Navegação – Mapa do site

Editorial

José Vicente Serrão
p. 5-6

Texto integral

1Embora a história do fracasso nunca se tenha constituído em campo de estudos específico nem seja assumida como um “género” próprio dentro da disciplina histórica, são incontáveis os exemplos de uma atracção dos historiadores por temas conotados com a “negatividade”, sejam as crises, as catástrofes, o atraso, as batalhas perdidas, os massacres, as pestes, as falências, os pobres, os colonizados ou toda a sorte de “vítimas da História”. Vem isto a propósito do dossier que se publica nesta edição sob o título de “Projectos constitucionais fracassados”. Porque, na área dos estudos constitucionais, aquela abordagem pela via do insucesso tem sido pouco ou nada explorada, nisso consiste a principal novidade e oportunidade deste dossier, onde se reúnem quatro estudos de caso – dois sobre Portugal e dois sobre o Brasil – que têm em comum o facto de tratarem de projectos constitucionais do século XX que não foram aprovados ou que foram parcialmente rejeitados. Com isso se põe também em relevo a intensidade do conflito político e da negociação que historicamente caracteriza os processos de reforma constitucional.

2Os outros artigos deste número percorrem uma extensa cronologia e uma variedade de enfoques temáticos que se distribuem pela história económica, a história cultural, a história ambiental e a história política. O primeiro deles traz à luz novos dados sobre salários e padrões de vida na Índia colhidos em fontes portuguesas do século XVI, com os quais os autores esperam contribuir para o debate internacional sobre a denominada “grande divergência”, um debate que, nas últimas duas décadas, vem discutindo o sentido, a cronologia e as razões da disparidade do desenvolvimento económico entre a Europa e a Ásia na longa duração. É também de história económica que trata o artigo de Jeremy Land e Rodrigo Dominguez sobre as relações marítimas e comerciais de Filadélfia com Lisboa no século XVIII. Com base em dados recolhidos nos registos alfandegários e similares de ambos os portos, os autores pretendem demonstrar o dinamismo daquelas relações no espaço atlântico, a despeito, e porventura à margem, do quadro legal restritivo que a Grã-Bretanha impunha ao livre-comércio entre as suas colónias e outras potências coloniais. Na contribuição de Koldo Trápaga e Félix Labrador cruzam-se a história económica e a história política com a história ambiental. Nela se discute o problema dos recursos florestais no Portugal moderno na sua articulação com as necessidades da construção naval. Confrontando as políticas florestais com outros dados, os autores põem em causa a tese, muito difundida, de que a construção naval teria sido responsável pela erosão da massa florestal do país e questionam mesmo a existência de uma verdadeira desflorestação.

3Num registo de história cultural, o artigo de Ana Isabel López-Salazar transporta-nos para a Goa colonial do século XVII. Nesse ambiente, muito marcado já por desigualdades sociais e raciais, as proposições teológicas aparentemente menores de um frade teatino – que defendia o livre acesso à comunhão por parte dos “cristãos da terra” e dos escravos de origem africana – abriram todo um debate sobre questões de raça, religião, escravatura e discriminação. No último artigo da secção generalista, Joana Baião sistematiza pela primeira vez a informação relativa à concessão de bolsas de formação no estrangeiro para artistas portugueses durante o período entre-guerras. Essa política cultural – ou políticas, no plural, visto que o período cobre diversos regimes políticos – teve rupturas e continuidades, mas a autora salienta, em linhas gerais, o seu efeito positivo em termos de internacionalização do meio artístico português. Quanto ao mais, nesta edição, merece um especial destaque a entrevista com o historiador norte-americano Jack Greene – fundador da chamada Atlantic History e um dos mais influentes historiadores da América colonial e dos impérios da época moderna nas últimas décadas – assim como, na secção de recensões, as contribuições críticas e reflexivas de Ronaldo Vainfas e José Subtil para o debate em torno de um livro recente dedicado à “comunicação política” no quadro do império português do Atlântico.

4No seu conjunto, este número 75 espelha assim, uma vez mais, o pluralismo e equilíbrio que vêm constituindo marcas do padrão editorial da Ler História a todos os níveis – temas, cronologias, geografias, línguas, autores. No que a estes respeita, uma observação atenta dos últimos números por certo mostrará como aquela diversidade e equilíbrio se traduzem em termos de género, de gerações, de afiliações institucionais, de nacionalidades e de posturas historiográficas. Critérios que, aliás, se poderiam estender a todos os especialistas (e foram 191 nos últimos três anos) que se têm disponibilizado para avaliar os artigos submetidos para publicação. A todos, o nosso agradecimento pela colaboração.

5Por fim, uma palavra para referir que a Redacção da revista foi recentemente objecto de uma pequena remodelação, com a entrada de três novos membros (e em breve mais um) que vêm acrescentar juventude, diversidade institucional, internacionalização e um maior equilíbrio de especialidades ao corpo editorial da Ler História.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História, 75 | 2019, 5-6.

Referência eletrónica

José Vicente Serrão, « Editorial », Ler História [Online], 75 | 2019, posto online no dia 31 dezembro 2019, consultado no dia 26 janeiro 2020. URL : http://journals.openedition.org/lerhistoria/5280

Topo da página

Autor

José Vicente Serrão

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Ler História está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Topo da página
  • Logo ISCTE-IUL
  • Logo FCT
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • OpenEdition Journals