Navegação – Mapa do site
Dossier: Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII

Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII: declínio ou adaptação?

Portuguese Jews in Europe and the Caribbean, 17th-18th Centuries: Decline or Adaptation?
Juifs portugais en Europe et dans les Caraïbes, XVIIe et XVIIIe siècles: déclin ou adaptation?
José Alberto Rodrigues da Silva Tavim
p. 9-16

Resumos

Os quatro textos que constituem este dossier, apresentando estudos de caso que revelam situações problemáticas em cada uma das comunidades analisadas, podem subordinar-se a um questionário comum: quando (e como) é que se pode falar de “declínio” dos diversos grupos de judeus de matriz portuguesa? Ou será que é preferível falar de “adaptação”? Incidindo sobre uma cronologia extensa e espaços variados, este dossier observa como diversas comunidades de judeus de matriz portuguesa tentaram controlar ou enfrentar problemas de gestão interna ou no contexto da sua relação com a sociedade envolvente. Os artigos de Hugo Martins e Julia Lieberman lidam com estratégias dos órgãos governativos para gerirem assuntos internos. As contribuições de Ana Leitão e de Blanca de Lima revelam como uma agenda interna, neste caso de índole económica, era também premente no contexto dos espaços coloniais em que estes judeus se moviam. Este texto constitui a introdução ao dossier temático Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII, organizado por José Alberto Tavim.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Ver, por exemplo, Roitman (2011), Trivellato (2009), e Trivellato, Halevi e Antunes (2014).
  • 2 Ver, por exemplo, Costa (1993 e 2016), e Révah (2004).
  • 3 Ver, por exemplo, Kaplan (1989 e 1996), Den Boer (1996 e 2002), Swetschinski (1982a, 1982b e 2000 (...)

1A chamada nação portuguesa – um termo cuja sibilina carga semântica remete para os judeus da Idade Média ibérica, mas que se aplica a todos os que têm esta matriz após as expulsões de finais do século XV e as consequentes conversões ao cristianismo – tem sido alvo de importantes estudos, sobretudo consagrados ao funcionamento das suas redes negociais e da sua vida cultural e religiosa. Estes estudos incidem sobre um vasto conjunto de tópicos: o negócio inter e transcultural;1 a vertente normativa imposta pela elite governativa em diáspora e os desvios à norma, ou a recusa da mesma (caso exemplar de Uriel da Costa);2 o carácter idiossincrático do cultivo e transmissão de valores ibéricos a todos os níveis, desde a indumentária, o apego às modas literárias ibéricas, a criação de academias literárias como na Península Ibérica, a existência de mecenas e a sua corte de artistas, até à correspondência com entidades políticas importantes de Espanha e Portugal, como os próprios monarcas.3 Relativamente aos judeus, estas abordagens incidem na sua maior parte sobre o período áureo das comunidades portuguesas estabelecidas na Europa e suas diásporas para as colónias dos países em que se acolheram. A cronologia deste período áureo é variável, mas podemos avançar que nos casos das comunidades de Livorno, Hamburgo e cidades-satélites, Amesterdão e cidades-satélites, e ainda em urbes do sudoeste francês, o século XVII foi o mais dinâmico em todas as esferas da vida sócio-económica, religiosa e cultural, tomando depois a dianteira a comunidade de Londres.

2Diferentemente, este dossier procura explorar, não o período áureo, mas sim a fase crepuscular da nação portuguesa, também ela com cronologias diferentes para as diversas comunidades que a compõem. Toma como objecto de análise e discussão quatro estudos de caso, situados quer na Europa, quer nas Caraíbas, um dos espaços coloniais preferidos por estes judeus da diáspora ibérica. Sabemos que, no fim do Antigo Regime, a nação portuguesa vai deixando de ser tão unida e tão dispersa pelas diversas constituições políticas europeias como no seu auge, e que nessa repartição pelos espaços políticos do velho e do novo mundo se observa uma adaptação aos particularismos das sociedades locais, seja por exemplo através de uma progressiva “nacionalização” da comunidade, seja por vezes através de uma “secularização” das suas instituições, acompanhando o movimento geral, em determinados países, de uma separação entre as estruturas civis e religiosas.

3O período cronológico em causa tem sido descurado, com algumas notáveis excepções, como consequência da intuição de que nele se verificou uma decadência da rede dos “homens de negócios portugueses”. Assim, esta percepção negativa arrastou os investigadores sociais para outras cronologias, interpretadas como os períodos de auge económico, social e cultural. Porém, outra questão que se coloca é quanto esse período considerado de auge não foi igualmente perturbado, quer internamente, quer na relação da nação com as entidades sociais e políticas externas. Pelo contrário, a fase considerada crepuscular não revelará uma evolução ou adaptação da comunidade ao nível das estruturas económicas e sociais que permitiram a sempre pretendida manutenção de uma identidade? Algumas destas questões já foram abordadas. Recordemos as páginas consagradas por Jonathan Israel (2002, 567-84) ao fim das redes marítimas sefarditas entre 1714 e 1740; os estudos de Evelyne Oliel-Grauz (2001, 2004, 2007) sobre a diáspora dos homens da nação em Setecentos, e suas dificuldades ao nível da comunicação e redes, inclusive os conflitos intercomunitários; ou ainda a abordagem de Francesca Trivellato (2009), mostrando o estrondoso falhanço da “empresa” Ergas e Silvera de Livorno, na primeira metade do século XVIII.

4Como já referimos, o dossier que aqui se propõe revisita este tema nos espaços europeus e coloniais, com quatro estudos que têm como fundamento documentação inédita ou pouco explorada, e interpretações que resultam em argumentação diferente sobre a questão premente: afinal, quando e como se deve falar do crepúsculo das comunidades judaicas de matriz ibérica no Antigo Regime? O estudo de Hugo Martins sobre a comunidade judaica de Hamburgo revela que, logo desde o início, a esta se impunha um contexto adverso que levou ao seu desvanecer precoce – se compararmos com os casos de Londres e até da contemporânea e mais florescente comunidade de Amesterdão, verdadeira “mãe” das diásporas judaicas no Novo Mundo. O mais estrito controlo luterano da sociabilidade dos homens da nação que foram admitidos a viver em Hamburgo, ou seja, da manifestação da identidade judaica, constringiu de tal forma o autocontrole por parte do Mahamad (junta governativa) da comunidade, que levou a um aumento exponencial do nível dos pleitos – uma tradição de contestação dentro da comunidade que servia para gerir divergências internas mas que em Hamburgo, devido ao seu acréscimo, se tornou asfixiante económica e socialmente para os seus membros. De tal forma que vai levar a uma migração de muitos membros da comunidade de Hamburgo para a de Amesterdão – que conseguia sobreviver em condições menos adversas – como é o caso dos famosos Curiel ou Nunes da Costa (Israel 1984, 1987; Swetschinski 1982a). Este artigo vem comprovar, através de uma análise aturada dos “Livros da Nação” da comunidade, que esta possuía desde o início as sementes de uma inadequação ao seu crescimento económico-social, que levou ao seu estiolar lento já desde a segunda metade do século XVII (Kaplan 1994; Studemund-Halévy e Poettering 2004; Martins 2018).

5A contribuição de Julia Lieberman centra-se sobre a comunidade de Londres que, como referimos, teve uma cronologia mais tardia. Daí que os problemas que já vinham de longe nas outras comunidades da nação (por exemplo, na de Amesterdão – ver Bernfeld 2012) sejam mais acutilantes aqui em meados do século XVIII: como fazer frente ao problema dos pobres, que eram a maioria dos membros da comunidade, e que foram afluindo a Londres devido ao dinamismo do império britânico e da economia inglesa em geral, e sobretudo fugindo à perseguição inquisitorial? Através de uma apurada investigação em arquivos de Jerusalém e Londres, Julia Lieberman traça-nos um quadro das iniciativas tomadas pelo Mahamad de Londres para responder a estes problemas, que passaram pelo pagamento de viagens para aqueles que pretendiam estabelecer-se nas colónias britânicas, pela criação de um hospital (Bet Holim) oferendo serviços de carácter caritativo, e pela criação da instituição Ma’asim Tovim, que providenciou auxílio aos jovens para aprenderem um ofício, e também pela criação de uma loja de penhores sem juros. Contudo, o peso financeiro destas iniciativas, que se repercutiu na carga tributária, era tão grave que levou mesmo ao afastamento de alguns dos seus membros.

6A autora chama a atenção que o modelo financeiro para as instituições de carácter caritativo que providenciavam o auxílio referido era o das chamadas “joint stock or associated charities”, fundadas em Londres nos anos quarenta do século XVIII; e que o tipo de gestão do hospital caritativo era semelhante ao dos outros hospitais associativos daquele tempo – o que revela já uma maior permeabilidade da comunidade às estruturas sociais locais, que promoviam uma reforma do problema da pobreza, em vez de apenas se limitarem a oferecer caridade. Julia Lieberman salienta que, a princípio, a criação do hospital e da sociedade de auxílio aos jovens e adultos que desejavam recorrer ao crédito deram resultados positivos: conseguiram responder ao afluxo dos perseguidos pela Inquisição e outros pobres. Contudo, o problema continuou devido ao facto de não ter crescido na mesma proporção o número de “ricos” necessários para providenciar tanta caridade. Mas, como referido, um dos elementos mais interessantes desta contribuição é o facto de a autora revelar o recurso da comunidade judaica espanhola e portuguesa aos modelos protestantes para solucionar um problema crónico da mesma.

7Os dois artigos seguintes transportam-nos para a dimensão colonial, em que o Caribe surge como um dos destinos de eleição da diáspora dos judeus de matriz ibérica (v.g. Arbell 2002; Ben-Ur 2006; Gerber 2014). O texto de Ana Leitão analisa uma documentação especial, hoje guardada nos arquivos nacionais ingleses (em Kew), produzida pelos próprios judeus que viajavam para Barbados, Curaçau, Suriname e Jamaica. Trata-se, como a autora especifica, de correspondência particular apresada pelas autoridades inglesas, mais propriamente pelo Supremo Tribunal do Almirantado, devido à suspeita de conivência desses judeus com os interesses holandeses, no contexto das guerras anglo-holandesas dos séculos XVII e XVIII, e que respeita ao foro privado dos seus autores, seja este a vida familiar ou os negócios particulares, por vezes em conjunção. Na verdade, o que aqui se percepciona é a transgressão dos actores em causa, visto que, como também menciona Ana Leitão, parte da correspondência é contemporânea da implantação dos Atos de Navegação de Cromwell, que proibiam o trato comercial das possessões ultramarinas inglesas com a Holanda, a Espanha, a França e as suas respectivas colónias. A autora apura ainda dados interessantes sobre o multilinguismo destes judeus e sobre as suas preocupações constantes, quer como colonos, quer como negociantes, revelando, como bem salientou Adam Sutcliffe (2007), que estamos ainda bastante longe do contexto de actuação dos capitalistas modernos.

8Ainda sobre o Caribe, Blanca de Lima apresenta uma perspectiva da análise das actividades destes judeus, no local. Partindo do estudo da parceria de negócios dos irmãos Jacobo/Felipe e David Senior Henríquez, desenvolvidos entre a ilha holandesa de Curaçau e o território continental de Coro, sob domínio espanhol, Blanca de Lima deixa-nos vislumbrar como estes judeus continuam, no outro lado do Atlântico, a desempenhar o papel fundamental de interlocutores entre países em litígio, mas cujas economias eram complementares – fenómeno tanto mais incisivo quanto a ilha de Curaçau e a região de Coro formavam parte de um mesmo contexto geográfico e se posicionavam estrategicamente perante o mesmo hinterland. Como especifica a autora, a sua forma de actuação continua, no fim do século XVII e princípios do seguinte, a ser a mesma: baseada na firma familiar, que valorizava em termos de protagonismo social e económico o grupo fechado e endogâmico. Vindos directamente de Amesterdão e ancorados ali numa importante rede familiar, os irmãos Senior vão-se imiscuir no âmago do negócio de Curaçau com a costa vizinha da colónia espanhola, ou seja, o comércio dos escravos e o contrabando de bens da terra, como o cacau, o tabaco e o açúcar, trocados por bens provenientes da Europa, como os têxteis ou a pólvora. Mais propriamente, vão incidir os seus investimentos no negócio de armas e munições, inclusive com o governador de Cartagena de Índias, e de escravos.

9O mais interessante é que, nestes negócios, vão estabelecer relações com companhias comerciais de países inimigos, e com corsários, revelando que as suas estratégias ultrapassavam questões de fidelidade política ou de preconceito étnico. Aliás, os próprios irmãos Senior acabaram por obter autorização para armar navios de corso – o que recorda as estratégias de Samuel Pallache, de Marrocos, estudadas por Mercedes García-Arenal e Gerard Wiegers (2006, 133-52). Jacobo envolveu-se ainda em actividades políticas na Venezuela contra Filipe de Anjou, que se tornaria Filipe V, rei de Espanha. David também se envolveu em actividades de teor diplomático, mas no término da vida verifica-se que sofrera graves perdas no negócio dos seguros marítimos, o que lembra o falhanço da colossal firma Ergas-Silveira, estudado por Francesca Trivellato (2009). Enfim, como bem salienta Blanca de Lima, as opções vivenciais destes homens de negócios a nível local são mais complexas do que o mero serviço de intermediários económicos, a partir do momento em que se imiscuem política e diplomaticamente nos destinos locais.

10Portanto, o que sobressai nestes quatro artigos é que a resposta das comunidades judaicas de matriz ibérica dependia das condições em que os seus membros eram acolhidos, e das formas de gestão dos vários condicionantes internos e externos. Tendo como base a fidelidade possível da rede familiar, mais ou menos alargada, estes judeus envolvem-se em negócios que fogem ao controle das potências que os acolhem, e sob a placidez da prática mercantil vislumbram-se estratégias próprias de acção, mesmo de teor político. Estratégias próprias de coordenação da vida da comunidade e de resolução de problemas internos são visíveis também através dos dois primeiros artigos. Digamos que, em realidades diferentes, estas abordagens vão de encontro às premissas de David Ruderman (2010), quando considera que a aproximação à história das comunidades judaicas de matriz ibérica, na Idade Moderna, deve ter em conta que estas não agem apenas em consequência de motivações externas, mas também em função das suas múltiplas agendas, económicas, sociais e culturais. E são estas agendas que também devem ser equacionadas quando falamos de crepúsculo (ou não) de uma comunidade.

Topo da página

Bibliografia

Arbell, Mordechai (2002). The Jewish Nation of the Caribbean: the Spanish-Portuguese Jewish settlements in the Caribbean and the Guianas. Jerusalem: Gefen.

Ben-Ur, Aviva (2006). “Distingués des autres Juifs: les Séfarades des Caraïbes (‘Distinguished from Other Jews:’ Sephardim in the Caribbean)”, in S. Trigano (ed), Le Monde sépharade: histoire et civilization. Vol. I. Paris: Seuil, pp. 279-328.

Bernfeld, Tirtsah Levie (2012). Poverty and Welfare among the Portuguese Jews in Early Modern Amsterdam. Oxford: The Littman Library of Jewish Civilization.

Costa, Uriel da (1993). Examination of Pharisaic Traditions [1624], ed. H. Salomon e I. Sassoon. Leiden: Brill.

Costa, Uriel da (2016). “Exame das Tradições”, in Uriel da Costa e a nação portuguesa. Edição diplomática e estudo do “Exame das tradições fariseas” [1624], ed. Adma Muhana. São Paulo: Humanitas e Fapesp.

Den Boer, Harm (1996). La literatura sefardí de Amsterdam. Alcalá de Henares: Instituto Internacional de Estudios Sefardíes y Andalusíes.

Den Boer, Harm (2002). “Las múltiplas caras de la identidad. Nobleza y fidelidad ibéricas entre los sefardíes de Amsterdam”, in J. Contreras, B. J. García García, I. Pulido (eds), Familia, Religión y Negocio. El sefardismo en las relaciones entre el mundo ibérico y los Países Bajos en la Edad Moderna. Alcalá de Henares: Fundación Carlos de Amberes e Ministerio de Asuntos Exteriores, pp. 95-112.

García-Arenal, Mercedes; Wiegers, Gerard (2006). Un hombre en tres mundos. Samuel Pallache, un judío en la Europa protestante y en la católica. Madrid: Siglo XXI.

Gerber, Jane (ed) (2014). The Jews in the Caribbean. Oxford: The Littmann Library of Jewish Civilization.

Israel, Jonathan (1984). “An Amsterdam Jewish Merchant of the Golden Age: Jeronimo Nunes da Costa (1620-1697), Agent of Portugal in the Dutch Republic”. Studia Rosenthaliana, 18 (1), pp. 21-40.

Israel, Jonathan (1987). “Duarte Nunes da Costa (Jacob Curiel), of Hamburg, Sephardi Nobleman and Communal Leader (1585-1644)”. Studia Rosenthaliana, 21 (1), pp. 14-34.

Israel, Jonathan (2002). Diasporas within a Diaspora. Jews, Crypto-Jews and the World Maritime Empires. Leiden: Brill.

Kaplan, Yosef (1989). From Christianity to Judaism. The Story of Isaac Orobio de Castro. Oxford: The Littman Library for Jewish Civilization.

Kaplan, Yosef (1994). “The place of Herem in the Sefardic Community of Hamburg during the Seventeenth Century”, in M. Studemund-Halévy, P. Koj (eds), Die Sefarden in Hamburg. Zur Geschichte einer Minderheit. Hamburg: Helmut Buske Verlag, pp. 63-88.

Kaplan, Yosef (1996). Judíos nuevos en Amsterdam. Estudio sobre la historia social e intelectual del judaísmo sefardí en el siglo XVII. Barcelona: Editorial Gedisa.

Martins, Hugo Filipe Cabrita (2018). A comunidade Judaico-Portuguesa de Hamburgo entre 1652 e 1682. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Dissertação de Doutoramento).

Oliel-Grausz, Évelyne (2001). “A Study in Intercommunal Relations in the Sephardi Diaspora: London and Amsterdam in the Eigtheenth Century”, in C. Brasz, Y. Kaplan (eds), Dutch Jews as perceived by themselves and by the Others. Proceedings of the Eighth International Symposium on the History of the Jews in the Netherlands. Leiden: Brill, pp. 41-58.

Oliel-Grausz, Évelyne (2004). “La diaspora séfarade au XVIIIe siècle : communication, espaces, réseaux”. Arquivos do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, 48, pp. 55-71 

Oliel-Grausz, Évelyne (2007). “Communication, marchandise et religion : les négociants séfarades au XVIIIe siècle”, in A. Burkardt, G. Bertrand, Y. Krumenacker (eds), Commerce, voyage et expérience religieuse, XVIe-XVIIIe siècles. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, pp. 145-159.

Révah, Israël Salvator (2004). Uriel da Costa et les Marranes de Porto. Cours au Collège de France, 1966-1972, ed. Carsten L. Wilke. Paris: Centre Culturel Calouste Gulbenkian.

Roitman, Jessica (2011). The Same but Different? Inter-Cultural Trade and Sephardim, 1595-1640. Leiden: Brill.

Ruderman, David R. (2010). Early Modern History. A New Cultural History. Princeton: Princeton University Press.

Studemund-Halévy, Michael; Poettering, Jorun (2004). “Étrangers universels: les réseaux séfarades à Hambourg”. Arquivos do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, 48 (La Diaspora des Nouveaux-Chrétiens), pp. 117-150.

Sutcliffe, Adam (2007). “Sephardic Amsterdam and the Myths of Jewish Modernity”. The Jewish Quarterly Review, 97 (3), pp. 417-437.

Swetschinski, Daniel M. (1982a). “An Amsterdam Jewish Merchant-Diplomat: Jeronimo Nunes da Costa alias Moseh Curiel (1620-1697), Agent of the King of Portugal”, in L. Dasberg, J. N. Cohen (eds), Neveh Ya’akov Jubilee Volume Presented to Dr. Jaap Meijer on the Occasion of his Seventieth Birthday. Assen: Van Gorcum, pp. 3-30.

Swetschinski, Daniel M. (1982b). “The Portuguese Jews of Seventeenth-Century Amsterdam: Cultural Continuity and Adaptation”, in F. Malino, Ph. C. Albert (eds), Essays in Modern Jewish History: A Tribute to Ben Halpern. New York: Herzl Press, pp. 56-80.

Swetschinski, Daniel M. (2000). Reluctant Cosmopolitans. The Portuguese Jews of Seventeenth-Century Amsterdam. Oxford: The Littman Library of Jewish Civilization.

Tavim, José Alberto Rodrigues da Silva (2013). “A Lover`s Discourse: Fragments. The Peninsula, Portugal and its Empire in the Iberian Jews` Discourse. A Few Examples with Some Reflections”. Hispania Judaica Bulletin, 9, pp. 249-277.

Trivellato, Francesca (2009). The Familiarity of Strangers. The Sephardic Diaspora. Livorno and Cross-Cultural Trade in the Early Modern Period. New Haven: Yale University Press.

Trivellato, Francesca; Halevi, Leor; Antunes, Cátia (eds) (2014). Religion and Trade. Cross-Cultural Exchanges in World History, 1000-1800. New York: Oxford University Press.

Topo da página

Notas

1 Ver, por exemplo, Roitman (2011), Trivellato (2009), e Trivellato, Halevi e Antunes (2014).

2 Ver, por exemplo, Costa (1993 e 2016), e Révah (2004).

3 Ver, por exemplo, Kaplan (1989 e 1996), Den Boer (1996 e 2002), Swetschinski (1982a, 1982b e 2000), e Tavim (2013).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Alberto Rodrigues da Silva Tavim, « Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII: declínio ou adaptação? », Ler História, 74 | 2019, 9-16.

Referência eletrónica

José Alberto Rodrigues da Silva Tavim, « Judeus portugueses na Europa e nas Caraíbas, séculos XVII-XVIII: declínio ou adaptação? », Ler História [Online], 74 | 2019, posto online no dia 04 julho 2019, consultado no dia 21 julho 2019. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/5179 ; DOI : 10.4000/lerhistoria.5179

Topo da página

Autor

José Alberto Rodrigues da Silva Tavim

Centro de História, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Portugal

tavim40@hotmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals