponibilizar online e contextualizar a totalidade dos documentos disponíveis neste fundo6 – nele se inclui um impressionante conjunto de cartas que deverá rondar as 160 mil. Segundo os dados avançados por um outro projeto (Letters as Loot), de entre esta correspondência contam-se umas 16 mil cartas particulares, algumas das quais permanecendo ainda lacradas.7 Mais recentemente, foi alvo de uma iniciativa conjunta intitulada Sailing Letters: letters as loot, e deu origem ao projeto linguístico seu sucedâneo, centrado especificamente no estudo de cartas holandesas.8 Por seu turno, no âmbito do projeto português Post Scriptum,9 foi possível identificar nos Prize Papers várias dezenas de documentos de correspondência epistolar de judeus portugueses e espanhóis, cujo tratamento ainda se encontra em curso.

3Ora, é precisamente uma parte desta documentação – mais em concreto, um subconjunto de 97 cartas escritas em português, com origem no Suriname (1672) e em Curaçau (1758, 1782-1783) – que serve de base analítica ao presente artigo (ver a sua descrição sumária no Anexo 1). Sendo uma documentação ainda pouco explorada na historiografia concernente à diáspora judaica, estamos em crer que, pela sua natureza e enquadramento – boa parte destes escritos são cartas pessoais –, o conteúdo discursivo e as estratégias de comunicação empregues desafiam o leitor na descodificação do que se transmite, do seu contexto situacional (de produção, circulação e eventual receção), e das finalidades subjacentes. Por outro lado, o seu formato, caraterísticas de apreensão e conservação proporcionam uma panóplia de dados relevantes para a história social e económica das comunidades judaicas assistentes no Caribe.

4Este artigo está organizado do seguinte modo: na primeira secção analisaremos o que justificou a apreensão e preservação daquelas cartas nos arquivos centrais britânicos; segue-se (secção 2) a associação de conteúdos que povoam o discurso epistolar com o contexto histórico, de forma a apurar o posicionamento dos autores das cartas acerca da sua condição de colonos e como percecionaram a sua instalação naqueles territórios ultramarinos; culminando (secção 3) com a ponderação das intencionalidades comunicativas predominantes e de alguns aspetos linguísticos, correlacionados, como veremos, com o enquadramento sociocultural dos intervenientes.

1. Do apresamento de cargas e comunicações

5Como é sabido, ao longo dos séculos XVII e XVIII várias potências europeias disputaram entre si a livre circulação nos mares e o domínio territorial em diversas partes do Novo Mundo, mercê das políticas de expansão ultramarina e do alargamento de redes internacionais de navegação e comércio. Na sequência da promulgação, pelo governo inglês, dos Atos de Navegação de 1651, 1662, 1663, 1670 e 1673, que impunham a proibição do trato comercial das suas possessões ultramarinas com a Holanda, Espanha, França e respetivas colónias, o apresamento de embarcações inimigas (ou neutras, sob suspeita da prática de contrabando) por parte da marinha inglesa tornou-se prática corrente. Semelhante estratégia proporcionava não apenas a posse das mercadorias, como da documentação a bordo, onde constavam tanto correios marítimos, como registos de carga e cartas de seguro, constituindo as comunidades judaicas do Caribe um alvo crucial, pela suspeita de traficarem mercadorias e informações com a Holanda, em prejuízo da Inglaterra.

6Período de acentuada clivagem entre as duas potências europeias, a coroa inglesa vigiou as rotas de navegação de embarcações vindas ou destinadas à Holanda por conta de judeus, estando em causa as suas relações comerciais de formato transnacional (Schorsch 2010) e a soberania inglesa nas áreas do Caribe – ou pelo menos, aparentemente, pois o divulgado oficial e publicamente divergia de uma série de outros pretextos que agitavam Carlos II (Jonas 2013, 179) –, particularmente as comunidades estabelecidas em Curaçau e no Suriname. Com efeito, o desenvolvimento destas colónias foi potenciado precisamente pela instalação de judeus desde os alvores do seu povoamento – ao menos no caso do Suriname –, muito graças a experiências prévias de desenvolvimento económico em contexto ultramarino, a par de uma mudança significativa no modelo comercial existente, com uma valorização crescente dos territórios das Antilhas, precisamente na década de 1670 (Klooster 1998). As cartas analisadas evidenciam igualmente o esforço de famílias ligadas ao trato comercial no desenvolvimento de redes, as quais desempenhariam um papel fundamental no estabelecimento e florescimento das atividades de mercadores judeus no espaço do Atlântico.

  • 10 Constitui uma pequena percentagem das cartas pessoais que incorporam o corpus deste projeto, é ce (...)
  • 11 O Prize Papers Project contabilizou entretanto 19 línguas distintas no conjunto global desta docu (...)
  • 12 Disponibiliza ao público os resultados na sua página oficial em http://ps.clul.ul.pt/pt/index.php
  • 13 De acordo com Israel (1989, 148).

7Por outro lado, a política inglesa de apresamento poderia ter em mente outros efeitos, como a fragilização das colónias sob jurisdição holandesa e a fragmentação das redes de contactos dos judeus nas cortes europeias, quer em representação da comunidade, quer na defesa dos direitos de cidadania e de mercancia. Certo é que a documentação apreendida viria a ser preservada no acervo do Supremo Tribunal do Almirantado inglês, constituindo-se testemunho documental da prática dos crimes de contrabando de mercadorias em alto-mar. A este tribunal competiam casos-crime especificamente relativos à navegação, comércio e apresamento de embarcações e respetiva carga em alto-mar. Não é, portanto, de estranhar que entre a documentação remanescente desta instância judicial se contem vários processos com papéis apreendidos a bordo de naus holandesas, muito particularmente no contexto das guerras marítimas anglo-holandesas (1665-1667, 1672-1674 e 1781-1784) ) – conflitos que alcançaram uma escala épica face ao que era conhecido em termos de dimensão e impacto no contexto de conflitos bélicos (Jones 2013, 217) – e da Guerra dos Sete Anos (1756-1763). Estes Prize Papers incluem largas dezenas de cartas10 redigidas em português, castelhano, inglês, francês e hebraico,11 uma parte das quais remetida por judeus portugueses e espanhóis a partir do Caribe. Cerca de uma centena, em idioma português e castelhano, foi recolhida entre 2014 e 2016, vindo a integrar o corpus do projeto Post Scriptum.12 Entre remetentes e destinatários destas cartas, entrevemos várias famílias com sobrenomes de peso, como é o caso dos Nassi e dos Drago – especificamente David Cohen Nassi (aliás, José Nunes de Fonseca,13 ou mesmo Cristóvão de Távora) e Abraão Drago –, que estiveram na base precisamente da mobilização de judeus e conversos provenientes da América Portuguesa, bem como da Holanda para as Antilhas nas décadas de 1650 e 1660 (Klooster 2009, 34).

  • 14 O êxodo de 1654 conheceria outros destinos pelas Américas, como a instalação na ainda Nova Ameste (...)

8Semelhante trânsito acabaria por ser fruto dos tempos, particularmente com a derrota dos holandeses no Brasil, a fuga à perseguição inquisitorial e consequente integração precária nos territórios europeus em que foram acolhidos, a demanda de consolidação da produção e comércio a partir do Caribe, sem esquecer o impacto dos projetos de vida desenhados no seio de cada família. Recorde-se que, nas décadas de 1640 e 1650, se multiplicavam as expedições com colonos judeus nos espaços de administração inglesa, nomeadamente a partir de Barbados para o Suriname, como sucedeu em 1652. Nesse mesmo ano chegavam ali também os primeiros judeus oriundos do Brasil – dois anos antes da saída dos holandeses do Nordeste brasileiro14 –, estando o Suriname ainda sob soberania inglesa (Israel 1989, 150); só transitaria para a soberania holandesa em 1667.

9A distribuição geográfica em pontos nevrálgicos para o escoamento de matérias-primas e sua comercialização conduz-nos à ponderação do conceito de port Jews, em face das dinâmicas operadas por comunidades judaicas estabelecidas não apenas em importantes localidades portuárias, mas também na mediação operada por via fluvial. A este nível, Cesarani (2002) observa como a sua permanência em entrepostos comerciais – verdadeiras interfaces entre terra e mar, entre o local e o global – reflete a qualidade das relações diaspóricas mantidas e um forte sentido pragmático, com valorização de experiências passadas noutros contextos ultramarinos – particularmente no contexto de explorações agrárias, manufatureiras e de mercancia. Em termos contrastivos, os judeus de matriz ibérica exibiam, na diáspora, padrões de comportamento e pensamento distintos dos demais – pelo menos na época moderna.

10Fonte direta e privilegiada de testemunhos na primeira pessoa (os também designados ego-documentos), as cartas em análise constituem evidência da circulação destes sujeitos desde o tempo da ocupação holandesa no Nordeste brasileiro (1630-1654), a cuja saída se seguiu a oportunidade de passarem para a vizinha Guiana e dali para Curaçau. Sublinhe-se que o incentivo da Companhia das Índias Ocidental à sua instalação nas possessões ultramarinas holandesas ambicionava a promoção de plantações e o incremento do comércio transatlântico. A autoria das cartas, nomeadamente para o século XVII, reporta-se de forma significativa a figuras proeminentes de entre os colonos judeus assistentes no Suriname, cuja menção surge com frequência em documentação da época (1668, 1669, 1671…) para aquelas partes, nomeadamente na qualidade de líderes da comunidade, proprietários de plantações de açúcar e homens de negócios.

11A correspondência aqui estudada vem corroborar a fixação de um importante conjunto de famílias de judeus de matriz ibérica naquele espaço ultramarino. De resto, sendo o século XVII um período de intensa perseguição por via dos efeitos das inquisições portuguesa e espanhola, a mobilidade de judeus e criptojudeus rumo a territórios além-mar constituía, obviamente, uma alternativa aliciante e sedutora, sobretudo quando fora da alçada daqueles reinos católicos. Ter por destino o Novo Mundo não se restringia à necessidade de salvaguardar as suas opções religiosas, com impactos visíveis nas suas rotinas diárias, por fim livres da vigilância de potenciais delatores. Graças aos direitos e privilégios concedidos pelas autoridades inglesas e holandesas, era possível formar comunidades num ambiente de liberdade religiosa. Mas, acima de tudo, era um forte atrativo pelas possibilidades de incremento da sua situação económica e mesmo de concretização de um desejo de “aventura” (Ben-Ur 2006, 307). Ainda assim, a par de um desígnio formulado no seio familiar, concorria, não raro, o desconforto de quem almejava um diferente projeto de vida.

12A estes judeus se ficaria a dever o desenvolvimento das próprias colónias, muito graças à sua larga experiência agrícola, manufatureira e mercantil, ao seu espírito empreendedor e resiliência. A título de exemplo, Curaçau albergava em setecentos a mais rica e a segunda maior comunidade judaica existente nas Américas (Ben-Ur 2006, 304). No entanto, o período conturbado dessas colónias caribenhas, pautado por diversos litígios de formato internacional, a que se somava o temor de ataques ameríndios, colocara os colonos judeus na necessidade de constantes reajustes e negociações no exercício da sua atividade, com vista à manutenção de garantias e privilégios por parte de uma e outra soberania. A demanda da construção de escolas e de uma sinagoga mobilizou em 1671 um número considerável de sujeitos, entre os quais reconhecemos vários participantes neste conjunto de cartas. Ainda na mesma década, alguns solicitam autorização para abandonar o Suriname na companhia dos seus escravos, rumo à Jamaica, em busca de melhores condições de vida. Dos 10 nomes constantes, reconhecemos também alguns, como Aarão da Silva. A sua saída alimentaria, porém, a argumentação da coroa inglesa, de forma a descredibilizar a confiança depositada nos judeus e procurando enfraquecer os incentivos holandeses à fixação daqueles colonos.

13Graças a esta extraordinária troca epistolar, são bastante evidentes as condições desafiantes na instalação e quotidiano destes colonos, assim como o rigor do trabalho, quer nas plantações quer no engenho, o que por vezes implicava viver longe da casa principal por longos períodos. Além disso, em várias das cartas produzidas em 1672 em Serinão (Suriname), transparece o ambiente pouco propício a um amplo desenvolvimento económico local, devido ao receio da chegada de ingleses e franceses – recém-aliados no contexto da 3ª guerra anglo-holandesa (Jones 2013, 179) – e consequente mobilização defensiva das populações. Os negócios, não obstante estas vicissitudes – a que acrescia o receio do ataque das populações autóctones –, prosseguiam e, em termos demográficos, a presença desta comunidade pareceu florescer num curto espaço de tempo. Cerca de uma década volvida (1684), a comunidade judaica constituía 28,6% da população europeia assistente no Suriname – um número a equacionar com relação ao êxodo de colonos ingleses. Compreendia 232 indivíduos de ambos os sexos, onde 64,4% eram homens adultos – o dobro face a mulheres. Quanto à mão de obra de que os judeus eram detentores, regista-se a posse de 1 298 escravos (Ben-Ur 2006, 292), uma proporção que iria marcar a abertura à mestiçagem. Porém, nas produções a que se teve acesso até à data, não foram observadas referências explícitas a uniões mistas, não se alude a idiomas crioulos nem se descreve o trabalho escravo – muito embora seja evidente que a sua presença era fundamental para o pleno funcionamento de plantações e engenhos.

2. A devassa das relações de negócios e de parentesco

  • 15 Integra a coleção da John Carter Brown Library (USA), Cabinet Blathwayt 39, file n. 8189-39.

14Apostadas em assegurar o controlo e vigilância da informação e das redes de comunicação e comércio estabelecidas nas nascentes colónias holandesas, as autoridades inglesas procederam prontamente ao apresamento e à devassa dos correios, tendo assim um acesso privilegiado aos valores, cargas e transações planeados, declarados e confidenciados entre familiares, amigos e parceiros de negócios. Os escritos convertiam-se, assim, em testemunhos documentais da prática dos crimes de contrabando e tráfico de mercadorias em alto-mar, assim como tráfico de informação, em qualquer dos casos em prejuízo da coroa inglesa. Em concreto, as cartas remetidas a partir do Suriname com data de produção de 1671-1672 refletem a situação de diversas vagas de colonos judeus de origem portuguesa e espanhola – ou antes, luso e hispanofalantes –, entre os quais se observa a presença de famílias de destacada relevância na comunidade. Relativamente aos falantes de português, constam os seguintes patronímicos: Nassi, Baruch, Fonseca, Brito, Costa, Arias, Avelar, Mesa, Cid, Silva. Apuramos os seguintes patronímicos entre os falantes de espanhol: Fonseca, Pereira, de la Parra, Montesinos, de Prado. Também os Castaños e os Zamora são representados nas cartas que analisámos, redigindo fluentemente cartas ora em português, ora em espanhol. Existe uma evidência material que julgamos relevante aqui adicionar: um mapa holandês da região – Caerte ofte vertooninge vande Rivieren van Suriname (1667)15 – atesta a existência de seis plantações judaicas na zona que viria a ser conhecida como Jodensavanne (Savana Judaica), confirmando a presença de famílias como Cáceres, Pereira, Silva e Mesa, possivelmente procedentes das Guianas.

  • 16 Doravante, as cartas serão referidas pelo seu código na base de dados de acesso público (http://p (...)

15A redação das cartas tinha lugar, por regra, pouco antes da partida dos navios, sendo igualmente habitual um mesmo remetente aproveitar a ocasião para enviar notícias e informações para mais do que um destinatário. Abundam neste conjunto as cartas familiares e particulares, onde se trata eminentemente de negócios, se encaminham informações e notícias, não sendo os seus autores alheios ao que se passava nos espaços de onde haviam saído – como sejam o Nordeste brasileiro (carta PSCR1481)16 e o reino de Portugal (carta PSCR1486). Bem mais escassas são as referências a práticas religiosas e atividades domésticas (cartas PSCR1471 e PSCR1480). Constata-se como o discurso epistolar prioriza a transmissão de notícias, a circulação de informações e apelos prioritários num período inicial de instalação na colónia do Suriname, particularmente o enquadramento no espaço físico, as demandas necessárias, os receios quotidianos, a apreensão face à segurança dos correios marítimos, num registo não raro intimista. São feitas alusões claras e inequívocas ao constante receio de a zona costeira ser atacada por piratas, além de se temer a vinda dos ingleses e dos franceses, seus recentes aliados. Soma-se a referência igualmente frequente à guerra e ao desejo de paz, que permitiria não apenas o florescimento das comunidades de colonos e das respetivas atividades económicas, mas igualmente uma travessia tranquila das mercadorias que cruzavam o Atlântico. Em termos gerais, as cartas particulares retratam o processo de instalação de colonos no Caribe do ponto de vista individual, do que significaria para a comunidade judaica local e no quadro das relações de formato transnacional.

16As trocas epistolares remetidas em 1672 refletem o ambiente vivido no período da 3ª guerra marítima anglo-holandesa e, inclusive, a aliança estabelecida com os franceses. Constitui um caso exemplar a carta (PSCR1406), remetida por Baruch de Abraão da Costa em agosto de 1672 para o irmão José da Costa, residente em Amesterdão, onde alude à constante inquietação resultante das guerras travadas, ao sempre presente desejo de paz e ao sobressalto causado pelos autóctones, perante o risco real de aliança dos ameríndios com os ingleses: “Cõ cuidado ficamos de que a guerra que ja se Principiou nos Alcanse, E que nos inquiete”; “El Dio Pode nos livre de todo mal, e nos mande de breve novas de paz e algü socorro Para a terra que tão mal se passa”; “fica na Costa huã fragata ingreza que Vë de barbadas E mais Ilhas a piratear, cõ hü mao Perro que daqui foi por Cabesa grande Indio, Resease os amotine contra nos”. Não deixa, inclusivamente, de precisar o impacto da guerra no plano económico, mais especificamente na preparação de infraestruturas e no envio e comercialização de matéria-prima: “não enbarcou mais [açúcar] por Reseos de guerra”; “não continuo cõ a obra do engenho athe Ver como as couzas se poem, e os cobres Baixë do grande preso que tomarão”.

17Ainda que não seja aqui enfaticamente testemunhada, transparece a experiência da exploração açucareira no Brasil holandês, transposta para as novas colónias do Caribe, bem como o caráter “multinacional” e “multidimensional” (Schwartz 2014) da sua produção e comércio de outrora, de que é evidência o escoamento do produto para vários portos europeus, muito particularmente Amesterdão. À semelhança do caso brasileiro, onde a presença de cristãos-novos foi determinante para o desenvolvimento da economia açucareira (Schwartz 1985, 266), também no Suriname a produção sacarina foi crucial inclusivamente para o desenvolvimento agrário e demográfico das colónias, pela instalação de fazendas e engenhos de açúcar, pelo florescimento de povoações e implicando a vinda de um fluxo considerável de escravos africanos. Por outro lado, a cronologia deste conjunto epistolar corresponde a uma fase áurea relativamente aos lucros garantidos pelos negócios do açúcar, muito embora contraste com as difíceis condições de subsistência, pois quase tudo tinha de ser importado e os parcos bens existentes eram extremamente caros, conforme surge relatado na primeira pessoa. Ainda assim, a produção e comércio de açúcar animavam outras dinâmicas, intensificando transações de bens diversos trazidos do Báltico, nomeadamente cobre, breu, chumbo e cordoaria, o consumo de tanoaria e outros sistemas de acondicionamento dos produtos expedidos – cuja diversidade é tão expressiva nas listagens apensas à maioria das cartas aqui em estudo – e, consequentemente, conduzindo a um aumento do tráfego marítimo (Strum 2014).

18A manutenção dos negócios, o volume das transações, o envio de embarcações por sua conta, a confidência de notícias, a circulação de determinadas embarcações estrangeiras nas proximidades e a exploração local agrícola e manufatureira são transmitidas no registo epistolar com contornos informais, frontal e espontaneamente, muito embora em grau variável. Existem, no entanto, avisos e orientações recorrentes transmitidas aos destinatários, numa tentativa de antecipação de cenários menos favoráveis ao trânsito de mercadorias e correspondência, sendo claras as alusões às guerras e ao receio de perda de bens que viajassem nas embarcações. Relativamente à seleção que aqui analisamos, é possível sintetizar do seguinte modo: a produção epistolar remetida a partir do Suriname (1672) reflete o uso estratégico dos contactos em Amesterdão (para onde as cartas são dirigidas na esmagadora maioria) para depois fazer chegar algumas delas a outros destinos, aproveitando rotas a partir daquele importante porto holandês. Já as cartas enviadas a partir de Curaçau (1758) são evidência de como a Holanda, apesar de ter assumido uma posição neutral no âmbito da Guerra dos Sete Anos (1756-1763), viu embarcações suas serem alvo de apresamento; além das cartas particulares, constam ainda documentos dirigidos aos diretores da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais.

19Atendamos aos interlocutores envolvidos no processo comunicativo alvo de apresamento, e constituído, a posteriori, em evidência da manutenção de redes de comércio com prejuízo para a coroa inglesa. Além do caráter distintivo da escrita pessoal, cumpre fazer menção ao extraordinário estado de conservação das marcas de sinetes que é possível observar no lacre dos sobrescritos, onde podemos entrever ora monogramas, ora combinações pictóricas elaboradas, ora com ambos os géneros em simultâneo. No caso da família Da Silva, é de salientar a partilha do mesmo sinete em cartas de diferente autoria no seio do mesmo agregado familiar – do pai Aarão da Silva, da mulher Raquel da Silva e da filha Sara da Silva. Ainda em termos de símbolos especificamente usados como marcas identitárias, soma-se a inclusão, nas margens de algumas cartas particulares, dos monogramas que identificariam a propriedade das mercadorias. Dado que, na sua maioria, as cartas estão acompanhadas dos respetivos sobrescritos, permite-se uma identificação precisa do circuito destes correios intercetados.

20Pela análise destes correios, não restam dúvidas de como constituem prova da qualidade das relações mantidas no seio de famílias de judeus e de círculos mais estreitos de amizade, confidência e negócios, com a existência de redes estrategicamente distribuídas: de um lado, os colonos que viviam nas possessões ultramarinas holandesas do Caribe; do outro lado do Atlântico, familiares e parceiros de negócio, situados nos principais portos e centros de atividade financeira e mercantil da Europa (Bordéus, Amesterdão, Londres…) – que Braudel (1983-1984) designa de “centros de economia-mundo”. Atestam claramente o recurso a relações de parentesco e à preocupação pela escolha de pessoas de confiança (entre judeus) como estratégias de construção e manutenção de redes internacionais de comércio.

21São disso exemplo as cartas remetidas por Isaac de Mesa a partir do Suriname em 1672, intercetadas a bordo da embarcação holandesa Het witte Zeepaard, proveniente de Paramaribo, com destino a um importante porto da Companhia das Índias Ocidentais – Flushing, na América do Norte. À data, Isaac tinha fixado residência em South River (Nova Iorque), a partir de onde mantinha relações comerciais com o Suriname e Barbados. Em vários momentos deixa entrever as estratégias empregues na mediação dos negócios à distância. Nomeadamente, quando remete por meio de David Luís Bondia duas cartas ao cuidado de Francisco da Costa – homem de negócios assistente em Amesterdão –, acompanhadas de uma “Memória do que o senhor Francisco da Costa me há de fazer mercê mandar com a primeira embarcação que para esta Colónia venha, dando-nos Deus paz”, assim como de dois papéis contendo a discriminação das carregações de açúcar – por sua conta e por conta de Luís Dias Guterres – levadas a bordo das embarcações holandesas Het witte Zeepaard e Fort Zeeland. De ressalvar a menção a Luís Dias Guterres, aliás José Jessurun Coelho, numa das cartas redigidas por Isaac de Mesa:

[…] visto ser Luís Dias burguês de Londres e ter carta de el rei de Inglaterra, em que o faz e dá as mesmas liberdades que aos seus, que será fácil a lembrança de sua fazenda sendo carregada antes que as guerras fossem publicadas. (PSCR1485)

22Efetivamente, a presença em Londres de Luís Dias encontra-se atestada pelo menos desde 1666 até 1704-1705 (data da sua morte), supondo-se ter vindo do Recife e, à data desta carta (1672), ter negócios na ilha de Barbados. Além da sua relação “privilegiada” com o rei Carlos II de Inglaterra, Luís Dias manteve vários investimentos na Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, sendo estes escritos testemunho do trato comercial a partir do Caribe (Koot 2011, 137-38).

  • 17 Além da amostra documental considerada para efeitos de tratamento linguístico no projeto Post Scr (...)
  • 18 Pai de Ribca Mendes, nascida em Bordéus.

23Em diversos momentos se denota o drama da separação do agregado familiar, a sua mobilidade (assinalando-se a recente chegada de parentes e outros conhecidos, facto que, por seu turno, é demonstrativo da crescente demanda de efetivos face ao florescimento das plantações, fazendas e engenhos), as dificuldades de adaptação a novos espaços, as expectativas e dissabores vivenciados pelas gerações mais novas, não raro preferindo diferente tipo de ocupações, e até mesmo situações em que os sujeitos se apresentam contrariados uma vez a residir naquelas colónias. A extensa carta de Aarão da Silva17 para o primo François de Martin/Martijn,18 enviada para Amesterdão a 1 de setembro de 1672, constitui um exemplo paradigmático a vários níveis. Em primeiro lugar, ao exprimir o seu desalento por rendimentos diminutos no escoamento do açúcar do seu engenho, a sua preocupação em face dos prejuízos evidentes no descaminho de embarcações e o constante receio pelos efeitos da guerra, que eram, na verdade, a justificação para todo este quadro de acontecimentos:

[…] sinto o baixo preço por o que Vossa Mercê vendeu os [ousoves de açúcar] que foram no navio de Adrian Tant, conforme me disse meu sobrinho, e de há 12 semanas que é chegado a esta, não é vinda nenhuma embarcação, e não deixamos de estar com muito cuidado e nossas fazendas arriscadas; se bem estamos assaz fortificados de soldados e mantimentos e sobretudo temos confiança em Deus, que nos há de escapar, e que no primeiro navio nos traga novas de pazes, que é o que mais nos convém. (PSCR1387)

24Prossegue enfatizando os riscos e percalços envolvidos no envio de bens, a sua (in)capacidade de adaptação à colónia e os efeitos diretos na produção açucareira e consequentes perdas no seu rendimento:

Já tenho avisado o sucesso que tiveram os 8 cavalos que me vieram; 3 morreram no mar e 2 assi como chegaram a terra, de que se há-de pagar o frete deles, que é assaz perda; e o mesmo de outros que eu tinha em casa também me morreram, o que sinto mais pela falta que tenho de quem me moa a Cana, e perdi este ano uma pouca donde havia de fazer algum açúcar, o que sinto agora mais que nunca, por não poder remeter a essa partida nos navios que estão postos a carga, ainda que fossem sem seguro, como faço neste, que Deus leve em paz, por nome Berek corf de 6 ousoves de açúcar. (ibid.)

25Um momento nuclear nesta mesma carta surge quando sente necessidade de proceder a uma longa explanação – reiterada, quase ipsis verbis, noutras cartas que enviou –, motivada pela grande dificuldade em conduzir a educação e integração do seu jovem sobrinho nas atividades quotidianas. O excerto abaixo não só denota a exasperação do tutor, como traduz um episódio de rebeldia juvenil, suscitada pela mobilidade forçada, obstando à concretização de aspirações e vivências radicalmente opostas. A descrição é rica e demonstrativa de até que ponto o jovem em causa se negava a corresponder às responsabilidades que lhe competiam, não nutria qualquer inclinação pelo estudo, ainda que rudimentar, culminando com uma crítica relativamente velada a uma educação parental onde, no entender de Aarão, faltara disciplina:

Nesta ocasião escrevo a nossa prima Rica da Silva e lhe digo para que em nenhum tempo tenha razão de queixar-se de mim, de que lhe não manifestei o pouco que meu sobrinho Jacob havia avançado em 20 meses de tempo que há que aqui chegou. Sabe o dia de hoje menos por eu não ter negócio em que ocupá-lo, que é o mais que esperta aos moços. Alguns tempos o entretive em escrever e contar, e, como lhe não é mais afeiçoado, se enfadou e deitou de parte. E como aqui não podia ensinar mais do que digo, ou bem, quando se faz açúcar, ter conta no engenho e olhar pelos cavalos, que é o mais que aqui havemos mister, e enfadando-se também disso, me respondeu que sua mãe o não havia mandado para aprender a andar com os cavalos. Não menos ele havia de ganhar sua vida nisso, nem no escrever, e isto com muito desaforo; ao que lhe respondi como devia, com reprendê-lo e quebrar-lhe mil vezes os olhos, o que nele obrou tão pouco como o deixar de mentir, pois jamais na sua boca se achou verdade. E como vejo que não aproveita nada para que tenha emenda, e o pouco que nesta há de avançar, me resolvi de avisar a sua mãe de seu estado; e que, se lhe parecia, mandasse o faria em resposta desta. Parece-me tem vontade de aprender a joelheiro; se a dita nossa prima o quiser, assim lhe aviso. Vossa Mercê me fará mercê de polo em parte donde o faça, e o que custar o pagará por minha conta. Perdoe Deus a seu pai, pois lhe deu tão ruim ensino, pois tem tão pouco respeito a todos e quase mo perdeu a mim, e tudo causado de ter pouco entendimento e praz a Deus não faça pior a sua mãe, que, conforme seu pouco talento, imagino o fará. (ibid.)

26Noutro contexto completamente distinto, em carta remetida de Curaçau em 1758 (PSCR0696), um jovem casadoiro, de nome David, enfrenta o próprio pai a propósito de questões de matrimónio. A sua recusa em alinhar no casamento que estava a ser negociado ilustra a manutenção de padrões estritos no estabelecimento de casamentos arranjados, uma prática recorrente no seio da comunidade de judeus portugueses de Amesterdão e não livre de resistência (Kaplan 2018). Ora, mesmo separados pelo Atlântico, os parentes do autor engendravam, a partir de Amesterdão, uma união com a família de certo judeu radicado naquela colónia, cujas intenções eram bastante pragmáticas: conseguir, com o matrimónio da filha, a oportunidade de estabelecer negócios em posições-chave na Europa. Revoltado por a sua vontade não ser considerada, e sentindo-se enganado face à sua permanência naquela colónia, David assim se dirige ao pai, Salomão de Lima:

  • 19 Tratar-se-ia de Baltazar Isaac Oróbio de Castro (1617-1687), reputado médico e filósofo oriundo d (...)

Como depois de Pesach [páscoa judaica] me vou à Jamaica, como já lhes avisei não haver em este nada que fazer, suplico a VMS não me escrevam até ter uma carta de mim, para saber donde há de endereçar a carta, para que me venha à mão, e espero que Deus me dará fortuna para poder ajudar a VMS. […] Haverá alguns dias me encontrou um fulano Lousada e me disse ser meu parente e lhe respondi que o tinha por muita dita; mas o dito não me fez nenhuma cortesia nem serviço […] e me disse que tinha escrito a VM debaixo de coberta assim Oróbio de Castro19, para que VM lhe mandasse alguma cousa para negociar […]. E outra lhe escreveu para suplicar a VM que desse licença para que casasse com sua filha. Lhe respondi que me admirava muito que escreveu semelhante carta a VM, porque eu não sou de intenção de ficar em esta […] e se eu ficara em esta e eu queria algo, mo poderia meu Pai mo mandar a mim só […]. Agora suplico a VM que lhe escreva uma boa resposta, para que este fedorento não cuide que é inocente, nem lhe mande nade, porque tudo o que lhe mandar não verá nunca nada, porque é um infame e deve a todo mundo a seu governo. (PSCR0696)

27A demonstração do rigor dos tempos é ainda visível no feminino, pois temos a oportunidade de encontrar algumas cartas redigidas por mulheres judias, sendo notório o seu papel na gestão dos negócios, chegando a assumir uma posição de liderança, de que é exemplo, no Suriname (1672), Raquel Castaños (PSCR1399), que ali vivia com uma filha, ao passo que os netos estavam na Europa. Ela própria encarregava-se de enviar para Amesterdão várias remessas de açúcar, encontrando-se a carga assinalada com as suas iniciais (RC). Atenda-se ainda à situação de Raquel da Silva (PSCR1473 a PSCR1475), outra mulher que também se separara da família, deixando o seu pai e a sua filha entregues aos cuidados da irmã, Rifeca, também em Amesterdão. As cartas atestam o seu empenho no envio de açúcar mascavado, requerendo, em troca, o envio de alguns géneros essenciais – uma prática, de resto, recorrente entre todos. Abigail de Brito (PSCR1480), por seu turno, possuía uma roça e vários escravos. Também ela conduz o envio de vários ousoves de açúcar, ao cuidado de Francisco de Medina, assistente em Middelburgh (Holanda). A carta de uma sua parente, Leonor de Brito (PSCR1481), é igualmente reveladora de um papel ativo na gestão dos negócios. Ao escrever para o mercador José Pessoa, em Lisboa, insta-o a declarar o que tem remetido para a Holanda por sua conta, além de lhe pedir notícias da Bahia. Um outro testemunho relevante chega-nos em 1758 de Curaçau. Simha Pardo/Brown, filha do mercador Saúl Pardo/ Brown, estabelecido em Nova Iorque em 1685, transitara, após a morte da mãe (1708), para Curaçau, onde viria a casar cerca de 1711 com Samuel Idanha de Cáceres. Já na condição de viúva, é visível na sua correspondência a preocupação, nomeadamente, pelas remessas enviadas e respetiva fatura (PSCR0694).

3. Dos recursos linguísticos ao serviço do historiador

28Embora mais focada nas cartas de negócios, nomeadamente entre mercadores holandeses, Suze Zijlstra (2012), além de entrever o uso de correspondência como estratégia de reforço ou de debilitação de relações de confiança nas redes de mercancia – comparável com a usada por mercadores genoveses –, observa determinados padrões no discurso epistolar, estabelecendo um comparativo entre cartas de negócios e cartas de tipo familiar. Na verdade, sendo expectável um maior nível de formalidade nas primeiras, contrastante com as arengas e perorações patentes, respetivamente, no início e no final das cartas trocadas entre familiares, o núcleo destas últimas parece recair frequentemente num elevado grau de detalhe, associado ao dever de declarar o sucesso dos seus empreendimentos. E aqui encontramos, de facto, um denominador comum face ao discurso epistolar nas cartas particulares de judeus portugueses, até porque a preocupação pelo envio e comercialização dos bens despachados é também uma constante.

29As cartas remetidas a partir do Suriname (um total de 41), repartidas fundamentalmente em três tipos – familiares (53,7%), de amizade (7,3%), particulares (39%) – ilustram, de forma global, uma partilha de interesses por parte dos interlocutores em presença: a preocupação dos autores (e autoras), na qualidade de produtores, negociantes e investidores, em escoar o fruto das suas plantações e engenhos para os mercados europeus; os destinatários, como intermediários da gestão dos negócios no velho continente, empenhados na redistribuição da matéria-prima e na participação ativa nos mercados financeiros. Talvez por isso mesmo sejam particularmente raras as cartas dotadas de maior carga emotiva. As que têm por foco a transmissão de queixas e agradecimentos limitam-se a 4,9%, e apenas em 2,4% dos casos predomina o conselho. A avaliar pela espontaneidade do discurso – frequentemente redigido pouco antes da partida das embarcações –, isso não seria tanto devido a alguma contenção pelo receio de devassa, mas simplesmente pela gestão do que seria considerado prioritário transmitir.

  • 20 Compreende-se aqui a informação e as notícias como dois tipos distintos de atos de fala assertivo (...)

30Ainda no plano da intencionalidade do discurso, observámos a frequência de cartas de carácter eminentemente informativo, repartindo-se entre a prestação de informações pormenorizadas e esclarecimentos vários (29,3% do total), imediatamente seguidas das que se cingem ao envio de notícias que tocavam a familiares e amigos (26,8%),20 bem como aos acontecimentos vivenciados a nível local, como a carestia e escassez de bens, ou o impacto da guerra. O esclarecimento feito das condições de expedição de mercadorias, quer à sua conta, quer por conta de outrem traduz-se numa preocupação objetivada quer pela discriminação das cargas, através da listagem de quantidades, peso e tipo de produto, quer pelo envio, em anexo ao corpo da carta, dos formulários respeitantes ao seguro das mercadorias e expedição a bordo da embarcação (geralmente em holandês), bem como pela identificação, numa das margens da carta, das marcas inscritas nas caixas/volumes – geralmente o monograma do proprietário. Este último aspeto correspondia ao cumprimento de uma série de formalidades indispensáveis à expedição do açúcar para a Europa, pois era essencial a sua inscrição e verificação nas caixas remetidas (Mauro 1997, 305), o que pressupunha ainda um licenciamento prévio para o seu desenho e utilização, a que se somava a declaração da pesagem, com direta implicação no pagamento dos fretes, calculado em função da dimensão da remessa. Semelhantes formalidades eram tanto mais cruciais quando a expedição era feita por terceiros.

  • 21 Um dos mais representativos judeus instalados no Suriname, ao que consta, ali nascido e falecido (...)
  • 22 Outras formas do seu nome: Schelomão/Schelemo de Oliveira. Rabino, líder do Beit Din da comunidad (...)

31As mais predominantes, contudo, são as cartas que se referem a pedidos (31,7%) de diversa ordem, sendo assaz ilustrativa a correspondência de Joshua Nassi (3 cartas) e de Baruch de Abraão da Costa (4 cartas).21 De entre as cartas que Baruch enviou, uma (PSCR1407) seguiu para os irmãos Jacob de Oliveira e Selomoh de Oliveira,22 cuja questão central é o legado patrimonial de certa defunta, reclamado pela sua irmã, Ester de Cáceres Bravo, em nome da qual intercede o autor. Noutra missiva (PSCR1404), dirigida a um Manuel Graciano, estabelecido em Amesterdão, torna a agir em defesa dos interesses desta viúva, requerendo a confirmação do recebimento de uma remessa de açúcar.

32A nível lexical, é possível observar a recorrente presença de empréstimos – tanto nas cartas redigidas em português, como em espanhol –, sobretudo do neerlandês, como é o caso de palavras do campo léxico-semântico relativo ao comércio, pelas ocorrências “ousove” e “azoes”, que remetem para o holandês “okshoofd”, uma medida antiga de volume. Semelhantes ocorrências reforçam, por um lado, o enquadramento social, político e económico, tanto pelos discursos decorrerem em territórios de intervenção holandesa, pelo trânsito de colonos de Amesterdão para estas regiões caribenhas, bem como pela participação ativa destes colonos num programa de desenvolvimento agropecuário, particularmente focado na produção açucareira. Algumas evidências notadas relativamente à língua holandesa poderão, estamos em crer, derivar do tempo de permanência e consequente capacidade de integração em territórios de soberania holandesa, nomeadamente em Amesterdão, onde aliás ficaram muitos familiares e pela constante interação com parceiros de negócios e intermediários holandeses. No plano comunicativo, o conhecimento de outras línguas por via do contacto e da socialização – numa proficiência seguramente variável, que poderia ir do conhecimento residual até uma fluência global – seria evidência da qualidade e profundidade das relações comerciais estabelecidas. É sabido o facto de os judeus portugueses e espanhóis da diáspora terem exercido um papel crucial e verdadeiramente estratégico ao operarem em zonas de fronteira e, simultaneamente, constituírem as pontes possíveis entre as franjas dos impérios ultramarinos europeus (Israel 2009, 47).

  • 23 Também em Hamburgo Frade (2006) notou manter o português um papel de relevo pelo seu uso corrente (...)
  • 24 A base deste antropónimo encontra a sua correlação no português José.

33Além do recurso a termos de caráter comercial, surgem outras evidências – de forma mais esparsa – do ponto de vista morfológico que nos levam a ponderar estarmos perante sujeitos multilingues. A constatação de bilinguismo dos judeus nos idiomas português e espanhol não constitui uma novidade. Mas as cartas endereçadas por Raquel da Silva (PSCR1473 a PSCR1475) atestam não apenas a fluência em flamengo, como o empenho de os judeus estabelecidos em Amesterdão cultivarem nas gerações mais novas, uma capacidade plurilingue, ocupando o português um lugar de destaque.23 Por carta remetida do Suriname em 1672 para a irmã, Refica del Sotto, Raquel da Silva refere: “eu me muito recomendo en senhor pai e mai e peche portos, meu cunado e sara fazen o mesmo” (PSCR1473). Numa outra missiva do mesmo ano, onde Isaac Baruch envia notícias para o pai, David Baruch, a certa altura fá-lo nos seguintes termos: “A meo daveche que suas Irmas lhes mandão muitas saudades” (PSCR1476). O mesmo autor, ao escrever para o irmão, David d’Aguilar, reitera a mesma alusão: “a deos seigão dadas as grasas de saude que a mesma oisamos de VM em companhia de meo daveche em quein nos Recomendamos muito” (PSCR1478). O fenómeno a que aqui assistimos, pela adoção do sufixo –che, consiste na apropriação da forma holandesa –tje, ainda hoje usada com valor diminutivo. Semelhante conversão para a grafia portuguesa traduz, na verdade, um idêntico som palatal (//), constituindo “daveche” uma aproximação a David-tje, assim como Peche resulta de Petje.24

  • 25 A propósito desta família e com alusão direta a Isaac del Sotto, Hagoort (1997) aprofunda os mean (...)

34Um outro elemento digno de nota surge na missiva remetida por Raquel da Silva ao pai, Isaac del Sotto,25 igualmente a partir do Suriname em 1672. Reportando-se ao crescimento de uma criança (Moisés), denota os progressos e expectativas face à sua desenvoltura e capacidades de expressão oral: “novas de moze que esta feito un grande vellaco e fala portiges como un ome e nada de framengo” (PSCR1475). Mesmo perante a exiguidade de elementos, torna-se óbvio que a grande fluência em português se ficava a dever à qualidade e intensidade de inputs num processo de desenvolvimento linguístico ainda em curso, sendo que o dito Moisés não teria mais de seis anos. Já a declaração da ausência de avanços em flamengo – dialeto do holandês, aqui explicitamente referido como idioma de comunicação – evidencia o contexto de socialização da criança, não constando este idioma como sua língua materna. Ainda assim, a proficiência em flamengo seria condição desejada.

4. Conclusões

35Fonte de relevo para o estudo daquelas comunidades judaicas de matriz ibérica instaladas no Caribe e seus traços identitários, estas cartas, num registo mais informal, testemunham, de forma intimista e cativante, as perplexidades, os receios e a esperança de homens e mulheres numa diáspora nem sempre bem aceite. Dadas as confidências e as informações veiculadas no discurso epistolar analisado, o investigador tem acesso a um leque relativamente variado de elementos. Em termos sociais, encontra-se informação sobre a mobilidade de famílias e indivíduos (por via de testemunhos diretos plasmados nas cartas, ou indiretos, aos quais chegamos pela reconstrução do perfil dos sujeitos), sobre o quadro de relações mantidas à distância, sobre as caraterísticas da vida em comunidade e difícil subsistência face à escassez de produtos, sobre os contornos de uma nem sempre bem-sucedida educação no seio familiar (especificamente em contexto de tutoria delegada), sobre o impacto do domínio inglês e neerlandês na vida colonial, tanto pela constante ameaça da eclosão da guerra, como pelo temor de ataques de corsários. Em termos económicos, saliente-se a qualidade e variedade de pormenores relativamente à dinâmica dos negócios, muitos dos quais assegurados por relações de parentesco ou no estreito círculo de amizades, além do caráter empreendedor de homens e mulheres perante a dureza das condições de estabelecimento, particularmente no Suriname, bem como o impacto de guerras e do corso no envio de remessas e produtos por via marítima, recaindo no Criador a esperança de um transporte pacífico e sem sobressaltos, apesar da suspeição de as comunicações estarem sob vigia.

36Por outro lado, no domínio da história da língua, estas cartas, contrariamente ao que se poderia esperar, não evidenciam nem o recurso ao ladino, nem a estruturas híbridas de português e espanhol, nem, tão-pouco, a formação de crioulos – cuja expansão decorreria, no Suriname, no século XVIII (Davis 2009). O grau de correção ortográfica e de morfossintaxe, amplitude e domínio lexical, controlo de mecanismos de coesão e coerência discursivas é em tudo condizente com a fluência de um falante nativo de português no período moderno – facto igualmente notado nas largas dezenas de cartas, mensagens pessoais e demais escritos produzidos por judeus e conversos, constantes nos processos da inquisição portuguesa a que o projeto Post Scriptum teve acesso –, além da observância dos pressupostos da tradição epistolar. Reconhecemos, porém, não existirem aqui evidências claras ou significativas de como a comunicação quotidiana se processava quer no Suriname, quer em Curaçau.

37Até que ponto as cartas em análise proporcionam evidências com vista à definição de uma identidade linguística das comunidades judaicas de matriz ibérica instaladas no Caribe? Esta questão tem tanto de provocatório, como de plausível. Não fosse a menção explícita dos nomes dos interlocutores nestas cartas, onde nomes próprios e patronímicos são notoriamente judeus, dificilmente se depreenderia, à primeira vista, a sua identidade pelo teor das cartas. Os seus temores por ataques de inimigos seriam equivalentes aos de um qualquer colono no sertão brasileiro em período análogo; a desconfiança pela demora do correio seria confidenciada em termos idênticos no calor das perseguições a liberais no Portugal de oitocentos; a clareza do discurso e a arquitetura epistolar estava de acordo com os ditames no quadro da cultura escrita em português. A sua matriz ibérica continuava evidente, o seu legado linguístico ainda fortemente conectado com o português corrente na época.

Topo da página

Bibliografia

Ben-Ur, Aviva (2006). “Distingués des autres Juifs: les Séfarades des Caraïbes”, in S. Trigano (ed), Le Monde sépharade: histoire et civilization. Vol I. Paris: Seuil, p. 279-328.

Ben-Ur, Aviva (2009). Sephardic Jews in America: A Diasporic History. New York: New York University Press.

Braudel, Fernand (1983-1984). O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na Época de Filipe II. 2 vols. Lisboa: D. Quixote.

Cesarani, David (2002). “Port Jews: concepts, cases and questions”, in D. Cesarani (ed), Port Jews: Jewish Communities in Cosmopolitan Maritime Trading Centres, 1550-1950. New York: Frank Cass Publishers, pp. 1-11.

Cone, G. Herbert (1902). “The Jews in Curaçao: According to Documents from the Archives of the State of New York”. Publications of the American Jewish Historical Society, 10, pp. 141-157.

Davis, Natalie Zemon (2009). “Creole languages and their uses: the example of colonial Suriname”. Historical Research, 82 (216), pp. 268-284.

Faber, Eli (2005). “Preservation to innovation: Judaism in America, 1654-1880 “, in D. Kaplan (ed), The Cambridge Companion of American Judaism. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 23-42.

Frade, Florbela Veiga (2006). As Relações Económicas e Sociais das Comunidades Sefarditas Portuguesas. O Trato e a Família 1532-1632. Lisboa: Faculdade Letras da Universidade de Lisboa (Tese de Doutoramento).

Israel, Jonathan (1989). “Menasseh ben Israel and the Dutch Sephardic Colonization Movement of the Mid-Seventeenth Century (1645-1657)”, in Y. Kaplan et al (eds), Menasseh ben Israel and His World. Leiden: Brill, p. 148.

Israel, Jonathan (2009). “Jews and Crypto-Jews in the Atlantic World Systems, 1500-1800”, in R. Kagan, Ph. Morgan (eds), Atlantic Diasporas: Jews, Conversos, and Crypto-Jews in the Age of Mercantilism, 1500-1800. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, pp. 3-17.

Jones, J. R. (2013). The Anglo-Dutch Wars of the Seventeenth Century. New York and London: Routledge.

Kaplan, Yosef (2018). “The taming of Eros in the western sephardic diaspora”, in R. Fine et al (eds), Eros, Family and Community. Hildesheim: Olms, pp. 131-158.

Klooster, Wim (1998). Illicit Riches: Dutch Trade in the Caribbean. Leiden: KITLV Press.

Klooster, Wim (2009). “Networks of Colonial Entrepreneurs: the founders of the Jewish settlements in Dutch America, 1650s and 1660s”, in R. Kagan, Ph. Morgan (eds), Atlantic Diasporas: Jews, Conversos, and Crypto-Jews in the Age of Mercantilism, 1500-1800. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, pp. 33-49.

Koot, Christian (2011). Empire at the Periphery: British Colonists, Anglo-Dutch Trade, and the Development of the British Atlantic, 1621-1713. New York and London: New York University Press.

Mauro, Frédéric (1997). Portugal, o Brasil e o Atlântico (1570-1670). Vol.1. Lisboa: Editorial Estampa.

Nobels, Judith Maria Petrus (2013). (Extra)Ordinary letters. A view from below on seventeenth century Dutch. Utrecht: LOT.

Schorsch, Jonathan (2010). “Sephardic Business: Early Modern Atlantic Style”. The Jewish Quarterly Review, 100 (3), pp. 483-503.

Schwartz, Stuart (1985). Sugar Plantations in the Formation of Brazilian Society: Bahia, 1550-1835. Cambridge: Cambridge University Press.

Schwartz, Stuart (2014). “Prefácio”, in D. Strum, O comércio do açúcar – Brasil, Portugal e Países Baixos (1595-1630). Rio de Janeiro: Versal Editores.

Silva, Innocencio (1862). Diccionario Bibliographico Portuguez. Tomo 7º. Lisboa: Imprensa Nacional.

Strum, Daniel (2014). O comércio do açúcar – Brasil, Portugal e Países Baixos (1595-1630). Rio de Janeiro: Versal Editores.

Vink, Wieke (2010). Creole Jews: Negotiating Community in Colonial Suriname. Leiden: Kitlv Press.

Zijlstra, Suze (2012). “To Build and Sustain Trust: Long-Distance Correspondence of Dutch Seventeenth-Century Merchants”. Dutch Crossing, 36 (2), pp. 114-131.

Topo da página

Anexo

ANEXO 1. Corpus documental analisado (ordenado pelo nome do remetente)

Nome

Género

Estatuto

Ano

Local

de emissão

Cartas

Aarão Ailion

M

autor

1783

Curaçau

4

Aarón de Fonseca (Mesa)

M

autor

1672

Suriname

2

Aarão da Silva (Aron/Aaron de Silva)

M

autor

1672

Suriname

19

Abigail de Brito

F

autor

1672

Suriname

3

Abraão de Jacob Curiel

M

autor

1758

Curaçau

2

Abraão de [J] Sénior

M

autor

1758

Curaçau

1

Baruch (de Abraão) da Costa

M

autor

1672

Suriname

5

Bento da Costa

M

autor

1672

Suriname

1

David Salomão de Lima

M

autor

1758

Curaçau

1

Francisco Carvalho Nassi/Nasy

M

autor

1672

Suriname

2

Isaac Arias

M

autor

1672

Suriname

1

Isaac de Avelar

M

autor

1672

Suriname

4

Isaac Baruch/Baruh

M

autor

1672

Suriname

3

Isaac Cardoso

M

autor

1758

Curaçau

1

Isaac Costa

M

autor

1782

Curaçau

1

Isaac Gabai Cid

M

autor

1672

Suriname

1

Isaac de Meza/Mesa/Messa

M

autor

1672

Suriname

7

Isaac Mondrovez Mota

M

autor

1782

Curaçau

1

Jacob Álvares

M

autor

1758

Curaçau

2

Jacob de David Jessurun

M

autor

1758

Curaçau

5

Jacob de David Sénior

M

autor

1758

Curaçau

2

Jacob Moreno Henriques

M

autor

1758

Curaçau

1

Jacob Nassi/Nassy

M

coautor

1672

Suriname

3

Jacob Semach Aboab

M

autor

1758

Curaçau

1

José Levi Maduro

M

autor

1758

Curaçau

3

Joshua Nassi

M

autor/co-autor

1672

Suriname

4

Josião Idanha de Cáceres (Casseres)

M

coautor

1758

Curaçau

1

Leonor de Brito

F

autor

1672

Suriname

1

Moisés/Mosseh de Brito

M

autor

1672

Suriname

1

Moisés/Mosseh de Sousa Brito

M

autor

1758

Curaçau

2

Mordechai de Crasto

M

coautor

1758

Curaçau

2

Mordechai Mota (Motta)

M

autor

1782

Curaçau

2

Raquel Castaños

F

autor

1672

Suriname

7

Raquel da Silva

F

autor

1672

Suriname

13

Samuel de La Parra

M

autor

1672

Suriname

3

Samuel Nassi (Nassy)

M

autor

1672

Suriname

2

Samuel Velho, sobrinho de Samuel Velho

M

autor

1671-1672

Suriname

3

Sara da Silva

F

autor

1672

Suriname

2

Saul Idanha de Cáceres (Casseres)

M

coautor

1758

Curaçau

1

Simha Pardo/Brown, viúva

F

coautor

1758

Curaçau

1

Fonte: Elaboração própria a partir da documentação dos Prize Papers (TNA-HCA 32) recolhida, tratada e disponibilizada pelo projecto Post Scriptum (http://ps.clul.ul.pt/​pt/​index.php?action=home).

Topo da página

Notas

1 De assinalar os contributos de Wim Klooster, Aviva Ben-Ur, Yosef Kaplan, Natalie Zemon Davis, Suze Zijlstra, Wieke Vink, entre muitos outros.

2 Patente em http://www.archives.nysed.gov/research/research-guide-dutch, que compreende a série A1810, cujos volumes 12 e 14 contêm correspondência alusiva aos judeus de Curaçau, tratada por Cone (1902).

3 Ver “Geboorteregister van Portugese Joden (mannen). Met aantekening van hun overlijden”, nos Arquivos Nacionais dos Países Baixos, Den Haag, Curaçao, Oude Archieven tot 1828, nummer toegang 1.05.12.01, inventarisnummer 1484A/B.

4 Ver o inventário relativo ao Archief van de Nederlandse Portugees-Israëlitische Gemeente in Suriname (1678-1909), nos Arquivos Nacionais dos Países Baixos (http://www.gahetna.nl/collectie/archief/pdf/NL-HaNA_1.05.11.18.ead.pdf).

5 The National Archives (TNA), High Court of Admiralty (HCA), 30-32.

6 Ver https://www.prizepapers.de/.

7 A parceria envolveu, além dos arquivos de Kew, a Dutch Royal Library, os Dutch National Archives e a Universidade de Leiden. Ver Letters as loot. Towards a non-standard view on the history of Dutch: http://hum.leiden.edu/research/letters-as-loot/project/about-the-project.html. Ver também Nobels (2013).

8 De referir ainda o projeto Sailing networks: mapping colonial relations with Suriname’s seventeenth century sailing letters, liderado por Suze Zijlstra a partir do Centre for Digital Humanities (Universidade de Amesterdão).

9 Post Scriptum: Arquivo Digital de Escrita Quotidiana em Portugal e Espanha na Época Moderna (7FP/ERC Advanced Grant – GA 295562), dirigido por Rita Marquilhas, entre 2012-2017, no Centro de Linguística da Universidade de Lisboa.

10 Constitui uma pequena percentagem das cartas pessoais que incorporam o corpus deste projeto, é certo, mas foi determinante para a realização do estudo diacrónico da língua portuguesa, ao proporcionar a representação deste espaço territorial.

11 O Prize Papers Project contabilizou entretanto 19 línguas distintas no conjunto global desta documentação apresada.

12 Disponibiliza ao público os resultados na sua página oficial em http://ps.clul.ul.pt/pt/index.php.

13 De acordo com Israel (1989, 148).

14 O êxodo de 1654 conheceria outros destinos pelas Américas, como a instalação na ainda Nova Amesterdão e futura Nova Iorque (Ben-Ur 2009, 14), vindo a constituir-se a primeira comunidade judaica na América do Norte.

15 Integra a coleção da John Carter Brown Library (USA), Cabinet Blathwayt 39, file n. 8189-39.

16 Doravante, as cartas serão referidas pelo seu código na base de dados de acesso público (http://ps.clul.ul.pt/pt/index.php).

17 Além da amostra documental considerada para efeitos de tratamento linguístico no projeto Post Scriptum, existem muitas outras cartas de sua autoria em HCA 30/227 (folder 13).

18 Pai de Ribca Mendes, nascida em Bordéus.

19 Tratar-se-ia de Baltazar Isaac Oróbio de Castro (1617-1687), reputado médico e filósofo oriundo de Bragança que, por força das inquisições portuguesa, espanhola e italiana, se viu forçado, com a sua família, à diáspora, até chegar a Amesterdão, onde se teria fixado pelo menos na década de 1660.

20 Compreende-se aqui a informação e as notícias como dois tipos distintos de atos de fala assertivos.

21 Um dos mais representativos judeus instalados no Suriname, ao que consta, ali nascido e falecido (c. 1625-1694). A sua família fugira de Portugal em 1614, rumando a Amesterdão. A primeira sinagoga do Suriname foi construída precisamente nas suas terras, em Jodensavanne, e nela desempenhou funções de hazzan – cargo de grande centralidade, em cuja demanda as congregações coloniais se empenhavam, apelando a possíveis candidatos por todo o espaço atlântico (Faber 2005, 27).

22 Outras formas do seu nome: Schelomão/Schelemo de Oliveira. Rabino, líder do Beit Din da comunidade de Amesterdão, foi ainda autor de diversas obras, nomeadamente, a Medicina da Língua (1686) e o Livro da Gramatica Hebrayca e Caldayca (1689) (Silva 1862, 226-27).

23 Também em Hamburgo Frade (2006) notou manter o português um papel de relevo pelo seu uso corrente até à contemporaneidade.

24 A base deste antropónimo encontra a sua correlação no português José.

25 A propósito desta família e com alusão direta a Isaac del Sotto, Hagoort (1997) aprofunda os meandros das relações interpessoais e do estabelecimento de uniões maritais, em que a resistência e interesses materiais marcam a sua presença.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Leitão, « Da diáspora judaica no Caribe (séculos XVII e XVIII): desafios e revelações a partir da (re)descoberta da sua correspondência epistolar », Ler História, 74 | 2019, 63-85.

Referência eletrónica

Ana Leitão, « Da diáspora judaica no Caribe (séculos XVII e XVIII): desafios e revelações a partir da (re)descoberta da sua correspondência epistolar », Ler História [Online], 74 | 2019, posto online no dia 25 junho 2019, consultado no dia 22 julho 2019. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/5043 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.5043

Topo da página

Autor

Ana Leitão

Universidade de Lisboa, Portugal

analeitao.flul@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals